SlideShare uma empresa Scribd logo
CARCINICULTURA
SISTEMAS DE CRIAÇÃO
DE CAMARÕES
INTRODUÇÃO
• “FASE DE ENGORDA”: Denominação errada.
• Sabendo corretamente como denomina-se esta fase de criação de
camarões, apresentaremos as diversas formas de criação, com as
determinadas vantagens e desvantagens de cada sistema e suas
peculiaridades.
Tipos de sistema de criação
• Extensivo
• Semi-extensivo
• Semi-Intensivo
• Contínuo
• Intermitente
• Intensivo
VARIAÇÕES NOS SISTEMAS DE
PRODUÇÃO
• Monocultivo;
• Policultivo;
• Cultivo consorciado;
• Cultivo em tranques-rede;
EXTENSIVO
• Criação de camarões de forma tradicional. Se aproxima o
máximo de seu ambiente natural.
• Utilizado como subsistência.
• Custos de implantação são baixos.
EXTENSIVO
• Praticado em corpos de água (represas);
• Precários e sem o emprego de tecnologias adequadas;
• Baixa densidade de povoamento;
• Não ocorre um controle zootécnico;
• Praticado em alguns países da Ásia (Vietnã);
• Trabalho de realizar os povoamentos (quando necessário) e
as capturas.
SEMI-EXTENSIVO
• Criação de um programa de produção;
• Intervalo entre povoamento e despesca são curtos;
• Demanda um pouco mais de mão-de-obra que o
extensivo.
EXTENSIVO
INTENSIVO
• Produção mais tecnificada
e com maior tecnologia
dentro dos sistemas de
criação de camarões.
• É o mais artificial possível e
o mais controlado em
termos de ambiência.
INTENSIVO
• Viveiros pequenos (até 0,2
ha)
• Fundo natural ou de
alvenaria.
• Alta taxa de renovação da
água;
• Melhor eliminação de
resíduos e aeração contínua.
• Povoamento com juvenis;
• Densidade superior a 20/m².
INTENSIVO
• Alimentação total com
ração balanceada;
• Suprir as necessidades
nutricionais dos
camarões.
• Ausência de predadores
e competidores;
• Alto controle zootécnico
da produção;
• Produtividade pode
superar 5000 kg/ha/ano.
SEMI-INTENSIVO
• Avanço nas operações,
investimentos e
dedicação do produtor -
> área um pouco mais
tecnificada.
• É um sistema de criação
que se aproxima do
artificial.
• A criação semi-intensiva
SEMI-INTENSIVO
• Construídos viveiros de 0,1 a 0,5 ha, escavados no solo;
• Entrada de água e escoamento individuais;
• Realiza-se a Fertilização;
• Controle zootécnico presente;
• Povoamento com pós-larvas ou juvenis de até três
meses;
• Densidades entre 4 a 20/m²;
• Fornecimento de uma ração balanceada;
• Produtividade entre 500 a 4500 kg/ha/ano;
SEMI-INTENSIVO
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
CONTÍNUO
• Lotes de pós-larvas são introduzidos periodicamente
dentro dos viveiros.
• Mensalmente  uso de rede de arrasto para retirar os
camarões com tamanho ideal para a venda;
• Fornece camarões o ano todo e de tamanho uniforme,
conforme a malha da rede utilizada;
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
CONTÍNUO
• Viveiros cheios por longo tempo.
• Avanço do processo de sucessão
• Maior desenvolvimento e diversificação das comunidades bióticas;
• Ambiente quase que semelhante a natureza;
• A interação entre os componentes da comunidade é mais
intensa.
• Arrastos são fatores de estresse periódico e constante e realizados
para as despescas seletivas;
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
CONTÍNUO
• Aumento das interações intraespecíficas.
• Ocorrência de canibalismo e inibição do crescimento devido à
estrutura social.
• Presença de camarões adultos no viveiro.
• Reduz a quantidade de predadores interespecíficos para pós-
larvas e juvenis;
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
CONTÍNUO
Uso de rede de arrasto
Sistema semi-intensivo contínuo com
tanques rede.
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
INTERMITENTE
• Camarões estocados apenas no início da criação.
• Maioria atinge o tamanho comercial, viveiros são esvaziados e ocorre a coleta
e comercialização, e após reinicia-se a operação.
• Despescas seletivas intermediárias.
• Retirar camarões de tamanho comercial precoce (machos dominantes e as
fêmeas maduras).
• Cultivo muito utilizado em locais de condições climáticas que não são
adequadas o ano todo. Períodos de seca e/ou baixas temperaturas.
• Cultivo apenas na época adequada.
• Após a despesca, viveiros permanecem vazios à chegada da próxima estação
climática favorável.
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
INTERMITENTE
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
INTERMITENTE
• Sucessão ecológica em curto período.
• Esvaziamento do viveiro, fator ecológico catastrófico, truncando o
desenvolvimento do ecossistema.
• Quando enchido novamente a outro povoamento reinicia-
se o processo sucessional.
• Comunidades presentes são sempre estágios serais bem iniciais.
• Poucas interações entre os indivíduos.
• Alta produção líquida da comunidade e poucos consumidores de
ordem elevada.
SISTEMA SEMI INTENSIVO –
POVOAMENTO
PÓS-LARVAS RECÉM-
METAMORFOSEADAS
• Fase inicial de intensa competição e pressão de
predação.
• A alimentação alóctone será mais utilizada pelos outros
organismos detritivos
• Camarões, podem suprir suas necessidades a partir do alimento
natural.
• A alimentação fornecida
• Incrementar as populações de organismos da fauna bentônica com
benefício ao cultivo.
• 2/3 meses de povoamento.
• Camarões se transformam nos grandes consumidores do
ambiente.
Povoamento com pós-
larvas recém
metamorfoseadas.
Intensa competição
e predação.
Alimentação
fornecida
Desenvolvimento da
fauna bentônica
Todos os bentos
tornam-se presas e
alimentos dos camarões
Após 2/3 meses
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
INTERMITENTE - POVOAMENTO COM
JUVENIS
• Introduzidos na comunidade como predadores de uma
ordem mais elevada.
• A competição e pressão de predação são reduzidas.
• Alimentação alóctone pode ser aproveitada diretamente pelos
camarões.
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
INTERMITENTE
• Esvaziamento dos viveiros.
• Reduz a diversificação e o desenvolvimento de predadores e
competidores.
• Diminui interações intraespecíficas negativas devido à remoção
completa dos adultos na despesca total.
• Povoamento após o enchimento do viveiro.
• “Efeito de chegada”, organismos que se instalam primeiro têm
mais chances de sucesso competitivo num primeiro momento.
SEMI-
INTENSIVO
INTERMITENTE
NÍVEIS
TECNOLÓGICO
S
BAIXA TECNOLOGIA
Povoamento dos viveiros com pós-larvas recém-
metamorfoseadas (povoamento direto).
Baixas densidades, de 4 a 10/m².
Manejo alimentar é imperfeito e são fornecidas
rações de baixo custo.
Controle da qualidade da água é pequeno e
rudimentar.
Um ciclo anual de produção é realizado.
Produtividade: 500 a 1500 kg/ha/ano
SEMI-
INTENSIVO
INTERMITENTE
NÍVEIS
TECNOLÓGICO
S
MÉDIA TECNOLOGIA
PLs pré-estocadas em tanques ou viveiros berçários.
Povoamento realizado com juvenis.
Baixas densidades, de 4 a 10/m².
Manejo alimentar adequado: rações balanceadas de
acordo com as exigências nutricionais.
Controle de qualidade da água mais eficiente.
Até 2 ciclos anuais de produção.
Produtividade: 1500 a 2500 kg/ha/ano.
SEMI-
INTENSIVO
INTERMITENTE
NÍVEIS
TECNOLÓGICO
S
ALTA TECNOLOGIA*
Pré-cultivo bifásico (Duas fases de berçário antes de
serem estocados nos viveiros de crescimento)
Povoamento realizado com juvenis.
Média/Alta densidade: 12 a 20/m²
Manejo alimentar adequado: rações de boa
qualidade e balanceadas quanto à exigência
nutricional.
Sistemas de aeração artificial.
Rigoroso controle da qualidade da água.
(Monitoramento contínuo)
3 ciclos de produção. Produtividade de 3000 a
4500kg/ha/ano.*Os cultivos altamente tecnificado só podem ser
realizados em regiões sem limitações climáticas,
onde a temperatura e a disponibilidade de água
permitam a criação o ano todo.
VANTAGENS E
DESVANTAGENS
SISTEMA EXTENSIVO
VANTAGENS
Baixo custo de instalação e
operação;
Possibilidade de utilização de
policultivo.
Uso de locais que não seriam
aproveitados;
DESVANTAGENS
Baixa densidade de povoamento;
Exposição à predadores;
Sem controle de qualidade da agua
e populacional;
Dificuldade na despesca;
Produtividade inferior a 500
kg/ha/ano.
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
VANTAGENS
Maior produtividade em se comparar
com o extensivo;
Controle da qualidade da água;
Controle populacional;
Maior facilidade na despesca;
Utilização de grande parte de
alimentação natural (muito
importante).
DESVANTAGENS
Necessidade de utilização de uma
ração de alta qualidade devido a
pouca quantidade que é fornecida;
Maior custo com relação ao
extensivo;
Demanda cuidados que não eram
necessários no sistema extensivo.
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
CONTÍNUO
VANTAGENS
Permite produção o ano todo;
Lotes uniformes, uma vez que é
passada a rede no diâmetro que se
quer;
Diversificação da comunidade
biótica.
DESVANTAGENS
Proporciona maior competição;
Possibilita aparecimento de
espécies mais adaptadas do que os
camarões;
Arrastos constantes para despesca
proporciona um maior estresse aos
animais;
A despesca mal feita pode ocasionar
novas interações intraespecíficas
dos camarões que ficam mais
velhos. A mais importante é o
canibalismo e inibição de
crescimento devido a estrutura
SISTEMA SEMI-INTENSIVO
INTERMITENTE
VANTAGENS
Despesca selecionada com animais
do tamanho desejado;
Desagregação da estrutura social,
não impedindo crescimento;
Menor competição interespecífica.
DESVANTAGENS
Produção em apenas épocas
favoráveis;
Maior trabalho de manejo na
despesca;
Por ocorrer sucessão ecológica
apenas no momento da despesca
final, ocorre maior competição com
canibalismo na inserção das larvas.
SISTEMA INTENSIVO
VANTAGENS
Produtividade imbatível;
Manejo facilidade desde a cria ate a
engorda;
Despesca facilitada;
Controle, se não total, praticamente
de toda a produção;
Camarões de melhor tamanho e
qualidade;
Menor tempo do ciclo produtivo.
DESVANTAGENS
Alto custo de alimentação;
Alto custo de estruturas;
Exige atenção e controle total;
Mínima margem de erro, visto que
os prejuízos seriam enormes devido
ao alto investimento.
MANEJO NUTRICIONAL
• Possuem requerimentos nutricionais diferentes.
• Ao longo do seu ciclo de vida.
• Com a temperatura da água.
• Maturidade sexual.
• Estratégia de crescimento ou posição que ocupa na hierarquia
social.
• Taxa de estocagem e outras condições ambientais.
(Zimmermann, 1988).
MANEJO NUTRICIONAL -
REQUERIMENTOS
Nutrientes/Fases Crescimento Final
(<30g)
Proteína Bruta (%) 30 – 35
Fibra Bruta (%) 6 – 15
Gordura Bruta (%) 3 – 7
Cálcio (%) 2 – 4
Fósforo disponível 1 – 2
Energia (Mcal ED tilápia/Kg) 2,6 – 2,9
ENN (% max) 35Zimmermann (1991), modificado.
MANEJO NUTRICIOAL -
INGREDIENTES
• No Brasil, os mais comuns utilizados são:
• Alimentos de origem animal (farinha de peixe, farinha de camarão);
• Sementes oleaginosas (farelo de soja, amendoim, algodão e girassol);
• Grãos de cereais e seus subprodutos (farelo de trigo e farinha de
trigo, farelo de arroz, farelo de milho, cevada, sorgo, aveia e centeio);
• Raízes (farinha de mandioca, polvilho de mandioca, raspa de
mandioca, batata, batata-doce, beterraba);
• Forrageiras (farinhas de diversas gramíneas e leguminosas, secas e
moídas);
• Proteínas unicelulares (leveduras desidratadas provenientes de
fermentação, algas filamentosas, fungos e bactérias);
• Aditivos (antioxidantes, emulsificantes, promotores de crescimento,
atrativos e estimulantes, corantes, sal, areia, calcário, fosfatos, farinha
de conchas/ostras, pré-misturas vitamínio-minerais).
Quantidade de ração fornecida
• As rações são formuladas para atender todos os
nutrientes essenciais em níveis considerados ideais, de
acordo com as diferentes fases de desenvolvimento,
condições de cultivo e intensificação.
Mostrando os tipos de rações a serem ofertadasde
acordo com as fases de crescimento
Tipos de
rações
Fase do
camarão
Proteína
bruta (%)
Larval <PL30 40 a 50
Pré-inicial 0,5 a 2,0 g 40 a 45
Inicial 2,0 a 5,0 g 40 a 45
Cresciment
o
5,0 a 10 g 30 a 35
Terminação >10g 25 a 30
Maturação >15g >40
RAÇÕES COMERCIAIS
Despesca
• O período de cultivo é dado quando os camarões atingem
o tamanho comercial, que corresponde entre 10 a 14
gramas, que em geral varia de 90 a 120 dias.
• Após esse período, a despesca deve ser realizada.
• No Brasil, faz-se a despesca usando redes com cerca de
8 m de comprimento do tipo “bag-nets” (com 7 mm2)
• Deve-se evitar a exposição dos camarões ao sol após a
despesca. Esse fato deve-se ao aumento da deterioração
dos mesmos quando expostos por um longo período.
• Por isso, é aconselhado que a despesca de um viveiro
seja realizada à noite.
• Logo após a retirada da rede, os camarões são
imediatamente imersos em água gelada a uma
temperatura de 3º a 5ºC, contendo metabissulfito de
sódio a uma concentração de 7 a 9% em volume, para
provocar uma morte rápida
• Deve-se evitar a exposição dos camarões ao sol após a
despesca. Esse fato deve-se ao aumento da deterioração
dos mesmos quando expostos por um longo período.
• Por isso, é aconselhado que a despesca de um viveiro
seja realizada à noite.
BENEFICIAMENTO DE
CAMARÕES
BENEFICIAMENTO DE
CAMARÕES COM CABEÇA
• Recepção e manutenção
• Procedimentos operacionais
• Transporte e recepção dos camarões
despescados
• Seleção
• Limpeza e higienização dos camarões na
esteira alimentadora
• Inspeção e classificação manual do camarão
• Procedimentos de envase
Recepção e manutenção
• O beneficiamento dos camarões produzidos em viveiros
tem início no ato da despesca.
• Ao sair do viveiro, os camarões devem ser transferidos
da rede-funil (de captura) para as caixas de resfriamento,
isto é, tanques de PVC com água e gelo.
• A água gelada mantém a qualidade do pescado. Á água
com gelo adiciona-se um antioxidante o metabissulfito de
sódio (7 a 8%) que tem a função de reduzir o
aparecimento de melanose (pontos pretos na carapaça).
PROCEDIMENTOS
OPERACIONAIS
Transporte e recepção dos camarões
despescados
• Os camarões devem ser transportados para o
beneficiamento no menor espaço de tempo possível
• Ao chegar à unidade de beneficiamento, o
descarregamento da produção deve ser realizado com
rapidez para que não ocorra o rompimento da cadeia fria.
• Os camarões, que estão na caixa de transporte com
metabissulfito, são dela retirados com o uso de um monobloco
(caixa de plástico vazada) e são levados para a câmara de
espera ou colocados diretamente no separador de gelo.
Seleção
• Os camarões são retirados do separador por uma esteira
alimentadora e seguem para o salão de beneficiamento.
Limpeza e higienização dos camarões na
esteira alimentadora
• Na esteira alimentadora são retirados pequenos peixes,
moluscos ou pequenas pedras que venham misturados
aos camarões despescados.
• Também são descartados camarões eventualmente
machucados devido ao manuseio do processo de
despesca.
• Após a limpeza, os camarões passam para a esteira
elevatória.
• A máquina classificadora é regulada de acordo com os
tamanhos dos camarões que serão processados.
• Os camarões começam a cair nas aberturas
correspondentes às classificações 80/100, 100/120 e
120/150.
Procedimentos de envase
• Pegue a embalagem - A caixa de papelão é certificada e
possui capacidade de acondicionar 2kg, ou seja, 4 a 5 libras
de camarões;
• Encha a embalagem de camarões;
• Feche a embalagem;
• Entregue a caixa para pesagem.
• As caixas devem possuir indicações de peso e classificação
gravados na sua capa, substâncias preservativas, S.I.F., data
e origem, atendendo assim a legislação de especificação de
rotulagem
BENEFICIAMENTO CAMARÕES SEM
CABEÇA
• Para beneficiar os camarões que irão ficar sem cabeça,
utiliza-se o mesmo fluxograma do beneficiamento dos
com cabeça, até a etapa em que se faz a regulagem da
máquina para classificação.
• Os camarões são postos no separador de gelo,
encaminhados para a esteira alimentadora (momento em
que se retiram as impurezas) e passam para a esteira
elevatória em direção à máquina classificadora.
Seleção
• Os camarões são despejados numa bancada para
realizar a seleção e separar a cabeça da cauda
Separação e classificação da cabeça
• As bancadas de classificação apresentam um desnível
onde as caudas dos camarões são transportados através
de um a lâmina d´àgua, até uma caixa plástica.
•
Conservação
• Os camarões sem cabeça devem ficar conservados no
gelo a uma temperatura aproximada de 5ºC, para
aguardar a sua classificação e seguir todo
• processo de embalagem e expedição para o envio ao
porto de embarque

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agrocurso alimentos
Agrocurso alimentosAgrocurso alimentos
Agrocurso alimentos
Portal Canal Rural
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Killer Max
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
Brenda Bueno
 
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
Geagra UFG
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
Ana Maciel
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
Brunna Silva Moreira
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
Leandro A. Machado de Moura
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
Jacqueline Gomes
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
Jean Carlos Wittaczik
 
Aula prática 2 determinação da matéria seca dos
Aula prática 2    determinação da matéria seca dosAula prática 2    determinação da matéria seca dos
Aula prática 2 determinação da matéria seca dos
stefanie alvarenga
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Giovani de Oliveira Arieira
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
Evaldo Potma
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
Geagra UFG
 
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.pptAula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
MirianFernandes15
 
Zootecnia Geral - Coelhos
Zootecnia Geral - CoelhosZootecnia Geral - Coelhos
Zootecnia Geral - Coelhos
Bruno Anacleto
 
Aula instalacoes aves
Aula instalacoes avesAula instalacoes aves
Aula instalacoes aves
nice1961
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
Gildo Crispim
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Marília Gomes
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Killer Max
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
jessica zambonato
 

Mais procurados (20)

Agrocurso alimentos
Agrocurso alimentosAgrocurso alimentos
Agrocurso alimentos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)Silagem (milho, sorgo, capim)
Silagem (milho, sorgo, capim)
 
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Melhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínosMelhoramento genético de suínos
Melhoramento genético de suínos
 
Introdução á Ecologia
Introdução á EcologiaIntrodução á Ecologia
Introdução á Ecologia
 
Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Slides fungos
Slides  fungosSlides  fungos
Slides fungos
 
Aula prática 2 determinação da matéria seca dos
Aula prática 2    determinação da matéria seca dosAula prática 2    determinação da matéria seca dos
Aula prática 2 determinação da matéria seca dos
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Plantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controlePlantas daninhas e seu controle
Plantas daninhas e seu controle
 
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.pptAula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
Aula 1- Digestivo de ruminantes e Ambiente RumenReticulo.ppt
 
Zootecnia Geral - Coelhos
Zootecnia Geral - CoelhosZootecnia Geral - Coelhos
Zootecnia Geral - Coelhos
 
Aula instalacoes aves
Aula instalacoes avesAula instalacoes aves
Aula instalacoes aves
 
Aula 11 fungos
Aula   11 fungosAula   11 fungos
Aula 11 fungos
 
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagensConceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
Conceitos, biosseguridade e conservação de animais selvagens
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Produção de Gado de corte
Produção de Gado de corteProdução de Gado de corte
Produção de Gado de corte
 

Semelhante a Sistemas de criação

Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
Marília Gomes
 
Aulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.pptAulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.ppt
LeandroGalzerano1
 
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentosCap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Ivaristo Americo
 
Manejo de pastagem 1
Manejo de pastagem 1Manejo de pastagem 1
Manejo de pastagem 1
GETA - UFG
 
Apresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteirosApresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteiros
Gabriel Fontes
 
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptxAula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
ThonJovita
 
Sacharina
SacharinaSacharina
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
Temistocles Jaques
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
AULA_9_POLICULTIVO.pdf
AULA_9_POLICULTIVO.pdfAULA_9_POLICULTIVO.pdf
AULA_9_POLICULTIVO.pdf
ssuser6126cd
 
Afigranja
AfigranjaAfigranja
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção OvinaPlanejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Rural Pecuária
 
O cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocosO cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocos
Paula M. de Campos
 
Produção de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque redeProdução de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque rede
Daphene Rodrigues
 
Cultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoCultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão Orgânico
Ítalo Arrais
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
Evangela Gielow
 
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Joel Loureiro
 
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
Sara Cabral
 
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdfManejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
ssuser49dad81
 

Semelhante a Sistemas de criação (20)

Sistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínosSistemas de produção de suínos
Sistemas de produção de suínos
 
Aulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.pptAulapastejolotação.ppt
Aulapastejolotação.ppt
 
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentosCap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
Cap 3 - tecnicas de cultivo e instrumentos
 
Manejo de pastagem 1
Manejo de pastagem 1Manejo de pastagem 1
Manejo de pastagem 1
 
Apresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteirosApresentação aquicultura para escoteiros
Apresentação aquicultura para escoteiros
 
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptxAula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
Aula 1 - Sistemas de produção - thon.pptx
 
Sacharina
SacharinaSacharina
Sacharina
 
Apostila agroflorestas
Apostila agroflorestasApostila agroflorestas
Apostila agroflorestas
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
Mesa 2   conservação renato jundiaí2012Mesa 2   conservação renato jundiaí2012
Mesa 2 conservação renato jundiaí2012
 
AULA_9_POLICULTIVO.pdf
AULA_9_POLICULTIVO.pdfAULA_9_POLICULTIVO.pdf
AULA_9_POLICULTIVO.pdf
 
Afigranja
AfigranjaAfigranja
Afigranja
 
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção OvinaPlanejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
Planejamento Forrageiro: Técnicas para Aumento da Produção Ovina
 
O cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocosO cultivo com bioflocos
O cultivo com bioflocos
 
Produção de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque redeProdução de Peixes nativos em tanque rede
Produção de Peixes nativos em tanque rede
 
Cultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão OrgânicoCultivo do Algodão Orgânico
Cultivo do Algodão Orgânico
 
Manejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragasManejo integrado de pragas
Manejo integrado de pragas
 
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
Rraagriculturamodernatradicionalebiolgica 130619133252-phpapp01
 
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
G 07 sistemas de cultivo em arroz inundado e sequeiro (1)
 
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdfManejo Rotacionado de Pastagens.pdf
Manejo Rotacionado de Pastagens.pdf
 

Sistemas de criação

  • 2. INTRODUÇÃO • “FASE DE ENGORDA”: Denominação errada. • Sabendo corretamente como denomina-se esta fase de criação de camarões, apresentaremos as diversas formas de criação, com as determinadas vantagens e desvantagens de cada sistema e suas peculiaridades.
  • 3. Tipos de sistema de criação • Extensivo • Semi-extensivo • Semi-Intensivo • Contínuo • Intermitente • Intensivo
  • 4. VARIAÇÕES NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO • Monocultivo; • Policultivo; • Cultivo consorciado; • Cultivo em tranques-rede;
  • 5. EXTENSIVO • Criação de camarões de forma tradicional. Se aproxima o máximo de seu ambiente natural. • Utilizado como subsistência. • Custos de implantação são baixos.
  • 6. EXTENSIVO • Praticado em corpos de água (represas); • Precários e sem o emprego de tecnologias adequadas; • Baixa densidade de povoamento; • Não ocorre um controle zootécnico; • Praticado em alguns países da Ásia (Vietnã); • Trabalho de realizar os povoamentos (quando necessário) e as capturas.
  • 7. SEMI-EXTENSIVO • Criação de um programa de produção; • Intervalo entre povoamento e despesca são curtos; • Demanda um pouco mais de mão-de-obra que o extensivo.
  • 9. INTENSIVO • Produção mais tecnificada e com maior tecnologia dentro dos sistemas de criação de camarões. • É o mais artificial possível e o mais controlado em termos de ambiência.
  • 10. INTENSIVO • Viveiros pequenos (até 0,2 ha) • Fundo natural ou de alvenaria. • Alta taxa de renovação da água; • Melhor eliminação de resíduos e aeração contínua. • Povoamento com juvenis; • Densidade superior a 20/m².
  • 11. INTENSIVO • Alimentação total com ração balanceada; • Suprir as necessidades nutricionais dos camarões. • Ausência de predadores e competidores; • Alto controle zootécnico da produção; • Produtividade pode superar 5000 kg/ha/ano.
  • 12. SEMI-INTENSIVO • Avanço nas operações, investimentos e dedicação do produtor - > área um pouco mais tecnificada. • É um sistema de criação que se aproxima do artificial. • A criação semi-intensiva
  • 13. SEMI-INTENSIVO • Construídos viveiros de 0,1 a 0,5 ha, escavados no solo; • Entrada de água e escoamento individuais; • Realiza-se a Fertilização; • Controle zootécnico presente; • Povoamento com pós-larvas ou juvenis de até três meses; • Densidades entre 4 a 20/m²; • Fornecimento de uma ração balanceada; • Produtividade entre 500 a 4500 kg/ha/ano;
  • 15. SISTEMA SEMI-INTENSIVO CONTÍNUO • Lotes de pós-larvas são introduzidos periodicamente dentro dos viveiros. • Mensalmente  uso de rede de arrasto para retirar os camarões com tamanho ideal para a venda; • Fornece camarões o ano todo e de tamanho uniforme, conforme a malha da rede utilizada;
  • 16. SISTEMA SEMI-INTENSIVO CONTÍNUO • Viveiros cheios por longo tempo. • Avanço do processo de sucessão • Maior desenvolvimento e diversificação das comunidades bióticas; • Ambiente quase que semelhante a natureza; • A interação entre os componentes da comunidade é mais intensa. • Arrastos são fatores de estresse periódico e constante e realizados para as despescas seletivas;
  • 17. SISTEMA SEMI-INTENSIVO CONTÍNUO • Aumento das interações intraespecíficas. • Ocorrência de canibalismo e inibição do crescimento devido à estrutura social. • Presença de camarões adultos no viveiro. • Reduz a quantidade de predadores interespecíficos para pós- larvas e juvenis;
  • 18. SISTEMA SEMI-INTENSIVO CONTÍNUO Uso de rede de arrasto Sistema semi-intensivo contínuo com tanques rede.
  • 19. SISTEMA SEMI-INTENSIVO INTERMITENTE • Camarões estocados apenas no início da criação. • Maioria atinge o tamanho comercial, viveiros são esvaziados e ocorre a coleta e comercialização, e após reinicia-se a operação. • Despescas seletivas intermediárias. • Retirar camarões de tamanho comercial precoce (machos dominantes e as fêmeas maduras). • Cultivo muito utilizado em locais de condições climáticas que não são adequadas o ano todo. Períodos de seca e/ou baixas temperaturas. • Cultivo apenas na época adequada. • Após a despesca, viveiros permanecem vazios à chegada da próxima estação climática favorável.
  • 21. SISTEMA SEMI-INTENSIVO INTERMITENTE • Sucessão ecológica em curto período. • Esvaziamento do viveiro, fator ecológico catastrófico, truncando o desenvolvimento do ecossistema. • Quando enchido novamente a outro povoamento reinicia- se o processo sucessional. • Comunidades presentes são sempre estágios serais bem iniciais. • Poucas interações entre os indivíduos. • Alta produção líquida da comunidade e poucos consumidores de ordem elevada.
  • 22. SISTEMA SEMI INTENSIVO – POVOAMENTO PÓS-LARVAS RECÉM- METAMORFOSEADAS • Fase inicial de intensa competição e pressão de predação. • A alimentação alóctone será mais utilizada pelos outros organismos detritivos • Camarões, podem suprir suas necessidades a partir do alimento natural. • A alimentação fornecida • Incrementar as populações de organismos da fauna bentônica com benefício ao cultivo. • 2/3 meses de povoamento. • Camarões se transformam nos grandes consumidores do ambiente.
  • 23. Povoamento com pós- larvas recém metamorfoseadas. Intensa competição e predação. Alimentação fornecida Desenvolvimento da fauna bentônica Todos os bentos tornam-se presas e alimentos dos camarões Após 2/3 meses
  • 24. SISTEMA SEMI-INTENSIVO INTERMITENTE - POVOAMENTO COM JUVENIS • Introduzidos na comunidade como predadores de uma ordem mais elevada. • A competição e pressão de predação são reduzidas. • Alimentação alóctone pode ser aproveitada diretamente pelos camarões.
  • 25. SISTEMA SEMI-INTENSIVO INTERMITENTE • Esvaziamento dos viveiros. • Reduz a diversificação e o desenvolvimento de predadores e competidores. • Diminui interações intraespecíficas negativas devido à remoção completa dos adultos na despesca total. • Povoamento após o enchimento do viveiro. • “Efeito de chegada”, organismos que se instalam primeiro têm mais chances de sucesso competitivo num primeiro momento.
  • 26. SEMI- INTENSIVO INTERMITENTE NÍVEIS TECNOLÓGICO S BAIXA TECNOLOGIA Povoamento dos viveiros com pós-larvas recém- metamorfoseadas (povoamento direto). Baixas densidades, de 4 a 10/m². Manejo alimentar é imperfeito e são fornecidas rações de baixo custo. Controle da qualidade da água é pequeno e rudimentar. Um ciclo anual de produção é realizado. Produtividade: 500 a 1500 kg/ha/ano
  • 27. SEMI- INTENSIVO INTERMITENTE NÍVEIS TECNOLÓGICO S MÉDIA TECNOLOGIA PLs pré-estocadas em tanques ou viveiros berçários. Povoamento realizado com juvenis. Baixas densidades, de 4 a 10/m². Manejo alimentar adequado: rações balanceadas de acordo com as exigências nutricionais. Controle de qualidade da água mais eficiente. Até 2 ciclos anuais de produção. Produtividade: 1500 a 2500 kg/ha/ano.
  • 28. SEMI- INTENSIVO INTERMITENTE NÍVEIS TECNOLÓGICO S ALTA TECNOLOGIA* Pré-cultivo bifásico (Duas fases de berçário antes de serem estocados nos viveiros de crescimento) Povoamento realizado com juvenis. Média/Alta densidade: 12 a 20/m² Manejo alimentar adequado: rações de boa qualidade e balanceadas quanto à exigência nutricional. Sistemas de aeração artificial. Rigoroso controle da qualidade da água. (Monitoramento contínuo) 3 ciclos de produção. Produtividade de 3000 a 4500kg/ha/ano.*Os cultivos altamente tecnificado só podem ser realizados em regiões sem limitações climáticas, onde a temperatura e a disponibilidade de água permitam a criação o ano todo.
  • 30. SISTEMA EXTENSIVO VANTAGENS Baixo custo de instalação e operação; Possibilidade de utilização de policultivo. Uso de locais que não seriam aproveitados; DESVANTAGENS Baixa densidade de povoamento; Exposição à predadores; Sem controle de qualidade da agua e populacional; Dificuldade na despesca; Produtividade inferior a 500 kg/ha/ano.
  • 31. SISTEMA SEMI-INTENSIVO VANTAGENS Maior produtividade em se comparar com o extensivo; Controle da qualidade da água; Controle populacional; Maior facilidade na despesca; Utilização de grande parte de alimentação natural (muito importante). DESVANTAGENS Necessidade de utilização de uma ração de alta qualidade devido a pouca quantidade que é fornecida; Maior custo com relação ao extensivo; Demanda cuidados que não eram necessários no sistema extensivo.
  • 32. SISTEMA SEMI-INTENSIVO CONTÍNUO VANTAGENS Permite produção o ano todo; Lotes uniformes, uma vez que é passada a rede no diâmetro que se quer; Diversificação da comunidade biótica. DESVANTAGENS Proporciona maior competição; Possibilita aparecimento de espécies mais adaptadas do que os camarões; Arrastos constantes para despesca proporciona um maior estresse aos animais; A despesca mal feita pode ocasionar novas interações intraespecíficas dos camarões que ficam mais velhos. A mais importante é o canibalismo e inibição de crescimento devido a estrutura
  • 33. SISTEMA SEMI-INTENSIVO INTERMITENTE VANTAGENS Despesca selecionada com animais do tamanho desejado; Desagregação da estrutura social, não impedindo crescimento; Menor competição interespecífica. DESVANTAGENS Produção em apenas épocas favoráveis; Maior trabalho de manejo na despesca; Por ocorrer sucessão ecológica apenas no momento da despesca final, ocorre maior competição com canibalismo na inserção das larvas.
  • 34. SISTEMA INTENSIVO VANTAGENS Produtividade imbatível; Manejo facilidade desde a cria ate a engorda; Despesca facilitada; Controle, se não total, praticamente de toda a produção; Camarões de melhor tamanho e qualidade; Menor tempo do ciclo produtivo. DESVANTAGENS Alto custo de alimentação; Alto custo de estruturas; Exige atenção e controle total; Mínima margem de erro, visto que os prejuízos seriam enormes devido ao alto investimento.
  • 35. MANEJO NUTRICIONAL • Possuem requerimentos nutricionais diferentes. • Ao longo do seu ciclo de vida. • Com a temperatura da água. • Maturidade sexual. • Estratégia de crescimento ou posição que ocupa na hierarquia social. • Taxa de estocagem e outras condições ambientais. (Zimmermann, 1988).
  • 36. MANEJO NUTRICIONAL - REQUERIMENTOS Nutrientes/Fases Crescimento Final (<30g) Proteína Bruta (%) 30 – 35 Fibra Bruta (%) 6 – 15 Gordura Bruta (%) 3 – 7 Cálcio (%) 2 – 4 Fósforo disponível 1 – 2 Energia (Mcal ED tilápia/Kg) 2,6 – 2,9 ENN (% max) 35Zimmermann (1991), modificado.
  • 37. MANEJO NUTRICIOAL - INGREDIENTES • No Brasil, os mais comuns utilizados são: • Alimentos de origem animal (farinha de peixe, farinha de camarão); • Sementes oleaginosas (farelo de soja, amendoim, algodão e girassol); • Grãos de cereais e seus subprodutos (farelo de trigo e farinha de trigo, farelo de arroz, farelo de milho, cevada, sorgo, aveia e centeio); • Raízes (farinha de mandioca, polvilho de mandioca, raspa de mandioca, batata, batata-doce, beterraba); • Forrageiras (farinhas de diversas gramíneas e leguminosas, secas e moídas); • Proteínas unicelulares (leveduras desidratadas provenientes de fermentação, algas filamentosas, fungos e bactérias); • Aditivos (antioxidantes, emulsificantes, promotores de crescimento, atrativos e estimulantes, corantes, sal, areia, calcário, fosfatos, farinha de conchas/ostras, pré-misturas vitamínio-minerais).
  • 38. Quantidade de ração fornecida • As rações são formuladas para atender todos os nutrientes essenciais em níveis considerados ideais, de acordo com as diferentes fases de desenvolvimento, condições de cultivo e intensificação.
  • 39. Mostrando os tipos de rações a serem ofertadasde acordo com as fases de crescimento Tipos de rações Fase do camarão Proteína bruta (%) Larval <PL30 40 a 50 Pré-inicial 0,5 a 2,0 g 40 a 45 Inicial 2,0 a 5,0 g 40 a 45 Cresciment o 5,0 a 10 g 30 a 35 Terminação >10g 25 a 30 Maturação >15g >40
  • 41. Despesca • O período de cultivo é dado quando os camarões atingem o tamanho comercial, que corresponde entre 10 a 14 gramas, que em geral varia de 90 a 120 dias. • Após esse período, a despesca deve ser realizada. • No Brasil, faz-se a despesca usando redes com cerca de 8 m de comprimento do tipo “bag-nets” (com 7 mm2)
  • 42. • Deve-se evitar a exposição dos camarões ao sol após a despesca. Esse fato deve-se ao aumento da deterioração dos mesmos quando expostos por um longo período. • Por isso, é aconselhado que a despesca de um viveiro seja realizada à noite.
  • 43. • Logo após a retirada da rede, os camarões são imediatamente imersos em água gelada a uma temperatura de 3º a 5ºC, contendo metabissulfito de sódio a uma concentração de 7 a 9% em volume, para provocar uma morte rápida
  • 44. • Deve-se evitar a exposição dos camarões ao sol após a despesca. Esse fato deve-se ao aumento da deterioração dos mesmos quando expostos por um longo período. • Por isso, é aconselhado que a despesca de um viveiro seja realizada à noite.
  • 45.
  • 47. BENEFICIAMENTO DE CAMARÕES COM CABEÇA • Recepção e manutenção • Procedimentos operacionais • Transporte e recepção dos camarões despescados • Seleção • Limpeza e higienização dos camarões na esteira alimentadora • Inspeção e classificação manual do camarão • Procedimentos de envase
  • 48. Recepção e manutenção • O beneficiamento dos camarões produzidos em viveiros tem início no ato da despesca. • Ao sair do viveiro, os camarões devem ser transferidos da rede-funil (de captura) para as caixas de resfriamento, isto é, tanques de PVC com água e gelo. • A água gelada mantém a qualidade do pescado. Á água com gelo adiciona-se um antioxidante o metabissulfito de sódio (7 a 8%) que tem a função de reduzir o aparecimento de melanose (pontos pretos na carapaça).
  • 50. Transporte e recepção dos camarões despescados • Os camarões devem ser transportados para o beneficiamento no menor espaço de tempo possível • Ao chegar à unidade de beneficiamento, o descarregamento da produção deve ser realizado com rapidez para que não ocorra o rompimento da cadeia fria. • Os camarões, que estão na caixa de transporte com metabissulfito, são dela retirados com o uso de um monobloco (caixa de plástico vazada) e são levados para a câmara de espera ou colocados diretamente no separador de gelo.
  • 51. Seleção • Os camarões são retirados do separador por uma esteira alimentadora e seguem para o salão de beneficiamento.
  • 52. Limpeza e higienização dos camarões na esteira alimentadora • Na esteira alimentadora são retirados pequenos peixes, moluscos ou pequenas pedras que venham misturados aos camarões despescados. • Também são descartados camarões eventualmente machucados devido ao manuseio do processo de despesca.
  • 53. • Após a limpeza, os camarões passam para a esteira elevatória.
  • 54. • A máquina classificadora é regulada de acordo com os tamanhos dos camarões que serão processados.
  • 55. • Os camarões começam a cair nas aberturas correspondentes às classificações 80/100, 100/120 e 120/150.
  • 56. Procedimentos de envase • Pegue a embalagem - A caixa de papelão é certificada e possui capacidade de acondicionar 2kg, ou seja, 4 a 5 libras de camarões; • Encha a embalagem de camarões; • Feche a embalagem; • Entregue a caixa para pesagem. • As caixas devem possuir indicações de peso e classificação gravados na sua capa, substâncias preservativas, S.I.F., data e origem, atendendo assim a legislação de especificação de rotulagem
  • 57.
  • 58. BENEFICIAMENTO CAMARÕES SEM CABEÇA • Para beneficiar os camarões que irão ficar sem cabeça, utiliza-se o mesmo fluxograma do beneficiamento dos com cabeça, até a etapa em que se faz a regulagem da máquina para classificação. • Os camarões são postos no separador de gelo, encaminhados para a esteira alimentadora (momento em que se retiram as impurezas) e passam para a esteira elevatória em direção à máquina classificadora.
  • 59. Seleção • Os camarões são despejados numa bancada para realizar a seleção e separar a cabeça da cauda
  • 60. Separação e classificação da cabeça • As bancadas de classificação apresentam um desnível onde as caudas dos camarões são transportados através de um a lâmina d´àgua, até uma caixa plástica. •
  • 61. Conservação • Os camarões sem cabeça devem ficar conservados no gelo a uma temperatura aproximada de 5ºC, para aguardar a sua classificação e seguir todo • processo de embalagem e expedição para o envio ao porto de embarque