SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
• O exame citopatológico é um teste realizado para detectar alterações
nas células do colo do útero que possam predizer a presença de lesões
precursoras do câncer ou do próprio câncer.
• Este exame também é chamado de esfregaço cervicovaginal,
colpocitologia oncótica cervical, exame de Papanicolau, “exame de
lâmina” ou simplesmente “preventivo do colo do útero”.
• Essa é a principal estratégia para detectar lesões precocemente, fazer
o diagnóstico da doença em seus estágios iniciais antes que a mulher
tenha sintomas.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Objetivos dessa apresentação:
• Demonstrar uma forma correta para obtenção de espécime para
exame citopatológico do colo uterino, suas indicações e limitações
conforme as Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer
do Colo do Útero.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Introdução
• No Brasil, o controle do câncer do colo do útero teve seu ponto de partida em iniciativas
pioneiras de profissionais que trouxeram para nosso meio a citologia e a colposcopia, a partir
dos anos 1940.
• Rastreamento é o processo de identificação de pessoas aparentemente saudáveis que podem
estar sob maior risco de doença.
• O rastreamento é uma tecnologia da atenção primária e os profissionais atuantes nesse nível de
atenção devem conhecer o método.
• A realização periódica do exame citopatológico continua sendo a estratégia mais amplamente
adotada para o rastreamento do câncer do colo do útero.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
• O exame preventivo é simples e rápido.
• Pode, no máximo, causar um pequeno desconforto que diminui se a mulher conseguir
relaxar e se o exame for realizado com boa técnica e de forma delicada.
• É fundamental que os serviços de saúde orientem sobre o que é e qual a importância do
exame preventivo, pois sua realização periódica permite o diagnóstico precoce do
câncer e das lesões precursoras, contribuindo para a redução da mortalidade por
câncer do colo do útero.
Exame Citopatológico
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Indicações e Contraindicações
• Toda mulher entre 25 e 64 anos que tem ou já teve vida sexual deve submeter-se ao
exame preventivo periódico.
• Não é recomendável fazer o exame antes dos 25 anos de idade porque os danos
decorrentes de um diagnóstico alterado neste período superam os possíveis benefícios.
• O mesmo se aplica a mulheres com mais de 64 anos sem história prévia de doença
cervical. Em ambos os casos, além da abordagem de suas questões, essas mulheres se
beneficiam da atenção ginecológica e o que deve ser evitado é o exame citopatológico.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Indicações e Contraindicações
• No caso das mulheres mais jovens, o foco da atenção ginecológica deve ser a
prevenção, o diagnóstico e o tratamento das Doenças Sexualmente Transmissíveis e o
Planejamento Reprodutivo.
• Para as mulheres mais idosas, deve-se realizar o exame das mamas e a avaliação
pélvica.
• Mulheres grávidas também podem se submeter ao exame, sem prejuízo para sua saúde
ou a do bebê.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Recomendações Prévias
• A utilização de lubrificantes, espermicidas ou medicamentos vaginais deve ser evitada por
48 horas antes da coleta.
• A realização de exames transvaginais, como a ultrassonografia, também deve ser evitada
nas 48 horas anteriores à coleta.
• Para garantir um resultado correto, a mulher não deve ter relações sexuais (mesmo com
camisinha) nos dois dias anteriores ao exame.
• Evitar o uso de duchas.
• O exame não deve ser feito no período menstrual, pois a presença de sangue pode
prejudicar o diagnóstico citopatológico.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Sala de Coleta
O consultório ou sala de coleta deve ser equipado para a realização do exame ginecológico
com:
• Mesa ginecológica
• Escada de dois degraus
• Mesa auxiliar
• Foco de luz com cabo flexível
• Biombo ou local reservado para a troca de roupa
• Lixeira
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Material Necessário
• Espéculos de tamanhos variados,
preferencialmente descartáveis
• Lâminas de vidro com extremidade fosca
• Espátula de Ayre
• Escova endocervical
• Luvas descartáveis
• Solução fixadora (álcool a 96% ou spray
fixador)
• Frasco porta-lâmina (ou caixa plástica para
transporte de lâmina)
• Formulários de requisição do exame
citopatológico
• Fita adesiva e papel para a identificação
dos frascos
• Lápis grafite ou preto nº 2
• Avental ou camisola, preferencialmente
descartáveis
• Lençol, preferencialmente descartável.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Escolha do Espéculo
• Espéculo pequeno (número 1): utilizado para mulheres jovens ou nulíparas ou após a menopausa. As
primeiras podem oferecer alguma resistência apesar de terem boa elasticidade e lubrificação vaginal (isso
ocorre por medo, desconforto ou mesmo vaginismo). Nas mais maduras o desconforto resulta do
hipotrofismo decorrente da falência ovariana.
• Espéculo médio (número 2): utilizado para mulheres em idade fértil e que já tenham tido partos vaginais.
• Espéculo grande (número 3): utilizado em mulheres obesas,
em que a adiposidade da vulva prolonga o canal vaginal, ou
quando a flacidez vaginal interpõe suas paredes laterais pela luz
do espéculo, impedindo a visão completa do colo uterino.
Lembre-se que o espéculo maior pode causar mais desconforto e
sua introdução deverá ser ainda mais cuidadosa.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Identificação da Lâmina
• A lâmina de vidro deve estar identificada com as iniciais da mulher e o número do prontuário na
unidade de saúde. Deve-se utilizar lápis preto nº2 e escrever na extremidade fosca da lâmina
Posicionamento da Paciente
• Para a coleta do exame a mulher fica em posição de litotomia,
com as nádegas mais próximas da borda da mesa ginecológica.
• Isso facilita a visualização e coleta de material. O profissional
deve se posicionar sentado, de frente para a mulher.
• Para melhor visualização, posicionar o foco de luz para a
genitália externa da mulher.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Exame Físico Externo
• Muitas vezes a oportunidade da coleta do material
para exame citopatológico é uma das poucas
vezes em que a mulher poderá ser submetida à
um exame ginecológico.
• Assim, deve-se fazer um minucioso exame da
vulva e da região perianal.
• É importante explicar para a mulher o que está
sendo feito, durante todo procedimento.
Buscar por: lesões
macroscópicas, úlceras, pintas,
áreas vermelhas e verrugas
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Exame Físico Externo
• Buscar por: lesões macroscópicas, úlceras,
pintas, áreas vermelhas e verrugas.
• A presença de alguma dessas alterações
deve motivar o encaminhamento para o
médico ginecologista.
• Da mesma forma, antes ou depois do exame
da genitália, deve ser realizado o Exame
Clínico das Mamas.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Introdução do Espéculo
• Introduza o espéculo na posição longitudinal ou levemente oblíqua
em relação à fenda vulvar (para proteger a uretra) e gire-o
delicadamente até ficar na posição transversa em relação à fenda
vulvar. A resistência à introdução do espéculo pode ser vencida
solicitando que a mulher realize alguma manobra de relaxamento
perineal, como a de Valssalva ou tossir.
• Posicionar o espéculo de forma a possibilitar a completa observação
do colo uterino, das paredes vaginais laterais e do conteúdo vaginal.
• Nem sempre essa é uma manobra fácil, principalmente em mulheres
que estão tensas ou experimentando desconforto. Conte com o
relaxamento passivo da musculatura perineal.
• Quando perceber maior relaxamento, termine de abrir o espéculo e
localize o colo.
Não utilizar lubrificantes oleosos (como vaselina)
Não há impedimento para o uso de água ou soro fisiológico.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Mulheres após a menopausa podem apresentar intensa atrofia. A introdução do espéculo,
mesmo de tamanho pequeno, pode ser traumática, causando lesões vulvares e vaginais
que, além de dolorosas, poderão provocar sangramento e inutilizarão o espécime obtido.
Para estas mulheres, recomenda-se preparo durante 21 dias (uso toda noite):
Introdução do Espéculo em Mulheres Após a Menopausa
Estrogênios conjugados em baixa dose: 0,5 g
de um aplicador (que contém 0,3 mg do
princípio ativo)
Estriol vaginal: um grama
com aplicador vaginal
OU
• A nova tentativa deverá ser feita entre 5 a 7 dias após a parada do uso.
• Além do maior conforto, o epitélio cervical estará sob ação estrogênica, com mais
camadas, possibilitando uma amostra citológica de melhor qualidade, reduzindo o risco
de diagnósticos inconclusivos como atipias de significado indeterminado.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Nos casos em que o conteúdo parece patológico e há queixa da mulher,
o exame à fresco tem maior probabilidade de definir o diagnóstico e
possibilitar o tratamento específico imediato. Nessa situação a coleta
do esfregaço cervical deve ser adiada pois processo inflamatório
intenso pode prejudicar o diagnóstico e obrigar uma nova coleta. A
coleta deve então ser programada para após o tratamento do processo
inflamatório ou infeccioso.
O Colo Uterino
O aspecto das paredes vaginais, do colo e do conteúdo vaginal já
podem indicar sua natureza, se normal ou patológico, sugestivo de
uma colpite ou de uma vaginose bacteriana.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Coleta do Esfregaço Ectocervical – Espátula de Ayre
• Encaixe a espátula de Ayre com sua ponta mais longa no orifício externo do
colo e gire 360º até que toda a região peri-orificial tenha sido raspada.
• A tensão aplicada deve ser tal que obtenha material celular e menos
intensa do que a provocaria algum sangramento.
• Se julgar que o material é insuficiente, repita o procedimento.
• Encoste a extremidade da espátula que contém o material obtido da
ectocérvice na área mais próxima da parte fosca da lâmina, que já deve
estar identificada.
• Estenda o material em uma única passada, no sentido transversal à
lâmina.
Pode ocorrer um pequeno sangramento.
É importante relatar tal fato no pedido.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
• Avise à mulher que fará a coleta endocervical e que ela poderá sentir
cólica.
• Introduza a escova endocervical e realize três a cinco giros completos e
em toda a extensão do canal. O objetivo é que as cerdas penetrem as
criptas endocervicais, obtendo uma boa quantidade de material celular.
• Com alguma frequência pode ocorrer um discreto sangramento. É
importante relatar tal fato no pedido. Lembre-se de informar à mulher
que não se preocupe se perceber a saída de alguma secreção
sanguinolenta.
• Estender o material obtido na lâmina. Procure cobrir o restante da
lâmina com uma única passada, rolando as cerdas na sua superfície.
• A intenção é obter um esfregaço com pouca superposição celular, o que
facilita o exame citopatológico.
Coleta do Esfregaço Endocervical – Escova
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Coloque a lâmina o mais rapidamente possível no frasco com álcool a 96%,
previamente identificado com o nome completo e o número do prontuário da
mulher na unidade de saúde (ou aplique o fixador celular conforme
instruções no seu frasco, espere secar e coloque na caixinha apropriada e
identificada).
Tracionar delicadamente o espéculo e proceder
ao seu fechamento. Retire o espéculo somente
quando este estiver completamente fechado.
Retirada do EspéculoTransporte da Lâmina
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
O Pedido do Exame
• O pedido é parte fundamental do exame, pois, além de identificar adequadamente a mulher,
assegura sua busca no caso de resultado alterado.
• Também fornece importantes informações para o citotécnico e citopatologista acerca das
condições da mulher, evitando má interpretação de algum achado. Isso pode ocorrer com alguma
frequência na presença de atrofia, processos inflamatórios ou após radioterapia.
• As informações de rastreamento prévio e o motivo do exame (se para rastreamento, seguimento
ou após tratamento) também auxilia o profissional na interpretação dos achados, fornecendo um
resultado mais próximo da realidade.
• Lembre-se de utilizar o lápis preto, pois, espécimes e pedidos costumam ser transportados juntos
e, se houver vazamento de álcool, as informações não ficarão borradas como aconteceria se
tivessem sido escritas à caneta.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Orientações Finais, Resultados e Condutas
• O material será analisado em laboratório especializado.
• É importante reafirmar que mesmo que não se tenha observado nenhuma alteração, não
significa que não pode haver uma lesão microscópica que vai aparecer na análise laboratorial.
• É fundamental que a mulher retorne na Unidade na data agendada para saber o resultado.
• Deve-se lembrar a mulher de comunicar à equipe qualquer mudança de endereço e telefone
para o caso de ser necessário entrar em contato. Essas informações buscam evitar que
mulheres com exames alterados se percam e deixem de confirmar o diagnóstico e receberem o
tratamento adequado para a prevenção do câncer do colo do útero.
Se o primeiro exame citopatológico for negativo, a mulher deve realizar um novo exame em um ano.
Se ambos forem negativos ela deverá repetir o exame a cada três anos.
A repetição do exame em intervalos menores é desnecessária, onera o sistema de saúde e impede que
outras mulheres, com mais dificuldade de acesso, tenham oportunidade de serem submetidas ao exame.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
• O exame citopatológico é destinado ao rastreamento do câncer do
colo uterino e de suas lesões precursoras. O público alvo é composto
de mulheres entre 25 e 64 anos e deve ser realizado trienalmente
após dois exames anuais consecutivos negativos.
• A técnica de coleta adequada e no momento e condições
oportunas garante um espécime de melhor qualidade e
fornece resultados mais confiáveis.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
Referência
Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção
Precoce e Apoio à Organização de Rede. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto
Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e
Apoio à Organização de Rede. – 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro: INCA, 2016.
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 22 de outubro de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
COLETA E INDICAÇÕES PARA O
EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde femininaSaúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
Saúde da mulher - Cuidados com a saúde feminina
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
Outubro Rosa. É Preciso Falar Disso!
 
A técnica citológica de papanicolaou
A técnica citológica de  papanicolaouA técnica citológica de  papanicolaou
A técnica citológica de papanicolaou
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-Natal
 
Saúde da mulher
Saúde da mulherSaúde da mulher
Saúde da mulher
 
Aula+papanicolaou
Aula+papanicolaouAula+papanicolaou
Aula+papanicolaou
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Tudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de PróstataTudo Sobre Câncer de Próstata
Tudo Sobre Câncer de Próstata
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Outubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de MamaOutubro Rosa - Câncer de Mama
Outubro Rosa - Câncer de Mama
 
Evolução pós parto
Evolução pós partoEvolução pós parto
Evolução pós parto
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1Clínica Cirúrgica AULA 1
Clínica Cirúrgica AULA 1
 
A Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-NatalA Importância do Pré-Natal
A Importância do Pré-Natal
 
Aula Basica Oncologia
Aula Basica OncologiaAula Basica Oncologia
Aula Basica Oncologia
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 

Semelhante a Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino

MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptxMAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MeryslandeMoreira1
 
Folder: Câncer de útero
Folder: Câncer de úteroFolder: Câncer de útero
Folder: Câncer de útero
Luana Dias
 
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
Saúde ginecológica  preparatório 2016 cSaúde ginecológica  preparatório 2016 c
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
angelalessadeandrade
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
Francielttonsantos
 

Semelhante a Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino (20)

pccu 1.pdf
pccu 1.pdfpccu 1.pdf
pccu 1.pdf
 
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
 
Apresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mamaApresentação ca colo e mama
Apresentação ca colo e mama
 
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptxMAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
MAMOGRAFIA - CESAM - Copia - Copia.pptx
 
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdfCANCER DO COLO DO UTERO.pdf
CANCER DO COLO DO UTERO.pdf
 
Câncer ginecológico 2017 revisado em agosto
Câncer ginecológico 2017 revisado em agostoCâncer ginecológico 2017 revisado em agosto
Câncer ginecológico 2017 revisado em agosto
 
AULA Câncer do colo do útero.pptx
AULA Câncer do colo do útero.pptxAULA Câncer do colo do útero.pptx
AULA Câncer do colo do útero.pptx
 
Manejo Conservador do Prolapso Genital
Manejo Conservador do Prolapso GenitalManejo Conservador do Prolapso Genital
Manejo Conservador do Prolapso Genital
 
Folder: Câncer de útero
Folder: Câncer de úteroFolder: Câncer de útero
Folder: Câncer de útero
 
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostraRastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
 
Métodos contraceptivos
Métodos contraceptivosMétodos contraceptivos
Métodos contraceptivos
 
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOSCN - METODOS CONTRACEPTIVOS
CN - METODOS CONTRACEPTIVOS
 
Saude feminina 2012
Saude feminina 2012Saude feminina 2012
Saude feminina 2012
 
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
Saúde ginecológica  preparatório 2016 cSaúde ginecológica  preparatório 2016 c
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
 
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.pptslide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
slide aula síndromes hemorrágicas enp 375 2020.ppt
 
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
Inserção do DIU de cobre: quando e como fazer?
 
Aula palestra citologia esfoliativa unitoledo out 16
Aula palestra citologia esfoliativa unitoledo out 16Aula palestra citologia esfoliativa unitoledo out 16
Aula palestra citologia esfoliativa unitoledo out 16
 
Sangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro TrimestreSangramento no Primeiro Trimestre
Sangramento no Primeiro Trimestre
 
Métodos contraceptivos (1)
Métodos contraceptivos (1)Métodos contraceptivos (1)
Métodos contraceptivos (1)
 
Citologia 1
Citologia 1Citologia 1
Citologia 1
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Último

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (11)

Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

Coleta e Indicações para o Exame Citopatológico do Colo Uterino

  • 1. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br ATENÇÃO ÀS MULHERES COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO
  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO • O exame citopatológico é um teste realizado para detectar alterações nas células do colo do útero que possam predizer a presença de lesões precursoras do câncer ou do próprio câncer. • Este exame também é chamado de esfregaço cervicovaginal, colpocitologia oncótica cervical, exame de Papanicolau, “exame de lâmina” ou simplesmente “preventivo do colo do útero”. • Essa é a principal estratégia para detectar lesões precocemente, fazer o diagnóstico da doença em seus estágios iniciais antes que a mulher tenha sintomas.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Objetivos dessa apresentação: • Demonstrar uma forma correta para obtenção de espécime para exame citopatológico do colo uterino, suas indicações e limitações conforme as Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Introdução • No Brasil, o controle do câncer do colo do útero teve seu ponto de partida em iniciativas pioneiras de profissionais que trouxeram para nosso meio a citologia e a colposcopia, a partir dos anos 1940. • Rastreamento é o processo de identificação de pessoas aparentemente saudáveis que podem estar sob maior risco de doença. • O rastreamento é uma tecnologia da atenção primária e os profissionais atuantes nesse nível de atenção devem conhecer o método. • A realização periódica do exame citopatológico continua sendo a estratégia mais amplamente adotada para o rastreamento do câncer do colo do útero.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO • O exame preventivo é simples e rápido. • Pode, no máximo, causar um pequeno desconforto que diminui se a mulher conseguir relaxar e se o exame for realizado com boa técnica e de forma delicada. • É fundamental que os serviços de saúde orientem sobre o que é e qual a importância do exame preventivo, pois sua realização periódica permite o diagnóstico precoce do câncer e das lesões precursoras, contribuindo para a redução da mortalidade por câncer do colo do útero. Exame Citopatológico
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Indicações e Contraindicações • Toda mulher entre 25 e 64 anos que tem ou já teve vida sexual deve submeter-se ao exame preventivo periódico. • Não é recomendável fazer o exame antes dos 25 anos de idade porque os danos decorrentes de um diagnóstico alterado neste período superam os possíveis benefícios. • O mesmo se aplica a mulheres com mais de 64 anos sem história prévia de doença cervical. Em ambos os casos, além da abordagem de suas questões, essas mulheres se beneficiam da atenção ginecológica e o que deve ser evitado é o exame citopatológico.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Indicações e Contraindicações • No caso das mulheres mais jovens, o foco da atenção ginecológica deve ser a prevenção, o diagnóstico e o tratamento das Doenças Sexualmente Transmissíveis e o Planejamento Reprodutivo. • Para as mulheres mais idosas, deve-se realizar o exame das mamas e a avaliação pélvica. • Mulheres grávidas também podem se submeter ao exame, sem prejuízo para sua saúde ou a do bebê.
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Recomendações Prévias • A utilização de lubrificantes, espermicidas ou medicamentos vaginais deve ser evitada por 48 horas antes da coleta. • A realização de exames transvaginais, como a ultrassonografia, também deve ser evitada nas 48 horas anteriores à coleta. • Para garantir um resultado correto, a mulher não deve ter relações sexuais (mesmo com camisinha) nos dois dias anteriores ao exame. • Evitar o uso de duchas. • O exame não deve ser feito no período menstrual, pois a presença de sangue pode prejudicar o diagnóstico citopatológico.
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Sala de Coleta O consultório ou sala de coleta deve ser equipado para a realização do exame ginecológico com: • Mesa ginecológica • Escada de dois degraus • Mesa auxiliar • Foco de luz com cabo flexível • Biombo ou local reservado para a troca de roupa • Lixeira
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Material Necessário • Espéculos de tamanhos variados, preferencialmente descartáveis • Lâminas de vidro com extremidade fosca • Espátula de Ayre • Escova endocervical • Luvas descartáveis • Solução fixadora (álcool a 96% ou spray fixador) • Frasco porta-lâmina (ou caixa plástica para transporte de lâmina) • Formulários de requisição do exame citopatológico • Fita adesiva e papel para a identificação dos frascos • Lápis grafite ou preto nº 2 • Avental ou camisola, preferencialmente descartáveis • Lençol, preferencialmente descartável.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Escolha do Espéculo • Espéculo pequeno (número 1): utilizado para mulheres jovens ou nulíparas ou após a menopausa. As primeiras podem oferecer alguma resistência apesar de terem boa elasticidade e lubrificação vaginal (isso ocorre por medo, desconforto ou mesmo vaginismo). Nas mais maduras o desconforto resulta do hipotrofismo decorrente da falência ovariana. • Espéculo médio (número 2): utilizado para mulheres em idade fértil e que já tenham tido partos vaginais. • Espéculo grande (número 3): utilizado em mulheres obesas, em que a adiposidade da vulva prolonga o canal vaginal, ou quando a flacidez vaginal interpõe suas paredes laterais pela luz do espéculo, impedindo a visão completa do colo uterino. Lembre-se que o espéculo maior pode causar mais desconforto e sua introdução deverá ser ainda mais cuidadosa.
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Identificação da Lâmina • A lâmina de vidro deve estar identificada com as iniciais da mulher e o número do prontuário na unidade de saúde. Deve-se utilizar lápis preto nº2 e escrever na extremidade fosca da lâmina Posicionamento da Paciente • Para a coleta do exame a mulher fica em posição de litotomia, com as nádegas mais próximas da borda da mesa ginecológica. • Isso facilita a visualização e coleta de material. O profissional deve se posicionar sentado, de frente para a mulher. • Para melhor visualização, posicionar o foco de luz para a genitália externa da mulher.
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Exame Físico Externo • Muitas vezes a oportunidade da coleta do material para exame citopatológico é uma das poucas vezes em que a mulher poderá ser submetida à um exame ginecológico. • Assim, deve-se fazer um minucioso exame da vulva e da região perianal. • É importante explicar para a mulher o que está sendo feito, durante todo procedimento. Buscar por: lesões macroscópicas, úlceras, pintas, áreas vermelhas e verrugas
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Exame Físico Externo • Buscar por: lesões macroscópicas, úlceras, pintas, áreas vermelhas e verrugas. • A presença de alguma dessas alterações deve motivar o encaminhamento para o médico ginecologista. • Da mesma forma, antes ou depois do exame da genitália, deve ser realizado o Exame Clínico das Mamas.
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Introdução do Espéculo • Introduza o espéculo na posição longitudinal ou levemente oblíqua em relação à fenda vulvar (para proteger a uretra) e gire-o delicadamente até ficar na posição transversa em relação à fenda vulvar. A resistência à introdução do espéculo pode ser vencida solicitando que a mulher realize alguma manobra de relaxamento perineal, como a de Valssalva ou tossir. • Posicionar o espéculo de forma a possibilitar a completa observação do colo uterino, das paredes vaginais laterais e do conteúdo vaginal. • Nem sempre essa é uma manobra fácil, principalmente em mulheres que estão tensas ou experimentando desconforto. Conte com o relaxamento passivo da musculatura perineal. • Quando perceber maior relaxamento, termine de abrir o espéculo e localize o colo. Não utilizar lubrificantes oleosos (como vaselina) Não há impedimento para o uso de água ou soro fisiológico.
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Mulheres após a menopausa podem apresentar intensa atrofia. A introdução do espéculo, mesmo de tamanho pequeno, pode ser traumática, causando lesões vulvares e vaginais que, além de dolorosas, poderão provocar sangramento e inutilizarão o espécime obtido. Para estas mulheres, recomenda-se preparo durante 21 dias (uso toda noite): Introdução do Espéculo em Mulheres Após a Menopausa Estrogênios conjugados em baixa dose: 0,5 g de um aplicador (que contém 0,3 mg do princípio ativo) Estriol vaginal: um grama com aplicador vaginal OU • A nova tentativa deverá ser feita entre 5 a 7 dias após a parada do uso. • Além do maior conforto, o epitélio cervical estará sob ação estrogênica, com mais camadas, possibilitando uma amostra citológica de melhor qualidade, reduzindo o risco de diagnósticos inconclusivos como atipias de significado indeterminado.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Nos casos em que o conteúdo parece patológico e há queixa da mulher, o exame à fresco tem maior probabilidade de definir o diagnóstico e possibilitar o tratamento específico imediato. Nessa situação a coleta do esfregaço cervical deve ser adiada pois processo inflamatório intenso pode prejudicar o diagnóstico e obrigar uma nova coleta. A coleta deve então ser programada para após o tratamento do processo inflamatório ou infeccioso. O Colo Uterino O aspecto das paredes vaginais, do colo e do conteúdo vaginal já podem indicar sua natureza, se normal ou patológico, sugestivo de uma colpite ou de uma vaginose bacteriana.
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Coleta do Esfregaço Ectocervical – Espátula de Ayre • Encaixe a espátula de Ayre com sua ponta mais longa no orifício externo do colo e gire 360º até que toda a região peri-orificial tenha sido raspada. • A tensão aplicada deve ser tal que obtenha material celular e menos intensa do que a provocaria algum sangramento. • Se julgar que o material é insuficiente, repita o procedimento. • Encoste a extremidade da espátula que contém o material obtido da ectocérvice na área mais próxima da parte fosca da lâmina, que já deve estar identificada. • Estenda o material em uma única passada, no sentido transversal à lâmina. Pode ocorrer um pequeno sangramento. É importante relatar tal fato no pedido.
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO • Avise à mulher que fará a coleta endocervical e que ela poderá sentir cólica. • Introduza a escova endocervical e realize três a cinco giros completos e em toda a extensão do canal. O objetivo é que as cerdas penetrem as criptas endocervicais, obtendo uma boa quantidade de material celular. • Com alguma frequência pode ocorrer um discreto sangramento. É importante relatar tal fato no pedido. Lembre-se de informar à mulher que não se preocupe se perceber a saída de alguma secreção sanguinolenta. • Estender o material obtido na lâmina. Procure cobrir o restante da lâmina com uma única passada, rolando as cerdas na sua superfície. • A intenção é obter um esfregaço com pouca superposição celular, o que facilita o exame citopatológico. Coleta do Esfregaço Endocervical – Escova
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Coloque a lâmina o mais rapidamente possível no frasco com álcool a 96%, previamente identificado com o nome completo e o número do prontuário da mulher na unidade de saúde (ou aplique o fixador celular conforme instruções no seu frasco, espere secar e coloque na caixinha apropriada e identificada). Tracionar delicadamente o espéculo e proceder ao seu fechamento. Retire o espéculo somente quando este estiver completamente fechado. Retirada do EspéculoTransporte da Lâmina
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO O Pedido do Exame • O pedido é parte fundamental do exame, pois, além de identificar adequadamente a mulher, assegura sua busca no caso de resultado alterado. • Também fornece importantes informações para o citotécnico e citopatologista acerca das condições da mulher, evitando má interpretação de algum achado. Isso pode ocorrer com alguma frequência na presença de atrofia, processos inflamatórios ou após radioterapia. • As informações de rastreamento prévio e o motivo do exame (se para rastreamento, seguimento ou após tratamento) também auxilia o profissional na interpretação dos achados, fornecendo um resultado mais próximo da realidade. • Lembre-se de utilizar o lápis preto, pois, espécimes e pedidos costumam ser transportados juntos e, se houver vazamento de álcool, as informações não ficarão borradas como aconteceria se tivessem sido escritas à caneta.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Orientações Finais, Resultados e Condutas • O material será analisado em laboratório especializado. • É importante reafirmar que mesmo que não se tenha observado nenhuma alteração, não significa que não pode haver uma lesão microscópica que vai aparecer na análise laboratorial. • É fundamental que a mulher retorne na Unidade na data agendada para saber o resultado. • Deve-se lembrar a mulher de comunicar à equipe qualquer mudança de endereço e telefone para o caso de ser necessário entrar em contato. Essas informações buscam evitar que mulheres com exames alterados se percam e deixem de confirmar o diagnóstico e receberem o tratamento adequado para a prevenção do câncer do colo do útero. Se o primeiro exame citopatológico for negativo, a mulher deve realizar um novo exame em um ano. Se ambos forem negativos ela deverá repetir o exame a cada três anos. A repetição do exame em intervalos menores é desnecessária, onera o sistema de saúde e impede que outras mulheres, com mais dificuldade de acesso, tenham oportunidade de serem submetidas ao exame.
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO • O exame citopatológico é destinado ao rastreamento do câncer do colo uterino e de suas lesões precursoras. O público alvo é composto de mulheres entre 25 e 64 anos e deve ser realizado trienalmente após dois exames anuais consecutivos negativos. • A técnica de coleta adequada e no momento e condições oportunas garante um espécime de melhor qualidade e fornece resultados mais confiáveis.
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO Referência Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. Divisão de Detecção Precoce e Apoio à Organização de Rede. – 2. ed. rev. atual. – Rio de Janeiro: INCA, 2016.
  • 25. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 22 de outubro de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. COLETA E INDICAÇÕES PARA O EXAME CITOPATOLÓGICO DO COLO UTERINO