SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
6/19/20171
Coccidiose aviaria
A coccidiose aviária
6/19/20172
 É uma enfermidade causada por um protozoário do
género Eimeria, que parasita as células intestinais
destes animais. É considerada uma das doenças mais
importantes na avicultura industrial, pois causa diarreia
e enterite, resultando em uma diminuição da absorção
de nutrientes.
Epidemiologia
6/19/20173
 A epidemiologia da coccidiose aviária caracteriza-se
por uma grande disseminação de oocistos no meio
ambiente, podendo ocorrer significantes prejuízos em
granjas com aves infectadas, fazendo-se necessárias,
portanto, medidas profiláticas para o seu controle.
Estas medidas são realizadas principalmente com o uso
de anticoccídicos adicionados à ração.
Etiologia
6/19/20174
 A coccidiose é causada por coccídios
do gênero Eimeria que infectam
preferencialmente células intestinais
das aves.
 Estes animais são parasitados por um
grande número de espécies de Eimeria
que apresentam acentuada
especificidade em relação ao
hospedeiro.
Patogenia
6/19/20175
 A multiplicação dos coccídios causa
alterações e provoca a destruição das
células do hospedeiro. Alguns efeitos
decorrem da pressão causada pelo
parasito que cresce rapidamente e
outras são, provavelmente, causadas
por modificações induzidas pelas
formas em desenvolvimento (Ryley,
1980).
Ciclo de Vida Coccidiano
6/19/20176
 As aves infectam-se ao ingerir oocistos
esporulados, presentes no ambiente, junto
com cama, alimento ou água.
 Os oocistos têm sua parede rompida pela
ação mecânica da moela, liberando os
esporocistos que após sofrerem ação da
“tripsina quinase” tem os esporozoítos
liberados (ALLEN & FETTERER, 2002).
Ciclo de Vida Coccidiano
6/19/20177
 A primeira fase é chamada de esquizogonia,
ou fase assexuada, e tem início com a
invasão dos enterócitos pelos esporozoítos,
formando o esquizonte, unidade repleta de
merozoítos (DANFORTH, 1999)
Ciclo de Vida Coccidiano
6/19/20178
 A fase sexuada ou gamogonia inícia no final da
fase assexuada quando a ultima geração de
esquizontes penetra em novos enterócitos
diferenciando-se em macrogametas (gametas
femininos) e microgametas (gametas
masculinos), posteriormente o macrogameta é
fecundado pelo microgameta, formando o
oocisto e finalizando a fase endógena a parede
celular é formada, e o oocisto “imaturo”
liberado na luz intestinal (ALLEN &
FETTERER, 2002)
Ciclo de Vida Coccidiano
6/19/20179
 A fase externa, também chamada de esporogonia
ocorre mediante algumas condições determinantes de
temperatura, umidade e oxigênio, outra característica
intrínseca do gênero Eimeria é a condição de
especificidade, ou seja, parasitam apenas uma espécie
de hospedeiro, todavia, varias espécies podem estar
envolvidas em um quadro de coccidiose (KAWAZOE,
2000)
Sintomas gerais
6/19/201710
 Fezes pastosas ou com muco,
 Diarreia desde amarela até com estrias de sangue ou
pretas,
 Alimento mal digerido, aumento excessivo de apetite,
 Cloaca suja e problemas de pele e muda.
Controlo e prevenção
6/19/201711
 Para controle e prevenção desta doença, além de um
manejo adequado, desinfecção e limpeza do ambiente,
é necessário o uso de anticoccidianos nas rações, ou
então, utilização de vacinas.
Prevenção da Coccidiose
6/19/201712
 Pode ser feita através de;
 Bom manejo sanitário;
 vacinação dos pintinhos; e
 Limpeza dos potes de água;
 Manter as galinhas em locais limpos;
 Recebendo uma boa alimentação e água limpa são uma
óptima maneira de evitar que as galinhas contraiam a
doença.
Controlo
6/19/201713
 Pode misturar vinagre de maçã e alho na água que as
aves bebem, ajudando a controlar os oocistos e outros
vermes.
 O ácido no ajuda a evitar a formação de oocistos.
 Todas as aves que são alimentadas no chão estão
expostos a ter infecções por oocistos.
 A Coccidiose pode ser disseminada através de botas
contaminadas, roupas, sacos de rações, insectos e
roedores.
Tratamento
6/19/201714
 É eficaz e rápido se começar assim que apresentar os
primeiros sinais da doença.
 É feito com medicamentos a base de coccidiostáticos,
que irão agir no desenvolvimento do parasita, ou com
coccidicida, que matam o agente.
 Deve ser acompanhados com exames de fezes antes e
depois da medicação, buscando analisar a sua eficácia.
Medidas de biossegurança
6/19/201715
 Isolamento das granjas e all in/all out, evitam a
propagação entre granjas das populações de oocistos,
 Controlo de roedores evita disseminação mecânica da
Coccidiose.
Recomendações em caso de aves
doentes
6/19/201716
 Separar as aves doentes e administrar diariamente
maça,
 Dar farinha sem acrescentar ovo por que a ave está
com a digestão lenta o ovo é muito “pesado”
 Deitar soro na água ,
 Lembrem-se a cura é lenta, muitos não resistem, por
isso prevenir é o ideal.
Queironissa Mário Neve
6/19/201717
Muito obrigado

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Reticuloperitonite traumática em bovino: relato de caso
Reticuloperitonite traumática em bovino: relato de casoReticuloperitonite traumática em bovino: relato de caso
Reticuloperitonite traumática em bovino: relato de casoLilian De Rezende Jordão
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalMarília Gomes
 
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaCaso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaNatália Borges
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosMarília Gomes
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseferaps
 
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoA cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoJairo Soares
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Agricultura Sao Paulo
 
Aula 07 08 09 2009 2
Aula 07 08 09 2009 2Aula 07 08 09 2009 2
Aula 07 08 09 2009 2UFPEL
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Marília Gomes
 
Febre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaFebre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaJARDSON ROCHA
 
O gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstruçãoO gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstruçãoCarolina Trochmann
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose iaavila
 

Mais procurados (20)

Diptera - vet 145
Diptera - vet 145Diptera - vet 145
Diptera - vet 145
 
Toxoplasmose
ToxoplasmoseToxoplasmose
Toxoplasmose
 
Reticuloperitonite traumática em bovino: relato de caso
Reticuloperitonite traumática em bovino: relato de casoReticuloperitonite traumática em bovino: relato de caso
Reticuloperitonite traumática em bovino: relato de caso
 
Hipersensibilidade
HipersensibilidadeHipersensibilidade
Hipersensibilidade
 
Eimeria
EimeriaEimeria
Eimeria
 
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animalIntrodução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
Introdução Etologia e bem-estar animal - etologia e bem-estar animal
 
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia CaninaCaso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
Caso Clínico Veterinário: Epilepsia Canina
 
Mastite
MastiteMastite
Mastite
 
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinosSanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
Sanidade e enfermidade de caprinos e ovinos - caprinos e ovinos
 
Teniase e cisticercose
Teniase e cisticercoseTeniase e cisticercose
Teniase e cisticercose
 
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelhoA cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
A cecotrofia é uma mecanismo fisiológico típico do coelho
 
Dermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em CãesDermatopatias Crônicas em Cães
Dermatopatias Crônicas em Cães
 
Caderno farmacologia-terapeutica
Caderno farmacologia-terapeuticaCaderno farmacologia-terapeutica
Caderno farmacologia-terapeutica
 
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
Ambiência, Comportamento e Bem-Estar de Bovinos Leiteiros
 
Aula 07 08 09 2009 2
Aula 07 08 09 2009 2Aula 07 08 09 2009 2
Aula 07 08 09 2009 2
 
Nematelmintos equinos 2021
Nematelmintos equinos 2021Nematelmintos equinos 2021
Nematelmintos equinos 2021
 
Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2Doenças de suídeos OIE 2
Doenças de suídeos OIE 2
 
Febre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rochaFebre aftosa slide de jardson rocha
Febre aftosa slide de jardson rocha
 
O gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstruçãoO gato na emergencia: obstrução
O gato na emergencia: obstrução
 
Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose Dermatofitose x dermatofilose
Dermatofitose x dermatofilose
 

Semelhante a Coccidiose aviaria

Cocos de interesse em patologia humana
Cocos de interesse em patologia humanaCocos de interesse em patologia humana
Cocos de interesse em patologia humananaiellyrodrigues
 
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTARARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTARJulioCesar371362
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de JesusGilberto de Jesus
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaMarcel Vieira
 
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMicrobiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmosejoaoars
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfProfFelipeSoaresQumi
 
Seres causadores de doenças
Seres causadores de doençasSeres causadores de doenças
Seres causadores de doençasLuise Moura
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurançaclinicansl
 
ApresentaçãO Closfritum
ApresentaçãO ClosfritumApresentaçãO Closfritum
ApresentaçãO ClosfritumMagrani22
 
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdfAula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdfyannesantos5
 
Fungos e bactérias gilda esse
Fungos e bactérias gilda esseFungos e bactérias gilda esse
Fungos e bactérias gilda esseclaudinha23
 

Semelhante a Coccidiose aviaria (20)

Microrganismos
MicrorganismosMicrorganismos
Microrganismos
 
Reovirose art19
Reovirose   art19Reovirose   art19
Reovirose art19
 
Cocos de interesse em patologia humana
Cocos de interesse em patologia humanaCocos de interesse em patologia humana
Cocos de interesse em patologia humana
 
Trabalho pronto
Trabalho prontoTrabalho pronto
Trabalho pronto
 
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTARARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
ARTIGO DOENÇAS DTAS DOENÇAS DE ORIGEM ALIMENTAR
 
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de  microbiologia Prof. Gilberto de JesusAula de  microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
Aula de microbiologia Prof. Gilberto de Jesus
 
Microbios
MicrobiosMicrobios
Microbios
 
Primeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologiaPrimeira prova de parasitologia
Primeira prova de parasitologia
 
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota NormalMicrobiologia Geral - Microbiota Normal
Microbiologia Geral - Microbiota Normal
 
Reino fungi
Reino fungiReino fungi
Reino fungi
 
Generalidades De MicologìA
Generalidades De MicologìAGeneralidades De MicologìA
Generalidades De MicologìA
 
Plantas
PlantasPlantas
Plantas
 
toxoplasmose
toxoplasmosetoxoplasmose
toxoplasmose
 
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdfAPOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
APOSTILÃO MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA PROF FELIPE.pdf
 
Seres causadores de doenças
Seres causadores de doençasSeres causadores de doenças
Seres causadores de doenças
 
Fungos
FungosFungos
Fungos
 
Biossegurança
BiossegurançaBiossegurança
Biossegurança
 
ApresentaçãO Closfritum
ApresentaçãO ClosfritumApresentaçãO Closfritum
ApresentaçãO Closfritum
 
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdfAula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
Aula 01 - Introducao a discplina.pptx.pdf
 
Fungos e bactérias gilda esse
Fungos e bactérias gilda esseFungos e bactérias gilda esse
Fungos e bactérias gilda esse
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 
Dpp1
Dpp1Dpp1
Dpp1
 

Último

Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosIANAHAAS
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorIvaneSales
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasIANAHAAS
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaJoyceDamasio2
 
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsApresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsMarceloLeoSanttana
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.FabioCorreia46
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesIANAHAAS
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdfIANAHAAS
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesVanessaXLncolis
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxjhordana1
 

Último (10)

Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuroniosTecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
Tecido_Nervoso.pptxsistema nervoso neuronios
 
fratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferiorfratura e imobilização de membros superior e inferior
fratura e imobilização de membros superior e inferior
 
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemasSISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
SISTEMA ARTICULAR.pptxarticulações sistemas
 
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetríciaPuerpério normal e patológico em obstetrícia
Puerpério normal e patológico em obstetrícia
 
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fdsApresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
Apresentação Fispq.pptx apresentação sobre fispq fds
 
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
Anatomia do Sistema Respiratorio função e movimentos musculares.
 
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfadesAtividade sistema muscular.pdfatividfades
Atividade sistema muscular.pdfatividfades
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para AdolescentesApresentação Saúde Mental para Adolescentes
Apresentação Saúde Mental para Adolescentes
 
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptxTEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
TEORIA DE ENFERMAGEM DE IMOGENE M. KING.pptx
 

Coccidiose aviaria

  • 2. A coccidiose aviária 6/19/20172  É uma enfermidade causada por um protozoário do género Eimeria, que parasita as células intestinais destes animais. É considerada uma das doenças mais importantes na avicultura industrial, pois causa diarreia e enterite, resultando em uma diminuição da absorção de nutrientes.
  • 3. Epidemiologia 6/19/20173  A epidemiologia da coccidiose aviária caracteriza-se por uma grande disseminação de oocistos no meio ambiente, podendo ocorrer significantes prejuízos em granjas com aves infectadas, fazendo-se necessárias, portanto, medidas profiláticas para o seu controle. Estas medidas são realizadas principalmente com o uso de anticoccídicos adicionados à ração.
  • 4. Etiologia 6/19/20174  A coccidiose é causada por coccídios do gênero Eimeria que infectam preferencialmente células intestinais das aves.  Estes animais são parasitados por um grande número de espécies de Eimeria que apresentam acentuada especificidade em relação ao hospedeiro.
  • 5. Patogenia 6/19/20175  A multiplicação dos coccídios causa alterações e provoca a destruição das células do hospedeiro. Alguns efeitos decorrem da pressão causada pelo parasito que cresce rapidamente e outras são, provavelmente, causadas por modificações induzidas pelas formas em desenvolvimento (Ryley, 1980).
  • 6. Ciclo de Vida Coccidiano 6/19/20176  As aves infectam-se ao ingerir oocistos esporulados, presentes no ambiente, junto com cama, alimento ou água.  Os oocistos têm sua parede rompida pela ação mecânica da moela, liberando os esporocistos que após sofrerem ação da “tripsina quinase” tem os esporozoítos liberados (ALLEN & FETTERER, 2002).
  • 7. Ciclo de Vida Coccidiano 6/19/20177  A primeira fase é chamada de esquizogonia, ou fase assexuada, e tem início com a invasão dos enterócitos pelos esporozoítos, formando o esquizonte, unidade repleta de merozoítos (DANFORTH, 1999)
  • 8. Ciclo de Vida Coccidiano 6/19/20178  A fase sexuada ou gamogonia inícia no final da fase assexuada quando a ultima geração de esquizontes penetra em novos enterócitos diferenciando-se em macrogametas (gametas femininos) e microgametas (gametas masculinos), posteriormente o macrogameta é fecundado pelo microgameta, formando o oocisto e finalizando a fase endógena a parede celular é formada, e o oocisto “imaturo” liberado na luz intestinal (ALLEN & FETTERER, 2002)
  • 9. Ciclo de Vida Coccidiano 6/19/20179  A fase externa, também chamada de esporogonia ocorre mediante algumas condições determinantes de temperatura, umidade e oxigênio, outra característica intrínseca do gênero Eimeria é a condição de especificidade, ou seja, parasitam apenas uma espécie de hospedeiro, todavia, varias espécies podem estar envolvidas em um quadro de coccidiose (KAWAZOE, 2000)
  • 10. Sintomas gerais 6/19/201710  Fezes pastosas ou com muco,  Diarreia desde amarela até com estrias de sangue ou pretas,  Alimento mal digerido, aumento excessivo de apetite,  Cloaca suja e problemas de pele e muda.
  • 11. Controlo e prevenção 6/19/201711  Para controle e prevenção desta doença, além de um manejo adequado, desinfecção e limpeza do ambiente, é necessário o uso de anticoccidianos nas rações, ou então, utilização de vacinas.
  • 12. Prevenção da Coccidiose 6/19/201712  Pode ser feita através de;  Bom manejo sanitário;  vacinação dos pintinhos; e  Limpeza dos potes de água;  Manter as galinhas em locais limpos;  Recebendo uma boa alimentação e água limpa são uma óptima maneira de evitar que as galinhas contraiam a doença.
  • 13. Controlo 6/19/201713  Pode misturar vinagre de maçã e alho na água que as aves bebem, ajudando a controlar os oocistos e outros vermes.  O ácido no ajuda a evitar a formação de oocistos.  Todas as aves que são alimentadas no chão estão expostos a ter infecções por oocistos.  A Coccidiose pode ser disseminada através de botas contaminadas, roupas, sacos de rações, insectos e roedores.
  • 14. Tratamento 6/19/201714  É eficaz e rápido se começar assim que apresentar os primeiros sinais da doença.  É feito com medicamentos a base de coccidiostáticos, que irão agir no desenvolvimento do parasita, ou com coccidicida, que matam o agente.  Deve ser acompanhados com exames de fezes antes e depois da medicação, buscando analisar a sua eficácia.
  • 15. Medidas de biossegurança 6/19/201715  Isolamento das granjas e all in/all out, evitam a propagação entre granjas das populações de oocistos,  Controlo de roedores evita disseminação mecânica da Coccidiose.
  • 16. Recomendações em caso de aves doentes 6/19/201716  Separar as aves doentes e administrar diariamente maça,  Dar farinha sem acrescentar ovo por que a ave está com a digestão lenta o ovo é muito “pesado”  Deitar soro na água ,  Lembrem-se a cura é lenta, muitos não resistem, por isso prevenir é o ideal.