SlideShare uma empresa Scribd logo
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
10º
Portugal na Europa e no Mundo
Distritos de Portugal – Nut I, II & III
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Escalas – serve para calcular distâncias entre dois lugares e é um dos elementos fundamentais
num mapa, junto com a legenda, o título e a orientação. As escalas podem ser numéricas ou
gráficas.
Uma escala é tanto maior, quanto menor for o denominador, isto é, significa dizer que
a realidade foi reduzida menor vezes, e aparece com maior pormenor.
A localização relativa e localização absoluta - Coordenadas terrestres
Corresponde a
Km, Hm, Dam, M, Dc, Cm, MM
N – Norte ou Setentrião;
S – Sul ou Meridião;
E – Este, Leste, Oriente ou Nascente;
O – Oeste, Ocidente, Ocaso ou Poente;
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Recursos do Subsolo
Jazida - Local onde existe uma concentração de minerais, permitindo assim a sua exploração
(acumulação de minerais de interesse económico).
Os recursos minerais, são de acordo com as suas características, habitualmente classificados
da seguinte forma:
o Minerais metálicos, aqueles em cuja constituição se encontram substâncias metálicas
(ferro, cobre, chumbo, zinco, estanho, ouro, platina e prata).
o Minerais não metálicos, aqueles em cuja constituição se encontram substâncias não
metálicas (sal-gema, quartzo e o caulino).
o Minerais energéticos, minerais que podem ser utilizados como fontes de energia
(carvão, petróleo, gás natural e urânio).
o Rochas industriais, que se destinam à transformação industrial e à construção civil e
obras públicas (calcário e as margas).
o Rochas ornamentais, que são muito utilizadas na decoração dos edifícios e ruas, bem
como no mobiliário e nos objectos decorativos (mármore e granito)
o Águas minerais, águas subterrâneas com propriedades terapêuticas ou com benefícios
para a saúde.
o Águas de nascente, águas subterrâneas consideradas próprias para consumo.
o Águas termais,agua que visa o tratamento e a prevenção de algumas patologias (A
nível regional o termalismo é um factor de dinamismo e de desenvolvimento –
reflecte-se no turismo, permite o aproveitamento de recursos naturais e ainda
redução das assimetrias regionais).
Tipos de rochas:
Magmáticas –formam-se por consolidação do magma.
Sedimentares – formadas por acumulação de sedimentos de outras rochas (calcário, argilas)
Metamórficas – formam-se pela transformação de rochas pré-existentes sujeitas a elevadas
temperaturas (xisto)
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Unidades Geomorfologicas de Portugal
Portugal, tem uma elevada diversidade e quantidade de recursos
minerais, que, no território continental, se distribuem ao longo das
três unidades geomorfologicas:
o Maciço Antigo;
o Orlas Mesocenózoicas Ocidental e Meridional;
o Bacia Sedimentar do Tejo-Sado;
Maciço Antigo
o Unidade geomorfologica mais antiga e extensa, que ocupa cerca de 7 décimos do
território nacional;
o É constituído por uma grande diversidade geológica, assente em rochas muito antigas
e com um grau de dureza elevado, como o granito e o xisto;
o É no maciço antigo que se localiza uma boa parte das jazidas minerais, principalmente
nas áreas de contacto entre formações geológicas diferentes, tendo maior importância
as jazidas de minérios metálicos e energéticos e as de rochas ornamentais cristalinas.
Orlas Mesocenózoicas Ocidental e Meridional
Ocidental
o Formou-se no período secundário;
o Estende-se ao longo do litoral, de Espinho à Serra da Arrábida;
o Separa-se do Maciço Antigo por um acidente complexo, a falha de Coimbra.
Meridional
o Ocupa a faixa litoral do Algarve, entre a serra e o mar e nela sobressaem algumas
colinas calcárias, altas e enrugadas.
Bacias do Tejo e Sado
o Unidade geomorfologica mais recente;
o Formou-se por deposição de sedimentos marinhos em áreas deprimidas (planícies de
aluvião), antes invadidas pelo mar, que, ao emergirem, deram origem às planícies dos
Tejo e do Sado;
o Nesta unidade geomorfologica, predominam rochas sedimentares, como as areias, o
cascalho, a argila e algum calcário.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
A Industria Extractiva – ramo da industria que se dedica á extracção de produtos directamente
da Natureza, no estado bruto.
o A Industria extractiva nacional, conheceu no final do século XX (entre 1989 e 1998),
uma alteração provocada no subsector, devido:
Ao arranque de projectos como o da mina de neves corvo;
o A partir de meados da década de 90, a tendência verificada sofre uma alteração,
assistindo-se assim a um decréscimo no subsector das minas, devido:
Á diminuição da produção;
Regressão que se verificou no minérios metálicos preciosos e energéticos –
encerramento de minas (diminuição das cotações).
o Entre 2000 – 2004, manteve-se a tendência de regressão dos minerais energéticos e
metálicos. Contudo neste período, verificou-se que até 2002, o subsector das rochas
industriais e ornamentais, conheceu um aumento de produção devido:
Aumento da competitividade das empresas;
Melhoria dos padrões de qualidade;
Maior agressividade nos mercados internacionais;
Maior absorção destas matérias-primas pela construção civil – sobretudo
rochas industrias e ornamentais.
o No ano de 2004, dá-se uma inversão nos minérios metálicos, contudo o cobre
manteve-se o mais produzido. Neste ano verificou-se ainda uma viragem na evolução
da indústria extractiva, uma vez que o valor da produção aumentou significativamente
em relação a 2003.
Minerais Metálicos Minerais não metálicos Rochas Industriais/ornamentais Recursos Hidrominerais
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Os minérios com mais
importância são o cobre,
estanho e o ferro. Este
subsector, nos últimos anos,
atravessou um período crítico a
nível da produção e
consecutivamente da
exploração, devido:
o Falta de
competitividade do
mercado;
o Encerramento de
algumas minas;
Os minérios não metálicos em
Portugal sofreram, no período de
1999-2004, um aumento da sua
produção, apesar de se verificar
pequenas oscilações verificadas em
alguns subsectores, como é caso da
diminuição da produção de
feldspato e de quartzo. Em
Portugal os minérios não metálicos
de maior importância são o sal-
gema, o feldspato, o quartzo, o
talco e as areias feldspáticas.
As rochas industriais, que em
2002, representava cerca de
50% da produção e em 2004
41%, constituíram o subsector
mais importante no sector
mineiro. As rochas industriais
mais exploradas são as areias
comuns, o calcário sedimentar
e as argilas comuns.
As rochas ornamentais
subdividem-se em:
Rochas carbonatadas –
mármores, calcário
(sedimentar e microcristalino)
e brecha;
Rochas Siliciosas – granito,
sienito e diorito;
Ardósias e xistos ardosiferos;
Os recursos minerais
englobam as águas: minerais,
de nascente e termais. As
aguas minerais e as aguas de
nascente pertencem ao sector
das aguas engarrafadas.
Em 2005 as vendas deste
sector cresceram ainda que
ligeiramente em relação a
2004. A evolução positiva
deste sector deve-se:
o Crescimento das
vendas de aguas
engarrafadas;
o Aumento do
consumo de aguas
engarrafadas por
habitante, que
passou de 56 para 87
litros/ano.
Recursos Energéticos
Os recursos energéticos são
agrupados em não
renováveis, os que se
esgotam (tem um elevado
consumo e que por isso, não
se renovam em tempo útil
para suprimir as
necessidades do homem); e
os renováveis que não se
esgotam (renovam-se
permanentemente na
natureza a um tempo igual
ou superior ao do seu
consumo pelo homem).
Renovável ou não, a utilização
dos recursos energéticos tem
como objectivo a produção de
energia.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Impactes ambientais no Sector Energético
O modelo energético actual (baseado na química de combustíveis fósseis e na energia nuclear)
apresenta inúmeros problemas:
o Poluição e degradação do meio ambiente;
o Esgotamento de reservas de petróleo, carvão, e gás natural;
o Produção de resíduos radioactivos e possibilidade de acidentes nucleares;
o Dependência do exterior por parte dos países não produtores de energias fósseis.
Recursos Energéticos Não Renováveis
o Carvão – é um combustível fóssil, e um recurso que se caracteriza por: ser não
renovável; muito poluente; pesado e volumoso; aumentar a dependência de Portugal.
o Petróleo – é um óleo mineral, não renovável e muito poluente em todas as fazes
nomeadamente: durante a extracção; durante o transporte; durante a refinação;
durante a combustão.
o Gás Natural – é utilizado como combustível para reduzir a dependência do petróleo,
sendo por isso considerado uma energia uma energia alternativa. Em Portugal a
introdução do gás natural em Portugal, reflectiu uma opção de politica energética que
visou: diversificação das fontes de energia; redução da dependência em relação ao
petróleo; preservação ambiental; desenvolvimento regional.
o Urânio – minério radioactivo utilizado na produção de energia nuclear. Este minério
tem riscos como acidentes; poluição radioactiva …
Recursos Energéticos Renováveis
o Energia solar – gratuita, inesgotável, não poluente -
o Energia eólica – gratuita, inesgotável, não poluente, resulta da conversão da energia
do vento em electricidade.
o Energia geotérmica – resulta do aproveitamento energético do calor da terra,
sobretudo de áreas vulcânicas ou sísmicas – obtenção de água ou vapor.
o Biomassa – resíduos naturais da actividade humana, produtos de agricultura, de
pecuária, que são aproveitados para a produção de calor ou electricidade,
biocombustiveis (etanol e metanol).
o
Dependência Externa –no que diz respeito aos
combustíveis fosseis, a dependência de Portugal é
máxima, isto porque importamos a totalidade do
carvão, do petróleo e do gás natural que
consumimos. O país depende do abastecimento
externo ficando assim vulnerável à oscilação dos
preços. Esta situação insere-se num contexto
comunitário pois a U.E constitui também um
espaço de dependência energética, sobretudo em
relação aos combustíveis fosseis.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Mni9i
Humidade absoluta: quantidade de vapor de agua
que existe num 1m
3
de ar
> A humidade absoluta varia na razão directa
da temperatura, quanto maior for a
temperatura, maior é a humidade absoluta.
> A estação do ano c/ maiores valores de
humidade absoluta é o verão.
20 gr.
1 m3
Humidade relativa: razão entre a quantidade de
vapor de água que determinado volume de ar contem
e a quantidade máxima de vapor de agua que esse
volume de ar pode conter à mesma temperatura –
exprime-se em %
> Varia na razão inversa da temperatura.
Ponto de saturação: quantidade máxima de vapor de água que um determinado volume de ar pode conter a uma
dada temperatura = gr/m
3
. O ponto de saturação varia na razão directa da temperatura, isto é, quanto maior for a
temperatura mais alto é o ponto de saturação. O ponto de saturação é mais alto no verão, do que no inverno.
A Pressão Atmosférica –é a força que o ar atmosférico exerce sobre
os corpos à superfície. Esta varia com a altitude, a temperatura, e a
densidade do ar, isto é:
> À medida que aumenta a altitude, a pressão diminui (e vice-versa);
> À medida que a temperatura aumenta, a pressão diminui (e vice-
versa);
> Quanto maior a densidade do ar, maior a pressão (e vice-versa).
A pressão atmosférica varia no tempo e no espaço devida às variações
de temperatura, à densidade do ar e aos movimentos da atmosfera.
Os movimentos de ar na atmosfera podem ser verticais ou horizontais:
> Os movimentos verticais do ar (de convecção) são ascendentes
> Os movimentos horizontais (de advecção) são convergentesou
divergentes.
76cm hg = 1013 mb
+1013mb – pressão elevada;
-1013 mb – pressão baixa;
Linhas Isóbaras ou isobáricas - linhas que
unem pontos com a mesma pressão atmosférica.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Centros Barométricos
Centros Barométricos: circulação do ar
Se a pressão for superior a 1013mb, é uma alta pressão (A); Se for
inferior a este valor designa-se de baixa pressão (B).
Após a pressão atmosférica ser reduzida ao nível médio do mar, é
possível unir pontos c/ o mesmo valor de pressão – ISOBÁRAS.
Destas surgem configurações são chamados centros barométricos.
Os centros barométricos resultantes, são:
> Alta pressão ou anticiclones – quando a pressão atmosf. é
superior a 1013mb.
> Baixa pressão ou depressões – quando a pressão atmosf. é
inferior a 1013mb
 Organismo isobárico
fechado;
 A pressão aumenta da
periferia para o centro;
 A pressão é mais elevada no
centro
 Organismo isobárico
fechado;
 A pressão diminui da
periferia para o centro;
 A pressão é mais baixa no
centro.
Nos centros barométricos, sopram sempre das altas para as baixas pressões,
perpendicularmente às isóbaras, num movimento em espiral. Dá origem ao
gradiente barométrico.
Os ventos são normalmente desviados para a direita, no hemisfério norte e
para a esquerda no hemisfério sul – Força de Coriolis, que resulta do
movimento de rotação da terra. Contudo, se a distância for grande, o vento
tenderá a soprar paralelamente ou obliquamente às isóbaras.
Movimentos horizontais do ar nos
anticiclones e nas depressões
barométricas.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Origem e Estados de tempo associados aos centros barométricos
Os centros barométricos podem ter uma origem térmica (temperatura do
ar), ou dinâmica (movimento do ar na atmosfera).
Anticiclone de origem dinâmica:
> Resultam de subsidência do ar. O ar, ao descer em altitude,
comprime-se tornando-se mais denso, o que provoca o aumento
da pressão. (ex.: o anticiclone subtropical dos Açores).
> Como surgem devido aos movimentos do ar na atmosfera, são
permanentes, contudo ao longo do ano podem sofrer algumas
oscilações em latitude ou diminuírem de intensidade consoante a
época do ano, uma vez estes mecanismos acompanharem o
movimento anual aparente do sol.
Anticiclone de origem térmica:
> Resultam do intenso arrefecimento do ar em contacto com o solo
mais frio. Ao arrefecer, o ar comprime-se e torna-se mais denso, o
que leva ao aumento da pressão. Devido às diferenças térmicas
entre os oceanos e os continentes, formam-se com frequência
sobre os continentes no inverno e sobre os oceanos no verão –
efémeros.
Depressões de origem dinâmica:
> Estão associadas ao movimento ascendente do ar. O ar converge, e
ao convergir, sofre uma inflexão, sendo por isso obrigado a
ascender, fazendo diminuir a pressão à superfície. Tal como
acontece nos anticiclones são permanentes.
Depressões de origem térmica:
> Formam-se devido ao intenso aquecimento do ar em contacto
com uma superfície mais quente do que as áreas envolventes.
Assim, ao aquecer o ar dilata-se, tornando-se mais leve, o que
diminui a pressão. São por isso efémeras, pois formam-sesobre os
continentes no verão e sobre os oceanos no inverno.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Distribuição dos centros barométricos
Baixas pressões:
> Junto ao equador, as baixas pressões equatoriais, que têm uma
origem sobretudo dinâmica, devido à convergência dos ventos
alísios vindos dos anticiclones subtropicais; às elevadas
temperaturas, que provocam a dilatação do ar e o tornam mais
leve.
> Nas médias e altas altitudes, nas proximidades dos círculos
polares, as células de baixa pressão subpolares que tem origem na
convergência de ar quente dos anticiclones e do ar frio das altas
pressões polares.
Altas pressões:
> À cintura de altas pressões subtropicais, onde se inclui o
importante anticiclone dos Açores, sensivelmente a 30º de
latitude, nas proximidades dos trópicos de câncer e de Capricórnio
– tem origem dinâmica.
> As altas pressões polares, que são de origem térmica, pois
resultam do intenso arrefecimento do ar em contacto com o solo
gelado.
A distribuição dos principais centros
barométricos dá origem à formação de
determinados ventos:
> Os alísios, que sopram de nordeste no
hemisfério Norte, e de sudoeste no
hemisfério sul, das altas pressões
subtropicais para as baixas pressões
equatoriais;
> Os ventos de oeste, que se deslocam
das altas pressões subtropicais para as
baixas pressões subpolares;
> Os ventos de leste, que se deslocam das
altas pressões polares para as baixas
pressões subpolares.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
As massas de ar
Perturbações frontais
Frente Fria – a massa de ar frio a convergir com a de ar quente, obriga-a a subir.
Ao subir, o ar quente encontra temperaturas baixas, a h.r aumenta, atinge-se o
ponto de saturação e dá-se a condensação do vapor de agua, formando nuvens e
chuva. As nuvens são de desenvolvimento vertical, surfem aguaceiros c/ aberta e
descida de temperatura.
Frente quente – o ar quente desloca-se lentamente sobre o ar frio, onde se
formam nuvens de fraco desenvolvimento vertical e precipitação sob forma de
chuvisco (chuva “miudinha).
Porção de troposfera em que todos os
pontos têm características idênticas de
temperatura e humidade. As massas de ar,
adquirem características das regiões sobre
as quais se formam.
> Dependendo da área de origem, é
possível designar as massas de ar
equatorial, tropical, polar, árctica e
antárctica bem como, classifica-las
de acordo com a humidade,
temperatura e densidade.
> Uma massa de ar, formada sobre um
oceano designa-se de massa de ar
marítima ; uma massa de ar,
formada sobre um continente,
designa-se de massa de ar
continental. Do mesmo modo a
massa de ar, pode ser fria ou
quente.
Devido à sua latitude, Portugal sofre uma influência mais directa de 2
massas de ar:
 Massa de ar frio polar – que se forma nas altas latitudes,
junto aos pólos ou nas regiões subpolares;
 Massa de ar quente tropical – cuja formação se dá junto ao
equador ou nas regiões tropicais e sub-trop.
As características das massas de ar, são inconstantes e esta
acaba por se modificar ao deslocar-se e afastar-se da região de
origem, acabando assim por adquirir, ao fim de alguns dias,
características dos ares envolventes. Ex:
→ Uma Massa de ar fria, ao passar por uma superfície
mais quente, aquece, assim como se uma massa de ar
quente passar por uma superfície fria, arrefece.
→ Uma massa de ar marítimo, ao permanecer vários dias
sobre um continente, vai perdendo humidade e acaba
por se tornar mais seca, bem como uma que se forme
em superfície continental, ao passar por oceanos,
adquire gradualmente humidade.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Precipitação
Ponto de saturação:
> Quantidade máxima de vapor
de agua que o ar pode conter a
uma determinada temperatura.
Humidade absoluta:
> Massa de vapor de água por
unidade de volume de ar. É
geralmente expressa em g/m
3
Humidade relativa:
> Relação entre a massa de vapor
de água existente num
determinado volume de ar e a
massa de vapor de água
necessária para saturar esse
mesmo ar, sem variação da
temperatura. Exprime-se em
percentagem e varia no sentido
contrário à temperatura.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Os estados de tempo e o clima de Portugal (situações meteorológicas mais frequentes)
Clima de Portugal
,
Inverno:
“Mau tempo”
> Céu muito nublado;
> Precipitação elevada;
> Vento moderado ou forte;
> Temperatura relat. baixa;
Portugal no inverno é atingido com grande frequência pelas
baixas pressões subpolares e pelas perturbações da frente polar.
A baixa temperatura,deve-se ao menor ângulo de incidência dos
raios solares e á menor duração do dia.
Verão:
“Bom tempo”
> Céu limpo ou pouco nublado;
> Precipitação escassa;
> Vento fraco;
> Temperatura elevada;
Portugal, no verão, é influenciado pelo anticiclone dos açores.
Os mecanismos associados ao mau tempo, ñ afectam o país, ou
se fazem é muito esporadicamente, por estarem muito
deslocados para norte e por a faixa de anticiclones subtropicais
constituir uma barreira à passagem destes para sul. A
temperatura elevada deve-se ao maior incidência dos raios
solares, à maior duração do dia e à influência da massa de ar
quente tropical que atinge o território.
O clima português, caracteriza-se pela sua feição
mediterrânea, que é mais acentuada no sul do país. Assim,
o clima é temperado mediterrâneo. No entanto, é possível
identificar alguns conjuntos climáticos resultantes da
influência:
> Do atlântico no litoral, sobretudo no litoral norte;
> Do continente no interior;
> Da altitude nas áreas de montanha;
Divisão climática de Portugal
A. Clima temperado mediterrâneo de influência
atlântica(oceânica) – norte litoral:
> Verões mais frescos e invernos amenos;
> Fraca amplitude térmica anual;
> Precipitação elevada ao longo de todo o
ano, concentrando-se no Outono e no
Inverno.
> Dois meses secos
B. Clima temperado mediterrâneo de influência
continental – norte interior:
> Verões muito quentes (com temperatura
elevada) e invernos muito frios (com
temperaturas relativ. baixas);
> Elevada amplitude térmica;
> Precipitação fraca;
> Estação seca com uma duração entre os
dois e os quatro meses;
C. Clima temperado mediterrâneo de influência
continental – centro/sul:
> Verões quentes, longos e secos;
> Invernos suaves e curtos;
> Precipitação irregular e fraca;
> Estação seca entre quatro a seis meses;
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Águas Superficiais
A rede hidrográfica – conjunto formado pelo rio principal e pelos seus
afluentes e subafluentes.
Na rede hidrográfica nacional,destacam-se:
> Rio Minho, Lima, Douro, Tejo e Guadiana – rios cuja
nascente localiza-se em Espanha (rios internacionais);
> Rio Vouga, Sado e Mondego – rios que nascem em
território nacional;
A rede hidrográfica de Portugal continental, acompanha a inclinação
geral da topografia da península ibéria, indo portanto desaguar
oceano atlântico, com excepção do rio Sado e Guadiana.
No norte:
> A rede hidrografia é mais densa e os rios apresentam maior
declive ao longo do percurso.
No sul:
> O relevo mais aplanado faz com que os cursos de água
tenham percursos com menor declive e escoem em vales
mais largos.
As bacias hidrográficas – são uma área definida topograficamente, drenada
por um curso de água, ou por um sistema de cursos de água, em que todas as
águas são drenadas para uma única saída – a foz. A maioria das bacias
hidrográficas portuguesas localiza-se totalmente em território nacional, mas
as mais extensas são internacionais, as bacias hidrográficas luso-espanholas,
nomeadamente:
Minho;
Lima;
Douro – a mais extensa, considerando a área ocupada nos dois
países;
Tejo – a mais extensa, ocupando apenas território nacional;
Guadiana;
Nas bacias hidrográficas internacionais, as disponibilidades hídricas, tem uma
forte dependência face a Espanha, embora em território espanhol o
escoamento anual médio seja inferior ao de Portugal continental.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Variação do caudal dos rios
As disponibilidades hídricas das bacias hidrográficas portuguesas são fortemente influenciadas pela
irregularidade temporal e espacial da precipitação, que confere ao escoamento uma acentuada
sazonalidade.
Apesar de mais acentuados no sul, Portugal caracteriza-se pelos seus cursos de água terem um regime
irregular, e mesmo torrencial, pois os caudais são:
No inverno, muito elevados, devido à chuva e às menores temperaturas – leva ao aumento da
evaporação;
No verão, os caudais são quase nulos, devido aos menores quantitativos pluviométricos e às
temperaturas mais elevadas – favorece o aumento da evaporação.
No norte:
Os rios apresentam um caudal mais elevado e o seu regime caracteriza-se pela ocorrência de
cheias pouco frequente no inverno e na primavera e pelo decréscimo acentuado dos caudais do
período de verão, havendo mesmo rios sem escoamento.
A acção do homem também influência o regime hídrico, por exemplo, da construção de barragens, que
permitem regularizar os caudais durante o ano. Na época em que os quantitativos pluviométricos, são
muito elevado, há retenção de água nas albufeiras, visando atenuar as cheias. Na época em que a
precipitação é escassa, estação seca estival, impedem que deixe de haver escoamento, isto é, que os
rios sequem totalmente, uma vez que a água armazenada permite manter um escoamento mínimo
(caudal ecológico).
As Aguas Subterrâneas
Os aquíferos
Uma parte da precipitação infiltra-se nos solos, alimentando as
reservas de água subterrânea. Assim, a precipitação é a principal
fonte de abastecimento das toalhas freáticas (lençóis de água
subterrânea que circulam ou se acumulam em aquíferos).
Contudo, quando o solo fica saturado, não existe infiltração e
começa a haver escoamento superficial.
As águas subterrâneas incluem as águas minerais naturais e de
nascente, e as águas termais, com fins terapêuticos.
Caudal –é o volume total de água que passa numa dada secção de
um rio por unidade tempo (m
3/
s).
Formação geológica que permite a circulação e o armazenamento de aguas no seus
espaços vazios, possibilitando o aproveitamento desta pelo homem.
Os aquíferos são importantes reservatórios de água subterrânea, que,
relação às águas superficiais tem a vantagem de:
Melhor qualidade da água;
Não se reduzirem devido à deposição de detritos;
Não sofrerem evaporação;
Não exigirem encargos de conservação;
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
A gestão da água
Importância de planear a utilização dos recursos hídricos
Sendo a agua um recurso indispensável á vida, importa fazer uma gestão adequada da
sua utilização, satisfazendo as necessidade crescentes e garantindo a sustentabilidade
dos recursos hídricos.
O planeamento dos recursos hídricos, é cada vez mais importante, pois a pressão
sobre a água tem aumentado, devido ao seu maior consumo – explica-se pela
melhoria das condições de vida, e pelo desenvolvimento dos sistemas de captação e
distribuição da água.
Principal Problemas na utilização da água
A poluição
O elevado consumo de água a nível mundial, em geral, e de Portugal, em particular,
está a levantar sérios problemas ao nível da sua utilização de forma sustentável, mas
também da sua qualidade, colocando assim em risco gerações futuras. Contudo,
outros problemas surgem, como o da poluição da água, devido:
> Aos efluentes domésticos, essencialmente constituídos por sais minerais, matéria
orgânica, restos decompostos, que não são biodegradáveis e com elevada quantidade
e diversidade de bactérias e vírus;
> Aos efluentes industriais, que podem provocar contaminação a partir dos produtos
químicos (resultantes do processo de lavagem e arrefecimento, que são lançado para
os recursos hídricos em grandes quantidades;
> Aos efluentes agropecuários, cuja poluição se faz sentir em solos sobre tudo de
natureza permeável, devido a utilização inadequada de pesticidas e fertilizantes.
Existem também outros processos responsáveis pelos problemas que se colocam hoje
em dia aos recursos hídricos, é o caso:
> Salinização, que ocorre sobretudo em áreas calcárias da orla costeira, onde os
aquíferos estão em contacto com o mar.
> Eutrofização, que surgem e se tem agravado devido ao lançamento para rios e lagos
de efluente com detritos orgânicos, que levam ao crescimento de algas e outras
espécies vegetais que consomem o oxigénio das águas extinção da fauna.
> Desflorestação, que conduz a um aumento do escoamento superficial, e a um
decréscimo da infiltração = compromete a “alimentação” dos aquíferos.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Problema do consumo e do abastecimento de água
O abastecimento de água à população é um domínio que subsistem alguns problemas, uma vez
que, apesar do consumo por habitante ter aumentado, nem toda a população tem acesso a
esse serviço, embora se verifique uma evolução positiva.
A nível nacional, verificam-se assimetrias, quando se comparam os consumos e as necessidades
de água nas diferentes bacias hidrográficas.
Redução do desperdício – medidas de racionalização do consumo de água
A gestão planeada dos recursos
hídricos, quer a nível nacional, quer
internacional, permitirá que haja uma
racionalização dos consumos, um
controlo da qualidade da água,o
tratamento das água residuais e o
aumento da capacidade de
aprovisionamento de água, para que o
abastecimento deste recurso possa
ser sempre garantido.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
As Características da linha da costa
Embora de grande extensão, a costa
portuguesa apresenta uma configuração
linear e pouco recortada. O aspecto da linha
da costa depende sobretudo, das
características das formações rochosas que
se encontram em contacto com o mar, e da
intensidade da erosão marinha.
No litoral português, verifica-se uma
predominância da costa de arriba, talhada
nos afloramentos rochosos de maior dureza
que se apresenta ora alta e escarpada, ora
mais baixa.
A acção do mar sobre a linha de costa
O mar, sendo um poderoso agente erosivo, exerce sobre a linha da costa uma acção
que envolve os processos de desgaste, transporte e acumulaçãode materiais rochosos,
designada por erosão marinha.
O desgaste é provocado pela força das ondas que, com o seu movimento, provocam a
fragmentação das rochas.
Esta acção, é reforçada pela areia e por fragmentos rochosos, arrancados às rochas do
litoral ou transportados pelas correntes marítimas ou pelos rios até ao mar.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Estes materiais, pela acção das ondas, são projectados contra as formações rochosas
do litoral que sofrem, uma intensa erosão mecânica, à qual se dá o nome de abrasão
marinha esta continua acção de desgaste, é intensa na base das arribas,
fazendo com que a parte superior fique sem apoio e se desmorone, conduzindo ao seu
progressivo recuo
«Rias» de Aveiro e Faro
A ria de Aveiro é uma laguna – uma extensão de água, mais ou menos salobra
separada do mar por uma espessa restinga – cordão arenoso – que resultou da
acumulação de sedimentos transportados pelas correntes marítimas e pelo rio Vouga.
É por vezes, denominada half-delta, pois o rio desagua na laguna, formando um delta
interior ramificado em quatro braços principais – Ovar, Murtosa, Vagos e Mira, com
uma barra artificial.
A ria de Faro, ou ria formosa, resultou também da acumulação de materiais,
transportados pela deriva litoral – corrente resultante da aproximação oblíqua das
ondas relativamente à praia – que corre predominantemente de oeste para leste.
É também uma área lagunar que se situa na parte mais proeminente do litoral
algarvio, que se encontra igualmente separada do mar por uma restinga.
Estas duas áreas assumem grande parte importância no litoral português, pela riqueza e
variedade de recursos disponíveis, pelas actividades que ai se desenvolve e pela
diversidade e ecossistema que servem de suporte a variadas espécies da fauna e da
flora.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Configuração geral da costa e a localização dos principais
portos
O tipo da costa característico português, está
directamente relacionado com os tipos de rocha
constituintes.
> Assim sendo, em áreas que as rochas
apresentam um grau de dureza elevado –
norte de espinho; entre Nazaré e a foz do
Tejo; entre o cabo espichel e a foz do Sado;
entre sagre e Quarteira – como o xisto, o
granito e o calcário, a costa é de arriba;
> Nas áreas de rochas mais brandas –
espinho e a Nazaré; estuário do Tejo; a foz
do Sado e o cabo de Sines; Quarteira e V.R.
de santo António – como o arenito e a
argila, a costa é de praia.
Os estuários do Tejo e Sado
Estuários: áreas da foz dos rios, que desaguam directamente no mar, e onde a influência das
correntes e das marés é importante.
A foz dos rios Tejo e Sado, constituem os únicos recortes verdadeiramente
acentuados no litoral português, razão pela qual deram origem a dois importantes
complexos portuários.
Outros acidentes do litoral:
→ Concha de são Martinho do Porto;
→ Tômbolo de Peniche,
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Principais Factores que influenciam os recursos piscatórios
A abundância de peixe é influenciada pelas condições de temperatura, iluminação,
salinidade e oxigenação das águas de que depende a existência de maior ou menor
quantidade de plâncton – organismos microscópicos vegetais (fitoplâncton) ou
animais (zooplâncton) –, dos quais muitas espécies de peixes se alimentam.
A plataforma Continental – é uma unidade morfológica submersa, contígua ao continente,
ligeiramente inclinada, que se estende até uma profundidade de 200m.
Na plataforma continental, existem vários factores favoráveis á abundância de
recursos piscatórios. As suas águas:
> São pouco profundas, o que permite uma maior penetração de luz;
> São mais agitadas e por isso, mais ricas em oxigénio;
> Possuem menor teor de sal, devido á agitação e ao facto de receberem as
águas continentais dos rios que nela desaguam.
> São mais ricas em nutrientes, pois existem boas condições de luz e oxigénio
para a formação de plâncton e recebem os resíduos orgânicos transportados
pelos rios.
Deste modo, a quantidade e a diversidade de fauna marinha são maiores nas áreas da
plataforma continental.
Esta é relativamente estreita ao longo de todo o litoral português. A plataforma
continental, corresponde a cerca de 1% da ZEE de Portugal. É uma das limitações de
pesca portuguesa, que se traduz numa menor abundância de pescado.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Correntes Marítimas – deslocações de grandes massas de água individualizadas pelas suas
características de temperatura e densidade.
As correntes marítimas são favoráveis á abundância de pescado, principalmente na
área de confluência de uma corrente fria e de uma corrente quente. As aguas agitadas
proporcionam a renovação da água e do plâncton e em consequência, a renovação de
stocks – reservas piscícolas.
A corrente quente do golfo, atinge a Europa através da sua derivado Atlântico Norte.
Portugal é afectado por uma ramificação desta deriva, já em deslocação para sul, que
atinge a costa portuguesa, onde toma a designação de corrente de Portugal. A
sudoeste do território, esta corrente encontra-se com a corrente fria das Canárias =
favorecendo a existência de pescado.
UPWELLING
É uma corrente de compensação de águas frias, ou
seja, as correntes ascendentes (do fundo para a
superfície) compensam as correntes descendentes
(da superfície para o fundo).
A sua intensidade, está directamente relacionada
com os ventos do norte (noroeste e nordeste), pois
quanto mais fortes e constantes forem estes ventos,
maior será a sua intensidade.
Este fenómeno, nos meses de verão, é responsável
pelas maiores quantidades de espécies (sardinha,
carapau…). Na costa meridional, o upwelling
raramente acontece.
Zona Económica Exclusiva (ZEE)
Mar territorial ou águas territoriais: águas que se encontram até 12 milhas dos limites
exteriores da costa e sobre os quais o estado detém soberania
Zona contígua: zona de mar alto entre 12 a 24 milhas marítimas, sobre a qual o estado
pode exercer fiscalização para prevenir ou reprimir infracções às suas leis.
ZEE: estabelece o poder dos estados costeiros de proteger e gerir os recursos
marítimos, até uma distância de 200 milhas náuticos. Aqui o estado tem direitos de
exploração, investigação, conservação e gestão dos recursos naturais
Repartida por 3 áreas, continente e ilhas (madeira e açores), a ZEE conta com uma
extensão de 1 731 000 k, é a maior de entre os países da U.E, e a 5ª maior do mundo.
No entanto existem problemas na sua gestão:
> Sobreexploração dos oceanos;
> Poluição marinha;
> Pressão urbanística sobre o litoral;
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Actividade Piscatória
A frota de pesca
A frota de pesca portuguesa subdivide-se em dois grandes grupos de embarcações:
> As que operam nas aguas nacionais e adjacentes, normalmente identificadas
por embarcações da frota local e costeira;
> As que actuam em pesqueiros longínquos, ou seja, em aguas internacionais ou
de países terceiros, e que são identificadas por embarcações da pesca do largo
Tipos de embarcações
Embarcações de pequena pesca Embarcações da pesca costeira Embarcações da pesca de largo
Apresentam pequenas dimensões;
São constituídas maioritariamente
em madeira;
Actuam em águas interiores, ou
perto da costa (+/- 6 milhas);
Utilizam artes de pesca
diversificadas;
Desenvolvem a actividade em
curtos períodos de tempo;
Capturam sobretudo espécies de
alto valor comercial;
São responsáveis por um grande nº
dos postos de trabalho neste
sector.
Desenvolvem a sua actividade para
lá das 6 milhas;
Podem operar em áreas mais
afastadas, mesmo alem da ZEE
nacional;
Detêm meios de conservação do
pescado;
Têm maior potencia e autonomia do
que as embarcações da frota local;
As de maior dimensão podem atingir
2 a 3 semanas de actividade;
Têm grandes dimensões;
Actuam para lá das 12 milhas
da linha da costa;
Detêm condições de autonomia
que permitem a permanência
no mar durante longos
períodos de tempo;
Utilizam técnicas de captura e
detecção de cardumes,
bastante avançados (sondas,
satélites)
Encontram-se equipadas com
tecnologias que permitem a
transformação e congelação do
pescado a bordo.
A rentabilização do litoral e dos recursos marítimos
As artes de pesca utilizadas, neste tipo de frota subdivide-se em:
> Polivalente – utiliza diversas técnicas;
> De arrasto – utiliza redes em forma de saco que são puxada muito rapidamente, impedindo a fuga do peixe;
> De cerco – a rede é colocado em volta de um cardume e o cabo profundo pode ser puxado ate formar um saco onde
os peixes ficam aprisionados;
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
A partir das avaliações científicas dos recursos, que são realizadas anualmente, a U.E,
toma diversas medidas para gerir, controlar e proteger os recursos marinhos:
> Estabelecimento de quotas de pesca;
> Fixação de malhagens mínimas;
> Controlo e vigilância relativamente às capturas autorizadas e ao numero de
navios que podem exercer a sua actividade.
Formas de potencialização do uso do espaço marítimo
Modernização do sector das pescas;
A reestruturação da indústria transformadora;
O desenvolvimento da aquicultura;
A exploração das algas;
A exploração de recursos minerais;
O aproveitamento turístico do mar, com respeito pelas áreas protegidas e pelos planos
de ordenamento das orlas costeiras.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
As áreas rurais em mudança
11º
A fragilidade dos sistemas agrários
A agricultura tem vindo a perder importância
na ocupação da população activa e na
economia portuguesa. Apesar da
modernização de alguns sistemas de
produção, sobretudo após a adesão à EU, a
agricultura continua a enfrentar problemas,
relativos essencialmente às estruturas
fundiárias, os níveis de rendimento e
produtividade, a qualificação profissional dos
agricultores e a adequação dos usos do solo às
suas aptidões naturais.
A fragilidade dos espaços rurais
A agricultura em Portugal, é a actividade económica cuja
contribuição para a criação da riqueza, expressa, por exemplo, no
PIB e no VAB, tem vindo a decrescer. Esta tendência de diminuição,
deve-se sobretudo ao desenvolvimento das actividades dos
sectores secundário e terciário, cuja participação aumentou muito
e tende a crescer, sobretudo a do sector terciário.
O sector agrícola, no entanto, mantem algum peso na criação de emprego e detém
uma grande importância na ocupação do espaço e na preservação da paisagem,
constituído mesmo a base económica, essencial em algumas áreas rurais do País.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Principais factores condicionantes da agricultura – físicos e humanos
A agricultura portuguesa é influenciada, tanto por factores naturais, como por factores
humanos (de ordem histórica, cultural e politica).
o No nosso país, o clima é um dos factores que mais condiciona a produção
agrícola, pela temperatura e pela irregularidade de precipitação.
o A existência dos recursos hídricos é fundamental para a agricultura, pois
esta torna-se mais fácil e abundante, nas áreas onde a precipitação é mais
regular. Em locais onde a precipitação é menor, é necessário recorrer a
sistemas de rega artificial.
o A fertilidade do solo (natural e criada pelo homem), influência
directamente a produção em quantidade e em qualidade. Em Portugal,
predominam solos de fertilidade média ou baixa, um condicionante para a
agricultura.
o O relevo, quando plano, a fertilidade dos solos é geralmente maior, assim
como a possibilidade de modernização das explorações. Se este é mais
acidentado, a fertilidade dos solos torna-se mais fraca, e há maior
limitação no uso da tecnologia agrícola e no aproveitamento/organização do espaço.
o O passado histórico é um dos factores que permite compreender a actual ocupação e
organização do solo. Aspectos como a maior ou menor densidade populacional e
acontecimentos ou processos históricos reflectem-se, ainda hoje, nas
estruturas fundiárias (dimensão e forma das propriedades rurais).
o O objectivo da produção é outro factor que influencia a ocupação do solo.
Quando a produção se destina ao autoconsumo, as explorações são
geralmente de menor dimensão e, muitas vezes, continuam a utilizar
técnicas artesanais. Se a produção se destina ao mercado, as explorações
tendem em ser maiores, utilizam tecnologia moderna (máquinas, sistemas
de rega, estufas, etc) e são mais especializadas em determinados produtos
– o que contribui para uma maior produtividade do trabalho.
o As políticas agrícolas – orientações e medidas legislativas –, quer nacionais
quer comunitárias (U.E), são actualmente factores de grande importância,
uma vez que influenciam as opções dos agricultores relativamente aos produtos cultivados,
regulamentam práticas, como a utilização de produtos químicos, incentivos financeiros,
apoiam a modernização das explorações, etc.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
As paisagens agrárias –espaço rural, sistema de culturas e
morfologia agrária.
O espaço rural ocupa uma parte significativa do
território português e nele se desenvolvem as
actividades agrícolas, mas também outras como o
turismo, a produção de energias renováveis, etc.
Dentro do espaço rural, destaca-se:
o O espaço agrário – áreas ocupadas com a produção
agrícola, pastagens e florestas, habitações dos
agricultores e ainda infra-estruturas, e
equipamentos associados à actividade agrícola;
o O espaço agrícola – área utilizada para a produção
vegetal e/ou animal;
o A superfície agrícola utilizada (SAU) – área do
espaço agrícola ocupada com culturas.
No espaço rural, as diferentes culturas, a forma e o
arranjo dos campos, a malha dos caminhos e o tipo
de povoamento dão origem a diferentes paisagens agrárias.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Os sistemas de cultura, conjunto de plantas cultivadas, forma como esta se associam e
técnicas utilizadas no seu cultivo – são diferentes de região para região, devido,
essencialmente, a factores relacionados com o relevo, o clima e os solos.
o Nos sistemas intensivos, o solo é total e continuamente ocupado, e é comum a
policultura – mistura de culturas no mesmo campo e colheitas que se sucedem umas as
outras. São sistemas utilizados em áreas de solos férteis e de abundancia de água
(regadio).Estes sistemas predominam, nas regiões agrarias do Litoral norte, na
Madeira e algumas ilhas dos Açores.
o Nos sistemas extensivos, dominantes tradicionalmente em Trás-os-Montes e no
Alentejo, não há uma ocupação permanente e contínua do solo. Pratica-se
habitualmente a rotação de culturas (a superfície é dividida em folhas) e muitas
vezes utiliza-se o pousio. Este sistema tradicional é praticado em solos mais
pobres e secos, associando-se à monocultura – cultivo de um só produto no mesmo
campo – e às culturas de sequeiro – com pouca necessidade de água.
As paisagens agrárias são tao bem caracterizadas pela morfologia – aspecto dos campos no
que respeita à forma e dimensão das parcelas e à rede de caminhos.
o Nas regiões de Entre Douro e Minho, Beira Litoral, Algarve, Madeira e em
algumas ilhas dos Açores, predominam as explorações de pequena dimensão
(minifúndios) constituídas por varias parcelas de forma irregular e quase sempre
vedadas, com muros, arvores/arbustos, que delimitam a propriedade e protegem
as culturas do vento e da invasão do gado.
o No Alentejo no Ribatejo e Oeste, predominam as explorações de média e grande
dimensão (latifúndios), e vastas parcelas de forma regular, sem qualquer vedação.
A diversidade das paisagens agrárias resulta também
das diferentes formas de povoamento, que variam
desde a aglomeração total, á dispersão.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
Características das explorações agrícolas
No Norte de Portugal Continental,
especialmente nas regiões agrárias da Beira
Litoral e de Entre Douro e Minho, predominam
explorações de pequena dimensão –
minifúndios (B).
No sul, especialmente no Alentejo,
predominam as explorações de grande
dimensão que, outrora, constituíam vastos
latifúndios (A). Daí o Alentejo apresente um
reduzido número de explorações, apesar da sua
vasta área agrícola.
Nas regiões autónomas, domina a pequena
dimensão de explorações.
O grande número de pequenas explorações condiciona o desenvolvimento da agricultura, uma vez
que limita a mecanização e a modernização dos sistemas de produção – reflectem-se na sua
dimensão económica.
Distribuição e Estrutura das explorações agrícolas
A dimensão da superfície agrícola utilizada (SAU) está associada à extensão das
explorações, pelo que apresenta também uma distribuição regional marcada pela
desigualdade, salientando-se no Alentejo com cerca de metade da SAU nacional.
o A desigual distribuição da SAU deve-se, às características do relevo
e da ocupação humana, ou seja, o relevo aplanado, a fraca
densidade populacional e o povoamento concentrado permitem a
existência de vastas extensões de áreas cultivadas no Alentejo. Nas
regiões onde o relevo mais acidentado, maior densidade
populacional e onde o povoamento é mais disperso, a área
ocupada pela SAU é menor.
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
o A SAU utilizada engloba:
Terras aráveis, com culturas temporárias e com os campos em
pousio;
Culturas permanentes, com plantações que ocupam as terras
duramente um período mais longo;
Pastagens permanentes, onde são semeadas espécies por um
período superior a 5 anos, destinadas ao pasto do gado;
Horta familiar, superfície ocupada com produtos hortícolas ou frutos
destinados a autoconsumo.
Formas de exploração da SAU
Na Beira Litoral, as terras aráveis ocupam mais de metade da SAU, seguidas das culturas
permanentes. Estas, tem maior importância no Algarve e na Madeira, onde a produção de
frutas e vinho é importante. As pastagens permanentes ocupam quase a totalidade da SAU, nos
Açores onde as condições climáticas favorecem a formação de prados naturais e a criação de
gado bovino. No Alentejo, onde o aumento das pastagens permanentes reflecte o investimento
na criação de prados artificiais, com recursos a modernos sistemas de rega.
O agricultor nem sempre é o proprietário das terras que explora, pelo que se podem considerar
2 formas de exploração da SAU:
o Conta própria – o produtor é também o proprietário;
o Arrendamento – o produtor paga um valor ao proprietário da terra pela sua utilização;
A exploração por conta própria predomina em todo o país (Trás-os-Montes e na Madeira,
principalmente). Nos Açores, o arrendamento é mais comum, representando cerca de metade
do total.
A exploração por conta própriaé mais vantajoso pois o proprietário procura obter o melhor resultado
possível da terra, mas como está a tratar do que é seu procura preservar os solos e investe em
melhoramentos fundiários, como a construção de redes de drenagem, colocação de sistemas de rega, etc.
Os proprietários podem ter um papel importante na comunidade rural, com a prevenção de fogos
florestais, preservação da paisagem, etc.
Ao contrário, o arrendamento pode ser desvantajoso, pois os arrendatários nem sempre se interessam
pela valorização e preservação das terras, mas sim, procuram tirar mais partido dela, o máximo proveito
Geografia A
Resumos Globais 10/11ºano
durante a vigência do contrato. Contudo o arrendamento, evita o abandono das terras, no caso de os
proprietários não poderem ou não quererem explora-las.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºse
mariajosantos
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Raffaella Ergün
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
Ilda Bicacro
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
Sara Guerra
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
jorgina8
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
Ilda Bicacro
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
Oxana Marian
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
Ilda Bicacro
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
acbaptista
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
Raffaella Ergün
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia a
AidaCunha73
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Catarina Castro
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
Ilda Bicacro
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
Ilda Bicacro
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
Carla Teixeira
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
Ilda Bicacro
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
Joana Pinto
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
Ilda Bicacro
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
713773
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
Andreia Pacheco
 

Mais procurados (20)

Conceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºseConceitos subsolo 10ºse
Conceitos subsolo 10ºse
 
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas UrbanasGeografia A 11 ano - Áreas Urbanas
Geografia A 11 ano - Áreas Urbanas
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e MinhoAs regiões agrárias: Entre Douro e Minho
As regiões agrárias: Entre Douro e Minho
 
Resumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º anoResumo de matéria de História 10º ano
Resumo de matéria de História 10º ano
 
As fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agráriosAs fragilidades dos sistemas agrários
As fragilidades dos sistemas agrários
 
Agricultura Transmontana
Agricultura TransmontanaAgricultura Transmontana
Agricultura Transmontana
 
Variabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solarVariabilidade da radiação solar
Variabilidade da radiação solar
 
Disponibilidades Hídricas
Disponibilidades HídricasDisponibilidades Hídricas
Disponibilidades Hídricas
 
Geografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União EuropeiaGeografia A 11 ano - União Europeia
Geografia A 11 ano - União Europeia
 
Testes geografia a
Testes geografia aTestes geografia a
Testes geografia a
 
Diversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do SubsoloDiversidade dos Recursos do Subsolo
Diversidade dos Recursos do Subsolo
 
Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)Variabilidade da radiação solar(3)
Variabilidade da radiação solar(3)
 
Distribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesaDistribuição da população portuguesa
Distribuição da população portuguesa
 
A sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º anoA sociedade de ordens 11º ano
A sociedade de ordens 11º ano
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
MACS - grafos, trajetos e circuitos eulerianos; circuitos eulerianos...
 
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comumA agricultura portuguesa e a política agrícola comum
A agricultura portuguesa e a política agrícola comum
 
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º anoAs áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
As áreas metropolitanas de Lisboa e Porto - Geografia 11º ano
 
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 História 11ºano ( matéria do 1º período) História 11ºano ( matéria do 1º período)
História 11ºano ( matéria do 1º período)
 

Destaque

Geografia a 10ºano
Geografia a   10ºanoGeografia a   10ºano
Geografia a 10ºano
MissManson
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
Vítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
Vítor Santos
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
Vítor Santos
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
Vítor Santos
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
Vítor Santos
 

Destaque (8)

Geografia a 10ºano
Geografia a   10ºanoGeografia a   10ºano
Geografia a 10ºano
 
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
12 o após_guerra_fria_e_a_globlização
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_2_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
7 01 parte_1_as_transformações_das_primeiras_décadas_do_século_xx
 
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_100 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
00 01 preparação_exame_nacional_história_a_2018_módulo_1
 
05 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 205 a cultura do palácio 2
05 a cultura do palácio 2
 
05 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 105 a cultura do palácio 1
05 a cultura do palácio 1
 

Semelhante a Resumos Globais 10º

3º resumo geografia 10º ano
3º resumo geografia 10º ano3º resumo geografia 10º ano
3º resumo geografia 10º ano
ritaamelo21
 
Recursossubsolo
RecursossubsoloRecursossubsolo
Recursossubsolo
orla.esteves
 
10º subsolo
10º subsolo10º subsolo
10º subsolo
Idalina Leite
 
Os recursos do subsolo
Os recursos do subsoloOs recursos do subsolo
Os recursos do subsolo
Catalin Danu
 
GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2
Idalina Leite
 
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
TostaMalik1
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
Raquel De Almeida
 
Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsolo
ana pinho
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
Filipe Leal
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Catarina Castro
 
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicosRecursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
Marisa Ferreira
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
CientistasMalucas
 
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
JoseAlmeida712446
 
Correção teste4 jan
Correção teste4 janCorreção teste4 jan
Correção teste4 jan
manjosp
 
Paisagens geologicas
Paisagens geologicasPaisagens geologicas
Paisagens geologicas
N C
 
Mostra arquivo
Mostra arquivoMostra arquivo
Mostra arquivo
Flavia Odilon
 
Os recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo ApresentaçãoOs recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo Apresentação
Victor Veiga
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
manjosp
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
Telmo369
 
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxrecursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
RitaMagalhaes16
 

Semelhante a Resumos Globais 10º (20)

3º resumo geografia 10º ano
3º resumo geografia 10º ano3º resumo geografia 10º ano
3º resumo geografia 10º ano
 
Recursossubsolo
RecursossubsoloRecursossubsolo
Recursossubsolo
 
10º subsolo
10º subsolo10º subsolo
10º subsolo
 
Os recursos do subsolo
Os recursos do subsoloOs recursos do subsolo
Os recursos do subsolo
 
GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2GEOGRAFIA A - Síntese 2
GEOGRAFIA A - Síntese 2
 
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
2.1 Os recursos do subsolo (Geografia A, 11ºano - resumos)
 
Recursos minerais
Recursos mineraisRecursos minerais
Recursos minerais
 
Recursos do Subsolo
Recursos do SubsoloRecursos do Subsolo
Recursos do Subsolo
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do SubsoloProblemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
Problemas e Potencialidades dos Recursos do Subsolo
 
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicosRecursos minerais - Metálicos e não metálicos
Recursos minerais - Metálicos e não metálicos
 
Recursos Minerais
Recursos MineraisRecursos Minerais
Recursos Minerais
 
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
1. Introdução à Tecnologia Pedreiras
 
Correção teste4 jan
Correção teste4 janCorreção teste4 jan
Correção teste4 jan
 
Paisagens geologicas
Paisagens geologicasPaisagens geologicas
Paisagens geologicas
 
Mostra arquivo
Mostra arquivoMostra arquivo
Mostra arquivo
 
Os recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo ApresentaçãoOs recursos do subsolo Apresentação
Os recursos do subsolo Apresentação
 
Recursos marítimos
Recursos marítimosRecursos marítimos
Recursos marítimos
 
Recursos naturais
Recursos naturaisRecursos naturais
Recursos naturais
 
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptxrecursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
recursos do subsolo e unidades geomorfológicas ALUNOS.pptx
 

Resumos Globais 10º

  • 1. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano 10º Portugal na Europa e no Mundo Distritos de Portugal – Nut I, II & III
  • 2. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Escalas – serve para calcular distâncias entre dois lugares e é um dos elementos fundamentais num mapa, junto com a legenda, o título e a orientação. As escalas podem ser numéricas ou gráficas. Uma escala é tanto maior, quanto menor for o denominador, isto é, significa dizer que a realidade foi reduzida menor vezes, e aparece com maior pormenor. A localização relativa e localização absoluta - Coordenadas terrestres Corresponde a Km, Hm, Dam, M, Dc, Cm, MM N – Norte ou Setentrião; S – Sul ou Meridião; E – Este, Leste, Oriente ou Nascente; O – Oeste, Ocidente, Ocaso ou Poente;
  • 3. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Recursos do Subsolo Jazida - Local onde existe uma concentração de minerais, permitindo assim a sua exploração (acumulação de minerais de interesse económico). Os recursos minerais, são de acordo com as suas características, habitualmente classificados da seguinte forma: o Minerais metálicos, aqueles em cuja constituição se encontram substâncias metálicas (ferro, cobre, chumbo, zinco, estanho, ouro, platina e prata). o Minerais não metálicos, aqueles em cuja constituição se encontram substâncias não metálicas (sal-gema, quartzo e o caulino). o Minerais energéticos, minerais que podem ser utilizados como fontes de energia (carvão, petróleo, gás natural e urânio). o Rochas industriais, que se destinam à transformação industrial e à construção civil e obras públicas (calcário e as margas). o Rochas ornamentais, que são muito utilizadas na decoração dos edifícios e ruas, bem como no mobiliário e nos objectos decorativos (mármore e granito) o Águas minerais, águas subterrâneas com propriedades terapêuticas ou com benefícios para a saúde. o Águas de nascente, águas subterrâneas consideradas próprias para consumo. o Águas termais,agua que visa o tratamento e a prevenção de algumas patologias (A nível regional o termalismo é um factor de dinamismo e de desenvolvimento – reflecte-se no turismo, permite o aproveitamento de recursos naturais e ainda redução das assimetrias regionais). Tipos de rochas: Magmáticas –formam-se por consolidação do magma. Sedimentares – formadas por acumulação de sedimentos de outras rochas (calcário, argilas) Metamórficas – formam-se pela transformação de rochas pré-existentes sujeitas a elevadas temperaturas (xisto)
  • 4. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Unidades Geomorfologicas de Portugal Portugal, tem uma elevada diversidade e quantidade de recursos minerais, que, no território continental, se distribuem ao longo das três unidades geomorfologicas: o Maciço Antigo; o Orlas Mesocenózoicas Ocidental e Meridional; o Bacia Sedimentar do Tejo-Sado; Maciço Antigo o Unidade geomorfologica mais antiga e extensa, que ocupa cerca de 7 décimos do território nacional; o É constituído por uma grande diversidade geológica, assente em rochas muito antigas e com um grau de dureza elevado, como o granito e o xisto; o É no maciço antigo que se localiza uma boa parte das jazidas minerais, principalmente nas áreas de contacto entre formações geológicas diferentes, tendo maior importância as jazidas de minérios metálicos e energéticos e as de rochas ornamentais cristalinas. Orlas Mesocenózoicas Ocidental e Meridional Ocidental o Formou-se no período secundário; o Estende-se ao longo do litoral, de Espinho à Serra da Arrábida; o Separa-se do Maciço Antigo por um acidente complexo, a falha de Coimbra. Meridional o Ocupa a faixa litoral do Algarve, entre a serra e o mar e nela sobressaem algumas colinas calcárias, altas e enrugadas. Bacias do Tejo e Sado o Unidade geomorfologica mais recente; o Formou-se por deposição de sedimentos marinhos em áreas deprimidas (planícies de aluvião), antes invadidas pelo mar, que, ao emergirem, deram origem às planícies dos Tejo e do Sado; o Nesta unidade geomorfologica, predominam rochas sedimentares, como as areias, o cascalho, a argila e algum calcário.
  • 5. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano A Industria Extractiva – ramo da industria que se dedica á extracção de produtos directamente da Natureza, no estado bruto. o A Industria extractiva nacional, conheceu no final do século XX (entre 1989 e 1998), uma alteração provocada no subsector, devido: Ao arranque de projectos como o da mina de neves corvo; o A partir de meados da década de 90, a tendência verificada sofre uma alteração, assistindo-se assim a um decréscimo no subsector das minas, devido: Á diminuição da produção; Regressão que se verificou no minérios metálicos preciosos e energéticos – encerramento de minas (diminuição das cotações). o Entre 2000 – 2004, manteve-se a tendência de regressão dos minerais energéticos e metálicos. Contudo neste período, verificou-se que até 2002, o subsector das rochas industriais e ornamentais, conheceu um aumento de produção devido: Aumento da competitividade das empresas; Melhoria dos padrões de qualidade; Maior agressividade nos mercados internacionais; Maior absorção destas matérias-primas pela construção civil – sobretudo rochas industrias e ornamentais. o No ano de 2004, dá-se uma inversão nos minérios metálicos, contudo o cobre manteve-se o mais produzido. Neste ano verificou-se ainda uma viragem na evolução da indústria extractiva, uma vez que o valor da produção aumentou significativamente em relação a 2003. Minerais Metálicos Minerais não metálicos Rochas Industriais/ornamentais Recursos Hidrominerais
  • 6. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Os minérios com mais importância são o cobre, estanho e o ferro. Este subsector, nos últimos anos, atravessou um período crítico a nível da produção e consecutivamente da exploração, devido: o Falta de competitividade do mercado; o Encerramento de algumas minas; Os minérios não metálicos em Portugal sofreram, no período de 1999-2004, um aumento da sua produção, apesar de se verificar pequenas oscilações verificadas em alguns subsectores, como é caso da diminuição da produção de feldspato e de quartzo. Em Portugal os minérios não metálicos de maior importância são o sal- gema, o feldspato, o quartzo, o talco e as areias feldspáticas. As rochas industriais, que em 2002, representava cerca de 50% da produção e em 2004 41%, constituíram o subsector mais importante no sector mineiro. As rochas industriais mais exploradas são as areias comuns, o calcário sedimentar e as argilas comuns. As rochas ornamentais subdividem-se em: Rochas carbonatadas – mármores, calcário (sedimentar e microcristalino) e brecha; Rochas Siliciosas – granito, sienito e diorito; Ardósias e xistos ardosiferos; Os recursos minerais englobam as águas: minerais, de nascente e termais. As aguas minerais e as aguas de nascente pertencem ao sector das aguas engarrafadas. Em 2005 as vendas deste sector cresceram ainda que ligeiramente em relação a 2004. A evolução positiva deste sector deve-se: o Crescimento das vendas de aguas engarrafadas; o Aumento do consumo de aguas engarrafadas por habitante, que passou de 56 para 87 litros/ano. Recursos Energéticos Os recursos energéticos são agrupados em não renováveis, os que se esgotam (tem um elevado consumo e que por isso, não se renovam em tempo útil para suprimir as necessidades do homem); e os renováveis que não se esgotam (renovam-se permanentemente na natureza a um tempo igual ou superior ao do seu consumo pelo homem). Renovável ou não, a utilização dos recursos energéticos tem como objectivo a produção de energia.
  • 7. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Impactes ambientais no Sector Energético O modelo energético actual (baseado na química de combustíveis fósseis e na energia nuclear) apresenta inúmeros problemas: o Poluição e degradação do meio ambiente; o Esgotamento de reservas de petróleo, carvão, e gás natural; o Produção de resíduos radioactivos e possibilidade de acidentes nucleares; o Dependência do exterior por parte dos países não produtores de energias fósseis. Recursos Energéticos Não Renováveis o Carvão – é um combustível fóssil, e um recurso que se caracteriza por: ser não renovável; muito poluente; pesado e volumoso; aumentar a dependência de Portugal. o Petróleo – é um óleo mineral, não renovável e muito poluente em todas as fazes nomeadamente: durante a extracção; durante o transporte; durante a refinação; durante a combustão. o Gás Natural – é utilizado como combustível para reduzir a dependência do petróleo, sendo por isso considerado uma energia uma energia alternativa. Em Portugal a introdução do gás natural em Portugal, reflectiu uma opção de politica energética que visou: diversificação das fontes de energia; redução da dependência em relação ao petróleo; preservação ambiental; desenvolvimento regional. o Urânio – minério radioactivo utilizado na produção de energia nuclear. Este minério tem riscos como acidentes; poluição radioactiva … Recursos Energéticos Renováveis o Energia solar – gratuita, inesgotável, não poluente - o Energia eólica – gratuita, inesgotável, não poluente, resulta da conversão da energia do vento em electricidade. o Energia geotérmica – resulta do aproveitamento energético do calor da terra, sobretudo de áreas vulcânicas ou sísmicas – obtenção de água ou vapor. o Biomassa – resíduos naturais da actividade humana, produtos de agricultura, de pecuária, que são aproveitados para a produção de calor ou electricidade, biocombustiveis (etanol e metanol). o Dependência Externa –no que diz respeito aos combustíveis fosseis, a dependência de Portugal é máxima, isto porque importamos a totalidade do carvão, do petróleo e do gás natural que consumimos. O país depende do abastecimento externo ficando assim vulnerável à oscilação dos preços. Esta situação insere-se num contexto comunitário pois a U.E constitui também um espaço de dependência energética, sobretudo em relação aos combustíveis fosseis.
  • 8. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Mni9i Humidade absoluta: quantidade de vapor de agua que existe num 1m 3 de ar > A humidade absoluta varia na razão directa da temperatura, quanto maior for a temperatura, maior é a humidade absoluta. > A estação do ano c/ maiores valores de humidade absoluta é o verão. 20 gr. 1 m3 Humidade relativa: razão entre a quantidade de vapor de água que determinado volume de ar contem e a quantidade máxima de vapor de agua que esse volume de ar pode conter à mesma temperatura – exprime-se em % > Varia na razão inversa da temperatura. Ponto de saturação: quantidade máxima de vapor de água que um determinado volume de ar pode conter a uma dada temperatura = gr/m 3 . O ponto de saturação varia na razão directa da temperatura, isto é, quanto maior for a temperatura mais alto é o ponto de saturação. O ponto de saturação é mais alto no verão, do que no inverno. A Pressão Atmosférica –é a força que o ar atmosférico exerce sobre os corpos à superfície. Esta varia com a altitude, a temperatura, e a densidade do ar, isto é: > À medida que aumenta a altitude, a pressão diminui (e vice-versa); > À medida que a temperatura aumenta, a pressão diminui (e vice- versa); > Quanto maior a densidade do ar, maior a pressão (e vice-versa). A pressão atmosférica varia no tempo e no espaço devida às variações de temperatura, à densidade do ar e aos movimentos da atmosfera. Os movimentos de ar na atmosfera podem ser verticais ou horizontais: > Os movimentos verticais do ar (de convecção) são ascendentes > Os movimentos horizontais (de advecção) são convergentesou divergentes. 76cm hg = 1013 mb +1013mb – pressão elevada; -1013 mb – pressão baixa; Linhas Isóbaras ou isobáricas - linhas que unem pontos com a mesma pressão atmosférica.
  • 9. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Centros Barométricos Centros Barométricos: circulação do ar Se a pressão for superior a 1013mb, é uma alta pressão (A); Se for inferior a este valor designa-se de baixa pressão (B). Após a pressão atmosférica ser reduzida ao nível médio do mar, é possível unir pontos c/ o mesmo valor de pressão – ISOBÁRAS. Destas surgem configurações são chamados centros barométricos. Os centros barométricos resultantes, são: > Alta pressão ou anticiclones – quando a pressão atmosf. é superior a 1013mb. > Baixa pressão ou depressões – quando a pressão atmosf. é inferior a 1013mb  Organismo isobárico fechado;  A pressão aumenta da periferia para o centro;  A pressão é mais elevada no centro  Organismo isobárico fechado;  A pressão diminui da periferia para o centro;  A pressão é mais baixa no centro. Nos centros barométricos, sopram sempre das altas para as baixas pressões, perpendicularmente às isóbaras, num movimento em espiral. Dá origem ao gradiente barométrico. Os ventos são normalmente desviados para a direita, no hemisfério norte e para a esquerda no hemisfério sul – Força de Coriolis, que resulta do movimento de rotação da terra. Contudo, se a distância for grande, o vento tenderá a soprar paralelamente ou obliquamente às isóbaras. Movimentos horizontais do ar nos anticiclones e nas depressões barométricas.
  • 10. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Origem e Estados de tempo associados aos centros barométricos Os centros barométricos podem ter uma origem térmica (temperatura do ar), ou dinâmica (movimento do ar na atmosfera). Anticiclone de origem dinâmica: > Resultam de subsidência do ar. O ar, ao descer em altitude, comprime-se tornando-se mais denso, o que provoca o aumento da pressão. (ex.: o anticiclone subtropical dos Açores). > Como surgem devido aos movimentos do ar na atmosfera, são permanentes, contudo ao longo do ano podem sofrer algumas oscilações em latitude ou diminuírem de intensidade consoante a época do ano, uma vez estes mecanismos acompanharem o movimento anual aparente do sol. Anticiclone de origem térmica: > Resultam do intenso arrefecimento do ar em contacto com o solo mais frio. Ao arrefecer, o ar comprime-se e torna-se mais denso, o que leva ao aumento da pressão. Devido às diferenças térmicas entre os oceanos e os continentes, formam-se com frequência sobre os continentes no inverno e sobre os oceanos no verão – efémeros. Depressões de origem dinâmica: > Estão associadas ao movimento ascendente do ar. O ar converge, e ao convergir, sofre uma inflexão, sendo por isso obrigado a ascender, fazendo diminuir a pressão à superfície. Tal como acontece nos anticiclones são permanentes. Depressões de origem térmica: > Formam-se devido ao intenso aquecimento do ar em contacto com uma superfície mais quente do que as áreas envolventes. Assim, ao aquecer o ar dilata-se, tornando-se mais leve, o que diminui a pressão. São por isso efémeras, pois formam-sesobre os continentes no verão e sobre os oceanos no inverno.
  • 11. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Distribuição dos centros barométricos Baixas pressões: > Junto ao equador, as baixas pressões equatoriais, que têm uma origem sobretudo dinâmica, devido à convergência dos ventos alísios vindos dos anticiclones subtropicais; às elevadas temperaturas, que provocam a dilatação do ar e o tornam mais leve. > Nas médias e altas altitudes, nas proximidades dos círculos polares, as células de baixa pressão subpolares que tem origem na convergência de ar quente dos anticiclones e do ar frio das altas pressões polares. Altas pressões: > À cintura de altas pressões subtropicais, onde se inclui o importante anticiclone dos Açores, sensivelmente a 30º de latitude, nas proximidades dos trópicos de câncer e de Capricórnio – tem origem dinâmica. > As altas pressões polares, que são de origem térmica, pois resultam do intenso arrefecimento do ar em contacto com o solo gelado. A distribuição dos principais centros barométricos dá origem à formação de determinados ventos: > Os alísios, que sopram de nordeste no hemisfério Norte, e de sudoeste no hemisfério sul, das altas pressões subtropicais para as baixas pressões equatoriais; > Os ventos de oeste, que se deslocam das altas pressões subtropicais para as baixas pressões subpolares; > Os ventos de leste, que se deslocam das altas pressões polares para as baixas pressões subpolares.
  • 12. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano As massas de ar Perturbações frontais Frente Fria – a massa de ar frio a convergir com a de ar quente, obriga-a a subir. Ao subir, o ar quente encontra temperaturas baixas, a h.r aumenta, atinge-se o ponto de saturação e dá-se a condensação do vapor de agua, formando nuvens e chuva. As nuvens são de desenvolvimento vertical, surfem aguaceiros c/ aberta e descida de temperatura. Frente quente – o ar quente desloca-se lentamente sobre o ar frio, onde se formam nuvens de fraco desenvolvimento vertical e precipitação sob forma de chuvisco (chuva “miudinha). Porção de troposfera em que todos os pontos têm características idênticas de temperatura e humidade. As massas de ar, adquirem características das regiões sobre as quais se formam. > Dependendo da área de origem, é possível designar as massas de ar equatorial, tropical, polar, árctica e antárctica bem como, classifica-las de acordo com a humidade, temperatura e densidade. > Uma massa de ar, formada sobre um oceano designa-se de massa de ar marítima ; uma massa de ar, formada sobre um continente, designa-se de massa de ar continental. Do mesmo modo a massa de ar, pode ser fria ou quente. Devido à sua latitude, Portugal sofre uma influência mais directa de 2 massas de ar:  Massa de ar frio polar – que se forma nas altas latitudes, junto aos pólos ou nas regiões subpolares;  Massa de ar quente tropical – cuja formação se dá junto ao equador ou nas regiões tropicais e sub-trop. As características das massas de ar, são inconstantes e esta acaba por se modificar ao deslocar-se e afastar-se da região de origem, acabando assim por adquirir, ao fim de alguns dias, características dos ares envolventes. Ex: → Uma Massa de ar fria, ao passar por uma superfície mais quente, aquece, assim como se uma massa de ar quente passar por uma superfície fria, arrefece. → Uma massa de ar marítimo, ao permanecer vários dias sobre um continente, vai perdendo humidade e acaba por se tornar mais seca, bem como uma que se forme em superfície continental, ao passar por oceanos, adquire gradualmente humidade.
  • 13. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Precipitação Ponto de saturação: > Quantidade máxima de vapor de agua que o ar pode conter a uma determinada temperatura. Humidade absoluta: > Massa de vapor de água por unidade de volume de ar. É geralmente expressa em g/m 3 Humidade relativa: > Relação entre a massa de vapor de água existente num determinado volume de ar e a massa de vapor de água necessária para saturar esse mesmo ar, sem variação da temperatura. Exprime-se em percentagem e varia no sentido contrário à temperatura.
  • 14. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Os estados de tempo e o clima de Portugal (situações meteorológicas mais frequentes) Clima de Portugal , Inverno: “Mau tempo” > Céu muito nublado; > Precipitação elevada; > Vento moderado ou forte; > Temperatura relat. baixa; Portugal no inverno é atingido com grande frequência pelas baixas pressões subpolares e pelas perturbações da frente polar. A baixa temperatura,deve-se ao menor ângulo de incidência dos raios solares e á menor duração do dia. Verão: “Bom tempo” > Céu limpo ou pouco nublado; > Precipitação escassa; > Vento fraco; > Temperatura elevada; Portugal, no verão, é influenciado pelo anticiclone dos açores. Os mecanismos associados ao mau tempo, ñ afectam o país, ou se fazem é muito esporadicamente, por estarem muito deslocados para norte e por a faixa de anticiclones subtropicais constituir uma barreira à passagem destes para sul. A temperatura elevada deve-se ao maior incidência dos raios solares, à maior duração do dia e à influência da massa de ar quente tropical que atinge o território. O clima português, caracteriza-se pela sua feição mediterrânea, que é mais acentuada no sul do país. Assim, o clima é temperado mediterrâneo. No entanto, é possível identificar alguns conjuntos climáticos resultantes da influência: > Do atlântico no litoral, sobretudo no litoral norte; > Do continente no interior; > Da altitude nas áreas de montanha; Divisão climática de Portugal A. Clima temperado mediterrâneo de influência atlântica(oceânica) – norte litoral: > Verões mais frescos e invernos amenos; > Fraca amplitude térmica anual; > Precipitação elevada ao longo de todo o ano, concentrando-se no Outono e no Inverno. > Dois meses secos B. Clima temperado mediterrâneo de influência continental – norte interior: > Verões muito quentes (com temperatura elevada) e invernos muito frios (com temperaturas relativ. baixas); > Elevada amplitude térmica; > Precipitação fraca; > Estação seca com uma duração entre os dois e os quatro meses; C. Clima temperado mediterrâneo de influência continental – centro/sul: > Verões quentes, longos e secos; > Invernos suaves e curtos; > Precipitação irregular e fraca; > Estação seca entre quatro a seis meses;
  • 15. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Águas Superficiais A rede hidrográfica – conjunto formado pelo rio principal e pelos seus afluentes e subafluentes. Na rede hidrográfica nacional,destacam-se: > Rio Minho, Lima, Douro, Tejo e Guadiana – rios cuja nascente localiza-se em Espanha (rios internacionais); > Rio Vouga, Sado e Mondego – rios que nascem em território nacional; A rede hidrográfica de Portugal continental, acompanha a inclinação geral da topografia da península ibéria, indo portanto desaguar oceano atlântico, com excepção do rio Sado e Guadiana. No norte: > A rede hidrografia é mais densa e os rios apresentam maior declive ao longo do percurso. No sul: > O relevo mais aplanado faz com que os cursos de água tenham percursos com menor declive e escoem em vales mais largos. As bacias hidrográficas – são uma área definida topograficamente, drenada por um curso de água, ou por um sistema de cursos de água, em que todas as águas são drenadas para uma única saída – a foz. A maioria das bacias hidrográficas portuguesas localiza-se totalmente em território nacional, mas as mais extensas são internacionais, as bacias hidrográficas luso-espanholas, nomeadamente: Minho; Lima; Douro – a mais extensa, considerando a área ocupada nos dois países; Tejo – a mais extensa, ocupando apenas território nacional; Guadiana; Nas bacias hidrográficas internacionais, as disponibilidades hídricas, tem uma forte dependência face a Espanha, embora em território espanhol o escoamento anual médio seja inferior ao de Portugal continental.
  • 16. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Variação do caudal dos rios As disponibilidades hídricas das bacias hidrográficas portuguesas são fortemente influenciadas pela irregularidade temporal e espacial da precipitação, que confere ao escoamento uma acentuada sazonalidade. Apesar de mais acentuados no sul, Portugal caracteriza-se pelos seus cursos de água terem um regime irregular, e mesmo torrencial, pois os caudais são: No inverno, muito elevados, devido à chuva e às menores temperaturas – leva ao aumento da evaporação; No verão, os caudais são quase nulos, devido aos menores quantitativos pluviométricos e às temperaturas mais elevadas – favorece o aumento da evaporação. No norte: Os rios apresentam um caudal mais elevado e o seu regime caracteriza-se pela ocorrência de cheias pouco frequente no inverno e na primavera e pelo decréscimo acentuado dos caudais do período de verão, havendo mesmo rios sem escoamento. A acção do homem também influência o regime hídrico, por exemplo, da construção de barragens, que permitem regularizar os caudais durante o ano. Na época em que os quantitativos pluviométricos, são muito elevado, há retenção de água nas albufeiras, visando atenuar as cheias. Na época em que a precipitação é escassa, estação seca estival, impedem que deixe de haver escoamento, isto é, que os rios sequem totalmente, uma vez que a água armazenada permite manter um escoamento mínimo (caudal ecológico). As Aguas Subterrâneas Os aquíferos Uma parte da precipitação infiltra-se nos solos, alimentando as reservas de água subterrânea. Assim, a precipitação é a principal fonte de abastecimento das toalhas freáticas (lençóis de água subterrânea que circulam ou se acumulam em aquíferos). Contudo, quando o solo fica saturado, não existe infiltração e começa a haver escoamento superficial. As águas subterrâneas incluem as águas minerais naturais e de nascente, e as águas termais, com fins terapêuticos. Caudal –é o volume total de água que passa numa dada secção de um rio por unidade tempo (m 3/ s). Formação geológica que permite a circulação e o armazenamento de aguas no seus espaços vazios, possibilitando o aproveitamento desta pelo homem. Os aquíferos são importantes reservatórios de água subterrânea, que, relação às águas superficiais tem a vantagem de: Melhor qualidade da água; Não se reduzirem devido à deposição de detritos; Não sofrerem evaporação; Não exigirem encargos de conservação;
  • 17. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano A gestão da água Importância de planear a utilização dos recursos hídricos Sendo a agua um recurso indispensável á vida, importa fazer uma gestão adequada da sua utilização, satisfazendo as necessidade crescentes e garantindo a sustentabilidade dos recursos hídricos. O planeamento dos recursos hídricos, é cada vez mais importante, pois a pressão sobre a água tem aumentado, devido ao seu maior consumo – explica-se pela melhoria das condições de vida, e pelo desenvolvimento dos sistemas de captação e distribuição da água. Principal Problemas na utilização da água A poluição O elevado consumo de água a nível mundial, em geral, e de Portugal, em particular, está a levantar sérios problemas ao nível da sua utilização de forma sustentável, mas também da sua qualidade, colocando assim em risco gerações futuras. Contudo, outros problemas surgem, como o da poluição da água, devido: > Aos efluentes domésticos, essencialmente constituídos por sais minerais, matéria orgânica, restos decompostos, que não são biodegradáveis e com elevada quantidade e diversidade de bactérias e vírus; > Aos efluentes industriais, que podem provocar contaminação a partir dos produtos químicos (resultantes do processo de lavagem e arrefecimento, que são lançado para os recursos hídricos em grandes quantidades; > Aos efluentes agropecuários, cuja poluição se faz sentir em solos sobre tudo de natureza permeável, devido a utilização inadequada de pesticidas e fertilizantes. Existem também outros processos responsáveis pelos problemas que se colocam hoje em dia aos recursos hídricos, é o caso: > Salinização, que ocorre sobretudo em áreas calcárias da orla costeira, onde os aquíferos estão em contacto com o mar. > Eutrofização, que surgem e se tem agravado devido ao lançamento para rios e lagos de efluente com detritos orgânicos, que levam ao crescimento de algas e outras espécies vegetais que consomem o oxigénio das águas extinção da fauna. > Desflorestação, que conduz a um aumento do escoamento superficial, e a um decréscimo da infiltração = compromete a “alimentação” dos aquíferos.
  • 18. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Problema do consumo e do abastecimento de água O abastecimento de água à população é um domínio que subsistem alguns problemas, uma vez que, apesar do consumo por habitante ter aumentado, nem toda a população tem acesso a esse serviço, embora se verifique uma evolução positiva. A nível nacional, verificam-se assimetrias, quando se comparam os consumos e as necessidades de água nas diferentes bacias hidrográficas. Redução do desperdício – medidas de racionalização do consumo de água A gestão planeada dos recursos hídricos, quer a nível nacional, quer internacional, permitirá que haja uma racionalização dos consumos, um controlo da qualidade da água,o tratamento das água residuais e o aumento da capacidade de aprovisionamento de água, para que o abastecimento deste recurso possa ser sempre garantido.
  • 19. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano As Características da linha da costa Embora de grande extensão, a costa portuguesa apresenta uma configuração linear e pouco recortada. O aspecto da linha da costa depende sobretudo, das características das formações rochosas que se encontram em contacto com o mar, e da intensidade da erosão marinha. No litoral português, verifica-se uma predominância da costa de arriba, talhada nos afloramentos rochosos de maior dureza que se apresenta ora alta e escarpada, ora mais baixa. A acção do mar sobre a linha de costa O mar, sendo um poderoso agente erosivo, exerce sobre a linha da costa uma acção que envolve os processos de desgaste, transporte e acumulaçãode materiais rochosos, designada por erosão marinha. O desgaste é provocado pela força das ondas que, com o seu movimento, provocam a fragmentação das rochas. Esta acção, é reforçada pela areia e por fragmentos rochosos, arrancados às rochas do litoral ou transportados pelas correntes marítimas ou pelos rios até ao mar.
  • 20. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Estes materiais, pela acção das ondas, são projectados contra as formações rochosas do litoral que sofrem, uma intensa erosão mecânica, à qual se dá o nome de abrasão marinha esta continua acção de desgaste, é intensa na base das arribas, fazendo com que a parte superior fique sem apoio e se desmorone, conduzindo ao seu progressivo recuo «Rias» de Aveiro e Faro A ria de Aveiro é uma laguna – uma extensão de água, mais ou menos salobra separada do mar por uma espessa restinga – cordão arenoso – que resultou da acumulação de sedimentos transportados pelas correntes marítimas e pelo rio Vouga. É por vezes, denominada half-delta, pois o rio desagua na laguna, formando um delta interior ramificado em quatro braços principais – Ovar, Murtosa, Vagos e Mira, com uma barra artificial. A ria de Faro, ou ria formosa, resultou também da acumulação de materiais, transportados pela deriva litoral – corrente resultante da aproximação oblíqua das ondas relativamente à praia – que corre predominantemente de oeste para leste. É também uma área lagunar que se situa na parte mais proeminente do litoral algarvio, que se encontra igualmente separada do mar por uma restinga. Estas duas áreas assumem grande parte importância no litoral português, pela riqueza e variedade de recursos disponíveis, pelas actividades que ai se desenvolve e pela diversidade e ecossistema que servem de suporte a variadas espécies da fauna e da flora.
  • 21. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Configuração geral da costa e a localização dos principais portos O tipo da costa característico português, está directamente relacionado com os tipos de rocha constituintes. > Assim sendo, em áreas que as rochas apresentam um grau de dureza elevado – norte de espinho; entre Nazaré e a foz do Tejo; entre o cabo espichel e a foz do Sado; entre sagre e Quarteira – como o xisto, o granito e o calcário, a costa é de arriba; > Nas áreas de rochas mais brandas – espinho e a Nazaré; estuário do Tejo; a foz do Sado e o cabo de Sines; Quarteira e V.R. de santo António – como o arenito e a argila, a costa é de praia. Os estuários do Tejo e Sado Estuários: áreas da foz dos rios, que desaguam directamente no mar, e onde a influência das correntes e das marés é importante. A foz dos rios Tejo e Sado, constituem os únicos recortes verdadeiramente acentuados no litoral português, razão pela qual deram origem a dois importantes complexos portuários. Outros acidentes do litoral: → Concha de são Martinho do Porto; → Tômbolo de Peniche,
  • 22. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Principais Factores que influenciam os recursos piscatórios A abundância de peixe é influenciada pelas condições de temperatura, iluminação, salinidade e oxigenação das águas de que depende a existência de maior ou menor quantidade de plâncton – organismos microscópicos vegetais (fitoplâncton) ou animais (zooplâncton) –, dos quais muitas espécies de peixes se alimentam. A plataforma Continental – é uma unidade morfológica submersa, contígua ao continente, ligeiramente inclinada, que se estende até uma profundidade de 200m. Na plataforma continental, existem vários factores favoráveis á abundância de recursos piscatórios. As suas águas: > São pouco profundas, o que permite uma maior penetração de luz; > São mais agitadas e por isso, mais ricas em oxigénio; > Possuem menor teor de sal, devido á agitação e ao facto de receberem as águas continentais dos rios que nela desaguam. > São mais ricas em nutrientes, pois existem boas condições de luz e oxigénio para a formação de plâncton e recebem os resíduos orgânicos transportados pelos rios. Deste modo, a quantidade e a diversidade de fauna marinha são maiores nas áreas da plataforma continental. Esta é relativamente estreita ao longo de todo o litoral português. A plataforma continental, corresponde a cerca de 1% da ZEE de Portugal. É uma das limitações de pesca portuguesa, que se traduz numa menor abundância de pescado.
  • 23. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Correntes Marítimas – deslocações de grandes massas de água individualizadas pelas suas características de temperatura e densidade. As correntes marítimas são favoráveis á abundância de pescado, principalmente na área de confluência de uma corrente fria e de uma corrente quente. As aguas agitadas proporcionam a renovação da água e do plâncton e em consequência, a renovação de stocks – reservas piscícolas. A corrente quente do golfo, atinge a Europa através da sua derivado Atlântico Norte. Portugal é afectado por uma ramificação desta deriva, já em deslocação para sul, que atinge a costa portuguesa, onde toma a designação de corrente de Portugal. A sudoeste do território, esta corrente encontra-se com a corrente fria das Canárias = favorecendo a existência de pescado. UPWELLING É uma corrente de compensação de águas frias, ou seja, as correntes ascendentes (do fundo para a superfície) compensam as correntes descendentes (da superfície para o fundo). A sua intensidade, está directamente relacionada com os ventos do norte (noroeste e nordeste), pois quanto mais fortes e constantes forem estes ventos, maior será a sua intensidade. Este fenómeno, nos meses de verão, é responsável pelas maiores quantidades de espécies (sardinha, carapau…). Na costa meridional, o upwelling raramente acontece. Zona Económica Exclusiva (ZEE) Mar territorial ou águas territoriais: águas que se encontram até 12 milhas dos limites exteriores da costa e sobre os quais o estado detém soberania Zona contígua: zona de mar alto entre 12 a 24 milhas marítimas, sobre a qual o estado pode exercer fiscalização para prevenir ou reprimir infracções às suas leis. ZEE: estabelece o poder dos estados costeiros de proteger e gerir os recursos marítimos, até uma distância de 200 milhas náuticos. Aqui o estado tem direitos de exploração, investigação, conservação e gestão dos recursos naturais Repartida por 3 áreas, continente e ilhas (madeira e açores), a ZEE conta com uma extensão de 1 731 000 k, é a maior de entre os países da U.E, e a 5ª maior do mundo. No entanto existem problemas na sua gestão: > Sobreexploração dos oceanos; > Poluição marinha; > Pressão urbanística sobre o litoral;
  • 24. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Actividade Piscatória A frota de pesca A frota de pesca portuguesa subdivide-se em dois grandes grupos de embarcações: > As que operam nas aguas nacionais e adjacentes, normalmente identificadas por embarcações da frota local e costeira; > As que actuam em pesqueiros longínquos, ou seja, em aguas internacionais ou de países terceiros, e que são identificadas por embarcações da pesca do largo Tipos de embarcações Embarcações de pequena pesca Embarcações da pesca costeira Embarcações da pesca de largo Apresentam pequenas dimensões; São constituídas maioritariamente em madeira; Actuam em águas interiores, ou perto da costa (+/- 6 milhas); Utilizam artes de pesca diversificadas; Desenvolvem a actividade em curtos períodos de tempo; Capturam sobretudo espécies de alto valor comercial; São responsáveis por um grande nº dos postos de trabalho neste sector. Desenvolvem a sua actividade para lá das 6 milhas; Podem operar em áreas mais afastadas, mesmo alem da ZEE nacional; Detêm meios de conservação do pescado; Têm maior potencia e autonomia do que as embarcações da frota local; As de maior dimensão podem atingir 2 a 3 semanas de actividade; Têm grandes dimensões; Actuam para lá das 12 milhas da linha da costa; Detêm condições de autonomia que permitem a permanência no mar durante longos períodos de tempo; Utilizam técnicas de captura e detecção de cardumes, bastante avançados (sondas, satélites) Encontram-se equipadas com tecnologias que permitem a transformação e congelação do pescado a bordo. A rentabilização do litoral e dos recursos marítimos As artes de pesca utilizadas, neste tipo de frota subdivide-se em: > Polivalente – utiliza diversas técnicas; > De arrasto – utiliza redes em forma de saco que são puxada muito rapidamente, impedindo a fuga do peixe; > De cerco – a rede é colocado em volta de um cardume e o cabo profundo pode ser puxado ate formar um saco onde os peixes ficam aprisionados;
  • 25. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano A partir das avaliações científicas dos recursos, que são realizadas anualmente, a U.E, toma diversas medidas para gerir, controlar e proteger os recursos marinhos: > Estabelecimento de quotas de pesca; > Fixação de malhagens mínimas; > Controlo e vigilância relativamente às capturas autorizadas e ao numero de navios que podem exercer a sua actividade. Formas de potencialização do uso do espaço marítimo Modernização do sector das pescas; A reestruturação da indústria transformadora; O desenvolvimento da aquicultura; A exploração das algas; A exploração de recursos minerais; O aproveitamento turístico do mar, com respeito pelas áreas protegidas e pelos planos de ordenamento das orlas costeiras.
  • 26. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano As áreas rurais em mudança 11º A fragilidade dos sistemas agrários A agricultura tem vindo a perder importância na ocupação da população activa e na economia portuguesa. Apesar da modernização de alguns sistemas de produção, sobretudo após a adesão à EU, a agricultura continua a enfrentar problemas, relativos essencialmente às estruturas fundiárias, os níveis de rendimento e produtividade, a qualificação profissional dos agricultores e a adequação dos usos do solo às suas aptidões naturais. A fragilidade dos espaços rurais A agricultura em Portugal, é a actividade económica cuja contribuição para a criação da riqueza, expressa, por exemplo, no PIB e no VAB, tem vindo a decrescer. Esta tendência de diminuição, deve-se sobretudo ao desenvolvimento das actividades dos sectores secundário e terciário, cuja participação aumentou muito e tende a crescer, sobretudo a do sector terciário. O sector agrícola, no entanto, mantem algum peso na criação de emprego e detém uma grande importância na ocupação do espaço e na preservação da paisagem, constituído mesmo a base económica, essencial em algumas áreas rurais do País.
  • 27. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Principais factores condicionantes da agricultura – físicos e humanos A agricultura portuguesa é influenciada, tanto por factores naturais, como por factores humanos (de ordem histórica, cultural e politica). o No nosso país, o clima é um dos factores que mais condiciona a produção agrícola, pela temperatura e pela irregularidade de precipitação. o A existência dos recursos hídricos é fundamental para a agricultura, pois esta torna-se mais fácil e abundante, nas áreas onde a precipitação é mais regular. Em locais onde a precipitação é menor, é necessário recorrer a sistemas de rega artificial. o A fertilidade do solo (natural e criada pelo homem), influência directamente a produção em quantidade e em qualidade. Em Portugal, predominam solos de fertilidade média ou baixa, um condicionante para a agricultura. o O relevo, quando plano, a fertilidade dos solos é geralmente maior, assim como a possibilidade de modernização das explorações. Se este é mais acidentado, a fertilidade dos solos torna-se mais fraca, e há maior limitação no uso da tecnologia agrícola e no aproveitamento/organização do espaço. o O passado histórico é um dos factores que permite compreender a actual ocupação e organização do solo. Aspectos como a maior ou menor densidade populacional e acontecimentos ou processos históricos reflectem-se, ainda hoje, nas estruturas fundiárias (dimensão e forma das propriedades rurais). o O objectivo da produção é outro factor que influencia a ocupação do solo. Quando a produção se destina ao autoconsumo, as explorações são geralmente de menor dimensão e, muitas vezes, continuam a utilizar técnicas artesanais. Se a produção se destina ao mercado, as explorações tendem em ser maiores, utilizam tecnologia moderna (máquinas, sistemas de rega, estufas, etc) e são mais especializadas em determinados produtos – o que contribui para uma maior produtividade do trabalho. o As políticas agrícolas – orientações e medidas legislativas –, quer nacionais quer comunitárias (U.E), são actualmente factores de grande importância, uma vez que influenciam as opções dos agricultores relativamente aos produtos cultivados, regulamentam práticas, como a utilização de produtos químicos, incentivos financeiros, apoiam a modernização das explorações, etc.
  • 28. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano As paisagens agrárias –espaço rural, sistema de culturas e morfologia agrária. O espaço rural ocupa uma parte significativa do território português e nele se desenvolvem as actividades agrícolas, mas também outras como o turismo, a produção de energias renováveis, etc. Dentro do espaço rural, destaca-se: o O espaço agrário – áreas ocupadas com a produção agrícola, pastagens e florestas, habitações dos agricultores e ainda infra-estruturas, e equipamentos associados à actividade agrícola; o O espaço agrícola – área utilizada para a produção vegetal e/ou animal; o A superfície agrícola utilizada (SAU) – área do espaço agrícola ocupada com culturas. No espaço rural, as diferentes culturas, a forma e o arranjo dos campos, a malha dos caminhos e o tipo de povoamento dão origem a diferentes paisagens agrárias.
  • 29. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Os sistemas de cultura, conjunto de plantas cultivadas, forma como esta se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo – são diferentes de região para região, devido, essencialmente, a factores relacionados com o relevo, o clima e os solos. o Nos sistemas intensivos, o solo é total e continuamente ocupado, e é comum a policultura – mistura de culturas no mesmo campo e colheitas que se sucedem umas as outras. São sistemas utilizados em áreas de solos férteis e de abundancia de água (regadio).Estes sistemas predominam, nas regiões agrarias do Litoral norte, na Madeira e algumas ilhas dos Açores. o Nos sistemas extensivos, dominantes tradicionalmente em Trás-os-Montes e no Alentejo, não há uma ocupação permanente e contínua do solo. Pratica-se habitualmente a rotação de culturas (a superfície é dividida em folhas) e muitas vezes utiliza-se o pousio. Este sistema tradicional é praticado em solos mais pobres e secos, associando-se à monocultura – cultivo de um só produto no mesmo campo – e às culturas de sequeiro – com pouca necessidade de água. As paisagens agrárias são tao bem caracterizadas pela morfologia – aspecto dos campos no que respeita à forma e dimensão das parcelas e à rede de caminhos. o Nas regiões de Entre Douro e Minho, Beira Litoral, Algarve, Madeira e em algumas ilhas dos Açores, predominam as explorações de pequena dimensão (minifúndios) constituídas por varias parcelas de forma irregular e quase sempre vedadas, com muros, arvores/arbustos, que delimitam a propriedade e protegem as culturas do vento e da invasão do gado. o No Alentejo no Ribatejo e Oeste, predominam as explorações de média e grande dimensão (latifúndios), e vastas parcelas de forma regular, sem qualquer vedação. A diversidade das paisagens agrárias resulta também das diferentes formas de povoamento, que variam desde a aglomeração total, á dispersão.
  • 30. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano Características das explorações agrícolas No Norte de Portugal Continental, especialmente nas regiões agrárias da Beira Litoral e de Entre Douro e Minho, predominam explorações de pequena dimensão – minifúndios (B). No sul, especialmente no Alentejo, predominam as explorações de grande dimensão que, outrora, constituíam vastos latifúndios (A). Daí o Alentejo apresente um reduzido número de explorações, apesar da sua vasta área agrícola. Nas regiões autónomas, domina a pequena dimensão de explorações. O grande número de pequenas explorações condiciona o desenvolvimento da agricultura, uma vez que limita a mecanização e a modernização dos sistemas de produção – reflectem-se na sua dimensão económica. Distribuição e Estrutura das explorações agrícolas A dimensão da superfície agrícola utilizada (SAU) está associada à extensão das explorações, pelo que apresenta também uma distribuição regional marcada pela desigualdade, salientando-se no Alentejo com cerca de metade da SAU nacional. o A desigual distribuição da SAU deve-se, às características do relevo e da ocupação humana, ou seja, o relevo aplanado, a fraca densidade populacional e o povoamento concentrado permitem a existência de vastas extensões de áreas cultivadas no Alentejo. Nas regiões onde o relevo mais acidentado, maior densidade populacional e onde o povoamento é mais disperso, a área ocupada pela SAU é menor.
  • 31. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano o A SAU utilizada engloba: Terras aráveis, com culturas temporárias e com os campos em pousio; Culturas permanentes, com plantações que ocupam as terras duramente um período mais longo; Pastagens permanentes, onde são semeadas espécies por um período superior a 5 anos, destinadas ao pasto do gado; Horta familiar, superfície ocupada com produtos hortícolas ou frutos destinados a autoconsumo. Formas de exploração da SAU Na Beira Litoral, as terras aráveis ocupam mais de metade da SAU, seguidas das culturas permanentes. Estas, tem maior importância no Algarve e na Madeira, onde a produção de frutas e vinho é importante. As pastagens permanentes ocupam quase a totalidade da SAU, nos Açores onde as condições climáticas favorecem a formação de prados naturais e a criação de gado bovino. No Alentejo, onde o aumento das pastagens permanentes reflecte o investimento na criação de prados artificiais, com recursos a modernos sistemas de rega. O agricultor nem sempre é o proprietário das terras que explora, pelo que se podem considerar 2 formas de exploração da SAU: o Conta própria – o produtor é também o proprietário; o Arrendamento – o produtor paga um valor ao proprietário da terra pela sua utilização; A exploração por conta própria predomina em todo o país (Trás-os-Montes e na Madeira, principalmente). Nos Açores, o arrendamento é mais comum, representando cerca de metade do total. A exploração por conta própriaé mais vantajoso pois o proprietário procura obter o melhor resultado possível da terra, mas como está a tratar do que é seu procura preservar os solos e investe em melhoramentos fundiários, como a construção de redes de drenagem, colocação de sistemas de rega, etc. Os proprietários podem ter um papel importante na comunidade rural, com a prevenção de fogos florestais, preservação da paisagem, etc. Ao contrário, o arrendamento pode ser desvantajoso, pois os arrendatários nem sempre se interessam pela valorização e preservação das terras, mas sim, procuram tirar mais partido dela, o máximo proveito
  • 32. Geografia A Resumos Globais 10/11ºano durante a vigência do contrato. Contudo o arrendamento, evita o abandono das terras, no caso de os proprietários não poderem ou não quererem explora-las.