SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO
NO PARTO E NASCIMENTO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
O minuto de ouro e a hora mágica salvam vidas!
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Objetivos dessa apresentação:
Atualizar a equipe de profissionais de saúde sobre as políticas
de saúde e as mais recentes evidências científicas sobre o
cuidado ao recém-nascido no momento do parto.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Introdução
A mortalidade neonatal é responsável por quase 70% das mortes no primeiro ano de vida. O cuidado
adequado ao recém-nascido tem sido um dos desafios para reduzir estes índices, responsável por 25% destas
mortes .
O componente neonatal da mortalidade infantil é estreitamente vinculado aos cuidados no período da
gestação, atenção adequada no momento do nascimento e cuidados destinados ao recém-nascido.
Políticas de intervenção na morbimortalidade materna e infantil
• Rede Cegonha (2011)
• Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (2015)
• Estratégia Qualineo (2017)
• ApiceON* (2017)
*Aprimoramento e Inovação no Cuidado e Ensino em Obstetrícia e Neonatologia
OMS, 2018
“Todas as mulheres grávidas e
recém nascidos devem receber
cuidados de qualidade durante a
gravidez, o parto e o período pós-
natal imediato”
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
• Identificação do risco gestacional materno, fetal e neonatal;
• Atenção ambulatorial e hospitalar de risco habitual e alto risco;
• Processos organizados em ambiente com estrutura e recursos tecnológicos para responder às
demandas;
• Informação sistematizada para melhores práticas;
• Sistema de apoio: diagnóstico, terapêutico e farmacêutico;
• Regulação de leitos obstétricos e neonatais para garantia de assistência ao parto e nascimento
na maternidade referência;
• Sistema de transporte em saúde (gestantes e RN);
• Sistema de informação integrado para comunicação e monitoramento da assistência.
(Nascimento Seguro, SBP, 2018)
Componentes de estrutura, processos e resultados no cuidado perinatal:
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Boas Práticas no Parto e Nascimento:
• Assistência neonatal no nascimento
• Contato pele a pele imediato e ininterrupto
• Clampeamento oportuno do cordão umbilical
• Amamentação na primeira hora de vida
• Alta hospitalar segura
Boas praticas no parto e no nascimento são medidas de assistência
que interferem na morbimortalidade materna e infantil.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
No Brasil nascem 3 milhões de crianças ao ano (98% em hospitais)
• A maioria nasce com boa vitalidade, entretanto, manobras de reanimação podem ser necessárias.
• Conhecimento e habilidade em reanimação neonatal são essenciais para todos os profissionais que atendem
RN em sala de parto.
• O risco de necessidade de procedimentos de reanimação é maior quanto menor a idade gestacional e/ou
peso ao nascer.
(Diretrizes da Reanimação Neonatal da SBP, 2016)
Necessidade de reanimação no nascimento
• Ventilação com pressão positiva: 1 em cada 10 RN
• Intubação: 1 em cada 100 RN
• Intubação, massagem e/ou medicações: 1 em cada
1.000 RN, desde que a ventilação seja aplicada
adequadamente
Em recém-nascidos prematuros
• Nascidos com menos de 1.500g: 2 em cada 3 RN
• Idade gestacional de 34 a 36 semanas: 2 em cada 10
RN
• Cesariana, entre 37 e 39 semanas de gestação,
mesmo não havendo fatores de risco antenatais para
asfixia, também eleva o risco de necessidade de
ventilação
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Portaria nº 371 de 7 de Maio de 2014
O atendimento ao recém-nascido consiste na assistência por profissional capacitado, médico
(preferencialmente pediatra ou neonatologista) ou profissional de enfermagem (preferencialmente
enfermeiro obstetra ou neonatal), desde o período imediatamente anterior ao parto, até que o RN seja
encaminhado ao Alojamento Conjunto com sua mãe, ou à Unidade Neonatal.
Art. 2º Para prestar este atendimento o profissional médico ou de enfermagem deverá exercitar as boas
práticas de atenção humanizada ao recém-nascido apresentadas nesta Portaria e respaldadas pela
Organização Mundial de Saúde e Ministério da Saúde e ser capacitado em reanimação neonatal.
Art. 3º Considera-se como capacitado em reanimação neonatal o médico ou profissional de enfermagem, que
tenha realizado treinamento teórico-prático, conforme orientação ser publicizada, por expediente específico,
pela Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno (CGSCAM) do Ministério da Saúde.
Institui diretrizes para a organização da atenção integral
e humanizada ao recém-nascido (RN).
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Portaria nº 371 de 7 de Maio de 2014
Art. 4º Para o RN a termo com ritmo respiratório normal, tônus normal e sem líquido meconial, recomenda-se:
I - assegurar o contato pele a pele imediato e contínuo, colocando o RN sobre o abdômen ou tórax da mãe de
acordo com sua vontade, de bruços e cobri-lo com uma coberta seca e aquecida, Verificar a temperatura do
ambiente que deverá está em torno de 26 graus para evitar a perda de calor;
II - proceder ao clampeamento do cordão umbilical, após cessadas suas pulsações (aproximadamente de 1 a 3
minutos), exceto em casos de mães isoimunizadas ou HIV HTLV positivas, nesses casos o clampeamento deve
ser imediato;
III - estimular o aleitamento materno na primeira hora de vida, exceto em casos de mães HIV ou HTLV
positivas;
IV - postergar os procedimentos de rotina do recém-nascido nessa primeira hora de vida. Entende-se como
procedimentos de rotina: exame físico, pesagem e outras medidas antropométricas, profilaxia da oftalmia
neonatal e vacinação, entre outros procedimentos;
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Se, ao nascimento, o RN é de termo (IG 37 a 41 semanas), está respirando ou chorando e com tônus muscular
em flexão, independentemente do aspecto do líquido amniótico, apresenta boa vitalidade e deve continuar
junto de sua mãe depois do clampeamento do cordão umbilical.
Na sala de parto, enquanto o RN está junto à mãe, prover calor, manter as vias aéreas pérvias e avaliar a sua
vitalidade de maneira continuada.
Temperatura:
• Manter a temperatura corporal entre 36,5-37,5ºC
• Garantir a temperatura ambiente na sala de parto entre 23-26ºC
• Secar o corpo e o segmento cefálico com compressas aquecidas e deixar o RN em contato pele-a-pele com
a mãe, coberto com tecido de algodão seco e aquecido.
Sociedade Brasileira de Pediatria, 2016
Assistência Neonatal no Nascimento
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Assistência Neonatal no Nascimento
Cuidar para manter as vias aéreas pérvias, sem flexão ou hiperextensão do pescoço, verificando se não há
excesso de secreções na boca e nariz.
Avaliar, inicialmente, a frequência cardíaca (FC) com o estetoscópio no precórdio, o tônus muscular e a
respiração/choro.
Depois, de maneira continuada, observar a atividade, o tônus muscular e a respiração/choro do RN.
A amamentação na primeira hora pós-parto assegura que o RN receba o colostro, rico em fatores protetores.
O contato pele-a-pele entre mãe e bebê ao nascimento favorece o início precoce da amamentação e
aumenta a chance do aleitamento materno exclusivo ser bem sucedido nos primeiros meses de vida.
Sociedade Brasileira de Pediatria, 2016
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Contato Pele a Pele Precoce
“Colocar os bebês em contato pele-a-pele
com suas mães imediatamente após o
parto, durante pelo menos uma hora e
encorajar as mães a reconhecerem
quando seus bebês estão prontos para
mamar, oferecendo ajuda, se necessário”.
Passo 4 – Iniciativa Hospital Amigo da Criança
(OMS/UNICEF-2006)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Contato Pele a Pele Precoce
Benefícios Imediatos Benefícios no Longo Prazo
Lactente Mãe Lactente Mãe
• Melhora a efetividade da
primeira mamada e
reduz o tempo de
obtenção de sucção
efetiva;
• Regula/mantém a
temperatura corporal;
• Melhora a estabilidade
cardiorrespiratória (em
RN prematuros).
• Melhoram os
comportamentos
de afeto e vínculo;
• Diminui a dor
causada pelo
ingurgitamento
mamário.
• Existe associação positiva
entre índices de
aleitamento materno nos
primeiros 4 meses pós-
parto e maior duração de
amamentação.
• Melhoram os
comportamentos
de afeto e apego
da mãe.
Adaptado de: Além da sobrevivência/Ministério da Saúde,2011
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Rotinas Hospitalares e o Contato Pele a Pele
Favoráveis
• Facilitar a amamentação em
sala de parto
• Uso de top materno
• Alojamento conjunto desde o
puerpério imediato
Postergáveis
• Medição
• Pesagem
• Identificação
• Nitrato de Prata
• Vitamina K
• Vacina de Hepatite B Top
Materno
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
“Quando crianças a termo são colocadas pele a
pele com suas mães, no seu abdome, tórax ou
em seus braços, elas muito raramente choram
durante os primeiros noventa minutos de vida”.
Klaus e Klaus (Brasil, 2012)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Clampeamento Oportuno do Cordão Umbilical
A atual prática predominante e sem embasamento científico é o
clampeamentoimediatodocordãoumbilical(entre10e15segundos).
Aspossíveisrazõesparaseuusosão:
• Modelointervencionista;
• Diminuiçãodotempodedesocupaçãoda saladeparto;
• Receioda hiperbilirrubinemia e/ou policitemianeonatal;
• Ansiedadedoprofissional(pediatraouneonatologista).
Existe pouca ou nenhuma evidência científica que
justifique o clampeamento imediato como prática de maior
benefício para o recém-nascido ou para sua mãe.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Clampeamento Oportuno do Cordão Umbilical
Adaptado de: Além da Sobrevivência/Ministério da Saúde,2011
Benefícios Imediatos
RN pré-termo (baixo peso ao nascer) RN a termo Mães
• Diminui risco de hemorragia intraventricular e sepse de
início tardio;
• Diminui a necessidade de:
- Transfusão sanguínea por anemia;
- Baixa pressão sanguínea;
- Surfactante;
- Ventilação mecânica;
• Aumenta:
- Hematócrito;
- Hemoglobina;
- Pressão sanguínea;
- Oxigenação cerebral;
- Fluxo de glóbulos vermelhos.
• Fornece volume
adequado de
sangue e de
reservas de ferro
no nascimento.
Indicação oportuna de
ensaios clínicos sobre
“drenagem placentária” de
que placenta com menos
sangue encurta o 3º
período do parto e diminui
a incidência de retenção
placentária.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Benefícios no Longo Prazo
RN pré-termo (baixo peso ao nascer) RN a termo
• Aumenta a hemoglobina com 10 semanas
de idade.
• Melhora o estado hematológico (hemoglobina e
hematócrito) dos 2 aos 4 meses de idade;
• Melhoram as reservas de ferro até os 6 meses de
idade.
Clampeamento Oportuno do Cordão Umbilical
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Gravidade e Posição do RN na
Velocidade da transfusão placentária
Adaptado de: Além da Sobrevivência/Ministério da Saúde, 2011
A figura mostra como a posição do bebê pode
afetar o tempo da conclusão da transfusão
placentária.
Estima-se que quando o RN é colocado 10cm
acima ou abaixo do nível da placenta, a
transfusão completa ocorre em 3 minutos.
Se o RN for colocado significativamente abaixo do
nível da placenta, aumenta-se a velocidade, mas
não a quantidade total da transfusão.
Se o RN for colocado muito acima do nível da
placenta a transfusão completa é impedida.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
PEDIATRICS Vol. 117 No. 3 March 2006
• Iniciar a amamentação na 1ª hora reduz o risco de mortes infantis;
• Retardar o início da amamentação leva à um acentuado aumento no risco de morrer;
• 22% das mortes neonatais podem ser evitadas se todos os bebês forem amamentados na 1ª hora de vida;
• Iniciar a amamentação depois de um dia de vida esteve associado a um aumento de 2,4 vezes no risco de morrer;
• Receber alimentos pré-lácteos (outro líquido antes do leite materno) aumentou o risco de mortalidade neonatal;
• Os programas de amamentação devem enfatizar ao inicio na primeira hora de vida, assim como a amamentação
exclusiva.
• Práticas durante o trabalho de parto e o período pós-natal imediato podem afetar o início do aleitamento.
Resultados do estudo realizado na zona rural de Gana com 10.947 bebês não gêmeos amamentados (2003/2004)
Amamentação na Primeira Hora de Vida
41% dos bebês que morrem durante os 2 a 28 dias após o nascimento podem ser salvos
por esta intervenção simples: iniciar a amamentação na PRIMEIRA HORA de vida.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
1. Cumprir o Código Internacional de Comercialização de Substitutos
do Leite Materno e resoluções da Assembleia Mundial da Saúde;
Ter uma política de alimentação infantil escrita que seja
rotineiramente comunicada à equipe e aos pais; Estabelecer
sistemas contínuos de monitoramento e gerenciamento de dados.
2. Garantir que a equipe tenha conhecimento, competência e
habilidades suficientes para apoiar a amamentação;
10 Passos para o sucesso do Aleitamento Materno
Gestão
(OMS/UNICEF, 2018)
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
10 Passos para o sucesso do Aleitamento Materno
Práticas clínicas básicas
(OMS/UNICEF, 2018)
3. Discutir a importância e o manejo da amamentação com mulheres
grávidas e suas famílias;
4. Facilitar o contato pele a pele imediato e ininterrupto e apoiar as mães a
iniciar a amamentação o quanto antes após o nascimento;
5. Apoiar as mães para iniciar e manter a amamentação e gerenciar
dificuldades habituais;
6. Não fornecer a recém-nascidos amamentados alimentos ou líquidos que
não sejam o leite materno, a menos que indicado clinicamente;
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
10 Passos para o sucesso do Aleitamento Materno
Práticas clínicas básicas
(OMS/UNICEF, 2018)
7. Permitir que mães e filhos permaneçam juntos e pratiquem o alojamento
conjunto 24 horas por dia;
8. Ajudar as mães a reconhecer e responder às pistas sobre alimentação
fornecidas pelo bebê;
9. Aconselhar as mães sobre o uso e os riscos de mamadeiras, bicos e
chupetas;
10. Coordenar a alta para que os pais e seus filhos tenham acesso oportuno a
apoio e cuidados contínuos.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
www.aleitamento.com | Kajsa Brimdyr
http://www.aleitamento.com/amamentacao/conteudo.as
p?cod=1892
A Hora Mágica
Contato Pele a Pele
na 1ª Hora de Vida
3 min após parto
8 min após parto 35 min após parto
45 min após parto 60 min após parto
Recomenda-se o contato pele a
pele por pelo menos uma hora:
• para manter a normotermia
• iniciar a lactação
• favorecer o aleitamento
materno
• prevenir o desmame precoce
• fortalecer o vínculo mãe-filho
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Aleitamento Materno Precoce
Benefícios Imediatos Benefícios no Longo Prazo
Lactente Mãe Lactente Mãe
• Previne a morbidade
e a mortalidade
neonatais;
• Está associado à
maior duração da
amamentação;
• Está associado à
maior duração da
amamentação
exclusiva.
• Estimula a
liberação da
ocitocina, que
provoca a
contração uterina;
• Possível efeito
protetor nos
transtornos do
estado de ânimo
materno.
• Diminui o risco de:
- Otite média aguda
- Gastroenterite inespecífica;
- Hospitalização por infecção do
trato respiratório inferior;
- Dermatite atópica;
- Obesidade;
- Diabetes tipo I e II;
- Leucemia da infância;
- Síndrome da morte súbita
infantil;
- Enterocolite necrosante;
• Melhor desenvolvimento motor.
• A amenorreia lactacional
ajuda a proteger futuras
gestações e protege as
reservas de ferro
materno;
• Diminui risco de:
- Diabetes tipo I e II;
- Câncer de ovário;
- Câncer de mama;
• Perda mais rápida de
peso após a gravidez.
Adaptado de: Além da Sobrevivência/Ministério da Saúde,2011
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Desenvolvimento do Microbioma
O microbioma da primeira infância está sendo relacionado como capaz de exercer influência na
saúde e no desenvolvimento humano em longo prazo.
• Efeito benéfico da amamentação exclusiva já ter sido descrito em relação à composição de
microbioma intestinal por meio de imprinting probiótico e prebiótico;
• Aumento da resiliência da comunidade microbiana favorece a amamentação exclusiva em vez da
alimentação misturada nos primeiros seis meses de vida.
The role of the microbiome in the developmental origins of health and disease. Pediatrics, 2018
Fatores que interferem no desenvolvimento do microbioma no recém-nascido:
dieta materna, tipo de parto , uso de antibioticoterapia
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Alta Hospitalar Segura
• “Alta hospitalar, em média, com 48 horas, para RN potencialmente saudáveis, tempo
necessário para atender às normas da Portaria MS/ GM n° 2068, de 21 de outubro de
2016, que regula Alojamento Conjunto” (SBP, 2018).
• Art. 9º A alta da mulher e do recém-nascido deverá ser realizada mediante elaboração
de projeto terapêutico singular, considerando-se, para o tempo de alta, as necessidades
individuais (Portaria MS/ GM n° 2068, de 21 de outubro de 2016).
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Alta Hospitalar Segura
• Esclarecer sobre os benefícios da amamentação para o binômio mãe-filho;
• Verificar resultado do VDRL, HIV e todas as sorologias realizadas na gestação;
• Verificar a perda total de peso. Se maior que 6%, reorientar as técnicas de amamentação, e considerar
prolongamento da estadia hospitalar para o binômio mãe-filho;
• Verificar a tipagem sanguínea e teste de Coombs da mãe e do recém-nascido;
• Avaliar o risco clínico de hiperbilirrubinemia grave através da identificação de fatores epidemiológicos de
agravo e/ou exames laboratoriais;
• Realizar o teste do “pezinho”, da “orelhinha” (emissões otoacústicas), reflexo vermelho e teste do
“coraçãozinho” (saturação pré e pós-ductal);
• Realizar vacinação com vacina BCG e hepatite B;
• É desejável que a alta hospitalar e a saída sejam simultâneas: mãe-filho.
• Retorno ambulatorial 48 a 72 horas após a alta, de preferência já agendado, para vincular a família com as
novas fontes de apoio e para reavaliação do caso.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
• O atendimento à gestante, à puérpera e ao recém-nascido deve ser priorizado com acolhimento,
avaliação de risco e vigilância à saúde.
• As ações dos profissionais de saúde no pós-parto imediato em relação aos cuidados prestados ao
recém-nascido podem interferir na aproximação precoce entre a mãe e o bebê, e deve ser
estimulado o vínculo entre o binômio.
• A mortalidade neonatal precoce pode ser reduzida pela adoção de boas práticas no parto e
nascimento.
• O MINUTO DE OURO E A HORA MÁGICA SALVAM VIDAS! Propiciam o melhor começo para a vida
com qualidade, reduzindo a morbimortalidade materna e infantil.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO
Referências
• Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS
– a Rede Cegonha.
• Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 2.068, de 21 de outubro de 2016. Institui diretrizes para a organização da atenção
integral e humanizada à mulher e ao recém-nascido no Alojamento Conjunto.
• SBP. Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Neonatologia. Nascimento Seguro. Documento Científico Nº 3, Abril de 2018.
• SBP. Sociedade Brasileira de Pediatria. Programa de Reanimação Neonatal. Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto. 2016.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Além da sobrevivência: práticas
integradas de atenção ao parto, benéficas para a nutrição e a saúde de mães e crianças / Ministério da Saúde,Secretaria de Atenção à Saúde, Área
Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. – 1. ed., 1. reimp. – Brasília : Ministério da Saúde, 2013.
• UNICEF, WHO. Capture the Moment – Early initiation of breastfeeding: The best start for every newborn. New York: UNICEF; 2018.
• Stiemsma LT, Michels KB. The Role of the Microbiome in the Developmental Origins of Health and Disease. Pediatrics. 2018 Apr;141(4). pii:
e20172437. doi: 10.1542/peds.2017-2437. Epub 2018 Mar 8. Review. PubMed PMID: 29519955; PubMed Central PMCID: PMC5869344.
• Karen M. Edmond, Charles Zandoh, Maria A. Quigley, Seeba Amenga-Etego, Seth Owusu-Agyei, Betty R. Delayed Breastfeeding Initiation Increases
Risk of Neonatal Mortality. Kirkwood Pediatrics Mar 2006, 117 (3) e380-e386; DOI: 10.1542/peds.2005-1496.
• Forster DA, McLachlan HL. Breastfeeding initiation and birth setting practices: a review of the literature. J Midwifery Womens Health. 2007 May-
Jun;52(3):273-80. Review. PubMed PMID: 17467594.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém-
nascido : guia para os profissionais de saúde – Cuidados Gerais / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações
Programáticas Estratégicas. – 2. ed. atual. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 371, de 7 de maio de 2014. Institui diretrizes para a organização da
atenção integral e humanizada ao recém nascido (RN) no Sistema Único de Saúde(SUS).
ATENÇÃO ÀS
MULHERES
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 21 de junho de 2019
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção às Mulheres
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemjusantos_
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalEnfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalRegiane Ribeiro
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestaçãoAlinebrauna Brauna
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básicamarianagusmao39
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOblogped1
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeProf. Marcus Renato de Carvalho
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éViviane da Silva
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroJuliana Maciel
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxWellingtonTeixeira24
 

Mais procurados (20)

Aula sinais vitais
Aula sinais vitaisAula sinais vitais
Aula sinais vitais
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Pré natal
Pré natalPré natal
Pré natal
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
AssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao PartoAssistêNcia Ao Parto
AssistêNcia Ao Parto
 
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e NeonatalEnfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
Enfermagem em UTI Pediátrica e Neonatal
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Aula 3 prénatal
Aula 3 prénatalAula 3 prénatal
Aula 3 prénatal
 
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da SaúdeRECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
RECÉM-NASCIDO: Cuidados com o pré termo. Vol. 4. Ministério da Saúde
 
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não éCaracterísticas recém nascidos: o que é normal e o que não é
Características recém nascidos: o que é normal e o que não é
 
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuroAssistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
Assistência de enfermagem ao recém nascido prematuro
 
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda GástricaCuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
Cuidados com o Recém-nascido na UTI Neonatal: Posição Canguru e Sonda Gástrica
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Medicação em pediatria
Medicação em pediatriaMedicação em pediatria
Medicação em pediatria
 

Semelhante a Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento

Programa de reanimação neonatal da sociedade brasileira de pediatria 2011
Programa de reanimação neonatal da sociedade brasileira de pediatria 2011Programa de reanimação neonatal da sociedade brasileira de pediatria 2011
Programa de reanimação neonatal da sociedade brasileira de pediatria 2011José Ripardo
 
Reanimação neonatal
Reanimação neonatalReanimação neonatal
Reanimação neonatalIsabella RM
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxWellingtonTeixeira24
 
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEpamelacastro71
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologiaBruno Rezende
 
Método Canguru: diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
Método Canguru:  diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018 Método Canguru:  diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
Método Canguru: diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018 Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-20123 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012Denise Andrade
 
Cuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rnCuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rnAlvaro Felipe
 

Semelhante a Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento (20)

cuidadornpar
cuidadornparcuidadornpar
cuidadornpar
 
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco HabitualCuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
Cuidado ao Parto e Nascimento de Risco Habitual
 
Programa de reanimação neonatal da sociedade brasileira de pediatria 2011
Programa de reanimação neonatal da sociedade brasileira de pediatria 2011Programa de reanimação neonatal da sociedade brasileira de pediatria 2011
Programa de reanimação neonatal da sociedade brasileira de pediatria 2011
 
Reanimação neonatal
Reanimação neonatalReanimação neonatal
Reanimação neonatal
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
 
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peitoO leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
O leite ideal para o recém-nascido pré-termo e a transição da sonda para o peito
 
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
 
Contato Pele a Pele na Cesárea
Contato Pele a Pele na CesáreaContato Pele a Pele na Cesárea
Contato Pele a Pele na Cesárea
 
Alta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do BebêAlta Segura da Mãe e do Bebê
Alta Segura da Mãe e do Bebê
 
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à SaúdeA Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
A Consulta Puerperal na Atenção Primária à Saúde
 
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTEENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
ENFERMAGEM NA SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologia
 
Manual de neonatologia
Manual de neonatologiaManual de neonatologia
Manual de neonatologia
 
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
Aleitamento Materno Exclusivo até os Seis Meses: o Papel dos Profissionais de...
 
Recem nascido
Recem nascidoRecem nascido
Recem nascido
 
Método Canguru: diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
Método Canguru:  diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018 Método Canguru:  diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
Método Canguru: diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
 
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDOMANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
MANUSEIO MÍNIMO DO RECÉM-NASCIDO
 
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-20123 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
3 protocolo-consulta-enfermagem-saude-da-crianca-versao-2012
 
Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?Parto Espontâneo: por que esperar?
Parto Espontâneo: por que esperar?
 
Cuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rnCuidados imediatos ao rn
Cuidados imediatos ao rn
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?Fibrose Cística: como diagnosticar?
Fibrose Cística: como diagnosticar?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 

Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO O minuto de ouro e a hora mágica salvam vidas!
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Objetivos dessa apresentação: Atualizar a equipe de profissionais de saúde sobre as políticas de saúde e as mais recentes evidências científicas sobre o cuidado ao recém-nascido no momento do parto.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Introdução A mortalidade neonatal é responsável por quase 70% das mortes no primeiro ano de vida. O cuidado adequado ao recém-nascido tem sido um dos desafios para reduzir estes índices, responsável por 25% destas mortes . O componente neonatal da mortalidade infantil é estreitamente vinculado aos cuidados no período da gestação, atenção adequada no momento do nascimento e cuidados destinados ao recém-nascido. Políticas de intervenção na morbimortalidade materna e infantil • Rede Cegonha (2011) • Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (2015) • Estratégia Qualineo (2017) • ApiceON* (2017) *Aprimoramento e Inovação no Cuidado e Ensino em Obstetrícia e Neonatologia OMS, 2018 “Todas as mulheres grávidas e recém nascidos devem receber cuidados de qualidade durante a gravidez, o parto e o período pós- natal imediato”
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO • Identificação do risco gestacional materno, fetal e neonatal; • Atenção ambulatorial e hospitalar de risco habitual e alto risco; • Processos organizados em ambiente com estrutura e recursos tecnológicos para responder às demandas; • Informação sistematizada para melhores práticas; • Sistema de apoio: diagnóstico, terapêutico e farmacêutico; • Regulação de leitos obstétricos e neonatais para garantia de assistência ao parto e nascimento na maternidade referência; • Sistema de transporte em saúde (gestantes e RN); • Sistema de informação integrado para comunicação e monitoramento da assistência. (Nascimento Seguro, SBP, 2018) Componentes de estrutura, processos e resultados no cuidado perinatal:
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Boas Práticas no Parto e Nascimento: • Assistência neonatal no nascimento • Contato pele a pele imediato e ininterrupto • Clampeamento oportuno do cordão umbilical • Amamentação na primeira hora de vida • Alta hospitalar segura Boas praticas no parto e no nascimento são medidas de assistência que interferem na morbimortalidade materna e infantil.
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO No Brasil nascem 3 milhões de crianças ao ano (98% em hospitais) • A maioria nasce com boa vitalidade, entretanto, manobras de reanimação podem ser necessárias. • Conhecimento e habilidade em reanimação neonatal são essenciais para todos os profissionais que atendem RN em sala de parto. • O risco de necessidade de procedimentos de reanimação é maior quanto menor a idade gestacional e/ou peso ao nascer. (Diretrizes da Reanimação Neonatal da SBP, 2016) Necessidade de reanimação no nascimento • Ventilação com pressão positiva: 1 em cada 10 RN • Intubação: 1 em cada 100 RN • Intubação, massagem e/ou medicações: 1 em cada 1.000 RN, desde que a ventilação seja aplicada adequadamente Em recém-nascidos prematuros • Nascidos com menos de 1.500g: 2 em cada 3 RN • Idade gestacional de 34 a 36 semanas: 2 em cada 10 RN • Cesariana, entre 37 e 39 semanas de gestação, mesmo não havendo fatores de risco antenatais para asfixia, também eleva o risco de necessidade de ventilação
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Portaria nº 371 de 7 de Maio de 2014 O atendimento ao recém-nascido consiste na assistência por profissional capacitado, médico (preferencialmente pediatra ou neonatologista) ou profissional de enfermagem (preferencialmente enfermeiro obstetra ou neonatal), desde o período imediatamente anterior ao parto, até que o RN seja encaminhado ao Alojamento Conjunto com sua mãe, ou à Unidade Neonatal. Art. 2º Para prestar este atendimento o profissional médico ou de enfermagem deverá exercitar as boas práticas de atenção humanizada ao recém-nascido apresentadas nesta Portaria e respaldadas pela Organização Mundial de Saúde e Ministério da Saúde e ser capacitado em reanimação neonatal. Art. 3º Considera-se como capacitado em reanimação neonatal o médico ou profissional de enfermagem, que tenha realizado treinamento teórico-prático, conforme orientação ser publicizada, por expediente específico, pela Coordenação Geral de Saúde da Criança e Aleitamento Materno (CGSCAM) do Ministério da Saúde. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada ao recém-nascido (RN).
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Portaria nº 371 de 7 de Maio de 2014 Art. 4º Para o RN a termo com ritmo respiratório normal, tônus normal e sem líquido meconial, recomenda-se: I - assegurar o contato pele a pele imediato e contínuo, colocando o RN sobre o abdômen ou tórax da mãe de acordo com sua vontade, de bruços e cobri-lo com uma coberta seca e aquecida, Verificar a temperatura do ambiente que deverá está em torno de 26 graus para evitar a perda de calor; II - proceder ao clampeamento do cordão umbilical, após cessadas suas pulsações (aproximadamente de 1 a 3 minutos), exceto em casos de mães isoimunizadas ou HIV HTLV positivas, nesses casos o clampeamento deve ser imediato; III - estimular o aleitamento materno na primeira hora de vida, exceto em casos de mães HIV ou HTLV positivas; IV - postergar os procedimentos de rotina do recém-nascido nessa primeira hora de vida. Entende-se como procedimentos de rotina: exame físico, pesagem e outras medidas antropométricas, profilaxia da oftalmia neonatal e vacinação, entre outros procedimentos;
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Se, ao nascimento, o RN é de termo (IG 37 a 41 semanas), está respirando ou chorando e com tônus muscular em flexão, independentemente do aspecto do líquido amniótico, apresenta boa vitalidade e deve continuar junto de sua mãe depois do clampeamento do cordão umbilical. Na sala de parto, enquanto o RN está junto à mãe, prover calor, manter as vias aéreas pérvias e avaliar a sua vitalidade de maneira continuada. Temperatura: • Manter a temperatura corporal entre 36,5-37,5ºC • Garantir a temperatura ambiente na sala de parto entre 23-26ºC • Secar o corpo e o segmento cefálico com compressas aquecidas e deixar o RN em contato pele-a-pele com a mãe, coberto com tecido de algodão seco e aquecido. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2016 Assistência Neonatal no Nascimento
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Assistência Neonatal no Nascimento Cuidar para manter as vias aéreas pérvias, sem flexão ou hiperextensão do pescoço, verificando se não há excesso de secreções na boca e nariz. Avaliar, inicialmente, a frequência cardíaca (FC) com o estetoscópio no precórdio, o tônus muscular e a respiração/choro. Depois, de maneira continuada, observar a atividade, o tônus muscular e a respiração/choro do RN. A amamentação na primeira hora pós-parto assegura que o RN receba o colostro, rico em fatores protetores. O contato pele-a-pele entre mãe e bebê ao nascimento favorece o início precoce da amamentação e aumenta a chance do aleitamento materno exclusivo ser bem sucedido nos primeiros meses de vida. Sociedade Brasileira de Pediatria, 2016
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Contato Pele a Pele Precoce “Colocar os bebês em contato pele-a-pele com suas mães imediatamente após o parto, durante pelo menos uma hora e encorajar as mães a reconhecerem quando seus bebês estão prontos para mamar, oferecendo ajuda, se necessário”. Passo 4 – Iniciativa Hospital Amigo da Criança (OMS/UNICEF-2006)
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Contato Pele a Pele Precoce Benefícios Imediatos Benefícios no Longo Prazo Lactente Mãe Lactente Mãe • Melhora a efetividade da primeira mamada e reduz o tempo de obtenção de sucção efetiva; • Regula/mantém a temperatura corporal; • Melhora a estabilidade cardiorrespiratória (em RN prematuros). • Melhoram os comportamentos de afeto e vínculo; • Diminui a dor causada pelo ingurgitamento mamário. • Existe associação positiva entre índices de aleitamento materno nos primeiros 4 meses pós- parto e maior duração de amamentação. • Melhoram os comportamentos de afeto e apego da mãe. Adaptado de: Além da sobrevivência/Ministério da Saúde,2011
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Rotinas Hospitalares e o Contato Pele a Pele Favoráveis • Facilitar a amamentação em sala de parto • Uso de top materno • Alojamento conjunto desde o puerpério imediato Postergáveis • Medição • Pesagem • Identificação • Nitrato de Prata • Vitamina K • Vacina de Hepatite B Top Materno
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO “Quando crianças a termo são colocadas pele a pele com suas mães, no seu abdome, tórax ou em seus braços, elas muito raramente choram durante os primeiros noventa minutos de vida”. Klaus e Klaus (Brasil, 2012)
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Clampeamento Oportuno do Cordão Umbilical A atual prática predominante e sem embasamento científico é o clampeamentoimediatodocordãoumbilical(entre10e15segundos). Aspossíveisrazõesparaseuusosão: • Modelointervencionista; • Diminuiçãodotempodedesocupaçãoda saladeparto; • Receioda hiperbilirrubinemia e/ou policitemianeonatal; • Ansiedadedoprofissional(pediatraouneonatologista). Existe pouca ou nenhuma evidência científica que justifique o clampeamento imediato como prática de maior benefício para o recém-nascido ou para sua mãe.
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Clampeamento Oportuno do Cordão Umbilical Adaptado de: Além da Sobrevivência/Ministério da Saúde,2011 Benefícios Imediatos RN pré-termo (baixo peso ao nascer) RN a termo Mães • Diminui risco de hemorragia intraventricular e sepse de início tardio; • Diminui a necessidade de: - Transfusão sanguínea por anemia; - Baixa pressão sanguínea; - Surfactante; - Ventilação mecânica; • Aumenta: - Hematócrito; - Hemoglobina; - Pressão sanguínea; - Oxigenação cerebral; - Fluxo de glóbulos vermelhos. • Fornece volume adequado de sangue e de reservas de ferro no nascimento. Indicação oportuna de ensaios clínicos sobre “drenagem placentária” de que placenta com menos sangue encurta o 3º período do parto e diminui a incidência de retenção placentária.
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Benefícios no Longo Prazo RN pré-termo (baixo peso ao nascer) RN a termo • Aumenta a hemoglobina com 10 semanas de idade. • Melhora o estado hematológico (hemoglobina e hematócrito) dos 2 aos 4 meses de idade; • Melhoram as reservas de ferro até os 6 meses de idade. Clampeamento Oportuno do Cordão Umbilical
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Gravidade e Posição do RN na Velocidade da transfusão placentária Adaptado de: Além da Sobrevivência/Ministério da Saúde, 2011 A figura mostra como a posição do bebê pode afetar o tempo da conclusão da transfusão placentária. Estima-se que quando o RN é colocado 10cm acima ou abaixo do nível da placenta, a transfusão completa ocorre em 3 minutos. Se o RN for colocado significativamente abaixo do nível da placenta, aumenta-se a velocidade, mas não a quantidade total da transfusão. Se o RN for colocado muito acima do nível da placenta a transfusão completa é impedida.
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO PEDIATRICS Vol. 117 No. 3 March 2006 • Iniciar a amamentação na 1ª hora reduz o risco de mortes infantis; • Retardar o início da amamentação leva à um acentuado aumento no risco de morrer; • 22% das mortes neonatais podem ser evitadas se todos os bebês forem amamentados na 1ª hora de vida; • Iniciar a amamentação depois de um dia de vida esteve associado a um aumento de 2,4 vezes no risco de morrer; • Receber alimentos pré-lácteos (outro líquido antes do leite materno) aumentou o risco de mortalidade neonatal; • Os programas de amamentação devem enfatizar ao inicio na primeira hora de vida, assim como a amamentação exclusiva. • Práticas durante o trabalho de parto e o período pós-natal imediato podem afetar o início do aleitamento. Resultados do estudo realizado na zona rural de Gana com 10.947 bebês não gêmeos amamentados (2003/2004) Amamentação na Primeira Hora de Vida 41% dos bebês que morrem durante os 2 a 28 dias após o nascimento podem ser salvos por esta intervenção simples: iniciar a amamentação na PRIMEIRA HORA de vida.
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO 1. Cumprir o Código Internacional de Comercialização de Substitutos do Leite Materno e resoluções da Assembleia Mundial da Saúde; Ter uma política de alimentação infantil escrita que seja rotineiramente comunicada à equipe e aos pais; Estabelecer sistemas contínuos de monitoramento e gerenciamento de dados. 2. Garantir que a equipe tenha conhecimento, competência e habilidades suficientes para apoiar a amamentação; 10 Passos para o sucesso do Aleitamento Materno Gestão (OMS/UNICEF, 2018)
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO 10 Passos para o sucesso do Aleitamento Materno Práticas clínicas básicas (OMS/UNICEF, 2018) 3. Discutir a importância e o manejo da amamentação com mulheres grávidas e suas famílias; 4. Facilitar o contato pele a pele imediato e ininterrupto e apoiar as mães a iniciar a amamentação o quanto antes após o nascimento; 5. Apoiar as mães para iniciar e manter a amamentação e gerenciar dificuldades habituais; 6. Não fornecer a recém-nascidos amamentados alimentos ou líquidos que não sejam o leite materno, a menos que indicado clinicamente;
  • 23. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO 10 Passos para o sucesso do Aleitamento Materno Práticas clínicas básicas (OMS/UNICEF, 2018) 7. Permitir que mães e filhos permaneçam juntos e pratiquem o alojamento conjunto 24 horas por dia; 8. Ajudar as mães a reconhecer e responder às pistas sobre alimentação fornecidas pelo bebê; 9. Aconselhar as mães sobre o uso e os riscos de mamadeiras, bicos e chupetas; 10. Coordenar a alta para que os pais e seus filhos tenham acesso oportuno a apoio e cuidados contínuos.
  • 24. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO www.aleitamento.com | Kajsa Brimdyr http://www.aleitamento.com/amamentacao/conteudo.as p?cod=1892 A Hora Mágica Contato Pele a Pele na 1ª Hora de Vida 3 min após parto 8 min após parto 35 min após parto 45 min após parto 60 min após parto Recomenda-se o contato pele a pele por pelo menos uma hora: • para manter a normotermia • iniciar a lactação • favorecer o aleitamento materno • prevenir o desmame precoce • fortalecer o vínculo mãe-filho
  • 25. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Aleitamento Materno Precoce Benefícios Imediatos Benefícios no Longo Prazo Lactente Mãe Lactente Mãe • Previne a morbidade e a mortalidade neonatais; • Está associado à maior duração da amamentação; • Está associado à maior duração da amamentação exclusiva. • Estimula a liberação da ocitocina, que provoca a contração uterina; • Possível efeito protetor nos transtornos do estado de ânimo materno. • Diminui o risco de: - Otite média aguda - Gastroenterite inespecífica; - Hospitalização por infecção do trato respiratório inferior; - Dermatite atópica; - Obesidade; - Diabetes tipo I e II; - Leucemia da infância; - Síndrome da morte súbita infantil; - Enterocolite necrosante; • Melhor desenvolvimento motor. • A amenorreia lactacional ajuda a proteger futuras gestações e protege as reservas de ferro materno; • Diminui risco de: - Diabetes tipo I e II; - Câncer de ovário; - Câncer de mama; • Perda mais rápida de peso após a gravidez. Adaptado de: Além da Sobrevivência/Ministério da Saúde,2011
  • 26. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Desenvolvimento do Microbioma O microbioma da primeira infância está sendo relacionado como capaz de exercer influência na saúde e no desenvolvimento humano em longo prazo. • Efeito benéfico da amamentação exclusiva já ter sido descrito em relação à composição de microbioma intestinal por meio de imprinting probiótico e prebiótico; • Aumento da resiliência da comunidade microbiana favorece a amamentação exclusiva em vez da alimentação misturada nos primeiros seis meses de vida. The role of the microbiome in the developmental origins of health and disease. Pediatrics, 2018 Fatores que interferem no desenvolvimento do microbioma no recém-nascido: dieta materna, tipo de parto , uso de antibioticoterapia
  • 27. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Alta Hospitalar Segura • “Alta hospitalar, em média, com 48 horas, para RN potencialmente saudáveis, tempo necessário para atender às normas da Portaria MS/ GM n° 2068, de 21 de outubro de 2016, que regula Alojamento Conjunto” (SBP, 2018). • Art. 9º A alta da mulher e do recém-nascido deverá ser realizada mediante elaboração de projeto terapêutico singular, considerando-se, para o tempo de alta, as necessidades individuais (Portaria MS/ GM n° 2068, de 21 de outubro de 2016).
  • 28. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Alta Hospitalar Segura • Esclarecer sobre os benefícios da amamentação para o binômio mãe-filho; • Verificar resultado do VDRL, HIV e todas as sorologias realizadas na gestação; • Verificar a perda total de peso. Se maior que 6%, reorientar as técnicas de amamentação, e considerar prolongamento da estadia hospitalar para o binômio mãe-filho; • Verificar a tipagem sanguínea e teste de Coombs da mãe e do recém-nascido; • Avaliar o risco clínico de hiperbilirrubinemia grave através da identificação de fatores epidemiológicos de agravo e/ou exames laboratoriais; • Realizar o teste do “pezinho”, da “orelhinha” (emissões otoacústicas), reflexo vermelho e teste do “coraçãozinho” (saturação pré e pós-ductal); • Realizar vacinação com vacina BCG e hepatite B; • É desejável que a alta hospitalar e a saída sejam simultâneas: mãe-filho. • Retorno ambulatorial 48 a 72 horas após a alta, de preferência já agendado, para vincular a família com as novas fontes de apoio e para reavaliação do caso.
  • 29. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO • O atendimento à gestante, à puérpera e ao recém-nascido deve ser priorizado com acolhimento, avaliação de risco e vigilância à saúde. • As ações dos profissionais de saúde no pós-parto imediato em relação aos cuidados prestados ao recém-nascido podem interferir na aproximação precoce entre a mãe e o bebê, e deve ser estimulado o vínculo entre o binômio. • A mortalidade neonatal precoce pode ser reduzida pela adoção de boas práticas no parto e nascimento. • O MINUTO DE OURO E A HORA MÁGICA SALVAM VIDAS! Propiciam o melhor começo para a vida com qualidade, reduzindo a morbimortalidade materna e infantil.
  • 30. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO Referências • Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria nº 1.459, de 24 de junho de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS – a Rede Cegonha. • Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 2.068, de 21 de outubro de 2016. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada à mulher e ao recém-nascido no Alojamento Conjunto. • SBP. Sociedade Brasileira de Pediatria. Departamento Científico de Neonatologia. Nascimento Seguro. Documento Científico Nº 3, Abril de 2018. • SBP. Sociedade Brasileira de Pediatria. Programa de Reanimação Neonatal. Reanimação do recém-nascido ≥34 semanas em sala de parto. 2016. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Além da sobrevivência: práticas integradas de atenção ao parto, benéficas para a nutrição e a saúde de mães e crianças / Ministério da Saúde,Secretaria de Atenção à Saúde, Área Técnica de Saúde da Criança e Aleitamento Materno. – 1. ed., 1. reimp. – Brasília : Ministério da Saúde, 2013. • UNICEF, WHO. Capture the Moment – Early initiation of breastfeeding: The best start for every newborn. New York: UNICEF; 2018. • Stiemsma LT, Michels KB. The Role of the Microbiome in the Developmental Origins of Health and Disease. Pediatrics. 2018 Apr;141(4). pii: e20172437. doi: 10.1542/peds.2017-2437. Epub 2018 Mar 8. Review. PubMed PMID: 29519955; PubMed Central PMCID: PMC5869344. • Karen M. Edmond, Charles Zandoh, Maria A. Quigley, Seeba Amenga-Etego, Seth Owusu-Agyei, Betty R. Delayed Breastfeeding Initiation Increases Risk of Neonatal Mortality. Kirkwood Pediatrics Mar 2006, 117 (3) e380-e386; DOI: 10.1542/peds.2005-1496. • Forster DA, McLachlan HL. Breastfeeding initiation and birth setting practices: a review of the literature. J Midwifery Womens Health. 2007 May- Jun;52(3):273-80. Review. PubMed PMID: 17467594. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Atenção à saúde do recém- nascido : guia para os profissionais de saúde – Cuidados Gerais / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – 2. ed. atual. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Portaria nº 371, de 7 de maio de 2014. Institui diretrizes para a organização da atenção integral e humanizada ao recém nascido (RN) no Sistema Único de Saúde(SUS).
  • 31. ATENÇÃO ÀS MULHERES portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 21 de junho de 2019 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção às Mulheres Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. CUIDADO AO RECÉM-NASCIDO NO PARTO E NASCIMENTO