SlideShare uma empresa Scribd logo
Perspetivas futuras
O REGRESSO ÀS MINAS
 Desde a década de 60 que o setor mineiro não
conhecia tanta agitação como agora…
 Minas de cobre em Neves Corvo, no Alentejo (capitais
canadianos) – investimento de130 milhões de euros
 Mina de ouro perto de Montemor, a céu aberto (pois
foram recolhidas amostras de ouro a 10 metros de
profundidade, também, capitais canadianos) – investimento de
50 milhões de euros
“1 000 maiores”, Edição 2012, Expresso,
(adaptado)
O regresso às minas contribuirá para …
 Reindustrializar o País.
 Criar milhares de postos de trabalho
 Contribuir para o aumento das exportações.
 Aumentar as receitas fiscais.
 Ajudar a atenuar algumas assimetrias entre o Interior
e o Litoral.
 As explorações mineiras são projetos com duração
superior a 20 anos.
 Surgem, regra geral, em áreas do Interior do País.
 Trata-se de um setor dinâmico a curto, a médio e
longo prazo.
Dado que …
Exportações de minérios metálicos aumentam
17% em 2011 (face a 2010)
 Minérios metálicos não ferrosos:
 Aumento de 17,82%
 Minérios metálicos:
 Aumento de 48,23% no estanho
 Aumento de 26% no cobre
 Aumento de 14,28% no zinco
valores que revelam o potencial geológico de Portugal no
contexto mundial
 Principais países de destino destes minérios: Suécia,
Alemanha, Finlândia, Espanha e Brasil.
Portugal pode retomar produção de ouro em
2016
A valorização do ouro tem atraído a Portugal investidores
interessados em tentar extrair o metal de minas que foram
há muito abandonadas «Estamos a retomar um sector que
acabou nos anos 90. Desde então, houve um período em
que a produção de ouro [em Portugal] adormeceu», … a
subida do preço do ouro - as cotações duplicaram nos
últimos três anos e quintuplicaram desde 1999 - foi o
principal fator para o interesse de várias empresas
internacionais.
21 de Abril, 2012
http://sol.sapo.pt/pesquisa/default.aspx?search=exploração mineira&domain=pt
“Um setor que representa mais de mil
milhões de euros”– Associação Nacional da Indústria Extrativa e
Transformadora, em País Positivo (entrevistas a vários intervenientes)
 Há três subsetores: o das rochas industriais, o das
rochas ornamentais e as minas.
 O subsetor das rochas industriais tem sido influenciado
pela crise na construção civil e obras públicas.
 O subsetor das rochas ornamentais tem uma enorme
importância nas exportações do país (cerca de 1,5%),
um dos 10 principais produtores de rochas ornamentais
do mundo.
 O subsetor mineiro, com mais de 400 milhões de euros
de exportações no ano de 2013, mantém, apenas, em
atividade as 3 grandes minas: Aljustrel, Neves-Corvo e
Panasqueira
“Um setor que representa mais de mil
milhões de euros”(continuação).
 Tem-se verificado um aumento dos níveis de
produção nas minas em atividade
 Houve um acréscimo significativo das concessões de
prospeção e pesquisa nos últimos anos
 Contudo a evolução do setor continua a estar sujeita
à procura do mercado internacional
 Atualmente o contexto europeu é favorável à indústria
mineira
 Portugal tem recursos geológicos, mão de obra
qualificada e boas infra-estruturas e grandes
possibilidades de aumentar o peso deste setor na
economia nacional
“Um setor que representa mais de mil
milhões de euros”(continuação).
 As minas de Aljustrel, Neves-Corvo e Panasqueira, de
minerais metálicos, exportam a totalidade da sua
produção
 Em julho de 2014, prova do reconhecimento da
importância do setor, o Governo anunciou o Plano de
Fomento Mineiro 2014-2020 e o projeto da nova Lei de
Bases dos Recursos Geológicos.
Plano de Fomento Mineiro 2014-2020
incluído no
Compromisso para o Crescimento
Verde
http://www.crescimentoverde.gov.pt/pagina-inicial/missao-e-objetivos/
Portugal é um país com inúmeras potencialidades
insuficientemente exploradas ou exploradas de forma não
sustentável … assiste-se a um significativo dinamismo no
setor, tendo sido atribuídos mais de 130 contratos de
prospeção e pesquisa e de concessão de exploração de
recursos minerais, hidrocarbonetos e hidrominerais.
Recentemente, facto que não ocorria há mais de 30 anos,
foi assinada a concessão de uma nova área mineira –
Semblana – adjacente a Neves Corvo.
O fomento mineiro, desde que devidamente articulado
com a preservação dos valores ambientais e patrimoniais,
representa uma oportunidade de crescimento, emprego e
coesão territorial, contribuindo para o combate ao
despovoamento do interior.
http://www.crescimentoverde.gov.pt/compromisso/areas-tematicas/industria/
Para as indústrias extrativas e transformadora, o
Compromisso para o Crescimento Verde aponta 9 iniciativas:
6. Desenvolvimento de uma ferramenta de dados
georeferenciados que permita … localizar os recursos
geológicos e as condicionantes ambientais e patrimoniais …;
7. Rever o modelo de licenciamento mineiro tornando
obrigatória a consulta … aos municípios e às entidades
competentes na área da preservação ambiental e
patrimonial, da gestão territorial e da conservação da
natureza;
8. Divulgar e internacionalizar o setor mineiro,
acompanhando de uma forma muito próxima os investidores
através de um Balcão Único Mineiro;
9. Desenvolver a indústria extrativa de hidrocarbonetos
assente nas melhores práticas de Health, Safety and
Environment.
http://www.crescimentoverde.gov.pt/compromisso/areas-tematicas/industria/
Recursos Minerais
Substâncias naturais formadas por
processos geológicos que, ocorrendo na
crusta terrestre com uma concentração
superior à média, podem ser
economicamente exploráveis.
Energéticos
Recursos minerais utilizados
para a produção de energia
elétrica, calorífica
Ex: petróleo, carvão, gás, urânio
Não Metálicos
Também designados por
minerais e rochas industriais,
constituem um grupo muito
diversificado, usados na
construção civil e em
processos industriais.
Rochas ornamentais
Ex: calcário, mármore, granito, …
Rochas e Minerais Industriais
Ex: areia, argila, quartzo, …
Metálicos
Recursos minerais
explorados para a obtenção
de um determinado
elemento metálico que faz
parte da sua constituição.
Ex: ouro, prata, cobre, alumínio,
ferro, …
Depósitos Minerais , o que são?
 Ocorrências minerais existentes em território nacional e
nos fundos marinhos da ZEE (Zona Económica Exclusiva)
que, pela sua raridade, alto valor específico ou importância
na aplicação em processos industriais das substâncias
nelas contidas, se apresentam com especial interesse para
a economia nacional.
Ex: substâncias radioativas, carvões, grafites, pirites,
fosfatos, amiantos, talco, caulino, quartzo, feldspato, pedras
preciosas e semipreciosas.
Corresponde a
uma resina
petrificada de
coníferas
mesozóicas e
cenozóicas
Pedra preciosa;
Fabrico de
objetos de arte;
Joias facetadas
Hidrotermal;
Sedimentar;
Metamórfica;
Ótica; Fabrico de
cimento;
Construção civil;
Metalurgia;
Vidraria; Material
de decoração;
Objetos de arte.
Secundária
(resultado da
alteração de
feldspatos e
outros minerais
silicatados ricos
em alumínio)
Cerâmica;
Papelaria;
Corantes;
Indústria da
borracha
Eletrotecnia;
Ligas metálicas
(cobre e zinco;
cobre e estanho;
cobre, zinco e
níquel)
Génese:
Magmática
Produção de
porcelana;
A variedade
transparente é
usada como
rocha
ornamental.
Génese:
Metamórfica;
Magmática;
Secundária
(produto de
alteração de
outros minerais)
Material de
isolamento;
Indústria elétrica;
Cerâmica; Vidros
resistentes a
altas
temperaturas
Génese:
Magmática;
Metamórfica;
Hidrotermal;
Sedimentar
Fabrico de ácido
sulfúrico; Fonte
de cobre,
cobalto, ouro,
selénio
Génese:
Magmática;
Pegmatítica;
Hidrotermal;
Metamórfica;
Sedimentar
(crostas de
alteração)
Cerâmica;
Vidraria;
Construção;
Metalurgia;
Eletrotecnia;
Ótica; Gemas
Génese
Magmática
Principal minério
de tungsténio;
Indústria
química;
Indústria
metalúrgica
Massas Minerais (Pedreiras)
 Recursos geológicos do domínio privado cujo
aproveitamento legal passa obrigatoriamente pela
obtenção prévia duma licença de exploração.
Ex: todos os tipos de rochas ornamentais, as rochas
industriais destinadas às indústrias da construção civil e
obras públicas, tais como calcários, granitos e rochas
similares, areias e seixos, e ainda outros recursos
destinados à indústria transformadora, tais como as
argilas vermelhas e as especiais, (exceto caulino), o
calcário para cal e cimento, o gesso, etc.
XISTO - ARDÓSIA
Rocha metamórfica
QUARTZITO
Rochas metamórficas
MÁRMORE cinzento de
grão médio a grosseiro,
com forte venado irregular
cinzento-escuro.
CALCÁRIO cristalino
escuro
Rochas Metamórficas
GRANITOS
ROCHAS
ÍGNEAS
ROCHAS
SEDIMENTARES
Calcários
Conglomerado
CALCÁRIO
Entrada para as minas de
ferro de Torre de Moncorvo
MTI investe 3,6 milhões nas
Minas de Moncorvo
A MTI – Ferro de Moncorvo,
SA, reuniu com a Câmara
de Torre de Moncorvo para
apresentar os projetos da
empresa para os próximos
quatro anos no que respeita
à exploração mineira
naquele concelho
transmontano
24 janeiro 2013
Mina de sal-gema de
Campina de Cima -
Loulé, Algarve
Pedaços de sal-gema
Dezenas de galerias, dois
poços verticais, ausência
de água de aquífero no
seu interior, temperaturas
que rondam sempre os
23/24º durante todo o
ano, e uma acústica
invejável, o interior das
minas faz acreditar em
vários cenários a explorar.
Escassez verificada nos stocks de sal no Norte do país
não está ligada à mina louletana.
O frio vivido a Norte tem reflexos positivos a Sul. «Este
ano, devemos superar os nossos objetivos em larga
medida, no target do sal para degelo, na ordem dos 30
por cento. Também temos boas previsões para 2011»,
revelou o diretor das minas de sal-gema de Loulé.
Sal-gema algarvio:
uma das armas
utilizadas para
combater os efeitos
do tempo frio em
Portugal e noutros
países europeus.
fotografia de Mário Martins
O desenvolvimento de uma mina … na região vai permitir
empregar mais de 1.000 pessoas (…) a decisão de investir
um montante tão elevado justifica-se com a procura deste
metal … a mina ficará enterrada na montanha e por cima,
nos terrenos, a Colt pretende dar continuidade à produção
de vinho, cerejas e azeite.
30 novembro 2011
A empresa canadiana
Colt já deu pôr
terminadas as
prospeções de
tungsténio - também
conhecido por
volfrâmio - em
Tabuaço.
 O Sistema Solar terá tido início numa enorme
explosão há milhares de milhões de anos – o Big-Bang.
 Desde então, o Sol continua a “queimar” o seu
combustível – hidrogénio e hélio – tal como um
verdadeiro reator de fissão nuclear.
 Pela força de atração solar mantiveram-se em órbita os
Planetas.
 Alguns destes, pelo seu volume:
 Impediram a saída de gases para o espaço levando
à formação de uma camada gasosa à sua volta
 Atraíram planetas secundários – luas, caso da Terra
com a sua Lua.
Após o Big-Bang, a TERRA, iniciou um processo de
arrefecimento à superfície que originou:
 As primeiras rochas – rochas MAGMÁTICAS
 A primeira ATMOSFERA (contínua atividade
vulcânica, libertação de gases e permanência destes
junto à superfície)
 Chuvas abundantes e persistentes
 As primeiras rochas SEDIMENTARES
 O grande oceano – PANTALASSA - que banhava
um único Continente – PANGEA
 Os primeiros enrugamentos de estratos
sedimentares – primeiras cadeias montanhosas
 Constantes movimentos telúricos, muitíssimos
lentos, fruto da deslocação das PLACAS
TECTÓNICAS.
Placas Tectónicas
Esquema adaptado por Fernanda Silva
E
S
T
R
U
T D
U A
R
A
T
I E
N R
T R
E A
R
N
AEsquema adaptado por Fernanda Silva
A formação geológica da Terra é um trabalho
incessante das forças …
 EROSIVAS que desgastam, transportam e acumulam
sedimentos
 TELÚRICAS que atuam de modo extremamente lento
no interior da CRUSTA terrestre dando origem a
 ENRUGAMENTOS quando os materiais são ainda
suficientemente PLÁSTICOS
 FRACTURAS e FALHAS quando os materiais são
duros e resistem à atuação das forças laterais
 SISMOS OU VULCÕES de atuação rápida
Movimentos naturais que influenciam a formação dos
diferentes tipos de rochas
CICLO DAS ROCHAS: uma evolução contínua
http://ciencias3c.cvg.com.pt/ciclo_das_rochas.htm
Os recursos
do subsolo
estão
relacionados
com a
composição
geológica do
território
(rochas e
minerais)
Mapa
geológico
Unidades geológicas
Evolução da estrutura e relevo da península
ibérica – traços gerais
 PALEOZÓICO – ocorrem movimentos na crusta terrestre
-– enrugamento Hercínico, de orientação NW-SE – que
estiveram na origem do MACIÇO ANTIGO, a parte
central do atual território peninsular, um escudo duro e
resistente constituído principalmente por rochas
cristalinas – granitos – e rochas metamórficas, tais como
xistos.
Era geológica - espaço de tempo de milhares de anos. Designação adotada pelos
geólogos para datarem e caraterizarem as diversas fases da história geológica da Terra
desde que teve origem há 4,5 milhares de milhões de anos.
Originalmente, consideravam-se cinco eras geológicas: Primitiva, Primário, Secundário,
Terciário e Quaternário. Atualmente, as designações são Précâmbrico, Paleozóico,
Mesozóico e Cenozóico. Cada era geológica compreende Períodos e, no caso do
Cenozóico, os períodos são o Terciário e o Quaternário (marcado pelo aparecimento do
Homem.
ERAS GEOLÓGICAS
http://jovenscientistas7.blogspot.pt/2013/12/as-eras-geologicas-da-terra.html
 MESOZÓICO – regista-se uma prolongada acalmia
orogénica que possibilita a atuação dos agentes erosivos,
com o desgaste do Maciço Antigo e a formação de um
extenso relevo aplanado - MESETA IBÉRICA. Nos mares à
volta do maciço antigo, a deposição dos sedimentos
origina os estratos que, mais tarde, surgirão do mar.
 CENOZÓICO – ocorrem intensos movimentos orogénicos
- enrugamento Alpino, de orientação E-W, NE-SW, ENE-
SSW,- responsáveis pelos Pirenéus, Montanhas Bascas,
Cordilheiras Catalã, Ibérica e Bética, em território
espanhol, e, em Portugal, pelas ORLAS MESO-
CENOZÓICAS, Ocidental e Meridional, com predomínio de
rochas sedimentares. A Meseta Ibérica, pela resistência
aos movimentos alpinos, sofre fraturas e falhas que dão
origem a relevos rejuvenescidos: Cordilheira Cantábrica,
Cordilheira Central, Montes de Toledo e Sª Morena.
 CENOZÓICO – após a turbulência do período
TERCIÁRIO, o período QUATERNÁRO está a ser marcado
pelos agentes erosivos que esculpem o relevo e são
responsáveis pela atual morfologia peninsular.
Resultado desta evolução:
 A rede hidrográfica peninsular é jovem (o movimento de
báscula para Oeste sofrido pela Meseta, aquando do
enrugamento alpino, obrigou os rios a escavar novos leitos
para desaguarem no seu novo nível de base, o Oceano
Atlântico).
 Os aluviões depositados nas depressões litorais
transportados pelos rios e pelo mar originam, assim, as
BACIAS SEDIMENTARES DO TEJO E DO SADO
constituídas essencialmente por areias.
Soco ibérico
Paleozóico Cenozóico - Terciário
Cenozóico - Quaternário
Evolução geológica da península ibérica
Unidades geomorfológicas da península ibérica – a “síntese” da
geologia com o trabalho erosivo
A leitura do mapa diz-nos que, o território peninsular é
marcado por:
 Relevo acidentado - altitude média de 600 metros
 Montanhas de fratura e falha (geologia paleozoica e morfologia terciária)
 Raras altas montanhas – nenhum dos cumes
ultrapassa os 3 500 metros
 Poucas planícies - localizadas perifericamente e de
pequena extensão (cenozoicas e quaternárias)
 Relevo que, em Portugal, diminui de altitude e desce
em degraus sucessivos para o mar, acompanhando os
vales dos rios que desaguam no Atlântico (geologia paleozoica e
morfologia terciária).
Pela sua antiguidade de formação, pela sua constituição
geológica e riqueza mineralógica, o Maciço Antigo é a parte
do território nacional mais rica e diversificada em termos
minerais e rochosos.
Relevo de Portugal
 A grande maioria das Serras do
Centro e Norte do País são
relevos jovens, embora
geologicamente pertençam ao
Maciço Antigo.
 A Sª da Estrela, a parte mais
ocidental da Cordilheira Central,
separa a Meseta setentrional, de
montanhas e planaltos elevados,
da Meseta meridional, de relevo
aplanado – PENEPLANÍCIE –
como é o caso do Alentejo.
 Montejunto, Maciço Calcário
Estremenho e Arrábida são serras
localizadas na Orla ocidental.
Esquematização de falhas
geológicas
Sempre que as rochas são
constituídas por materiais de
grande dureza, pela sua
constituição mineralógica e idade
de formação, quando sujeitas à
atuação de forças laterais, não se
deixam enrugar mas acabam por
fraturar. Posteriormente, os blocos
fraturados podem deslizar,
originando, FALHAS.
Algo semelhante ocorreu com as
serras de Portugal localizadas no
Maciço Antigo.
Falha
normal
Mapa Geológico, principais recursos do subsolo e sua localização
“Indústria
extrativa” –
Expresso
Economia,
29 outubro
2011
Fatores que condicionam a exploração dos
recursos mineralógicos num qualquer território:
 Tecnologia disponível
 Facilidades de transporte
 Possibilidades financeiras
 Visão desenvolvimentista prevalecente no momento
 Carácter não renovável
 Impacte ecológico provocado pela extração
 Concorrência de outros locais com jazidas mais ricas
e/ou de maior facilidade de operação
Instabilidade das cotações nos mercados
internacionais,

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºse
mariajosantos
 
Os recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo ApresentaçãoOs recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo Apresentação
Victor Veiga
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Ilda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Raffaella Ergün
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
Rita Pontes
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
Raquel De Almeida
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
Raffaella Ergün
 
Geografia[1]
Geografia[1]Geografia[1]
Geografia[1]
Joana Silva
 
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoMassas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
elsaki72
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
Ilda Bicacro
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
Ana Delgado
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Domingos Oliveira
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
Idalina Leite
 
As grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptxAs grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptx
AnabelaMaia7
 
Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsolo
ana pinho
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
Hneves
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
manjosp
 
Estrutura da população activa
Estrutura da população activaEstrutura da população activa
Estrutura da população activa
Pedro Tomé
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
Ilda Bicacro
 
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
acbaptista
 

Mais procurados (20)

Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºse
 
Os recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo ApresentaçãoOs recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo Apresentação
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
 
Geografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - PopulaçãoGeografia A 10 ano - População
Geografia A 10 ano - População
 
Geografia[1]
Geografia[1]Geografia[1]
Geografia[1]
 
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitaçãoMassas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
Massas de ar; perturbação frontal; tipos de precipitação
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Resumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - GeografiaResumo matéria global - Geografia
Resumo matéria global - Geografia
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Agricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantesAgricultura: fatores condicionantes
Agricultura: fatores condicionantes
 
As grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptxAs grandes rotas do comércio externo.pptx
As grandes rotas do comércio externo.pptx
 
Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsolo
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
 
Estrutura da população activa
Estrutura da população activaEstrutura da população activa
Estrutura da população activa
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
1.1 - A população: evolução e diferenças regionais
 

Semelhante a 10º subsolo

Recursossubsolo
RecursossubsoloRecursossubsolo
Recursossubsolo
orla.esteves
 
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptxterr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
RitaMagalhaes16
 
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
TostaMalik1
 
Boletim estatistico industrias extrativas
Boletim estatistico industrias extrativasBoletim estatistico industrias extrativas
Boletim estatistico industrias extrativas
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Telmo369
 
3º resumo geografia 10º ano
3º resumo geografia 10º ano3º resumo geografia 10º ano
3º resumo geografia 10º ano
ritaamelo21
 
A geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGA geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MG
marciotecsoma
 
Areia industrial
Areia industrialAreia industrial
Areia industrial
cleidson fonseca
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Filipe Leal
 
Problemas subsolo 10º se
Problemas subsolo 10º seProblemas subsolo 10º se
Problemas subsolo 10º se
mariajosantos
 
Modulo 09 - A exploração dos recursos minerais
Modulo 09 - A exploração dos recursos mineraisModulo 09 - A exploração dos recursos minerais
Modulo 09 - A exploração dos recursos minerais
Claudio Henrique Ramos Sales
 
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
JoseAlmeida712446
 
Talco artigo
Talco artigoTalco artigo
Talco artigo
Rhennan Lima
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloOs problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Ilda Bicacro
 
Vale
ValeVale
Tes ava 2
Tes ava 2Tes ava 2
Tes ava 2
Ana Pinto
 
Ariana oliveira nº5 10º10 impactos resultantes de um recurso do subsolo
Ariana oliveira nº5 10º10  impactos resultantes de um recurso do subsoloAriana oliveira nº5 10º10  impactos resultantes de um recurso do subsolo
Ariana oliveira nº5 10º10 impactos resultantes de um recurso do subsolo
Ariana Oliveira
 
Minerais Metálicos e não metálicos (1) (1).pdf
Minerais Metálicos e não metálicos (1) (1).pdfMinerais Metálicos e não metálicos (1) (1).pdf
Minerais Metálicos e não metálicos (1) (1).pdf
AnaBeatriz125525
 
Correção teste4 jan
Correção teste4 janCorreção teste4 jan
Correção teste4 jan
manjosp
 
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxrecursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
RitaMagalhaes16
 

Semelhante a 10º subsolo (20)

Recursossubsolo
RecursossubsoloRecursossubsolo
Recursossubsolo
 
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptxterr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
terr10_divers_recurs_subs_port ALUNOS.pptx
 
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
 
Boletim estatistico industrias extrativas
Boletim estatistico industrias extrativasBoletim estatistico industrias extrativas
Boletim estatistico industrias extrativas
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
3º resumo geografia 10º ano
3º resumo geografia 10º ano3º resumo geografia 10º ano
3º resumo geografia 10º ano
 
A geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MGA geologia de Paracatu - MG
A geologia de Paracatu - MG
 
Areia industrial
Areia industrialAreia industrial
Areia industrial
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Problemas subsolo 10º se
Problemas subsolo 10º seProblemas subsolo 10º se
Problemas subsolo 10º se
 
Modulo 09 - A exploração dos recursos minerais
Modulo 09 - A exploração dos recursos mineraisModulo 09 - A exploração dos recursos minerais
Modulo 09 - A exploração dos recursos minerais
 
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
 
Talco artigo
Talco artigoTalco artigo
Talco artigo
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloOs problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
 
Vale
ValeVale
Vale
 
Tes ava 2
Tes ava 2Tes ava 2
Tes ava 2
 
Ariana oliveira nº5 10º10 impactos resultantes de um recurso do subsolo
Ariana oliveira nº5 10º10  impactos resultantes de um recurso do subsoloAriana oliveira nº5 10º10  impactos resultantes de um recurso do subsolo
Ariana oliveira nº5 10º10 impactos resultantes de um recurso do subsolo
 
Minerais Metálicos e não metálicos (1) (1).pdf
Minerais Metálicos e não metálicos (1) (1).pdfMinerais Metálicos e não metálicos (1) (1).pdf
Minerais Metálicos e não metálicos (1) (1).pdf
 
Correção teste4 jan
Correção teste4 janCorreção teste4 jan
Correção teste4 jan
 
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxrecursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
 

Mais de Idalina Leite

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
Idalina Leite
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
Idalina Leite
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Idalina Leite
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
Idalina Leite
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
Idalina Leite
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
Idalina Leite
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Idalina Leite
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
Idalina Leite
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Idalina Leite
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Idalina Leite
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
Idalina Leite
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
Idalina Leite
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
Idalina Leite
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
Idalina Leite
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
Idalina Leite
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
Idalina Leite
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Idalina Leite
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Idalina Leite
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Idalina Leite
 

Mais de Idalina Leite (20)

A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
A importância crescente da economia do mar (Blue Growth) 2030
 
O Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em DadosO Nosso Mundo em Dados
O Nosso Mundo em Dados
 
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e LisboaMobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
Mobilidade nas Áreas Metropolitanas do Porto e Lisboa
 
Cidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbanoCidades/Espaço urbano
Cidades/Espaço urbano
 
GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4GEO-IMAGENS 4
GEO-IMAGENS 4
 
Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal. Evolução da agricultura em Portugal.
Evolução da agricultura em Portugal.
 
Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020Cidades Sustentáveis 2020
Cidades Sustentáveis 2020
 
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continentalSebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
Sebenta de Geo A_ Evolução do litoral continental
 
A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017A União Europeia de 1986 a 2017
A União Europeia de 1986 a 2017
 
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
Sebenta Geo A _ Recursos do subsolo (capítulo atualizado)
 
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11ºGeografia A_Mapa conceptual 10º/11º
Geografia A_Mapa conceptual 10º/11º
 
"Água é a vida"
"Água é a vida""Água é a vida"
"Água é a vida"
 
POPULAÇÃO
POPULAÇÃOPOPULAÇÃO
POPULAÇÃO
 
Smart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentesSmart Cities/Cidades inteligentes
Smart Cities/Cidades inteligentes
 
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)As pessoas 2016 8retratos demográficos)
As pessoas 2016 8retratos demográficos)
 
GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3GEO-IMAGENS_3
GEO-IMAGENS_3
 
Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016Explorações agrícolas 2016
Explorações agrícolas 2016
 
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
Retrato Territorial de Portugal (Ano de Edição 2017)
 
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
Estimativas de População Residente em Portugal, 2016
 
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010                    ...
Ocupação/uso do solo em Portugal Continental, 1995-2010 ...
 

Último

atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
AntonioVieira539017
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 

Último (20)

atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptxQUIZ - HISTÓRIA  9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
QUIZ - HISTÓRIA 9º ANO - PRIMEIRA REPÚBLICA_ERA VARGAS.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 

10º subsolo

  • 1.
  • 3. O REGRESSO ÀS MINAS  Desde a década de 60 que o setor mineiro não conhecia tanta agitação como agora…  Minas de cobre em Neves Corvo, no Alentejo (capitais canadianos) – investimento de130 milhões de euros  Mina de ouro perto de Montemor, a céu aberto (pois foram recolhidas amostras de ouro a 10 metros de profundidade, também, capitais canadianos) – investimento de 50 milhões de euros “1 000 maiores”, Edição 2012, Expresso, (adaptado)
  • 4. O regresso às minas contribuirá para …  Reindustrializar o País.  Criar milhares de postos de trabalho  Contribuir para o aumento das exportações.  Aumentar as receitas fiscais.  Ajudar a atenuar algumas assimetrias entre o Interior e o Litoral.  As explorações mineiras são projetos com duração superior a 20 anos.  Surgem, regra geral, em áreas do Interior do País.  Trata-se de um setor dinâmico a curto, a médio e longo prazo. Dado que …
  • 5. Exportações de minérios metálicos aumentam 17% em 2011 (face a 2010)  Minérios metálicos não ferrosos:  Aumento de 17,82%  Minérios metálicos:  Aumento de 48,23% no estanho  Aumento de 26% no cobre  Aumento de 14,28% no zinco valores que revelam o potencial geológico de Portugal no contexto mundial  Principais países de destino destes minérios: Suécia, Alemanha, Finlândia, Espanha e Brasil.
  • 6. Portugal pode retomar produção de ouro em 2016 A valorização do ouro tem atraído a Portugal investidores interessados em tentar extrair o metal de minas que foram há muito abandonadas «Estamos a retomar um sector que acabou nos anos 90. Desde então, houve um período em que a produção de ouro [em Portugal] adormeceu», … a subida do preço do ouro - as cotações duplicaram nos últimos três anos e quintuplicaram desde 1999 - foi o principal fator para o interesse de várias empresas internacionais. 21 de Abril, 2012 http://sol.sapo.pt/pesquisa/default.aspx?search=exploração mineira&domain=pt
  • 7. “Um setor que representa mais de mil milhões de euros”– Associação Nacional da Indústria Extrativa e Transformadora, em País Positivo (entrevistas a vários intervenientes)  Há três subsetores: o das rochas industriais, o das rochas ornamentais e as minas.  O subsetor das rochas industriais tem sido influenciado pela crise na construção civil e obras públicas.  O subsetor das rochas ornamentais tem uma enorme importância nas exportações do país (cerca de 1,5%), um dos 10 principais produtores de rochas ornamentais do mundo.  O subsetor mineiro, com mais de 400 milhões de euros de exportações no ano de 2013, mantém, apenas, em atividade as 3 grandes minas: Aljustrel, Neves-Corvo e Panasqueira
  • 8. “Um setor que representa mais de mil milhões de euros”(continuação).  Tem-se verificado um aumento dos níveis de produção nas minas em atividade  Houve um acréscimo significativo das concessões de prospeção e pesquisa nos últimos anos  Contudo a evolução do setor continua a estar sujeita à procura do mercado internacional  Atualmente o contexto europeu é favorável à indústria mineira  Portugal tem recursos geológicos, mão de obra qualificada e boas infra-estruturas e grandes possibilidades de aumentar o peso deste setor na economia nacional
  • 9. “Um setor que representa mais de mil milhões de euros”(continuação).  As minas de Aljustrel, Neves-Corvo e Panasqueira, de minerais metálicos, exportam a totalidade da sua produção  Em julho de 2014, prova do reconhecimento da importância do setor, o Governo anunciou o Plano de Fomento Mineiro 2014-2020 e o projeto da nova Lei de Bases dos Recursos Geológicos. Plano de Fomento Mineiro 2014-2020 incluído no Compromisso para o Crescimento Verde
  • 11. Portugal é um país com inúmeras potencialidades insuficientemente exploradas ou exploradas de forma não sustentável … assiste-se a um significativo dinamismo no setor, tendo sido atribuídos mais de 130 contratos de prospeção e pesquisa e de concessão de exploração de recursos minerais, hidrocarbonetos e hidrominerais. Recentemente, facto que não ocorria há mais de 30 anos, foi assinada a concessão de uma nova área mineira – Semblana – adjacente a Neves Corvo. O fomento mineiro, desde que devidamente articulado com a preservação dos valores ambientais e patrimoniais, representa uma oportunidade de crescimento, emprego e coesão territorial, contribuindo para o combate ao despovoamento do interior. http://www.crescimentoverde.gov.pt/compromisso/areas-tematicas/industria/
  • 12. Para as indústrias extrativas e transformadora, o Compromisso para o Crescimento Verde aponta 9 iniciativas: 6. Desenvolvimento de uma ferramenta de dados georeferenciados que permita … localizar os recursos geológicos e as condicionantes ambientais e patrimoniais …; 7. Rever o modelo de licenciamento mineiro tornando obrigatória a consulta … aos municípios e às entidades competentes na área da preservação ambiental e patrimonial, da gestão territorial e da conservação da natureza; 8. Divulgar e internacionalizar o setor mineiro, acompanhando de uma forma muito próxima os investidores através de um Balcão Único Mineiro; 9. Desenvolver a indústria extrativa de hidrocarbonetos assente nas melhores práticas de Health, Safety and Environment. http://www.crescimentoverde.gov.pt/compromisso/areas-tematicas/industria/
  • 13.
  • 14. Recursos Minerais Substâncias naturais formadas por processos geológicos que, ocorrendo na crusta terrestre com uma concentração superior à média, podem ser economicamente exploráveis. Energéticos Recursos minerais utilizados para a produção de energia elétrica, calorífica Ex: petróleo, carvão, gás, urânio Não Metálicos Também designados por minerais e rochas industriais, constituem um grupo muito diversificado, usados na construção civil e em processos industriais. Rochas ornamentais Ex: calcário, mármore, granito, … Rochas e Minerais Industriais Ex: areia, argila, quartzo, … Metálicos Recursos minerais explorados para a obtenção de um determinado elemento metálico que faz parte da sua constituição. Ex: ouro, prata, cobre, alumínio, ferro, …
  • 15. Depósitos Minerais , o que são?  Ocorrências minerais existentes em território nacional e nos fundos marinhos da ZEE (Zona Económica Exclusiva) que, pela sua raridade, alto valor específico ou importância na aplicação em processos industriais das substâncias nelas contidas, se apresentam com especial interesse para a economia nacional. Ex: substâncias radioativas, carvões, grafites, pirites, fosfatos, amiantos, talco, caulino, quartzo, feldspato, pedras preciosas e semipreciosas.
  • 16. Corresponde a uma resina petrificada de coníferas mesozóicas e cenozóicas Pedra preciosa; Fabrico de objetos de arte; Joias facetadas
  • 17. Hidrotermal; Sedimentar; Metamórfica; Ótica; Fabrico de cimento; Construção civil; Metalurgia; Vidraria; Material de decoração; Objetos de arte.
  • 18. Secundária (resultado da alteração de feldspatos e outros minerais silicatados ricos em alumínio) Cerâmica; Papelaria; Corantes; Indústria da borracha
  • 19. Eletrotecnia; Ligas metálicas (cobre e zinco; cobre e estanho; cobre, zinco e níquel)
  • 21. Génese: Metamórfica; Magmática; Secundária (produto de alteração de outros minerais) Material de isolamento; Indústria elétrica; Cerâmica; Vidros resistentes a altas temperaturas
  • 25. Massas Minerais (Pedreiras)  Recursos geológicos do domínio privado cujo aproveitamento legal passa obrigatoriamente pela obtenção prévia duma licença de exploração. Ex: todos os tipos de rochas ornamentais, as rochas industriais destinadas às indústrias da construção civil e obras públicas, tais como calcários, granitos e rochas similares, areias e seixos, e ainda outros recursos destinados à indústria transformadora, tais como as argilas vermelhas e as especiais, (exceto caulino), o calcário para cal e cimento, o gesso, etc.
  • 26. XISTO - ARDÓSIA Rocha metamórfica QUARTZITO Rochas metamórficas
  • 27. MÁRMORE cinzento de grão médio a grosseiro, com forte venado irregular cinzento-escuro. CALCÁRIO cristalino escuro Rochas Metamórficas
  • 30.
  • 31. Entrada para as minas de ferro de Torre de Moncorvo MTI investe 3,6 milhões nas Minas de Moncorvo A MTI – Ferro de Moncorvo, SA, reuniu com a Câmara de Torre de Moncorvo para apresentar os projetos da empresa para os próximos quatro anos no que respeita à exploração mineira naquele concelho transmontano 24 janeiro 2013
  • 32. Mina de sal-gema de Campina de Cima - Loulé, Algarve Pedaços de sal-gema Dezenas de galerias, dois poços verticais, ausência de água de aquífero no seu interior, temperaturas que rondam sempre os 23/24º durante todo o ano, e uma acústica invejável, o interior das minas faz acreditar em vários cenários a explorar.
  • 33. Escassez verificada nos stocks de sal no Norte do país não está ligada à mina louletana. O frio vivido a Norte tem reflexos positivos a Sul. «Este ano, devemos superar os nossos objetivos em larga medida, no target do sal para degelo, na ordem dos 30 por cento. Também temos boas previsões para 2011», revelou o diretor das minas de sal-gema de Loulé. Sal-gema algarvio: uma das armas utilizadas para combater os efeitos do tempo frio em Portugal e noutros países europeus. fotografia de Mário Martins
  • 34. O desenvolvimento de uma mina … na região vai permitir empregar mais de 1.000 pessoas (…) a decisão de investir um montante tão elevado justifica-se com a procura deste metal … a mina ficará enterrada na montanha e por cima, nos terrenos, a Colt pretende dar continuidade à produção de vinho, cerejas e azeite. 30 novembro 2011 A empresa canadiana Colt já deu pôr terminadas as prospeções de tungsténio - também conhecido por volfrâmio - em Tabuaço.
  • 35.
  • 36.
  • 37.  O Sistema Solar terá tido início numa enorme explosão há milhares de milhões de anos – o Big-Bang.  Desde então, o Sol continua a “queimar” o seu combustível – hidrogénio e hélio – tal como um verdadeiro reator de fissão nuclear.  Pela força de atração solar mantiveram-se em órbita os Planetas.  Alguns destes, pelo seu volume:  Impediram a saída de gases para o espaço levando à formação de uma camada gasosa à sua volta  Atraíram planetas secundários – luas, caso da Terra com a sua Lua.
  • 38. Após o Big-Bang, a TERRA, iniciou um processo de arrefecimento à superfície que originou:  As primeiras rochas – rochas MAGMÁTICAS  A primeira ATMOSFERA (contínua atividade vulcânica, libertação de gases e permanência destes junto à superfície)  Chuvas abundantes e persistentes  As primeiras rochas SEDIMENTARES  O grande oceano – PANTALASSA - que banhava um único Continente – PANGEA  Os primeiros enrugamentos de estratos sedimentares – primeiras cadeias montanhosas  Constantes movimentos telúricos, muitíssimos lentos, fruto da deslocação das PLACAS TECTÓNICAS.
  • 40. E S T R U T D U A R A T I E N R T R E A R N AEsquema adaptado por Fernanda Silva
  • 41. A formação geológica da Terra é um trabalho incessante das forças …  EROSIVAS que desgastam, transportam e acumulam sedimentos  TELÚRICAS que atuam de modo extremamente lento no interior da CRUSTA terrestre dando origem a  ENRUGAMENTOS quando os materiais são ainda suficientemente PLÁSTICOS  FRACTURAS e FALHAS quando os materiais são duros e resistem à atuação das forças laterais  SISMOS OU VULCÕES de atuação rápida Movimentos naturais que influenciam a formação dos diferentes tipos de rochas
  • 42. CICLO DAS ROCHAS: uma evolução contínua http://ciencias3c.cvg.com.pt/ciclo_das_rochas.htm
  • 43. Os recursos do subsolo estão relacionados com a composição geológica do território (rochas e minerais) Mapa geológico Unidades geológicas
  • 44. Evolução da estrutura e relevo da península ibérica – traços gerais  PALEOZÓICO – ocorrem movimentos na crusta terrestre -– enrugamento Hercínico, de orientação NW-SE – que estiveram na origem do MACIÇO ANTIGO, a parte central do atual território peninsular, um escudo duro e resistente constituído principalmente por rochas cristalinas – granitos – e rochas metamórficas, tais como xistos. Era geológica - espaço de tempo de milhares de anos. Designação adotada pelos geólogos para datarem e caraterizarem as diversas fases da história geológica da Terra desde que teve origem há 4,5 milhares de milhões de anos. Originalmente, consideravam-se cinco eras geológicas: Primitiva, Primário, Secundário, Terciário e Quaternário. Atualmente, as designações são Précâmbrico, Paleozóico, Mesozóico e Cenozóico. Cada era geológica compreende Períodos e, no caso do Cenozóico, os períodos são o Terciário e o Quaternário (marcado pelo aparecimento do Homem.
  • 46.  MESOZÓICO – regista-se uma prolongada acalmia orogénica que possibilita a atuação dos agentes erosivos, com o desgaste do Maciço Antigo e a formação de um extenso relevo aplanado - MESETA IBÉRICA. Nos mares à volta do maciço antigo, a deposição dos sedimentos origina os estratos que, mais tarde, surgirão do mar.  CENOZÓICO – ocorrem intensos movimentos orogénicos - enrugamento Alpino, de orientação E-W, NE-SW, ENE- SSW,- responsáveis pelos Pirenéus, Montanhas Bascas, Cordilheiras Catalã, Ibérica e Bética, em território espanhol, e, em Portugal, pelas ORLAS MESO- CENOZÓICAS, Ocidental e Meridional, com predomínio de rochas sedimentares. A Meseta Ibérica, pela resistência aos movimentos alpinos, sofre fraturas e falhas que dão origem a relevos rejuvenescidos: Cordilheira Cantábrica, Cordilheira Central, Montes de Toledo e Sª Morena.
  • 47.  CENOZÓICO – após a turbulência do período TERCIÁRIO, o período QUATERNÁRO está a ser marcado pelos agentes erosivos que esculpem o relevo e são responsáveis pela atual morfologia peninsular. Resultado desta evolução:  A rede hidrográfica peninsular é jovem (o movimento de báscula para Oeste sofrido pela Meseta, aquando do enrugamento alpino, obrigou os rios a escavar novos leitos para desaguarem no seu novo nível de base, o Oceano Atlântico).  Os aluviões depositados nas depressões litorais transportados pelos rios e pelo mar originam, assim, as BACIAS SEDIMENTARES DO TEJO E DO SADO constituídas essencialmente por areias.
  • 48. Soco ibérico Paleozóico Cenozóico - Terciário Cenozóico - Quaternário Evolução geológica da península ibérica
  • 49. Unidades geomorfológicas da península ibérica – a “síntese” da geologia com o trabalho erosivo
  • 50. A leitura do mapa diz-nos que, o território peninsular é marcado por:  Relevo acidentado - altitude média de 600 metros  Montanhas de fratura e falha (geologia paleozoica e morfologia terciária)  Raras altas montanhas – nenhum dos cumes ultrapassa os 3 500 metros  Poucas planícies - localizadas perifericamente e de pequena extensão (cenozoicas e quaternárias)  Relevo que, em Portugal, diminui de altitude e desce em degraus sucessivos para o mar, acompanhando os vales dos rios que desaguam no Atlântico (geologia paleozoica e morfologia terciária). Pela sua antiguidade de formação, pela sua constituição geológica e riqueza mineralógica, o Maciço Antigo é a parte do território nacional mais rica e diversificada em termos minerais e rochosos.
  • 51. Relevo de Portugal  A grande maioria das Serras do Centro e Norte do País são relevos jovens, embora geologicamente pertençam ao Maciço Antigo.  A Sª da Estrela, a parte mais ocidental da Cordilheira Central, separa a Meseta setentrional, de montanhas e planaltos elevados, da Meseta meridional, de relevo aplanado – PENEPLANÍCIE – como é o caso do Alentejo.  Montejunto, Maciço Calcário Estremenho e Arrábida são serras localizadas na Orla ocidental.
  • 52. Esquematização de falhas geológicas Sempre que as rochas são constituídas por materiais de grande dureza, pela sua constituição mineralógica e idade de formação, quando sujeitas à atuação de forças laterais, não se deixam enrugar mas acabam por fraturar. Posteriormente, os blocos fraturados podem deslizar, originando, FALHAS. Algo semelhante ocorreu com as serras de Portugal localizadas no Maciço Antigo. Falha normal
  • 53.
  • 54.
  • 55. Mapa Geológico, principais recursos do subsolo e sua localização
  • 56.
  • 58. Fatores que condicionam a exploração dos recursos mineralógicos num qualquer território:  Tecnologia disponível  Facilidades de transporte  Possibilidades financeiras  Visão desenvolvimentista prevalecente no momento  Carácter não renovável  Impacte ecológico provocado pela extração  Concorrência de outros locais com jazidas mais ricas e/ou de maior facilidade de operação Instabilidade das cotações nos mercados internacionais,