SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
PRINCIPAIS RAMOS DA
AQUACULTURA
PRINCIPAIS RAMOS DA
AQUACULTURA
• Actividade de criação
e/ou reprodução de peixes em meio
aquático em condições naturais ou
artificiais, com finalidade de
subsistência, desportiva, científica
e/ou econômica.
• Os peixes a partir de alevinos são
alimentados e cuidados para a recria
e engorda, resultando em pescado
para consumo.
Piscicultura
Piscicultura em Moçambique
• Começou nos anos 50 na província da Zambézia,
Nampula, Manica com finalidade de alimentar os
trabalhadores das grandes plantações.
• No princípio da decada 60 foram construidos 3 estações
de pesquisa:
Umbeluzi 0,5 ha Chokwé 1,6 haSussundenga 2 ha
Repovoamento das albufeiras,
Lagos e reservas de águas naturais
• Na decada de 90 varias iniciativas foram tomadas a nível
ministerial apos a criação do ministerio das pescas.
• 2007 aprova EDA ( Estratégia para o desenvolvimento da
Aquacultura) e 2008 cria-se o INAQUA (Instituto Nacional
para o Densevolvimento da Aquacultura).
Piscicultura em Moçambique
Piscicultura em Moçambique
Graf.1 Número de tanques por província em 2008 (Fonte: Inaqua)
Principais espécies cultivadas
• Tilápias
Oreochromis rendalli Oreochromis mossambicus
7
Oreochromis niloticus
Principais espécies cultivadas
(carpas)
Carpa prateada
(Hypophthalmichthys molitrix)
Carpa herbívora (Ctenopharyngodon idalla)
Carpa comum (Cyprinus carpio)
8
Principais espécies cultivadas
9
• São recintos menores construído de terra as vezes
revestidos de plástico ou de cimento, destinados à
reprodução, estocagem de larvas, alevinos e PL's e
matrizes de maneio.
Infra-estrutura
Tanques:
Tanques
• São recintos maiores de terra destinados
exclusivamente ao crescimento dos peixes (tanques
rede nos sistemas intensivos).
Infra-estrutura
Viveiros:
Viveiros
Métodos de piscicultura
• Extensiva
• Semi-intensiva
Métodos de piscicultura
• Intensiva
Métodos de piscicultura
Ciclo de cultivo
• O ciclo de cultivo em piscicultura divide-se
em 4 fases:
• (1) Preparação do tanque;
• (2) Povoamento;
• (3) Produção;
• (4) Despesca.
• Preparação dos diques;
Preparação do tanque
Preparação dos tanques
• Calagem/caigem;
• Aplicação de cal/calcário agrário nos tanques com o
intuíto de desinfectar, corrigir o valor de pH e aumentar
a alcalinidade.
• 20 a 150 kg/100m2 recém construidos e 10 a 15kg para
os tanques em funcionamento. 20 a 50kg/100m2 para
cal hidratada.
Preparação do tanque
• Fertilização.
• De forma a permitir a produção do alimento natural (plâncton). A
necessidade mais frequente é de uma proporção 20 P – 20 N –
05K. Usa-se 2-9 kg/ha de NPK e Ureia.
• Formas de aplicar:
• Dissolvidos em água antes da aplicação;
• Seco, em plataformas colocadas 30 cm sobre a lâmina d'água;
• Seco, em sacos porosos dentro do viveiro.
Povoamento
• Aguarde 4 a 7 dias antes de povoar o tanque com peixes.
• Processo de ajustar as condiçoes físicas e químicas da
água de proviniência com a água do tanque onde se fará
a pré-engorda ou a engorda.
Aclimatação
Povoamento
• Introduza devagar os peixes pequenos
(alevinos) como indica a fig.
Produção
• Um maneio diário engloba:
• Controlar a qualidade da água (oxigénio, pH, cor,
transparência, temperatura);
• Verificar se não há fugas de água no tanque;
• Limpar o crivo ou a rede na entrada e saída de água
• Observar os peixes quando comem;
• Se eles vierem para superfície à procura de ar para respirar,
o nível de oxigénio na água é demasiado baixo. Pare de
alimentar e fertilizar e deixe a água correr no tanque até que
os peixes se comportem de novo normalmente ou procure
sintomas que possam indicar uma doença.
• Prestar atenção a predadores ou sinais da presença de
predadores como sejam pegadas.
• Remover do tanque ervas daninhas aquáticas.
Produção
P. Médio do corpo Taxa de alimento Fr. alimentar
1 - 5 10 – 6% 4 – 6
5 – 25 5% 4
25 – 150 4 -3% 4
150 - 250 3% 3 – 4
250 - 450 2 -3% 2 - 3
• Biometria:
• Medir o peso;
• Comprimento;
• Taxa de alimentação.
Produção
Despesca
• Processo de pesca depois de se atingir o peso comercial.
• Pode ser parcial ou total.
• Para a despesca parcial pode se usar redes de emalhar
com malhas maiores, cercar ou de arrasto, e arrasta-se
uma vez.
• E na total usa-se rede de emalhar fina, cercar e rede de
arrasto e arrastando se mais de duas vezes e depois drena-
se completamente o tanque.
Despesca
Importância da piscicultura
Carcinicultura
Pós-Larvas
Engorda Despesca
Consumidor
Ciclo de cultivo
Pré - engorda
Preparação dos tanques
Ostreicultura
Ostreicultura
• Sistemas de cultivo
• Engorda fundo e de suspensão;
• Imersão contínua das gaiolas, zonas de variações das
marés, quanto a estrutura usa-se:
• Long-lines;
• Balsas;
• Mesas.
Suspensão
Ostreicultura

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagemPaulo Adami
 
Aquacultura/Aquicultura
Aquacultura/Aquicultura Aquacultura/Aquicultura
Aquacultura/Aquicultura Pedro Pires
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidorJeovaci Martins Da Rocha Júnior
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Jacqueline Gomes
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosMarília Gomes
 
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.pptDIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.pptBentoGilUane
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da aviculturaMarília Gomes
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Rômulo Alexandrino Silva
 
3. Cartilha Acordos de Pesca
3. Cartilha Acordos de Pesca3. Cartilha Acordos de Pesca
3. Cartilha Acordos de Pescazezinhocoimbra
 
Planejamento e implantação de povoamentos florestais
Planejamento e implantação de povoamentos florestaisPlanejamento e implantação de povoamentos florestais
Planejamento e implantação de povoamentos florestaisTaís Leandro
 
Apresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaApresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaGeagra UFG
 
Apostila de administração rural
Apostila de administração ruralApostila de administração rural
Apostila de administração ruralLuiz Oliveira
 

Mais procurados (20)

Aula 2 princípios do manejo de pastagem
Aula 2   princípios do manejo de pastagemAula 2   princípios do manejo de pastagem
Aula 2 princípios do manejo de pastagem
 
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animalAula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
Aula 4 bioclimatologia animal ecologia animal
 
Aquacultura/Aquicultura
Aquacultura/Aquicultura Aquacultura/Aquicultura
Aquacultura/Aquicultura
 
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidorAula 1   piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
Aula 1 piscicultura - questões economicas e mercado consumidor
 
Sistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastorilSistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastoril
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Bee_MPB
Bee_MPBBee_MPB
Bee_MPB
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Slide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animalSlide bioclimatologia animal
Slide bioclimatologia animal
 
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.pptDIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
DIFUSÃO DE INOVAÇÕES NO MEIO RURAL.ppt
 
Panorama da avicultura
Panorama da aviculturaPanorama da avicultura
Panorama da avicultura
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Sistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFSSistemas Agroflorestais - SAFS
Sistemas Agroflorestais - SAFS
 
3. Cartilha Acordos de Pesca
3. Cartilha Acordos de Pesca3. Cartilha Acordos de Pesca
3. Cartilha Acordos de Pesca
 
Planejamento e implantação de povoamentos florestais
Planejamento e implantação de povoamentos florestaisPlanejamento e implantação de povoamentos florestais
Planejamento e implantação de povoamentos florestais
 
Apresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de SojaApresentação Colheita de Soja
Apresentação Colheita de Soja
 
Instalações para aves
Instalações para avesInstalações para aves
Instalações para aves
 
Apostila de administração rural
Apostila de administração ruralApostila de administração rural
Apostila de administração rural
 

Semelhante a Cap 2 principais ramos da aquacultura

Semelhante a Cap 2 principais ramos da aquacultura (20)

Criação e manejo de peixes
Criação e manejo de peixesCriação e manejo de peixes
Criação e manejo de peixes
 
ABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixesABC Cultivo de peixes
ABC Cultivo de peixes
 
Aquacultura
AquaculturaAquacultura
Aquacultura
 
Peixes
PeixesPeixes
Peixes
 
Abc cultivo de peixes
Abc cultivo de peixesAbc cultivo de peixes
Abc cultivo de peixes
 
Aquicultura
AquiculturaAquicultura
Aquicultura
 
TAMBAQUI.pptx
TAMBAQUI.pptxTAMBAQUI.pptx
TAMBAQUI.pptx
 
Pan115 viveiros escavados
Pan115 viveiros escavadosPan115 viveiros escavados
Pan115 viveiros escavados
 
Recursos hídricos
Recursos hídricosRecursos hídricos
Recursos hídricos
 
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptxAULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
AULA 1 Introdução a Piscicultura 2022.pptx
 
Apresentação de Wesley F. Annunciação
Apresentação de Wesley F. AnnunciaçãoApresentação de Wesley F. Annunciação
Apresentação de Wesley F. Annunciação
 
Criacaode peixes
Criacaode peixesCriacaode peixes
Criacaode peixes
 
Reprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de PeixesReprodução Artificial de Peixes
Reprodução Artificial de Peixes
 
Apresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteirosApresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteiros
 
Reserva particular do patrimônio natural o caso da rppn serra dos criminoso...
Reserva particular do patrimônio natural   o caso da rppn serra dos criminoso...Reserva particular do patrimônio natural   o caso da rppn serra dos criminoso...
Reserva particular do patrimônio natural o caso da rppn serra dos criminoso...
 
gado deLeite
gado deLeitegado deLeite
gado deLeite
 
Aquacultura.pptx
Aquacultura.pptxAquacultura.pptx
Aquacultura.pptx
 
13
1313
13
 
Apostila piscicultura - ifpa (2011)
Apostila   piscicultura - ifpa (2011)Apostila   piscicultura - ifpa (2011)
Apostila piscicultura - ifpa (2011)
 
Importancia da agua_para_os_seres_vivos
Importancia da agua_para_os_seres_vivosImportancia da agua_para_os_seres_vivos
Importancia da agua_para_os_seres_vivos
 

Mais de Ivaristo Americo (20)

Gmzr aula 7
Gmzr   aula 7Gmzr   aula 7
Gmzr aula 7
 
Gmzr aula 6
Gmzr   aula 6Gmzr   aula 6
Gmzr aula 6
 
Gmzr aula 5
Gmzr   aula 5Gmzr   aula 5
Gmzr aula 5
 
Gmzr aula 3
Gmzr   aula 3Gmzr   aula 3
Gmzr aula 3
 
Gmr aula 1
Gmr  aula 1Gmr  aula 1
Gmr aula 1
 
Gmzr aula 4
Gmzr   aula 4Gmzr   aula 4
Gmzr aula 4
 
Slaide vaca louca
Slaide vaca loucaSlaide vaca louca
Slaide vaca louca
 
Nossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologiaNossos slides de epidemiologia
Nossos slides de epidemiologia
 
Iv doencas das aves
Iv doencas das avesIv doencas das aves
Iv doencas das aves
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Febre aftose
Febre aftoseFebre aftose
Febre aftose
 
Coccidiose aviaria
Coccidiose aviariaCoccidiose aviaria
Coccidiose aviaria
 
Iii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinosIii doenca dos suinos
Iii doenca dos suinos
 
Brucelose 01
Brucelose 01Brucelose 01
Brucelose 01
 
Aula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologiaAula 1-epidemiologia
Aula 1-epidemiologia
 
Aula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologiaAula 1 tipos de epidemiologia
Aula 1 tipos de epidemiologia
 
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
Aula 2  brucelose doencas em bovinosAula 2  brucelose doencas em bovinos
Aula 2 brucelose doencas em bovinos
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Formadores
FormadoresFormadores
Formadores
 
Estratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagemEstratégia de aprendizagem
Estratégia de aprendizagem
 

Último

NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptxNR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptxMarceloLeoSanttana
 
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdf
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdfIntegração_de__Segurança do Trabalho.pdf
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdfEderAlexandre7
 
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxWiliamArmandoHarisso
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxavaseg
 
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdf
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdfAteliê de costura trabalho final apresentação.pdf
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdfJaquelineMoura42
 
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slidesAula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slidesAntonioJhennysonSouz1
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticaleilannygaldino
 
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdfpdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdfrwewerw
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxmarketing18485
 

Último (9)

NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptxNR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
NR10-Treinamento-Basico-Parte-2-Jul-21.pptx
 
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdf
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdfIntegração_de__Segurança do Trabalho.pdf
Integração_de__Segurança do Trabalho.pdf
 
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptxProposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
Proposta de dimensionamento. PROJETO DO CURSO 2023.pptx
 
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptxSEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
SEG NR 18 - SEGURANÇA E SAÚDE O TRABALHO NA INDUSTRIA DA COSTRUÇÃO CIVIL.pptx
 
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdf
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdfAteliê de costura trabalho final apresentação.pdf
Ateliê de costura trabalho final apresentação.pdf
 
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slidesAula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
Aula Estruturas de concreto I - apresentaçaõ em slides
 
treinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plásticatreinamento de moldagem por injeção plástica
treinamento de moldagem por injeção plástica
 
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdfpdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
pdfcoffee.com_cod1122-treinamento-de-paleteira-eletrica-pdf-free (1).pdf
 
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsxST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
ST 2024 Apresentação Comercial - VF.ppsx
 

Cap 2 principais ramos da aquacultura

  • 3. • Actividade de criação e/ou reprodução de peixes em meio aquático em condições naturais ou artificiais, com finalidade de subsistência, desportiva, científica e/ou econômica. • Os peixes a partir de alevinos são alimentados e cuidados para a recria e engorda, resultando em pescado para consumo. Piscicultura
  • 4. Piscicultura em Moçambique • Começou nos anos 50 na província da Zambézia, Nampula, Manica com finalidade de alimentar os trabalhadores das grandes plantações. • No princípio da decada 60 foram construidos 3 estações de pesquisa: Umbeluzi 0,5 ha Chokwé 1,6 haSussundenga 2 ha Repovoamento das albufeiras, Lagos e reservas de águas naturais
  • 5. • Na decada de 90 varias iniciativas foram tomadas a nível ministerial apos a criação do ministerio das pescas. • 2007 aprova EDA ( Estratégia para o desenvolvimento da Aquacultura) e 2008 cria-se o INAQUA (Instituto Nacional para o Densevolvimento da Aquacultura). Piscicultura em Moçambique
  • 6. Piscicultura em Moçambique Graf.1 Número de tanques por província em 2008 (Fonte: Inaqua)
  • 7. Principais espécies cultivadas • Tilápias Oreochromis rendalli Oreochromis mossambicus 7 Oreochromis niloticus
  • 8. Principais espécies cultivadas (carpas) Carpa prateada (Hypophthalmichthys molitrix) Carpa herbívora (Ctenopharyngodon idalla) Carpa comum (Cyprinus carpio) 8
  • 10. • São recintos menores construído de terra as vezes revestidos de plástico ou de cimento, destinados à reprodução, estocagem de larvas, alevinos e PL's e matrizes de maneio. Infra-estrutura Tanques:
  • 12. • São recintos maiores de terra destinados exclusivamente ao crescimento dos peixes (tanques rede nos sistemas intensivos). Infra-estrutura Viveiros:
  • 17. Ciclo de cultivo • O ciclo de cultivo em piscicultura divide-se em 4 fases: • (1) Preparação do tanque; • (2) Povoamento; • (3) Produção; • (4) Despesca.
  • 18. • Preparação dos diques; Preparação do tanque
  • 19. Preparação dos tanques • Calagem/caigem; • Aplicação de cal/calcário agrário nos tanques com o intuíto de desinfectar, corrigir o valor de pH e aumentar a alcalinidade. • 20 a 150 kg/100m2 recém construidos e 10 a 15kg para os tanques em funcionamento. 20 a 50kg/100m2 para cal hidratada.
  • 20. Preparação do tanque • Fertilização. • De forma a permitir a produção do alimento natural (plâncton). A necessidade mais frequente é de uma proporção 20 P – 20 N – 05K. Usa-se 2-9 kg/ha de NPK e Ureia. • Formas de aplicar: • Dissolvidos em água antes da aplicação; • Seco, em plataformas colocadas 30 cm sobre a lâmina d'água; • Seco, em sacos porosos dentro do viveiro.
  • 21. Povoamento • Aguarde 4 a 7 dias antes de povoar o tanque com peixes. • Processo de ajustar as condiçoes físicas e químicas da água de proviniência com a água do tanque onde se fará a pré-engorda ou a engorda. Aclimatação
  • 22. Povoamento • Introduza devagar os peixes pequenos (alevinos) como indica a fig.
  • 23. Produção • Um maneio diário engloba: • Controlar a qualidade da água (oxigénio, pH, cor, transparência, temperatura); • Verificar se não há fugas de água no tanque; • Limpar o crivo ou a rede na entrada e saída de água • Observar os peixes quando comem; • Se eles vierem para superfície à procura de ar para respirar, o nível de oxigénio na água é demasiado baixo. Pare de alimentar e fertilizar e deixe a água correr no tanque até que os peixes se comportem de novo normalmente ou procure sintomas que possam indicar uma doença. • Prestar atenção a predadores ou sinais da presença de predadores como sejam pegadas. • Remover do tanque ervas daninhas aquáticas.
  • 24. Produção P. Médio do corpo Taxa de alimento Fr. alimentar 1 - 5 10 – 6% 4 – 6 5 – 25 5% 4 25 – 150 4 -3% 4 150 - 250 3% 3 – 4 250 - 450 2 -3% 2 - 3
  • 25. • Biometria: • Medir o peso; • Comprimento; • Taxa de alimentação. Produção
  • 26. Despesca • Processo de pesca depois de se atingir o peso comercial. • Pode ser parcial ou total. • Para a despesca parcial pode se usar redes de emalhar com malhas maiores, cercar ou de arrasto, e arrasta-se uma vez. • E na total usa-se rede de emalhar fina, cercar e rede de arrasto e arrastando se mais de duas vezes e depois drena- se completamente o tanque.
  • 30. Pós-Larvas Engorda Despesca Consumidor Ciclo de cultivo Pré - engorda Preparação dos tanques
  • 33. • Sistemas de cultivo • Engorda fundo e de suspensão; • Imersão contínua das gaiolas, zonas de variações das marés, quanto a estrutura usa-se: • Long-lines; • Balsas; • Mesas. Suspensão Ostreicultura