SlideShare uma empresa Scribd logo
PUERPÉRIO NORMAL E AMAMENTAÇÃO Humberto Magalhães
PUERPÉRIO Sobreparto ou pós-parto.
 Período que inicia-se com o secundamento  aparecem manifestações de involução e recuperação da genitália materna; por conseguinte a cessação da atividade endócrina.
 Tempo de duração variável (6 a 8 semanas)PUERPÉRIO1 - Pós-parto imediato ( 0 ao 10º dia )
2 - Pós-parto tardio ( 11º ao 45º dia )
3 - Pós-parto remoto ( além do 45º dia ) Puerpério imediatoCRISE GENITAL; Fenômenos involutivos das estruturas hipertrofiadas ou hiperplasiadas.O (FUNDUS UTERI ) fundo uterino regride, contrações uterinas persistem, provocando algumas cólicas dolorosas, (palpamos o útero a 12cm da sínfise púbica).
Puerpério imediatoHá uma hemostasia fisiológica provocada pela trombose dos orifícios vasculares na implantação placentária.O elemento principal desta hemostasia é o útero de consistência firme; chamado globo de segurança – ligaduras vivas de Pinard.
Puerpério
Puerpério imediatoVulva e vagina edemaciadas. Por volta de 48h a congestão desaparece.O colo uterino hiperemiado e edemaciado. Encontramos uma fenda transversal (parto normal). É sempre necessário uma revisão sistemática do colo no pós-parto.
Puerpério imediatoA involução acelerada dos primeiros 10 dias propicia condições de regeneração da ferida uterina ocasionada pela cesariana.Na lactente ( amamentação ), observaremos o reflexo útero-mamário, contração uterina  (Reflexo de Fergusson ).Nas primíparas o rítmo de involução uterina é mais rápido que nas multíparas.
Puerpério imediatoRECUPERAÇÃOGENITAL; Fase regenerativa endometrial, por proliferação hormonal estrogênica (a partir do 25º dia); não raro aparecem ciclos ovulatórios.O processo de involução e regeneração do sítio placentário, vinculados a produção e eliminação de exsudatos e transudatos, misturados com elementos celulares e sangue, chamamos de LÓQUIOS.Lóquios sanguíneos (3 a 4 dias), lóquios serosanguíneos (após este período), lóquios serosos (próximo ao puerpério tardio).Em algumas situações, pela anteversão uterina acentuada, haverá retenção dos lóquios (loquiométra) predispondo a infecções.
Puerpério tardioÉ o período de transição no qual todas as funções são influenciadas pela lactação.O útero continua regredindo, mais lentamente.A cavidade uterina acha-se epitelizada por volta do 25º dia.A vagina continua mantendo um padrão atrófico.
Puerpério remotoÉ um período impreciso.A vagina torna-se normoestrogênica.A menstruação retorna, podendo ser precedida de ovulação ( 80% das puérperas ovulam antes da primeira menstruação ).As lactantes podem ficar amnorréicas por 8-12 meses e as não lactantes pouco menos de 2 meses.
PUERPÉRIO - Manifestações GeraisNo pós-parto imediato o comportamento da paciente revela alívio e tranquilidade, e uma manifesta exaustão física.Calafrios, hipotermia, há um resfriamento rápido do corpo e em seguida sudorese.Sede; desidratação e perdas sanguíneas.Psíquica; imediata preocupação: nasceu bem? Tem malformação? Em seguida euforia…
PUERPÉRIO – Manifestações GeraisA temperatura deve manter-se abaixo de 38°.Quando há turgência mamária ou proliferação de germes na vagina a temperatura eleva-se.O sistema endócrino apresenta queda dos níveis de gonadotrofina coriônica, estrogênios, progesterona.O rendimento cardíaco, os volumes plasmáticos e a resistência vascular retornam aos valores pré-gravídicos.
PUERPÉRIO – Manifestações GeraisAlterações sanguíneas; série vermelha, série branca.Risco aumentado de trombose por aumento do fibrinogênio e fator VIII associado a limitação da atividade física.Sistema urinário e digestivo; Ingesta hídrica e deambulação precoce.Os distúrbios psicológicos são individuais (DEPRESSÃO).
ASSISTÊNCIA PÓS-NATALMedidas higiênicas e dietéticas.LEVANTAR PRECOCE: Profilaxia da síndrome tromboembólica.Cuidado com as mamas, diurese e função intestinal.Exame físico diário: Tax, pulso, útero, bexiga, lóquios, cicatrizações, hemorróidas.REVISÃO DO PARTO ( 6º semana ).
ALOJAMENTO CONJUNTOAlojamento conjunto e amamentação (1970).SUS (1993); obrigatoriedade.RN sadio permanece ao lado da mãe em um mesmo ambiente até a alta hospitalar.ACONSELHAMENTO!!! (OBSTÉTRA).Tipagem sanguínea e fator Rh, VDRL.Episiotomia e ferida operatória.ROTINAS EM OBSTETRÍCIA – FERNANDO FREITAS
Puerpério
AMAMENTAÇÃOFISIOLOGIA MAMÁRIAMamogênese(desenvolvimento da mama)Lactogênese(início da lactação, produção do leite)Lactopoese(manutenção da lactação, ejeção do leite)OBS; são controladas por arcos reflexos neurais que se iniciam com o estímulo das terminações nervosas do complexo  aréolo-mamilar,   (OCITOCINA/PROLACTINA)
Na mulher, aos20 anos, a mama atinge sua maturidade.Composta por 20lobos e subdivididosem lóbulos que possuemde 10 a 100 alvéolos, terminandonos ductos lactíferos.GLÂNDULA MAMÁRIA:15-25- ductos terminando no mamilo e conectados aos alvéolos.Cada ducto limita um lóbulo.Os lóbulos são suportados por tecido conectivoe tecido adiposo. Mamilo+Auréola recebem fibras neurais sensíveis ao estiramento durante a lactaçãohttp://www.oup.com/uk/booksites/content/0198585276/
MAMOGÊNESEO desenvolvimento da mama tem origem endócrina e manifesta-se a partir da puberdade feminina.Ação coordenada dos hormônios: prolactina, estrogênio, progesterona, esteróides supra-renais, insulina, hormônio do crescimento e hormônio tireoidiano.O estrogênio promove o crescimento ductal. A progesterona e a prolactina desenvolvem a estrutura lóbulo-alveolar.Durante a gravidez a mama aumenta o volume e a densidade, as aréolas mais escuras, os mamilos mais proeminentes e erectos. A hipófise anterior produz mais prolactina.
LACTOGÊNESEO determinismo da secreção láctea é basicamente de natureza endócrina, não havendo participação nervosa.Complexo Lactogênicoformado principalmente pela prolactina e o hpl (hormônio lactogênio placentário), agindo na célula mamária e responsável pela síntese de proteínas do leite.
LACTOPOESEA manutenção da secreção láctea se dá por mecanismo reflexo, estimulado pela sucção da mama.O estímulo chegando no Hipotálamo  Hipófise, produz ocitocina, responsável pela ejeção láctea.A mama em repouso (produz o leite), mantém um reflexo neuroendócrino e atividade secretória.
AMAMENTAÇÃOCOLOSTRO(1 semana) LEITE DE TRANSIÇÃO(2 a 3 semanas) LEITE MADURO
FORMAÇÃO DO LEITEA produção do leite acontece no intervalo das mamadas, ficando o leite armazenado até o esvaziamento seguinte.Nos primeiros dias, a glândula produz o COLOSTRO, de conteúdo protéico elevado e composto por gamaglobulinas.O leite é composto por: água 85%, proteínas 6%, gorduras 4%, lactose 5%. Pode atingir volumes de 500ml, 1litro ou 2 litros/dia.Alguns fármacos podem aparecer no leite.
COLOSTRO
LEITE MATERNO
Puerpério
AMAMENTAÇÃOO aleitamento materno é considerado uma questão de saúde pública e apresenta VANTAGENS INFINITAS.É um alimento equilibrado e completo para o RN nos 6 primeiros meses. Contribui para o desenvolvimento físico, emocional e intelectual. É econômico e não o consideramos fraco. Todas as mulheres podem produzí-lo.
AMAMENTAÇÃONão existe horário fixo para o RN mamar. Inicia-se na sala de parto.Não é necessário complementar com água, chá ou outro alimento.Não recomenda-se aumentar a quantidade de alimento para a puérpera, apenas a qualidade  (água , sucos naturais).Evitar: condimentos, álcool, café, chocolates, fumo. Todos os medicamentos têm potencial passagem para o leite.
AMAMENTAÇÃOApresenta efeitos contraceptivos (anovulação fisiológica), quando há amamentação plena. Se ocorrer a menstruação este efeito se reduz.Cuidado com as mamas: mantê-las suspensas e confortáveis (sutiã); massagear durante o banho; exercícios na aréola e papila; exposição ao sol.Escolher uma posição confortável para amamentar. Oferecer sempre as duas mamas. O RN deve fazer uma boa pegada (abocanhar).Após cada mamada a mãe deve retirar o leite residual através de expressão manual ou uma bomba de sucção.
AMAMENTAÇÃOPode reduzir o risco de câncer de ovário e mama.Pode prevenir a osteoporose.A amamentação queima calorias (diminui peso materno)Contra-indicações: maternas; câncer de mama, mulheres HIV +, neonatais; baixo peso e imaturidade, fenda palatina.
VANTAGENS MATERNASPREVENÇÃO :Ca MAMACa OVÁRIOOSTEOPOROSEANEMIAMAIOR  ESPAÇO ENTRE  AS GESTAÇÕESMAIS  RÁPIDO RETORNO  AO PESO  IDEALMENOS DEPRESSÃO
Principais intercorrências da lactaçãoINGURGITAMENTO MAMÁRIO: aumento do volume mamário, turgência e distensão das mamas. Há um desequilíbrio entre a produção e drenagem. Tratamento: promover o esvaziamento.RACHADURAS E FISSURAS DA PAPILA: acontece por má aplicação da boca do RN ao mamilo. Não suspender a amamentação.MASTITE: processo inflamatório agudo de origem infecciosa. Febre alta, calafrios e vermelhidão das mamas. Antibióticos.
PADRÃO OUROAMAMENTAÇÃO   EXCLUSIVA    ATÉ  6 MESES  DE  VIDA.
PADRÃO   OUROMANUTENÇÃO  DA  AMAMENTAÇÃO        POR 2 ANOS E A INTRODUÇÃO        ADEQUADA  DE ALIMENTAÇÃO      COMPLEMENTAR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
Francisco Joilsom Carvalho Saraiva
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Caroline Reis Gonçalves
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
Ministério da Saúde
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Jesiele Spindler
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Amanda Thomé
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
Amanda Corrêa
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
marianagusmao39
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
blogped1
 
Problemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamasProblemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamas
Rebeca - Doula
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
chirlei ferreira
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
Viviane da Silva
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
blogped1
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
Alinebrauna Brauna
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Eduardo Gomes da Silva
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Prof Ana Paula Gonçalves
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
joselene beatriz
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Parto humanizado
Parto humanizadoParto humanizado
Parto humanizado
Anarosa Xmanzine
 

Mais procurados (20)

Parto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizadoParto e nascimento humanizado
Parto e nascimento humanizado
 
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
Aula 4 - OBSTETRÍCIA - Alterações fisiológicas da gravidez, gravidez ectópica...
 
Parto Normal
Parto NormalParto Normal
Parto Normal
 
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e NascimentoCuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
Cuidado ao Recém-nascido no Parto e Nascimento
 
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele SpindlerAssistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
Assistencia Enfermagem Neonatal - Enf Jesiele Spindler
 
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-partoCuidados com o recém-nascido no pós-parto
Cuidados com o recém-nascido no pós-parto
 
Assistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologiaAssistência de enfermagem em neonatologia
Assistência de enfermagem em neonatologia
 
Pré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção BásicaPré-natal na Atenção Básica
Pré-natal na Atenção Básica
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Problemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamasProblemas precoces e tardios nas mamas
Problemas precoces e tardios nas mamas
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
AMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃOAMAMENTAÇÃO
AMAMENTAÇÃO
 
Transformações na gestação
Transformações na gestaçãoTransformações na gestação
Transformações na gestação
 
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1Enfermagem ObstéTrica Parte 1
Enfermagem ObstéTrica Parte 1
 
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana PaulaAtenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
Atenção à Saúde da Puérpera Profa. Ana Paula
 
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
Relatório de enfermagem 'Enfermeira Joselene Beatriz'
 
Pré-Natal
Pré-NatalPré-Natal
Pré-Natal
 
Parto humanizado
Parto humanizadoParto humanizado
Parto humanizado
 

Destaque

Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaidesPuerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Francikelly Gonçalves
 
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e PuerpérioDisturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
CDuque - freelancer Student Mentoring & Coaching
 
Manual tecnico pre_natal_e_puerperio
Manual tecnico pre_natal_e_puerperioManual tecnico pre_natal_e_puerperio
Manual tecnico pre_natal_e_puerperio
Mirian Paiva
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
Rodrigo Abreu
 
Patologias gestacionais
Patologias gestacionaisPatologias gestacionais
Patologias gestacionais
Morgana Oliveira
 
manual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascidomanual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascido
Flavia Oliveira
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
Alinebrauna Brauna
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
Gláucia Marchini
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
SMS - Petrópolis
 

Destaque (9)

Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaidesPuerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
Puerpério fisiológico e puerpério patológico slaides
 
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e PuerpérioDisturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
Disturbios Psíquicos: Gravidez e Puerpério
 
Manual tecnico pre_natal_e_puerperio
Manual tecnico pre_natal_e_puerperioManual tecnico pre_natal_e_puerperio
Manual tecnico pre_natal_e_puerperio
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Patologias gestacionais
Patologias gestacionaisPatologias gestacionais
Patologias gestacionais
 
manual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascidomanual de assistencia ao recem nascido
manual de assistencia ao recem nascido
 
Cuidados com o rn
Cuidados com o rnCuidados com o rn
Cuidados com o rn
 
Pré Natal
Pré  NatalPré  Natal
Pré Natal
 
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
Aula de Doenças Hipertensiva Específica da Gestação (Dheg)
 

Semelhante a Puerpério

Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
WerbertCosta1
 
1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf
EdileideJesus1
 
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
jhenicacamila123
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Bruno Oliveira
 
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_partoAula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
Gustavo Henrique
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
GrazieleMenzani
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
RaphaellaMed1
 
Alterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezAlterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidez
marianagusmao39
 
AULA 5 GESTANTE.pptx
AULA 5 GESTANTE.pptxAULA 5 GESTANTE.pptx
AULA 5 GESTANTE.pptx
EduardoFatdukbrGonal
 
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentarEndocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Zulivam Yaluzan
 
Reprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento pptReprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento ppt
5feugeniocastro
 
Anatomia e Fisiologia do sistema Reprodutor Feminino.pptx
Anatomia e Fisiologia do sistema Reprodutor  Feminino.pptxAnatomia e Fisiologia do sistema Reprodutor  Feminino.pptx
Anatomia e Fisiologia do sistema Reprodutor Feminino.pptx
jessicalo33
 
Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..
thamiris souza
 
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasAula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Gustavo Henrique
 
Gestante I.pdf
Gestante I.pdfGestante I.pdf
Gestante I.pdf
nutrithaynayanemkt
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
JhivagoOliveira
 
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Luciana de Paula
 
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Luciana de Paula
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Enfº Ícaro Araújo
 
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptxtrabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
pamelacastro71
 

Semelhante a Puerpério (20)

Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.pptGestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
Gestação Normal - Noturno - enfermagem.ppt
 
1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf
 
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.pptGestacao Normal Mat 2014.ppt
Gestacao Normal Mat 2014.ppt
 
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação NormalApresentação de slides sobre Gestação Normal
Apresentação de slides sobre Gestação Normal
 
Aula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_partoAula 8 _-_pos_parto
Aula 8 _-_pos_parto
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
 
Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3Saúde da Mulher 3
Saúde da Mulher 3
 
Alterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidezAlterações físicas da gravidez
Alterações físicas da gravidez
 
AULA 5 GESTANTE.pptx
AULA 5 GESTANTE.pptxAULA 5 GESTANTE.pptx
AULA 5 GESTANTE.pptx
 
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentarEndocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
Endocrinologia do ciclo gravídico puerperal zulivam para apresentar
 
Reprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento pptReprodução humana e crescimento ppt
Reprodução humana e crescimento ppt
 
Anatomia e Fisiologia do sistema Reprodutor Feminino.pptx
Anatomia e Fisiologia do sistema Reprodutor  Feminino.pptxAnatomia e Fisiologia do sistema Reprodutor  Feminino.pptx
Anatomia e Fisiologia do sistema Reprodutor Feminino.pptx
 
Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..Amamentaç[1]..
Amamentaç[1]..
 
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamasAula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
Aula 10 -_amamentacao__ca_de_mamas
 
Gestante I.pdf
Gestante I.pdfGestante I.pdf
Gestante I.pdf
 
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asienf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
enf 7- aula 2.pptx, mulher, saude... asi
 
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
 
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperioAssistencia de enfermagem_no_puerperio
Assistencia de enfermagem_no_puerperio
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptxtrabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
trabalholauren-abortoversao2007-101013122213-phpapp02.pptx
 

Mais de Cleidenisia Daiana

Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
Cleidenisia Daiana
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
Cleidenisia Daiana
 
4 eixo neuroendócrino hho
4 eixo neuroendócrino hho4 eixo neuroendócrino hho
4 eixo neuroendócrino hho
Cleidenisia Daiana
 
3 placenta
3 placenta3 placenta
3 placenta
Cleidenisia Daiana
 
2 propedêutica curso de especialização
2 propedêutica curso de especialização2 propedêutica curso de especialização
2 propedêutica curso de especialização
Cleidenisia Daiana
 
1 tpm fameplac
1 tpm fameplac1 tpm fameplac
1 tpm fameplac
Cleidenisia Daiana
 
5 d istopias
5 d istopias5 d istopias
5 d istopias
Cleidenisia Daiana
 

Mais de Cleidenisia Daiana (8)

Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Amamentação
AmamentaçãoAmamentação
Amamentação
 
Aleitamento
AleitamentoAleitamento
Aleitamento
 
4 eixo neuroendócrino hho
4 eixo neuroendócrino hho4 eixo neuroendócrino hho
4 eixo neuroendócrino hho
 
3 placenta
3 placenta3 placenta
3 placenta
 
2 propedêutica curso de especialização
2 propedêutica curso de especialização2 propedêutica curso de especialização
2 propedêutica curso de especialização
 
1 tpm fameplac
1 tpm fameplac1 tpm fameplac
1 tpm fameplac
 
5 d istopias
5 d istopias5 d istopias
5 d istopias
 

Puerpério

  • 1. PUERPÉRIO NORMAL E AMAMENTAÇÃO Humberto Magalhães
  • 3. Período que inicia-se com o secundamento  aparecem manifestações de involução e recuperação da genitália materna; por conseguinte a cessação da atividade endócrina.
  • 4. Tempo de duração variável (6 a 8 semanas)PUERPÉRIO1 - Pós-parto imediato ( 0 ao 10º dia )
  • 5. 2 - Pós-parto tardio ( 11º ao 45º dia )
  • 6. 3 - Pós-parto remoto ( além do 45º dia ) Puerpério imediatoCRISE GENITAL; Fenômenos involutivos das estruturas hipertrofiadas ou hiperplasiadas.O (FUNDUS UTERI ) fundo uterino regride, contrações uterinas persistem, provocando algumas cólicas dolorosas, (palpamos o útero a 12cm da sínfise púbica).
  • 7. Puerpério imediatoHá uma hemostasia fisiológica provocada pela trombose dos orifícios vasculares na implantação placentária.O elemento principal desta hemostasia é o útero de consistência firme; chamado globo de segurança – ligaduras vivas de Pinard.
  • 9. Puerpério imediatoVulva e vagina edemaciadas. Por volta de 48h a congestão desaparece.O colo uterino hiperemiado e edemaciado. Encontramos uma fenda transversal (parto normal). É sempre necessário uma revisão sistemática do colo no pós-parto.
  • 10. Puerpério imediatoA involução acelerada dos primeiros 10 dias propicia condições de regeneração da ferida uterina ocasionada pela cesariana.Na lactente ( amamentação ), observaremos o reflexo útero-mamário, contração uterina (Reflexo de Fergusson ).Nas primíparas o rítmo de involução uterina é mais rápido que nas multíparas.
  • 11. Puerpério imediatoRECUPERAÇÃOGENITAL; Fase regenerativa endometrial, por proliferação hormonal estrogênica (a partir do 25º dia); não raro aparecem ciclos ovulatórios.O processo de involução e regeneração do sítio placentário, vinculados a produção e eliminação de exsudatos e transudatos, misturados com elementos celulares e sangue, chamamos de LÓQUIOS.Lóquios sanguíneos (3 a 4 dias), lóquios serosanguíneos (após este período), lóquios serosos (próximo ao puerpério tardio).Em algumas situações, pela anteversão uterina acentuada, haverá retenção dos lóquios (loquiométra) predispondo a infecções.
  • 12. Puerpério tardioÉ o período de transição no qual todas as funções são influenciadas pela lactação.O útero continua regredindo, mais lentamente.A cavidade uterina acha-se epitelizada por volta do 25º dia.A vagina continua mantendo um padrão atrófico.
  • 13. Puerpério remotoÉ um período impreciso.A vagina torna-se normoestrogênica.A menstruação retorna, podendo ser precedida de ovulação ( 80% das puérperas ovulam antes da primeira menstruação ).As lactantes podem ficar amnorréicas por 8-12 meses e as não lactantes pouco menos de 2 meses.
  • 14. PUERPÉRIO - Manifestações GeraisNo pós-parto imediato o comportamento da paciente revela alívio e tranquilidade, e uma manifesta exaustão física.Calafrios, hipotermia, há um resfriamento rápido do corpo e em seguida sudorese.Sede; desidratação e perdas sanguíneas.Psíquica; imediata preocupação: nasceu bem? Tem malformação? Em seguida euforia…
  • 15. PUERPÉRIO – Manifestações GeraisA temperatura deve manter-se abaixo de 38°.Quando há turgência mamária ou proliferação de germes na vagina a temperatura eleva-se.O sistema endócrino apresenta queda dos níveis de gonadotrofina coriônica, estrogênios, progesterona.O rendimento cardíaco, os volumes plasmáticos e a resistência vascular retornam aos valores pré-gravídicos.
  • 16. PUERPÉRIO – Manifestações GeraisAlterações sanguíneas; série vermelha, série branca.Risco aumentado de trombose por aumento do fibrinogênio e fator VIII associado a limitação da atividade física.Sistema urinário e digestivo; Ingesta hídrica e deambulação precoce.Os distúrbios psicológicos são individuais (DEPRESSÃO).
  • 17. ASSISTÊNCIA PÓS-NATALMedidas higiênicas e dietéticas.LEVANTAR PRECOCE: Profilaxia da síndrome tromboembólica.Cuidado com as mamas, diurese e função intestinal.Exame físico diário: Tax, pulso, útero, bexiga, lóquios, cicatrizações, hemorróidas.REVISÃO DO PARTO ( 6º semana ).
  • 18. ALOJAMENTO CONJUNTOAlojamento conjunto e amamentação (1970).SUS (1993); obrigatoriedade.RN sadio permanece ao lado da mãe em um mesmo ambiente até a alta hospitalar.ACONSELHAMENTO!!! (OBSTÉTRA).Tipagem sanguínea e fator Rh, VDRL.Episiotomia e ferida operatória.ROTINAS EM OBSTETRÍCIA – FERNANDO FREITAS
  • 20. AMAMENTAÇÃOFISIOLOGIA MAMÁRIAMamogênese(desenvolvimento da mama)Lactogênese(início da lactação, produção do leite)Lactopoese(manutenção da lactação, ejeção do leite)OBS; são controladas por arcos reflexos neurais que se iniciam com o estímulo das terminações nervosas do complexo aréolo-mamilar, (OCITOCINA/PROLACTINA)
  • 21. Na mulher, aos20 anos, a mama atinge sua maturidade.Composta por 20lobos e subdivididosem lóbulos que possuemde 10 a 100 alvéolos, terminandonos ductos lactíferos.GLÂNDULA MAMÁRIA:15-25- ductos terminando no mamilo e conectados aos alvéolos.Cada ducto limita um lóbulo.Os lóbulos são suportados por tecido conectivoe tecido adiposo. Mamilo+Auréola recebem fibras neurais sensíveis ao estiramento durante a lactaçãohttp://www.oup.com/uk/booksites/content/0198585276/
  • 22. MAMOGÊNESEO desenvolvimento da mama tem origem endócrina e manifesta-se a partir da puberdade feminina.Ação coordenada dos hormônios: prolactina, estrogênio, progesterona, esteróides supra-renais, insulina, hormônio do crescimento e hormônio tireoidiano.O estrogênio promove o crescimento ductal. A progesterona e a prolactina desenvolvem a estrutura lóbulo-alveolar.Durante a gravidez a mama aumenta o volume e a densidade, as aréolas mais escuras, os mamilos mais proeminentes e erectos. A hipófise anterior produz mais prolactina.
  • 23. LACTOGÊNESEO determinismo da secreção láctea é basicamente de natureza endócrina, não havendo participação nervosa.Complexo Lactogênicoformado principalmente pela prolactina e o hpl (hormônio lactogênio placentário), agindo na célula mamária e responsável pela síntese de proteínas do leite.
  • 24. LACTOPOESEA manutenção da secreção láctea se dá por mecanismo reflexo, estimulado pela sucção da mama.O estímulo chegando no Hipotálamo  Hipófise, produz ocitocina, responsável pela ejeção láctea.A mama em repouso (produz o leite), mantém um reflexo neuroendócrino e atividade secretória.
  • 25. AMAMENTAÇÃOCOLOSTRO(1 semana) LEITE DE TRANSIÇÃO(2 a 3 semanas) LEITE MADURO
  • 26. FORMAÇÃO DO LEITEA produção do leite acontece no intervalo das mamadas, ficando o leite armazenado até o esvaziamento seguinte.Nos primeiros dias, a glândula produz o COLOSTRO, de conteúdo protéico elevado e composto por gamaglobulinas.O leite é composto por: água 85%, proteínas 6%, gorduras 4%, lactose 5%. Pode atingir volumes de 500ml, 1litro ou 2 litros/dia.Alguns fármacos podem aparecer no leite.
  • 30. AMAMENTAÇÃOO aleitamento materno é considerado uma questão de saúde pública e apresenta VANTAGENS INFINITAS.É um alimento equilibrado e completo para o RN nos 6 primeiros meses. Contribui para o desenvolvimento físico, emocional e intelectual. É econômico e não o consideramos fraco. Todas as mulheres podem produzí-lo.
  • 31. AMAMENTAÇÃONão existe horário fixo para o RN mamar. Inicia-se na sala de parto.Não é necessário complementar com água, chá ou outro alimento.Não recomenda-se aumentar a quantidade de alimento para a puérpera, apenas a qualidade (água , sucos naturais).Evitar: condimentos, álcool, café, chocolates, fumo. Todos os medicamentos têm potencial passagem para o leite.
  • 32. AMAMENTAÇÃOApresenta efeitos contraceptivos (anovulação fisiológica), quando há amamentação plena. Se ocorrer a menstruação este efeito se reduz.Cuidado com as mamas: mantê-las suspensas e confortáveis (sutiã); massagear durante o banho; exercícios na aréola e papila; exposição ao sol.Escolher uma posição confortável para amamentar. Oferecer sempre as duas mamas. O RN deve fazer uma boa pegada (abocanhar).Após cada mamada a mãe deve retirar o leite residual através de expressão manual ou uma bomba de sucção.
  • 33. AMAMENTAÇÃOPode reduzir o risco de câncer de ovário e mama.Pode prevenir a osteoporose.A amamentação queima calorias (diminui peso materno)Contra-indicações: maternas; câncer de mama, mulheres HIV +, neonatais; baixo peso e imaturidade, fenda palatina.
  • 34. VANTAGENS MATERNASPREVENÇÃO :Ca MAMACa OVÁRIOOSTEOPOROSEANEMIAMAIOR ESPAÇO ENTRE AS GESTAÇÕESMAIS RÁPIDO RETORNO AO PESO IDEALMENOS DEPRESSÃO
  • 35. Principais intercorrências da lactaçãoINGURGITAMENTO MAMÁRIO: aumento do volume mamário, turgência e distensão das mamas. Há um desequilíbrio entre a produção e drenagem. Tratamento: promover o esvaziamento.RACHADURAS E FISSURAS DA PAPILA: acontece por má aplicação da boca do RN ao mamilo. Não suspender a amamentação.MASTITE: processo inflamatório agudo de origem infecciosa. Febre alta, calafrios e vermelhidão das mamas. Antibióticos.
  • 36. PADRÃO OUROAMAMENTAÇÃO EXCLUSIVA ATÉ 6 MESES DE VIDA.
  • 37. PADRÃO OUROMANUTENÇÃO DA AMAMENTAÇÃO POR 2 ANOS E A INTRODUÇÃO ADEQUADA DE ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR
  • 38. CONSTITUIÇÃO FEDERAL - LEI DO SUSCarta de Ottawa: 1986; VIII Conferência Nacional de Saúde: 1986; Constituição Federal: 1988; Leis do SUS (8.080 e 8.142): 1990Art. 196: “A saúde é um direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doenças e outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação”.Lei 8.080 (art.2º): “A saúde tem como fatores determinantes e condicionantes, entre outros, a alimentação, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso a bens e serviços sociais; os níveis de saúde da população expressam a organização social e econômica do país (par. 3º).