SlideShare uma empresa Scribd logo
OS IMPÉRIOS PENINSULARES
EXPANSÃO DOS IMPÉRIOS PENINSULARES
Que rumos tomou a expansão nos períodos de D. Henrique, de D. Afonso V, de D. João II e de
D. Manuel I?
O IMPÉRIO PORTUGUÊS
Como foram explorados e colonizados os territórios descobertos ou conquistados
pelos portugueses?
Arquipélagos
atlânticos:
capitanias-
donatarias
Império
Português
no Oriente:
Vice-reinos
Costa
Ocidental
Africana:
FeitoriasBrasil:
Governo
Geral
Objetivo:
Fazer comércio (fixaram-se ao longo da costa e
estabeleceram feitorias onde comercializavam
escravos, ouro , marfim, malagueta, sal, contas de
vidro…)
O continente africano nos sécs. XV e XVI
Feitorias
Os portugueses em África
Relações entre portugueses e africanos
As relações eram , essencialmente, comerciais, mas geraram interinfluências culturais:
Nos portugueses:
- Novos hábitos alimentares;
- Música
Nos africanos:
- Religião;
- Língua;
- Cultura;
Aculturação
Os portugueses no Brasil
Oficialmente descoberto em 1500, o território do Brasil só começou a ser colonizado cerca de 30 anos mais tarde.
Mapa de Lopo Homem (1519)Pedro Álvares Cabral
Fases da colonização
Numa fase inicial, a Coroa arrendou o comércio do Brasil a particulares que exploravam os
recursos naturais do território.
Arrendamento (1502)
A Coroa não dedicou muita atenção a este território, uma vez que os seus interesses dirigiam-se para o comércio do
açúcar madeirense, do ouro da Mina e dos produtos orientais.
O Brasil era utilizado como escala para as armadas que seguiam para a Índia.
Em 1516 são enviados missionários
franciscanos para converter os índios;
A ameaça francesa e espanhola à costa brasileira, leva à sua colonização em 1530 (data que coincide
com a decadência da Rota do Cabo);
Capitanias (1534)
Entre 1534 e 1536 D. João III concedeu várias cartas de doação a capitães-donatários, encarregues do seu povoamento, defesa,
desenvolvimento económico e evangelização.
Luís Teixeira. Roteiro de todos os sinais..., 1586. Lisboa,
Biblioteca da Ajuda
Capitanias
hereditárias
Fracasso das Capitanias
- Rivalidades entre os donatários;
- Desigualdade dos recursos económicos e humanos
nas diferentes capitanias;
- Ataques dos holandeses e franceses;
Governo geral (1549)
Tomé de Sousa, primeiro
governador geral do Brasil
- Intensa colonização;
- Centralização na administração do território
(controlo dos donatários);
- Defesa dos ataques de pirataria;
- Missionação;
- Importação de escravos africanos (plantação da
cana-de-açúcar;
• Séc. XVI: Animais exóticos; pau-brasil; cana-
de-açúcar
• Séc. XVII: Cana-de-açúcar; tabaco
• Séc. XVIII: Ouro; diamantes
Exploração económica do território brasileiro
Mapa português da India, 1630. Detalhe do
atlas ”Taboas Geraes de toda a navegação"
de João Teixeira de Albernaz e D. Jerónimo de
Ataíde.
Os portugueses no Oriente
Os portugueses encontraram povos com
um nível cultural e civilizacional muito
desenvolvido (indianos, chineses e
japoneses), pouco recetivos aos
contactos com os ocidentais.
Objetivo:
Controlar o mar, as rotas e alguns pontos estratégicos para o comércio.
Os portugueses no Oriente no séc. XVI
Diniz, Mª Emília, Caldeira, Arlindo e Tavares, Adérito in
História 8
Meios para o alcançar:
- Utilização de poderosas esquadras (forte armada);
- Estabelecimento de alianças com príncipes indianos (que autorizaram a edificação de feitorias);
- Criação de um governo forte ( o vice-rei assegurava o monopólio da navegação e do comércio);
"GOA fortissima Indiae urbs Christianorum
potestatem anno salutis 1509 devenit", in
Braun & Hogenberg, "Civitates Orbis
Terrarum", 1572-1617.
Vista de Goa, em 1509, mostrando a cidade
já fortificada antes de sua conquista pelos
portugueses (que viria a ocorrer somente
em novembro de 1510) e antes da
construção da Fortaleza dos Reis Magos.
http://fortalezas.org/?ct=fortaleza&id_fortaleza=723&muda_idioma=PT
Os primeiros vice-reis na Índia
D. Francisco de Almeida
(1505-1509)
Afonso de Albuquerque
(1509-1515)
COMPETÊNCIAS
- Estabelecer alianças políticas e
militares;
- Instituir uma politica de fixação e
aceitação local dos portugueses;
- Construir fortalezas / policiar o Índico;
- Cumprir as disposições reais;
A atividade económica do mundo asiático atraía portugueses e muçulmanos, razão pela qual estes viam a
presença portuguesa como uma ameaça ao monopólio das especiarias e do comércio oriental.
Diniz, Mª Emília, Caldeira, Arlindo e Tavares, Adérito in
História 8
Cambista indiano em atividade
(Pintura portuguesa do séc. XVI)
Os espanhóis na América
Vice reinos
espanhóis na
América
Quando os espanhóis chegaram À
América encontraram povos com
civilizações evoluídas e organizadas:
Astecas (México), Maias (América
Central) e Incas (Peru).
Os espanhóis, usando a superioridade militar, dominaram as civilizações ameríndias e estabeleceram um grande império.
Fernando Cortez
assegurou a vitória
sobre os Astecas
Francisco Pizarro
conquistou o Império
Inca
- ocupar uma enorme área do território americano;
- obter grandes riquezas, primeiro através do saque dos tesouros acumulados pelos índios e depois através da
exploração de minas de ouro (na Buritica, atual Colômbia) e de prata (México e Peru);
- reduzir substancialmente a população indígena e aumentar a população branca;
- aumentar a “cristandade” através da conversão ao cristianismo;
- tornar Espanha na mais poderosa potência do séc. XVI (devido ao comércio que movimentava grande quantidades
de ouro e prata).
O Império espanhol na América permitiu:
A aculturação dos povos da América
Com a expansão dos europeus para a América ocorreu uma assimilação da
civilização europeia pelos povos indígenas.
Língua
Religião Novas
culturas
agrícolas
(cana de
açúcar,
oliveira,
videira…)
Urbanismo,
técnicas
agrícolas,
costumes…

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
Maria Gomes
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
Susana Simões
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
Carla Teixeira
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
Carlos Pinheiro
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugal
Carla Freitas
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
cattonia
 
Crise sec. xiv
Crise sec. xivCrise sec. xiv
Crise sec. xiv
cattonia
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
Vítor Santos
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
Susana Simões
 
Guerra dos cem anos
Guerra dos cem anosGuerra dos cem anos
Guerra dos cem anos
Eduard Henry
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
helder33701
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na península
Vítor Santos
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
Vítor Santos
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
Vítor Santos
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo português
Ramiro Bicca
 
A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIV
Maria Gomes
 
Romanos na Península Ibérica
Romanos na Península IbéricaRomanos na Península Ibérica
Romanos na Península Ibérica
Isabel Mendinhos
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
Carina Vale
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
Maria Gomes
 
Ppt aula de história final
Ppt   aula de história finalPpt   aula de história final
Ppt aula de história final
turma5C
 

Mais procurados (20)

Política expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João IIPolítica expansionista de D. João II
Política expansionista de D. João II
 
Conquista de ceuta
Conquista de ceutaConquista de ceuta
Conquista de ceuta
 
O poder régio
O poder régioO poder régio
O poder régio
 
Portugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo RegimePortugal na Europa do Antigo Regime
Portugal na Europa do Antigo Regime
 
18 reconquista cristã e a formação de portugal
18   reconquista cristã e a formação de portugal18   reconquista cristã e a formação de portugal
18 reconquista cristã e a formação de portugal
 
A abertura ao mundo
A abertura ao mundoA abertura ao mundo
A abertura ao mundo
 
Crise sec. xiv
Crise sec. xivCrise sec. xiv
Crise sec. xiv
 
O espaço português 1
O espaço português 1O espaço português 1
O espaço português 1
 
País urbano e concelhio
País urbano e concelhioPaís urbano e concelhio
País urbano e concelhio
 
Guerra dos cem anos
Guerra dos cem anosGuerra dos cem anos
Guerra dos cem anos
 
A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1A Crise De 1383 1385 1
A Crise De 1383 1385 1
 
C3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na penínsulaC3 cristãos e muçulmanos na península
C3 cristãos e muçulmanos na península
 
03 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_303 historia a_revisões_módulo_3
03 historia a_revisões_módulo_3
 
Império romano
Império romanoImpério romano
Império romano
 
Construção do império marítimo português
Construção do império marítimo portuguêsConstrução do império marítimo português
Construção do império marítimo português
 
A crise do século XIV
A crise do século XIVA crise do século XIV
A crise do século XIV
 
Romanos na Península Ibérica
Romanos na Península IbéricaRomanos na Península Ibérica
Romanos na Península Ibérica
 
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial  módulo II- 10º ANOPaís rural e senhorial  módulo II- 10º ANO
País rural e senhorial módulo II- 10º ANO
 
Política económica - século XVIII
Política económica - século XVIIIPolítica económica - século XVIII
Política económica - século XVIII
 
Ppt aula de história final
Ppt   aula de história finalPpt   aula de história final
Ppt aula de história final
 

Semelhante a A administração dos Impérios Peninulares

Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
FabioGuimaraes10
 
A afirmação do expansionismo europeu
A afirmação do expansionismo europeuA afirmação do expansionismo europeu
A afirmação do expansionismo europeu
helenacompleto
 
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptxHist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
LucianoFrana19
 
Colonização
ColonizaçãoColonização
Colonização
Cátia Botelho
 
O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
Susana Simões
 
Brasil colônia 2014
Brasil colônia 2014Brasil colônia 2014
Brasil colônia 2014
Janaina Flavia Santos Azevedo
 
O expansionismo europeu.pptx
O expansionismo europeu.pptxO expansionismo europeu.pptx
O expansionismo europeu.pptx
ssusera01edc
 
Os imperios peninsulares
Os imperios peninsularesOs imperios peninsulares
Os imperios peninsulares
Susana Simões
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.
Lara Lídia
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
Lucilia Fonseca
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
Lucilia Fonseca
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
Marcelo Ferreira Boia
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
Gregorio Neto
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
Elaine Bogo Pavani
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
Rafael Noronha
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
Rafael Noronha
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
IsadoraPaulino2
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
eebcjn
 
Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1
Centro Educacional 03
 

Semelhante a A administração dos Impérios Peninulares (20)

Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
Aula 01 a 06 - TILHA 3 COLONIZAÇÃO NA AMÉRICA PORTUGUESA Estrutura política, ...
 
A afirmação do expansionismo europeu
A afirmação do expansionismo europeuA afirmação do expansionismo europeu
A afirmação do expansionismo europeu
 
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptxHist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
Hist Ro aula 01 - Latitude 10.pptx
 
Colonização
ColonizaçãoColonização
Colonização
 
O império português do Oriente
O império português do OrienteO império português do Oriente
O império português do Oriente
 
Brasil colônia 2014
Brasil colônia 2014Brasil colônia 2014
Brasil colônia 2014
 
O expansionismo europeu.pptx
O expansionismo europeu.pptxO expansionismo europeu.pptx
O expansionismo europeu.pptx
 
Os imperios peninsulares
Os imperios peninsularesOs imperios peninsulares
Os imperios peninsulares
 
Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.Descobrimento da América portuguesa.
Descobrimento da América portuguesa.
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
 
Expansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João IIExpansão a partir de D. João II
Expansão a partir de D. João II
 
Brasil colonia 2
Brasil colonia 2 Brasil colonia 2
Brasil colonia 2
 
Brasil colnia 2
Brasil colnia 2 Brasil colnia 2
Brasil colnia 2
 
Brasil colnia
Brasil colniaBrasil colnia
Brasil colnia
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
15 história rafael - américa portuguesa
15 história   rafael  - américa portuguesa15 história   rafael  - américa portuguesa
15 história rafael - américa portuguesa
 
brasil colônia
brasil colônia brasil colônia
brasil colônia
 
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
Hist 3-aula012011-110710164412-phpapp02
 
Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1Grandes navegações e brasil colônia1
Grandes navegações e brasil colônia1
 

Mais de Susana Simões

Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
Susana Simões
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Susana Simões
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
Susana Simões
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
Susana Simões
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
Susana Simões
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
Susana Simões
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
Susana Simões
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
Susana Simões
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
Susana Simões
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
Susana Simões
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
Susana Simões
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Susana Simões
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Susana Simões
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
Susana Simões
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Susana Simões
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
Susana Simões
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Susana Simões
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
Susana Simões
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
Susana Simões
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
Susana Simões
 

Mais de Susana Simões (20)

Reestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanasReestruturação das instituições romanas
Reestruturação das instituições romanas
 
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
Antigo Regime-Contextualização do Módulo 6
 
Revolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em PortugalRevolução Liberal em Portugal
Revolução Liberal em Portugal
 
Revolução Francesa
Revolução FrancesaRevolução Francesa
Revolução Francesa
 
Momentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra friaMomentos de tensão durante a guerra fria
Momentos de tensão durante a guerra fria
 
Nascimento dos EUA
Nascimento dos EUANascimento dos EUA
Nascimento dos EUA
 
A Escultura Renascentista
A Escultura RenascentistaA Escultura Renascentista
A Escultura Renascentista
 
A Arquitetura Renascentista
A Arquitetura RenascentistaA Arquitetura Renascentista
A Arquitetura Renascentista
 
A Pintura Renascentista
A Pintura RenascentistaA Pintura Renascentista
A Pintura Renascentista
 
Consequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerraConsequências da segunda guerra
Consequências da segunda guerra
 
A Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra MundialA Segunda Guerra Mundial
A Segunda Guerra Mundial
 
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmicaArte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
Arte grega: arquitetura, escultura e cerâmica
 
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos AtlânticosDescoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
Descoberta colonização Arquipélagos Atlânticos
 
A cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - ContextualizaçãoA cultura da Ágora - Contextualização
A cultura da Ágora - Contextualização
 
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
Portugal: o projeto pombalino de inspiração iluminista.
 
Portugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicasPortugal e as dificuldades económicas
Portugal e as dificuldades económicas
 
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIIIDinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
Dinâmicas económicas entre os sécs. XVI-XVIII
 
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder políticoA Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
A Europa dos Parlamentos: sociedade e poder político
 
A sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo RegimeA sociedade no Antigo Regime
A sociedade no Antigo Regime
 
Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)Organização das Nações Unidas (ONU)
Organização das Nações Unidas (ONU)
 

Último

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
maria-oliveira
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Simone399395
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
beatrizsilva525654
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
erico paulo rocha guedes
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 

Último (20)

PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.pptESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
ESTRUTURA E FORMAÇÃO DE PALAVRAS- 9º ANO A - 2024.ppt
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de cursoDicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
Dicas de normas ABNT para trabalho de conclusão de curso
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionaisResumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
Resumo de Química 10º ano Estudo exames nacionais
 
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdfTrabalho de Geografia industrialização.pdf
Trabalho de Geografia industrialização.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 

A administração dos Impérios Peninulares

  • 2. EXPANSÃO DOS IMPÉRIOS PENINSULARES Que rumos tomou a expansão nos períodos de D. Henrique, de D. Afonso V, de D. João II e de D. Manuel I?
  • 3. O IMPÉRIO PORTUGUÊS Como foram explorados e colonizados os territórios descobertos ou conquistados pelos portugueses? Arquipélagos atlânticos: capitanias- donatarias Império Português no Oriente: Vice-reinos Costa Ocidental Africana: FeitoriasBrasil: Governo Geral
  • 4. Objetivo: Fazer comércio (fixaram-se ao longo da costa e estabeleceram feitorias onde comercializavam escravos, ouro , marfim, malagueta, sal, contas de vidro…) O continente africano nos sécs. XV e XVI Feitorias Os portugueses em África
  • 5. Relações entre portugueses e africanos As relações eram , essencialmente, comerciais, mas geraram interinfluências culturais: Nos portugueses: - Novos hábitos alimentares; - Música Nos africanos: - Religião; - Língua; - Cultura; Aculturação
  • 6. Os portugueses no Brasil Oficialmente descoberto em 1500, o território do Brasil só começou a ser colonizado cerca de 30 anos mais tarde. Mapa de Lopo Homem (1519)Pedro Álvares Cabral
  • 7. Fases da colonização Numa fase inicial, a Coroa arrendou o comércio do Brasil a particulares que exploravam os recursos naturais do território. Arrendamento (1502) A Coroa não dedicou muita atenção a este território, uma vez que os seus interesses dirigiam-se para o comércio do açúcar madeirense, do ouro da Mina e dos produtos orientais. O Brasil era utilizado como escala para as armadas que seguiam para a Índia. Em 1516 são enviados missionários franciscanos para converter os índios;
  • 8. A ameaça francesa e espanhola à costa brasileira, leva à sua colonização em 1530 (data que coincide com a decadência da Rota do Cabo); Capitanias (1534) Entre 1534 e 1536 D. João III concedeu várias cartas de doação a capitães-donatários, encarregues do seu povoamento, defesa, desenvolvimento económico e evangelização. Luís Teixeira. Roteiro de todos os sinais..., 1586. Lisboa, Biblioteca da Ajuda Capitanias hereditárias
  • 9. Fracasso das Capitanias - Rivalidades entre os donatários; - Desigualdade dos recursos económicos e humanos nas diferentes capitanias; - Ataques dos holandeses e franceses; Governo geral (1549) Tomé de Sousa, primeiro governador geral do Brasil - Intensa colonização; - Centralização na administração do território (controlo dos donatários); - Defesa dos ataques de pirataria; - Missionação; - Importação de escravos africanos (plantação da cana-de-açúcar;
  • 10. • Séc. XVI: Animais exóticos; pau-brasil; cana- de-açúcar • Séc. XVII: Cana-de-açúcar; tabaco • Séc. XVIII: Ouro; diamantes Exploração económica do território brasileiro
  • 11. Mapa português da India, 1630. Detalhe do atlas ”Taboas Geraes de toda a navegação" de João Teixeira de Albernaz e D. Jerónimo de Ataíde. Os portugueses no Oriente Os portugueses encontraram povos com um nível cultural e civilizacional muito desenvolvido (indianos, chineses e japoneses), pouco recetivos aos contactos com os ocidentais.
  • 12. Objetivo: Controlar o mar, as rotas e alguns pontos estratégicos para o comércio. Os portugueses no Oriente no séc. XVI Diniz, Mª Emília, Caldeira, Arlindo e Tavares, Adérito in História 8
  • 13. Meios para o alcançar: - Utilização de poderosas esquadras (forte armada); - Estabelecimento de alianças com príncipes indianos (que autorizaram a edificação de feitorias); - Criação de um governo forte ( o vice-rei assegurava o monopólio da navegação e do comércio); "GOA fortissima Indiae urbs Christianorum potestatem anno salutis 1509 devenit", in Braun & Hogenberg, "Civitates Orbis Terrarum", 1572-1617. Vista de Goa, em 1509, mostrando a cidade já fortificada antes de sua conquista pelos portugueses (que viria a ocorrer somente em novembro de 1510) e antes da construção da Fortaleza dos Reis Magos. http://fortalezas.org/?ct=fortaleza&id_fortaleza=723&muda_idioma=PT
  • 14. Os primeiros vice-reis na Índia D. Francisco de Almeida (1505-1509) Afonso de Albuquerque (1509-1515) COMPETÊNCIAS - Estabelecer alianças políticas e militares; - Instituir uma politica de fixação e aceitação local dos portugueses; - Construir fortalezas / policiar o Índico; - Cumprir as disposições reais;
  • 15. A atividade económica do mundo asiático atraía portugueses e muçulmanos, razão pela qual estes viam a presença portuguesa como uma ameaça ao monopólio das especiarias e do comércio oriental. Diniz, Mª Emília, Caldeira, Arlindo e Tavares, Adérito in História 8 Cambista indiano em atividade (Pintura portuguesa do séc. XVI)
  • 16. Os espanhóis na América Vice reinos espanhóis na América Quando os espanhóis chegaram À América encontraram povos com civilizações evoluídas e organizadas: Astecas (México), Maias (América Central) e Incas (Peru).
  • 17. Os espanhóis, usando a superioridade militar, dominaram as civilizações ameríndias e estabeleceram um grande império. Fernando Cortez assegurou a vitória sobre os Astecas Francisco Pizarro conquistou o Império Inca
  • 18. - ocupar uma enorme área do território americano; - obter grandes riquezas, primeiro através do saque dos tesouros acumulados pelos índios e depois através da exploração de minas de ouro (na Buritica, atual Colômbia) e de prata (México e Peru); - reduzir substancialmente a população indígena e aumentar a população branca; - aumentar a “cristandade” através da conversão ao cristianismo; - tornar Espanha na mais poderosa potência do séc. XVI (devido ao comércio que movimentava grande quantidades de ouro e prata). O Império espanhol na América permitiu:
  • 19. A aculturação dos povos da América Com a expansão dos europeus para a América ocorreu uma assimilação da civilização europeia pelos povos indígenas. Língua Religião Novas culturas agrícolas (cana de açúcar, oliveira, videira…) Urbanismo, técnicas agrícolas, costumes…