SlideShare uma empresa Scribd logo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
• Porque no século XXI uma mulher deve sofrer com o parto?
• Porque não abolir a dor e indicar a analgesia de parto para todas as
mulheres?
→ Dor é um conjunto de fenômenos sensíveis; sofrimento é a
representação da dor
→ A nossa cultura associa a dor do parto a sofrimento, retirando o olhar
positivo sobre ela
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
Objetivos dessa apresentação:
Discutir o conceito de dor no parto e os métodos não
farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto.
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Porque estudar a dor no parto?
• Assunto muito debatido em grupos de gestantes
• Tema mais abordado pelas próprias parturientes (Leap, 1992)
• A dor do parto é frequentemente entendida enquanto um malogro, uma imposição
desnecessária.
• Abordada enquanto a expiação do prazer sexual da mulher
• A dor do parto é um fenômeno quase universal na sociedade industrializada:
"Pain in labor and childbirth is expected by women in all societies, but may be
interpreted, perceived, and responded to differently.“ Kay (1982, p. 17)
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Os profissionais que cuidam da mulher em trabalho de parto devem aprender a
entender, avaliar e intervir na dor e desconforto de acordo com as necessidades e
desejos da mulher.
Os dados da pesquisa Nascer no Brasil apontam que a apenas 28% mulheres foram
oferecidos métodos não farmacológicos de alivio da dor!
Nascer no Brasil (2014)
Porque estudar a dor no parto?
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
O que é a dor?
• A dor no trabalho de parto pode ser definida como aguda, transitória, complexa, subjetiva e
multidimensional, mas inerente ao processo fisiológico da parturição e resultante dos estímulos
sensoriais gerados, principalmente, pela contração uterina. (Vale, Vale e Cruz)
• Apresenta dois componentes básicos, um fenômeno primário que consiste em resultados
aferentes dos receptores sensoriais e um fenômeno secundário envolvendo processamento e
reação à dor. (Lowe,1996)
• No entanto, a dor também pode ser compreendida como uma experiência de caráter subjetivo e
complexo, acompanhada de um componente psicológico extremamente variável de pessoa para
pessoa, sofrendo influências de fatores culturais, étnicos, sociais e ambientais.
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Características específicas da dor no parto
• É funcional e não tem agressão tecidual
• Progressiva, intercalada
• Com finalidade
• Impulso de vida, expectativa
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Propósito da dor no parto
• A dor realça a alegria
• A dor como transição para a maternidade
• A sensação de força ao vencer a dor
• A expressão da dor fornece elementos para avaliar o progresso do TP
• A dor no trabalho de parto é proteção, pois coloca a mulher e a todos ao seu redor,
atentos e vigilantes, focados neste evento, deixando de lado tudo o que possa desviar a
atenção. Ela traz a todos para um outro espaço-tempo e coloca a mulher numa
qualidade e intensidade de presença diferenciada, 100% de presença. A dor do parto é
intensidade de vida, que coloca a todos no aqui e agora.
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
• No primeiro estágio do parto as contrações uterinas promovem o
apagamento e a dilatação cervical, assim como a isquemia uterina
resultante da contração das artérias para o miométrio. Neste
estágio, os impulsos da dor são transmitidos pelo segmento
espinhal nervoso T11-12 e pelos nervos torácicos acessórios e
simpático lombar superior que se originam no corpo uterino e
cervix.
• No segundo estágio os impulsos da dor são transmitidos por meio
de S1-4, dos segmentos espinhais nervosos e do sistema
parassimpático dos tecidos perineais.
Entendendo a dor no trabalho de parto
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Dor visceral
Ocorre no primeiro estágio do parto e é causada pelas
mudanças cervicais e pela isquemia uterina. Ela se
localiza na porção inferior do abdômen e se irradia para
a área lombar das costas e para a coxa. Geralmente
apresenta desconforto apenas nas contrações,
desaparecendo no intervalo entre elas .
Localização da dor visceralEntendendo a dor no trabalho de parto
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Localização da dor perineal
Dor perineal
Ocorre no segundo estágio do parto e provém do
estiramento dos tecidos do períneo para permitir a
passagem do feto e da tração sobre o peritônio e sobre os
ligamentos uterocervicais durante a contração.
Entendendo a dor no trabalho de parto
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Teoria da Endorfina
• O entendimento da dor normal passa por ser relacionada com a capacidade da mulher
lidar com a própria dor
• Noção da teoria da endorfina, onde a própria mulher seria diretamente responsável
pela liberação da substância que diminuiria a dor
• A dor é o gatilho para o desencadeamento de uma cascata de hormônios participantes
do processo fisiológico do parto
• Processo importante para a formação do vínculo entre mãe e bebê
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Há dois paradigmas para abordar a dor no parto
1. A dor associada a sofrimento, vista como um sintoma que deve ser abolido, pois
maltrata a mulher. Não reduzi-la é privar a mulher do conforto da tecnologia
2. A dor como um processo fisiológico e inerente ao parto e nascimento, abordada
enquanto fenômeno protetor e desencadeador dos mecanismos de superação da
mesma através da liberação das endorfinas. Nesta abordagem deve-se desenvolver
tecnologias que aumentem a competência da mulher para lidar com a dor.
→ Nossa cultura enfatiza “Nos dias atuais nenhuma mulher deveria sofrer as atrocidades
das dores de parto. Quem não faz uso de analgesia é um bárbaro.”
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
É necessário diferenciar a dor “normal” da dor “anormal” no
parto.
A “dor anormal” é associada ao modo como uma mulher é
assistida no seu processo de parir.
Não prover a mulher do cuidado necessário para que ela se
sinta protegida neste momento amplia o entendimento da dor
enquanto sofrimento e bloqueia os mecanismos próprios do
organismo para lidar com a dor.
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Risco do uso irrestrito da analgesia de parto
1. Aumento da duração do trabalho de parto e parto
2. Aumento do uso de ocitocina e suas consequências
3. Maior probabilidade de distócias de trajeto
4. Aumento da necessidade de parto instrumental
5. Aumento da taxa de cesarianas
6. Punção inadvertida da dura-máter (cefaléia pós raqui),
7. Hipotensão, náuseas, vômitos
8. Reações tóxicas às drogas
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Efeitos a longo prazo do uso irrestrito da analgesia de parto
“Praticamente não existem dados de estudos randomizados para explorar os possíveis
efeitos a longo prazo da analgesia peridural sobre a mãe ou bebê”
“É particularmente preocupante que haja tão poucos dados experimentais para avaliar
seus efeitos sobre lactentes ou seus efeitos a longo prazo para a mãe.”
Guia para a atenção efetiva na gravidez e no parto - 1996
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
O que podemos fazer para ajudar a transformar o
medo da dor em uma experiência de superação?
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Habilidade em estar com uma mulher com dor
• O conceito de aceitar a dor e favorecer a
liberação de substâncias analgésicas endógenas
requer uma abordagem diferenciada.
• Inclui a diminuição do estímulo aos sentidos de
forma que a mulher possa voltar-se para dentro
de si mesma, favorecendo desta forma a
liberação das substâncias endógenas.
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Como acompanhar uma mulher em trabalho de parto
• Intensidade de presença daqueles que a acompanham
• Testemunhança silenciosa – estar “em acordo” com a mulher
• Estado de atenção ativa
• Ofertar suporte contínuo
• Ofertar métodos não farmacológicos de alívio da dor, de acordo com o desejo da mulher
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Métodos de alívio não farmacológico da dor
Inclui uma ampla variedade de técnicas para manejar não só as sensações físicas da dor,
mas também para evitar o sofrimento, utilizando outras dimensões do cuidado, como
emocional e espiritual. A dor passa a ser percebida como inerente ao processo normal, não
um sinal de dano, lesão ou anormalidade. Em vez de fazer a dor desaparecer, os
profissionais ajudam a mulher a lidar com ela, a construir sua autoconfiança e manter uma
sensação de domínio e bem-estar.
(Simkin&Bolding, 2004)
“A dor do parto é uma dor vitoriosa”
Parteira do Amapá
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Métodos de alívio
não farmacológico da dor
USO DA ÁGUA
NO TRABALHO
DE PARTO
CONCENTRAÇÃO,
VISUALIZAÇÃO E
RELAXAMENTO
COM APOIO
TÉCNICAS
RESPIRATÓRIAS
GARANTIR A
PRESENÇA DO
ACOMPANHANTE
DA ESCOLHA DA
MULHER NA HORA
DO PARTO E
DURANTE TODA A
INTERNAÇÃO
AMBIENTE DE
PARTO
POSTURA
ACOLHEDORA
DA EQUIPE DE
SAÚDE
MASSAGENS
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
Como utilizar os métodos
não farmacológicos de alivio da dor?
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Postura acolhedora da equipe de saúde
Uma revisão sistemática feita sobre dor e satisfação das mulheres com a experiência do
parto e nascimento traz importantes conclusões ao revelar que a quantidade de suporte
recebido e a qualidade de seu relacionamento com os profissionais (boa comunicação,
informação, sentimentos que expressam confortos), o seu envolvimento na tomada de
decisão e sua expectativa pessoal em relação à própria experiência do parto são os fatores
mais importantes na definição pelas mulheres de satisfação com o parto.
(NICE,2014)
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Ambiente de Parto
• O ambiente de parto deve garantir privacidade, penumbra e aquecimento, de forma a permitir
que a mulher entre em contato com sua fisiologia e possa expressar os instintos comuns a todos
os mamíferos.
• Durante o parto, o cérebro é, juntamente com o útero, o órgão mais ativo do corpo da mulher,
pois é quem controla todo o delicado sistema hormonal que entra em ação para preparar a
mulher para a maternidade, em nível físico, emocional e comportamental.
• A ocitocina, as endorfinas, a adrenalina , a prolactina, a melatonina são hormônios que são
liberados nos momentos certos, como uma orquestra. A dor fisiológica é importante para
estimular esse equilíbrio, mas o estresse contribui para a desarmonia do mesmo, produzindo
contrações excessivamente dolorosas, transformando o parto numa experiência negativa para a
mulher.
Odent, 2002; BRASIL, 2016
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Garantir a presença do acompanhante da escolha da mulher na hora do parto e durante
toda a internação
• Apesar da Lei Federal Nº 11.108, de 7 de abril de 2005, a pesquisa nascer no Brasil (2013) aponta
que apenas 75% das mulheres contaram com a presença do acompanhante de sua escolha na
hora do parto e apenas 20% durante toda a internação na maternidade.
• Estudos apontam melhores resultados quando a mulher tem o suporte contínuo (Hodnett, 2012),
inclusive no alívio da dor. Assim, os profissionais e gestores devem garantir esse direito
constitucional da mulher.
• As diretrizes do parto normal do MS (Brasil) e da OMS (OMS) reafirmam a recomendação sobre a
presença acompanhante.
• Organizar o setor garantindo a privacidade da mulher e seus acompanhantes no trabalho de
parto e parto é fundamental. Informar as mulheres e famílias e deixar visível a Lei também é uma
ação positiva!
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Uso da água no trabalho de parto (Cluett, 2009)
• Evidências sugerem que a imersão em água durante a primeira fase do TP reduz o uso de
analgesia peridural / espinal / paracervical.
• Não há nenhuma evidência de aumento de efeitos adversos para o feto / recém-nascido ou
para a mulher em trabalho de parto na água ou parto na água.
• Recomenda a viabilidade de um estudo de grande porte, multicêntrico, randomizado e
controlado.
• O chuveiro pode substituir a banheira, possibilitando o favorecimento da mobilidade por ficar
em pé sob o mesmo, ou sentada na bola suiça, realizando movimentos circulares. Não há limite
de tempo para permanecer sob o chuveiro. A mulher deve ser estimulada a ficar enquanto
desejar e retornar ao mesmo sempre que sentir necessidade. Pode estar com bolsa íntegra ou
rota e pode apresentar líquido claro ou tinto de mecônio. A vitalidade fetal deve ser avaliada
com a mesma frequência que fora do chuveiro.
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Concentração, visualização e relaxamento com apoio
• Relaxamento e yoga podem ter um papel importante na redução de dor, aumento da
satisfação com o alívio da dor e redução da taxa de parto vaginal assistido.
• Não houve evidências suficientes para o papel da música e da audioanalgesia.
Recomenda a necessidade de pesquisas futuras. (Smith, 2011)
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Técnicas respiratórias
• Existem várias técnicas respiratórias que ajudam a mulher a manter o controle durante
as contrações. No primeiro estágio essas técnicas ajudam o relaxamento dos músculos
abdominais, aumentando dessa forma, a cavidade abdominal e diminuindo o
desconforto durante as contrações.
• As técnicas respiratórias independem de preparação prévia. Começam pela respiração
de limpeza (inspirar pelo nariz e expirar pela boca) e seguem com inspiração e
expiração com vocalização.
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Massagens
• Existem várias técnicas de massagens que ajudam a mulher durante as contrações.
Deslizar as mãos, pressionar ou fazer movimentos circulatórios nos locais apontados
pela mulher como de maior desconforto não precisam de preparação prévia!
• Respeitar o desejo da mesma pela massagem é importantíssimo! Não devemos invadir
o espaço pessoal sem sermos autorizados (Método Rességuier).
• Podem e devem ser desenvolvidas pelo(a) acompanhante de sua escolha, cabendo ao
profissional o estímulo e demonstração para o desenvolvimento da mesma!
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
O modo como lidamos com uma parturiente com dor depende das nossas
próprias percepções e crenças a respeito da dor.
Existem várias formas de ajudar uma parturiente a lidar com a dor no
parto. A eficácia de um ou outro método não farmacológico de alívio da
dor depende da qualidade de presença e do estado de atenção - ativa e
vigilante, dos profissionais do cuidado.
Apoiar uma mulher de modo a aumentar sua capacidade e competência
própria para lidar com a intensidade de sensações no parto talvez seja a
maior tarefa dos provedores de cuidado.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO
Referências bibliográficas
• Cluett ER, Burns E, Cuthbert A. Immersion in water during labour and birth. Cochrane Database Syst Rev. 2018 May 16;5:CD000111. doi: 10.1002/14651858.CD000111.pub4.
Review. PubMed PMID: 29768662.
• Hodnett ED, Gates S, Hofmeyr GJ, Sakala C, Weston J. Continuous support for women during childbirth. Cochrane Database Syst Rev. 2011 Feb 16;(2):CD003766. doi:
10.1002/14651858.CD003766.pub3. Review. Update in: Cochrane Database Syst Rev. 2012;10:CD003766. PubMed PMID: 21328263.
• National Collaborating Centre for Women’s and Children’s Health (UK). Intrapartum Care: Care of Healthy Women and Their Babies During Childbirth. London: RCOG Press;
2014 Dec. PubMed PMID: 25950072.
• PIOTROWSKI, K. A. Cuidado de Enfermagem durante o parto e nascimento. In: LOWDERMILK, D.L.; PERRY, S. E.; BOBAK, I. M. O cuidado em enfermagem materna, 5. ed. Porto
Alegre: Artmed Editora, 2002.
• Odent, Michel, A Cientificação do amor, 2ªediçãi, Florianópolis: Saint Germain, 2002
• BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Brasília, DF, mar 2016.
• Lowe NK. The pain and discomfort of labor and birth. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 1996 Jan;25(1):82-92. Review. PubMed PMID: 8627407.
• Simkin P, Bolding A. Update on nonpharmacologic approaches to relieve labor pain and prevent suffering. J Midwifery Womens Health. 2004 Nov-Dec;49(6):489-504. Review.
PubMed PMID: 15544978.
• Smith CA, Levett KM, Collins CT, Armour M, Dahlen HG, Suganuma M. Relaxation techniques for pain management in labour. Cochrane Database Syst Rev. 2018 Mar
28;3:CD009514. doi: 10.1002/14651858.CD009514.pub2. Review. PubMed PMID: 29589650.
• WHO – World Health Organization. WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience, 2018.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
Material de 6 de agosto de 2018
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
tvf
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
Rejane Durães
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
Karen Lira
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
Professor Robson
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
HIURYGOMES
 
Parto humanizado
Parto humanizadoParto humanizado
Parto humanizado
Anarosa Xmanzine
 
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PECartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
Jamilly Onofre
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal

Mais procurados (20)

Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Pré parto
Pré parto Pré parto
Pré parto
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo períodoCuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
Cuidado à Mulher em Trabalho de Parto: boas práticas no segundo período
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Humanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência ObstétricaHumanização na Assistência Obstétrica
Humanização na Assistência Obstétrica
 
Pré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo RiscoPré-Natal Baixo Risco
Pré-Natal Baixo Risco
 
Parto humanizado
Parto humanizadoParto humanizado
Parto humanizado
 
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PECartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
Cartilha HUMANIZAÇÃO do PARTO: NASCE o RESPEITO - MP PE
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
Mecanismo do-parto
Mecanismo do-partoMecanismo do-parto
Mecanismo do-parto
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 

Semelhante a A Dor no Parto: significados e manejo

DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATARDOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
Humanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentoHumanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimento
tvf
 
Humanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentoHumanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimento
tvf
 
preparação parto
preparação partopreparação parto
preparação parto
isa Comparada Serrão
 
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doulaAtenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
Artur Mamed
 
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptxPROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
consultoriofisioerpg1
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Proqualis
 
Apresentação Consulta de Cortesia V. julho 2022 a (1).pdf
Apresentação Consulta de Cortesia V. julho 2022 a (1).pdfApresentação Consulta de Cortesia V. julho 2022 a (1).pdf
Apresentação Consulta de Cortesia V. julho 2022 a (1).pdf
EvertonJorge4
 
Apresentção interdisciplinariedade parto (6)
Apresentção interdisciplinariedade parto (6)Apresentção interdisciplinariedade parto (6)
Apresentção interdisciplinariedade parto (6)
florence lainscek
 
Doulas e Trabalho Interdisciplinar
Doulas e Trabalho InterdisciplinarDoulas e Trabalho Interdisciplinar
Doulas e Trabalho Interdisciplinar
Jazz La Vie
 
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e AdultoPsicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Deisiane Cazaroto
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperio
karol_ribeiro
 
Aborto
AbortoAborto
Manual de parto
Manual de partoManual de parto
Manual de parto
almeidasalvi
 
Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
Francisco Joilsom Carvalho Saraiva
 
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfFisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
MykaCordeiro
 
Saude+do+idoso
Saude+do+idosoSaude+do+idoso
Saude+do+idoso
Karolina Peixoto
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
Welisson Porto
 
0311 o adoecer - Daniela
0311 o adoecer - Daniela0311 o adoecer - Daniela
0311 o adoecer - Daniela
laiscarlini
 
Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor
Rithielly Rocha
 

Semelhante a A Dor no Parto: significados e manejo (20)

DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATARDOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
DOR EM RECÉM-NASCIDOS: COMO AVALIAR, PREVENIR E TRATAR
 
Humanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentoHumanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimento
 
Humanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimentoHumanizaçâo do parto e nascimento
Humanizaçâo do parto e nascimento
 
preparação parto
preparação partopreparação parto
preparação parto
 
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doulaAtenção humanizada ao nascimento   aula iv. adele doula
Atenção humanizada ao nascimento aula iv. adele doula
 
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptxPROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
PROJETO Dor e Consciência Nova teoria da Dor 2020.pptx
 
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
Aula sobre aspectos psicossociais do parto e nascimento e a segurança do paci...
 
Apresentação Consulta de Cortesia V. julho 2022 a (1).pdf
Apresentação Consulta de Cortesia V. julho 2022 a (1).pdfApresentação Consulta de Cortesia V. julho 2022 a (1).pdf
Apresentação Consulta de Cortesia V. julho 2022 a (1).pdf
 
Apresentção interdisciplinariedade parto (6)
Apresentção interdisciplinariedade parto (6)Apresentção interdisciplinariedade parto (6)
Apresentção interdisciplinariedade parto (6)
 
Doulas e Trabalho Interdisciplinar
Doulas e Trabalho InterdisciplinarDoulas e Trabalho Interdisciplinar
Doulas e Trabalho Interdisciplinar
 
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e AdultoPsicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
Psicólogo na Unidade de Terapia Intensiva - Neonatal e Adulto
 
Parto aborto puerperio
Parto aborto puerperioParto aborto puerperio
Parto aborto puerperio
 
Aborto
AbortoAborto
Aborto
 
Manual de parto
Manual de partoManual de parto
Manual de parto
 
Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
 
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdfFisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
Fisioterapia no Pré, pós parto e puerpério.pdf
 
Saude+do+idoso
Saude+do+idosoSaude+do+idoso
Saude+do+idoso
 
Parto Humanizado
Parto HumanizadoParto Humanizado
Parto Humanizado
 
0311 o adoecer - Daniela
0311 o adoecer - Daniela0311 o adoecer - Daniela
0311 o adoecer - Daniela
 
Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor Artigo de fisiologia: Dor
Artigo de fisiologia: Dor
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
 

Último

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
sula31
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
DelcioVumbuca
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
rickriordan
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
marjoguedes1
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
AmaroAlmeidaChimbala
 

Último (6)

Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
Livro do Instituto da Saúde: amplia visões e direitos no ciclo gravídico-puer...
 
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
Programa de Saúde do Adolescente( PROSAD)
 
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de suturaTipos de pontos e suturas técnicas de sutura
Tipos de pontos e suturas técnicas de sutura
 
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdfVacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
Vacina, conceito, tipos, produção, aplicaçãopdf
 
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptxSíndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
Síndrome do Desconforto Respiratório do Recém-Nascido (SDR).pptx
 
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
5. SISTEMA ENDOCRINO-- (2).pptx florentino
 

A Dor no Parto: significados e manejo

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO • Porque no século XXI uma mulher deve sofrer com o parto? • Porque não abolir a dor e indicar a analgesia de parto para todas as mulheres? → Dor é um conjunto de fenômenos sensíveis; sofrimento é a representação da dor → A nossa cultura associa a dor do parto a sofrimento, retirando o olhar positivo sobre ela
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO Objetivos dessa apresentação: Discutir o conceito de dor no parto e os métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto.
  • 4. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Porque estudar a dor no parto? • Assunto muito debatido em grupos de gestantes • Tema mais abordado pelas próprias parturientes (Leap, 1992) • A dor do parto é frequentemente entendida enquanto um malogro, uma imposição desnecessária. • Abordada enquanto a expiação do prazer sexual da mulher • A dor do parto é um fenômeno quase universal na sociedade industrializada: "Pain in labor and childbirth is expected by women in all societies, but may be interpreted, perceived, and responded to differently.“ Kay (1982, p. 17)
  • 5. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Os profissionais que cuidam da mulher em trabalho de parto devem aprender a entender, avaliar e intervir na dor e desconforto de acordo com as necessidades e desejos da mulher. Os dados da pesquisa Nascer no Brasil apontam que a apenas 28% mulheres foram oferecidos métodos não farmacológicos de alivio da dor! Nascer no Brasil (2014) Porque estudar a dor no parto?
  • 6. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br O que é a dor? • A dor no trabalho de parto pode ser definida como aguda, transitória, complexa, subjetiva e multidimensional, mas inerente ao processo fisiológico da parturição e resultante dos estímulos sensoriais gerados, principalmente, pela contração uterina. (Vale, Vale e Cruz) • Apresenta dois componentes básicos, um fenômeno primário que consiste em resultados aferentes dos receptores sensoriais e um fenômeno secundário envolvendo processamento e reação à dor. (Lowe,1996) • No entanto, a dor também pode ser compreendida como uma experiência de caráter subjetivo e complexo, acompanhada de um componente psicológico extremamente variável de pessoa para pessoa, sofrendo influências de fatores culturais, étnicos, sociais e ambientais.
  • 7. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Características específicas da dor no parto • É funcional e não tem agressão tecidual • Progressiva, intercalada • Com finalidade • Impulso de vida, expectativa
  • 8. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Propósito da dor no parto • A dor realça a alegria • A dor como transição para a maternidade • A sensação de força ao vencer a dor • A expressão da dor fornece elementos para avaliar o progresso do TP • A dor no trabalho de parto é proteção, pois coloca a mulher e a todos ao seu redor, atentos e vigilantes, focados neste evento, deixando de lado tudo o que possa desviar a atenção. Ela traz a todos para um outro espaço-tempo e coloca a mulher numa qualidade e intensidade de presença diferenciada, 100% de presença. A dor do parto é intensidade de vida, que coloca a todos no aqui e agora.
  • 9. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br • No primeiro estágio do parto as contrações uterinas promovem o apagamento e a dilatação cervical, assim como a isquemia uterina resultante da contração das artérias para o miométrio. Neste estágio, os impulsos da dor são transmitidos pelo segmento espinhal nervoso T11-12 e pelos nervos torácicos acessórios e simpático lombar superior que se originam no corpo uterino e cervix. • No segundo estágio os impulsos da dor são transmitidos por meio de S1-4, dos segmentos espinhais nervosos e do sistema parassimpático dos tecidos perineais. Entendendo a dor no trabalho de parto
  • 10. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Dor visceral Ocorre no primeiro estágio do parto e é causada pelas mudanças cervicais e pela isquemia uterina. Ela se localiza na porção inferior do abdômen e se irradia para a área lombar das costas e para a coxa. Geralmente apresenta desconforto apenas nas contrações, desaparecendo no intervalo entre elas . Localização da dor visceralEntendendo a dor no trabalho de parto
  • 11. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Localização da dor perineal Dor perineal Ocorre no segundo estágio do parto e provém do estiramento dos tecidos do períneo para permitir a passagem do feto e da tração sobre o peritônio e sobre os ligamentos uterocervicais durante a contração. Entendendo a dor no trabalho de parto
  • 12. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Teoria da Endorfina • O entendimento da dor normal passa por ser relacionada com a capacidade da mulher lidar com a própria dor • Noção da teoria da endorfina, onde a própria mulher seria diretamente responsável pela liberação da substância que diminuiria a dor • A dor é o gatilho para o desencadeamento de uma cascata de hormônios participantes do processo fisiológico do parto • Processo importante para a formação do vínculo entre mãe e bebê
  • 13. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Há dois paradigmas para abordar a dor no parto 1. A dor associada a sofrimento, vista como um sintoma que deve ser abolido, pois maltrata a mulher. Não reduzi-la é privar a mulher do conforto da tecnologia 2. A dor como um processo fisiológico e inerente ao parto e nascimento, abordada enquanto fenômeno protetor e desencadeador dos mecanismos de superação da mesma através da liberação das endorfinas. Nesta abordagem deve-se desenvolver tecnologias que aumentem a competência da mulher para lidar com a dor. → Nossa cultura enfatiza “Nos dias atuais nenhuma mulher deveria sofrer as atrocidades das dores de parto. Quem não faz uso de analgesia é um bárbaro.”
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO É necessário diferenciar a dor “normal” da dor “anormal” no parto. A “dor anormal” é associada ao modo como uma mulher é assistida no seu processo de parir. Não prover a mulher do cuidado necessário para que ela se sinta protegida neste momento amplia o entendimento da dor enquanto sofrimento e bloqueia os mecanismos próprios do organismo para lidar com a dor.
  • 15. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Risco do uso irrestrito da analgesia de parto 1. Aumento da duração do trabalho de parto e parto 2. Aumento do uso de ocitocina e suas consequências 3. Maior probabilidade de distócias de trajeto 4. Aumento da necessidade de parto instrumental 5. Aumento da taxa de cesarianas 6. Punção inadvertida da dura-máter (cefaléia pós raqui), 7. Hipotensão, náuseas, vômitos 8. Reações tóxicas às drogas
  • 16. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Efeitos a longo prazo do uso irrestrito da analgesia de parto “Praticamente não existem dados de estudos randomizados para explorar os possíveis efeitos a longo prazo da analgesia peridural sobre a mãe ou bebê” “É particularmente preocupante que haja tão poucos dados experimentais para avaliar seus efeitos sobre lactentes ou seus efeitos a longo prazo para a mãe.” Guia para a atenção efetiva na gravidez e no parto - 1996
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO O que podemos fazer para ajudar a transformar o medo da dor em uma experiência de superação?
  • 18. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Habilidade em estar com uma mulher com dor • O conceito de aceitar a dor e favorecer a liberação de substâncias analgésicas endógenas requer uma abordagem diferenciada. • Inclui a diminuição do estímulo aos sentidos de forma que a mulher possa voltar-se para dentro de si mesma, favorecendo desta forma a liberação das substâncias endógenas.
  • 19. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Como acompanhar uma mulher em trabalho de parto • Intensidade de presença daqueles que a acompanham • Testemunhança silenciosa – estar “em acordo” com a mulher • Estado de atenção ativa • Ofertar suporte contínuo • Ofertar métodos não farmacológicos de alívio da dor, de acordo com o desejo da mulher
  • 20. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Métodos de alívio não farmacológico da dor Inclui uma ampla variedade de técnicas para manejar não só as sensações físicas da dor, mas também para evitar o sofrimento, utilizando outras dimensões do cuidado, como emocional e espiritual. A dor passa a ser percebida como inerente ao processo normal, não um sinal de dano, lesão ou anormalidade. Em vez de fazer a dor desaparecer, os profissionais ajudam a mulher a lidar com ela, a construir sua autoconfiança e manter uma sensação de domínio e bem-estar. (Simkin&Bolding, 2004) “A dor do parto é uma dor vitoriosa” Parteira do Amapá
  • 21. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Métodos de alívio não farmacológico da dor USO DA ÁGUA NO TRABALHO DE PARTO CONCENTRAÇÃO, VISUALIZAÇÃO E RELAXAMENTO COM APOIO TÉCNICAS RESPIRATÓRIAS GARANTIR A PRESENÇA DO ACOMPANHANTE DA ESCOLHA DA MULHER NA HORA DO PARTO E DURANTE TODA A INTERNAÇÃO AMBIENTE DE PARTO POSTURA ACOLHEDORA DA EQUIPE DE SAÚDE MASSAGENS
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO Como utilizar os métodos não farmacológicos de alivio da dor?
  • 23. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Postura acolhedora da equipe de saúde Uma revisão sistemática feita sobre dor e satisfação das mulheres com a experiência do parto e nascimento traz importantes conclusões ao revelar que a quantidade de suporte recebido e a qualidade de seu relacionamento com os profissionais (boa comunicação, informação, sentimentos que expressam confortos), o seu envolvimento na tomada de decisão e sua expectativa pessoal em relação à própria experiência do parto são os fatores mais importantes na definição pelas mulheres de satisfação com o parto. (NICE,2014)
  • 24. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Ambiente de Parto • O ambiente de parto deve garantir privacidade, penumbra e aquecimento, de forma a permitir que a mulher entre em contato com sua fisiologia e possa expressar os instintos comuns a todos os mamíferos. • Durante o parto, o cérebro é, juntamente com o útero, o órgão mais ativo do corpo da mulher, pois é quem controla todo o delicado sistema hormonal que entra em ação para preparar a mulher para a maternidade, em nível físico, emocional e comportamental. • A ocitocina, as endorfinas, a adrenalina , a prolactina, a melatonina são hormônios que são liberados nos momentos certos, como uma orquestra. A dor fisiológica é importante para estimular esse equilíbrio, mas o estresse contribui para a desarmonia do mesmo, produzindo contrações excessivamente dolorosas, transformando o parto numa experiência negativa para a mulher. Odent, 2002; BRASIL, 2016
  • 25. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Garantir a presença do acompanhante da escolha da mulher na hora do parto e durante toda a internação • Apesar da Lei Federal Nº 11.108, de 7 de abril de 2005, a pesquisa nascer no Brasil (2013) aponta que apenas 75% das mulheres contaram com a presença do acompanhante de sua escolha na hora do parto e apenas 20% durante toda a internação na maternidade. • Estudos apontam melhores resultados quando a mulher tem o suporte contínuo (Hodnett, 2012), inclusive no alívio da dor. Assim, os profissionais e gestores devem garantir esse direito constitucional da mulher. • As diretrizes do parto normal do MS (Brasil) e da OMS (OMS) reafirmam a recomendação sobre a presença acompanhante. • Organizar o setor garantindo a privacidade da mulher e seus acompanhantes no trabalho de parto e parto é fundamental. Informar as mulheres e famílias e deixar visível a Lei também é uma ação positiva!
  • 26. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Uso da água no trabalho de parto (Cluett, 2009) • Evidências sugerem que a imersão em água durante a primeira fase do TP reduz o uso de analgesia peridural / espinal / paracervical. • Não há nenhuma evidência de aumento de efeitos adversos para o feto / recém-nascido ou para a mulher em trabalho de parto na água ou parto na água. • Recomenda a viabilidade de um estudo de grande porte, multicêntrico, randomizado e controlado. • O chuveiro pode substituir a banheira, possibilitando o favorecimento da mobilidade por ficar em pé sob o mesmo, ou sentada na bola suiça, realizando movimentos circulares. Não há limite de tempo para permanecer sob o chuveiro. A mulher deve ser estimulada a ficar enquanto desejar e retornar ao mesmo sempre que sentir necessidade. Pode estar com bolsa íntegra ou rota e pode apresentar líquido claro ou tinto de mecônio. A vitalidade fetal deve ser avaliada com a mesma frequência que fora do chuveiro.
  • 27. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Concentração, visualização e relaxamento com apoio • Relaxamento e yoga podem ter um papel importante na redução de dor, aumento da satisfação com o alívio da dor e redução da taxa de parto vaginal assistido. • Não houve evidências suficientes para o papel da música e da audioanalgesia. Recomenda a necessidade de pesquisas futuras. (Smith, 2011)
  • 28. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Técnicas respiratórias • Existem várias técnicas respiratórias que ajudam a mulher a manter o controle durante as contrações. No primeiro estágio essas técnicas ajudam o relaxamento dos músculos abdominais, aumentando dessa forma, a cavidade abdominal e diminuindo o desconforto durante as contrações. • As técnicas respiratórias independem de preparação prévia. Começam pela respiração de limpeza (inspirar pelo nariz e expirar pela boca) e seguem com inspiração e expiração com vocalização.
  • 29. A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Massagens • Existem várias técnicas de massagens que ajudam a mulher durante as contrações. Deslizar as mãos, pressionar ou fazer movimentos circulatórios nos locais apontados pela mulher como de maior desconforto não precisam de preparação prévia! • Respeitar o desejo da mesma pela massagem é importantíssimo! Não devemos invadir o espaço pessoal sem sermos autorizados (Método Rességuier). • Podem e devem ser desenvolvidas pelo(a) acompanhante de sua escolha, cabendo ao profissional o estímulo e demonstração para o desenvolvimento da mesma!
  • 30. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO O modo como lidamos com uma parturiente com dor depende das nossas próprias percepções e crenças a respeito da dor. Existem várias formas de ajudar uma parturiente a lidar com a dor no parto. A eficácia de um ou outro método não farmacológico de alívio da dor depende da qualidade de presença e do estado de atenção - ativa e vigilante, dos profissionais do cuidado. Apoiar uma mulher de modo a aumentar sua capacidade e competência própria para lidar com a intensidade de sensações no parto talvez seja a maior tarefa dos provedores de cuidado.
  • 31. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO Referências bibliográficas • Cluett ER, Burns E, Cuthbert A. Immersion in water during labour and birth. Cochrane Database Syst Rev. 2018 May 16;5:CD000111. doi: 10.1002/14651858.CD000111.pub4. Review. PubMed PMID: 29768662. • Hodnett ED, Gates S, Hofmeyr GJ, Sakala C, Weston J. Continuous support for women during childbirth. Cochrane Database Syst Rev. 2011 Feb 16;(2):CD003766. doi: 10.1002/14651858.CD003766.pub3. Review. Update in: Cochrane Database Syst Rev. 2012;10:CD003766. PubMed PMID: 21328263. • National Collaborating Centre for Women’s and Children’s Health (UK). Intrapartum Care: Care of Healthy Women and Their Babies During Childbirth. London: RCOG Press; 2014 Dec. PubMed PMID: 25950072. • PIOTROWSKI, K. A. Cuidado de Enfermagem durante o parto e nascimento. In: LOWDERMILK, D.L.; PERRY, S. E.; BOBAK, I. M. O cuidado em enfermagem materna, 5. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002. • Odent, Michel, A Cientificação do amor, 2ªediçãi, Florianópolis: Saint Germain, 2002 • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Diretriz Nacional de Assistência ao Parto Normal. Brasília, DF, mar 2016. • Lowe NK. The pain and discomfort of labor and birth. J Obstet Gynecol Neonatal Nurs. 1996 Jan;25(1):82-92. Review. PubMed PMID: 8627407. • Simkin P, Bolding A. Update on nonpharmacologic approaches to relieve labor pain and prevent suffering. J Midwifery Womens Health. 2004 Nov-Dec;49(6):489-504. Review. PubMed PMID: 15544978. • Smith CA, Levett KM, Collins CT, Armour M, Dahlen HG, Suganuma M. Relaxation techniques for pain management in labour. Cochrane Database Syst Rev. 2018 Mar 28;3:CD009514. doi: 10.1002/14651858.CD009514.pub2. Review. PubMed PMID: 29589650. • WHO – World Health Organization. WHO recommendations: intrapartum care for a positive childbirth experience, 2018.
  • 32. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. Material de 6 de agosto de 2018 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres A DOR NO PARTO: SIGNIFICADOS E MANEJO