Criação e manejo de peixes

1.492 visualizações

Publicada em

Esse material foi elaborado pelo técnico Rafael Soares Dias, para servir de orientação para os pequenos produtores da região de Jussara - GO, local em que atua oferecendo assistência técnica de extensão rural pelo contrato entre PROSAFRA, INCRA e ATER.

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.492
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
38
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Criação e manejo de peixes

  1. 1. CRIAÇÃO E MANEJO DE PEIXES Técnico Responsável: RAFAEL SOARES DIAS rafaelsoareszootec@hotmail.com INTRODUÇÃO Esta cartilha tratará sobre a criação e o manejo de peixes, onde será abordado como se faz um tanque escavado, como oxigena-se esse tanque, a qualidade da água do tanque, o PH ideal dos tanques, o tambaqui e o pacu, a alimentação, despesca e reposição do tambaqui e pacu, bem como a doença nos peixes. Será apresentado de forma concisa e objetiva afim de mostrar como realizar essa criação e o manejo dos peixes. COMO FAZER UM TANQUE ESCAVADO Para se construir um tanque escavado, as condicionantes para tal são muitas, como por exemplo, o aproveitamento do terreno, o tipo de solo, a disponibilidade de água o sistema de produção pelo qual o produtor se identifica mais, entre outras. Porém, para que haja um bom planejamento dessa obra na propriedade, é preciso que o produtor consulte um técnico que irá projetar e também acompanhar a implantação desse tanque. O que é sugerido é que esse técnico seja atento quanto a legislação ambiental do Estado em que reside, visto que o projeto precisa respeitar as áreas de preservação do meio ambiente, bem como para facilitar o
  2. 2. licenciamento essa obra. E, é imprescindível que essa legislação quanto ao meio ambiente precisa acontecer antes que a obra se inicie. É necessário que seja realizada a escolha da área, o dimensionamento e design dos viveiros, o trabalho de terraplanagem, as solução hidráulicas de abastecimento e drenagem, as informações sobre os sistemas de reuso de água, bem como as soluções para viveiros com infiltrações. O terreno deve ser plano ou que seja nivelado por terraplanagem. Os tanques escavados devem ser em forma de retângulo com inclinação de no mínimo 1 m. A profundidade do tanque pode variar entre 0,80 a 1,5 m. O solo ideal para ser construído o tanque seja argiloso e com pouca permeabilidade. Evitar solos com cascalho, pois há infiltrações. QUALIDADE DA ÁGUA DO TANQUE ESCAVADO Sabe-se que a água do tanque escavado necessita de ser de alta qualidade e em grande quantidade. O volume de água que é necessário é calculado conforme a função da área e da profundidade do viveiro. Essa água precisa ser de ótima qualidade, ser livre de agrotóxicos e não podem ser poluídas. Requere-se que a vazão ideal é de 10 litros por segundo e também por hectare de água inundada, o que é o necessário para o enchimento, para renovações, bem como para recompensar as perdas que teve decido a evaporação e infiltrações. O abastecimento de água deve acontecer de maneira individual, pois assim evita a transferência de água de um viveiro para outro viveiro. O PH da água para a criação de peixes deve estar entre 6 a 8. Caso o PH esteja abaixo desse valor, é necessário que o técnico faça a equilibração do PH, fazendo a calagem, ou seja, colocando cal ou calcário. Para um PH de 6,0 usa-se 1,5
  3. 3. tonelada de cal ou 3 toneladas de calcário. Para um PH de 4,5 usa-se 2,5 tonelada de cal ou 5 toneladas de calcário. Após a calagem, deve ser verificado novamente o PH da água. A composição dos produtos que são utilizados para a calagem são o calcário calcítico (40% a 50% de óxido de cálcio), calcário dolomítico (30% de óxido de cálcio e 10% a 20% de óxido de magnésio) e cal virgem ou cal viva. É aconselhado utilizar o sulfato de cálcio quando a água estiver alcalina, usando 50 a 100 kg por hectare, podendo ter peixe no local ou sem peixe. A calagem pode acontecer antes de colocar os peixes para prevenção e quando a acidez da água estiver alta. O TAMBAQUI E O PACU O tambaqui pode alcançar até 20 quilos e, é uma das principais espécies de peixes do Rio Amazonas. Ele possui uma carne bastante apreciada e, adapta-se muito fácil a cativeiros. Tendo uma boa alimentação e condições básicas de temperatura nesses cativeiros eles podem atingir até 1,4 quilos por ano. Ele tem um crescimento mais rápido que o Pacu, mas é menos resistente ao frio, devido a isso há um alto índice de mortalidade quando as temperaturas se encontram abaixo de 15º. Ele é onívoro e come rações. Ele só se reproduz de maneira artificial em tanques. Enquanto que o Pacu é um peixe que tem origem na Bacia do Prata, habita em especial os rios do Pantanal Mato-Grossense e pode chegar até 18 quilos. Seu melhor desenvolvimento acontece em ambientes entre 20 e 30º, porém eles são bem resistentes a temperaturas abaixo de 20º.
  4. 4. O Pacu também é um peixe onívoro e ele se alimenta também de frutas, sementes, grãos, pequenos moluscos, crustáceos, insetos, bem como ração que tenha de 22 a 30% de proteínas. Os alevinos quando forem colocados nos tanques é importante que os mesmos tenham uma adaptação da temperatura, ou seja, que antes de serem jogados no tanque sejam colocados na água ainda dentro dos sacos plásticos para que seu corpo se adapte a temperatura da água e somente depois sejam lançados no tanque. É indicado que se coloque de 1 a 3 peixes por m2, ou seja, para um tanque de 100 m2 deve-se colocar entre 100 a 300 peixes. Estará ponto para venda aos dez meses. ALIMENTAÇÃO DO TAMBAQUI E PACU Tanto o Tambaqui quanto o Pacu pode sem alimentar de Rações Úmidas e Rações Secas. As rações úmidas são aquelas compostas por alimentos frescos os quais são triturados e misturados, onde pode-se adicionar farelos para que o seu valor nutritivo seja aumentado. Essas rações geralmente são úteis para baratear os custos de pequenas criações, mas são inviáveis para criações de maiores quantidade, visto que ocupam grande volume e também por serem perecíveis quando são armazenadas em temperatura ambiente. Mas, elas são tidas como uma boa maneira de aproveitar os subprodutos agrícolas e também os resíduos de abatedores. Enquanto que as rações secas são apresentadas em sua forma física de várias maneiras, como por exemplo, as fareladas, as peletizadas, as extrusadas e em pó. As fareladas são aquelas misturas simples de ingredientes, mas que são muito utilizadas devido a facilidade de preparar elas nas propriedades rurais.
  5. 5. As peletizadas são rações fareladas, visto que passam por máquinas de prensa granuladoras e adquirem uma forma de pequenos cilindros. Essas rações tem uma maior estabilidade e os peixes podem ingerir uma quantidade maior de alimento em uma bocada só. As extrusadas consistem em um processo de produção bem parecida com a ração peletizada, mas essa passa por uma ação de calor e também de alta pressão e em seguida passa por uma outra câmara com uma pressão normal. Nesse processo o grânulo cresce e a ração flutua o que facilita o consumo dela pelos peixes. E, por fim a ração em pó que são as rações básicas que são moídas para utilização na alimentação das pós-larvas e também de alevinos pequenos. Há um grande índice de desperdício dessa ração, mas a sua utilização é bem viável quanto a economia. A alimentação varia de acordo com o peso dos peixes. O cálculo da quantidade de ração deve ser de 3% do peso do peixe, divididas em duas refeições, uma pela manhã e outra pela tarde. Assim, o cálculo é: quantidade de peixe x peso do peixe x 3 dividido por 100. DOENÇA NOS PEIXES Os peixes como os demais seres humanos e animais também adquirem várias doenças as quais precisam de tratamento para serem resolvidas. Sabe- se que as infecções principais são causadas pelos parasitas, como a ictioftíase ou ictio que é conhecida como doença dos pontos brancos, a saprolegniose que é o apodrecimento das nadadeiras, a hidropsia infecciosa e a argulose. Além dessas acima citadas tem também a intoxicação alimentar que traz vários problemas aos peixes. A ictiotiríase é adquirida em função da baixa temperatura das águas, ela tem seu diagnóstico facilmente detectado, visto que os peixes apresentam seus corpos cobertos de pontos brancos,
  6. 6. deixando eles inquietos e raspando nas paredes dos tanques para tentar que os parasitas caiam. Para tratar essa doença é preciso aplicar o LabCon Ictio na água, no período noturno e manter a temperatura entre 28º e 30º e ser reaplicado a cada 48 h, até que o sintoma acabe. É importante que ocorra uma troca parcial da água e aplicação do LabCon Anticlor. Também é importante da aos peixes como prevenção ou como tratamento, alimento a base de alho, alecrim, sálvia e hortelã, como por exemplo, Alcon Guard Herbal. A saprolegniose é causada pelo fungo saprolegnia achyla onde os peixes ficam com manchas brancas ou até mesmo com tufos parecidos com algodão por todo o corpo. O apodrecimento das nadadeiras ocorre na maioria das vezes pela ação de bactérias, sendo que a baixa temperatura da água e o ph ácido também ajudam no aparecimento da doença e, elas ficam esbranquiçadas e logo começam a desfazer-se. O tratamento é com a aplicação de bactericida e fungicida. É indicado também, quando possível, que ocorra um aumento da temperatura da água. A hidropisia infecciosa não tem um causador determinado, porém já é sabido que há dois tipos dessa doença, uma intestinal e a outra ulcerosa. A intestinal é causada pelo acúmulo de liquido na cavidade abdominal e a ulcerosa pela formação de manchas sanguinolentas no corpo do peixe e as nadadeiras são atacadas pela doença e vão se destruindo. Apresenta a sensação de que o peixe vai “arrebentar. A intoxicação alimentar, a qual é causada pelo excesso de comida e/ou por alimentos deteriorados, onde o peixe fica próximo a superfície do tanque, seu ventre fica estufado e suas escamas ficam eriçadas. O tratamento é complexo e de preferência que os peixes inchados sejam separados dos demais e receberem alimentação balanceada, pois alguns estudiosos afirmam que a doença pode ser pela alimentação excessiva ou incorreta.
  7. 7. A argulose é provocada pelo ácaro argulius folhaceus, também é conhecida como piolho das carpas, nessa doença os peixes apresentam movimentos nervosos nas nadadeiras e também pontos avermelhados em sua pele. Para o tratamento pode ser usado o Sera Cyprinopur, aplicando por 3 dias consecutivos, 100 ml para cada 2.000 litros de água. Repetir o tratamento por 3 semanas para prevenir. DESPESCA DO TAMBAQUI E PACU Essa despesca é também conhecida pela retirada dos peixes de dentro dos tanques na medida em que eles alcançam o tamanho e o peso ideal para sua comercialização e consumo. A mesma pode ser realizada de maneira total ou parcial. A parcial é feita quando nem todos os peixes apresentaram o crescimento uniforme ou quando a comercialização não permite que o estoque seja reduzido totalmente. Para realizar a despesca é preciso levar em consideração o período em que o peixe atinge o melhor preço de mercado, ou seja, quando a demanda de peixe é bem maior que a oferta. O primeiro passo para a despesca é o esvaziamento do tanque e esse deve ser feito de maneira gradativa, pois assim os peixes irão acostumar a refugiar-se nas partes mais profundas dos tanques o que facilita mais a despesca. Para retirada dos peixes é utilizado rede de pesca de malha que tem de 25 a 40 mm entre cada nó, ou por baldes de plásticos de 60 litros ou até mesmo por tarrafas. As despescas começam a ocorrer a partir de 10 a 12 meses do início do cultivo. Para o transporte dos peixes é preciso que seja ao amanhecer ou ao entardecer, colocados em sacos plásticos com oxigênio. Cuidado com viagens
  8. 8. rápidas, pois viagens longas podem prejudica a respiração dos peixes, sendo necessário um tratamento diferenciado. REFERÊNCIAS http://www.pescar.com.br/piscicultor/apostila.htm file:///C:/Users/positivo/Desktop/pan115_viveiros_escavados.pdf http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/100638/1/Circ-Tec- 39.pdf https://www.google.com.br/?gws_rd=ssl#q=passos+a+passos+para+cosntru% C3%A7%C3%A3o+de+tanque+de+peixe+escavado http://pt.slideshare.net/mariolgr/apostila-de-piscicultura-basica-em-viveiros- escavados http://pt.slideshare.net/alconpet/ictio-a-doena-dos-pontos-brancos-como-tratar http://www.acaradisco.org/acara-disco-patologia-de-peixes-ornamentais- corrosao-ou-apodrecimento-de-nadadeiras/ https://sites.google.com/site/bichosdaportela/porque-adoecem-os-peixes- http://www.peixefauna.com/t14194-argulose-piolho-da-carpa http://blog.projetopacu.com.br/downloads/como-construir-uma-piscicultura- de-tanques-escavados/ http://www.cpt.com.br/cursos-criacaodepeixes/artigos/como-construir-e- abastecer-tanques-de-peixes http://www.ceplac.gov.br/restrito/publicacoes/cartilhas/CT_03.pdf

×