O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Impactos Ambientais da Piscicultura

2.769 visualizações

Publicada em

Piscicultura

Publicada em: Alimentos
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Impactos Ambientais da Piscicultura

  1. 1. 07/12/14 1 I Encontro de Atualização Técnica em Piscicultura do Distrito Federal e RIDE Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural -­‐ Granja do Ipê Brasília, dezembro de 2014 Guilherme Wolff Bueno, Zootecnista bueno.gw@gmail.com (61) 8191 – 5578 ProduSvidade em 1 hectare Soja/milho Gado de Corte (Confinamento) Cana de açúcar Aquicultura (viveiro escavado ou tanque-­‐rede) 3.6 toneladas/safra 10 toneladas/safra 110 toneladas/safra 60 ou 150 toneladas Slápia/safra AQUICULTURA: PRODUÇÃO DE ALIMENTO ü Rentabilidade ü Retorno Econômico ü Ótima Opção de Investimento AQUICULTURA - AGRICULTURA 186 61 30 18 >305 Espécies 10 18 >158 Espécies Cereais Raízes e tubérculos Oleoginosas Vegetais Pecuária Peixes Moluscos Crustáceos Plantas AquáScas 48 26 Tacon (2013) Crescimento da Produção de Proteína Animal Feed and Food (2013) Player’s da Aquicultura Mundial CHINA 60.6% INDONESIA 7.9% INDIA 5.9% VIETNAM 3.4% PHILIPPINES 3.2% Outros 11.1% FAO (2012) e MPA (2011)* China 47,829,609 (60.6%) Indonesia 6,277,924 (7.9%) India 4,653,093 (5.9%) Viet Nam 2,706,800 (3.4%) Philippines 2,545,967 (3.2%) Korea Rep. 1,377,233 (1.7%) Bangladesh 1,308,515 (1.7%) Thailand 1,286,122 (1.6%) Japan 1,151,080 (1.5%) Norway 1,008,010 (1.3%) Brasil* 628.704 (0.8%) Produção Mundial 78,943,001 ton
  2. 2. 07/12/14 2 Colossoma macropomum 7 Principais Espécies Brasileiras Total de Pisciculturas: 19 mil MPA (2013) Camarão Tilápia Surubins Tambaqui Carpa Oreochromis nilo<cus Pseudoplatystoma sp. Cypribus carpio Piaractus mesopotamicus Litopenaeus vannamei Sistemas de CulSvo Reservatórios Viveiros de terra 150 t/ha/ano 60 t/ha/ano ATUAIS DESAFIOS PARA O PISCICULTOR • Qualidade da Água • Sanidade (Doenças) • Clima (chuva, seca etc..) • Ração (Qualidade e preço da ração) • Mercado (Venda do peixe) • Mão de Obra Especializada • Crédito (Financiamento) • Licença Ambiental ( Outorga, CAR, RGP) Como os principais países produtores de peixes fizeram?? ž China ž China
  3. 3. 07/12/14 3 ® Chile ž Canadá Brasil ž BRASIL 1 milhão de prejuízo em 6 meses ž BRASIL Floração de alga em área aquícola no reservatório de Capivara – PR/SP. Revista Panorama da Aquicultura. Vol. 14, n°84, 2004. Cultivo de peixes em tanques-rede 1°Maio – PR. US$ 50 milhões prejuízos ž BRASIL ž BRASIL 75 tanques = 150 mil de prejuízos Falta de oxigênio nas gaiolas
  4. 4. 07/12/14 4 • Aumento Impacto ambiental da Aquicultura Toda aSvidade de produção gera do fluxo de parculas e nutrientes dissolvidos na água; • Mortalidade e perdas de biodiversidade de peixes; • Contaminação por compostos químicos; • Reduções localizadas das concentrações de oxigênio dissolvido; • Florações de algas tóxicas -­‐ Eutrofização; • Aumento da concentração de matéria orgânica e de metais no sedimento; • Alterações nas propriedades fsico-­‐químicas e da biodiversidade da micro-­‐flora no sedimentos bentônicos; • Introdução de espécies exóicas; • Disseminação de doenças que podem afetar as populações selvagens; • Conflitos diretos com outros usuários de recursos hídricos; impacto ambiental e possui riscos!! Comparação dos efluentes gerados por dia para produzir 1 tonelada de animal (peso vivo). Animais DBO (Kg) Sólidos (Kg) Nitrogênio Total (Kg) Lama (l) Peixe 0,8-1,3 3,9-6,3 0,2-0,32 65 Gado corte 1,6 9,5 0,32 30 Gado Leite 1,4 7,9 0,51 51 Ave 3,4 14 0,74 37 Suíno 3,1 8,9 0,51 76 Fonte: (CHEN, 1998). Aquaculture Magazine July/August. Resíduos da Produção Animal Resíduos da Produção Animal -­‐ Suinocultura Lovalo et al (2005). R. Bras. Zootec., v.34, n.6, p.2348-­‐2354. Resíduos da Produção Animal -­‐ Piscicultura Kg de resíduo produzido para produção de 01 tonelada de tilápia Juvenil Crescimento Terminação Retenção de Nitrogênio (%DN) 39 36 31 Retenção de Fósforo (%DPI) 57 55 48 Total de Resíduos Sólidos 199 287 361 Nitrogênio Sólido 8 9 13 Fósforo Sólido 6 7 8 Nitrogênio Dissolvido 39 45 50 Fósforo Dissolvido 6 6 7 Chowdhury et al. (2013); Bueno et al. (2014); Ramseyer e Garling (2000) Estratégias para MiSgar Impactos da Produção de Peixes
  5. 5. 07/12/14 5 Piscicultura Sustentável = Segurança de Investimento Desempenho Retorno $$ Água Nutrição Sanidade Nutrientes - Piscicultura Ração Ingerida • DigesSbilidade N e P ingeridos Eficiência na Retenção de Nutrientes • % N e P reSdos Resíduos Sólidos (FEZES) • % N e P nas fezes Biomanipulação Retenção Macrófitas Plâncton Preço R$/kg AVALIAÇÃO DE DUAS RAÇÕES COMERCIAIS Conversão Alimentar Custo do Kg do peixe Rendimento de Filé Custo do Kg do Filé Retenção de Proteína Excreção de P mg/dia/kg px Nutrir não significa “encher o estômago”, e sim fornecer nutrientes que possam ser aproveitados ou assimilados em forma de energia. R$ 1,00 1,7 R$ 1,70 30% R$ 5,67 37,3% 30,0 R$ 1,25 1,4 R$ 1,75 32% R$ 5,47 43,8% 18,1 Abimorad (2009) Modelo de Predição de Alimentação e Resíduos Entrada de P da Alimentação DigesSbilidade do Fósforo Excreção de resíduos não fecais Excreção de resíduos fecais EsSmaSva total de resíduos Saída de Resíduo Dissolvido Saída de Resíduo Sólido Entrada de Fósforo Digesnvel P Depositado na Carcaça Figura 5. Modelo bioenergéico fatorial para simulação do uso de P pelos peixes. Bureau e Hua et al. (2010) Ração perdida Brânquias e Urina Bureau (2010) ComparaSvo da Indústria Aquícola na América do Norte
  6. 6. 07/12/14 6 Projeto Monitoramento Pisciculturas – Oeste Paraná *Resolução CONAMA no 1 -­‐ Captação no córrego Capão Preto; 357/05 2 -­‐ Efluente dos tanques de piscicultura; 3 -­‐ Efluente da lagoa de decantação; 4 -­‐ Córrego Coqueiros à montante do ponto de lançamento de efluente; 5 -­‐ Córrego Coqueiros à jusante do ponto de lançamento de efluente. Granja do Ipê – Brasília -­‐ DF Lima (2010) Baccarin (2002) Componentes de um viveiro de culSvo % de nutrientes na matéria seca Organismos Matéria seca Proteína bruta Extrato etéreo Extrativo não-nitrogenado Matéria mineral Energia (kcal/kg) Algas 14-22 18-31 4-10 21-52 27-47 2.200-3.700 Rotíferos 11 64 20 10 6 4.866 Cladóceros 10 57 19 16 8 4.800 Copépodos 10 52 26 15 7 5.445 Chiromídeos 19 59 5 30 6 5.034 Adaptado de Hepher (1988). Qual o melhor Caminho???
  7. 7. 07/12/14 7 Pré-­‐requisitos e tendências para uma aquicultura sustentável • Observação e respeito aos limites de produção; • Aproveitamento eficiente da produtividade primária (fitoplâncton) e detritos orgânicos gerados nos sistemas de produção; • Reuso e mínimo uso de água e aporte de efluentes – Uso de biofiltros; • Uso de rações de alta qualidade; • Aumento no número de empreendimentos de menor porte com foco no comércio local/regional de pescado; Pré-­‐requisitos e tendências para uma aquicultura sustentável • Opção pelo cultivo de espécies de baixo nível trófico e eficientes no aproveitamento de rações formuladas; • Uso de recursos de forma compartilhada com outras atividades; • Aplicação do Princípio do Poluidor Pagador (Noruega, Canadá); CF art. 225, parágrafo 3º, que prescreve: “As a<vidades e condutas lesivas ao meio ambiente sujeitarão os infratores, pessoas ,sicas ou jurídicas, às sanções penais e administra:vas, independentemente da obrigação de reparar os danos causados.” • Aplicação de códigos de conduta de BPM’s e Cerificação Paricipaiva; • Normas que incluam o produtor na aividade; • Aquicultura Ecossistêmica!! FAO (2008). 39 “O importante é que a aquicultura seja vista como parte da solução e não como um problema” Tacon (2013) Você Invesiria na Piscicultura? Sustentabilidade Segurança Rentabilidade Investimento Guilherme Wolff Bueno bueno.gw@gmail.com (61) 8191 – 5578

×