SlideShare uma empresa Scribd logo
RENASCIMENTO
AULA 10
PROFº bIM
Renascimento (Renascença) Período da História da
Europa (fins do século XIV e meados do século XVI), quando
diversas transformações assinalam o final da Idade Média e
o início da Idade Moderna. Apesar destas transformações
serem bem evidentes na cultura, sociedade, economia,
política e religião, caracterizando a transição do feudalismo
para o capitalismo e significando uma ruptura com as
estruturas medievais, o termo é mais comumente
empregado para descrever seus efeitos nas artes, na filosofia
e nas ciências.
“Renascimento, época de grandes
transformações na mentalidade
européia”
“Renascimento – História,
Cultura e Arte”
Chamou-se "Renascimento" em
virtude da redescoberta e
revalorização das referências
culturais da Antiguidade Clássica,
que nortearam as mudanças
deste período em direção a um
ideal humanista e naturalista. O
termo foi registrado pela primeira
vez por Giorgio Vasari já no
século XVI. Define-se como o
período da descoberta do
homem e do mundo.
Giorgio di Vasari
Florença
Siena
A Itália permaneceu sempre como o local onde o movimento apresentou maior expressão.
Quais as razões pelas quais Itália se
tornou o berço da arte renascentista?
1. Foi na Itália que o comércio e as
cidades mais se desenvolveram neste
período, dando origem a uma grande
quantidade de locais de produção
artística. Cidades como, por exemplo,
Veneza, Florença e Gênova tiveram
um expressivo movimento artístico e
intelectual. Devemos também
salientar que a Itália possuía uma
vigorosa tradição cultural e artística,
herança da cultura romana. Por este
motivo passou a ser uma das zonas
em que o Renascimento mais se
manifestou.
- Forte burguesia
A partir de 1453, com a queda de Constantinopla
(capital do Império romano do Oriente) nas mãos
dos Turcos muitos homens cultos fogem para
Roma e trazem manuscritos antigos.
MÓDULO 10 - ARTE RENASCENTISTA
(Séculos XV e XVI)
- Transição do medievalismo para o modernismo
- Crise feudal e ascensão do capitalismo.
- Mudanças culturais, políticas, econômicas, sociais e
religiosas.
- Literatura, filosofia, escultura, arquitetura e ciências.
- Primórdios: cidades italianas (entreposto comercial).
- Difusão por toda a Europa.
- Influência do estilo greco-romano (humanismo e naturalismo)
- “Civilização clássica” em oposição e menosprezo ao contexto
medieval (“noite de mil anos”).
Oposição à “Idade das Trevas”
• Antiguidade Clássica: valorização da razão e da
autonomia do ser humano.
• Instituições medievais: base para o renascentismo?
• São Tomás de Aquino (séc. XIII) – apoiou-se em
Aristóteles, ao defender que o homem pode conhecer
e estudar tudo o que não tivesse sido revelado por
Deus (verdades comprovadas versus verdades
reveladas).
• Humanismo (séc. XIV) – valorização do ser humano
como agente criador e capaz de pensar o mundo
racionalmente.
Nas escolas, os burgueses estudavam a
cultura grega e romana
Arte Grega
Arte
Romana
Começaram a dar
valor aos antigos
vestígios romanos
existentes nas
cidades italianas
RIVALIDADE ENTRE AS CIDADES ITALIANAS
A riqueza de algumas cidades italianas como Génova, Veneza e Florença fazia com
que rivalizassem entre si
Todas elas queriam construir os melhores monumentos e ter os melhores artistas
Vista sobre Florença, Stefano Bonsignori, Museu de Florença, 1470-1490
ARTISTAS RENASCENTISTAS
PRÁTICA DO MECENATO
A burguesia, como
grupo social menos
tradicional, buscou a
promoção social através
da arte e forneceu
apoio financeiro aos
artistas e pensadores. À
essa atitude damos o
nome de Mecenato.
Cosmo de Médici, um dos principais mecenas
Lourenço de Médicis,
governador da cidade de
Florença (1469-1492)
PINTURA
RENASCENTISTA
O Jardim das Delícias, de Bosch
CARACTERÍSTICAS DA PINTURA
RENASCENTISTAS
1. Aliar a harmonia à dramaticidade e empregar cores, formas e volumes com
equilíbrio. Ex: Escola de Atenas;
2. Variação de cores frias e quentes e o manejo da luz permitiram criar distâncias e
volumes que pareciam ser copiados da realidade. Ex: Visão em planos da Virgem
dos Rochedos;
3. Reprodução perfeita da figura humana. Ex: Nascimento de Vênus, de Botticcelli;
4. O artista do Renascimento não via mais o homem como simples observador do
mundo que expressava a grandeza de Deus, mas via como a expressão mais
grandiosa do próprio Deus. Podemos observar isso na maioria das telas;
5. Introdução do uso de tintas a óleo;
6. O mundo era pensado como uma realidade a ser compreendida cientificamente,
e não apenas admirada.
7. Naturalismo ,em arte se refere a descrição de objetos realísticos ambientes
naturais.
8. composição geométrica
9. técnica da perspectiva (ilusão de profundidade)
10. realismo
11. sfumato
Sócrates
Parmênides Ptolomeu
Arquimedes
Heráclito
Pitágoras explicando sua teoria
musical
Palas
Apolo
- A obra é um afresco em que aparecem ao centro Platão e
Aristóteles;
- Foi pintada a pedido do papa Julio II para enfeitar a sua
biblioteca;
- Platão segura o Timeu (é um dos diálogos de Platão,
escrito por volta de 360 a.C. O trabalho apresenta a
especulação sobre a natureza do mundo físico e os seres
humanos) e aponta para o alto (mundo inteligível).
Aristóteles segura a Ética e tem a mão na horizontal
(mundo sensível);
- Representação de sábios de várias épocas.
Rafael Sanzio retratou seus colegas renascentistas como personagens
históricos, na obra Escola de Atenas
• Composto de quatro afrescos principais, o painel retrata quatro
ramos distintos do conhecimento - a Filosofia, a Poesia, a Teologia e
o Direito. Em cada um dos afrescos, são retratadas diferentes
figuras do conhecimento - como Sócrates, Platão e Pitágoras - e
muitos deles recebem emprestado as feições de alguns camaradas
renascentistas de Rafael.
• A identidade das figuras não foi confirmada por Rafael e, por esse
motivo, existem diversas hipóteses para cada uma delas (apesar de
a presença de Aristóteles e Platão ser certa). De acordo com a
interpretação mais aceita, a numeração acima mostra duas vezes o
próprio Rafael (em 3 e 20), Michelangelo (em 13), Leonardo Da
Vinci (em 14), Giuliano da Sangallo (em 15), Donatello (em 17),
Donato Bramante (em 18) e Baldassare Castiglione (em 19).
- A pintura representa a deusa Vênus emergindo do mar como
mulher adulta, conforme descrito na mitologia;
- Alguns acreditam que a obra seja homenagem ao amor de
Giuliano di Medici por Simonetta Vespucci;
- A deusa Vênus emerge das águas em uma concha, sendo
empurrada para a margem pelos Ventos D'oeste, símbolos das
paixões espirituais, e recebendo, de uma Hora (as Horas eram
as deusas das estações), uma manto bordado de flores.
Apresenta-se de forma similar a antigas estátuas de mármore
da Antiguidade Clássica;
- Efeito de paganismo.
O Jardim das Delícias, Hieronymus Bosch 1450-1516
Útero
Cordão Umbilical
Cérebro
- Deus é representado como um ancião barbudo envolto em
um manto que divide com alguns anjos;
- O braço direito de Deus está esticado para criar o poder da
vida de seu próprio dedo para Adão, afinal ele foi criado a sua
própria imagem e semelhança. O braço esquerdo abraça Eva.
- Michelângelo era obcecado pela dissecação de cadáveres, por
isso usava metáforas em suas obras, conforme análise no
quadro.
- Indicação de Filme: Agonia e Êxtase
Michelangelo retratou o seu maior crítico como um demônio que guarda as
portas do inferno, no afresco O Juízo Final
• No entanto, havia uma pessoa que não estava nem um
pouco feliz com toda essa riqueza de detalhes. Biagio
da Cesena era mestre de cerimônias do papa, oficial
responsável por supervisionar os serviços realizados na
capela e garantir que as obras respeitassem a
santidade do local - coisa que ele não achou que a obra
de Michelangelo fazia, com todas aquelas pessoas nuas
em pêlo. Infelizmente para ele, suas observações foram
desconsideradas e, para piorar a situação,
Michelangelo, mordido pelas críticas, retratou Biagio
no afresco como Minos, o demônio responsável por
julgar e receber os pecadores no Inferno - completo,
com uma cobra agarrada e orelhas de burro.
De tempos em tempos, o Céu nos envia
alguém que não é apenas humano, mas
também divino, de modo que através de
seu espírito e da superioridade de sua
inteligência, possamos atingir o Céu.
Giorgio Vasari
Leonardo da Vinci 1452-1519
Homem Vitruviano
(Leonardo da Vinci)
-Duas posições sobrepostas
-Posições inscritas no circulo e quadrado
-Combinação de braços e pernas (quatro
posições)
-Cabeça ocupa 1/8 do corpo
-Ideia de movimento
-Umbigo imóvel: centro gravitacional
-Encaixe perfeito nas formas geométricas
-Área do quadrado é idêntica à do círculo
-Relação entre o homem e o universo
(simetria).
-Proporções. O Homem Vitruviano é
baseado numa famosa passagem do
arquiteto romano Vitrúvio na sua série de
dez livros , no terceiro livro, ele descreve as
proporções do corpo humano masculino: um
palmo é o comprimento de quatro dedos.
1. Uma das primeiras telas do mundo
a ter três dimensões;
2. A tela foi encomendada pela
Irmandade da Imaculada Conceição
de Milão para decorar o altar-mor
de sua capela. A primeira versão
está hoje no Museu do Louvre, em
Paris. O primeiro quadro deveria
obedecer a minuciosas orientações
descritas em contrato. Mas foi
muito diferente da encomenda, o
que chegou a azedar as relações
entre a entidade e o artista e
culminou num processo movido
pelos monges que se arrastou na
Justiça por mais de vinte anos.
Louvre National Gallery, Londres
-O seu sorriso restrito é muito
sedutor, mesmo que um pouco
conservador. Seu corpo representa o
padrão de beleza da mulher na época
de Leonardo.
- Em 1911, a Monalisa foi roubada.
-Vincenzo Peruggia,
- Pablo Picasso foi preso como
suspeito.
- Apresenta um grande nível de
deterioração, o que tem preocupado
os curadores do Louvre.
-É a obra MAIS CARA de todo o
mundo. Não há valor para a
Monalisa. Seu preço é inestimável.
Sfumatto
1ª Dimensão
2ª Dimensão
3ª Dimensão
Como o rosto é pintado
de frente, parece que
“te acompanha”
Véu
Composição em pirâmide: perfeita
simetria
Contraste entre claro e escuro
Paisagem: Lado mais alto do que o outro
A última ceia, provavelmente um dos mais famosos quadros do mundo, foi
muito avariado e sofreu inúmeras restaurações, motivos que levaram a
restar pouco do original. Entretanto, é incomparável a solidão de Cristo em
contraste com a agitação dos apóstolos, divididos em grupos de três.
Solidão
Leonardo da Vinci escondeu uma melodia na obra
A Última Ceia
• Em 2007, o técnico de computação italiano
Giovanni Maria Pala afirmou ter descoberto um
deles. Ao desenhar cinco linhas de partitura
sobre a imagem, Pala descobriu que os pedaços
de pão e as mãos de Jesus e dos apóstolos no
afresco se alinham como notas musicais. Tocadas
da direita para a esquerda, como era hábito de da
Vinci, o arranjo faz sentido musicalmente.
Especialistas nas obras de Leonardo dizem que a
teoria é plausível, dado que o artista também era
um músico talentoso.
Desenho de
Leonardo da Vinci
NATURALISMO: a representação do nu
valorizava o Homem na sua beleza natural
Lucas Cranach, Adão e Eva (1531) Lucas Cranach, Vénus e o Cúpido
REALISMO: os artistas renascentistas
representavam a realidade tal como a
observavam
Jan Van Eyck, Retrato de casamento
(1434)
No Renascimento desenvolveu-se,
também, a arte do retrato
Assume um importante
papel na valorização do
indivíduo
reflete o individualismo
do Homem do
Renascimento
Este tipo de obra era
encomendada com alguma
regularidade aos artistas.
Piero della Francesca,
Retrato de Federico
Montefeltro
Leonardo da Vinci,
Monalisa ou
Gioconda
Virgem e Menino com Santa de Leonardo da Vinci
(aproximadamente em 1510)
“sfumato”
O “sfumato” foi uma nova técnica amplamente
utilizada no Renascimento
Consistia num efeito de
gradação das cores, sem
utilizar contornos, onde os
efeitos de luz e sombra davam
a ilusão de distanciamento
face ao objeto central da tela
Esta nova técnica foi
inventada por mim.
hahahahaha
Leonardo da Vinci
As figuras são
representadas segundo
esquemas geométricos
Transmitem maior
equilíbrio ao conjunto
Pintura Medieval Pintura Renascentista
Perspectiva: ideia de profundidade
O que está mais
afastado é pintado em
tamanho menor
O Nascimento de Venus de Botticelli (1483) Esta pintura representa a
deusa Vênus a emergir
do mar como mulher
adulta, conforme o
descrito na mitologia
romana.
Temas da mitologia clássica
PINTORES RENASCENTISTAS
ITALIANOS
• - Leonardo da Vinci
• - Michelangelo
• - Rafael Sanzio
• - Sandro Botticelli
• - Giotto
A Literatura no Renascimento
A Literatura no Renascimento
considerou as obras clássicas
como modelos a seguir, nos
temas e nos gêneros literários.
Para a difusão destas obras
literárias também contribuiu a
descoberta da imprensa
(Gutemberg, meados do século
XV).
Na Literatura destacaram-se
Erasmo de Roterdam, Nicolau
Maquiavel...
O Príncipe,Maquiavel
Elogio da Loucura,
E. De Roterdam
O desenvolvimento da Ciência no
Renascimento
O homem ideal seria aquele que
procurasse a compreensão e o domínio
do homem e da natureza através das
artes, mas também das ciência.
O saber renascentista assentava
assim numa mentalidade racionalista,
ou seja, só se considerava válido o
conhecimento comprovado pela
observação e pela experiência humana.
Nesta época promoveu-se o
desenvolvimento de vários domínios do
saber como a Astronomia (Nicolau
Copérnico - teoria Heliocêntrica), a
Medicina (Anatomia do corpo
humano).
Invenções de Leonardo da Vinci
-Planta da Basílica de
São Pedro, feita por
Bramante.
-Está construída sob
os restos mortais de
São Pedro.
ARQUITETURA
• Procura de uma harmonia racional
• Regras modulares e proporções
modulares:
– Simetria
– Regularidade
– Alinhamento e proporção
• Riqueza da ornamentação
• Património Mundial da
Humanidade, a Basílica de São
Pedro foi considerada o maior
projeto arquitectónico da sua
época e continua a ser um dos
monumentos mais visitados e
celebrados do mundo. Foi
provado que sob o altar da
basílica está enterrado São Pedro
• A construção começou em 18 de
abril de 1506 e foi concluída em
18 de novembro de 1626.
• A sede oficial do Papado fica na
Basílica de São João de Latrão.
Interior da Cúpula da Basílica de S. Pedro
Características da arquitetura do
Renascimento:
• Elementos clássicos
- sobreposição de ordens arquitectónicas (dórica, jónica e
coríntia);
- arco de volta perfeita;
- o frontão;
- a abóbada de berço;
- a cúpula;
• Inovações do renascimento
- equilíbrio geométrico;
- simetria das formas e volumes;
- horizontalidade conseguida através de elementos como
cornijas, frisos e balaustradas.
Abóbada de Berço
Elementos arquitetónicos renascentistas
Arco de
volta
perfeita
Colunas
Frontão
triangular
Cúpula
Equilíbrio
Proporção / Simetria
Friso
Qualquer construção era planejada e executada segundo
regras geométricas
=
RACIONALIDADE, EQUILÍBRIO, SIMETRIA
Palácio Farnese, Roma (inícios do séc. XVI)
Os edifícios abandonam a verticalidade, típica do estilo gótico, e
passaram a ser marcados por linhas horizontais
=
HORIZONTALIDADE
O objetivo da arquitetura renascentista era:
criar a cidade ideal
Perspectiva de cidade ideal – obra atribuída a Piero Della Francesca, 1460.
Esquema de via de circulação e edifícios,
em dois níveis, para cidade ideal – obra
posterior a 1485 de Leonardo da Vinci
Catedral de Santa Maria de la Fiore
em Florença de Brunelleschi
Igreja de San Pietro in Montorio, obra
emblemática de Bramante
Arquitetos
• Brunelleschi  Bramante  Miguel Ângelo
A Escultura do Renascimento
David – Michelângelo
A Pietá – Michelângelo
David - Donatello
Características da escultura
renascentista
• Individualização (a escultura tornou-se
autônoma da arquitetura);
• Monumentalidade (as esculturas da figura
humana e equestre surgem com um aspecto
majestoso);
• Harmonia / equilíbrio geométrico (simetria das
formas e volumes equilibrados);
• Realismo (o corpo humano é representado com
rigor expressivo e anatómico, sendo-lhe
atribuindo um efeito de movimento natural).
Miguel Ângelo
• Miguel Ângelo di
Lodovico Buonarroti
Simoni, nasceu na cidade
de Capresse, Itália, no dia
6 de março de 1475.
Porém, o artista passou
parte de sua infância e
adolescência na cidade de
Florença. Morreu em 18
de fevereiro de 1564, aos
89 anos de idade na
cidade de Roma.
Harmonia
Realismo
(rigor expressivo e
anatómico)
Arte individual
(independente da
arquitetura)
Características da escultura renascentista
Pietá de Miguel Ângelo
-A fita que atravessa o
peito da Virgem Maria
traz a assinatura do
autor;
-O Cristo é menor que a
mãe para manter o
esquema triangular;
-POLIMENTO do
mármore é perfeito.
1498–1499
Basílica de São Pedro
- É uma estátua em
mármore e mede 5,17 m.
Foi realizada em um
gigantesco e desajeitado
bloco de mármore
abandonado.
- Retrata Davi não após a
batalha contra Golias, mas
no momento
imediatamente anterior a
ela, quando Davi está
apenas se preparando.
- (Florença/Itália)
Moisés (Michelangelo)
Piazza di San Pietro in Vincoli, Roma , Itália
• Miguel Ângelo
• Donato di Niccoló di
Betto Bardi, mais
conhecido apenas por
Donatello, foi um
importante escultor
italiano do período do
Renascimento Cultural.
Nasceu em 1386, na
cidade de Florença, e
morreu em 1466 na
mesma cidade. Donatello
Monumentalidade
Estátua equestre do Gattamelata, em Pádua de Donatello (1450)
Donatello
“ A estética renascentista:
formas clássicas e a apoteose do
génio”
In História da Humanidade, Idade Moderna, O Renascimento, Círculo de Leitores
•Fases do Renascimento
Costuma-se dividir o
Renascimento em três
grandes fases,
correspondentes aos séculos
XIV ao XVI.
Trecento
• O Trecento (em referência ao século
XIV) manifesta-se predominantemente
na Itália, mais especificamente na
cidade de Florença, pólo político,
econômico e cultural da região. Giotto,
Boccaccio e Petrarca estão entre seus
representantes.
Quattrocento
• Durante o Quattrocento (século XV) o
Renascimento espalha-se pela península
itálica, atingindo seu auge. Neste período
atuam Botticelli, Leonardo da Vinci,
Rafael e, no seu final, Michelangelo (que
já prenuncia certos ideais anti-clássicos
utilizando-se da linguagem clássica, o que
caracteriza o Maneirismo, a etapa final
do Renascimento), considerados os três
últimos o "trio sagrado" da Renascença.
• Movimento artístico europeu de retomada
de certas expressões da cultura medieval
que, aprox. entre 1515 e 1610, constituiu
uma reação contra os valores clássicos
prestigiados pelo humanismo renascentista
Levou à procura de efeitos bizarros que já
apontam para a arte moderna, como o
alongamento das figuras humanas e os
pontos de vista inusitados.
• Características gerais: inspiração greco-
romana (paganismo e línguas clássicas),
racionalismo, experimentalismo.
Cinquecento
• O Renascimento torna-se no século XVI
um movimento universal europeu, tendo,
no entanto, iniciado sua decadência.
Ocorrem as primeiras manifestações
maneiristas e a Contra reforma instaura
o Barroco como estilo oficial da Igreja
Católica. Na literatura atuaram Ludovico
Ariosto, Torquato Tasso e Nicolau
Maquiavel. Já na pintura, continuam se
destacando Rafael e Michelangelo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Resumo final av2 historia da arte (2)
Resumo final av2   historia da arte (2)Resumo final av2   historia da arte (2)
Resumo final av2 historia da arte (2)
Tania Maria Araujo
 
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
Professor Gilson Nunes
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
Marco Silva
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
julio2012souto
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Claudia Ribeiro
 
Renascimento.
Renascimento.Renascimento.
Renascimento.
Victor Souza
 
Cap06 classicismo
Cap06 classicismoCap06 classicismo
Cap06 classicismo
whybells
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Carlos Benjoino Bidu
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
Dani Bertollo
 
Camões - contextualização
Camões - contextualizaçãoCamões - contextualização
Camões - contextualização
Rosalina Simão Nunes
 
Renascimento cultural e_cientifico
Renascimento cultural e_cientificoRenascimento cultural e_cientifico
Renascimento cultural e_cientifico
Elisângela Martins Rodrigues
 
Contextualização Lusíadas
Contextualização LusíadasContextualização Lusíadas
Contextualização Lusíadas
Antónia Mancha
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
Edenilson Morais
 
Lírica camoniana contextualização histórico-literária
Lírica camoniana   contextualização histórico-literáriaLírica camoniana   contextualização histórico-literária
Lírica camoniana contextualização histórico-literária
Joaquim Port. gonçalves
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Grazi Oliveira
 
Barroco atualizado
Barroco atualizadoBarroco atualizado
Barroco atualizado
Isabella Silva
 
Camões e o seu tempo
Camões e o seu tempoCamões e o seu tempo
Camões e o seu tempo
profhistoria
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
guest228523
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
CrisBiagio
 
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade MédiaRevisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Maiara Giordani
 

Mais procurados (20)

Resumo final av2 historia da arte (2)
Resumo final av2   historia da arte (2)Resumo final av2   historia da arte (2)
Resumo final av2 historia da arte (2)
 
Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399Pré-renascimento - 1201-1399
Pré-renascimento - 1201-1399
 
História da Arte
História da ArteHistória da Arte
História da Arte
 
Historia da arte
Historia da arteHistoria da arte
Historia da arte
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Renascimento.
Renascimento.Renascimento.
Renascimento.
 
Cap06 classicismo
Cap06 classicismoCap06 classicismo
Cap06 classicismo
 
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
Revisão HISTÓRIA DA ARTE - 01
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Camões - contextualização
Camões - contextualizaçãoCamões - contextualização
Camões - contextualização
 
Renascimento cultural e_cientifico
Renascimento cultural e_cientificoRenascimento cultural e_cientifico
Renascimento cultural e_cientifico
 
Contextualização Lusíadas
Contextualização LusíadasContextualização Lusíadas
Contextualização Lusíadas
 
Renascimento Cultural
Renascimento CulturalRenascimento Cultural
Renascimento Cultural
 
Lírica camoniana contextualização histórico-literária
Lírica camoniana   contextualização histórico-literáriaLírica camoniana   contextualização histórico-literária
Lírica camoniana contextualização histórico-literária
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Barroco atualizado
Barroco atualizadoBarroco atualizado
Barroco atualizado
 
Camões e o seu tempo
Camões e o seu tempoCamões e o seu tempo
Camões e o seu tempo
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Humanismo e Classicismo
Humanismo e ClassicismoHumanismo e Classicismo
Humanismo e Classicismo
 
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade MédiaRevisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
Revisão - Arte Medieval, Antiguidade clássica e Idade Média
 

Semelhante a Renascimento 2017

Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
A arte renascentista.ppt
A arte renascentista.pptA arte renascentista.ppt
A arte renascentista.ppt
AllanPatrick22
 
arterenascentista1
arterenascentista1arterenascentista1
arterenascentista1
Ana Lara Lessa
 
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMOSLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
MoniqueSousa25
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
Danilson Silva
 
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 -  Renascimento e Reformas ReligiosasCapítulo 1 -  Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Marcos Antonio Grigorio de Figueiredo
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
Engelis Oliveira
 
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médioRenascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
alexandramatos33
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
Colégio Santíssima Trindade
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
Angela Santos
 
arte renascentista.pdf slide para usar em sala de aula
arte renascentista.pdf slide para usar em sala de aulaarte renascentista.pdf slide para usar em sala de aula
arte renascentista.pdf slide para usar em sala de aula
keilalima67
 
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - ArteRenascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Hadassa Castro
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Ellen_Assad
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
secretaria estadual de educação
 
Características do renascimento cultural josué lima
Características do renascimento cultural josué limaCaracterísticas do renascimento cultural josué lima
Características do renascimento cultural josué lima
Josué Bezerra de Lima
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Ana Batista
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
Como Professor
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
Janayna Lira
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento

Semelhante a Renascimento 2017 (20)

Renascimento 2020
Renascimento 2020Renascimento 2020
Renascimento 2020
 
A arte renascentista.ppt
A arte renascentista.pptA arte renascentista.ppt
A arte renascentista.ppt
 
arterenascentista1
arterenascentista1arterenascentista1
arterenascentista1
 
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMOSLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
SLIDE ARTE RENASCENTISTA HUMANISMO RACIONALISMO
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
 
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 -  Renascimento e Reformas ReligiosasCapítulo 1 -  Renascimento e Reformas Religiosas
Capítulo 1 - Renascimento e Reformas Religiosas
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médioRenascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
Renascimento na arte - Aula 2º ano ensino médio
 
3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico3 renascimento cultural-e_cientifico
3 renascimento cultural-e_cientifico
 
Apresentacao
ApresentacaoApresentacao
Apresentacao
 
arte renascentista.pdf slide para usar em sala de aula
arte renascentista.pdf slide para usar em sala de aulaarte renascentista.pdf slide para usar em sala de aula
arte renascentista.pdf slide para usar em sala de aula
 
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - ArteRenascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
Renascimento - Prof. Kelly Mendes - Arte
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Renascimento cultural
Renascimento culturalRenascimento cultural
Renascimento cultural
 
Características do renascimento cultural josué lima
Características do renascimento cultural josué limaCaracterísticas do renascimento cultural josué lima
Características do renascimento cultural josué lima
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
O Renascimento
O RenascimentoO Renascimento
O Renascimento
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Historiando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olharesHistoriando sob diversos olhares
Historiando sob diversos olhares
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 

Mais de CLEBER LUIS DAMACENO

5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Missao artística francesa
Missao artística  francesaMissao artística  francesa
Missao artística francesa
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Tropicalia 8 ano
Tropicalia 8 anoTropicalia 8 ano
Tropicalia 8 ano
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
Patrimonio cultural
Patrimonio culturalPatrimonio cultural
Patrimonio cultural
CLEBER LUIS DAMACENO
 
26 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 202026 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
24 pop art 2020
24 pop art 202024 pop art 2020
24 pop art 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
CLEBER LUIS DAMACENO
 

Mais de CLEBER LUIS DAMACENO (20)

5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx5-FINAL.pptx
5-FINAL.pptx
 
4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx4-argumentoe roteiro.pptx
4-argumentoe roteiro.pptx
 
3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx3-Gêneros cinematográficos.pptx
3-Gêneros cinematográficos.pptx
 
2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx2- cinema brasileiro.pptx
2- cinema brasileiro.pptx
 
1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx1-historia do cinema.pptx
1-historia do cinema.pptx
 
Modernismo 8ºano
Modernismo 8ºanoModernismo 8ºano
Modernismo 8ºano
 
Missao artística francesa
Missao artística  francesaMissao artística  francesa
Missao artística francesa
 
Barroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 anoBarroco no Brasil 8 ano
Barroco no Brasil 8 ano
 
Aula de arte urbana
Aula de arte urbanaAula de arte urbana
Aula de arte urbana
 
Tropicalia 8 ano
Tropicalia 8 anoTropicalia 8 ano
Tropicalia 8 ano
 
Vanguardas europeias 2020
Vanguardas  europeias 2020Vanguardas  europeias 2020
Vanguardas europeias 2020
 
1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz1 arte brasileira-voz
1 arte brasileira-voz
 
Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020Aula 6 arte brasileira-2020
Aula 6 arte brasileira-2020
 
Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020Aula 5 arte crista 2020
Aula 5 arte crista 2020
 
5 arte crista 2020
5 arte crista 20205 arte crista 2020
5 arte crista 2020
 
Patrimonio cultural
Patrimonio culturalPatrimonio cultural
Patrimonio cultural
 
26 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 202026 arte contemporanea 2020
26 arte contemporanea 2020
 
25 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 202025 arte anos 1950 2020
25 arte anos 1950 2020
 
24 pop art 2020
24 pop art 202024 pop art 2020
24 pop art 2020
 
23 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 202023 arte abstrata 2020
23 arte abstrata 2020
 

Último

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 

Último (20)

Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 

Renascimento 2017

  • 2.
  • 3. Renascimento (Renascença) Período da História da Europa (fins do século XIV e meados do século XVI), quando diversas transformações assinalam o final da Idade Média e o início da Idade Moderna. Apesar destas transformações serem bem evidentes na cultura, sociedade, economia, política e religião, caracterizando a transição do feudalismo para o capitalismo e significando uma ruptura com as estruturas medievais, o termo é mais comumente empregado para descrever seus efeitos nas artes, na filosofia e nas ciências.
  • 4.
  • 5. “Renascimento, época de grandes transformações na mentalidade européia” “Renascimento – História, Cultura e Arte”
  • 6. Chamou-se "Renascimento" em virtude da redescoberta e revalorização das referências culturais da Antiguidade Clássica, que nortearam as mudanças deste período em direção a um ideal humanista e naturalista. O termo foi registrado pela primeira vez por Giorgio Vasari já no século XVI. Define-se como o período da descoberta do homem e do mundo. Giorgio di Vasari
  • 7. Florença Siena A Itália permaneceu sempre como o local onde o movimento apresentou maior expressão.
  • 8. Quais as razões pelas quais Itália se tornou o berço da arte renascentista?
  • 9. 1. Foi na Itália que o comércio e as cidades mais se desenvolveram neste período, dando origem a uma grande quantidade de locais de produção artística. Cidades como, por exemplo, Veneza, Florença e Gênova tiveram um expressivo movimento artístico e intelectual. Devemos também salientar que a Itália possuía uma vigorosa tradição cultural e artística, herança da cultura romana. Por este motivo passou a ser uma das zonas em que o Renascimento mais se manifestou. - Forte burguesia
  • 10. A partir de 1453, com a queda de Constantinopla (capital do Império romano do Oriente) nas mãos dos Turcos muitos homens cultos fogem para Roma e trazem manuscritos antigos.
  • 11. MÓDULO 10 - ARTE RENASCENTISTA (Séculos XV e XVI) - Transição do medievalismo para o modernismo - Crise feudal e ascensão do capitalismo. - Mudanças culturais, políticas, econômicas, sociais e religiosas. - Literatura, filosofia, escultura, arquitetura e ciências. - Primórdios: cidades italianas (entreposto comercial). - Difusão por toda a Europa. - Influência do estilo greco-romano (humanismo e naturalismo) - “Civilização clássica” em oposição e menosprezo ao contexto medieval (“noite de mil anos”).
  • 12. Oposição à “Idade das Trevas” • Antiguidade Clássica: valorização da razão e da autonomia do ser humano. • Instituições medievais: base para o renascentismo? • São Tomás de Aquino (séc. XIII) – apoiou-se em Aristóteles, ao defender que o homem pode conhecer e estudar tudo o que não tivesse sido revelado por Deus (verdades comprovadas versus verdades reveladas). • Humanismo (séc. XIV) – valorização do ser humano como agente criador e capaz de pensar o mundo racionalmente.
  • 13. Nas escolas, os burgueses estudavam a cultura grega e romana Arte Grega Arte Romana
  • 14. Começaram a dar valor aos antigos vestígios romanos existentes nas cidades italianas
  • 15. RIVALIDADE ENTRE AS CIDADES ITALIANAS A riqueza de algumas cidades italianas como Génova, Veneza e Florença fazia com que rivalizassem entre si Todas elas queriam construir os melhores monumentos e ter os melhores artistas Vista sobre Florença, Stefano Bonsignori, Museu de Florença, 1470-1490
  • 18. A burguesia, como grupo social menos tradicional, buscou a promoção social através da arte e forneceu apoio financeiro aos artistas e pensadores. À essa atitude damos o nome de Mecenato. Cosmo de Médici, um dos principais mecenas
  • 19. Lourenço de Médicis, governador da cidade de Florença (1469-1492)
  • 20. PINTURA RENASCENTISTA O Jardim das Delícias, de Bosch
  • 21. CARACTERÍSTICAS DA PINTURA RENASCENTISTAS 1. Aliar a harmonia à dramaticidade e empregar cores, formas e volumes com equilíbrio. Ex: Escola de Atenas; 2. Variação de cores frias e quentes e o manejo da luz permitiram criar distâncias e volumes que pareciam ser copiados da realidade. Ex: Visão em planos da Virgem dos Rochedos; 3. Reprodução perfeita da figura humana. Ex: Nascimento de Vênus, de Botticcelli; 4. O artista do Renascimento não via mais o homem como simples observador do mundo que expressava a grandeza de Deus, mas via como a expressão mais grandiosa do próprio Deus. Podemos observar isso na maioria das telas; 5. Introdução do uso de tintas a óleo; 6. O mundo era pensado como uma realidade a ser compreendida cientificamente, e não apenas admirada. 7. Naturalismo ,em arte se refere a descrição de objetos realísticos ambientes naturais. 8. composição geométrica 9. técnica da perspectiva (ilusão de profundidade) 10. realismo 11. sfumato
  • 23. - A obra é um afresco em que aparecem ao centro Platão e Aristóteles; - Foi pintada a pedido do papa Julio II para enfeitar a sua biblioteca; - Platão segura o Timeu (é um dos diálogos de Platão, escrito por volta de 360 a.C. O trabalho apresenta a especulação sobre a natureza do mundo físico e os seres humanos) e aponta para o alto (mundo inteligível). Aristóteles segura a Ética e tem a mão na horizontal (mundo sensível); - Representação de sábios de várias épocas.
  • 24. Rafael Sanzio retratou seus colegas renascentistas como personagens históricos, na obra Escola de Atenas • Composto de quatro afrescos principais, o painel retrata quatro ramos distintos do conhecimento - a Filosofia, a Poesia, a Teologia e o Direito. Em cada um dos afrescos, são retratadas diferentes figuras do conhecimento - como Sócrates, Platão e Pitágoras - e muitos deles recebem emprestado as feições de alguns camaradas renascentistas de Rafael. • A identidade das figuras não foi confirmada por Rafael e, por esse motivo, existem diversas hipóteses para cada uma delas (apesar de a presença de Aristóteles e Platão ser certa). De acordo com a interpretação mais aceita, a numeração acima mostra duas vezes o próprio Rafael (em 3 e 20), Michelangelo (em 13), Leonardo Da Vinci (em 14), Giuliano da Sangallo (em 15), Donatello (em 17), Donato Bramante (em 18) e Baldassare Castiglione (em 19).
  • 25.
  • 26.
  • 27. - A pintura representa a deusa Vênus emergindo do mar como mulher adulta, conforme descrito na mitologia; - Alguns acreditam que a obra seja homenagem ao amor de Giuliano di Medici por Simonetta Vespucci; - A deusa Vênus emerge das águas em uma concha, sendo empurrada para a margem pelos Ventos D'oeste, símbolos das paixões espirituais, e recebendo, de uma Hora (as Horas eram as deusas das estações), uma manto bordado de flores. Apresenta-se de forma similar a antigas estátuas de mármore da Antiguidade Clássica; - Efeito de paganismo.
  • 28. O Jardim das Delícias, Hieronymus Bosch 1450-1516
  • 29.
  • 30.
  • 32. - Deus é representado como um ancião barbudo envolto em um manto que divide com alguns anjos; - O braço direito de Deus está esticado para criar o poder da vida de seu próprio dedo para Adão, afinal ele foi criado a sua própria imagem e semelhança. O braço esquerdo abraça Eva. - Michelângelo era obcecado pela dissecação de cadáveres, por isso usava metáforas em suas obras, conforme análise no quadro. - Indicação de Filme: Agonia e Êxtase
  • 33.
  • 34. Michelangelo retratou o seu maior crítico como um demônio que guarda as portas do inferno, no afresco O Juízo Final • No entanto, havia uma pessoa que não estava nem um pouco feliz com toda essa riqueza de detalhes. Biagio da Cesena era mestre de cerimônias do papa, oficial responsável por supervisionar os serviços realizados na capela e garantir que as obras respeitassem a santidade do local - coisa que ele não achou que a obra de Michelangelo fazia, com todas aquelas pessoas nuas em pêlo. Infelizmente para ele, suas observações foram desconsideradas e, para piorar a situação, Michelangelo, mordido pelas críticas, retratou Biagio no afresco como Minos, o demônio responsável por julgar e receber os pecadores no Inferno - completo, com uma cobra agarrada e orelhas de burro.
  • 35.
  • 36.
  • 37. De tempos em tempos, o Céu nos envia alguém que não é apenas humano, mas também divino, de modo que através de seu espírito e da superioridade de sua inteligência, possamos atingir o Céu. Giorgio Vasari
  • 38. Leonardo da Vinci 1452-1519
  • 39. Homem Vitruviano (Leonardo da Vinci) -Duas posições sobrepostas -Posições inscritas no circulo e quadrado -Combinação de braços e pernas (quatro posições) -Cabeça ocupa 1/8 do corpo -Ideia de movimento -Umbigo imóvel: centro gravitacional -Encaixe perfeito nas formas geométricas -Área do quadrado é idêntica à do círculo -Relação entre o homem e o universo (simetria). -Proporções. O Homem Vitruviano é baseado numa famosa passagem do arquiteto romano Vitrúvio na sua série de dez livros , no terceiro livro, ele descreve as proporções do corpo humano masculino: um palmo é o comprimento de quatro dedos.
  • 40. 1. Uma das primeiras telas do mundo a ter três dimensões; 2. A tela foi encomendada pela Irmandade da Imaculada Conceição de Milão para decorar o altar-mor de sua capela. A primeira versão está hoje no Museu do Louvre, em Paris. O primeiro quadro deveria obedecer a minuciosas orientações descritas em contrato. Mas foi muito diferente da encomenda, o que chegou a azedar as relações entre a entidade e o artista e culminou num processo movido pelos monges que se arrastou na Justiça por mais de vinte anos.
  • 42.
  • 43. -O seu sorriso restrito é muito sedutor, mesmo que um pouco conservador. Seu corpo representa o padrão de beleza da mulher na época de Leonardo. - Em 1911, a Monalisa foi roubada. -Vincenzo Peruggia, - Pablo Picasso foi preso como suspeito. - Apresenta um grande nível de deterioração, o que tem preocupado os curadores do Louvre. -É a obra MAIS CARA de todo o mundo. Não há valor para a Monalisa. Seu preço é inestimável.
  • 44. Sfumatto 1ª Dimensão 2ª Dimensão 3ª Dimensão Como o rosto é pintado de frente, parece que “te acompanha” Véu Composição em pirâmide: perfeita simetria Contraste entre claro e escuro Paisagem: Lado mais alto do que o outro
  • 45. A última ceia, provavelmente um dos mais famosos quadros do mundo, foi muito avariado e sofreu inúmeras restaurações, motivos que levaram a restar pouco do original. Entretanto, é incomparável a solidão de Cristo em contraste com a agitação dos apóstolos, divididos em grupos de três. Solidão
  • 46. Leonardo da Vinci escondeu uma melodia na obra A Última Ceia • Em 2007, o técnico de computação italiano Giovanni Maria Pala afirmou ter descoberto um deles. Ao desenhar cinco linhas de partitura sobre a imagem, Pala descobriu que os pedaços de pão e as mãos de Jesus e dos apóstolos no afresco se alinham como notas musicais. Tocadas da direita para a esquerda, como era hábito de da Vinci, o arranjo faz sentido musicalmente. Especialistas nas obras de Leonardo dizem que a teoria é plausível, dado que o artista também era um músico talentoso.
  • 47.
  • 49. NATURALISMO: a representação do nu valorizava o Homem na sua beleza natural Lucas Cranach, Adão e Eva (1531) Lucas Cranach, Vénus e o Cúpido
  • 50. REALISMO: os artistas renascentistas representavam a realidade tal como a observavam Jan Van Eyck, Retrato de casamento (1434)
  • 51. No Renascimento desenvolveu-se, também, a arte do retrato Assume um importante papel na valorização do indivíduo reflete o individualismo do Homem do Renascimento Este tipo de obra era encomendada com alguma regularidade aos artistas. Piero della Francesca, Retrato de Federico Montefeltro Leonardo da Vinci, Monalisa ou Gioconda
  • 52. Virgem e Menino com Santa de Leonardo da Vinci (aproximadamente em 1510) “sfumato”
  • 53. O “sfumato” foi uma nova técnica amplamente utilizada no Renascimento Consistia num efeito de gradação das cores, sem utilizar contornos, onde os efeitos de luz e sombra davam a ilusão de distanciamento face ao objeto central da tela Esta nova técnica foi inventada por mim. hahahahaha Leonardo da Vinci
  • 54.
  • 55. As figuras são representadas segundo esquemas geométricos Transmitem maior equilíbrio ao conjunto
  • 56. Pintura Medieval Pintura Renascentista
  • 57. Perspectiva: ideia de profundidade O que está mais afastado é pintado em tamanho menor
  • 58. O Nascimento de Venus de Botticelli (1483) Esta pintura representa a deusa Vênus a emergir do mar como mulher adulta, conforme o descrito na mitologia romana. Temas da mitologia clássica
  • 59. PINTORES RENASCENTISTAS ITALIANOS • - Leonardo da Vinci • - Michelangelo • - Rafael Sanzio • - Sandro Botticelli • - Giotto
  • 60. A Literatura no Renascimento A Literatura no Renascimento considerou as obras clássicas como modelos a seguir, nos temas e nos gêneros literários. Para a difusão destas obras literárias também contribuiu a descoberta da imprensa (Gutemberg, meados do século XV). Na Literatura destacaram-se Erasmo de Roterdam, Nicolau Maquiavel... O Príncipe,Maquiavel Elogio da Loucura, E. De Roterdam
  • 61. O desenvolvimento da Ciência no Renascimento O homem ideal seria aquele que procurasse a compreensão e o domínio do homem e da natureza através das artes, mas também das ciência. O saber renascentista assentava assim numa mentalidade racionalista, ou seja, só se considerava válido o conhecimento comprovado pela observação e pela experiência humana. Nesta época promoveu-se o desenvolvimento de vários domínios do saber como a Astronomia (Nicolau Copérnico - teoria Heliocêntrica), a Medicina (Anatomia do corpo humano).
  • 63.
  • 64. -Planta da Basílica de São Pedro, feita por Bramante. -Está construída sob os restos mortais de São Pedro.
  • 65. ARQUITETURA • Procura de uma harmonia racional • Regras modulares e proporções modulares: – Simetria – Regularidade – Alinhamento e proporção • Riqueza da ornamentação
  • 66.
  • 67. • Património Mundial da Humanidade, a Basílica de São Pedro foi considerada o maior projeto arquitectónico da sua época e continua a ser um dos monumentos mais visitados e celebrados do mundo. Foi provado que sob o altar da basílica está enterrado São Pedro • A construção começou em 18 de abril de 1506 e foi concluída em 18 de novembro de 1626. • A sede oficial do Papado fica na Basílica de São João de Latrão.
  • 68. Interior da Cúpula da Basílica de S. Pedro
  • 69. Características da arquitetura do Renascimento: • Elementos clássicos - sobreposição de ordens arquitectónicas (dórica, jónica e coríntia); - arco de volta perfeita; - o frontão; - a abóbada de berço; - a cúpula; • Inovações do renascimento - equilíbrio geométrico; - simetria das formas e volumes; - horizontalidade conseguida através de elementos como cornijas, frisos e balaustradas.
  • 71. Elementos arquitetónicos renascentistas Arco de volta perfeita Colunas Frontão triangular Cúpula Equilíbrio Proporção / Simetria Friso
  • 72. Qualquer construção era planejada e executada segundo regras geométricas = RACIONALIDADE, EQUILÍBRIO, SIMETRIA
  • 73. Palácio Farnese, Roma (inícios do séc. XVI) Os edifícios abandonam a verticalidade, típica do estilo gótico, e passaram a ser marcados por linhas horizontais = HORIZONTALIDADE
  • 74.
  • 75. O objetivo da arquitetura renascentista era: criar a cidade ideal Perspectiva de cidade ideal – obra atribuída a Piero Della Francesca, 1460. Esquema de via de circulação e edifícios, em dois níveis, para cidade ideal – obra posterior a 1485 de Leonardo da Vinci
  • 76. Catedral de Santa Maria de la Fiore em Florença de Brunelleschi
  • 77. Igreja de San Pietro in Montorio, obra emblemática de Bramante
  • 78. Arquitetos • Brunelleschi  Bramante  Miguel Ângelo
  • 79. A Escultura do Renascimento David – Michelângelo A Pietá – Michelângelo David - Donatello
  • 80. Características da escultura renascentista • Individualização (a escultura tornou-se autônoma da arquitetura); • Monumentalidade (as esculturas da figura humana e equestre surgem com um aspecto majestoso); • Harmonia / equilíbrio geométrico (simetria das formas e volumes equilibrados); • Realismo (o corpo humano é representado com rigor expressivo e anatómico, sendo-lhe atribuindo um efeito de movimento natural).
  • 81. Miguel Ângelo • Miguel Ângelo di Lodovico Buonarroti Simoni, nasceu na cidade de Capresse, Itália, no dia 6 de março de 1475. Porém, o artista passou parte de sua infância e adolescência na cidade de Florença. Morreu em 18 de fevereiro de 1564, aos 89 anos de idade na cidade de Roma.
  • 82. Harmonia Realismo (rigor expressivo e anatómico) Arte individual (independente da arquitetura) Características da escultura renascentista Pietá de Miguel Ângelo
  • 83. -A fita que atravessa o peito da Virgem Maria traz a assinatura do autor; -O Cristo é menor que a mãe para manter o esquema triangular; -POLIMENTO do mármore é perfeito. 1498–1499 Basílica de São Pedro
  • 84. - É uma estátua em mármore e mede 5,17 m. Foi realizada em um gigantesco e desajeitado bloco de mármore abandonado. - Retrata Davi não após a batalha contra Golias, mas no momento imediatamente anterior a ela, quando Davi está apenas se preparando. - (Florença/Itália)
  • 85. Moisés (Michelangelo) Piazza di San Pietro in Vincoli, Roma , Itália
  • 86. • Miguel Ângelo • Donato di Niccoló di Betto Bardi, mais conhecido apenas por Donatello, foi um importante escultor italiano do período do Renascimento Cultural. Nasceu em 1386, na cidade de Florença, e morreu em 1466 na mesma cidade. Donatello
  • 87. Monumentalidade Estátua equestre do Gattamelata, em Pádua de Donatello (1450)
  • 89. “ A estética renascentista: formas clássicas e a apoteose do génio” In História da Humanidade, Idade Moderna, O Renascimento, Círculo de Leitores
  • 90. •Fases do Renascimento Costuma-se dividir o Renascimento em três grandes fases, correspondentes aos séculos XIV ao XVI.
  • 92. • O Trecento (em referência ao século XIV) manifesta-se predominantemente na Itália, mais especificamente na cidade de Florença, pólo político, econômico e cultural da região. Giotto, Boccaccio e Petrarca estão entre seus representantes.
  • 94. • Durante o Quattrocento (século XV) o Renascimento espalha-se pela península itálica, atingindo seu auge. Neste período atuam Botticelli, Leonardo da Vinci, Rafael e, no seu final, Michelangelo (que já prenuncia certos ideais anti-clássicos utilizando-se da linguagem clássica, o que caracteriza o Maneirismo, a etapa final do Renascimento), considerados os três últimos o "trio sagrado" da Renascença.
  • 95. • Movimento artístico europeu de retomada de certas expressões da cultura medieval que, aprox. entre 1515 e 1610, constituiu uma reação contra os valores clássicos prestigiados pelo humanismo renascentista Levou à procura de efeitos bizarros que já apontam para a arte moderna, como o alongamento das figuras humanas e os pontos de vista inusitados. • Características gerais: inspiração greco- romana (paganismo e línguas clássicas), racionalismo, experimentalismo.
  • 97. • O Renascimento torna-se no século XVI um movimento universal europeu, tendo, no entanto, iniciado sua decadência. Ocorrem as primeiras manifestações maneiristas e a Contra reforma instaura o Barroco como estilo oficial da Igreja Católica. Na literatura atuaram Ludovico Ariosto, Torquato Tasso e Nicolau Maquiavel. Já na pintura, continuam se destacando Rafael e Michelangelo.