SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 29
Técnicas e instrumentos
na aquacultura
19/06/1719/06/17 Nélio Ualema - AquaculturaNélio Ualema - Aquacultura
 Este sistema é considerado simples eEste sistema é considerado simples e
acessível.acessível.
 Os tanques no geral têm tamanhoOs tanques no geral têm tamanho
irregular (0,1–1ha) deirregular (0,1–1ha) de área;área;
 O povoamento é por vezes natural eO povoamento é por vezes natural e
dependente da época oudependente da época ou efectuado pelosefectuado pelos
aquacultores;aquacultores;
 O alimento é natural e a troca de águaO alimento é natural e a troca de água
geralmente não ocorre caso ocorra égeralmente não ocorre caso ocorra é
através das mares.através das mares.
Sistema extensivoSistema extensivo
 A densidade de povoamento e muitoA densidade de povoamento e muito
baixa (0,3–0,5/m2) camarão e 1-3/m2baixa (0,3–0,5/m2) camarão e 1-3/m2
alevinos tilápia; para camarão aalevinos tilápia; para camarão a
produção não passa de 200g/m2 e naprodução não passa de 200g/m2 e na
tilapia cerca de 500g/m2.tilapia cerca de 500g/m2.
 Investimento é menor e produção éInvestimento é menor e produção é
tambem menor.tambem menor.
Sistema extensivoSistema extensivo
 Os tanques são em geral rectangulares com (1–6 ha)Os tanques são em geral rectangulares com (1–6 ha)
de áreade área e (0,80–1,2m) de profundidade;e (0,80–1,2m) de profundidade;
 Têm uma comporta de entrada e uma de saída paraTêm uma comporta de entrada e uma de saída para
facilitar a troca de água, colheita e preparação dofacilitar a troca de água, colheita e preparação do
tanque;tanque;
 Têm um canal diagonal no centro de 5–10m de larguraTêm um canal diagonal no centro de 5–10m de largura
e 30-e 30-50cm de profundidade que se estende desde a50cm de profundidade que se estende desde a
comporta decomporta de entrada até a de saída que facilita aentrada até a de saída que facilita a
drenagem da água;drenagem da água;
Sistema semi-Sistema semi-
intensivointensivo
 A densidade de povoamento varia deA densidade de povoamento varia de 5-25Larvas/m25-25Larvas/m2
para camarão epara camarão e 3 - 8 alevinosm/2 peixe3 - 8 alevinosm/2 peixe; produção; produção
abaixo deabaixo de 400g m/2400g m/2 camarão e cerca decamarão e cerca de 2,5kg/m22,5kg/m2
tilápia.tilápia.
 Caracteriza-se pela administração de alimentoCaracteriza-se pela administração de alimento
suplementar esuplementar e fertilizantes;fertilizantes;
 Requer o uso de motobomba para facilitar a troca deRequer o uso de motobomba para facilitar a troca de
águaágua (10% renovação).(10% renovação).
Sistema semi-intensivoSistema semi-intensivo
Este sistema requer altos investimentos e tecnologias:Este sistema requer altos investimentos e tecnologias:
 Os tanques são geralmente de 500–5000m2;Os tanques são geralmente de 500–5000m2;
 Os tanques são construídos em terra, betão ouOs tanques são construídos em terra, betão ou
redes;redes;
 Caracteriza-se por uso acentuado de aeração paraCaracteriza-se por uso acentuado de aeração para
colmatar o défice de oxigenio;colmatar o défice de oxigenio;
 Muitos desenhos incluem comportas separadas deMuitos desenhos incluem comportas separadas de
entrada eentrada e saída de água;saída de água;
 Controlo diário das condições dos parâmetros físico-Controlo diário das condições dos parâmetros físico-
químicos da água.químicos da água.
 EstaEstação de bombagem (25-40% de renovação)ção de bombagem (25-40% de renovação);;
SistemaSistema
intensivointensivo
 Os organismos são alimentados diariamente comOs organismos são alimentados diariamente com
alimento de altoalimento de alto valor nutritivo;valor nutritivo;
 Os tanques são povoados com altas densidadesOs tanques são povoados com altas densidades
sendo de 25 –sendo de 25 – 250Larvas/m2 para camarão e com250Larvas/m2 para camarão e com
mais de 50 alevinos/m2, tilápia;mais de 50 alevinos/m2, tilápia;
 A produção média varia de 1,5 a 300ton/há épocaA produção média varia de 1,5 a 300ton/há época
de cultivo para camarão e cerca de 2t por100m/2.de cultivo para camarão e cerca de 2t por100m/2.
Sistema intensivoSistema intensivo
Técnicas de cultivoTécnicas de cultivo
 A tabela a seguir pode ser usada como guia para determinar
a densidade de estocagem:
Técnica de criação
Rendimento
(kg/1.000 m²)
Número de peixes abastecidos por
1.000 m²
25mm 50mm 75mm 100mm
Fertilização somente 400-600 3,200 2,700 2,400 2,250
Fertilização somente 400-600 2,400 2,000 1,800 1,700
Fertilização, alimento suplementar barato 600-1.000 4,600 3,800 3,400 3,200
Fertilização, alimento suplementar barato 600-1.000 3,400 2,850 2,600 2,450
Alimento completo , sem aeracao, baixa desidade 800 2,550 2,150 1,900 1,800
Alimento completo, aeracao, alta desidade 1.600 5,100 4,300 3,850 3,650
Cultivo em GaiolasCultivo em Gaiolas
 O cultivo em gaiolas, ocorre em lagos, reservatóriosO cultivo em gaiolas, ocorre em lagos, reservatórios
e rios tornou-se uma actividade popular dee rios tornou-se uma actividade popular de
aquacultura em muitas partes do mundo.aquacultura em muitas partes do mundo.
 O cultivo de peixes em gaiolas é importante para osO cultivo de peixes em gaiolas é importante para os
aquacultores que praticam um cultivo misto de sexo.aquacultores que praticam um cultivo misto de sexo.
 Possibilita alta densidade de estocagem, uma vezPossibilita alta densidade de estocagem, uma vez
que a renovação da água é natural.que a renovação da água é natural.
 Altos rendimentos.Altos rendimentos.
Cultivo em GaiolasCultivo em Gaiolas
Técnicas de cultivoTécnicas de cultivo
 O perifiton é um grupo de algas, bactérias,O perifiton é um grupo de algas, bactérias,
fungos e outros organismos aquáticos que sefungos e outros organismos aquáticos que se
agarram a substratos (material duro)agarram a substratos (material duro)
presentes na água. Formam um agregado,presentes na água. Formam um agregado,
uma espécie de camada pegajosa a que seuma espécie de camada pegajosa a que se
chama “chama “esteira de perifitonesteira de perifiton”.”.
 Aquacultura à base de perifiton:Aquacultura à base de perifiton:
Técnicas de cultivoTécnicas de cultivo
 Aquacultura à base de perifiton:Aquacultura à base de perifiton:
O tipo e a densidade do substrato, a quantidade e a qualidade do
perifiton, as espécies de peixes, a densidade de povoamento dos peixes
e a qualidade da água, tudo isto são factores que influenciam o sucesso
do sistema.
MonocultivMonocultiv
oo
 Cria-se, apenas, uma única espécie no viveiro. UmaCria-se, apenas, uma única espécie no viveiro. Uma
vantagem da monocultura é que só existe uma espécie avantagem da monocultura é que só existe uma espécie a
considerar no respeitante a preferência alimentar,considerar no respeitante a preferência alimentar,
sendo, portanto, mais fácil fornecer certas raçõessendo, portanto, mais fácil fornecer certas rações
suplementares.suplementares.
 Um inconveniente é o risco que uma única doença possaUm inconveniente é o risco que uma única doença possa
matar todos os peixes no tanque uma vez que váriasmatar todos os peixes no tanque uma vez que várias
espécies são susceptíveis a diferentes doenças.espécies são susceptíveis a diferentes doenças.
PolicultivPolicultiv
oo
 Fala-se de policultura quando se cria mais do queFala-se de policultura quando se cria mais do que
uma espécie no tanque. Desta maneira utiliza-seuma espécie no tanque. Desta maneira utiliza-se
melhor os vários recursos naturais de alimentação.melhor os vários recursos naturais de alimentação.
Cada espécie tem uma certa preferência alimentarCada espécie tem uma certa preferência alimentar
que está relacionada com a posição dos organismosque está relacionada com a posição dos organismos
a criar no tanque (i.e. o peixe que vive no fundo doa criar no tanque (i.e. o peixe que vive no fundo do
tanque ou na água do meio).tanque ou na água do meio).
PolicultivPolicultiv
oo
 Por exemplo, a carpa do lodo vive quasePor exemplo, a carpa do lodo vive quase
sempre no fundo do tanque e alimenta-sesempre no fundo do tanque e alimenta-se
de lodo e de detritos, que aí sede lodo e de detritos, que aí se
encontram depositados. A tilápia, peloencontram depositados. A tilápia, pelo
contrário, prefere o centro do tanque.contrário, prefere o centro do tanque.
 Para tanques que usam apenas a fertilização a tabela a
seguir pode ser usada como um guia:
Tipo de
alimentador
Espécies disponível
% do total de
peixe estocados
Fitoplâncton
Tilapia do Nilo, tilapia vermelha,
carpa prata
90
Macrófitos Carpa capim, Peixe gato 2
Zooplâncton Carpa cabeça grande, Peixe gato 4
Detritos do fundo Carpa comum, Peixe-gato 4
PolicultivoPolicultivo
 Tradicionalmente os aquacultores cultivamTradicionalmente os aquacultores cultivam
cereais, legumes, frutas e também criamcereais, legumes, frutas e também criam
animais como gado, galinha, porcos, cabras,animais como gado, galinha, porcos, cabras,
ovelhas e assim por diante vivendo juntosovelhas e assim por diante vivendo juntos
com eles num espaço de terra.com eles num espaço de terra.
Aquacultura integradaAquacultura integrada
(agri-quacultura)(agri-quacultura)
Aquacultura integradaAquacultura integrada
(agri-quacultura)(agri-quacultura)
 A integração envolve:A integração envolve:
 Cultura de vários organismos aquáticos naCultura de vários organismos aquáticos na
mesma massa de água.mesma massa de água.
 Reutilização da água para sucessivas espéciesReutilização da água para sucessivas espécies
aquáticas e outras culturas.aquáticas e outras culturas.
 Integração da Aquacultura com outras produçõesIntegração da Aquacultura com outras produções
ou com sub-produtos.ou com sub-produtos.
Aquacultura integradaAquacultura integrada
(agri-quacultura)(agri-quacultura)
Peixe com animaisPeixe com animais
Aquacultura integradaAquacultura integrada
(agri-quacultura)(agri-quacultura)
Peixe comPeixe com
legume/frutaslegume/frutas
Aquacultura integradaAquacultura integrada
agri-quaculturaagri-quacultura
Peixe com arrozalPeixe com arrozal
Cadeia de valor no cultivo
da Tilápia
TransporteTransporte Sistema de produçãoSistema de produção
Venda (modo)Venda (modo)
AlimentaçãoAlimentaçãoMercadoMercado
AlevinagemAlevinagem
Instrumentos usadosInstrumentos usados
em Aquaculturaem Aquacultura
 Hapas,Hapas,
 Redes,Redes,
 Balanças,Balanças,
 Disco de secchi,Disco de secchi,
 Salinómetro,Salinómetro,
 CTD,CTD,
 Ictiómetro,Ictiómetro,
 Punças,Punças,
 CeifaCeifa
 Balde.Balde.
Instrumentosnafasede
produção.
Instrumentos usadosInstrumentos usados
em Aquaculturaem Aquacultura
Instrumentos usadosInstrumentos usados
em Aquaculturaem Aquacultura
FimFim

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Coelhos – pet ou animais de produção
Coelhos – pet ou animais de produçãoCoelhos – pet ou animais de produção
Coelhos – pet ou animais de produçãoEvelyn Golin
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasMarília Gomes
 
Pré-abate e Abate de aves.pptx
Pré-abate e Abate de aves.pptxPré-abate e Abate de aves.pptx
Pré-abate e Abate de aves.pptxGiulianeSantos2
 
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoA cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoJairo Soares
 
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na Seca
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na SecaManual de Criação de Caprinos e Ovinos na Seca
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na SecaSérgio Amaral
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidorJeovaci Martins Da Rocha Júnior
 
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamentoManejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamentoIngrid Carvalho
 
Manual de Criação de Peixes em Viveiros
Manual de Criação de Peixes em ViveirosManual de Criação de Peixes em Viveiros
Manual de Criação de Peixes em ViveirosSérgio Amaral
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecniagepaunipampa
 
Construções de tanques e viveiros
Construções de tanques e viveirosConstruções de tanques e viveiros
Construções de tanques e viveirosMarcos Wandré
 
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptxCap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptxJoilsonEcheverria
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Jacqueline Gomes
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaJuan Rodríguez
 

Mais procurados (20)

Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Coelhos – pet ou animais de produção
Coelhos – pet ou animais de produçãoCoelhos – pet ou animais de produção
Coelhos – pet ou animais de produção
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
 
Ecofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageirasEcofisiologia de plantas forrageiras
Ecofisiologia de plantas forrageiras
 
Pré-abate e Abate de aves.pptx
Pré-abate e Abate de aves.pptxPré-abate e Abate de aves.pptx
Pré-abate e Abate de aves.pptx
 
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoA cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
 
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na Seca
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na SecaManual de Criação de Caprinos e Ovinos na Seca
Manual de Criação de Caprinos e Ovinos na Seca
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Abelhas
AbelhasAbelhas
Abelhas
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
 
Piscicultura
Piscicultura Piscicultura
Piscicultura
 
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamentoManejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
Manejo racional de bovinos de leite e corte em confinamento
 
Manual de Criação de Peixes em Viveiros
Manual de Criação de Peixes em ViveirosManual de Criação de Peixes em Viveiros
Manual de Criação de Peixes em Viveiros
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Construções de tanques e viveiros
Construções de tanques e viveirosConstruções de tanques e viveiros
Construções de tanques e viveiros
 
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte lowManejo reprodutivo em bovinos de corte low
Manejo reprodutivo em bovinos de corte low
 
Slide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animalSlide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animal
 
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptxCap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
Cap. 4 - Manejo de frangos de corte (Parte 1).pptx
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Pragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticulturaPragas quarentenárias em fruticultura
Pragas quarentenárias em fruticultura
 

Semelhante a Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos

Perspectives of marine fish farming in NE Brazil (in Portuguese)
Perspectives of marine fish farming in NE Brazil (in Portuguese)Perspectives of marine fish farming in NE Brazil (in Portuguese)
Perspectives of marine fish farming in NE Brazil (in Portuguese)Alberto Nunes
 
Produção de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque redeProdução de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque redeDaphene Rodrigues
 
Seminário Planctologia
Seminário PlanctologiaSeminário Planctologia
Seminário PlanctologiaCarlos Prana
 
Apresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteirosApresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteirosGabriel Fontes
 
Manual sera-os-aquarios-de-agua-salgada
Manual sera-os-aquarios-de-agua-salgadaManual sera-os-aquarios-de-agua-salgada
Manual sera-os-aquarios-de-agua-salgadajlna
 
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptxAULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptxBRENDACARLALUQUETTI
 
Pan115 viveiros escavados
Pan115 viveiros escavadosPan115 viveiros escavados
Pan115 viveiros escavadoszoolocos
 
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande rj
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande   rjMaricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande   rj
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande rjMiguel Sepulveda
 
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-PescaAtividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-PescaCarlaCarrio1
 

Semelhante a Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos (20)

Criação e manejo de peixes
Criação e manejo de peixesCriação e manejo de peixes
Criação e manejo de peixes
 
Perspectives of marine fish farming in NE Brazil (in Portuguese)
Perspectives of marine fish farming in NE Brazil (in Portuguese)Perspectives of marine fish farming in NE Brazil (in Portuguese)
Perspectives of marine fish farming in NE Brazil (in Portuguese)
 
ABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixesABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixes
 
Produção de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque redeProdução de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque rede
 
Aquacultura
AquaculturaAquacultura
Aquacultura
 
Reprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de PeixesReprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de Peixes
 
Seminário Planctologia
Seminário PlanctologiaSeminário Planctologia
Seminário Planctologia
 
Apresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteirosApresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteiros
 
Manual sera-os-aquarios-de-agua-salgada
Manual sera-os-aquarios-de-agua-salgadaManual sera-os-aquarios-de-agua-salgada
Manual sera-os-aquarios-de-agua-salgada
 
Criacaode peixes
Criacaode peixesCriacaode peixes
Criacaode peixes
 
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptxAULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
 
Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012Aquario bolsistas 2012
Aquario bolsistas 2012
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Apresentação de Wesley F. Annunciação
Apresentação de Wesley F. AnnunciaçãoApresentação de Wesley F. Annunciação
Apresentação de Wesley F. Annunciação
 
Pan115 viveiros escavados
Pan115 viveiros escavadosPan115 viveiros escavados
Pan115 viveiros escavados
 
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande rj
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande   rjMaricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande   rj
Maricultura kappaphycus alvarezii na baía da ilha grande rj
 
Cap11
Cap11Cap11
Cap11
 
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-PescaAtividade económica-Setor Primário-Pesca
Atividade económica-Setor Primário-Pesca
 
Artigo_Bioterra_V23_N2_10
Artigo_Bioterra_V23_N2_10Artigo_Bioterra_V23_N2_10
Artigo_Bioterra_V23_N2_10
 
A Pesca
A PescaA Pesca
A Pesca
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 

Último

treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticaleilannygaldino
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfssusercc9a5f
 
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxWiliamArmandoHarisso
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxavaseg
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADEssusercc9a5f
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdftatebib346
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfAlexsandroRocha22
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxmarketing18485
 

Último (8)

treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdfPlanejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
Planejamento e controle da Produção_Lustosa.pdf
 
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADECONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
CONCEITOS BÁSICOS DE CONFIABILIDADE COM EMBASAMENTO DE QUALIDADE
 
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdfATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
ATIVIDADE 1 - FSCE - FORMAÇÃO SOCIOCULTURAL E ÉTICA II - 52_2024.pdf
 
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdfNormas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
Normas Técnicas para aparelho de solda oxi-acetileno.pdf
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 

Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos

  • 1. Técnicas e instrumentos na aquacultura 19/06/1719/06/17 Nélio Ualema - AquaculturaNélio Ualema - Aquacultura
  • 2.  Este sistema é considerado simples eEste sistema é considerado simples e acessível.acessível.  Os tanques no geral têm tamanhoOs tanques no geral têm tamanho irregular (0,1–1ha) deirregular (0,1–1ha) de área;área;  O povoamento é por vezes natural eO povoamento é por vezes natural e dependente da época oudependente da época ou efectuado pelosefectuado pelos aquacultores;aquacultores;  O alimento é natural e a troca de águaO alimento é natural e a troca de água geralmente não ocorre caso ocorra égeralmente não ocorre caso ocorra é através das mares.através das mares. Sistema extensivoSistema extensivo
  • 3.  A densidade de povoamento e muitoA densidade de povoamento e muito baixa (0,3–0,5/m2) camarão e 1-3/m2baixa (0,3–0,5/m2) camarão e 1-3/m2 alevinos tilápia; para camarão aalevinos tilápia; para camarão a produção não passa de 200g/m2 e naprodução não passa de 200g/m2 e na tilapia cerca de 500g/m2.tilapia cerca de 500g/m2.  Investimento é menor e produção éInvestimento é menor e produção é tambem menor.tambem menor. Sistema extensivoSistema extensivo
  • 4.  Os tanques são em geral rectangulares com (1–6 ha)Os tanques são em geral rectangulares com (1–6 ha) de áreade área e (0,80–1,2m) de profundidade;e (0,80–1,2m) de profundidade;  Têm uma comporta de entrada e uma de saída paraTêm uma comporta de entrada e uma de saída para facilitar a troca de água, colheita e preparação dofacilitar a troca de água, colheita e preparação do tanque;tanque;  Têm um canal diagonal no centro de 5–10m de larguraTêm um canal diagonal no centro de 5–10m de largura e 30-e 30-50cm de profundidade que se estende desde a50cm de profundidade que se estende desde a comporta decomporta de entrada até a de saída que facilita aentrada até a de saída que facilita a drenagem da água;drenagem da água; Sistema semi-Sistema semi- intensivointensivo
  • 5.  A densidade de povoamento varia deA densidade de povoamento varia de 5-25Larvas/m25-25Larvas/m2 para camarão epara camarão e 3 - 8 alevinosm/2 peixe3 - 8 alevinosm/2 peixe; produção; produção abaixo deabaixo de 400g m/2400g m/2 camarão e cerca decamarão e cerca de 2,5kg/m22,5kg/m2 tilápia.tilápia.  Caracteriza-se pela administração de alimentoCaracteriza-se pela administração de alimento suplementar esuplementar e fertilizantes;fertilizantes;  Requer o uso de motobomba para facilitar a troca deRequer o uso de motobomba para facilitar a troca de águaágua (10% renovação).(10% renovação). Sistema semi-intensivoSistema semi-intensivo
  • 6. Este sistema requer altos investimentos e tecnologias:Este sistema requer altos investimentos e tecnologias:  Os tanques são geralmente de 500–5000m2;Os tanques são geralmente de 500–5000m2;  Os tanques são construídos em terra, betão ouOs tanques são construídos em terra, betão ou redes;redes;  Caracteriza-se por uso acentuado de aeração paraCaracteriza-se por uso acentuado de aeração para colmatar o défice de oxigenio;colmatar o défice de oxigenio;  Muitos desenhos incluem comportas separadas deMuitos desenhos incluem comportas separadas de entrada eentrada e saída de água;saída de água;  Controlo diário das condições dos parâmetros físico-Controlo diário das condições dos parâmetros físico- químicos da água.químicos da água.  EstaEstação de bombagem (25-40% de renovação)ção de bombagem (25-40% de renovação);; SistemaSistema intensivointensivo
  • 7.  Os organismos são alimentados diariamente comOs organismos são alimentados diariamente com alimento de altoalimento de alto valor nutritivo;valor nutritivo;  Os tanques são povoados com altas densidadesOs tanques são povoados com altas densidades sendo de 25 –sendo de 25 – 250Larvas/m2 para camarão e com250Larvas/m2 para camarão e com mais de 50 alevinos/m2, tilápia;mais de 50 alevinos/m2, tilápia;  A produção média varia de 1,5 a 300ton/há épocaA produção média varia de 1,5 a 300ton/há época de cultivo para camarão e cerca de 2t por100m/2.de cultivo para camarão e cerca de 2t por100m/2. Sistema intensivoSistema intensivo
  • 8.
  • 9.
  • 10. Técnicas de cultivoTécnicas de cultivo  A tabela a seguir pode ser usada como guia para determinar a densidade de estocagem: Técnica de criação Rendimento (kg/1.000 m²) Número de peixes abastecidos por 1.000 m² 25mm 50mm 75mm 100mm Fertilização somente 400-600 3,200 2,700 2,400 2,250 Fertilização somente 400-600 2,400 2,000 1,800 1,700 Fertilização, alimento suplementar barato 600-1.000 4,600 3,800 3,400 3,200 Fertilização, alimento suplementar barato 600-1.000 3,400 2,850 2,600 2,450 Alimento completo , sem aeracao, baixa desidade 800 2,550 2,150 1,900 1,800 Alimento completo, aeracao, alta desidade 1.600 5,100 4,300 3,850 3,650
  • 11. Cultivo em GaiolasCultivo em Gaiolas  O cultivo em gaiolas, ocorre em lagos, reservatóriosO cultivo em gaiolas, ocorre em lagos, reservatórios e rios tornou-se uma actividade popular dee rios tornou-se uma actividade popular de aquacultura em muitas partes do mundo.aquacultura em muitas partes do mundo.  O cultivo de peixes em gaiolas é importante para osO cultivo de peixes em gaiolas é importante para os aquacultores que praticam um cultivo misto de sexo.aquacultores que praticam um cultivo misto de sexo.  Possibilita alta densidade de estocagem, uma vezPossibilita alta densidade de estocagem, uma vez que a renovação da água é natural.que a renovação da água é natural.  Altos rendimentos.Altos rendimentos.
  • 13. Técnicas de cultivoTécnicas de cultivo  O perifiton é um grupo de algas, bactérias,O perifiton é um grupo de algas, bactérias, fungos e outros organismos aquáticos que sefungos e outros organismos aquáticos que se agarram a substratos (material duro)agarram a substratos (material duro) presentes na água. Formam um agregado,presentes na água. Formam um agregado, uma espécie de camada pegajosa a que seuma espécie de camada pegajosa a que se chama “chama “esteira de perifitonesteira de perifiton”.”.  Aquacultura à base de perifiton:Aquacultura à base de perifiton:
  • 14. Técnicas de cultivoTécnicas de cultivo  Aquacultura à base de perifiton:Aquacultura à base de perifiton:
  • 15. O tipo e a densidade do substrato, a quantidade e a qualidade do perifiton, as espécies de peixes, a densidade de povoamento dos peixes e a qualidade da água, tudo isto são factores que influenciam o sucesso do sistema.
  • 16. MonocultivMonocultiv oo  Cria-se, apenas, uma única espécie no viveiro. UmaCria-se, apenas, uma única espécie no viveiro. Uma vantagem da monocultura é que só existe uma espécie avantagem da monocultura é que só existe uma espécie a considerar no respeitante a preferência alimentar,considerar no respeitante a preferência alimentar, sendo, portanto, mais fácil fornecer certas raçõessendo, portanto, mais fácil fornecer certas rações suplementares.suplementares.  Um inconveniente é o risco que uma única doença possaUm inconveniente é o risco que uma única doença possa matar todos os peixes no tanque uma vez que váriasmatar todos os peixes no tanque uma vez que várias espécies são susceptíveis a diferentes doenças.espécies são susceptíveis a diferentes doenças.
  • 17. PolicultivPolicultiv oo  Fala-se de policultura quando se cria mais do queFala-se de policultura quando se cria mais do que uma espécie no tanque. Desta maneira utiliza-seuma espécie no tanque. Desta maneira utiliza-se melhor os vários recursos naturais de alimentação.melhor os vários recursos naturais de alimentação. Cada espécie tem uma certa preferência alimentarCada espécie tem uma certa preferência alimentar que está relacionada com a posição dos organismosque está relacionada com a posição dos organismos a criar no tanque (i.e. o peixe que vive no fundo doa criar no tanque (i.e. o peixe que vive no fundo do tanque ou na água do meio).tanque ou na água do meio).
  • 18. PolicultivPolicultiv oo  Por exemplo, a carpa do lodo vive quasePor exemplo, a carpa do lodo vive quase sempre no fundo do tanque e alimenta-sesempre no fundo do tanque e alimenta-se de lodo e de detritos, que aí sede lodo e de detritos, que aí se encontram depositados. A tilápia, peloencontram depositados. A tilápia, pelo contrário, prefere o centro do tanque.contrário, prefere o centro do tanque.
  • 19.  Para tanques que usam apenas a fertilização a tabela a seguir pode ser usada como um guia: Tipo de alimentador Espécies disponível % do total de peixe estocados Fitoplâncton Tilapia do Nilo, tilapia vermelha, carpa prata 90 Macrófitos Carpa capim, Peixe gato 2 Zooplâncton Carpa cabeça grande, Peixe gato 4 Detritos do fundo Carpa comum, Peixe-gato 4 PolicultivoPolicultivo
  • 20.  Tradicionalmente os aquacultores cultivamTradicionalmente os aquacultores cultivam cereais, legumes, frutas e também criamcereais, legumes, frutas e também criam animais como gado, galinha, porcos, cabras,animais como gado, galinha, porcos, cabras, ovelhas e assim por diante vivendo juntosovelhas e assim por diante vivendo juntos com eles num espaço de terra.com eles num espaço de terra. Aquacultura integradaAquacultura integrada (agri-quacultura)(agri-quacultura)
  • 21. Aquacultura integradaAquacultura integrada (agri-quacultura)(agri-quacultura)  A integração envolve:A integração envolve:  Cultura de vários organismos aquáticos naCultura de vários organismos aquáticos na mesma massa de água.mesma massa de água.  Reutilização da água para sucessivas espéciesReutilização da água para sucessivas espécies aquáticas e outras culturas.aquáticas e outras culturas.  Integração da Aquacultura com outras produçõesIntegração da Aquacultura com outras produções ou com sub-produtos.ou com sub-produtos.
  • 25. Cadeia de valor no cultivo da Tilápia TransporteTransporte Sistema de produçãoSistema de produção Venda (modo)Venda (modo) AlimentaçãoAlimentaçãoMercadoMercado AlevinagemAlevinagem
  • 26. Instrumentos usadosInstrumentos usados em Aquaculturaem Aquacultura  Hapas,Hapas,  Redes,Redes,  Balanças,Balanças,  Disco de secchi,Disco de secchi,  Salinómetro,Salinómetro,  CTD,CTD,  Ictiómetro,Ictiómetro,  Punças,Punças,  CeifaCeifa  Balde.Balde. Instrumentosnafasede produção.
  • 27. Instrumentos usadosInstrumentos usados em Aquaculturaem Aquacultura
  • 28. Instrumentos usadosInstrumentos usados em Aquaculturaem Aquacultura