SlideShare uma empresa Scribd logo
PRINCIPAIS OBJETIVOS DAS INSTALAÇÕES
    Instalações
                                                                 • Abrigar adequadamente os animais, fornecendo-lhes
                                                                 conforto e segurança;
 para caprinos
   e ovinos                                                      • Ser prática, funcional e de fácil limpeza;

                                                                 • Ser resistente e duradoura;

                                                                 • Facilitar a produção higiênica do leite;

                                                                 • Conter e manter adequadamente os animais;




                                                                      ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E
     PRINCIPAIS OBJETIVOS DAS INSTALAÇÕES                                 PROJETOS DE INSTALAÇÕES

• Ser arejada, mas protegida de ventos e umidade;                1 – Devem ser adaptadas a região:

• Proteger contra as variações de clima;
                                                                 • Conforme o material existente;
• Ser espaçosa e racionalmente dividida;                         • Poder aquisitivo do proprietário;

• Estar em local de fácil acesso, com facilidade de água e       • Clima e tipos de exploração
energia elétrica;
                                                                2 – Devem ser localizados em terreno bem drenado:
• Ser de custo adequado e de baixa manutenção.

                                                                • Evitar danos à estrutura e prejuízos aos animais




      ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E                                ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E
          PROJETOS DE INSTALAÇÕES                                         PROJETOS DE INSTALAÇÕES

3 – Devem ter correntes de ar adequadas, sem ventilação
                                                                  6 - Orientação:
excessiva ou deficiente;

4 – Sempre que possível utilizar materiais da própria fazenda           - Devem ser construídas preferencialmente no
(racionalidade):                                                  sentido
                                                                         LESTE – OESTE ( Nascente / Poente )
• Redução do custo da instalação                                  A Incidência principal da radiação solar se dá na cumeeira
                                                                  da instalação e não nas suas laterais.

5 - Devem ser construídas de acordo com os aspectos
comportamentais do animal:
• Evita o estresse desnecessário;
• Facilita o manejo




                                                                                                                               1
ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E
          PROJETOS DE INSTALAÇÕES




      ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E
          PROJETOS DE INSTALAÇÕES                  INSTALAÇÕES PARA CAPRINOS
7   -   Movimentação     dos
Animais, Produtos e Máquinas             •   Capril:

• Deve permitir a       fácil            • Baias para cabras adultas:cabras secas e em lactação
movimentação dos animais no
                                         • Baias maternidade
interior da instalação;
                                         • Creche
• Deve ser planejada com                 • Baias para cabritos(as): cabriteiro
vistas no manejo dos animais;            • Baias para recria
• Ergonomia (Qualidade do ar,            • Baias de reprodutores
luminosidade, ventilação, etc);          • Sala de ordenha

• Segurança do trabalhador.




 INSTALAÇÕES PARA CAPRINOS e OVINOS                                 SOLÁRIO

 • Pedilúvios                                 •   Área externa para exercícios e tomar sol
 • Bretes
                                              • Cobertura (monta)
 • Embarcadouro
                                              • Área: 4 m2/animal
 • Depósito de ração
 • Farmácia                                   • Piso acimentado ou terra batida
 • Escritório
 • Bodeiro
 • Esterqueira




                                                                                                  2
CURRAL DE MANEJO




               CURRAL DE MANEJO                                          CURRAL DE MANEJO

                                                           Deve ser planejado para a realização de atividades:
• Localização: centro da propriedade
                                                           pesagem
                                                           vermifugação
• Evitar que o rebanho percorra grandes                    vacinação
  distâncias                                               banho sarnicida
                                                           casqueamento
                                                           tosquia
• Atender todos os trabalhos com o rebanho                 corte de cauda
                                                           apartação entre outras




                  CURRAL DE MANEJO


CURRAL DE MANEJO

• A área é calculada em função da categoria mais
  numerosa que irá se trabalhar no curral, provavelmente
  a das matrizes.

• 1,0 m2/animal

• Piso: cimento rústico ou chão batido




                                                                                                                 3
CURRAL PRÉ-FABRICADO                              TRONCO OU BRETE DE CONTENÇÃO




       TRONCO OU BRETE DE CONTENÇÃO                                                        PEDILÚVIO

 Deve ser feito um corredor de forma trapezoidal;               Função: combater problemas de casco, através de soluções
                                                              como o sulfato de zinco, onde os cascos dos animais têm que
  Medidas: 0,30 m na base inferior e 0,50 m na superior,      ficar submersos por alguns minutos;
atingindo 0,80 m de altura, com tábuas unidas, sem frestas.
                                                               Pode ser portátil ou fixo
 Comprimento varia com o número de animais do rebanho.
                                                                Pedilúvio fixo: depressão que pode estar localizada no piso do
 Piso deve ser concretado, funcionando como pedilúvio.        brete ( 3 a 5 cm de profundidade), acompanhando toda
                                                              extensão do tronco e provido de sistema de esgotamento da
 Deve permitir a passagem de um único animal de cada vez,     solução
sem possibilidade de volta do animal.

 Deve sempre ser utilizado com a carga máxima de ovinos.




                BANHEIRA SARNICIDA                                             BANHEIRA SARNICIDA

Em regiões onde o problema com ectoparasitas é freqüente,
recomenda-se a construção da banheira sarnicida.


Estrutura de alto custo, outros métodos como o da
pulverização são utilizados para combater piolho e sarna.


Porém, o tratamento através da imersão em banheiras é o
mais eficaz.


Rebanhos com menos de 50 animais: caixas d`água ou
tambores




                                                                                                                                 4
COBERTURAS DAS INSTALAÇÕES                                                    PISO

                                                             • Piso   ripado: tipo de piso mais utilizado no Brasil
Impermeável à água e proteja os animais do sol sem
aumentar a temperatura interna
                                                                • Ripas de 7- 12 cm de largura e 2,5 cm de espessura
Tipos:                                                          • Distância entre ripas: 1,8 a 2,0 cm

• Palha: bom isolante térmico, pouca durabilidade e
                                                             • Vantagens:
propícia a fogos e pragas;
                                                                • Animais afastados da umidade
• Alumínio polido e chapa de aço galvanizada: pintada de
                                                                • Diminuir mão-obra com limpeza
branco tem boa eficiência, pois reflete os raios solares.
                                                                • Redução da incidência de verminose
• Telhas de barro: bons resultados, custo mais elevado.

• Fibrocimento: menos eficientes como isolantes térmicos.




                           PISO                                                           PISO

 •   Piso de cama                                            • Piso   de terra batida

 • A cama deve ser colocada sobre uma base que drene         • Comum no Nordeste
 bem a umidade
                                                             • Regiões de clima quente
 • Materiais utilizados: serragem, feno, casca de café, ou
 casca de arroz                                              • Abrigo apenas para pernoite

 • Frequência de troca; depende do tamanho das baias, nº     • Limpeza freqüente
 de animais, material utilizado e clima




                           PISO                                                           PISO

 • Piso
 •        de concreto
                                                               Tabela 2 – Área por baia por animal
 • Lavado com freqüência
                                                               Categoria                      Área por animal (m2)
 • Boa inclinação (superior a 5%)                              Aleitamento                          0,4 – 0,6
                                                               3 a 6 meses                          0,8 – 1,2
 • Dimensionamento: de acordo com a categoria                  7 a 12 meses                         0,8 – 1,5
                                                               Cabras adultas                       1,0 – 2,0
                                                               Maternidade                             4,0
                                                               Reprodutores                            4,0




                                                                                                                       5
BEBEDOUROS                                               BEBEDOUROS

• Local de fácil acesso

• Evitar que fique próximo aos cochos de volumoso e                                          Bebedouro de pedra
mineral

• Utilizar material de fácil limpeza

• A recomendação do ARC (1980) para animais de
mantença é de 3,96 kg de água/kg de matéria seca
ingerida.
                                                            Bebedouro de cimento
• Cálculos de um projeto: 50 l/matriz (limpeza, lavagem
de vasilhame, higiene geral)




                     BEBEDOUROS                                               BEBEDOUROS




                     BEBEDOUROS                                                  COCHOS

Sistema de vasos comunicantes                             • Devem ser localizados do lado de fora das baias

                                                          • Fácil acesso para os animais, mas que não permita que
                                                          os mesmos entrem ou defequem dentro

                                                          • Fácil limpeza, resistentes e duráveis

                                                          • Dimensões: todos os animais da baia devem ter acesso
                                                          ao mesmo tempo
                                                              • Definidas em função da categoria animal




                                                                                                                    6
COCHOS                                            COCHOS


Tabela 1 – Comprimento de cocho em função da categoria
animal

Categoria                      Comprimento do cocho
                                    (m/animal)
Animais dos 3 aos 6 meses            0,20-0,30
Animais dos 6 aos 12 meses           0,25-0,35
Cabras adultas                       0,30-0,40
Reprodutores                            0,50


                                                                  Baias com cochos externos




                      COCHOS                                            COCHOS




                                                                                    Cocho metálico
                                  Cocho metálico



    Cocho plástico
                                                         Cocho tambor




                      COCHOS                                            COCHOS




                     Cocho de madeira
                                                                   Cocho móvel de madeira




                                                                                                     7
COCHOS PRIVATIVOS




                                      COCHO E FENIL




     FENIL                                  SALEIROS



                    • Cochos   para fornecimento de sal mineral

                    • Local de fácil acesso para os animais e para o tratador

                    • Protegidos de umidade (cobertos e/ou afastados de
                    bebedouros)

                    • Abastecimento: uma vez/semana




                                                                                8
SALEIROS                                SALA DE ORDENHA

                                             • Vantagens:


                                                • Melhores condições de higiene

                                                • Maior conforto para as cabras

                                                • Mais facilidade e melhores condições de trabalho
                                                para o ordenhador




               SALA DE ORDENHA                               SALA DE ORDENHA

• Desvantagens:


   • Maiores custos de construção

   • Ocupação de maiores áreas de terrenos

   • Deslocamento das cabras

• Tamanho:


  • Pequenas: para até 10 cabras
  • Médias: 11 a 25 cabras
  • Grandes: mais de 25 cabras




                                                             SALA DE ORDENHA




                                                                                                     9
SALA DE ORDENHA                                                   CRECHE

Sanidade:                                                    Tempo de permanência: 10 dias

• Jamais deve ser utilizada para exames ou tratamentos       Baias ou gaiolas coletivas

• Deve ser lavado com água e sabão diariamente               Chão batido com cama de palha

• Devem ser desinfetados periodicamente com iodo a           Aquecimento
  1% ou formol a 5%

• Não utilizar produtos à base de cresóis (odor no leite)




                      CABRITEIRO                                                  CABRITEIRO

Indispensável para fase inicial de criação: no máximo 6
meses

Dimensão: 0,4 a 0,6 m2 / animal

Deve ter divisões (de acordo com o tamanho do rebanho)

Cocho: altura de 30 cm

Ajustar altura entre o cocho e a primeira tábua (impedir a
saída dos cabritos)

Uso de mamadeiras coletivas
                                                                                  Baldes mamadeira




                      CABRITEIRO                                                  CABRITEIRO

                                                             Vantagem da mamadeira individual (coletiva):
                                  Mamadeiras coletivas

                                                                 •   Controlar a mamada de cada cabrito

                                                             Higienização:

                                                                • Lavar as chupetas e as mamadeiras com água e
                                                                sabão e mergulhá-las em solução de hipoclorito a
                                                                10%.




                                                                                                                   10
BODEIRO                                                  ESTERQUEIRA

• Alojamento dos reprodutores                                 Esterco: não deve ser amontoado próximo ao estábulo:
                                                              perda da qualidade e atrai moscas
• Distância mínima de 500m das fêmeas (capril)
                                                              Esterqueira: permite fermentação, diminuindo o efeito
• Evitar coberturas indesejáveis ou transmissão de seu        poluidor
odor característico ao leite
                                                              Esterco           fertilizante
• Área coberta de 3,0 a 5,0 m2/animal
                                                              Localização: terreno inclinado, no mínimo a 50 m do capril
• Cocho para forragem e concentrado, sal mineral e água
                                                              Piso: concreto com espessura de 10 cm
 Solário: 12 m2/animal
                                                              Paredes: concreto ou tijolos




                    ESTERQUEIRA                                                   ESTERQUEIRA



Protegida da água da chuva e do ressecamento excessivo
do sol

Tempo necessário para fermentação completa: 60 a 90 dias

Chorume: parte líquida do esterco, coletado em reservatório
abaixo do nível da esterqueira




                         CERCAS                                                       CERCAS

 • Fundamentais em uma propriedade

 • Nordeste: muitas áreas onde não existem cercas

 • Devem ser planejadas de acordo com as condições do
 terreno, da propriedade, do tipo de criação e do custo                                             Cerca com tela

 • Atura: 1,20 a 1,80m

 • Material utilizado: pedras, madeiras (lascas), varas,
 bambu, cerca viva, arame liso, com tela, elétrica




                                                                                                                           11
MODELOS DE CAPRIL   MODELOS DE CAPRIL




MODELOS DE CAPRIL   MODELOS DE CAPRIL




MODELOS DE CAPRIL   MODELOS DE CAPRIL




                                        12
Ciclo sanitário mínimo em instalações
              para caprinos


De fácil limpeza              Paredes e Pisos
                                                 “As instalações devem ser construídas respeitando-se
                                                  os princípios básicos de construção, de forma que se
Ventilação                                           mantenham funcionais. Facilitar o manejo, a
                                      Telhado
                                                      limpeza, a higienização e abrigar os animais
                                                 confortavelmente, permitindo-lhes demonstrar toda a
      Fezes                         Sistema de                sua performance produtiva”
                                    drenagem

              Cochos e Bebedouros




                                                                                                         13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Marília Gomes
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
HenriqueKanada
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
Aurielle Medeiros
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Rômulo Alexandrino Silva
 
Manejo de pastagem
Manejo de pastagemManejo de pastagem
Manejo de pastagem
LarissaFerreira258
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
gepaunipampa
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
jessica zambonato
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
Brunna Silva Moreira
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Josmar Almeida Junior
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Killer Max
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Paulo Adami
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
MirianFernandes15
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Lucas Camilo
 
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.pptAula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
RodrigoMenck2
 
Ambiência em edificações rurais
Ambiência em edificações ruraisAmbiência em edificações rurais
Ambiência em edificações rurais
Josimar Oliveira
 
Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
Felisberto Fmuandissa
 
6. sistemas de criação
6. sistemas de criação6. sistemas de criação
6. sistemas de criação
rafaeladp
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Universidade de São Paulo
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Universidade de São Paulo
 

Mais procurados (20)

Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leiteManejo nutricional de ovinos de corte e leite
Manejo nutricional de ovinos de corte e leite
 
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃONUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
NUTRIÇÃO ANIMAL INTRODUÇÃO
 
Nutricao Animal
Nutricao AnimalNutricao Animal
Nutricao Animal
 
Métodos de pastejo
Métodos de pastejoMétodos de pastejo
Métodos de pastejo
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Manejo de pastagem
Manejo de pastagemManejo de pastagem
Manejo de pastagem
 
1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia1 introdução à zootecnia
1 introdução à zootecnia
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
 
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPastoPalestra manejo de pastagens TecnoPasto
Palestra manejo de pastagens TecnoPasto
 
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carneBovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
Bovinos - Do bem-estar ao Processamento da carne
 
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
 
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.pptAula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
Aula 1 - Introdução - Ruminantes.ppt
 
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamentoInstalações e equipamentos bovino de corte   pasto e confinamento
Instalações e equipamentos bovino de corte pasto e confinamento
 
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.pptAula 1 Zootecnia Geral.ppt
Aula 1 Zootecnia Geral.ppt
 
Ambiência em edificações rurais
Ambiência em edificações ruraisAmbiência em edificações rurais
Ambiência em edificações rurais
 
Producao de suinos
Producao de suinosProducao de suinos
Producao de suinos
 
6. sistemas de criação
6. sistemas de criação6. sistemas de criação
6. sistemas de criação
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012Aula melhoramento bovinos corte parte 1  2012
Aula melhoramento bovinos corte parte 1 2012
 

Semelhante a Instalações caprinos e ovinos

Frango caipira avifran
Frango caipira avifranFrango caipira avifran
Frango caipira avifran
Lenildo Araujo
 
Instalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinosInstalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinos
mmaob
 
Inst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apresInst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apres
Cristina Marino de Souza
 
bem-estar.2021 (2).pdf
bem-estar.2021 (2).pdfbem-estar.2021 (2).pdf
bem-estar.2021 (2).pdf
JulianaCostaVelhodeA1
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
Vanderlei Holz Lermen
 
Abatedouro Industrial UFPB
Abatedouro Industrial UFPBAbatedouro Industrial UFPB
Abatedouro Industrial UFPB
Weysser Felipe
 
Sistemas de produção e instalações para ovinocaprinocultura
Sistemas de produção e instalações para ovinocaprinoculturaSistemas de produção e instalações para ovinocaprinocultura
Sistemas de produção e instalações para ovinocaprinocultura
Marília Gomes
 
instalaeseequipamentosaves-090624164441-phpapp02.ppt
instalaeseequipamentosaves-090624164441-phpapp02.pptinstalaeseequipamentosaves-090624164441-phpapp02.ppt
instalaeseequipamentosaves-090624164441-phpapp02.ppt
CarlosBrasil21
 
abatehumanitriodesunos-140928135553-phpapp01.pdf
abatehumanitriodesunos-140928135553-phpapp01.pdfabatehumanitriodesunos-140928135553-phpapp01.pdf
abatehumanitriodesunos-140928135553-phpapp01.pdf
AndriadeOliveira6
 
Aula2Substrat.pdf
Aula2Substrat.pdfAula2Substrat.pdf
Aula2Substrat.pdf
RamonRgo2
 

Semelhante a Instalações caprinos e ovinos (10)

Frango caipira avifran
Frango caipira avifranFrango caipira avifran
Frango caipira avifran
 
Instalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinosInstalações para caprinos e ovinos
Instalações para caprinos e ovinos
 
Inst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apresInst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apres
 
bem-estar.2021 (2).pdf
bem-estar.2021 (2).pdfbem-estar.2021 (2).pdf
bem-estar.2021 (2).pdf
 
Bioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animalBioclimatologia e comportamento animal
Bioclimatologia e comportamento animal
 
Abatedouro Industrial UFPB
Abatedouro Industrial UFPBAbatedouro Industrial UFPB
Abatedouro Industrial UFPB
 
Sistemas de produção e instalações para ovinocaprinocultura
Sistemas de produção e instalações para ovinocaprinoculturaSistemas de produção e instalações para ovinocaprinocultura
Sistemas de produção e instalações para ovinocaprinocultura
 
instalaeseequipamentosaves-090624164441-phpapp02.ppt
instalaeseequipamentosaves-090624164441-phpapp02.pptinstalaeseequipamentosaves-090624164441-phpapp02.ppt
instalaeseequipamentosaves-090624164441-phpapp02.ppt
 
abatehumanitriodesunos-140928135553-phpapp01.pdf
abatehumanitriodesunos-140928135553-phpapp01.pdfabatehumanitriodesunos-140928135553-phpapp01.pdf
abatehumanitriodesunos-140928135553-phpapp01.pdf
 
Aula2Substrat.pdf
Aula2Substrat.pdfAula2Substrat.pdf
Aula2Substrat.pdf
 

Mais de Rômulo Alexandrino Silva

Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Rômulo Alexandrino Silva
 
Dad hplc
Dad hplcDad hplc
Reações de alcenos
Reações de alcenosReações de alcenos
Reações de alcenos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Haloidrina
HaloidrinaHaloidrina
Dihaleto[1]
Dihaleto[1]Dihaleto[1]
Reações de alcenos haletos
Reações de alcenos haletosReações de alcenos haletos
Reações de alcenos haletos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Como fazer referencias
Como fazer referenciasComo fazer referencias
Como fazer referencias
Rômulo Alexandrino Silva
 
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_admAbnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
Rômulo Alexandrino Silva
 
Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012
Rômulo Alexandrino Silva
 
Tabela de racas_suinas
Tabela de racas_suinasTabela de racas_suinas
Tabela de racas_suinas
Rômulo Alexandrino Silva
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Rômulo Alexandrino Silva
 
Tabelas -ambiencia
Tabelas  -ambienciaTabelas  -ambiencia
Tabelas -ambiencia
Rômulo Alexandrino Silva
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
Rômulo Alexandrino Silva
 
Introduçao a engenharia agricola trabalho(1)
Introduçao a engenharia agricola   trabalho(1)Introduçao a engenharia agricola   trabalho(1)
Introduçao a engenharia agricola trabalho(1)
Rômulo Alexandrino Silva
 
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambientalDesenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
Rômulo Alexandrino Silva
 

Mais de Rômulo Alexandrino Silva (15)

Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docxResolução comentada de exercícios de química analítica.docx
Resolução comentada de exercícios de química analítica.docx
 
Dad hplc
Dad hplcDad hplc
Dad hplc
 
Reações de alcenos
Reações de alcenosReações de alcenos
Reações de alcenos
 
Haloidrina
HaloidrinaHaloidrina
Haloidrina
 
Dihaleto[1]
Dihaleto[1]Dihaleto[1]
Dihaleto[1]
 
Reações de alcenos haletos
Reações de alcenos haletosReações de alcenos haletos
Reações de alcenos haletos
 
Como fazer referencias
Como fazer referenciasComo fazer referencias
Como fazer referencias
 
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_admAbnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
Abnt e projeto_de_pesquisa-_12-08-2003_adm
 
Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012Apostila conforto termico_2012
Apostila conforto termico_2012
 
Tabela de racas_suinas
Tabela de racas_suinasTabela de racas_suinas
Tabela de racas_suinas
 
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula2  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula2 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Tabelas -ambiencia
Tabelas  -ambienciaTabelas  -ambiencia
Tabelas -ambiencia
 
Manejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinosManejo geral de ovinos e caprinos
Manejo geral de ovinos e caprinos
 
Introduçao a engenharia agricola trabalho(1)
Introduçao a engenharia agricola   trabalho(1)Introduçao a engenharia agricola   trabalho(1)
Introduçao a engenharia agricola trabalho(1)
 
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambientalDesenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
Desenho tecnico e sua importância na engenharia agrícola e ambiental
 

Último

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Pedro Luis Moraes
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
KleginaldoPaz2
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
LeticiaRochaCupaiol
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdfAula Contrato Individual de Trabalho .pdf
Aula Contrato Individual de Trabalho .pdf
 
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vidakarl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
karl marx biografia resumida com suas obras e história de vida
 
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
1ª LEI DE OHN, CARACTERISTICAS IMPORTANTES.
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Instalações caprinos e ovinos

  • 1. PRINCIPAIS OBJETIVOS DAS INSTALAÇÕES Instalações • Abrigar adequadamente os animais, fornecendo-lhes conforto e segurança; para caprinos e ovinos • Ser prática, funcional e de fácil limpeza; • Ser resistente e duradoura; • Facilitar a produção higiênica do leite; • Conter e manter adequadamente os animais; ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E PRINCIPAIS OBJETIVOS DAS INSTALAÇÕES PROJETOS DE INSTALAÇÕES • Ser arejada, mas protegida de ventos e umidade; 1 – Devem ser adaptadas a região: • Proteger contra as variações de clima; • Conforme o material existente; • Ser espaçosa e racionalmente dividida; • Poder aquisitivo do proprietário; • Estar em local de fácil acesso, com facilidade de água e • Clima e tipos de exploração energia elétrica; 2 – Devem ser localizados em terreno bem drenado: • Ser de custo adequado e de baixa manutenção. • Evitar danos à estrutura e prejuízos aos animais ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E PROJETOS DE INSTALAÇÕES PROJETOS DE INSTALAÇÕES 3 – Devem ter correntes de ar adequadas, sem ventilação 6 - Orientação: excessiva ou deficiente; 4 – Sempre que possível utilizar materiais da própria fazenda - Devem ser construídas preferencialmente no (racionalidade): sentido LESTE – OESTE ( Nascente / Poente ) • Redução do custo da instalação A Incidência principal da radiação solar se dá na cumeeira da instalação e não nas suas laterais. 5 - Devem ser construídas de acordo com os aspectos comportamentais do animal: • Evita o estresse desnecessário; • Facilita o manejo 1
  • 2. ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E PROJETOS DE INSTALAÇÕES ASPECTOS IMPORTANTES NO MANEJO E PROJETOS DE INSTALAÇÕES INSTALAÇÕES PARA CAPRINOS 7 - Movimentação dos Animais, Produtos e Máquinas • Capril: • Deve permitir a fácil • Baias para cabras adultas:cabras secas e em lactação movimentação dos animais no • Baias maternidade interior da instalação; • Creche • Deve ser planejada com • Baias para cabritos(as): cabriteiro vistas no manejo dos animais; • Baias para recria • Ergonomia (Qualidade do ar, • Baias de reprodutores luminosidade, ventilação, etc); • Sala de ordenha • Segurança do trabalhador. INSTALAÇÕES PARA CAPRINOS e OVINOS SOLÁRIO • Pedilúvios • Área externa para exercícios e tomar sol • Bretes • Cobertura (monta) • Embarcadouro • Área: 4 m2/animal • Depósito de ração • Farmácia • Piso acimentado ou terra batida • Escritório • Bodeiro • Esterqueira 2
  • 3. CURRAL DE MANEJO CURRAL DE MANEJO CURRAL DE MANEJO Deve ser planejado para a realização de atividades: • Localização: centro da propriedade pesagem vermifugação • Evitar que o rebanho percorra grandes vacinação distâncias banho sarnicida casqueamento tosquia • Atender todos os trabalhos com o rebanho corte de cauda apartação entre outras CURRAL DE MANEJO CURRAL DE MANEJO • A área é calculada em função da categoria mais numerosa que irá se trabalhar no curral, provavelmente a das matrizes. • 1,0 m2/animal • Piso: cimento rústico ou chão batido 3
  • 4. CURRAL PRÉ-FABRICADO TRONCO OU BRETE DE CONTENÇÃO TRONCO OU BRETE DE CONTENÇÃO PEDILÚVIO Deve ser feito um corredor de forma trapezoidal; Função: combater problemas de casco, através de soluções como o sulfato de zinco, onde os cascos dos animais têm que Medidas: 0,30 m na base inferior e 0,50 m na superior, ficar submersos por alguns minutos; atingindo 0,80 m de altura, com tábuas unidas, sem frestas. Pode ser portátil ou fixo Comprimento varia com o número de animais do rebanho. Pedilúvio fixo: depressão que pode estar localizada no piso do Piso deve ser concretado, funcionando como pedilúvio. brete ( 3 a 5 cm de profundidade), acompanhando toda extensão do tronco e provido de sistema de esgotamento da Deve permitir a passagem de um único animal de cada vez, solução sem possibilidade de volta do animal. Deve sempre ser utilizado com a carga máxima de ovinos. BANHEIRA SARNICIDA BANHEIRA SARNICIDA Em regiões onde o problema com ectoparasitas é freqüente, recomenda-se a construção da banheira sarnicida. Estrutura de alto custo, outros métodos como o da pulverização são utilizados para combater piolho e sarna. Porém, o tratamento através da imersão em banheiras é o mais eficaz. Rebanhos com menos de 50 animais: caixas d`água ou tambores 4
  • 5. COBERTURAS DAS INSTALAÇÕES PISO • Piso ripado: tipo de piso mais utilizado no Brasil Impermeável à água e proteja os animais do sol sem aumentar a temperatura interna • Ripas de 7- 12 cm de largura e 2,5 cm de espessura Tipos: • Distância entre ripas: 1,8 a 2,0 cm • Palha: bom isolante térmico, pouca durabilidade e • Vantagens: propícia a fogos e pragas; • Animais afastados da umidade • Alumínio polido e chapa de aço galvanizada: pintada de • Diminuir mão-obra com limpeza branco tem boa eficiência, pois reflete os raios solares. • Redução da incidência de verminose • Telhas de barro: bons resultados, custo mais elevado. • Fibrocimento: menos eficientes como isolantes térmicos. PISO PISO • Piso de cama • Piso de terra batida • A cama deve ser colocada sobre uma base que drene • Comum no Nordeste bem a umidade • Regiões de clima quente • Materiais utilizados: serragem, feno, casca de café, ou casca de arroz • Abrigo apenas para pernoite • Frequência de troca; depende do tamanho das baias, nº • Limpeza freqüente de animais, material utilizado e clima PISO PISO • Piso • de concreto Tabela 2 – Área por baia por animal • Lavado com freqüência Categoria Área por animal (m2) • Boa inclinação (superior a 5%) Aleitamento 0,4 – 0,6 3 a 6 meses 0,8 – 1,2 • Dimensionamento: de acordo com a categoria 7 a 12 meses 0,8 – 1,5 Cabras adultas 1,0 – 2,0 Maternidade 4,0 Reprodutores 4,0 5
  • 6. BEBEDOUROS BEBEDOUROS • Local de fácil acesso • Evitar que fique próximo aos cochos de volumoso e Bebedouro de pedra mineral • Utilizar material de fácil limpeza • A recomendação do ARC (1980) para animais de mantença é de 3,96 kg de água/kg de matéria seca ingerida. Bebedouro de cimento • Cálculos de um projeto: 50 l/matriz (limpeza, lavagem de vasilhame, higiene geral) BEBEDOUROS BEBEDOUROS BEBEDOUROS COCHOS Sistema de vasos comunicantes • Devem ser localizados do lado de fora das baias • Fácil acesso para os animais, mas que não permita que os mesmos entrem ou defequem dentro • Fácil limpeza, resistentes e duráveis • Dimensões: todos os animais da baia devem ter acesso ao mesmo tempo • Definidas em função da categoria animal 6
  • 7. COCHOS COCHOS Tabela 1 – Comprimento de cocho em função da categoria animal Categoria Comprimento do cocho (m/animal) Animais dos 3 aos 6 meses 0,20-0,30 Animais dos 6 aos 12 meses 0,25-0,35 Cabras adultas 0,30-0,40 Reprodutores 0,50 Baias com cochos externos COCHOS COCHOS Cocho metálico Cocho metálico Cocho plástico Cocho tambor COCHOS COCHOS Cocho de madeira Cocho móvel de madeira 7
  • 8. COCHOS PRIVATIVOS COCHO E FENIL FENIL SALEIROS • Cochos para fornecimento de sal mineral • Local de fácil acesso para os animais e para o tratador • Protegidos de umidade (cobertos e/ou afastados de bebedouros) • Abastecimento: uma vez/semana 8
  • 9. SALEIROS SALA DE ORDENHA • Vantagens: • Melhores condições de higiene • Maior conforto para as cabras • Mais facilidade e melhores condições de trabalho para o ordenhador SALA DE ORDENHA SALA DE ORDENHA • Desvantagens: • Maiores custos de construção • Ocupação de maiores áreas de terrenos • Deslocamento das cabras • Tamanho: • Pequenas: para até 10 cabras • Médias: 11 a 25 cabras • Grandes: mais de 25 cabras SALA DE ORDENHA 9
  • 10. SALA DE ORDENHA CRECHE Sanidade: Tempo de permanência: 10 dias • Jamais deve ser utilizada para exames ou tratamentos Baias ou gaiolas coletivas • Deve ser lavado com água e sabão diariamente Chão batido com cama de palha • Devem ser desinfetados periodicamente com iodo a Aquecimento 1% ou formol a 5% • Não utilizar produtos à base de cresóis (odor no leite) CABRITEIRO CABRITEIRO Indispensável para fase inicial de criação: no máximo 6 meses Dimensão: 0,4 a 0,6 m2 / animal Deve ter divisões (de acordo com o tamanho do rebanho) Cocho: altura de 30 cm Ajustar altura entre o cocho e a primeira tábua (impedir a saída dos cabritos) Uso de mamadeiras coletivas Baldes mamadeira CABRITEIRO CABRITEIRO Vantagem da mamadeira individual (coletiva): Mamadeiras coletivas • Controlar a mamada de cada cabrito Higienização: • Lavar as chupetas e as mamadeiras com água e sabão e mergulhá-las em solução de hipoclorito a 10%. 10
  • 11. BODEIRO ESTERQUEIRA • Alojamento dos reprodutores Esterco: não deve ser amontoado próximo ao estábulo: perda da qualidade e atrai moscas • Distância mínima de 500m das fêmeas (capril) Esterqueira: permite fermentação, diminuindo o efeito • Evitar coberturas indesejáveis ou transmissão de seu poluidor odor característico ao leite Esterco fertilizante • Área coberta de 3,0 a 5,0 m2/animal Localização: terreno inclinado, no mínimo a 50 m do capril • Cocho para forragem e concentrado, sal mineral e água Piso: concreto com espessura de 10 cm Solário: 12 m2/animal Paredes: concreto ou tijolos ESTERQUEIRA ESTERQUEIRA Protegida da água da chuva e do ressecamento excessivo do sol Tempo necessário para fermentação completa: 60 a 90 dias Chorume: parte líquida do esterco, coletado em reservatório abaixo do nível da esterqueira CERCAS CERCAS • Fundamentais em uma propriedade • Nordeste: muitas áreas onde não existem cercas • Devem ser planejadas de acordo com as condições do terreno, da propriedade, do tipo de criação e do custo Cerca com tela • Atura: 1,20 a 1,80m • Material utilizado: pedras, madeiras (lascas), varas, bambu, cerca viva, arame liso, com tela, elétrica 11
  • 12. MODELOS DE CAPRIL MODELOS DE CAPRIL MODELOS DE CAPRIL MODELOS DE CAPRIL MODELOS DE CAPRIL MODELOS DE CAPRIL 12
  • 13. Ciclo sanitário mínimo em instalações para caprinos De fácil limpeza Paredes e Pisos “As instalações devem ser construídas respeitando-se os princípios básicos de construção, de forma que se Ventilação mantenham funcionais. Facilitar o manejo, a Telhado limpeza, a higienização e abrigar os animais confortavelmente, permitindo-lhes demonstrar toda a Fezes Sistema de sua performance produtiva” drenagem Cochos e Bebedouros 13