SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 43
OS RECURSOS MARINHOS
A. Quais são os recursos e potencialidades mais importantes?
B. Como se pode caracterizar a atividade piscatória em Portugal?
C. Como se pode fazer uma boa gestão do espaço marítimo?
D. Como se pode fazer a rendibilização sustentada do litoral e dos recursos?
E. Política Comum das Pescas.
2
A. QUAIS SÃO OS RECURSOS
E POTENCIALIDADES MAIS IMPORTANTES?
3
• Tem um papel fundamental na
economia de Portugal, dada a nossa
extensa costa marítima, pelo facto de
termos dois arquipélagos localizados no
Atlântico e pela nossa extensa Zona
Económica Exclusiva (ZEE).
• Tem uma forte componente social, pois
é um grande gerador de emprego.
A importância económica do mar
Desde sempre que o mar e os seus recursos têm sido fundamentais para o
Homem.
Contexto nacional:
4
1. Recursos piscícolas e outras atividades relacionadas.
Recursos marinhos mais importantes em Portugal
A importância económica do mar
• Apesar de estar há vários anos em forte
declínio, a pesca continua a ter um papel
importante na economia nacional.
• O pescado e os produtos marinhos são
constituintes importantes da dieta dos
portugueses, dos maiores consumidores de
peixe a nível mundial.
5
A importância económica do mar
• A extração de sal é, ainda hoje, uma atividade
económica importante para o País.
• As algas são aproveitadas sobretudo para a indústria
dos cosméticos, farmacêutica e bioquímica.
2. A extração e exploração de outros recursos, como o sal e as algas.
Recursos marinhos mais importantes em Portugal
6
• A costa portuguesa terá, eventualmente, grande
potencial de exploração de petróleo e gás,
sobretudo nas bacias sedimentares já identificadas:
• a bacia Lusitânica;
• a bacia de Peniche;
• a bacia do Alentejo;
• a bacia do Algarve.
A importância económica do mar
3. A prospeção de recursos energéticos não renováveis.
Recursos marinhos mais importantes em Portugal
No entanto, ainda são necessários alguns anos de prospeções e de estudos para
verificar a viabilidade desta exploração.
7
A importância económica do mar
Recursos marinhos mais importantes em Portugal
4. A exploração de recursos energéticos renováveis.
• A energia das ondas;
• A energia das marés;
• A energia eólica.
8
• Uma das atividades com maior peso no PIB português,
• Relevante, quer no peso das receitas, quer na chegada de
turistas.
A importância económica do mar
Recursos marinhos mais importantes em Portugal
5. O turismo balnear, relacionado com o mar e praias.
9
A linha de costa marca o contacto entre a terra e o mar, caracterizando-se pela sua
dinâmica. Os seus limites não são estáticos, movem-se em função:
• da maré;
• das condições dinâmicas do mar (variam entre o verão e o inverno);
• dos sedimentos erodidos ou que aí são depositados.
Os tipos de costa
10
A costa de arriba é a mais predominante.
É mais elevada e escarpada, resultado da
ação marinha sobre as rochas.
Os tipos de costa
A costa de praia é baixa e de menor extensão
no litoral português. Resulta da acumulação
de areias vindas dos rios e da erosão costeira,
depois transportadas ao longo da costa pela
corrente de deriva litoral.
Características da costa portuguesa
Portugal possui cerca de 1450 quilómetros de linha de costa. A maior parte da
sua população vive em concelhos do litoral.
11
• O predomínio da costa de arriba
justifica-se pela existência de mais
quilómetros de um litoral talhado em
rocha dura (calcários, granitos e xistos).
• Apesar disso, em Portugal há grandes
extensões de areia, sobretudo no
continente:
• a sul do Porto (Gaia, Espinho,
Aveiro);
• entre Coimbra e Peniche (Figueira
da Foz, Nazaré);
• entre Troia e Sines;
• em boa parte do litoral algarvio.
Os tipos de costa
Características da costa portuguesa
12
Portugal enfrenta um problema grave na linha de costa, em particular:
Pressão urbanística no litoral (Nazaré).
Os tipos de costa
Efeitos da ação humana
• a extração de areias para
construção (proibida por lei),
• a ocupação de dunas e arribas,
com elevada densidade de
construção.
A densidade de construção é
particularmente grave em áreas
de dunas e nas arribas talhadas
em rocha mais branda, que
recuam a maiores velocidades.
13
A ação erosiva do mar
A ação marinha atua na linha de costa e modela a sua forma e o seu contorno,
por meio de processos de erosão, transporte e acumulação.
É caracterizada por um fenómeno muito típico de erosão, normalmente
designado por erosão marinha ou abrasão marinha, que consiste na ação
mecânica das ondas, que talham as arribas e as plataformas rochosas de sopé.
14
RESULTADO DE EROSÃO
Plataforma de abrasão
Arriba fóssil
Arriba
Baías/enseadas
Cabo
RESULTADO DE ACUMULAÇÃO
Praia
Tômbolo
Cordão litoral/restinga
Laguna/ria/haff-delta
Formas de relevo litoral
15
A ação erosiva do mar
A construção nas dunas destrói o fraco equilíbrio entre a erosão e a deposição, o
que pode levar à destruição do cordão dunar e ao avanço do mar sobre regiões
densamente povoadas.
As dunas são a primeira barreira ao avanço do mar, em particular durante o
inverno.
Ação dos agentes erosivos e dos fenómenos de deposição sobre as costas de praia e dunas.
Efeitos da ação humana
16
No caso das arribas, o mar desgasta a base, formando pequenas reentrâncias
e cavernas. A parte superior da arriba perde o seu apoio e acaba por se
desmoronar, provocando igualmente o recuo da arriba.
Na base da arriba acumulam-se os blocos rochosos resultantes desse
desmoronamento e vai-se formando uma nova plataforma de abrasão
marinha.
Quando a arriba recua ao ponto de já não evoluir por processos ligados ao
mar designa-se por arriba morta. Quando, mais tarde, evolui por processos
continentais (erosão hídrica provocada pela água da chuva), designa-se por
arriba fóssil.
A ação erosiva do mar
Evolução de uma arriba.
17
Os fenómenos de erosão e deposição conferem à linha de costa portuguesa
uma determinada configuração e a existência de algumas formas típicas.
Os acidentes do litoral
• Erradamente designada, é uma área
lagunar onde se conjuga quer a
deposição de sedimentos trazidos pelo
rio Vouga, quer de sedimentos trazidos
pelo mar.
• Esta intensa deposição dá origem à
formação de um extenso cordão
arenoso, interrompido por um canal que
dá acesso ao porto de Aveiro.
«Ria» de Aveiro
18
A forma regular da linha de costa
portuguesa, sem grandes
reentrâncias nem saliências, não é
favorável à instalação de portos de
mar.
Portos de mar
Os portos necessitam de aproveitar as irregularidades da linha de costa para
usufruírem de algumas condições de abrigo, principalemente no litoral
ocidental e nas ilhas atlânticas.
19
• A plataforma portuguesa não é
demasiado pequena, sobretudo quando
comparada com outros países europeus.
• É aqui que se concentram 80 % de todas
as espécies piscícolas capturadas.
• A maior diversidade de espécies deve-se
à pouca profundidade das águas, que
favorece uma melhor penetração da
A plataforma continental
radiação solar e uma maior oxigenação das
águas, em virtude da sua maior agitação.
• As plataformas continentais são áreas próximas dos continentes, de onde
provêm grandes quantidades de alimento para os peixes.
20
• O limite inferior da plataforma continental encontra-se a cerca de 200 metros
de profundidade.
• A plataforma liga-se às planícies abissais por uma área de forte declive,
o talude continental.
A plataforma continental
21
As correntes também explicam a quantidade e diversidade de recursos
piscícolas no mar. Podem ser quentes e frias.
As correntes marítimas
As zonas de contacto entre correntes são
aquelas onde a diversidade é maior, devido
à grande agitação das águas. Isso provoca
uma maior oxigenação (que conduz a
maiores variedades de plâncton), mas
também uma grande variabilidade da
temperatura e salinidade.
Nas áreas onde há fenómenos de upwelling, a riqueza de espécies é maior.
22
As correntes marítimas
Nas áreas onde há fenómenos de upwelling, a riqueza de espécies é maior.
Os ventos fortes característicos
dos meses de verão (nortadas),
que sopram junto ao litoral,
afastam as águas superficiais
para o largo.
O upwelling é uma corrente de
compensação que se desloca na
vertical e traz à superfície as
águas profundas (frias e ricas em
nutrientes), atraindo uma
grande abundância de espécies
como a sardinha e o carapau, o
que favorece a atividade piscatória.
B. COMO SE PODE CARACTERIZAR A
ATIVIDADE PISCATÓRIA EM PORTUGAL?
24
25
Portugal é a entrada atlântica para a Europa. Está bem no centro das principais
rotas marítimas entre:
• a Europa e a África;
• a Europa e o Mediterrâneo (com ligação ao Médio Oriente);
• a Europa e a América.
Os portos de mar
Os nossos portos marítimos
assumem uma importância
estratégica de grande valor
comercial, económico e social,
embora haja um grande
número de problemas que
impedem que o País usufrua
destas condições
verdadeiramente únicas a
nível europeu e mesmo
global.
26
Principais rotas marítimas.
As atividades principais dos portos portugueses são:
• comércio de mercadorias e passageiros;
• navegação de recreio e turismo;
• construção e reparação naval;
• pesca (empresarial e desportiva).
Os portos portugueses são um entrave ao desenvolvimento das pescas,
porque em Portugal há:
• infraestruturas portuárias mal equipadas e de pequena dimensão;
• lotas antiquadas e com poucas condições de higiene;
• problemas nas instalações de redes de conservação e refrigeração,
gruas de descarga e pouca informatização do setor.
Características dos portos portugueses
27
Existem 157 portos no total, entre o continente e as ilhas, com um volume
relativamente reduzido de descargas em termos de pescado, quer em volume,
quer no rendimento.
Características dos portos portugueses
28
Descargas de pescado fresco e refrigerado por porto e principais espécies, em toneladas e
em euros.
• Envelhecida, masculina e de reduzida formação profissional.
• Dominada por homens, sobretudo entre os 35 e os 54 anos.
• As poucas mulheres estão ligadas, sobretudo, a tarefas de terra ligadas à pesca,
em particular na indústria transformadora.
• A evolução do número de pescadores tem sido negativa.
A mão de obra pesqueira
29
Pessoal empregado na pesca (A) e na respetiva atividade transformadora (B).
A maioria dos pescadores ainda só tem o
1.º ciclo do ensino básico e ainda se
regista uma taxa de 8,2 % de analfabetos.
A mão de obra pesqueira
Para inverter as circunstâncias,
foram criados, por todo o País,
centros de formação do Forpescas,
apoiados pelo Fundo Social
Europeu (FSE). Mesmo assim, a
adesão dos pescadores tem sido
baixa.
30
Nível de escolaridade dos pescadores
portugueses, em 2011.
Número de cursos do For-mar e respetivos alunos inscritos.
C. COMO SE PODE FAZER UMA BOA GESTÃO
DO ESPAÇO MARÍTIMO?
31
Sempre se considerou que o mar tinha uma capacidade infinita de receber lixo e
resíduos, mas hoje, já se percebeu que não é assim.
A poluição do mar
As atividades humanas produzem
enormes quantidades de lixo e
resíduos.
As marés negras e a poluição gerada
pela limpeza de petroleiros afetam
áreas costeiras que são, normalmente,
densamente povoadas.
32
A centralidade de Portugal
relativamente às principais rotas
marítimas coloca a nossa costa sob
um grande risco. A costa
portuguesa é rota de passagem
obrigatória de grande parte do
tráfego marítimo.
A poluição do mar
33
Tráfego marítimo na ZEE portuguesa.
Este é um dos problemas que mais têm afligido os pescadores portugueses, pois é
um dos principais motivos da imposição de quotas de pesca. A frota pesqueira
portuguesa foi uma das mais afetadas na Europa.
No entanto, este é um problema global, pois 70 % das reservas mundiais já estão a
ser capturadas nos limites ou para além dos limites minimamente sustentáveis.
A sobre-exploração dos recursos
34
Portugal tem a maior Zona Económica Exclusiva. A sua vigilância é importante
para prevenir ou punir infrações feitas por navios portugueses e estrangeiros.
Objetivos
da
fiscalização
Controlar a
captura de
espécies não
permitidas Diminuir a
poluição
marítima.
Garantir o
respeito
pelas quotas
de pesca
Evitar o
aumento do
tráfego
clandestino
(drogas,
armamento)
Prevenir o
esgotamento
de recursos
Controlar o
transporte
de
substâncias
proibidas
Controlar a
descarga de
poluentes
A fiscalização das águas nacionais e da ZEE
35
Embora contribua para o PIB nacional, o turismo balnear coloca as áreas costeiras
sob grande pressão e tem impactos ambientais graves, nomeadamente:
• A construção sobre as arribas e as dunas;
• A destruição das dunas;
• A sobre-exploração dos aquíferos;
• O aumento na produção de resíduos e
efluentes urbanos;
• A redução da biodiversidade;
• A destruição da fauna e da flora.
A pressão das áreas costeiras
36
D. COMO SE PODE FAZER A RENDIBILIZAÇÃO
SUSTENTADA DO LITORAL E DOS RECURSOS?
37
O mar está habitualmente associado à
atividade piscatória, mas os recursos
económicos do mar são bastante mais
amplos:
• Aquicultura;
• Indústria conserveira;
• Extração de algas;
• Produção de sal;
• Exploração petrolífera;
• Turismo;
• Energias renováveis.
Atividades económicas
38
Para organizar a costa portuguesa foram criados os
Planos de Ordenamento da Orla Costeira (POOC).
Objetivos dos POOC
Ordenamento da orla costeira
Ordenar os
diferentes usos e
atividades
específicas da orla
costeira.
Classificar as praias e
regulamentar o uso
balnear.
Valorizar e
qualificar as praias
consideradas
estratégicas por
motivos
ambientais e
turísticos.
Enquadrar o
desenvolvimento das
atividades específicas
da orla costeira.
39
Os POOC têm, ainda, como ações prioritárias:
1
• Identificar áreas de risco;
2
• Estabelecer as regras para a utilização da orla costeira;
3
• Requalificar as praias e recuperar os sistemas dunares;
4
• Estabilizar as arribas e fazer a alimentação artificial de praias;
5
• Demolir e remover as estruturas localizadas em áreas de risco;
6
• Manutenção e construção de obras de engenharia para a
proteção do litoral.
40
E. POLÍTICA COMUM DAS PESCAS
41
A Política Comum das Pescas (PCP) foi criada em 1970 e veio estabelecer que
os pescadores da União Europeia (UE), independentemente do país a que
pertencem, deveriam ter acesso às águas dos demais estados-membros.
Reformulada em 2002, a PCP tem por objetivo assegurar o futuro da pesca,
de acordo com o seu compromisso para garantir pesca e aquacultura
responsáveis.
Política Comum das Pescas
42
PCPEstabelecer regras para
garantir a sustentabilidade da
pesca europeia e evitar danos
para o ambiente marinho.
Dotar as autoridades
nacionais das
ferramentas necessárias
para aplicar regras e punir
os infratores.
Monitorizar o tamanho da
frota pesqueira europeia e
prevenir o seu
crescimento.
Dar apoio técnico e
financeiro a iniciativas que
contribuam para a
sustentabilidade do setor.
Negociar em nome dos países da
UE nas organizações
internacionais da pesca e com
outros países, em todo mundo.
Ajudar os setores da produção, da
transformação e da distribuição a obter um
preço justo para os seus produtos e
garantir aos consumidores que podem ter
confiança nos produtos de pesca que
consomem.
Apoiar o desenvolvimento
de um setor da aquicultura
dinâmico na UE (criação de
peixe, crustáceos, moluscos
e algas).
Financiar a investigação científica
e a recolha de dados científicos, a
fim de proporcionar uma base
sólida para a tomada de decisões
e para a elaboração de políticas.
Áreas de intervenção da Política Comum das Pescas
43

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Teste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correçãoTeste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correção
Carlos Ferreira
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Raffaella Ergün
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoral
Tiago Lobao
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
manjosp
 

Mais procurados (20)

Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1Paisagens agrarias 1
Paisagens agrarias 1
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
A Atividade Piscatória
A Atividade PiscatóriaA Atividade Piscatória
A Atividade Piscatória
 
Tipos de Pesca
Tipos de PescaTipos de Pesca
Tipos de Pesca
 
Resumos Globais 10º
Resumos Globais 10ºResumos Globais 10º
Resumos Globais 10º
 
Teste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correçãoTeste3 10ºano 10-11-correção
Teste3 10ºano 10-11-correção
 
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do SubsoloGeografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
Geografia A 10 ano - Recursos do Subsolo
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoral
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
 
Geografia11ºano
Geografia11ºanoGeografia11ºano
Geografia11ºano
 
Formas relevo litoral
Formas relevo litoralFormas relevo litoral
Formas relevo litoral
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)1 recursos do-subsolo (1)
1 recursos do-subsolo (1)
 

Semelhante a Recursos marítimos

Costa portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoCosta portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evolução
Idalina Leite
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoral
mariasilva3851
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoral
mariasilva3851
 

Semelhante a Recursos marítimos (20)

Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
Conguefu
ConguefuConguefu
Conguefu
 
Costa portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evoluçãoCosta portuguesa_características e evolução
Costa portuguesa_características e evolução
 
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
SituacoesmeteorologicastipicasdeportugalSituacoesmeteorologicastipicasdeportugal
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
 
6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção6 recursos marítimos correção
6 recursos marítimos correção
 
Costa portuguesa
Costa portuguesaCosta portuguesa
Costa portuguesa
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoral
 
Pp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoralPp potencialidades do litoral
Pp potencialidades do litoral
 
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJDiagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
Diagnóstico do bairro Ponta da Areia - Niterói/RJ
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
Ap carina e joanas
Ap carina e joanasAp carina e joanas
Ap carina e joanas
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...
Painel IV - A água e a energia: O mar numa plataforma de sustentabilidade - A...
 
Geografia 10ºC/BE
Geografia 10ºC/BEGeografia 10ºC/BE
Geografia 10ºC/BE
 
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral. Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
 
Recursos Marinhos
Recursos MarinhosRecursos Marinhos
Recursos Marinhos
 
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e maresIECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
IECJ - Cap. 13 - Oceanos e mares
 
Pesca
Pesca Pesca
Pesca
 
Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3 Geografia 10ºC/BE3
Geografia 10ºC/BE3
 
Pescas 2011
Pescas 2011Pescas 2011
Pescas 2011
 

Mais de manjosp

Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
manjosp
 
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.03.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
manjosp
 
Tutorial issuu
Tutorial issuuTutorial issuu
Tutorial issuu
manjosp
 
Manual prezi-aluno
Manual prezi-alunoManual prezi-aluno
Manual prezi-aluno
manjosp
 
Manualcalameo
ManualcalameoManualcalameo
Manualcalameo
manjosp
 
Conteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessaoConteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessao
manjosp
 
Manual web20 professores
Manual web20 professoresManual web20 professores
Manual web20 professores
manjosp
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
manjosp
 
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixõesBrochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
manjosp
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
manjosp
 
Tormes porto 10_11_maio
Tormes porto 10_11_maioTormes porto 10_11_maio
Tormes porto 10_11_maio
manjosp
 
Trabalho de grupo cidades
Trabalho de grupo cidadesTrabalho de grupo cidades
Trabalho de grupo cidades
manjosp
 
Teste5 fev
Teste5 fevTeste5 fev
Teste5 fev
manjosp
 
Correção teste5 fev
Correção teste5 fevCorreção teste5 fev
Correção teste5 fev
manjosp
 
Cidades sustentabilidade urbana
Cidades sustentabilidade urbanaCidades sustentabilidade urbana
Cidades sustentabilidade urbana
manjosp
 
Correção teste4 jan
Correção teste4 janCorreção teste4 jan
Correção teste4 jan
manjosp
 
Teste4 jan
Teste4 janTeste4 jan
Teste4 jan
manjosp
 
As áreas urbanas
As áreas urbanasAs áreas urbanas
As áreas urbanas
manjosp
 
Ficha 16
Ficha 16Ficha 16
Ficha 16
manjosp
 
Ficha 15
Ficha 15Ficha 15
Ficha 15
manjosp
 

Mais de manjosp (20)

Recursos hídricos2
Recursos hídricos2Recursos hídricos2
Recursos hídricos2
 
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.03.a sessao -_ferramentas_web_2.0
3.a sessao -_ferramentas_web_2.0
 
Tutorial issuu
Tutorial issuuTutorial issuu
Tutorial issuu
 
Manual prezi-aluno
Manual prezi-alunoManual prezi-aluno
Manual prezi-aluno
 
Manualcalameo
ManualcalameoManualcalameo
Manualcalameo
 
Conteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessaoConteudos 2.a sessao
Conteudos 2.a sessao
 
Manual web20 professores
Manual web20 professoresManual web20 professores
Manual web20 professores
 
Problemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursosProblemas na exploração dos recursos
Problemas na exploração dos recursos
 
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixõesBrochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
Brochura visita de estudo tormes ancede_porto_porto de leixões
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Tormes porto 10_11_maio
Tormes porto 10_11_maioTormes porto 10_11_maio
Tormes porto 10_11_maio
 
Trabalho de grupo cidades
Trabalho de grupo cidadesTrabalho de grupo cidades
Trabalho de grupo cidades
 
Teste5 fev
Teste5 fevTeste5 fev
Teste5 fev
 
Correção teste5 fev
Correção teste5 fevCorreção teste5 fev
Correção teste5 fev
 
Cidades sustentabilidade urbana
Cidades sustentabilidade urbanaCidades sustentabilidade urbana
Cidades sustentabilidade urbana
 
Correção teste4 jan
Correção teste4 janCorreção teste4 jan
Correção teste4 jan
 
Teste4 jan
Teste4 janTeste4 jan
Teste4 jan
 
As áreas urbanas
As áreas urbanasAs áreas urbanas
As áreas urbanas
 
Ficha 16
Ficha 16Ficha 16
Ficha 16
 
Ficha 15
Ficha 15Ficha 15
Ficha 15
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
sfwsoficial
 

Último (20)

ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de.    Maio laranja dds.pptxCampanha 18 de.    Maio laranja dds.pptx
Campanha 18 de. Maio laranja dds.pptx
 
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf HitlerAlemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
Alemanha vs União Soviética - Livro de Adolf Hitler
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
Slides Lição 8, Central Gospel, Os 144 Mil Que Não Se Curvarão Ao Anticristo....
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptxSlide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
Slide Licao 4 - 2T - 2024 - CPAD ADULTOS - Retangular.pptx
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
Slides Lição 8, Betel, Ordenança para confessar os pecados e perdoar as ofens...
 
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptxSismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
Sismologia_7ºano_causas e consequencias.pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHASMARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
MARCHA HUMANA. UM ESTUDO SOBRE AS MARCHAS
 

Recursos marítimos

  • 2. A. Quais são os recursos e potencialidades mais importantes? B. Como se pode caracterizar a atividade piscatória em Portugal? C. Como se pode fazer uma boa gestão do espaço marítimo? D. Como se pode fazer a rendibilização sustentada do litoral e dos recursos? E. Política Comum das Pescas. 2
  • 3. A. QUAIS SÃO OS RECURSOS E POTENCIALIDADES MAIS IMPORTANTES? 3
  • 4. • Tem um papel fundamental na economia de Portugal, dada a nossa extensa costa marítima, pelo facto de termos dois arquipélagos localizados no Atlântico e pela nossa extensa Zona Económica Exclusiva (ZEE). • Tem uma forte componente social, pois é um grande gerador de emprego. A importância económica do mar Desde sempre que o mar e os seus recursos têm sido fundamentais para o Homem. Contexto nacional: 4
  • 5. 1. Recursos piscícolas e outras atividades relacionadas. Recursos marinhos mais importantes em Portugal A importância económica do mar • Apesar de estar há vários anos em forte declínio, a pesca continua a ter um papel importante na economia nacional. • O pescado e os produtos marinhos são constituintes importantes da dieta dos portugueses, dos maiores consumidores de peixe a nível mundial. 5
  • 6. A importância económica do mar • A extração de sal é, ainda hoje, uma atividade económica importante para o País. • As algas são aproveitadas sobretudo para a indústria dos cosméticos, farmacêutica e bioquímica. 2. A extração e exploração de outros recursos, como o sal e as algas. Recursos marinhos mais importantes em Portugal 6
  • 7. • A costa portuguesa terá, eventualmente, grande potencial de exploração de petróleo e gás, sobretudo nas bacias sedimentares já identificadas: • a bacia Lusitânica; • a bacia de Peniche; • a bacia do Alentejo; • a bacia do Algarve. A importância económica do mar 3. A prospeção de recursos energéticos não renováveis. Recursos marinhos mais importantes em Portugal No entanto, ainda são necessários alguns anos de prospeções e de estudos para verificar a viabilidade desta exploração. 7
  • 8. A importância económica do mar Recursos marinhos mais importantes em Portugal 4. A exploração de recursos energéticos renováveis. • A energia das ondas; • A energia das marés; • A energia eólica. 8
  • 9. • Uma das atividades com maior peso no PIB português, • Relevante, quer no peso das receitas, quer na chegada de turistas. A importância económica do mar Recursos marinhos mais importantes em Portugal 5. O turismo balnear, relacionado com o mar e praias. 9
  • 10. A linha de costa marca o contacto entre a terra e o mar, caracterizando-se pela sua dinâmica. Os seus limites não são estáticos, movem-se em função: • da maré; • das condições dinâmicas do mar (variam entre o verão e o inverno); • dos sedimentos erodidos ou que aí são depositados. Os tipos de costa 10
  • 11. A costa de arriba é a mais predominante. É mais elevada e escarpada, resultado da ação marinha sobre as rochas. Os tipos de costa A costa de praia é baixa e de menor extensão no litoral português. Resulta da acumulação de areias vindas dos rios e da erosão costeira, depois transportadas ao longo da costa pela corrente de deriva litoral. Características da costa portuguesa Portugal possui cerca de 1450 quilómetros de linha de costa. A maior parte da sua população vive em concelhos do litoral. 11
  • 12. • O predomínio da costa de arriba justifica-se pela existência de mais quilómetros de um litoral talhado em rocha dura (calcários, granitos e xistos). • Apesar disso, em Portugal há grandes extensões de areia, sobretudo no continente: • a sul do Porto (Gaia, Espinho, Aveiro); • entre Coimbra e Peniche (Figueira da Foz, Nazaré); • entre Troia e Sines; • em boa parte do litoral algarvio. Os tipos de costa Características da costa portuguesa 12
  • 13. Portugal enfrenta um problema grave na linha de costa, em particular: Pressão urbanística no litoral (Nazaré). Os tipos de costa Efeitos da ação humana • a extração de areias para construção (proibida por lei), • a ocupação de dunas e arribas, com elevada densidade de construção. A densidade de construção é particularmente grave em áreas de dunas e nas arribas talhadas em rocha mais branda, que recuam a maiores velocidades. 13
  • 14. A ação erosiva do mar A ação marinha atua na linha de costa e modela a sua forma e o seu contorno, por meio de processos de erosão, transporte e acumulação. É caracterizada por um fenómeno muito típico de erosão, normalmente designado por erosão marinha ou abrasão marinha, que consiste na ação mecânica das ondas, que talham as arribas e as plataformas rochosas de sopé. 14
  • 15. RESULTADO DE EROSÃO Plataforma de abrasão Arriba fóssil Arriba Baías/enseadas Cabo RESULTADO DE ACUMULAÇÃO Praia Tômbolo Cordão litoral/restinga Laguna/ria/haff-delta Formas de relevo litoral 15
  • 16. A ação erosiva do mar A construção nas dunas destrói o fraco equilíbrio entre a erosão e a deposição, o que pode levar à destruição do cordão dunar e ao avanço do mar sobre regiões densamente povoadas. As dunas são a primeira barreira ao avanço do mar, em particular durante o inverno. Ação dos agentes erosivos e dos fenómenos de deposição sobre as costas de praia e dunas. Efeitos da ação humana 16
  • 17. No caso das arribas, o mar desgasta a base, formando pequenas reentrâncias e cavernas. A parte superior da arriba perde o seu apoio e acaba por se desmoronar, provocando igualmente o recuo da arriba. Na base da arriba acumulam-se os blocos rochosos resultantes desse desmoronamento e vai-se formando uma nova plataforma de abrasão marinha. Quando a arriba recua ao ponto de já não evoluir por processos ligados ao mar designa-se por arriba morta. Quando, mais tarde, evolui por processos continentais (erosão hídrica provocada pela água da chuva), designa-se por arriba fóssil. A ação erosiva do mar Evolução de uma arriba. 17
  • 18. Os fenómenos de erosão e deposição conferem à linha de costa portuguesa uma determinada configuração e a existência de algumas formas típicas. Os acidentes do litoral • Erradamente designada, é uma área lagunar onde se conjuga quer a deposição de sedimentos trazidos pelo rio Vouga, quer de sedimentos trazidos pelo mar. • Esta intensa deposição dá origem à formação de um extenso cordão arenoso, interrompido por um canal que dá acesso ao porto de Aveiro. «Ria» de Aveiro 18
  • 19. A forma regular da linha de costa portuguesa, sem grandes reentrâncias nem saliências, não é favorável à instalação de portos de mar. Portos de mar Os portos necessitam de aproveitar as irregularidades da linha de costa para usufruírem de algumas condições de abrigo, principalemente no litoral ocidental e nas ilhas atlânticas. 19
  • 20. • A plataforma portuguesa não é demasiado pequena, sobretudo quando comparada com outros países europeus. • É aqui que se concentram 80 % de todas as espécies piscícolas capturadas. • A maior diversidade de espécies deve-se à pouca profundidade das águas, que favorece uma melhor penetração da A plataforma continental radiação solar e uma maior oxigenação das águas, em virtude da sua maior agitação. • As plataformas continentais são áreas próximas dos continentes, de onde provêm grandes quantidades de alimento para os peixes. 20
  • 21. • O limite inferior da plataforma continental encontra-se a cerca de 200 metros de profundidade. • A plataforma liga-se às planícies abissais por uma área de forte declive, o talude continental. A plataforma continental 21
  • 22. As correntes também explicam a quantidade e diversidade de recursos piscícolas no mar. Podem ser quentes e frias. As correntes marítimas As zonas de contacto entre correntes são aquelas onde a diversidade é maior, devido à grande agitação das águas. Isso provoca uma maior oxigenação (que conduz a maiores variedades de plâncton), mas também uma grande variabilidade da temperatura e salinidade. Nas áreas onde há fenómenos de upwelling, a riqueza de espécies é maior. 22
  • 23. As correntes marítimas Nas áreas onde há fenómenos de upwelling, a riqueza de espécies é maior. Os ventos fortes característicos dos meses de verão (nortadas), que sopram junto ao litoral, afastam as águas superficiais para o largo. O upwelling é uma corrente de compensação que se desloca na vertical e traz à superfície as águas profundas (frias e ricas em nutrientes), atraindo uma grande abundância de espécies como a sardinha e o carapau, o que favorece a atividade piscatória.
  • 24. B. COMO SE PODE CARACTERIZAR A ATIVIDADE PISCATÓRIA EM PORTUGAL? 24
  • 25. 25
  • 26. Portugal é a entrada atlântica para a Europa. Está bem no centro das principais rotas marítimas entre: • a Europa e a África; • a Europa e o Mediterrâneo (com ligação ao Médio Oriente); • a Europa e a América. Os portos de mar Os nossos portos marítimos assumem uma importância estratégica de grande valor comercial, económico e social, embora haja um grande número de problemas que impedem que o País usufrua destas condições verdadeiramente únicas a nível europeu e mesmo global. 26 Principais rotas marítimas.
  • 27. As atividades principais dos portos portugueses são: • comércio de mercadorias e passageiros; • navegação de recreio e turismo; • construção e reparação naval; • pesca (empresarial e desportiva). Os portos portugueses são um entrave ao desenvolvimento das pescas, porque em Portugal há: • infraestruturas portuárias mal equipadas e de pequena dimensão; • lotas antiquadas e com poucas condições de higiene; • problemas nas instalações de redes de conservação e refrigeração, gruas de descarga e pouca informatização do setor. Características dos portos portugueses 27
  • 28. Existem 157 portos no total, entre o continente e as ilhas, com um volume relativamente reduzido de descargas em termos de pescado, quer em volume, quer no rendimento. Características dos portos portugueses 28 Descargas de pescado fresco e refrigerado por porto e principais espécies, em toneladas e em euros.
  • 29. • Envelhecida, masculina e de reduzida formação profissional. • Dominada por homens, sobretudo entre os 35 e os 54 anos. • As poucas mulheres estão ligadas, sobretudo, a tarefas de terra ligadas à pesca, em particular na indústria transformadora. • A evolução do número de pescadores tem sido negativa. A mão de obra pesqueira 29 Pessoal empregado na pesca (A) e na respetiva atividade transformadora (B).
  • 30. A maioria dos pescadores ainda só tem o 1.º ciclo do ensino básico e ainda se regista uma taxa de 8,2 % de analfabetos. A mão de obra pesqueira Para inverter as circunstâncias, foram criados, por todo o País, centros de formação do Forpescas, apoiados pelo Fundo Social Europeu (FSE). Mesmo assim, a adesão dos pescadores tem sido baixa. 30 Nível de escolaridade dos pescadores portugueses, em 2011. Número de cursos do For-mar e respetivos alunos inscritos.
  • 31. C. COMO SE PODE FAZER UMA BOA GESTÃO DO ESPAÇO MARÍTIMO? 31
  • 32. Sempre se considerou que o mar tinha uma capacidade infinita de receber lixo e resíduos, mas hoje, já se percebeu que não é assim. A poluição do mar As atividades humanas produzem enormes quantidades de lixo e resíduos. As marés negras e a poluição gerada pela limpeza de petroleiros afetam áreas costeiras que são, normalmente, densamente povoadas. 32
  • 33. A centralidade de Portugal relativamente às principais rotas marítimas coloca a nossa costa sob um grande risco. A costa portuguesa é rota de passagem obrigatória de grande parte do tráfego marítimo. A poluição do mar 33 Tráfego marítimo na ZEE portuguesa.
  • 34. Este é um dos problemas que mais têm afligido os pescadores portugueses, pois é um dos principais motivos da imposição de quotas de pesca. A frota pesqueira portuguesa foi uma das mais afetadas na Europa. No entanto, este é um problema global, pois 70 % das reservas mundiais já estão a ser capturadas nos limites ou para além dos limites minimamente sustentáveis. A sobre-exploração dos recursos 34
  • 35. Portugal tem a maior Zona Económica Exclusiva. A sua vigilância é importante para prevenir ou punir infrações feitas por navios portugueses e estrangeiros. Objetivos da fiscalização Controlar a captura de espécies não permitidas Diminuir a poluição marítima. Garantir o respeito pelas quotas de pesca Evitar o aumento do tráfego clandestino (drogas, armamento) Prevenir o esgotamento de recursos Controlar o transporte de substâncias proibidas Controlar a descarga de poluentes A fiscalização das águas nacionais e da ZEE 35
  • 36. Embora contribua para o PIB nacional, o turismo balnear coloca as áreas costeiras sob grande pressão e tem impactos ambientais graves, nomeadamente: • A construção sobre as arribas e as dunas; • A destruição das dunas; • A sobre-exploração dos aquíferos; • O aumento na produção de resíduos e efluentes urbanos; • A redução da biodiversidade; • A destruição da fauna e da flora. A pressão das áreas costeiras 36
  • 37. D. COMO SE PODE FAZER A RENDIBILIZAÇÃO SUSTENTADA DO LITORAL E DOS RECURSOS? 37
  • 38. O mar está habitualmente associado à atividade piscatória, mas os recursos económicos do mar são bastante mais amplos: • Aquicultura; • Indústria conserveira; • Extração de algas; • Produção de sal; • Exploração petrolífera; • Turismo; • Energias renováveis. Atividades económicas 38
  • 39. Para organizar a costa portuguesa foram criados os Planos de Ordenamento da Orla Costeira (POOC). Objetivos dos POOC Ordenamento da orla costeira Ordenar os diferentes usos e atividades específicas da orla costeira. Classificar as praias e regulamentar o uso balnear. Valorizar e qualificar as praias consideradas estratégicas por motivos ambientais e turísticos. Enquadrar o desenvolvimento das atividades específicas da orla costeira. 39
  • 40. Os POOC têm, ainda, como ações prioritárias: 1 • Identificar áreas de risco; 2 • Estabelecer as regras para a utilização da orla costeira; 3 • Requalificar as praias e recuperar os sistemas dunares; 4 • Estabilizar as arribas e fazer a alimentação artificial de praias; 5 • Demolir e remover as estruturas localizadas em áreas de risco; 6 • Manutenção e construção de obras de engenharia para a proteção do litoral. 40
  • 41. E. POLÍTICA COMUM DAS PESCAS 41
  • 42. A Política Comum das Pescas (PCP) foi criada em 1970 e veio estabelecer que os pescadores da União Europeia (UE), independentemente do país a que pertencem, deveriam ter acesso às águas dos demais estados-membros. Reformulada em 2002, a PCP tem por objetivo assegurar o futuro da pesca, de acordo com o seu compromisso para garantir pesca e aquacultura responsáveis. Política Comum das Pescas 42
  • 43. PCPEstabelecer regras para garantir a sustentabilidade da pesca europeia e evitar danos para o ambiente marinho. Dotar as autoridades nacionais das ferramentas necessárias para aplicar regras e punir os infratores. Monitorizar o tamanho da frota pesqueira europeia e prevenir o seu crescimento. Dar apoio técnico e financeiro a iniciativas que contribuam para a sustentabilidade do setor. Negociar em nome dos países da UE nas organizações internacionais da pesca e com outros países, em todo mundo. Ajudar os setores da produção, da transformação e da distribuição a obter um preço justo para os seus produtos e garantir aos consumidores que podem ter confiança nos produtos de pesca que consomem. Apoiar o desenvolvimento de um setor da aquicultura dinâmico na UE (criação de peixe, crustáceos, moluscos e algas). Financiar a investigação científica e a recolha de dados científicos, a fim de proporcionar uma base sólida para a tomada de decisões e para a elaboração de políticas. Áreas de intervenção da Política Comum das Pescas 43