SlideShare uma empresa Scribd logo
Potencialidades do litoral
Recursos marítimos
 Portugal tem uma extensa linha de costa,
sobre a qual o mar exerce a sua ação erosiva,
determinando os atuais contornos do litoral.
 É nas áreas mais abrigadas que se situam os
principais portos de mar.
 Com uma plataforma continental estreita, os
recursos piscatórios são menos abundantes…
Potencialidades do litoral
Fig. Plataforma continental
portuguesa (Continente).
• Porém, a presença de correntes
marítimas, com ocorrência de upwelling,
favorece a abundância de algumas
espécies.
•…pelo que Portugal se encontra em
desvantagem face aos países da Europa do
Norte e Ocidental.
Ponta Delgada Cascais
As potencialidades do litoral
EriceiraViana do Castelo
 Proximidade do mar
• influencia fortemente o
clima e a vida humana.
• a litoralização caracteriza a
repartição da população e das
atividades económicas.
• potencial de recursos
naturais e de oportunidades
que o mar oferece;
 que importa conhecer,
preservar e valorizar.
Potencialidades do litoral
 Ao longo do litoral encontram-se inúmeras formas de utilização do mar
como recurso, nomeadamente:
• a pesca, a aquicultura, a extração de sal, bem como atividades
desportivas, turísticas, de lazer e recreio, entre outras.
Observação de cetáceos
Pico (Açores)
Embarcações de recreio e
turismo (Funchal)
Extração de sal
(ria de Aveiro)
Potencialidades do litoral
• principalmente pela
acessibilidade que proporcionam,
As áreas costeiras…
atraem também:
• a indústria
• o comércio
• os serviços em
geral
 em particular nas
Regiões Autónomas,
pelo seu caráter
insular.
• permitindo o desenvolvimento
das atividades portuárias,
Potencialidades do litoral
As características da linha de costa
• área de contacto entre o mar e a terra
emersa, ao nível atingido pela maré mais
alta, em período de calma.
 Linha de costa…
• sua configuração depende das
formações rochosas do litoral.
• pouco recortada em grande
parte da sua extensão.
• costa portuguesa, com mais
de 2500 km
Potencialidades do litoral
Fig. Características da linha de costa em Portugal
Continental.
A costa de praia, baixa e
arenosa, ocupa menor
extensão.
 No litoral português…
• predomina a costa de
arriba, ora alta e
escarpada ora mais baixa.
Potencialidades do litoral
Fig.CaracterísticasdalinhadecostaemPortugal
Continental.
 Costa de arriba
alta e escarpada:
Fig.Vistaapartirdocabo
deSãoVicente,paranorte
(2012).
• onde o mar contacta
com afloramentos
rochosos de maior
dureza;
no barlavento algarvio.
 da Nazaré à foz do Tejo;
do cabo Espichel à foz do Sado;
 do cabo de Sines ao de São Vicente; Nazaré
Foz do Tejo
C. Espichel
C. Sines
C. São Vicente
Barlavento
Algarvio
Potencialidades do litoral
 No litoral
norte…
Fig. Praia Norte, em Viana do Castelo (2012).
• a costa é sobretudo baixa e
rochosa, por corresponder a uma
estreita faixa de costa de emersão.
• embora seja talhada em
formações rochosas de grande
dureza…
Potencialidades do litoral
• com reentrâncias
propícias à deposição
de areias…
Fig. Praia da Manta Rota
e de Altura, no sotavento
algarvio (2012).
 entre Espinho e São Pedro de Moel;
 no estuário do Tejo;
 da foz do Sado ao cabo de Sines;
 no sotavento algarvio.
• surge onde o mar contacta
com formações rochosas
mais brandas…
 O litoral baixo:
Fig. Praia da Baía – Espinho
(2012).
Potencialidades do litoral
 Na Madeira e nos
Açores…
Fig.Umaspetodacosta,nonordesteda
ilhadeSãoMiguel(2012).
Fig.PraiadePorto
Santo(2009).
• a costa de praia é pouco
representativa…
• domina o litoral de arriba alta,
especialmente na parte norte das ilhas.
as maiores extensões encontram-se:
• em S. Miguel, nos Açores,
• e na costa sul da ilha de Porto
Santo, na Madeira.
Potencialidades do litoral
 As características da linha de costa resultam, da ação que o mar exerce
sobre ela, sendo continuamente modificada pela erosão marinha.
Fig. A ação do mar transforma, lentamente, a linha de costa
– arriba, em São Lourenço, Ericeira (2012).
Ação do mar sobre a linha de costa
Erosão marinha:
processo de desgaste
pela força do movimento
constante das ondas
(energia cinética), que
desgasta e fragmenta as
formações rochosas do
litoral, de transporte e
acumulação desses
fragmentos
A
B
Potencialidades do litoral
 O poder erosivo
das ondas:
Fig. Recuo de uma arriba.
•arrancados à
base das arribas;
éreforçado
• ou lançados no mar pelos
rios e transportados pelas
correntes marítimas.
• pela areia e
pelos fragmentos
• projetados pelas ondas,
provocam uma intensa erosão
mecânica – abrasão marinha. • que leva ao progressivo
recuo das arribas.
Potencialidades do litoral
• A abrasão marinha desgasta a base da arriba, retirando o apoio à parte superior (A), que
acaba por desmoronar-se (B).
• Os fragmentos rochosos acumulam-se na base da arriba, na plataforma de abrasão
(faixa entre o mar e a arriba, ligeiramente inclinada para o mar que, na maré baixa, fica
emersa, submergindo na maré alta).
• A continuidade do processo faz recuar a arriba, alargando a plataforma de abrasão (C).
• No mar também se acumulam materiais do desgaste da arriba – plataforma de
acumulação –, que continuam a ser desgastados e, muitas vezes, arrastados pelo mar.
• Se uma arriba deixa de ser atingida pelo mar, considera-se arriba morta ou fóssil, como
é o caso da arriba fóssil da Caparica.
Fig.Recuodeumaarriba.
Potencialidades do litoral
 As arribas talhadas em
formações rochosas de maior
dureza resistem melhor à
abrasão marinha…
Fig. Aspeto da praia d’El Rey, a norte do cabo Carvoeiro, na maré baixa
(2012).
… ao contrário das
arribas de rochas mais
brandas, que recuam
mais facilmente.
Potencialidades do litoral
• Os fragmentos resultantes
do desgaste das arribas;
• assim como areias e outros
materiais de origem fluvial…
acumulando-se e originando praias
mais ou menos extensas, onde os
materiais acumulados continuam a ser
fragmentados e arredondados.
…são transportados pelas correntes
marítimas…
…e depositados em áreas onde a
velocidade das correntes é menor,
Fig. Praia da Nazaré
Potencialidades do litoral
 Por vezes, dá-se o
assoreamento da foz dos
rios e da entrada de
reentrâncias da costa…
Fig. Barreira de areia com uma estreita abertura para o
mar, na foz do Arelho, associada à lagoa de Óbidos (2011).
• formando-se restingas e
barreiras de areia e seixos,
a que, geralmente, se
associam áreas lagunares.
Potencialidades do litoral
 A configuração da
linha de costa
• transgressões marinhas• regressões marinhas
também foi influenciada por
• movimentos tectónicos e
alterações climáticas
que provocaram:
 recuo do mar, que fez emergir
áreas anteriormente submersas e
que se transformam em costas
de emersão;
 avanço do mar sobre áreas
continentais, que passam a estar
submersas, constituindo costas de
submersão.
Potencialidades do litoral
• áreas com características
próprias, que se destacam na
linha de costa
Fig. Principais acidentes da linha de
costa em Portugal Continental.
Principais acidentes do litoral
português
 Acidentes do litoral
• originadas pela ação do mar
sobre a linha de costa.
Potencialidades do litoral
 A ria de Aveiro…
• é, por vezes, denominada
haff-delta.
• laguna separada do mar por
uma espessa restinga;
• formou-se devido à regressão
das águas do mar…
•…e à acumulação de
sedimentos marinhos
transportados pelo rio Vouga.
Fig. Aspeto de um braço da ria de Aveiro no centro
da cidade (2012) e sua presumível evolução.
Potencialidades do litoral
Fig. Aspeto da ria Formosa e imagem de
satélite.
 A ria Formosa ou
ria de Faro…
• formada pela acumulação de
materiais transportados pela
deriva litoral.
• área lagunar, separada do
mar por uma extensa restinga
Potencialidades do litoral
As rias de Aveiro
e de Faro
• assumem grande
importância no litoral
português
 pelas atividades
que aí se
desenvolvem.
 pela
diversidade de
ecossistemas;
 pela riqueza de
recursos
disponíveis;
Fig. Ria de Aveiro.Fig. Ria de Faro.
Potencialidades do litoral
• constituem zonas húmidas de
grande riqueza ecológica;
Fig. Imagem de satélite dos estuários do
Tejo e do Sado.
Os estuários do Tejo e do Sado
 Estuários do Tejo e
do Sado
• pela sua dimensão, permitem
um importante desenvolvimento
das atividades portuárias;
• onde foram definidas as
reservas naturais do estuário
do Tejo e do estuário do Sado.
Potencialidades do litoral
• outrora foi um grande golfo
cuja dimensão foi sendo
reduzida pela acumulação de
sedimentos marinhos.
Outros acidentes do litoral
Fig.ConchadeSãoMartinho.
Fig.PraiadeSão
MartinhodoPorto.
 Concha de São
Martinho do Porto
• pequena baía com uma
estreita abertura para o mar
Potencialidades do litoral
• istmo resultante da acumulação de
areias e seixos transportados pelo
mar, que uniram uma pequena ilha ao
continente.
Fig. Tômbolo de Peniche.
Fig. Peniche.
 Tômbolo de Peniche
Potencialidades do litoral
Fig.Principaiscaboseportosdepesca,emPortugal
Continental.
• saliências talhadas em formações
rochosas muito resistentes, a
maioria em costa alta.
• proporcionam proteção natural e
servem de abrigo aos portos de
mar;
 Na costa portuguesa, destacam-
se ainda diversos cabos.
Potencialidades do litoral
• A linha de costa pouco recortada e
muito exposta a ventos e vagas; Daí a necessidade de construção
de abrigos e portos artificiais, como
são os casos de Leixões e Sines.• oferece poucas condições naturais
propícias aos portos marítimos.
Fig. Porto de Leixões – Matosinhos.
Fonte:APDL–Administraçãodos
PortosdoDouroeLeixões,SA
Fig. Porto de Sines.
Fonte:Administração
doPortodeSines,SA
 Portos marítimos
• localizam-se, geralmente, no
flanco sul dos cabos.
Potencialidades do litoral
A abundância de peixe
Principais fatores que influenciam os recursos piscatórios
base alimentar de
muitas espécies
marinhas.
• pelas condições de
temperatura, iluminação,
salinidade e oxigenação das
águas;
• de que depende a
existência de maior ou
menor quantidade de
plâncton,
• dependem muito da
profundidade das águas e das
correntes marítimas…
é influenciada:
• existem áreas de maior abundância e
diversidade de espécies e outras onde os
recursos piscatórios são mais escassos.
Potencialidades do litoral
• extensão submersa da placa continental, de fraco declive e cuja
profundidade não ultrapassa os 200 metros. Termina com um
acentuado aumento do declive, no talude continental.
Fig. O fundo marinho – da plataforma continental à zona abissal.
A plataforma continental • área de grande
abundância de pescado;
Potencialidades do litoral
Plataforma continental: fatores favoráveis
à abundância de recursos piscatórios
Baixa
profundidade
Maior
iluminação
Boas condições para a formação
de grandes quantidades de
plâncton
Águas
mais agitadas
Maior
oxigenação
Receção de água doce
pelo desaguar dos rios
• Menor teor de sal, pela
mistura de água doce
• Diversidade de nutrientes
minerais e orgânicos
transportados pelas águas
fluviais
Maior quantidade e diversidade de fauna marinha e de espécies
vegetais (algas, limos, etc.)
Potencialidades do litoral
Fig.Plataformacontinentalportuguesa(Continente).
• é quase inexistente nas Regiões
Autónomas,
• a sua largura, de um modo geral, varia
entre 30 e 60 km (maior extensão, cerca de
70 km, ao largo do cabo da Roca).
 A plataforma Continental:
• constitui somente cerca de 10%
dos fundos marinhos;
• proporcionam mais de 80% das
capturas totais da pesca mundial.
• em Portugal Continental, é relativamente
estreita ao longo de todo o litoral,
Potencialidades do litoral
 A plataforma continental
europeia:
Fig. Plataforma continental europeia.
• condição natural pouco favorável
à pesca portuguesa, por se traduzir
numa menor abundância de pescado.
• mais estreita na península
Ibérica,
• é mais extensa no noroeste da
Europa.
• a sul do cabo da Roca a sua
extensão é ainda mais reduzida.
Potencialidades do litoral
Correntes marítimas
• as áreas de confluência
de uma corrente fria com
uma quente,
• as correntes frias,
por isso, são mais ricas
em nutrientes;
com origem na subida
de águas profundas
que arrastam matéria
orgânica e mineral
depositada no fundo do mar
, favorecem a diversidade de
espécies e a renovação dos
stocks – reservas piscícolas.
por originarem maior agitação
e oxigenação das águas
e consequente formação de
plâncton
 As correntes marítimas favorecem a abundância de
pescado, sobretudo:
Potencialidades do litoral
A deriva do Atlântico Norte da corrente quente do
Golfo, de águas pobres em nutrientes, atinge a
costa portuguesa já em deslocação para sul,
tomando a designação de corrente de Portugal.
A sudoeste do território, a corrente de Portugal
encontra-se com a corrente fria das Canárias.
O afloramento costeiro ou upwelling, que ocorre
no verão, por efeito da nortada (ventos fortes de
norte) que sopra no litoral, afastando as águas
superficiais para o largo e originando uma
corrente de compensação.
Desfavorável
à abundância
de pescado.
Favoráveis
à abundância
e qualidade
de recursos
piscatórios.
EmPortugal:
Potencialidades do litoral
Fig. Redução da temperatura do ar e da água por efeito do fenómeno de
upwelling, que torna possível pescar maior quantidade de espécies como a
sardinha e o carapau, nos meses de verão, em Portugal.
Potencialidades do litoral
• a zona contígua – zona de mar alto entre
12 e 24 milhas marítimas, sobre a qual o
Estado pode exercer fiscalização para
prevenir ou reprimir infrações às suas leis; Fig. Espaços marítimos de soberania dos
Estados costeiros.
De quem é o mar?
 A utilização dos mares como fonte de recursos tem suscitado algumas
questões que, foram refletidas e discutidas a nível internacional…
 A realização de várias conferências
internacionais definiram:
• o mar territorial ou águas territoriais –
águas até 12 milhas dos limites exteriores
da costa e sobre as quais o Estado detém
soberania;
Potencialidades do litoral
• definida em 1982, na Conferência
Internacional sobre o Direito do Mar, da
ONU. Fig. ZEE portuguesa atual e a que poderá
resultar da proposta de alargamento.
 A zona económica exclusiva –
ZEE:
• zona de soberania dos Estados
costeiros sobre o espaço aéreo, o mar,
os fundos e o subsolo marinhos, até
uma distância de 200 milhas náuticas,
• onde o Estado tem direitos de
exploração, investigação, conservação e
gestão dos recursos naturais.
Potencialidades do litoral
 A ZEE portuguesa…
Fig. 2 ZEE portuguesa atual e a que poderá
resultar da proposta de alargamento, cuja
aprovação pelas Nações Unidas dependerá da
verificação de critérios que demonstrem a
continuidade geológica e denominadores
comuns, entre o atual espaço e o proposto.
• extensão de quase
1 800 000 km2,
• é a maior da UE e a
5.ª maior do Mundo;
• Açores.• Portugal
Continental
• Madeira
reparte-se por três
áreas distintas:
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
Fim da apresentação

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
Thepatriciamartins12
 
Pesca
PescaPesca
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
Ilda Bicacro
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
Ilda Bicacro
 
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral. Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
Mariana Costa
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Raffaella Ergün
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
Rita Pontes
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
Hneves
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
Sara Guerra
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
Ilda Bicacro
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficas
claudiamf11
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
Oxana Marian
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
mariamoraisgeo
 
Geografia[1]
Geografia[1]Geografia[1]
Geografia[1]
Joana Silva
 
Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2
Idalina Leite
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
acbaptista
 
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcãoTeste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Carlos Ferreira
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
Oxana Marian
 

Mais procurados (20)

Principais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesaPrincipais acidentes da costa portuguesa
Principais acidentes da costa portuguesa
 
Pesca
PescaPesca
Pesca
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral. Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
Os recursos marítimos e as potencialidades do litoral.
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
As áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºanoAs áreas rurais - geografia 11ºano
As áreas rurais - geografia 11ºano
 
Geografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º AnoGeografia A - 10º/11º Ano
Geografia A - 10º/11º Ano
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
Os rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficasOs rios e bacias hidrográficas
Os rios e bacias hidrográficas
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
Acidentes litoral
Acidentes litoralAcidentes litoral
Acidentes litoral
 
Geografia[1]
Geografia[1]Geografia[1]
Geografia[1]
 
Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2Paisagens agrarias 2
Paisagens agrarias 2
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
 
Teste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcãoTeste4 10ºano 10-11-correcão
Teste4 10ºano 10-11-correcão
 
A gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimoA gestão do espaço marítimo
A gestão do espaço marítimo
 

Destaque

As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
Ilda Bicacro
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Ilda Bicacro
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Ilda Bicacro
 
Variabilidade da radiação solar(2)
Variabilidade da radiação solar(2)Variabilidade da radiação solar(2)
Variabilidade da radiação solar(2)
Ilda Bicacro
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloOs problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Ilda Bicacro
 
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptAs estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
Ilda Bicacro
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
Ilda Bicacro
 
Território português
Território portuguêsTerritório português
Território português
Ilda Bicacro
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptadoPrincipais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Ilda Bicacro
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
Ilda Bicacro
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
Ilda Bicacro
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
Np votacao 2017
Np votacao 2017Np votacao 2017
Np votacao 2017
Ilda Bicacro
 
Inserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosInserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaços
Ilda Bicacro
 
Inserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosInserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaços
Ilda Bicacro
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
Ilda Bicacro
 
Variabilidade da radiação solar(i)
Variabilidade da radiação solar(i)Variabilidade da radiação solar(i)
Variabilidade da radiação solar(i)
Ilda Bicacro
 
A reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaA reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbana
Ilda Bicacro
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
Ilda Bicacro
 

Destaque (20)

As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo (1)
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
Variabilidade da radiação solar(2)
Variabilidade da radiação solar(2)Variabilidade da radiação solar(2)
Variabilidade da radiação solar(2)
 
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsoloOs problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
Os problemas e as potencialidades no aproveitamento dos recursos do subsolo
 
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).pptAs estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
As estruturas e os comportamentos demográficos (1).ppt
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
Território português
Território portuguêsTerritório português
Território português
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptadoPrincipais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
Principais problemas e soluções sociodemográficos adaptado
 
Recursos energéticos
Recursos energéticosRecursos energéticos
Recursos energéticos
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
 
Evolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesaEvolução da população portuguesa
Evolução da população portuguesa
 
Np votacao 2017
Np votacao 2017Np votacao 2017
Np votacao 2017
 
Inserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosInserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaços
 
Inserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaçosInserção de portugal em diferentes espaços
Inserção de portugal em diferentes espaços
 
As estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficosAs estruturas e os comportamentos demográficos
As estruturas e os comportamentos demográficos
 
Variabilidade da radiação solar(i)
Variabilidade da radiação solar(i)Variabilidade da radiação solar(i)
Variabilidade da radiação solar(i)
 
A reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbanaA reorganização da rede urbana
A reorganização da rede urbana
 
Potencialidades do litoral
Potencialidades do litoralPotencialidades do litoral
Potencialidades do litoral
 

Semelhante a Potencialidades do litoral (1)

A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
Rosária Zamith
 
Ap carina e joanas
Ap carina e joanasAp carina e joanas
Ap carina e joanas
jpeuromat
 
Dinâmica do litoral
Dinâmica do litoralDinâmica do litoral
Dinâmica do litoral
Mayjö .
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
Catarina Castro
 
As potencialidades do litoral(5774)
As potencialidades do litoral(5774)As potencialidades do litoral(5774)
As potencialidades do litoral(5774)
martinha1700
 
O litoral Português.pptx ojjhjkhkhjhkhkh
O litoral Português.pptx ojjhjkhkhjhkhkhO litoral Português.pptx ojjhjkhkhjhkhkh
O litoral Português.pptx ojjhjkhkhjhkhkh
dianaoliveirasilv251
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoral
Tiago Lobao
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Idalina Leite
 
geo o litoral
geo o litoralgeo o litoral
geo o litoral
rakeloliveiraborges
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
Carla Domingos
 
1676
16761676
1676
Pelo Siro
 
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
1   ocupação antrópica - zonas costeiras1   ocupação antrópica - zonas costeiras
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
margaridabt
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2
sshjj2
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
sshjj2
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
sshjj2
 
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º GeografiaDinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
Victor Veiga
 
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
SituacoesmeteorologicastipicasdeportugalSituacoesmeteorologicastipicasdeportugal
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
jeldomingues
 
Formas de relevo no literal de portugal
Formas de relevo no literal de portugalFormas de relevo no literal de portugal
Formas de relevo no literal de portugal
Mariana Saraiva
 
Costa portuguesa
Costa portuguesaCosta portuguesa
Costa portuguesa
Fátima Cunha Lopes
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
Rosária Zamith
 

Semelhante a Potencialidades do litoral (1) (20)

A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 
Ap carina e joanas
Ap carina e joanasAp carina e joanas
Ap carina e joanas
 
Dinâmica do litoral
Dinâmica do litoralDinâmica do litoral
Dinâmica do litoral
 
Potencialidades do Litoral
Potencialidades do LitoralPotencialidades do Litoral
Potencialidades do Litoral
 
As potencialidades do litoral(5774)
As potencialidades do litoral(5774)As potencialidades do litoral(5774)
As potencialidades do litoral(5774)
 
O litoral Português.pptx ojjhjkhkhjhkhkh
O litoral Português.pptx ojjhjkhkhjhkhkhO litoral Português.pptx ojjhjkhkhjhkhkh
O litoral Português.pptx ojjhjkhkhjhkhkh
 
Formas do litoral
Formas do litoralFormas do litoral
Formas do litoral
 
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atualLitoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
Litoral de Portugal Continental, evolução e aspeto atual
 
geo o litoral
geo o litoralgeo o litoral
geo o litoral
 
Trabalho final
Trabalho finalTrabalho final
Trabalho final
 
1676
16761676
1676
 
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
1   ocupação antrópica - zonas costeiras1   ocupação antrópica - zonas costeiras
1 ocupação antrópica - zonas costeiras
 
Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2Zonas Costeiras C2
Zonas Costeiras C2
 
trabalho
trabalhotrabalho
trabalho
 
ApresentaçãO1
ApresentaçãO1ApresentaçãO1
ApresentaçãO1
 
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º GeografiaDinâmica do litoral - 7º Geografia
Dinâmica do litoral - 7º Geografia
 
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
SituacoesmeteorologicastipicasdeportugalSituacoesmeteorologicastipicasdeportugal
Situacoesmeteorologicastipicasdeportugal
 
Formas de relevo no literal de portugal
Formas de relevo no literal de portugalFormas de relevo no literal de portugal
Formas de relevo no literal de portugal
 
Costa portuguesa
Costa portuguesaCosta portuguesa
Costa portuguesa
 
A dinâmica do litoral
A dinâmica do litoralA dinâmica do litoral
A dinâmica do litoral
 

Mais de Ilda Bicacro

ArtSerta - Nós Propomos! 2021-22- Arte Urbana
ArtSerta - Nós Propomos! 2021-22- Arte UrbanaArtSerta - Nós Propomos! 2021-22- Arte Urbana
ArtSerta - Nós Propomos! 2021-22- Arte Urbana
Ilda Bicacro
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Ilda Bicacro
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Ilda Bicacro
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
Ilda Bicacro
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
Ilda Bicacro
 
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptxProjeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Ilda Bicacro
 
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Ilda Bicacro
 
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Ilda Bicacro
 
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptxESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
Ilda Bicacro
 
Construção (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Construção (C)erta - Nós Propomos! SertãConstrução (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Construção (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Ilda Bicacro
 
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdfunicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
Ilda Bicacro
 
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdfA nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
Ilda Bicacro
 
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
Ilda Bicacro
 
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptxEB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
Ilda Bicacro
 
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdfProjeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Ilda Bicacro
 
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptxInterculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Ilda Bicacro
 

Mais de Ilda Bicacro (20)

ArtSerta - Nós Propomos! 2021-22- Arte Urbana
ArtSerta - Nós Propomos! 2021-22- Arte UrbanaArtSerta - Nós Propomos! 2021-22- Arte Urbana
ArtSerta - Nós Propomos! 2021-22- Arte Urbana
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptxProjeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
Projeto Nós propomos! Sertã, 2024 - Chupetas Eletrónicas.pptx
 
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
Nós Propomos! Autocarros Elétricos - Trabalho desenvolvido no âmbito de Cidad...
 
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
Rota das Ribeiras Camp, Projeto Nós Propomos!
 
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
Nós Propomos! " Pinhais limpos, mundo saudável"
 
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptxESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
ESSertã - Nós Propomos! De mãos dadas com Rwanda.pptx
 
Construção (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Construção (C)erta - Nós Propomos! SertãConstrução (C)erta - Nós Propomos! Sertã
Construção (C)erta - Nós Propomos! Sertã
 
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdfunicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
unicef_convenc-a-o_dos_direitos_da_crianca.pdf
 
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdfA nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
A nossa escola precisa ... Nós Propomos 2 - Maria Luz Belo.pdf
 
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
PROJETO_Eu _pedalo_tu corres_ele conduz_nós andamos_ Não _arriscamos_2A_EB SE...
 
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptxEB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
EB1_Cumeada_ NP_Interculturalidade - Matilde Mateus.pptx
 
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdfProjeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
Projeto - Aprender a Viver Juntos - 3.ºSN - Sara Correia.pdf
 
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptxInterculturalidade EB1 Cumeada.pptx
Interculturalidade EB1 Cumeada.pptx
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
ProfessoraSilmaraArg
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdfAula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
Aula 3 CURSO LETRANDO (classes gramaticais).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdfEscola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR).pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 

Potencialidades do litoral (1)

  • 2.  Portugal tem uma extensa linha de costa, sobre a qual o mar exerce a sua ação erosiva, determinando os atuais contornos do litoral.  É nas áreas mais abrigadas que se situam os principais portos de mar.  Com uma plataforma continental estreita, os recursos piscatórios são menos abundantes… Potencialidades do litoral Fig. Plataforma continental portuguesa (Continente). • Porém, a presença de correntes marítimas, com ocorrência de upwelling, favorece a abundância de algumas espécies. •…pelo que Portugal se encontra em desvantagem face aos países da Europa do Norte e Ocidental.
  • 3. Ponta Delgada Cascais As potencialidades do litoral EriceiraViana do Castelo  Proximidade do mar • influencia fortemente o clima e a vida humana. • a litoralização caracteriza a repartição da população e das atividades económicas. • potencial de recursos naturais e de oportunidades que o mar oferece;  que importa conhecer, preservar e valorizar. Potencialidades do litoral
  • 4.  Ao longo do litoral encontram-se inúmeras formas de utilização do mar como recurso, nomeadamente: • a pesca, a aquicultura, a extração de sal, bem como atividades desportivas, turísticas, de lazer e recreio, entre outras. Observação de cetáceos Pico (Açores) Embarcações de recreio e turismo (Funchal) Extração de sal (ria de Aveiro) Potencialidades do litoral
  • 5. • principalmente pela acessibilidade que proporcionam, As áreas costeiras… atraem também: • a indústria • o comércio • os serviços em geral  em particular nas Regiões Autónomas, pelo seu caráter insular. • permitindo o desenvolvimento das atividades portuárias, Potencialidades do litoral
  • 6. As características da linha de costa • área de contacto entre o mar e a terra emersa, ao nível atingido pela maré mais alta, em período de calma.  Linha de costa… • sua configuração depende das formações rochosas do litoral. • pouco recortada em grande parte da sua extensão. • costa portuguesa, com mais de 2500 km Potencialidades do litoral
  • 7. Fig. Características da linha de costa em Portugal Continental. A costa de praia, baixa e arenosa, ocupa menor extensão.  No litoral português… • predomina a costa de arriba, ora alta e escarpada ora mais baixa. Potencialidades do litoral
  • 8. Fig.CaracterísticasdalinhadecostaemPortugal Continental.  Costa de arriba alta e escarpada: Fig.Vistaapartirdocabo deSãoVicente,paranorte (2012). • onde o mar contacta com afloramentos rochosos de maior dureza; no barlavento algarvio.  da Nazaré à foz do Tejo; do cabo Espichel à foz do Sado;  do cabo de Sines ao de São Vicente; Nazaré Foz do Tejo C. Espichel C. Sines C. São Vicente Barlavento Algarvio Potencialidades do litoral
  • 9.  No litoral norte… Fig. Praia Norte, em Viana do Castelo (2012). • a costa é sobretudo baixa e rochosa, por corresponder a uma estreita faixa de costa de emersão. • embora seja talhada em formações rochosas de grande dureza… Potencialidades do litoral
  • 10. • com reentrâncias propícias à deposição de areias… Fig. Praia da Manta Rota e de Altura, no sotavento algarvio (2012).  entre Espinho e São Pedro de Moel;  no estuário do Tejo;  da foz do Sado ao cabo de Sines;  no sotavento algarvio. • surge onde o mar contacta com formações rochosas mais brandas…  O litoral baixo: Fig. Praia da Baía – Espinho (2012). Potencialidades do litoral
  • 11.  Na Madeira e nos Açores… Fig.Umaspetodacosta,nonordesteda ilhadeSãoMiguel(2012). Fig.PraiadePorto Santo(2009). • a costa de praia é pouco representativa… • domina o litoral de arriba alta, especialmente na parte norte das ilhas. as maiores extensões encontram-se: • em S. Miguel, nos Açores, • e na costa sul da ilha de Porto Santo, na Madeira. Potencialidades do litoral
  • 12.  As características da linha de costa resultam, da ação que o mar exerce sobre ela, sendo continuamente modificada pela erosão marinha. Fig. A ação do mar transforma, lentamente, a linha de costa – arriba, em São Lourenço, Ericeira (2012). Ação do mar sobre a linha de costa Erosão marinha: processo de desgaste pela força do movimento constante das ondas (energia cinética), que desgasta e fragmenta as formações rochosas do litoral, de transporte e acumulação desses fragmentos A B Potencialidades do litoral
  • 13.  O poder erosivo das ondas: Fig. Recuo de uma arriba. •arrancados à base das arribas; éreforçado • ou lançados no mar pelos rios e transportados pelas correntes marítimas. • pela areia e pelos fragmentos • projetados pelas ondas, provocam uma intensa erosão mecânica – abrasão marinha. • que leva ao progressivo recuo das arribas. Potencialidades do litoral
  • 14. • A abrasão marinha desgasta a base da arriba, retirando o apoio à parte superior (A), que acaba por desmoronar-se (B). • Os fragmentos rochosos acumulam-se na base da arriba, na plataforma de abrasão (faixa entre o mar e a arriba, ligeiramente inclinada para o mar que, na maré baixa, fica emersa, submergindo na maré alta). • A continuidade do processo faz recuar a arriba, alargando a plataforma de abrasão (C). • No mar também se acumulam materiais do desgaste da arriba – plataforma de acumulação –, que continuam a ser desgastados e, muitas vezes, arrastados pelo mar. • Se uma arriba deixa de ser atingida pelo mar, considera-se arriba morta ou fóssil, como é o caso da arriba fóssil da Caparica. Fig.Recuodeumaarriba. Potencialidades do litoral
  • 15.  As arribas talhadas em formações rochosas de maior dureza resistem melhor à abrasão marinha… Fig. Aspeto da praia d’El Rey, a norte do cabo Carvoeiro, na maré baixa (2012). … ao contrário das arribas de rochas mais brandas, que recuam mais facilmente. Potencialidades do litoral
  • 16. • Os fragmentos resultantes do desgaste das arribas; • assim como areias e outros materiais de origem fluvial… acumulando-se e originando praias mais ou menos extensas, onde os materiais acumulados continuam a ser fragmentados e arredondados. …são transportados pelas correntes marítimas… …e depositados em áreas onde a velocidade das correntes é menor, Fig. Praia da Nazaré Potencialidades do litoral
  • 17.  Por vezes, dá-se o assoreamento da foz dos rios e da entrada de reentrâncias da costa… Fig. Barreira de areia com uma estreita abertura para o mar, na foz do Arelho, associada à lagoa de Óbidos (2011). • formando-se restingas e barreiras de areia e seixos, a que, geralmente, se associam áreas lagunares. Potencialidades do litoral
  • 18.  A configuração da linha de costa • transgressões marinhas• regressões marinhas também foi influenciada por • movimentos tectónicos e alterações climáticas que provocaram:  recuo do mar, que fez emergir áreas anteriormente submersas e que se transformam em costas de emersão;  avanço do mar sobre áreas continentais, que passam a estar submersas, constituindo costas de submersão. Potencialidades do litoral
  • 19. • áreas com características próprias, que se destacam na linha de costa Fig. Principais acidentes da linha de costa em Portugal Continental. Principais acidentes do litoral português  Acidentes do litoral • originadas pela ação do mar sobre a linha de costa. Potencialidades do litoral
  • 20.  A ria de Aveiro… • é, por vezes, denominada haff-delta. • laguna separada do mar por uma espessa restinga; • formou-se devido à regressão das águas do mar… •…e à acumulação de sedimentos marinhos transportados pelo rio Vouga. Fig. Aspeto de um braço da ria de Aveiro no centro da cidade (2012) e sua presumível evolução. Potencialidades do litoral
  • 21. Fig. Aspeto da ria Formosa e imagem de satélite.  A ria Formosa ou ria de Faro… • formada pela acumulação de materiais transportados pela deriva litoral. • área lagunar, separada do mar por uma extensa restinga Potencialidades do litoral
  • 22. As rias de Aveiro e de Faro • assumem grande importância no litoral português  pelas atividades que aí se desenvolvem.  pela diversidade de ecossistemas;  pela riqueza de recursos disponíveis; Fig. Ria de Aveiro.Fig. Ria de Faro. Potencialidades do litoral
  • 23. • constituem zonas húmidas de grande riqueza ecológica; Fig. Imagem de satélite dos estuários do Tejo e do Sado. Os estuários do Tejo e do Sado  Estuários do Tejo e do Sado • pela sua dimensão, permitem um importante desenvolvimento das atividades portuárias; • onde foram definidas as reservas naturais do estuário do Tejo e do estuário do Sado. Potencialidades do litoral
  • 24. • outrora foi um grande golfo cuja dimensão foi sendo reduzida pela acumulação de sedimentos marinhos. Outros acidentes do litoral Fig.ConchadeSãoMartinho. Fig.PraiadeSão MartinhodoPorto.  Concha de São Martinho do Porto • pequena baía com uma estreita abertura para o mar Potencialidades do litoral
  • 25. • istmo resultante da acumulação de areias e seixos transportados pelo mar, que uniram uma pequena ilha ao continente. Fig. Tômbolo de Peniche. Fig. Peniche.  Tômbolo de Peniche Potencialidades do litoral
  • 26. Fig.Principaiscaboseportosdepesca,emPortugal Continental. • saliências talhadas em formações rochosas muito resistentes, a maioria em costa alta. • proporcionam proteção natural e servem de abrigo aos portos de mar;  Na costa portuguesa, destacam- se ainda diversos cabos. Potencialidades do litoral
  • 27. • A linha de costa pouco recortada e muito exposta a ventos e vagas; Daí a necessidade de construção de abrigos e portos artificiais, como são os casos de Leixões e Sines.• oferece poucas condições naturais propícias aos portos marítimos. Fig. Porto de Leixões – Matosinhos. Fonte:APDL–Administraçãodos PortosdoDouroeLeixões,SA Fig. Porto de Sines. Fonte:Administração doPortodeSines,SA  Portos marítimos • localizam-se, geralmente, no flanco sul dos cabos. Potencialidades do litoral
  • 28. A abundância de peixe Principais fatores que influenciam os recursos piscatórios base alimentar de muitas espécies marinhas. • pelas condições de temperatura, iluminação, salinidade e oxigenação das águas; • de que depende a existência de maior ou menor quantidade de plâncton, • dependem muito da profundidade das águas e das correntes marítimas… é influenciada: • existem áreas de maior abundância e diversidade de espécies e outras onde os recursos piscatórios são mais escassos. Potencialidades do litoral
  • 29. • extensão submersa da placa continental, de fraco declive e cuja profundidade não ultrapassa os 200 metros. Termina com um acentuado aumento do declive, no talude continental. Fig. O fundo marinho – da plataforma continental à zona abissal. A plataforma continental • área de grande abundância de pescado; Potencialidades do litoral
  • 30. Plataforma continental: fatores favoráveis à abundância de recursos piscatórios Baixa profundidade Maior iluminação Boas condições para a formação de grandes quantidades de plâncton Águas mais agitadas Maior oxigenação Receção de água doce pelo desaguar dos rios • Menor teor de sal, pela mistura de água doce • Diversidade de nutrientes minerais e orgânicos transportados pelas águas fluviais Maior quantidade e diversidade de fauna marinha e de espécies vegetais (algas, limos, etc.) Potencialidades do litoral
  • 31. Fig.Plataformacontinentalportuguesa(Continente). • é quase inexistente nas Regiões Autónomas, • a sua largura, de um modo geral, varia entre 30 e 60 km (maior extensão, cerca de 70 km, ao largo do cabo da Roca).  A plataforma Continental: • constitui somente cerca de 10% dos fundos marinhos; • proporcionam mais de 80% das capturas totais da pesca mundial. • em Portugal Continental, é relativamente estreita ao longo de todo o litoral, Potencialidades do litoral
  • 32.  A plataforma continental europeia: Fig. Plataforma continental europeia. • condição natural pouco favorável à pesca portuguesa, por se traduzir numa menor abundância de pescado. • mais estreita na península Ibérica, • é mais extensa no noroeste da Europa. • a sul do cabo da Roca a sua extensão é ainda mais reduzida. Potencialidades do litoral
  • 33. Correntes marítimas • as áreas de confluência de uma corrente fria com uma quente, • as correntes frias, por isso, são mais ricas em nutrientes; com origem na subida de águas profundas que arrastam matéria orgânica e mineral depositada no fundo do mar , favorecem a diversidade de espécies e a renovação dos stocks – reservas piscícolas. por originarem maior agitação e oxigenação das águas e consequente formação de plâncton  As correntes marítimas favorecem a abundância de pescado, sobretudo: Potencialidades do litoral
  • 34. A deriva do Atlântico Norte da corrente quente do Golfo, de águas pobres em nutrientes, atinge a costa portuguesa já em deslocação para sul, tomando a designação de corrente de Portugal. A sudoeste do território, a corrente de Portugal encontra-se com a corrente fria das Canárias. O afloramento costeiro ou upwelling, que ocorre no verão, por efeito da nortada (ventos fortes de norte) que sopra no litoral, afastando as águas superficiais para o largo e originando uma corrente de compensação. Desfavorável à abundância de pescado. Favoráveis à abundância e qualidade de recursos piscatórios. EmPortugal: Potencialidades do litoral
  • 35. Fig. Redução da temperatura do ar e da água por efeito do fenómeno de upwelling, que torna possível pescar maior quantidade de espécies como a sardinha e o carapau, nos meses de verão, em Portugal. Potencialidades do litoral
  • 36. • a zona contígua – zona de mar alto entre 12 e 24 milhas marítimas, sobre a qual o Estado pode exercer fiscalização para prevenir ou reprimir infrações às suas leis; Fig. Espaços marítimos de soberania dos Estados costeiros. De quem é o mar?  A utilização dos mares como fonte de recursos tem suscitado algumas questões que, foram refletidas e discutidas a nível internacional…  A realização de várias conferências internacionais definiram: • o mar territorial ou águas territoriais – águas até 12 milhas dos limites exteriores da costa e sobre as quais o Estado detém soberania; Potencialidades do litoral
  • 37. • definida em 1982, na Conferência Internacional sobre o Direito do Mar, da ONU. Fig. ZEE portuguesa atual e a que poderá resultar da proposta de alargamento.  A zona económica exclusiva – ZEE: • zona de soberania dos Estados costeiros sobre o espaço aéreo, o mar, os fundos e o subsolo marinhos, até uma distância de 200 milhas náuticas, • onde o Estado tem direitos de exploração, investigação, conservação e gestão dos recursos naturais. Potencialidades do litoral
  • 38.  A ZEE portuguesa… Fig. 2 ZEE portuguesa atual e a que poderá resultar da proposta de alargamento, cuja aprovação pelas Nações Unidas dependerá da verificação de critérios que demonstrem a continuidade geológica e denominadores comuns, entre o atual espaço e o proposto. • extensão de quase 1 800 000 km2, • é a maior da UE e a 5.ª maior do Mundo; • Açores.• Portugal Continental • Madeira reparte-se por três áreas distintas: Potencialidades do litoral