SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
ASSISTÊNCIA PRÉ-NATAL
Profª. Ms Rejane Gonçalves
PRÉ-NATAL
Baseado na Lei nº 7.498, de 25 de
junho de 1986, que dispõe sobre a
regulamentação do exercício da
Enfermagem, do Decreto nº
94.406, de 08 de junho de 1987, o
qual regulamenta a Lei nº 7.498, e
da resolução COFEN nº 271/2002
que a reafirma, diz:
“ o pré-natal de baixo risco
pode ser inteiramente
acompanhado pela
enfermeira (MINISTÉRIO DA
SAÚDE, 2000).”
PRÉ-NATAL
IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL
• Sabe-se que um pré-natal inadequado é
espelho dos altos índices de
morbimortalidade;
• 90% das causas de morte materna diretas
são evitáveis no pré-natal e menos de
10% morrem de causas indiretas.
CONDUÇÃO DO PARTO
OBJETIVOS DO PRÉ NATAL:
Prestar assistência à mulher desde o início de
sua gravidez,
onde ocorrem mudanças físicas e emocionais
e que cada gestante vivencia de forma
distinta.
•A assistência ao pré-natal é o primeiro passo
para o parto e nascimento humanizados.
PRÉ-NATAL
Acolhimento
• A equipe do PSF é a responsável pelo acolhimento
da gestante de sua micro-área;
• A captação para o pré-natal deve ocorrer o mais
rápido possível, até o 4º mês de gestação, pelo ACS
ou através da procura direta da mulher com suspeita
de gravidez;
• Confirmada a gravidez, o enfermeiro ou o médico
realiza o cadastro da gestante no SISPRENATAL.
PRÉ-NATAL
PRÉ-NATAL
• Baseia-se na história,
• No exame físico e
• Nos testes laboratoriais.
DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ
PRÉ-NATAL
• Frente a uma amenorréia ou atraso menstrual, deve-se,
antes de tudo, suspeitar
• da possibilidade de uma gestação;
DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ
• Atraso menstrual que não ultrapassa 16 semanas:
• Teste imunológico para gravidez (TIG)
• Atraso menstrual maior que 16 semanas ou
• que já saibam estar grávidas, o teste
laboratorial é dispensável.
PRÉ-NATAL
• A consulta deve ser
realizada
imediatamente para
não se perder a
oportunidade da
captação precoce.
PRÉ-NATAL
FLUXOGRAMA PARA
DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ
PRÉ-NATAL
Após a confirmação da gravidez
em consulta médica ou de
enfermagem, dá-se
início ao acompanhamento da
gestante, com seu cadastramento
no SISPRENATAL fornecendo o
número e anotando-o no Cartão
da Gestante;
PRÉ-NATAL
Fornecer orientações necessárias
referentes:
acompanhamento pré-natal;
seqüência de consultas,
visitas domiciliares e
reuniões educativas.
• Deverão ser fornecidos ainda:
PRÉ-NATAL
O cartão da gestante, com a identificação
preenchida;
O número do SISPRENATAL;
O hospital de referência para o parto e as
orientações sobre este;
O calendário de vacinas e suas orientações;
A solicitação dos exames de rotina;
As orientações sobre a participação nas
atividades educativas – reuniões e visitas
domiciliares.
PRÉ-NATAL
• 1. Características individuais e condições
sociodemográficas desfavoráveis:
• Idade menor que 15 e maior que 35 anos;
• Ocupação: esforço físico excessivo, carga horária
extensa, rotatividade de horário, exposição a agentes
físicos, químicos e biológicos, estresse;
• Situação familiar insegura e não aceitação da gravidez,
principalmente em se tratando de adolescente;
• Situação conjugal insegura;
• FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
• Baixa escolaridade (menor que cinco anos de
estudo regular);
• Condições ambientais desfavoráveis;
• Altura menor que 1,45m;
• Peso menor que 45kg e maior que 75kg;
• Dependência de drogas lícitas ou ilícitas.
FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
PRÉ-NATAL
2. História reprodutiva anterior:
FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
• Morte perinatal explicada ou inexplicada;
• Recém-nascido com restrição de crescimento, pré-
termo ou malformado;
• Abortamento habitual;
• Esterilidade/infertilidade;
• Intervalo interpartal menor que dois anos ou maior
que cinco anos;
PRÉ-NATAL
• Nuliparidade e multiparidade;
• Síndromes hemorrágicas;
• Pré-eclâmpsia/eclâmpsia;
• Cirurgia uterina anterior;
• Macrossomia fetal.
FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
3. Intercorrências clínicas crônicas:
• Cardiopatias;
• Pneumopatias;
• Nefropatias;
• Endocrinopatias (especialmente diabetes mellitus);
• Hemopatias;
• Hipertensão arterial moderada ou grave e/ou em uso de
anti-hipertensivo;
• Epilepsia;
PRÉ-NATAL
FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
PRÉ-NATAL
• Infecção urinária;
• Portadoras de doenças infecciosas
(hepatites, toxoplasmose, infecção pelo
HIV, sífilis e outras DST);
• Doenças auto-imunes (lupus eritematoso
sistêmico, outras);
• Ginecopatias (malformação uterina,
miomatose, tumores anexiais e outras).
FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
PRÉ-NATAL
• 4. Doença obstétrica na gravidez atual:
• Desvio quanto ao crescimento uterino, número
de fetos e volume de líquido amniótico;
• Trabalho de parto prematuro e gravidez
prolongada;
• Ganho ponderal inadequado;
• Pré-eclâmpsia/eclâmpsia;
• Hemorragias da gestação;
• Isoimunização;
• Óbito fetal.
Na primeira consulta de pré-natal deve ser
realizada anamnese, abordando
aspectos epidemiológicos, além dos
antecedentes familiares, pessoais,
ginecológicos e obstétricos e a situação da
gravidez atual.
PRÉ-NATAL
CONSULTAS
PRÉ-NATAL
• O exame físico deverá ser
completo,
• constando avaliação de cabeça e pescoço,
tórax, abdômen, membros e inspeção de pele e
mucosas, seguido por exame ginecológico e
obstétrico.
• Nas consultas seguintes,
• a anamnese deverá ser sucinta, abordando
aspectos do bem-estar materno e fetal.
• Inicialmente, deverão ser ouvidas dúvidas e
ansiedades da mulher, além de perguntas sobre
alimentação, hábito intestinal e urinário,
movimentação fetal e interrogatório sobre a
presença de corrimentos ou outras perdas
vaginais.
PRÉ-NATAL
Realizar anotações no
prontuário da unidade e
no cartão da gestante;
• Em cada consulta, deve-
se reavaliar o risco
obstétrico e perinatal.
CONSULTAS
• I. História clínica (observar cartão da gestante)
• Identificação:
• – nome;
• – número do SISPRENATAL;
• – idade;
• – cor;
• – naturalidade;
• – procedência;
• – endereço atual;
• – unidade de referência.
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• Dados socioeconômicos;
• Grau de instrução;
• Profissão/ocupação;
• Estado civil/união;
• Número e idade de dependentes (avaliar
sobrecarga de trabalho doméstico);
• Renda familiar;
• Pessoas da família com renda;
• Condições de moradia (tipo, nº de cômodos);
• Condições de saneamento (água, esgoto, coleta
de lixo);
• Distância da residência até a unidade de saúde;
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• Antecedentes familiares;
• Antecedentes pessoais:
• - hipertensão arterial crônica;
• – cardiopatias, inclusive doença de Chagas;
• – diabetes mellitus;
• – doenças renais crônicas;
• – anemias;
• – distúrbios nutricionais (desnutrição, sobrepeso,
obesidade);
• – epilepsia;
• – doenças da tireóide e outras endocrinopatias;
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• – viroses (rubéola, hepatite);
• – hanseníase, tuberculose ou outras doenças
infecciosas;
• – portadora de infecção pelo HIV (em uso de
retrovirais? quais?);
• – infecção do trato urinário;
• – doenças neurológicas e psiquiátricas;
• – cirurgia (tipo e data);
• – transfusões de sangue.
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• Antecedentes ginecológicos:
• – ciclos menstruais (duração, intervalo e
regularidade);
• – uso de métodos anticoncepcionais prévios
(quais, por quanto tempo e motivo do
abandono);
• – infertilidade e esterilidade (tratamento);
• – doenças sexualmente transmissíveis
(tratamentos realizados, inclusive pelo parceiro);
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• doença inflamatória pélvica - DIP;
• – cirurgias ginecológicas (idade e motivo);
• – mamas (alteração e tratamento);
• – última colpocitologia oncótica
(papanicolau ou “preventivo”, data e
resultado).
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• Sexualidade:
• – início da atividade sexual (idade da primeira relação);
• – dispareunia (dor ou desconforto durante o ato sexual);
• – prática sexual nesta gestação ou em gestações
anteriores;
• – número de parceiros da gestante e de seu parceiro,
em época recente
• ou pregressa;
• – uso de preservativos masculino ou feminino (uso
correto? uso habitual?)
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• Antecedentes obstétricos:
• – número de gestações (incluindo abortamentos,
gravidez ectópica, mola hidatiforme);
• – número de partos (domiciliares, hospitalares, vaginais
espontâneos, fórceps, cesáreas – indicações);
• – número de abortamentos (espontâneos, provocados,
causados por DST,
• complicados por infecções, curetagem pós-
abortamento);
• – número de filhos vivos;
• – idade na primeira gestação;
• – intervalo entre as gestações (em meses);
• – isoimunização Rh;
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• número de recém-nascidos: pré-termo (antes da 37ª
semana de gestação),
• pós-termo (igual ou mais de 42 semanas de gestação);
• – número de recém-nascidos de baixo peso (menos de
2.500g) e com mais de 4.000g;
• – mortes neonatais precoces: até sete dias de vida
(número e motivo dos óbitos);
• – mortes neonatais tardias: entre sete e 28 dias de vida
(número e motivo dos óbitos);
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• – natimortos (morte fetal intra-útero e idade
gestacional em que ocorreu);
• – recém-nascidos com icterícia, transfusão,
hipoglicemia, exsangüineo transfusões;
• – intercorrências ou complicações em
gestações anteriores (especificar);
• – complicações nos puerpérios (descrever);
• – história de aleitamentos anteriores (duração e
motivo do desmame).
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• Gestação atual:
• – data do primeiro dia/mês/ano da última
menstruação – DUM (anotar certeza ou dúvida);
• – peso prévio e altura;
• – sinais e sintomas na gestação em curso;
• – hábitos alimentares;
• – medicamentos usados na gestação;
• – internação durante esta gestação;
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• hábitos: fumo (número de
cigarros/dia), álcool e drogas ilícitas;
• – ocupação habitual (esforço físico
intenso, exposição a agentes
químicos e físicos potencialmente
nocivos, estresse);
• – aceitação ou não da gravidez pela
mulher, pelo parceiro e pela família,
principalmente se for adolescente.
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• Exame físico
• • Geral:
• – determinação do peso e da altura;
• – medida da pressão arterial;
• – inspeção da pele e das mucosas;
• – palpação da tireóide e de todo o pescoço, região
cervical e axilar
• (pesquisa de nódulos ou outras anormalidades);
• – ausculta cardiopulmonar;
• – determinação da freqüência cardíaca;
• – exame do abdômen;
• – exame dos membros inferiores;
• – pesquisa de edema (face, tronco, membros).
PRÉ-NATAL
• Específico (gineco-obstétrico):
• – exame de mamas (realizar orientações para o
aleitamento materno em diferentes momentos
educativos, principalmente se for adolescente.
• Nos casos em que a amamentação estiver contra-
indicada – portadoras de HIV –, orientar a mulher quanto
à inibição da lactação (mecânica e/ou química) e para a
aquisição da fórmula infantil);
• palpação obstétrica e identificação da situação e
apresentação fetal;
• medida da altura uterina;
• ausculta dos batimentos cardíacos fetais;
• inspeção dos genitais externos;
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• Exame especular:
• a) inspeção das paredes vaginais;
• b) inspeção do conteúdo vaginal;
• c) inspeção do colo uterino;
• d) coleta de material para exame
colpocitológico (preventivo de câncer),
PRÉ-NATAL
• se houver indicação, para a pesquisa de
infecção por clamídia e gonococo,
• se houver sinais de inflamação e
corrimento cervical mucopurulento;
• – toque vaginal;
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• Exames complementares
• Na primeira consulta solicitar:
• – dosagem de hemoglobina e hematócrito
(Hb/Ht);
• – grupo sangüíneo e fator Rh;
• – sorologia para sífilis (VDRL): repetir próximo à
30ª semana;
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• glicemia em jejum: repetir próximo à 30ª semana;
• – exame sumário de urina (Tipo I): repetir próxima à 30ª
semana;
• – sorologia anti-HIV, com o consentimento da mulher
após o “aconselhamento pré-teste” (ver item IV);
• – sorologia para hepatite B (HBsAg, de preferência
próximo à 30ª semana de gestação);
• – sorologia para toxoplasmose (IgM para todas as
gestantes e IgG, quando houver disponibilidade para
realização)
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• Outros exames podem ser acrescidos
a esta rotina mínima em algumas
situações especiais:
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• A ultra-sonografia de rotina durante a
gestação, embora seja procedimento
• bastante corriqueiro, permanece como
assunto controverso.
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• Não existe, ainda,demonstração científica
de que esse procedimento, rotineiramente
realizado, tenha qualquer efetividade sobre
a redução da morbidade e da mortalidade
perinatal ou materna.
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
Ministério da Saúde ( 2005)
• sua realização precocemente durante a
gravidez relaciona-se com uma melhor
determinação da idade gestacional,
• detecção precoce de gestações múltiplas
• e malformações fetais clinicamente não
suspeitas.
• Essa última característica associa-se
indiretamente a uma menor mortalidade
perinatal específica por malformações fetais
• nos países onde a interrupção precoce da
gravidez é permitida legalmente.
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
• A sua não realização não constitui
omissão, nem diminui a qualidade do
pré-natal.
Ministério da Saúde ( 2005)
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
PRÉ-NATAL
• Outra situação completamente distinta é a
indicação do exame de ultra-som mais
tardiamente na gestação, por alguma
indicação específica orientada por
suspeita clínica, notadamente como
complemento da avaliação da vitalidade
do feto ou outras características
gestacionais ou fetais.
PRÉ-NATAL
ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
Ministério da Saúde ( 2005)
• ROTEIRO DAS CONSULTAS
SUBSEQÜENTES
• • Revisão da ficha pré-natal;
• • Anamnese atual sucinta;
• • Verificação do calendário de vacinação.
PRÉ-NATAL
• Controles maternos:
• – cálculo e anotação da idade gestacional;
• – determinação do peso para avaliação do índice de
massa corporal (IMC).
• Anotar no gráfico e observar o sentido da curva para
avaliação do estado nutricional;
• – medida da pressão arterial (observar a aferição da PA
com técnica adequada);
• – palpação obstétrica e medida da altura uterina.
• Anotar no gráfico e observar o sentido da curva
para avaliação do crescimento fetal;
PRÉ-NATAL
• – pesquisa de edema;
• – verificação dos resultados
dos testes para sífilis (VDRL)
• – avaliação dos outros
resultados de exames
laboratoriais.
PRÉ-NATAL
• Controles fetais:
• – ausculta dos batimentos cardíacos;
• – avaliação dos movimentos percebidos
pela mulher e/ou detectados no exame
obstétrico.
PRÉ-NATAL
• CALENDÁRIO DAS CONSULTAS
• O PHPN estabelece que o número
mínimo de consultas de pré-natal deverá
ser de:
• seis consultas, preferencialmente,
• uma no primeiro trimestre,
• duas no segundo trimestre
• e três no último trimestre
PRÉ-NATAL
Ministério da Saúde ( 2005)
• A maior freqüência de visitas no final da
gestação visa à avaliação do risco
perinatal e das intercorrências clínico-
obstétricas mais comuns nesse trimestre,
como:
• trabalho de parto prematuro,
• pré-eclâmpsia e eclâmpsia,
• amniorrexe prematura e
• óbito fetal.
PRÉ-NATAL
• O acompanhamento da mulher, no
ciclo grávido-puerperal, deve ser
iniciado o mais precocemente possível
e só se encerra após o 42º dia de
• puerpério,
• período em que deverá ter sido
realizada a consulta de puerpério.
PRÉ-NATAL
Ministério da Saúde ( 2005)
• AÇÕES EDUCATIVAS
• GRUPOS OPERATIVOS
PRÉ-NATAL
ASPECTOS A SEREM ABORDADOS
NAS AÇÕES EDUCATIVAS
PRÉ-NATAL
PRÉ-NATAL
• Importância do pré-natal;
• Higiene e atividade física;
• Nutrição: promoção da alimentação saudável
(enfoque na prevenção dos distúrbios
nutricionais e das doenças associadas à
alimentação e nutrição –
• baixo peso, sobrepeso, obesidade, hipertensão
e diabetes; e suplementação de ferro, ácido
fólico e vitamina A – para as áreas e regiões
endêmicas);
• Desenvolvimento da gestação;
PRÉ-NATAL
• Modificações corporais e emocionais;
• Medos e fantasias referentes à gestação e ao parto;
• Atividade sexual, incluindo prevenção das DST/Aids e
aconselhamento para o teste anti-HIV;
• Sintomas comuns na gravidez e orientação alimentar
para as queixas mais freqüentes;
• Sinais de alerta e o que fazer nessas situações
(sangramento vaginal, dor de cabeça, transtornos
visuais, dor abdominal, febre, perdas vaginais,
dificuldade respiratória e cansaço);
PRÉ-NATAL
• Preparo para o parto: planejamento
individual considerando local, transporte,
recursos necessários para o parto e para
o recém-nascido,
• apoio familiar e social;
• Orientação e incentivo para o aleitamento
materno e orientação específica para as
mulheres que não poderão amamentar;
PRÉ-NATAL
• Importância do planejamento
familiar, num contexto de
escolha informada, com
incentivo à dupla proteção;
• Sinais e sintomas do parto;
• Cuidados após o parto (para a
mulher e o recém-nascido –
estimular o retorno ao serviço
de saúde);
• Saúde mental e violência
doméstica e sexual;
PRÉ-NATAL
• Informação acerca dos benefícios
legais a que a mãe tem direito;
• Importância da participação do pai
durante a gestação e do
desenvolvimento do vínculo pai-
filho para o desenvolvimento
saudável da criança;
• Gravidez na adolescência e
dificuldades sociais e familiares;
• Importância das consultas
puerperais;
PRÉ-NATAL
•Cuidados com o recém-nascido;
•Importância da realização da triagem
neonatal (teste do pezinho) na primeira
semana de vida do recém-
nascido;
•Importância do acompanhamento do
crescimento e desenvolvimento da
criança, e das medidas preventivas
•(vacinação, higiene e saneamento
do meio ambiente).
PRÉ-NATAL
Aula 3 prénatal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
Danubia7410
 
Assistencia de-enfermagem-em-puericultura
Assistencia de-enfermagem-em-puericulturaAssistencia de-enfermagem-em-puericultura
Assistencia de-enfermagem-em-puericultura
EDSON ALAN QUEIROZ
 

Mais procurados (20)

Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditatoAula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
Aula assistência de enfermagem no puerperio imeditato
 
Complicações na gestação
Complicações na gestaçãoComplicações na gestação
Complicações na gestação
 
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e ImprescindíveisGestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
Gestação de Risco: Cuidados Básicos e Imprescindíveis
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Alojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagemAlojamento conjunto e enfermagem
Alojamento conjunto e enfermagem
 
Saúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APSSaúde da Mulher na APS
Saúde da Mulher na APS
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
 
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEMSAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
SAÚDE DA CRIANÇA: ENFERMAGEM
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Saúde da Mulher
Saúde da MulherSaúde da Mulher
Saúde da Mulher
 
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Criança (PNAISC)
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a EnfermagemAULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
AULA 1 - Neonatologia aplicada a Enfermagem
 
Classificação de RN
Classificação de RNClassificação de RN
Classificação de RN
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Assistencia de-enfermagem-em-puericultura
Assistencia de-enfermagem-em-puericulturaAssistencia de-enfermagem-em-puericultura
Assistencia de-enfermagem-em-puericultura
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 

Semelhante a Aula 3 prénatal

Assistência pré natal
Assistência pré  natalAssistência pré  natal
Assistência pré natal
Lucas Ferreira
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
yasminroriz3
 

Semelhante a Aula 3 prénatal (20)

TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptxTRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
TRABALHO DIAGNOSTICO, PRÉ NATAL E PUERPERIO.pptx
 
slides 2.ppt
slides 2.pptslides 2.ppt
slides 2.ppt
 
slides.ppt
slides.pptslides.ppt
slides.ppt
 
pre natal- classificação de risco osbtetrico
pre natal- classificação  de risco  osbtetricopre natal- classificação  de risco  osbtetrico
pre natal- classificação de risco osbtetrico
 
Rede cegonha ipu
Rede cegonha  ipuRede cegonha  ipu
Rede cegonha ipu
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Consulta de pre natal
Consulta de pre natalConsulta de pre natal
Consulta de pre natal
 
admisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptxadmisao da gestante.pptx
admisao da gestante.pptx
 
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptxAula Saude da Mulher Puerpério.pptx
Aula Saude da Mulher Puerpério.pptx
 
PALESTRA SAUDE DA MULHER.pptx
PALESTRA SAUDE DA MULHER.pptxPALESTRA SAUDE DA MULHER.pptx
PALESTRA SAUDE DA MULHER.pptx
 
AULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdfAULA PRE NATAL.pdf
AULA PRE NATAL.pdf
 
Planeamento familiar
Planeamento familiarPlaneamento familiar
Planeamento familiar
 
Assistência pré natal
Assistência pré  natalAssistência pré  natal
Assistência pré natal
 
Assistencia pre natal
Assistencia pre natalAssistencia pre natal
Assistencia pre natal
 
materno-infantil.pptx
materno-infantil.pptxmaterno-infantil.pptx
materno-infantil.pptx
 
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo riscoAssistência pre natal - gestante de baixo risco
Assistência pre natal - gestante de baixo risco
 
Rede Cegonha SP
Rede Cegonha SPRede Cegonha SP
Rede Cegonha SP
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Assist enf prenatal
Assist enf prenatalAssist enf prenatal
Assist enf prenatal
 
Puericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de ConsultaPuericultura - Roteiro de Consulta
Puericultura - Roteiro de Consulta
 

Aula 3 prénatal

  • 2.
  • 3. PRÉ-NATAL Baseado na Lei nº 7.498, de 25 de junho de 1986, que dispõe sobre a regulamentação do exercício da Enfermagem, do Decreto nº 94.406, de 08 de junho de 1987, o qual regulamenta a Lei nº 7.498, e da resolução COFEN nº 271/2002 que a reafirma, diz: “ o pré-natal de baixo risco pode ser inteiramente acompanhado pela enfermeira (MINISTÉRIO DA SAÚDE, 2000).”
  • 4. PRÉ-NATAL IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL • Sabe-se que um pré-natal inadequado é espelho dos altos índices de morbimortalidade; • 90% das causas de morte materna diretas são evitáveis no pré-natal e menos de 10% morrem de causas indiretas.
  • 5. CONDUÇÃO DO PARTO OBJETIVOS DO PRÉ NATAL: Prestar assistência à mulher desde o início de sua gravidez, onde ocorrem mudanças físicas e emocionais e que cada gestante vivencia de forma distinta. •A assistência ao pré-natal é o primeiro passo para o parto e nascimento humanizados.
  • 6. PRÉ-NATAL Acolhimento • A equipe do PSF é a responsável pelo acolhimento da gestante de sua micro-área; • A captação para o pré-natal deve ocorrer o mais rápido possível, até o 4º mês de gestação, pelo ACS ou através da procura direta da mulher com suspeita de gravidez; • Confirmada a gravidez, o enfermeiro ou o médico realiza o cadastro da gestante no SISPRENATAL.
  • 8. PRÉ-NATAL • Baseia-se na história, • No exame físico e • Nos testes laboratoriais. DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ
  • 9. PRÉ-NATAL • Frente a uma amenorréia ou atraso menstrual, deve-se, antes de tudo, suspeitar • da possibilidade de uma gestação; DIAGNÓSTICO DA GRAVIDEZ • Atraso menstrual que não ultrapassa 16 semanas: • Teste imunológico para gravidez (TIG) • Atraso menstrual maior que 16 semanas ou • que já saibam estar grávidas, o teste laboratorial é dispensável.
  • 10. PRÉ-NATAL • A consulta deve ser realizada imediatamente para não se perder a oportunidade da captação precoce.
  • 12.
  • 13. PRÉ-NATAL Após a confirmação da gravidez em consulta médica ou de enfermagem, dá-se início ao acompanhamento da gestante, com seu cadastramento no SISPRENATAL fornecendo o número e anotando-o no Cartão da Gestante;
  • 14. PRÉ-NATAL Fornecer orientações necessárias referentes: acompanhamento pré-natal; seqüência de consultas, visitas domiciliares e reuniões educativas. • Deverão ser fornecidos ainda:
  • 15. PRÉ-NATAL O cartão da gestante, com a identificação preenchida; O número do SISPRENATAL; O hospital de referência para o parto e as orientações sobre este; O calendário de vacinas e suas orientações; A solicitação dos exames de rotina; As orientações sobre a participação nas atividades educativas – reuniões e visitas domiciliares.
  • 16. PRÉ-NATAL • 1. Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: • Idade menor que 15 e maior que 35 anos; • Ocupação: esforço físico excessivo, carga horária extensa, rotatividade de horário, exposição a agentes físicos, químicos e biológicos, estresse; • Situação familiar insegura e não aceitação da gravidez, principalmente em se tratando de adolescente; • Situação conjugal insegura; • FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
  • 17. • Baixa escolaridade (menor que cinco anos de estudo regular); • Condições ambientais desfavoráveis; • Altura menor que 1,45m; • Peso menor que 45kg e maior que 75kg; • Dependência de drogas lícitas ou ilícitas. FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
  • 18. PRÉ-NATAL 2. História reprodutiva anterior: FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL • Morte perinatal explicada ou inexplicada; • Recém-nascido com restrição de crescimento, pré- termo ou malformado; • Abortamento habitual; • Esterilidade/infertilidade; • Intervalo interpartal menor que dois anos ou maior que cinco anos;
  • 19. PRÉ-NATAL • Nuliparidade e multiparidade; • Síndromes hemorrágicas; • Pré-eclâmpsia/eclâmpsia; • Cirurgia uterina anterior; • Macrossomia fetal. FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
  • 20. 3. Intercorrências clínicas crônicas: • Cardiopatias; • Pneumopatias; • Nefropatias; • Endocrinopatias (especialmente diabetes mellitus); • Hemopatias; • Hipertensão arterial moderada ou grave e/ou em uso de anti-hipertensivo; • Epilepsia; PRÉ-NATAL FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
  • 21. PRÉ-NATAL • Infecção urinária; • Portadoras de doenças infecciosas (hepatites, toxoplasmose, infecção pelo HIV, sífilis e outras DST); • Doenças auto-imunes (lupus eritematoso sistêmico, outras); • Ginecopatias (malformação uterina, miomatose, tumores anexiais e outras). FATORES DE RISCO PARA A GRAVIDEZ ATUAL
  • 22. PRÉ-NATAL • 4. Doença obstétrica na gravidez atual: • Desvio quanto ao crescimento uterino, número de fetos e volume de líquido amniótico; • Trabalho de parto prematuro e gravidez prolongada; • Ganho ponderal inadequado; • Pré-eclâmpsia/eclâmpsia; • Hemorragias da gestação; • Isoimunização; • Óbito fetal.
  • 23. Na primeira consulta de pré-natal deve ser realizada anamnese, abordando aspectos epidemiológicos, além dos antecedentes familiares, pessoais, ginecológicos e obstétricos e a situação da gravidez atual. PRÉ-NATAL CONSULTAS
  • 24. PRÉ-NATAL • O exame físico deverá ser completo, • constando avaliação de cabeça e pescoço, tórax, abdômen, membros e inspeção de pele e mucosas, seguido por exame ginecológico e obstétrico. • Nas consultas seguintes, • a anamnese deverá ser sucinta, abordando aspectos do bem-estar materno e fetal. • Inicialmente, deverão ser ouvidas dúvidas e ansiedades da mulher, além de perguntas sobre alimentação, hábito intestinal e urinário, movimentação fetal e interrogatório sobre a presença de corrimentos ou outras perdas vaginais.
  • 25. PRÉ-NATAL Realizar anotações no prontuário da unidade e no cartão da gestante; • Em cada consulta, deve- se reavaliar o risco obstétrico e perinatal. CONSULTAS
  • 26. • I. História clínica (observar cartão da gestante) • Identificação: • – nome; • – número do SISPRENATAL; • – idade; • – cor; • – naturalidade; • – procedência; • – endereço atual; • – unidade de referência. PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 27. PRÉ-NATAL • Dados socioeconômicos; • Grau de instrução; • Profissão/ocupação; • Estado civil/união; • Número e idade de dependentes (avaliar sobrecarga de trabalho doméstico); • Renda familiar; • Pessoas da família com renda; • Condições de moradia (tipo, nº de cômodos); • Condições de saneamento (água, esgoto, coleta de lixo); • Distância da residência até a unidade de saúde; ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 28. • Antecedentes familiares; • Antecedentes pessoais: • - hipertensão arterial crônica; • – cardiopatias, inclusive doença de Chagas; • – diabetes mellitus; • – doenças renais crônicas; • – anemias; • – distúrbios nutricionais (desnutrição, sobrepeso, obesidade); • – epilepsia; • – doenças da tireóide e outras endocrinopatias; PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 29. PRÉ-NATAL • – viroses (rubéola, hepatite); • – hanseníase, tuberculose ou outras doenças infecciosas; • – portadora de infecção pelo HIV (em uso de retrovirais? quais?); • – infecção do trato urinário; • – doenças neurológicas e psiquiátricas; • – cirurgia (tipo e data); • – transfusões de sangue. ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 30. PRÉ-NATAL • Antecedentes ginecológicos: • – ciclos menstruais (duração, intervalo e regularidade); • – uso de métodos anticoncepcionais prévios (quais, por quanto tempo e motivo do abandono); • – infertilidade e esterilidade (tratamento); • – doenças sexualmente transmissíveis (tratamentos realizados, inclusive pelo parceiro); ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 31. PRÉ-NATAL • doença inflamatória pélvica - DIP; • – cirurgias ginecológicas (idade e motivo); • – mamas (alteração e tratamento); • – última colpocitologia oncótica (papanicolau ou “preventivo”, data e resultado). ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 32. PRÉ-NATAL • Sexualidade: • – início da atividade sexual (idade da primeira relação); • – dispareunia (dor ou desconforto durante o ato sexual); • – prática sexual nesta gestação ou em gestações anteriores; • – número de parceiros da gestante e de seu parceiro, em época recente • ou pregressa; • – uso de preservativos masculino ou feminino (uso correto? uso habitual?) ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 33. PRÉ-NATAL • Antecedentes obstétricos: • – número de gestações (incluindo abortamentos, gravidez ectópica, mola hidatiforme); • – número de partos (domiciliares, hospitalares, vaginais espontâneos, fórceps, cesáreas – indicações); • – número de abortamentos (espontâneos, provocados, causados por DST, • complicados por infecções, curetagem pós- abortamento); • – número de filhos vivos; • – idade na primeira gestação; • – intervalo entre as gestações (em meses); • – isoimunização Rh; ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 34. • número de recém-nascidos: pré-termo (antes da 37ª semana de gestação), • pós-termo (igual ou mais de 42 semanas de gestação); • – número de recém-nascidos de baixo peso (menos de 2.500g) e com mais de 4.000g; • – mortes neonatais precoces: até sete dias de vida (número e motivo dos óbitos); • – mortes neonatais tardias: entre sete e 28 dias de vida (número e motivo dos óbitos); ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA PRÉ-NATAL
  • 35. • – natimortos (morte fetal intra-útero e idade gestacional em que ocorreu); • – recém-nascidos com icterícia, transfusão, hipoglicemia, exsangüineo transfusões; • – intercorrências ou complicações em gestações anteriores (especificar); • – complicações nos puerpérios (descrever); • – história de aleitamentos anteriores (duração e motivo do desmame). ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA PRÉ-NATAL
  • 36. • Gestação atual: • – data do primeiro dia/mês/ano da última menstruação – DUM (anotar certeza ou dúvida); • – peso prévio e altura; • – sinais e sintomas na gestação em curso; • – hábitos alimentares; • – medicamentos usados na gestação; • – internação durante esta gestação; PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 37. • hábitos: fumo (número de cigarros/dia), álcool e drogas ilícitas; • – ocupação habitual (esforço físico intenso, exposição a agentes químicos e físicos potencialmente nocivos, estresse); • – aceitação ou não da gravidez pela mulher, pelo parceiro e pela família, principalmente se for adolescente. PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 38. • Exame físico • • Geral: • – determinação do peso e da altura; • – medida da pressão arterial; • – inspeção da pele e das mucosas; • – palpação da tireóide e de todo o pescoço, região cervical e axilar • (pesquisa de nódulos ou outras anormalidades); • – ausculta cardiopulmonar; • – determinação da freqüência cardíaca; • – exame do abdômen; • – exame dos membros inferiores; • – pesquisa de edema (face, tronco, membros). PRÉ-NATAL
  • 39. • Específico (gineco-obstétrico): • – exame de mamas (realizar orientações para o aleitamento materno em diferentes momentos educativos, principalmente se for adolescente. • Nos casos em que a amamentação estiver contra- indicada – portadoras de HIV –, orientar a mulher quanto à inibição da lactação (mecânica e/ou química) e para a aquisição da fórmula infantil); • palpação obstétrica e identificação da situação e apresentação fetal; • medida da altura uterina; • ausculta dos batimentos cardíacos fetais; • inspeção dos genitais externos; PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 40. • Exame especular: • a) inspeção das paredes vaginais; • b) inspeção do conteúdo vaginal; • c) inspeção do colo uterino; • d) coleta de material para exame colpocitológico (preventivo de câncer), PRÉ-NATAL
  • 41. • se houver indicação, para a pesquisa de infecção por clamídia e gonococo, • se houver sinais de inflamação e corrimento cervical mucopurulento; • – toque vaginal; PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 42. • Exames complementares • Na primeira consulta solicitar: • – dosagem de hemoglobina e hematócrito (Hb/Ht); • – grupo sangüíneo e fator Rh; • – sorologia para sífilis (VDRL): repetir próximo à 30ª semana; PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 43. • glicemia em jejum: repetir próximo à 30ª semana; • – exame sumário de urina (Tipo I): repetir próxima à 30ª semana; • – sorologia anti-HIV, com o consentimento da mulher após o “aconselhamento pré-teste” (ver item IV); • – sorologia para hepatite B (HBsAg, de preferência próximo à 30ª semana de gestação); • – sorologia para toxoplasmose (IgM para todas as gestantes e IgG, quando houver disponibilidade para realização) PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 44. • Outros exames podem ser acrescidos a esta rotina mínima em algumas situações especiais: PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 45. • A ultra-sonografia de rotina durante a gestação, embora seja procedimento • bastante corriqueiro, permanece como assunto controverso. PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 46. • Não existe, ainda,demonstração científica de que esse procedimento, rotineiramente realizado, tenha qualquer efetividade sobre a redução da morbidade e da mortalidade perinatal ou materna. PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA Ministério da Saúde ( 2005)
  • 47. • sua realização precocemente durante a gravidez relaciona-se com uma melhor determinação da idade gestacional, • detecção precoce de gestações múltiplas • e malformações fetais clinicamente não suspeitas. • Essa última característica associa-se indiretamente a uma menor mortalidade perinatal específica por malformações fetais • nos países onde a interrupção precoce da gravidez é permitida legalmente. PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA
  • 48. • A sua não realização não constitui omissão, nem diminui a qualidade do pré-natal. Ministério da Saúde ( 2005) ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA PRÉ-NATAL
  • 49. • Outra situação completamente distinta é a indicação do exame de ultra-som mais tardiamente na gestação, por alguma indicação específica orientada por suspeita clínica, notadamente como complemento da avaliação da vitalidade do feto ou outras características gestacionais ou fetais. PRÉ-NATAL ROTEIRO DA PRIMEIRA CONSULTA Ministério da Saúde ( 2005)
  • 50. • ROTEIRO DAS CONSULTAS SUBSEQÜENTES • • Revisão da ficha pré-natal; • • Anamnese atual sucinta; • • Verificação do calendário de vacinação. PRÉ-NATAL
  • 51. • Controles maternos: • – cálculo e anotação da idade gestacional; • – determinação do peso para avaliação do índice de massa corporal (IMC). • Anotar no gráfico e observar o sentido da curva para avaliação do estado nutricional; • – medida da pressão arterial (observar a aferição da PA com técnica adequada); • – palpação obstétrica e medida da altura uterina. • Anotar no gráfico e observar o sentido da curva para avaliação do crescimento fetal; PRÉ-NATAL
  • 52. • – pesquisa de edema; • – verificação dos resultados dos testes para sífilis (VDRL) • – avaliação dos outros resultados de exames laboratoriais. PRÉ-NATAL
  • 53. • Controles fetais: • – ausculta dos batimentos cardíacos; • – avaliação dos movimentos percebidos pela mulher e/ou detectados no exame obstétrico. PRÉ-NATAL
  • 54. • CALENDÁRIO DAS CONSULTAS • O PHPN estabelece que o número mínimo de consultas de pré-natal deverá ser de: • seis consultas, preferencialmente, • uma no primeiro trimestre, • duas no segundo trimestre • e três no último trimestre PRÉ-NATAL Ministério da Saúde ( 2005)
  • 55. • A maior freqüência de visitas no final da gestação visa à avaliação do risco perinatal e das intercorrências clínico- obstétricas mais comuns nesse trimestre, como: • trabalho de parto prematuro, • pré-eclâmpsia e eclâmpsia, • amniorrexe prematura e • óbito fetal. PRÉ-NATAL
  • 56. • O acompanhamento da mulher, no ciclo grávido-puerperal, deve ser iniciado o mais precocemente possível e só se encerra após o 42º dia de • puerpério, • período em que deverá ter sido realizada a consulta de puerpério. PRÉ-NATAL Ministério da Saúde ( 2005)
  • 57. • AÇÕES EDUCATIVAS • GRUPOS OPERATIVOS PRÉ-NATAL
  • 58. ASPECTOS A SEREM ABORDADOS NAS AÇÕES EDUCATIVAS PRÉ-NATAL
  • 60. • Importância do pré-natal; • Higiene e atividade física; • Nutrição: promoção da alimentação saudável (enfoque na prevenção dos distúrbios nutricionais e das doenças associadas à alimentação e nutrição – • baixo peso, sobrepeso, obesidade, hipertensão e diabetes; e suplementação de ferro, ácido fólico e vitamina A – para as áreas e regiões endêmicas); • Desenvolvimento da gestação; PRÉ-NATAL
  • 61. • Modificações corporais e emocionais; • Medos e fantasias referentes à gestação e ao parto; • Atividade sexual, incluindo prevenção das DST/Aids e aconselhamento para o teste anti-HIV; • Sintomas comuns na gravidez e orientação alimentar para as queixas mais freqüentes; • Sinais de alerta e o que fazer nessas situações (sangramento vaginal, dor de cabeça, transtornos visuais, dor abdominal, febre, perdas vaginais, dificuldade respiratória e cansaço); PRÉ-NATAL
  • 62. • Preparo para o parto: planejamento individual considerando local, transporte, recursos necessários para o parto e para o recém-nascido, • apoio familiar e social; • Orientação e incentivo para o aleitamento materno e orientação específica para as mulheres que não poderão amamentar; PRÉ-NATAL
  • 63. • Importância do planejamento familiar, num contexto de escolha informada, com incentivo à dupla proteção; • Sinais e sintomas do parto; • Cuidados após o parto (para a mulher e o recém-nascido – estimular o retorno ao serviço de saúde); • Saúde mental e violência doméstica e sexual; PRÉ-NATAL
  • 64. • Informação acerca dos benefícios legais a que a mãe tem direito; • Importância da participação do pai durante a gestação e do desenvolvimento do vínculo pai- filho para o desenvolvimento saudável da criança; • Gravidez na adolescência e dificuldades sociais e familiares; • Importância das consultas puerperais; PRÉ-NATAL
  • 65. •Cuidados com o recém-nascido; •Importância da realização da triagem neonatal (teste do pezinho) na primeira semana de vida do recém- nascido; •Importância do acompanhamento do crescimento e desenvolvimento da criança, e das medidas preventivas •(vacinação, higiene e saneamento do meio ambiente). PRÉ-NATAL