SlideShare uma empresa Scribd logo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Cada morte materna evitável deve nos causar indignação ao
ponto de buscarmos melhorias para a assistência à saúde da
mulher e do recém-nascido e essa mudança deve ser iniciada
nas portas de entrada das maternidades do Brasil.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Objetivos dessa apresentação
• Apresentar os princípios básicos do A&CR em serviços de obstetrícia
• Apresentar o Protocolo de Acolhimento e Classificação de Risco em
obstetrícia
• Discutir a necessidade de ampliar o acesso à uma assistência
humanizada, segura e de qualidade nos serviços de saúde, garantindo
que o SUS seja cada vez mais universal, integral, equânime e resolutivo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Introdução
Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia (BRASIL, 2018)
• Apresenta recomendações e um protocolo de referência para ampliação do A&CR em
obstetrícia nos serviços de saúde
• Fornecer uma linguagem única, possibilitando o acolhimento em rede nas unidades
básicas, no SAMU, nas UPAS, nos pequenos hospitais e maternidades;
• Evitar a peregrinação de mulheres nos serviços de atenção obstétrica evitando as
demoras que resultam em desfechos desfavoráveis, viabilizar o acesso qualificado e o
atendimento com resolutividade, em tempo adequado para cada caso.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
O que é Acolhimento?
“acolhimento traduz-se em recepção do usuário nos
serviços de saúde, desde a sua chegada, responsabilizando-
se integralmente por ele, ouvindo sua queixa, permitindo
que ele expresse suas preocupações. Implica prestar um
atendimento com resolutividade e co-responsabilização,
orientando, conforme o caso, o usuário e a família,
garantindo a articulação com os outros serviços de saúde
para a continuidade da assistência quando necessário”.
(PNH/MS, 2006; BRASIL, 2014, 2018)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
• O Acolhimento é uma dos principais diretrizes que norteiam a reorganização dos
processos de trabalho nos serviços obstétricos e neonatais (BRASIL, 2018).
• Quando associado à Classificação de Risco, leva à tomada de decisão do profissional de
saúde a partir de uma escuta qualificada, associada ao julgamento clínico embasado em
protocolo fundamentado cientificamente.
• Se inicia no momento da chegada da mulher com a identificação do motivo da procura
ao serviço de saúde o que também indicará o fluxograma de Classificação de Risco a
ser utilizado.
Acolhimento e Classificação de Risco (A&CR) é uma das prioridades de
investimento do componente Parto e Nascimento (Portaria nº 1.450 de 24 de junho de 2011, art. 7º, alínea
II, inciso “e”)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Informação Qualificada e Diálogo
O acolhimento da mulher e do seu
acompanhante tem função fundamental na
construção de um vínculo de confiança
com os profissionais e serviços de saúde,
favorecendo seu protagonismo,
especialmente no momento do parto.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Protocolo de A&CR em Obstetrícia
É uma ferramenta de apoio à decisão clínica que tem como propósito a pronta identificação da
paciente crítica ou mais grave, permitindo um atendimento rápido e seguro de acordo com o
potencial de risco, com base nas evidências científicas existentes.
1. Alteração do nível de consciência/estado mental.
2. Avaliação da respiração e ventilação.
3. Avaliação da circulação.
4. Avaliação da dor (escalas).
5. Sinais e sintomas gerais (por especialidade ou específicos).
6. Fatores de risco (agravantes presentes)
Chaves de decisão dos fluxogramas
EMERGÊNCIA
MUITO
URGENTE
URGENTE
POUCO
URGENTE
NÃO
URGENTE
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
O processo de Acolhimento e Classificação de Risco é uma ação de
caráter interdisciplinar e envolve diferentes profissionais.
Recepção
Técnico /
Auxiliar de
Enfermagem
Enfermeiro
Enfermeiros
Obstetras
Médicos
Obstetras
Serviço Social Psicologia
Serviço de
Vigilância
Serviço de
Transporte
Coordenação
Médica e de
Enfermagem
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Atenção para os sinais de gravidade e risco iminente de morte:
• Nível de consciência rebaixado ou alteração do estado mental;
• Instabilidade de Sinais Vitais;
• Sinais como sudorese,
palidez, cianose, fotofobia,
rigidez nucal, hemorragia.
FONTE: BRASIL, 2017
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Sem dor = nível de referência igual a zero
Dor moderada - nível de referência de 4 a 6
Dor intensa - nível de referência de 7 a 10
Escala Visual Analógica (EVA)
Consiste num instrumento de avaliação subjetiva da intensidade da dor da mulher.
BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Avaliação na Hemorragia Pós-Parto (HPP)
(OPAS/ OMS, 2017)
ÍNDICE DE CHOQUE = FC
PAS
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
FONTE: OPAS / OMS, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Passo a passo para utilização do protocolo:
1º Identificar o motivo, situação ou queixa referida da mulher
Anotar de forma clara, concisa e objetiva, contendo início e duração do evento relatado.
Ex: Dor abdominal em baixo ventre com início a 3 horas.
2º Identificar o fluxograma correspondente
3º Iniciar a avaliação (ABCDEF) seguindo fluxograma até negar um discriminante
4º Realizar a CR de acordo com o discriminante positivo apresentado
5º Anotar obrigatoriamente:
• Discriminador - Ex: Dor abdominal intensa EVA 8/10
• Classificação: Laranja
• Todos os dados mensurados e avaliados
O tempo para a Classificação de Risco
não deverá ultrapassar 5 minutos.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
1. Desmaio / mal estar geral;
2. Dor abdominal / lombar / contrações uterinas;
3. Dor de cabeça, tontura, vertigem;
4. Falta de ar;
5. Febre / sinais de infecção;
6. Náuseas e vômitos;
7. Perda de líquido vaginal / secreções;
8. Perda de sangue via vaginal;
9. Queixas urinárias;
10. Parada / redução de movimentos fetais;
11. Relato de convulsão;
12. Outras queixas / situações.
Fluxogramas da Classificação de Risco (BRASIL, 2018):
Visite o Manual para acesso completo aos
fluxogramas. Clique aqui.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA1. DESMAIO / MAL ESTAR GERAL FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA2. DOR ABDOMINAL / LOMBAR / CONTRAÇÕES UTERINAS FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA2. DOR ABDOMINAL / LOMBAR / CONTRAÇÕES UTERINAS FONTE: BRASIL, 2018
INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR PARA FLUXO 2: DOR ABDOMINAL / LOMBAR / CONTRAÇÕES UTERINAS
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA3. DOR DE CABEÇA / TONTURA / VERTIGEM FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA4. FALTA DE AR / SINTOMAS RESPIRATÓRIOS FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA5. FEBRE / SINAIS DE INFECÇÃO FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA6. NÁUSEAS E VÔMITOS FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA7. PERDA DE LÍQUIDO VIA VAGINAL / SECREÇÕES FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA FONTE: BRASIL, 20188. PERDA DE SANGUE VIA VAGINAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA8. PERDA DE SANGUE VIA VAGINAL FONTE: BRASIL, 2018
INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR PARA FLUXO 8: PERDA DE SANGUE VIA VAGINAL
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA9. QUEIXAS URINÁRIAS FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA10. PARADA / REDUÇÃO DE MOVIMENTOS FETAIS FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA11. RELATO DE CONVULSÃO FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA12. OUTRAS QUEIXAS / SITUAÇÕES FONTE: BRASIL, 2018
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Após a avaliação médica e/ou do Enfermeiro
Obstetra, e antes da liberação da mulher, realizar
as devidas orientações de referência,
encaminhamentos ou agendamentos para o
retorno, antes que ela e seu acompanhante vão
embora.
Orientar sobre sinais de urgência, início do
trabalho de parto, tecnologias não invasivas de
cuidado, medidas de prevenção de agravos, etc.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Monitoramento
• Subsidiar o processo de avaliação do acesso ao setor de urgência;
• Prever, pactuar e monitorar os fluxos de encaminhamentos dos pacientes;
• Monitorar a resolubilidade do serviço de urgência dos hospitais, bem como a organização deste serviço
para a garantia da assistência segura e humanizada à mulher.
1
• Tempo médio de espera do cadastro ao início da classificação de risco
2
• Tempo médio da classificação de risco
3
• Tempo médio de espera para atendimento médico ou da enfermeira obstetra segundo prioridade clínica
(cor) classificada
4
• Percentual de classificações segundo prioridade clínica (cor)
Indicadores sugeridos
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
Monitoramento
• Esses indicadores, aliados ao monitoramento dos fluxos de atendimento
pactuados nas instituições, são importantes instrumentos de avaliação
para tomada de decisão e elaboração de planos de melhoria, caso se
fizerem necessários.
• Cabe ressaltar que este monitoramento deverá ser mensal e que seu
produto e os relatórios gerados deverão ser discutidos com a equipe
gestora e trabalhadores, visando ao compartilhamento das fragilidades e
elaboração de estratégias de enfrentamento e co-responsabilização.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
1. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do sistema único de saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília:
2011.
2. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual
técnico. 5ª ed. Brasília(DF): Editora do Ministério da Saúde, 2012. [citado em 02 fev 2018] Disponível em
http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf.
3. BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos HumanizaSUS. Volume 4: Humanização do parto e nascimento. Brasília, DF, 2014.
4. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Departamento de Atenção Hospitalar
e Urgência. Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. [citado em 20 agosto de 2018]. Disponível
em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_acolhimento_classificacao_risco_obstetricia_2017.pdf.
5. OPAS/ OMS. Organização Pan-Americana da Saúde. Recomendações assistenciais para prevenção, diagnóstico e tratamento da hemorragia obstétrica.
Brasília: OPAS; 2018. [citado em junho de 2018]. Disponível em http://iris.paho.org/xmlui/handle/123456789/34879
6. RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Saúde do RJ. Protocolo Assistencial da Enfermagem Obstétrica da Secretaria Municipal de Saúde SMS/RJ. Rio
de Janeiro: SMS, 2018.
7. BRASIL. Portaria no 2.048, de 5 de novembro de 2002. Institui o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Diário Oficial
da República Federativa do Brasil, n. 219, 12 nov. 2002. Seção 1, p. 32–54, 2002.
8. BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento com avaliação e classificação de
risco: um paradigma ético-estético no fazer em saúde. Brasília (DF); 2004
9. BRASIL. HumanizaSUS. Ministério da Saúde, secretaria executiva, núcleo técnico da política nacional de Humanização. Brasília, p. 1–19, 2004.
Referências
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 23 de novembro de 2018
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO
EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Viviane da Silva
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Enfº Ícaro Araújo
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Viviane da Silva
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Jesiele Spindler
 
Emergência Obstétrica
Emergência ObstétricaEmergência Obstétrica
Emergência Obstétrica
siatego
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Caroline Reis Gonçalves
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Juliana Maciel
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
jusantos_
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
Beatriz Cordeiro
 
Aula puerpério _Isilia pdf.pdf
Aula puerpério _Isilia pdf.pdfAula puerpério _Isilia pdf.pdf
Aula puerpério _Isilia pdf.pdf
HospitalLuisEduardoM
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Amanda Thomé
 
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEFAleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de RiscoCuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais procurados (20)

Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção BásicaDiagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
Diagnóstico de Gravidez na Atenção Básica
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1Uti Neonatal Parte 1
Uti Neonatal Parte 1
 
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Emergência Obstétrica
Emergência ObstétricaEmergência Obstétrica
Emergência Obstétrica
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Aula puerpério _Isilia pdf.pdf
Aula puerpério _Isilia pdf.pdfAula puerpério _Isilia pdf.pdf
Aula puerpério _Isilia pdf.pdf
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEFAleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
Aleitamento Materno - album seriado do MS/UNICEF
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de RiscoCuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
Cuidados Individualizados ao Recém-nascido de Risco
 
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a CondutaDescolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
Descolamento Prematuro de Placenta (DPP): otimizando o Diagnóstico e a Conduta
 

Semelhante a Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)

ACCRO.pptx
ACCRO.pptxACCRO.pptx
ACCRO.pptx
Carolina68640
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
Camila Melo
 
FGV / IBRE – Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil
FGV / IBRE – Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no BrasilFGV / IBRE – Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil
FGV / IBRE – Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil
FGV | Fundação Getulio Vargas
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
07082001
 
10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente
Alice Costa
 
10 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_010 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_0
Fabricio Marques Moreira
 
10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente
Andrea Morelatto
 
10 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_010 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_0
Faculdade- Roberto Breda
 
10_passos_seguranca_paciente.pdf
10_passos_seguranca_paciente.pdf10_passos_seguranca_paciente.pdf
10_passos_seguranca_paciente.pdf
vanellepriscila
 
Aula - Regilene - POLITICA DE ATENCAO UE-14fev17-Tarde.ppt
Aula - Regilene - POLITICA DE ATENCAO UE-14fev17-Tarde.pptAula - Regilene - POLITICA DE ATENCAO UE-14fev17-Tarde.ppt
Aula - Regilene - POLITICA DE ATENCAO UE-14fev17-Tarde.ppt
CristianodaRosa5
 
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatalSegurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
matheuspacheco43
 
COVID-19: o que muda nos Fluxos de Acolhimento e Classificação de Risco em Ma...
COVID-19: o que muda nos Fluxos de Acolhimento e Classificação de Risco em Ma...COVID-19: o que muda nos Fluxos de Acolhimento e Classificação de Risco em Ma...
COVID-19: o que muda nos Fluxos de Acolhimento e Classificação de Risco em Ma...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Apresentação de Claudia Travassos no II Seminário Internacional sobre Qualida...
Apresentação de Claudia Travassos no II Seminário Internacional sobre Qualida...Apresentação de Claudia Travassos no II Seminário Internacional sobre Qualida...
Apresentação de Claudia Travassos no II Seminário Internacional sobre Qualida...
Proqualis
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
07082001
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
HIAGO SANTOS
 
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
jgbkjbjhvhchgfcgh
 
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Paulo Albuquerque
 

Semelhante a Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR) (20)

ACCRO.pptx
ACCRO.pptxACCRO.pptx
ACCRO.pptx
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
FGV / IBRE – Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil
FGV / IBRE – Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no BrasilFGV / IBRE – Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil
FGV / IBRE – Governança e Gestão dos Hospitais de Atendimento Público no Brasil
 
10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente10 passos seguranca_paciente
10 passos seguranca_paciente
 
10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente10 passos seguranca paciente
10 passos seguranca paciente
 
10 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_010 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_0
 
10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente10 passos seguranca do paciente
10 passos seguranca do paciente
 
10 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_010 passos seguranca_paciente_0
10 passos seguranca_paciente_0
 
10_passos_seguranca_paciente.pdf
10_passos_seguranca_paciente.pdf10_passos_seguranca_paciente.pdf
10_passos_seguranca_paciente.pdf
 
Aula - Regilene - POLITICA DE ATENCAO UE-14fev17-Tarde.ppt
Aula - Regilene - POLITICA DE ATENCAO UE-14fev17-Tarde.pptAula - Regilene - POLITICA DE ATENCAO UE-14fev17-Tarde.ppt
Aula - Regilene - POLITICA DE ATENCAO UE-14fev17-Tarde.ppt
 
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
Em DEFESA dos Centros de Parto Normal e das Enfermeiras Obstétricas e Obstetr...
 
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatalSegurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
Segurança do paciente na assistência obstétrica e neonatal
 
segurança do paciente
segurança do paciente segurança do paciente
segurança do paciente
 
COVID-19: o que muda nos Fluxos de Acolhimento e Classificação de Risco em Ma...
COVID-19: o que muda nos Fluxos de Acolhimento e Classificação de Risco em Ma...COVID-19: o que muda nos Fluxos de Acolhimento e Classificação de Risco em Ma...
COVID-19: o que muda nos Fluxos de Acolhimento e Classificação de Risco em Ma...
 
Apresentação de Claudia Travassos no II Seminário Internacional sobre Qualida...
Apresentação de Claudia Travassos no II Seminário Internacional sobre Qualida...Apresentação de Claudia Travassos no II Seminário Internacional sobre Qualida...
Apresentação de Claudia Travassos no II Seminário Internacional sobre Qualida...
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
1O Passos do Cuidado Obstétrico para Redução da Morbimortalidade Materna
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
 
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
Diretrizes para o rastreamento do cancer do colo do utero 2016
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 

Último (7)

Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 

Acolhimento e Classificação de Risco em Obstetrícia (ACR) (ACCR)

  • 1. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO ÀS MULHERES ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA
  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Cada morte materna evitável deve nos causar indignação ao ponto de buscarmos melhorias para a assistência à saúde da mulher e do recém-nascido e essa mudança deve ser iniciada nas portas de entrada das maternidades do Brasil.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Objetivos dessa apresentação • Apresentar os princípios básicos do A&CR em serviços de obstetrícia • Apresentar o Protocolo de Acolhimento e Classificação de Risco em obstetrícia • Discutir a necessidade de ampliar o acesso à uma assistência humanizada, segura e de qualidade nos serviços de saúde, garantindo que o SUS seja cada vez mais universal, integral, equânime e resolutivo
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Introdução Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia (BRASIL, 2018) • Apresenta recomendações e um protocolo de referência para ampliação do A&CR em obstetrícia nos serviços de saúde • Fornecer uma linguagem única, possibilitando o acolhimento em rede nas unidades básicas, no SAMU, nas UPAS, nos pequenos hospitais e maternidades; • Evitar a peregrinação de mulheres nos serviços de atenção obstétrica evitando as demoras que resultam em desfechos desfavoráveis, viabilizar o acesso qualificado e o atendimento com resolutividade, em tempo adequado para cada caso.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA O que é Acolhimento? “acolhimento traduz-se em recepção do usuário nos serviços de saúde, desde a sua chegada, responsabilizando- se integralmente por ele, ouvindo sua queixa, permitindo que ele expresse suas preocupações. Implica prestar um atendimento com resolutividade e co-responsabilização, orientando, conforme o caso, o usuário e a família, garantindo a articulação com os outros serviços de saúde para a continuidade da assistência quando necessário”. (PNH/MS, 2006; BRASIL, 2014, 2018)
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA • O Acolhimento é uma dos principais diretrizes que norteiam a reorganização dos processos de trabalho nos serviços obstétricos e neonatais (BRASIL, 2018). • Quando associado à Classificação de Risco, leva à tomada de decisão do profissional de saúde a partir de uma escuta qualificada, associada ao julgamento clínico embasado em protocolo fundamentado cientificamente. • Se inicia no momento da chegada da mulher com a identificação do motivo da procura ao serviço de saúde o que também indicará o fluxograma de Classificação de Risco a ser utilizado. Acolhimento e Classificação de Risco (A&CR) é uma das prioridades de investimento do componente Parto e Nascimento (Portaria nº 1.450 de 24 de junho de 2011, art. 7º, alínea II, inciso “e”)
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Informação Qualificada e Diálogo O acolhimento da mulher e do seu acompanhante tem função fundamental na construção de um vínculo de confiança com os profissionais e serviços de saúde, favorecendo seu protagonismo, especialmente no momento do parto.
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Protocolo de A&CR em Obstetrícia É uma ferramenta de apoio à decisão clínica que tem como propósito a pronta identificação da paciente crítica ou mais grave, permitindo um atendimento rápido e seguro de acordo com o potencial de risco, com base nas evidências científicas existentes. 1. Alteração do nível de consciência/estado mental. 2. Avaliação da respiração e ventilação. 3. Avaliação da circulação. 4. Avaliação da dor (escalas). 5. Sinais e sintomas gerais (por especialidade ou específicos). 6. Fatores de risco (agravantes presentes) Chaves de decisão dos fluxogramas EMERGÊNCIA MUITO URGENTE URGENTE POUCO URGENTE NÃO URGENTE
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA O processo de Acolhimento e Classificação de Risco é uma ação de caráter interdisciplinar e envolve diferentes profissionais. Recepção Técnico / Auxiliar de Enfermagem Enfermeiro Enfermeiros Obstetras Médicos Obstetras Serviço Social Psicologia Serviço de Vigilância Serviço de Transporte Coordenação Médica e de Enfermagem
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Atenção para os sinais de gravidade e risco iminente de morte: • Nível de consciência rebaixado ou alteração do estado mental; • Instabilidade de Sinais Vitais; • Sinais como sudorese, palidez, cianose, fotofobia, rigidez nucal, hemorragia. FONTE: BRASIL, 2017
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Sem dor = nível de referência igual a zero Dor moderada - nível de referência de 4 a 6 Dor intensa - nível de referência de 7 a 10 Escala Visual Analógica (EVA) Consiste num instrumento de avaliação subjetiva da intensidade da dor da mulher. BRASIL, 2018
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Avaliação na Hemorragia Pós-Parto (HPP) (OPAS/ OMS, 2017) ÍNDICE DE CHOQUE = FC PAS
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA FONTE: OPAS / OMS, 2017.
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Passo a passo para utilização do protocolo: 1º Identificar o motivo, situação ou queixa referida da mulher Anotar de forma clara, concisa e objetiva, contendo início e duração do evento relatado. Ex: Dor abdominal em baixo ventre com início a 3 horas. 2º Identificar o fluxograma correspondente 3º Iniciar a avaliação (ABCDEF) seguindo fluxograma até negar um discriminante 4º Realizar a CR de acordo com o discriminante positivo apresentado 5º Anotar obrigatoriamente: • Discriminador - Ex: Dor abdominal intensa EVA 8/10 • Classificação: Laranja • Todos os dados mensurados e avaliados O tempo para a Classificação de Risco não deverá ultrapassar 5 minutos.
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA 1. Desmaio / mal estar geral; 2. Dor abdominal / lombar / contrações uterinas; 3. Dor de cabeça, tontura, vertigem; 4. Falta de ar; 5. Febre / sinais de infecção; 6. Náuseas e vômitos; 7. Perda de líquido vaginal / secreções; 8. Perda de sangue via vaginal; 9. Queixas urinárias; 10. Parada / redução de movimentos fetais; 11. Relato de convulsão; 12. Outras queixas / situações. Fluxogramas da Classificação de Risco (BRASIL, 2018): Visite o Manual para acesso completo aos fluxogramas. Clique aqui.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA1. DESMAIO / MAL ESTAR GERAL FONTE: BRASIL, 2018
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA2. DOR ABDOMINAL / LOMBAR / CONTRAÇÕES UTERINAS FONTE: BRASIL, 2018
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA2. DOR ABDOMINAL / LOMBAR / CONTRAÇÕES UTERINAS FONTE: BRASIL, 2018 INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR PARA FLUXO 2: DOR ABDOMINAL / LOMBAR / CONTRAÇÕES UTERINAS
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA3. DOR DE CABEÇA / TONTURA / VERTIGEM FONTE: BRASIL, 2018
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA4. FALTA DE AR / SINTOMAS RESPIRATÓRIOS FONTE: BRASIL, 2018
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA5. FEBRE / SINAIS DE INFECÇÃO FONTE: BRASIL, 2018
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA6. NÁUSEAS E VÔMITOS FONTE: BRASIL, 2018
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA7. PERDA DE LÍQUIDO VIA VAGINAL / SECREÇÕES FONTE: BRASIL, 2018
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA FONTE: BRASIL, 20188. PERDA DE SANGUE VIA VAGINAL
  • 25. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA8. PERDA DE SANGUE VIA VAGINAL FONTE: BRASIL, 2018 INFORMAÇÃO COMPLEMENTAR PARA FLUXO 8: PERDA DE SANGUE VIA VAGINAL
  • 26. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA9. QUEIXAS URINÁRIAS FONTE: BRASIL, 2018
  • 27. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA10. PARADA / REDUÇÃO DE MOVIMENTOS FETAIS FONTE: BRASIL, 2018
  • 28. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA11. RELATO DE CONVULSÃO FONTE: BRASIL, 2018
  • 29. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA12. OUTRAS QUEIXAS / SITUAÇÕES FONTE: BRASIL, 2018
  • 30. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Após a avaliação médica e/ou do Enfermeiro Obstetra, e antes da liberação da mulher, realizar as devidas orientações de referência, encaminhamentos ou agendamentos para o retorno, antes que ela e seu acompanhante vão embora. Orientar sobre sinais de urgência, início do trabalho de parto, tecnologias não invasivas de cuidado, medidas de prevenção de agravos, etc.
  • 31. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Monitoramento • Subsidiar o processo de avaliação do acesso ao setor de urgência; • Prever, pactuar e monitorar os fluxos de encaminhamentos dos pacientes; • Monitorar a resolubilidade do serviço de urgência dos hospitais, bem como a organização deste serviço para a garantia da assistência segura e humanizada à mulher. 1 • Tempo médio de espera do cadastro ao início da classificação de risco 2 • Tempo médio da classificação de risco 3 • Tempo médio de espera para atendimento médico ou da enfermeira obstetra segundo prioridade clínica (cor) classificada 4 • Percentual de classificações segundo prioridade clínica (cor) Indicadores sugeridos
  • 32. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA Monitoramento • Esses indicadores, aliados ao monitoramento dos fluxos de atendimento pactuados nas instituições, são importantes instrumentos de avaliação para tomada de decisão e elaboração de planos de melhoria, caso se fizerem necessários. • Cabe ressaltar que este monitoramento deverá ser mensal e que seu produto e os relatórios gerados deverão ser discutidos com a equipe gestora e trabalhadores, visando ao compartilhamento das fragilidades e elaboração de estratégias de enfrentamento e co-responsabilização.
  • 33. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA 1. BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do sistema único de saúde - SUS - a Rede Cegonha. Brasília: 2011. 2. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Gestação de alto risco: manual técnico. 5ª ed. Brasília(DF): Editora do Ministério da Saúde, 2012. [citado em 02 fev 2018] Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_tecnico_gestacao_alto_risco.pdf. 3. BRASIL. Ministério da Saúde. Cadernos HumanizaSUS. Volume 4: Humanização do parto e nascimento. Brasília, DF, 2014. 4. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Departamento de Atenção Hospitalar e Urgência. Manual de acolhimento e classificação de risco em obstetrícia. Brasília: Ministério da Saúde, 2017. [citado em 20 agosto de 2018]. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_acolhimento_classificacao_risco_obstetricia_2017.pdf. 5. OPAS/ OMS. Organização Pan-Americana da Saúde. Recomendações assistenciais para prevenção, diagnóstico e tratamento da hemorragia obstétrica. Brasília: OPAS; 2018. [citado em junho de 2018]. Disponível em http://iris.paho.org/xmlui/handle/123456789/34879 6. RIO DE JANEIRO. Secretaria Municipal de Saúde do RJ. Protocolo Assistencial da Enfermagem Obstétrica da Secretaria Municipal de Saúde SMS/RJ. Rio de Janeiro: SMS, 2018. 7. BRASIL. Portaria no 2.048, de 5 de novembro de 2002. Institui o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, n. 219, 12 nov. 2002. Seção 1, p. 32–54, 2002. 8. BRASIL. Ministério da Saúde, Secretaria Executiva, Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento com avaliação e classificação de risco: um paradigma ético-estético no fazer em saúde. Brasília (DF); 2004 9. BRASIL. HumanizaSUS. Ministério da Saúde, secretaria executiva, núcleo técnico da política nacional de Humanização. Brasília, p. 1–19, 2004. Referências
  • 34. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 23 de novembro de 2018 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. ACOLHIMENTO E CLASSIFICAÇÃO DE RISCO EM SERVIÇOS DE OBSTETRÍCIA