SlideShare uma empresa Scribd logo
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
ATENÇÃO À
CRIANÇA
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
“Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de
negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão,
punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos
seus direitos fundamentais”.
Brasil, Casa Civil, Art. 5º Estatuto da Criança e do Adolescente.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Objetivos dessa apresentação:
• Conceituar fibrose cística;
• Apresentar a fisiopatologia e os critérios diagnósticos da
fibrose cística.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Introdução
• A Fibrose Cística é uma doença genética, transmissão autossômica recessiva, mais
frequente na população caucasiana.
• População mundial: aproximadamente 80.000 casos.
• Registros na América do Norte: 31.441 paciente em
acompanhamento.
• Registros no Brasil: 5.773 pacientes diagnosticados.
CFF Patient Report, 2020; REBRAFC, 2019.
Importante: O rastreamento obrigatório da FC pelo teste de triagem neonatal, com
dosagem do tripsinogênio imunorreativo, vem ampliando e consolidando esses dados.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Fisiopatologia da Fibrose Cística
Ministério da Saúde, 2021.
• Doença de base genética: mutações em um gene do braço longo do cromossomo 7.
• Ponto chave da Fibrose Cística: disfunção da proteína CFTR (reguladora da condutância
transmembrana da fibrose cística).
• O diagnóstico precoce e as melhorias no cuidados das pessoas diagnosticadas com FC
aumentaram a expectativa de vida dessa população e muitos pacientes chegam a vida
adulta podendo trabalhar, construir família e gozar de uma boa qualidade de vida.
• A Atenção Primária a Saúde cumpre papel importante na suspeita de casos e
encaminhamento ágil para a Atenção Ambulatorial Especializada com vista ao diagnóstico
precoce e melhores prognósticos.
A Fibrose Cística ainda está associada à morbidade significativa e à elevada mortalidade
e o acesso ao diagnóstico através dos serviços de saúde ainda é desigual.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Fisiopatologia da
Fibrose Cística
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
As mutações do gene CFTR são categorizadas em seis classes distintas
• Classe I (produção): ausência da proteína ou proteína truncada, levando à perda completa ou quase completa
da função da proteína CFTR.
• Classe II (processamento): síntese de uma proteína imatura, com pouca ou nenhuma proteína na membrana
apical. Nesta classe, a mutação mais frequente é a Phe508del.
• Classe III (regulação): a regulação é defeituosa e a proteína não pode ser ativada, apesar de haver expressão
de CFTR.
• Classe IV (condução): a condutância do cloreto é diminuída, apesar de haver síntese e expressão da CFTR,
com função residual da proteína na membrana; pode levar a fenótipo de menor gravidade ou FC atípica.
• Classe V (síntese reduzida): síntese da CFTR parcialmente prejudicada, com quantidade reduzida. Podem levar
a fenótipo de menor gravidade ou FC atípica.
• Classe VI (degradação acelerada): proteína com instabilidade na membrana apical da célula, com degradação
5 a 6 vezes mais veloz do que a observada com a proteína selvagem
Categorização das mutações genéticas do gene CFTR
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Adaptado de Boeck e Amaral, 2016.
Categorização das
mutações genéticas
do gene CFTR
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Manifestações Clínicas
Patologia Manifestações
Doença sinopulmonar crônica
- Tosse crônica;
- Colonização/infecções persistentes por patógenos comuns na FC.
- Obstrução das vias aéreas.
- Baqueteamento digital.
- Pólipos nasais, alterações em Rx/TC de seiosparanasais.
- Alterações radiológicas persistentes: bronquiectasias, atelectasias, infiltrado,
hiperinsuflação.
Anormalidades gastrointestinais /
nutricionais específicas
- Intestino: íleo meconial, obstrução intestinal distal, prolapso retal.
- Pâncreas: insuficiência pancreática, pancreatite crônica.
- Fígado: icterícia neonatal prolongada, doença hepática crônica.
- Nutrição: ganho ponderal-estatural insuficiente, hipopreteinemia e edema,
hipovitaminose.
Síndromes de perda de sal - Depleção aguda de sal e alcalose metabólica crônica.
Anormalidades genitais masculinas/
azospermia obstrutiva
- Agenesia congênita de vasos deferentes - Azospermia obstrutiva.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Manifestações Clínicas
PCDT, Ministério da Saúde, 2021.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Diagnóstico da Fibrose Cística
• O diagnóstico pode ser feito a partir da triagem neonatal ( Teste do Pezinho), que aponta
o risco dos recém-nascidos em desenvolver a doença, mas não confirma diagnóstico.
• O diagnóstico também pode ser feito a partir de uma suspeita clínica e exames
complementares.
Adaptado de Farrel et al, 2017.
I
II
Ia. Manifestações clínicas de FC
Ib. História familiar de FC
Ic. Teste screening da FC (TIR) – teste do pezinho
IIa. Dois testes de suor positivos
IIb. Medida da diferença de potencial nasal
IIc. Identificação de mutação da FC em 2 alelos
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Triagem Neonatal em Fibrose Cística
• Triagem Neonatal: rastreamento da população 0-30 dias de vida.
• Favorece o diagnóstico e tratamento precoce.
• Permite alterar a história natural da doença em uma parcela significativa da população
elegível.
• Saúde Pública: Detecção de um grupo de indivíduos com alta probabilidade de
apresentarem determinadas patologias.
• Na Fibrose Cística o teste de triagem pode identificar 90-95% dos casos.
• Sensibilidade 87%, especificidade menor Falso negativos e falso-positivos.
• O tripsinogênio tende a diminuir em algumas semanas, por o teste deve ser feito no 1º
mês vida.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Triagem Neonatal em Fibrose Cística
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
• Portaria GM/MS n0 822, 6 de junho de 2001: PNTN em âmbito de SUS 3 fases, de
acordo com o nível de organização e de cobertura de cada estado.
Fase I: fenilcetonúria e hipotireoidismo congênito.
Fase II: anemia falciforme e outras hemoglobinopatias.
Fase III: Fibrose Cística.
• Em 2013, houve a universalização da fase II e da fase III, sendo assim, todo o
território nacional está apto para triagem neonatal de Fibrose Cística.
Programa Nacional de Triagem Neonatal
BRASIL, 2017.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
• Em 2009 a 2019: foram
diagnosticados 3.106 casos
de fibrose cística, dos quais
1.611 (51,9%) por meio da
triagem neonatal.
• Nos últimos cinco anos, a
triagem neonatal já é
responsável por mais da
metade dos novos
diagnósticos
REBRAFC, 2019.
Programa Nacional de Triagem Neonatal
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
ATENÇÃO
Em casos de resultados indefinidos:
Em 1 a 2 meses
▪ Realizar pesquisa de mutação FC:
painéis ou sequenciamento do
gene CFTR.
▪ Métodos auxiliares
Em 2 a 6 meses
▪ Repetir o teste de suor
Diagnóstico da Fibrose Cística
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Diagnóstico da Fibrose Cística - TESTE DO SUOR
Dosagem de cloreto no suor permite o diagnóstico de FC em 98% dos casos
QUEM DEVE SER SUBMETIDO A TESTE DO SUOR?
• Triagem neonatal positiva
• Lactentes/crianças com sintomas ou sinais sugestivos FC
• Irmãos de pacientes com FC (mesmo assintomáticos)
• Parentes mais distantes de pacientes com FC se houver suspeita clínica
QUEM É ELEGÍVEL PARA TESTE DO SUOR?
• RN > 48h de vida
• Nos prematuros: IG >36 semanas, > 2kg, > 3 dias vida
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Diagnóstico da Fibrose Cística - TESTE DO SUOR
MÉTODO DE COLETA
• Iontoforese por pilocarpina
Gibson Cooke: peso > 75mg de suor
Wescor Macroduct: volume >15μL
• Tempo de coleta: mínimo 20 minutos e máximo 30 minutos
Amostras com suor insuficiente: < 5% do total coletado
Resultados falso positivos (diagnóstico diferencial)
Resultados falso negativos (Coleta inadequada da amostra, questões técnicas)
Athanazio et al, 2017
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Todos os pacientes com fibrose cística devem ser submetidos ao exame genético
Qual a importância de realizá-lo?
• A identificação das mutações no gene CFTR tem implicações prognósticas e de
planejamento familiar, permitindo o diagnóstico da fibrose cística.
• Além disso, existem drogas que atuam em mutações específicas (corretores e
potencializadores da proteína CFTR), sendo algumas aprovadas em diversos países e
outras em desenvolvimento.
• Definição de casos duvidosos.
Diagnóstico da Fibrose Cística - ANÁLISE GENÉTICA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
• O diagnóstico de FC é complexo e deve ser considerado.
• O diagnóstico é fundamental para o início precoce do acompanhamento
multidisciplinar.
• Triagem neonatal para FC: oportunidade de intervenção precoce e melhora dos
desfechos aos pacientes.
• Pacientes com FC necessitam acompanhamento e tratamento multidisciplinar em
centros de referência, para reduzir morbidade e mortalidade.
ATENÇÃO
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
O diagnóstico precoce, o tratamento e a informação são
fundamentais para a qualidade de vida da criança
diagnosticada com Fibrose Cística.
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?
Referências
• De Boeck K, Amaral MD. Progress in therapies for cystic fibrosis. Lancet Respir Med. 2016;4(8):662-674. doi:10.1016/S2213-2600(16)00023-0
• Cystic Fibrosis Foundation. Patient Registry Annual Data Report. 2021.
• Grupo Brasileiro de Estudos em Fibrose Cística. Registro Brasileiro de Fibrose Cística – REBRAFC – Relatório Anual 2019. 2020.
• Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 822, de 06 de junho de 2001.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação-Geral de Atenção Especializada. Manual de Normas Técnicas e
Rotinas Operacionais do Programa Nacional de Triagem Neonatal / Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde, Coordenação-Geral
de Atenção Especializada. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002.
• Farrell PM, White TB, Ren CL, et al. Diagnosis of Cystic Fibrosis: Consensus Guidelines from the Cystic Fibrosis Foundation [published correction
appears in J Pediatr. 2017 May;184:243]. J Pediatr. 2017;181S:S4-S15.e1. doi:10.1016/j.jpeds.2016.09.064.
• ATHANAZIO, Rodrigo Abensur and GRUPO DE TRABALHO DAS DIRETRIZES BRASILEIRAS DE DIAGNOSTICO E TRATAMENTO DA FIBROSE CISTICA.
et al. Diretrizes brasileiras de diagnóstico e tratamento da fibrose cística. J. bras. pneumol. [online]. 2017, vol.43, n.3, pp.219-245. ISSN 1806-
3713. http://dx.doi.org/10.1590/s1806-37562017000000065.
• Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Especializada à Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em
Saúde. Portaria Conjunta Nº 25, de 27 de Dezembro de 2021. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Fibrose Cística.
ATENÇÃO À
CRIANÇA
portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Material de 04 de novembro de 2022
Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br
Eixo: Atenção à Criança
Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal.
FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
itsufpr
 
Anemia Falciforme
Anemia FalciformeAnemia Falciforme
Anemia Falciforme
Samuel Cevidanes
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Insuficiência cervical - Saúde da Mulher
Insuficiência cervical - Saúde da MulherInsuficiência cervical - Saúde da Mulher
Insuficiência cervical - Saúde da Mulher
Raine Danyele Vieira de Sousa
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Câncer do colo do útero: Aspectos Gerais e Oncogênese
Câncer do colo do útero: Aspectos Gerais e OncogêneseCâncer do colo do útero: Aspectos Gerais e Oncogênese
Câncer do colo do útero: Aspectos Gerais e Oncogênese
Maria Clara Leite
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
Mairimed
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Herbert Santana
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
HIAGO SANTOS
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
António Matias
 
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
Cinthia13Lima
 
Coleta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasColeta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostras
itsufpr
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
pauloalambert
 
Caso clínico sífilis
Caso clínico sífilisCaso clínico sífilis
Caso clínico sífilis
Professor Robson
 
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptxCIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
FranciscoFlorencio6
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
HIAGO SANTOS
 
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'AlverneSífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Rodrigo Mont'Alverne
 

Mais procurados (20)

Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
 
Anemia Falciforme
Anemia FalciformeAnemia Falciforme
Anemia Falciforme
 
Exames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-NatalExames de Rotina do Pré-Natal
Exames de Rotina do Pré-Natal
 
Insuficiência cervical - Saúde da Mulher
Insuficiência cervical - Saúde da MulherInsuficiência cervical - Saúde da Mulher
Insuficiência cervical - Saúde da Mulher
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
 
Câncer do colo do útero: Aspectos Gerais e Oncogênese
Câncer do colo do útero: Aspectos Gerais e OncogêneseCâncer do colo do útero: Aspectos Gerais e Oncogênese
Câncer do colo do útero: Aspectos Gerais e Oncogênese
 
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjnConduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino   lpjn
Conduta no carcinoma microinvasivo do colo uterino lpjn
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
 
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema RespiratórioFisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
Fisiologia Humana 7 - Sistema Respiratório
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
 
Cirrose hepática
Cirrose hepáticaCirrose hepática
Cirrose hepática
 
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do ÚteroDiretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
Diretrizes Brasileiras para o Rastreamento do Câncer do Colo do Útero
 
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
IST´s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)
 
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
3 interpretação e conduta dos resultados citologicos
 
Coleta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasColeta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostras
 
Dtp 15 21 sp
Dtp 15 21 spDtp 15 21 sp
Dtp 15 21 sp
 
Caso clínico sífilis
Caso clínico sífilisCaso clínico sífilis
Caso clínico sífilis
 
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptxCIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
CIRROSE HEPÁTICA (1).pptx
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'AlverneSífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
 

Semelhante a Fibrose Cística: como diagnosticar?

Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Testedopezinho
TestedopezinhoTestedopezinho
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
chirlei ferreira
 
Consensointegra
ConsensointegraConsensointegra
Consensointegra
evandrodig
 
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - temaAtraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
UEM - Faculity of Medicine
 
Nutrição e Quimioterapia
Nutrição e QuimioterapiaNutrição e Quimioterapia
Nutrição e Quimioterapia
Cláudia Hellena Ribeiro
 
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptxSESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
AndrMarinho41
 
SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
CristianeSouza339313
 
O cancro do cólon e recto
O cancro do cólon e rectoO cancro do cólon e recto
O cancro do cólon e recto
Oncologia
 
O Cancro do CóLon e Recto
O Cancro do CóLon e RectoO Cancro do CóLon e Recto
O Cancro do CóLon e Recto
Vânia Caldeira
 
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
Saúde ginecológica  preparatório 2016 cSaúde ginecológica  preparatório 2016 c
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
angelalessadeandrade
 
AVALIAÇÃO 2 substituta em SP_230623_154909.pdf
AVALIAÇÃO 2 substituta em SP_230623_154909.pdfAVALIAÇÃO 2 substituta em SP_230623_154909.pdf
AVALIAÇÃO 2 substituta em SP_230623_154909.pdf
cybercom1
 
Cep e cbp
Cep e cbp Cep e cbp
Cep e cbp
Liliana Mendes
 
Detecção Precoce do Câncer Infantil
Detecção Precoce do Câncer InfantilDetecção Precoce do Câncer Infantil
Sinais e Sintomas do Câncer Infantil
Sinais e Sintomas do Câncer InfantilSinais e Sintomas do Câncer Infantil
Apresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúriaApresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúria
Sérgio Franco - CDPI
 
Apresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúriaApresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúria
Laboratório Sérgio Franco
 
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de SífilisVigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Monografia doença celíaca
Monografia doença celíacaMonografia doença celíaca
Monografia doença celíaca
Jane Saint
 

Semelhante a Fibrose Cística: como diagnosticar? (20)

Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média ComplexidadeAtenção à Infertilidade na Média Complexidade
Atenção à Infertilidade na Média Complexidade
 
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
Prevenção do Câncer de Colo: quando a colposcopia é indicada?
 
Testedopezinho
TestedopezinhoTestedopezinho
Testedopezinho
 
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
Serviço De Propedêutica Do Colo Aula1
 
Consensointegra
ConsensointegraConsensointegra
Consensointegra
 
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - temaAtraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
Atraso do crescimento intra uterino (aciu) - tema
 
Nutrição e Quimioterapia
Nutrição e QuimioterapiaNutrição e Quimioterapia
Nutrição e Quimioterapia
 
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptxSESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
SESSÃOCLÍNICAANDRÉ.pptx
 
SAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptxSAÚDE DO HOMEM.pptx
SAÚDE DO HOMEM.pptx
 
O cancro do cólon e recto
O cancro do cólon e rectoO cancro do cólon e recto
O cancro do cólon e recto
 
O Cancro do CóLon e Recto
O Cancro do CóLon e RectoO Cancro do CóLon e Recto
O Cancro do CóLon e Recto
 
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
Saúde ginecológica  preparatório 2016 cSaúde ginecológica  preparatório 2016 c
Saúde ginecológica preparatório 2016 c
 
AVALIAÇÃO 2 substituta em SP_230623_154909.pdf
AVALIAÇÃO 2 substituta em SP_230623_154909.pdfAVALIAÇÃO 2 substituta em SP_230623_154909.pdf
AVALIAÇÃO 2 substituta em SP_230623_154909.pdf
 
Cep e cbp
Cep e cbp Cep e cbp
Cep e cbp
 
Detecção Precoce do Câncer Infantil
Detecção Precoce do Câncer InfantilDetecção Precoce do Câncer Infantil
Detecção Precoce do Câncer Infantil
 
Sinais e Sintomas do Câncer Infantil
Sinais e Sintomas do Câncer InfantilSinais e Sintomas do Câncer Infantil
Sinais e Sintomas do Câncer Infantil
 
Apresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúriaApresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúria
 
Apresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúriaApresentação homocistinúria
Apresentação homocistinúria
 
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de SífilisVigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
Vigilância Epidemiológica e Notificação dos Casos de Sífilis
 
Monografia doença celíaca
Monografia doença celíacaMonografia doença celíaca
Monografia doença celíaca
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 

Mais de Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz) (20)

Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e InfertilidadeDisbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
Disbioses, Infecções Genitais e Infertilidade
 
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em PediatriaPrevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
Prevenção de Infecção de Sítio Cirúrgico em Pediatria
 
Ansiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no ClimatérioAnsiedade e Depressão no Climatério
Ansiedade e Depressão no Climatério
 
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
Diabetes Mellitus na Gestação: estratégias de organização e hierarquização da...
 
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no BrasilDesospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
Desospitalização de Crianças com CCC: panorama da atenção domiciliar no Brasil
 
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto NormalO Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
O Pré-natal e a Promoção do Parto Normal
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
Diretriz Clínica Brasileira de Linha de Cuidado para Malformações Cirúrgicas:...
 
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadasDiabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
Diabetes Mellitus na Gestação: alterações metabólicas associadas
 
Luto Perinatal
Luto PerinatalLuto Perinatal
Luto Perinatal
 
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e ManejoAnafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
Anafilaxia na Infância: Apresentação Clínica e Manejo
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e PuerpérioDiabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
Diabetes Mellitus na Gestação: Cuidados no Parto e Puerpério
 
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no BrasilRetomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
Retomada da Cobertura Vacinal: Desafios e Perspectivas no Brasil
 
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na GestaçãoCuidados com a Saúde Bucal na Gestação
Cuidados com a Saúde Bucal na Gestação
 
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
Hábitos Saudáveis e a Prevenção do Câncer de Mama: é possível?
 
Osteogênese Imperfeita
Osteogênese ImperfeitaOsteogênese Imperfeita
Osteogênese Imperfeita
 
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natalDiabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
Diabetes Mellitus na Gestação: Tratamento e Cuidados no Pré-natal
 
Desafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução AlimentarDesafios na Introdução Alimentar
Desafios na Introdução Alimentar
 
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnósticoDiabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
Diabetes Mellitus na Gestação: classificação e diagnóstico
 
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
SBP Recomendações para os cuidados com o recém-nascido e o aleitamento matern...
 

Último

anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
SmeladeOliveira1
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
bentosst
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Werberth Ladislau Rodrigues da Silveira
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Misael Rabelo de Martins Custódio
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
DentiKi
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
RAILANELIMAGOMES
 

Último (6)

anomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologiaanomalias dentárias imaginologia odontologia
anomalias dentárias imaginologia odontologia
 
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docxCORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
CORP SSMA PROC 01 Análise preliminar de riscos - APR revisada.docx
 
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e TratamentosRejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
Rejuvenescimento da Pele- Dicas e Tratamentos
 
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional ChinesaDiagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
Diagnóstico de línga pela Medicina Tradicional Chinesa
 
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdfALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
ALOP-2020 revista de tratamiento odontopediatria.pdf
 
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptxNUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
NUTRIÇÃO E DIETETICA APLICADA A ENFERMAGEM grau tecnico.pptx
 

Fibrose Cística: como diagnosticar?

  • 2. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? “Nenhuma criança ou adolescente será objeto de qualquer forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão, punido na forma da lei qualquer atentado, por ação ou omissão, aos seus direitos fundamentais”. Brasil, Casa Civil, Art. 5º Estatuto da Criança e do Adolescente.
  • 3. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Objetivos dessa apresentação: • Conceituar fibrose cística; • Apresentar a fisiopatologia e os critérios diagnósticos da fibrose cística.
  • 4. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Introdução • A Fibrose Cística é uma doença genética, transmissão autossômica recessiva, mais frequente na população caucasiana. • População mundial: aproximadamente 80.000 casos. • Registros na América do Norte: 31.441 paciente em acompanhamento. • Registros no Brasil: 5.773 pacientes diagnosticados. CFF Patient Report, 2020; REBRAFC, 2019. Importante: O rastreamento obrigatório da FC pelo teste de triagem neonatal, com dosagem do tripsinogênio imunorreativo, vem ampliando e consolidando esses dados.
  • 5. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Fisiopatologia da Fibrose Cística Ministério da Saúde, 2021. • Doença de base genética: mutações em um gene do braço longo do cromossomo 7. • Ponto chave da Fibrose Cística: disfunção da proteína CFTR (reguladora da condutância transmembrana da fibrose cística). • O diagnóstico precoce e as melhorias no cuidados das pessoas diagnosticadas com FC aumentaram a expectativa de vida dessa população e muitos pacientes chegam a vida adulta podendo trabalhar, construir família e gozar de uma boa qualidade de vida. • A Atenção Primária a Saúde cumpre papel importante na suspeita de casos e encaminhamento ágil para a Atenção Ambulatorial Especializada com vista ao diagnóstico precoce e melhores prognósticos. A Fibrose Cística ainda está associada à morbidade significativa e à elevada mortalidade e o acesso ao diagnóstico através dos serviços de saúde ainda é desigual.
  • 6. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Fisiopatologia da Fibrose Cística
  • 7. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? As mutações do gene CFTR são categorizadas em seis classes distintas • Classe I (produção): ausência da proteína ou proteína truncada, levando à perda completa ou quase completa da função da proteína CFTR. • Classe II (processamento): síntese de uma proteína imatura, com pouca ou nenhuma proteína na membrana apical. Nesta classe, a mutação mais frequente é a Phe508del. • Classe III (regulação): a regulação é defeituosa e a proteína não pode ser ativada, apesar de haver expressão de CFTR. • Classe IV (condução): a condutância do cloreto é diminuída, apesar de haver síntese e expressão da CFTR, com função residual da proteína na membrana; pode levar a fenótipo de menor gravidade ou FC atípica. • Classe V (síntese reduzida): síntese da CFTR parcialmente prejudicada, com quantidade reduzida. Podem levar a fenótipo de menor gravidade ou FC atípica. • Classe VI (degradação acelerada): proteína com instabilidade na membrana apical da célula, com degradação 5 a 6 vezes mais veloz do que a observada com a proteína selvagem Categorização das mutações genéticas do gene CFTR
  • 8. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Adaptado de Boeck e Amaral, 2016. Categorização das mutações genéticas do gene CFTR
  • 9. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Manifestações Clínicas Patologia Manifestações Doença sinopulmonar crônica - Tosse crônica; - Colonização/infecções persistentes por patógenos comuns na FC. - Obstrução das vias aéreas. - Baqueteamento digital. - Pólipos nasais, alterações em Rx/TC de seiosparanasais. - Alterações radiológicas persistentes: bronquiectasias, atelectasias, infiltrado, hiperinsuflação. Anormalidades gastrointestinais / nutricionais específicas - Intestino: íleo meconial, obstrução intestinal distal, prolapso retal. - Pâncreas: insuficiência pancreática, pancreatite crônica. - Fígado: icterícia neonatal prolongada, doença hepática crônica. - Nutrição: ganho ponderal-estatural insuficiente, hipopreteinemia e edema, hipovitaminose. Síndromes de perda de sal - Depleção aguda de sal e alcalose metabólica crônica. Anormalidades genitais masculinas/ azospermia obstrutiva - Agenesia congênita de vasos deferentes - Azospermia obstrutiva.
  • 10. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Manifestações Clínicas PCDT, Ministério da Saúde, 2021.
  • 11. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Diagnóstico da Fibrose Cística • O diagnóstico pode ser feito a partir da triagem neonatal ( Teste do Pezinho), que aponta o risco dos recém-nascidos em desenvolver a doença, mas não confirma diagnóstico. • O diagnóstico também pode ser feito a partir de uma suspeita clínica e exames complementares. Adaptado de Farrel et al, 2017. I II Ia. Manifestações clínicas de FC Ib. História familiar de FC Ic. Teste screening da FC (TIR) – teste do pezinho IIa. Dois testes de suor positivos IIb. Medida da diferença de potencial nasal IIc. Identificação de mutação da FC em 2 alelos
  • 12. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Triagem Neonatal em Fibrose Cística • Triagem Neonatal: rastreamento da população 0-30 dias de vida. • Favorece o diagnóstico e tratamento precoce. • Permite alterar a história natural da doença em uma parcela significativa da população elegível. • Saúde Pública: Detecção de um grupo de indivíduos com alta probabilidade de apresentarem determinadas patologias. • Na Fibrose Cística o teste de triagem pode identificar 90-95% dos casos. • Sensibilidade 87%, especificidade menor Falso negativos e falso-positivos. • O tripsinogênio tende a diminuir em algumas semanas, por o teste deve ser feito no 1º mês vida.
  • 13. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Triagem Neonatal em Fibrose Cística
  • 14. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? • Portaria GM/MS n0 822, 6 de junho de 2001: PNTN em âmbito de SUS 3 fases, de acordo com o nível de organização e de cobertura de cada estado. Fase I: fenilcetonúria e hipotireoidismo congênito. Fase II: anemia falciforme e outras hemoglobinopatias. Fase III: Fibrose Cística. • Em 2013, houve a universalização da fase II e da fase III, sendo assim, todo o território nacional está apto para triagem neonatal de Fibrose Cística. Programa Nacional de Triagem Neonatal BRASIL, 2017.
  • 15. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? • Em 2009 a 2019: foram diagnosticados 3.106 casos de fibrose cística, dos quais 1.611 (51,9%) por meio da triagem neonatal. • Nos últimos cinco anos, a triagem neonatal já é responsável por mais da metade dos novos diagnósticos REBRAFC, 2019. Programa Nacional de Triagem Neonatal
  • 16. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? ATENÇÃO Em casos de resultados indefinidos: Em 1 a 2 meses ▪ Realizar pesquisa de mutação FC: painéis ou sequenciamento do gene CFTR. ▪ Métodos auxiliares Em 2 a 6 meses ▪ Repetir o teste de suor Diagnóstico da Fibrose Cística
  • 17. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Diagnóstico da Fibrose Cística - TESTE DO SUOR Dosagem de cloreto no suor permite o diagnóstico de FC em 98% dos casos QUEM DEVE SER SUBMETIDO A TESTE DO SUOR? • Triagem neonatal positiva • Lactentes/crianças com sintomas ou sinais sugestivos FC • Irmãos de pacientes com FC (mesmo assintomáticos) • Parentes mais distantes de pacientes com FC se houver suspeita clínica QUEM É ELEGÍVEL PARA TESTE DO SUOR? • RN > 48h de vida • Nos prematuros: IG >36 semanas, > 2kg, > 3 dias vida
  • 18. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Diagnóstico da Fibrose Cística - TESTE DO SUOR MÉTODO DE COLETA • Iontoforese por pilocarpina Gibson Cooke: peso > 75mg de suor Wescor Macroduct: volume >15μL • Tempo de coleta: mínimo 20 minutos e máximo 30 minutos Amostras com suor insuficiente: < 5% do total coletado Resultados falso positivos (diagnóstico diferencial) Resultados falso negativos (Coleta inadequada da amostra, questões técnicas) Athanazio et al, 2017
  • 19. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Todos os pacientes com fibrose cística devem ser submetidos ao exame genético Qual a importância de realizá-lo? • A identificação das mutações no gene CFTR tem implicações prognósticas e de planejamento familiar, permitindo o diagnóstico da fibrose cística. • Além disso, existem drogas que atuam em mutações específicas (corretores e potencializadores da proteína CFTR), sendo algumas aprovadas em diversos países e outras em desenvolvimento. • Definição de casos duvidosos. Diagnóstico da Fibrose Cística - ANÁLISE GENÉTICA
  • 20. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? • O diagnóstico de FC é complexo e deve ser considerado. • O diagnóstico é fundamental para o início precoce do acompanhamento multidisciplinar. • Triagem neonatal para FC: oportunidade de intervenção precoce e melhora dos desfechos aos pacientes. • Pacientes com FC necessitam acompanhamento e tratamento multidisciplinar em centros de referência, para reduzir morbidade e mortalidade. ATENÇÃO
  • 21. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? O diagnóstico precoce, o tratamento e a informação são fundamentais para a qualidade de vida da criança diagnosticada com Fibrose Cística.
  • 22. portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR? Referências • De Boeck K, Amaral MD. Progress in therapies for cystic fibrosis. Lancet Respir Med. 2016;4(8):662-674. doi:10.1016/S2213-2600(16)00023-0 • Cystic Fibrosis Foundation. Patient Registry Annual Data Report. 2021. • Grupo Brasileiro de Estudos em Fibrose Cística. Registro Brasileiro de Fibrose Cística – REBRAFC – Relatório Anual 2019. 2020. • Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 822, de 06 de junho de 2001. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Coordenação-Geral de Atenção Especializada. Manual de Normas Técnicas e Rotinas Operacionais do Programa Nacional de Triagem Neonatal / Ministério da Saúde, Secretaria de Assistência à Saúde, Coordenação-Geral de Atenção Especializada. – Brasília: Ministério da Saúde, 2002. • Farrell PM, White TB, Ren CL, et al. Diagnosis of Cystic Fibrosis: Consensus Guidelines from the Cystic Fibrosis Foundation [published correction appears in J Pediatr. 2017 May;184:243]. J Pediatr. 2017;181S:S4-S15.e1. doi:10.1016/j.jpeds.2016.09.064. • ATHANAZIO, Rodrigo Abensur and GRUPO DE TRABALHO DAS DIRETRIZES BRASILEIRAS DE DIAGNOSTICO E TRATAMENTO DA FIBROSE CISTICA. et al. Diretrizes brasileiras de diagnóstico e tratamento da fibrose cística. J. bras. pneumol. [online]. 2017, vol.43, n.3, pp.219-245. ISSN 1806- 3713. http://dx.doi.org/10.1590/s1806-37562017000000065. • Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Especializada à Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos em Saúde. Portaria Conjunta Nº 25, de 27 de Dezembro de 2021. Aprova o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas da Fibrose Cística.
  • 23. ATENÇÃO À CRIANÇA portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Material de 04 de novembro de 2022 Disponível em: portaldeboaspraticas.iff.fiocruz.br Eixo: Atenção à Criança Aprofunde seus conhecimentos acessando artigos disponíveis na biblioteca do Portal. FIBROSE CÍSTICA: COMO DIAGNOSTICAR?