SlideShare uma empresa Scribd logo
Depressão:  Medicamentos Anti-depressivos e Estabilizadores do Humor Medicina – UFMG Copyright 1996-99 © Dale Carnegie & Associates, Inc.
Depressão:  o que é e o que não é   Aqueles que sofrem de depressão têm mais que "tristeza", e esse sentimento pode durar por muito tempo. São muitos: 5% das pessoas têm depressão, e 10 a 20% vão sofrer de depressão. Cerca de 25% das mulheres e 10% dos homens vão sofrer de depressão em algum momento. 40 a 60% dos suicídios têm causa depressiva. Homens depressivos se suicidam 4 vezes mais que as mulheres.
Sintomas Humor deprimido; Retardo/agitação psicomotora; Irritação; fadiga: Insônia ou sono exagerado; Pensamentos recorrentes sobre a morte. Dificuldade de concentração; Alterações de apetite; Sentimentos de culpa, desvalia, desamparo; Perda de interesse por várias atividades; Uso de álcool e/ou drogas.
Relato de paciente depressivo “ Eu duvido completamente de minha habilidade de fazer qualquer coisa bem. Parece que minha mente está lentificada ao ponto de se tornar virtualmente inútil... Eu estou como que assombrado... Com a desesperança mais intensa. Outras pessoas dizem: ‘É só temporário, isso passará, você irá melhorar.’ Mas naturalmente, eles não têm a mínima idéia de como me sinto, embora tenham certeza disso. Se eu não posso sentir, me mover, pensar ou me importar, qual o sentido de tudo?”
Por que algumas pessoas têm depressão? Os neurotransmissores ajudam a controlar as emoções. Os mensageiros principais são a serotonina, noradrenalina e dopamina. Os níveis deles aumentam ou diminuem, mudando nossas emoções.  Quando os neurotransmissores encontram-se "em equilíbrio", sentimos a emoção certa para cada ocasião. Quando alguém está deprimido, os mensageiros químicos não estão em equilíbrio.
Ainda não está claro por que isso ocorre em algumas pessoas e não em outras, mas parece que a depressão ocorre em certas famílias. Outros desencadeadores da depressão são  eventos estressantes ou perdas, doenças físicas, níveis hormonais, uso de certos medicamentos, drogas, álcool. Tem-se observado grande aumento de casos de depressão em jovens e crianças.
Modalidades de Tratamento Medicamento antidepressivo; Psicoterapia Medicamento antidepressivo associado a Psicoterapia.
Neuroanatomia da Via Monoaminérgica
Vias serotoninérgicas centrais As projeções dos neurônios serotoninérgicos se dirigem para quase todas as estruturas do prosencéfalo. Alguns núcleos projetam-se para o cerebelo e outros para a medula.
Vias dopaminérgicas centrais Veja as projeções dos neurônios dopaminérgicos para o corpo estriado e área pré-frontal ventral.          
Síntese de Noradrenalina A síntese da  noradrenalina  se inicia com a captação livre do aminoácido  tirosina , que é transformada pela  tirosina hidroxilase  em  L-DOPA  e, posteriormente, pela ação da  L-DOPA descarboxilase  em  dopamina .  A  dopamina  é captada pelas vesículas sinápticas e, sob a ação da  dopamina beta-hidroxilase , transformada em  noradrenalina .
Pós-sinapticamente, pode atuar em receptores chamados de  alfa-1 ,  alfa-2  e  beta . Existem ainda receptores pré-sinápticos noradrenérgicos inibitórios, de tipo  alfa-2 . O principal mecanismo da retirada da noradrenalina da fenda sináptica é o da recaptação pelo terminal nervoso. Sua degradação intraneural ocorre pela enzima  monoaminoxidase   (MAO),  sendo um  de seus principais metabólitos o  3-metaxi-4-hidroxifeniletileno glicol (MHPG).
Síntese de Noradrenalina
Síntese Serotoninérgica A síntese da  serotonina  se inicia pela captação ativa do aminoácido  triptofano . Ao sofrer ação da enzima  triptofano hidroxilase , é transformada em  5-hidroxitriptofano  e, quase imediatamente, transformada em  5-HT  pela ação de uma  descarboxilase  de aminoácidos.
Pós sinapticamente, pode atuar em vários tipos de receptores. Existem ainda receptores pré-sinápticos inibitórios, os de tipo  5-HT 1A . O principal mecanismo de retirada da  5-HT  da fenda sináptica é a recaptação pelo terminal nervoso. Sua degradação intracelular ocorre pela enzima  monoaminoxidase (MAO),  sendo um de seus principais metabólitos o  ácido  5-hidroxiindolacético.
Síntese Serotoninérgica
Teoria Monoaminérgica Clássica da Depressão
Com base em observações , Schildkraut  e  Kety  propuseram, na década de 1960, que  a depressão era causada por diminuição da noradrenalina cerebral , e que tratamentos antidepressivos eram eficazes por normalizar essa neurotransmissão. Pouco depois,  Lapin  e  Oxenkrug  propuseram algo semelhante em relação à  serotonina . Estas duas propostas compõem o que pode ser denominada de  teoria clássica da depressão.
Mais recentemente, outras evidências têm corroborado a proposta de envolvimento da serotonina e/ou noradrenalina na fisiopatologia dos distúrbios afetivos. Estudos neuroendrócrinos, por exemplo, mostram que o aumento do hormônio hipofisário  prolactina , induzido pelo aminoácido precursor da serotonina, o triptofano, ou por um liberador de serotonina, a fenfluramina, encontra-se atenuado em pacientes com depressão.
Soma-se a isso a observação do grupo liderado por  P. Delgado , de que uma privação aguda de  1-triptofano  induz recidiva do quadro depressivo em  80%  dos pacientes tratados com sucesso com drogas que bloqueiam seletivamente a recaptação de serotonina.  Nesse estudo houve recidiva em pacientes que estavam sendo tratados com um bloqueador de recaptação de noradrenalina, sugerindo também um papel importante desse neurotransmissor.
Classificação dos medicamentos empregados no tratamento de distúrbios afetivos
Antidepressivos Tricíclicos : imipramina. Aumentam a disponibilidade dos neurotransmissores na fenda sináptica, inibindo a recaptação destas aminas pelos receptores pré-sinápticos. Parece haver também, com o uso prolongado dos tricíclicos, uma diminuição do número de receptores.
 
 
Antidepressivos de segunda geração : grupo de drogas introduzidos mais recentemente na clínica. Incluem compostos como os inibidores seletivos de recaptação de serotonina ou noradrenalina, ou ambas. Inibidores da MAO . “ Estabilizadores” do humor : representados pelo  lítio . Outras drogas que também são empregadas com essa finalidade são os anticonvulsionantes carbamazepina e ácido valpróico.
Efeitos farmacológicos dos antidepressivos tricíclicos e de segunda geração
Os tricíclicos são capazes de bloquear a recaptação neuronal de noradrenalina e/ou serotonina. A potência dos diferentes compostos tricíclicos e alguns dos novos antidepressivos em exercer esses bloqueios é bastante variável. Além do bloqueio de recaptação de monoaminas, muitos compostos antidepressivos possuem afinidade por diversos  receptores , dos quais se destacam os muscarínicos, alfa-adrenérgicos e histamínicos. O bloqueio competitivo desses receptores é responsável por alguns dos  efeitos colaterias  destas drogas.
Drogas antidepressivas sofrem biotransformação no fígado, que pode resultar, em alguns casos, em  metabólitos ativos .  Existe variação individual na capacidade do fígado de metabolizar os antidepressivos, chegando até a 10-30 vezes com algumas drogas, o que pode contribuir para a variação do aparecimento de efeitos farmacológicos, tanto terapêuticos quanto adversos.
Os compostos de segunda geração possuem, usualmente, menor afinidade por aqueles receptores e, em consequência, menor incidência de efeitos colaterais como  hipotensão postural, sedação e efeitos anticolinérgicos . No entanto, algumas exceções existem. Além de seus efeitos próprios, drogas antidepressivas podem produzir interações clinicamente significativas com outros  fármacos .
Efeitos da administração crônica de antidepressivos
Antidepressivos necessitam de administração continuada por pelo menos 4 a 6 semanas antes de se tornarem evidentes. Os mecanismos responsáveis por essa latência têm sido intensamente pesquisados, na esperança tanto de permitir o desenvolvimento de novos fármacos com efeito antidepressivo mais rápido, como elucidar a neurobiologia da depressão. Os estudos realizados nestas últimas décadas mostraram que o uso crônico de antidepressivos leva a modificações em diversos sistemas cerebrais.
Sistema Noradrenérgico Um efeito bastante comum é uma diminuição de  adrenoceptores de tipo alfa-2 . Esses receptores funcionam como auto-receptores inibitórios. Com o uso prolongado da droga, ocorre diminuição dos receptores alfa-2 e o aparecimento de tolerância à inibição da atividade neuronal noradrenérgica. Nessa situação, o bloqueio da recaptação neuronal de noradrenalina levaria a um aumento maior dessa neurotransmissão.
Sistema Serotoninérgico Estudos eletrofisiológicos sugerem que tratamentos prolongados com antidepressivos facilitam a neurotransmissão serotoninérgica. Os neurônios serotoninérgicos apresentam atividade espontânea que limita sua atividade. O aumento da atividade neuronal leva a aumento local de liberação de serotonina por dendritos ou axônios colaterais, a qual, atuando em auto-receptores, inibiria os neurônios serotoninérgicos.
Os auto-receptores inibitórios localizados nos corpos celulares parecem ser, na maior parte, de tipo  5-HT 1A . Drogas antidepressivas, por bloquearem a recaptação de serotonina, potencializariam o efeito da serotonina nesses receptores, o que limitaria aumentos expressi-vos da neurotransmissão serotoninérgica no início do tratamento. A dessensibilização dos auto-receptores  5-HT 1A , pelo uso prolongado dessas drogas, permitiria então um real aumento da neurotransmissão serotoninérgica. Como esperado a partir dos resultados eletrofisiológicos, alguns antidepressivos causam diminuição de auto-receptores  5-HT 1A .
Outros neurotransmissores Uma série de evidências experimentais sugere uma hiperatividade do eixo  hipotálamo-hipófise-adrenal (HHA)  em pacientes com depressão.  Investigadores têm procurado localizar o componente do eixo HHA que estaria desregulado. Até o momento as evidências apontam para o  hormônio liberador de corticotrofina (CRH).
O CRH liberado por esses neurônios estimula a liberação de  corticotrofina (ACTH)  pela hipófise, a qual, por sua vez, estimula a secreção de  glicocorticóides  pela adrenal. Além de estimular a secreção de ACTH, o CRH também atua como neurotransmissor em outros sistemas. Sua injeção intracerebroventricular produz alterações comportamentais como  diminuição de apetite e libido, alterações psicomotoras e de sono e ansiedade , que lembram os sintomas observados em pacientes com depressão.
Efeitos farmacológicos dos inibidores da MAO A MAO é uma enzima que transforma catecolaminas em seus respectivos aldeídos, e localiza-se principalmente na membrana externa das mitocôndrias. Pela sua localização, a MAO atua preferencialmente sobre o neurotransmissor que está “livre” no citoplasma, isto é, aquele que foi recaptado pelo terminal e que ainda não foi captado pelos grânulos, ou aquele que foi liberado pelos grânulos antes de passar pela membrana axonal.
Os primeiros compostos utilizados clinicamente atuam como inibidores  irreversíveis , mas um dos grandes problemas desse emprego é a interação com aminas simpatomiméticas, particularmente a  tiramina .  Essa substância atua indiretamente, liberando a noradrenalina de seus terminais. Ela está presente em grandes quantidades em determinados alimentos, como queijos fortes, certas carnes, vinho tinto e outros. Normalmente, a tiramina ingerida é degradada pela MAO, presente de forma abundante nas paredes intestinais e no fígado.
No entanto, a inibição da MAO impede a degradação da tiramina que em grande quantidade atinge a circulação sistêmica, podendo causar ativação exagerada do sistema simpático, com o aparecimento de  crises hipertensivas .  Como a tiramina é degradada preferencialmente pela MAO-A, o  deprenil  foi introduzido na esperança de evitar o aparecimento de crises hipertensivas por interação com tiramina.
Conclusão Ao lidar com um caso de depressão, deve-se respeitar as limitações do doente.  Deve-se evitar o uso de drogas e álcool, que podem desencadear ou piorar a depressão, além de reduzir a eficácia de medicamentos ou produzir efeitos colaterais perigosos. Compreender que, assim como levou tempo para a depressão se desenvolver, também demorará algum tempo para que ela desapareça.
Endereços na Internet http://www.mwtheng.com/infoviva.htm   http://sites.uol.com.br/jayme_santos.htm http://cyberland.recife.softex.br/mental/depressão/
Componentes do Grupo: Priscila Carla de Salles Rafael Campos Oliveira Ramsés Magalhães do Pau Brasil Rangel Dionízio Magalhães Thaís Costa Drumond Wagner José

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
Safia Naser
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
Dr.João Calais.:
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Cliomar Santos
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Vilmar Barbosa
 
Serotonina
SerotoninaSerotonina
Serotonina
João Marcos
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Safia Naser
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
Rosangela Helena Sizilio
 
Farmacologia snc
Farmacologia sncFarmacologia snc
Farmacologia snc
Tiago Sampaio
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
Julia Martins Ulhoa
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
resenfe2013
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
tatiany ferreira de oliveira
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Jaqueline Almeida
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e AnticonvulsionantesAnalgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Safia Naser
 

Mais procurados (20)

Ansioliticos
AnsioliticosAnsioliticos
Ansioliticos
 
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
Aula -  SNC - AnticonvulsivantesAula -  SNC - Anticonvulsivantes
Aula - SNC - Anticonvulsivantes
 
Ansiolíticos
AnsiolíticosAnsiolíticos
Ansiolíticos
 
Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Serotonina
SerotoninaSerotonina
Serotonina
 
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacosAula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
Aula - Farmacologia básica - Eliminação de fármacos
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Adrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicosAdrenergicos e colinergicos
Adrenergicos e colinergicos
 
Farmacologia snc
Farmacologia sncFarmacologia snc
Farmacologia snc
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
 
Farmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do sncFarmacologia das drogas do snc
Farmacologia das drogas do snc
 
Anti-hipertensivos
Anti-hipertensivosAnti-hipertensivos
Anti-hipertensivos
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
 
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - AdsorçãoAula - Farmacologia básica - Adsorção
Aula - Farmacologia básica - Adsorção
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivosAula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
Aula de Farmacologia sobre Fármacos anti-hipertensivos
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e AnticonvulsionantesAnalgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
Analgésicos Opióides e Anticonvulsionantes
 

Destaque

Aula antidepressivos
Aula  antidepressivosAula  antidepressivos
Aula antidepressivos
Renato Santos
 
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticosApresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
Paula Soares
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
Marisa Almeida
 
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica centralFarmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Nome Sobrenome
 
Tratamento de fibromialgia com amitriptilina e pregabalina.pdf
Tratamento de fibromialgia com amitriptilina e pregabalina.pdfTratamento de fibromialgia com amitriptilina e pregabalina.pdf
Tratamento de fibromialgia com amitriptilina e pregabalina.pdf
Giovanni Oliveira
 
Antidepressivos - Fármacos
Antidepressivos - FármacosAntidepressivos - Fármacos
Antidepressivos - Fármacos
joanadebarros
 
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervosSíndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
neuroligaunivasf
 
PPT em 15 Minutos
PPT em 15 MinutosPPT em 15 Minutos
PPT em 15 Minutos
Bia Quadros
 
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervosoRevisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Caio Maximino
 
Depressão palestra
Depressão   palestraDepressão   palestra
Depressão palestra
Isabel Teixeira
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
Solange Leite
 

Destaque (12)

Aula antidepressivos
Aula  antidepressivosAula  antidepressivos
Aula antidepressivos
 
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticosApresentação antidepressivos e ansioliticos
Apresentação antidepressivos e ansioliticos
 
A Depressão
A DepressãoA Depressão
A Depressão
 
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica centralFarmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
 
Tratamento de fibromialgia com amitriptilina e pregabalina.pdf
Tratamento de fibromialgia com amitriptilina e pregabalina.pdfTratamento de fibromialgia com amitriptilina e pregabalina.pdf
Tratamento de fibromialgia com amitriptilina e pregabalina.pdf
 
Antidepressivos - Fármacos
Antidepressivos - FármacosAntidepressivos - Fármacos
Antidepressivos - Fármacos
 
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervosSíndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
Síndromes do tronco cerebral e de múltiplos nervos
 
PPT em 15 Minutos
PPT em 15 MinutosPPT em 15 Minutos
PPT em 15 Minutos
 
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
 
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervosoRevisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
Revisão de anatomia e fisiologia do sistema nervoso
 
Depressão palestra
Depressão   palestraDepressão   palestra
Depressão palestra
 
Depressão
DepressãoDepressão
Depressão
 

Semelhante a Antidepressivos

Anfetaminas
AnfetaminasAnfetaminas
Anfetaminas
Leonardo Guimarães
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Kimberly Casemiro
 
Neuromoduladores
NeuromoduladoresNeuromoduladores
Neuromoduladores
Natha Fisioterapia
 
Farmacologia m3. parte ii 1 (1)
Farmacologia m3. parte ii 1 (1)Farmacologia m3. parte ii 1 (1)
Farmacologia m3. parte ii 1 (1)
LaboratrioFAMETA
 
Aula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicosAula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicos
Tereza Paula
 
Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012
Arquivo-FClinico
 
Psicofarmacologia curso de pós graduação Neuropsicopedagogia
Psicofarmacologia curso de pós graduação NeuropsicopedagogiaPsicofarmacologia curso de pós graduação Neuropsicopedagogia
Psicofarmacologia curso de pós graduação Neuropsicopedagogia
psimikhaele
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Victor Nóbrega
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
Victor Nóbrega
 
Trabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticosTrabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticos
Aécio Ferraz
 
Exercicio x sono
Exercicio x sonoExercicio x sono
Exercicio x sono
Nicole Cavalcante
 
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2   noções básicas de psicofarmacologia iiAula 2   noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Educação Ucpel
 
Curso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidadoCurso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidado
Ricardo Alexandre
 
farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
 farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
Lisiane Welzel
 
mapa-mental.pdf
mapa-mental.pdfmapa-mental.pdf
mapa-mental.pdf
Luana Pereira
 
Drogas que atuam
Drogas que atuamDrogas que atuam
Drogas que atuam
thamirys
 
Drogas que atuam
Drogas que atuamDrogas que atuam
Drogas que atuam
thamirys
 
Terapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência QuímicaTerapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência Química
Ricardo Assmé
 
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi AssméTerapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
RicardoAssm1
 
Anti parkinsanianos
Anti parkinsanianosAnti parkinsanianos
Anti parkinsanianos
l2eric
 

Semelhante a Antidepressivos (20)

Anfetaminas
AnfetaminasAnfetaminas
Anfetaminas
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Neuromoduladores
NeuromoduladoresNeuromoduladores
Neuromoduladores
 
Farmacologia m3. parte ii 1 (1)
Farmacologia m3. parte ii 1 (1)Farmacologia m3. parte ii 1 (1)
Farmacologia m3. parte ii 1 (1)
 
Aula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicosAula depressao cícero mais médicos
Aula depressao cícero mais médicos
 
Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012Antidepressivos brats 2012
Antidepressivos brats 2012
 
Psicofarmacologia curso de pós graduação Neuropsicopedagogia
Psicofarmacologia curso de pós graduação NeuropsicopedagogiaPsicofarmacologia curso de pós graduação Neuropsicopedagogia
Psicofarmacologia curso de pós graduação Neuropsicopedagogia
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Psicofarmacologia
PsicofarmacologiaPsicofarmacologia
Psicofarmacologia
 
Trabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticosTrabalho antipsicóticos
Trabalho antipsicóticos
 
Exercicio x sono
Exercicio x sonoExercicio x sono
Exercicio x sono
 
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2   noções básicas de psicofarmacologia iiAula 2   noções básicas de psicofarmacologia ii
Aula 2 noções básicas de psicofarmacologia ii
 
Curso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidadoCurso tepac redes de atenção e cuidado
Curso tepac redes de atenção e cuidado
 
farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
 farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
farmacos-que-atuam-no-sistema-nervoso-central
 
mapa-mental.pdf
mapa-mental.pdfmapa-mental.pdf
mapa-mental.pdf
 
Drogas que atuam
Drogas que atuamDrogas que atuam
Drogas que atuam
 
Drogas que atuam
Drogas que atuamDrogas que atuam
Drogas que atuam
 
Terapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência QuímicaTerapia Farmacológica na Dependência Química
Terapia Farmacológica na Dependência Química
 
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi AssméTerapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
Terapia farmacológica na dependência química - Ricardo manzochi Assmé
 
Anti parkinsanianos
Anti parkinsanianosAnti parkinsanianos
Anti parkinsanianos
 

Mais de Isabel Teixeira

Teste da-mente
Teste da-menteTeste da-mente
Teste da-mente
Isabel Teixeira
 
Teste dalai-lama. . 17.06.09
Teste dalai-lama. . 17.06.09Teste dalai-lama. . 17.06.09
Teste dalai-lama. . 17.06.09
Isabel Teixeira
 
Snef2007
Snef2007Snef2007
Snef2007
Isabel Teixeira
 
Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1
Isabel Teixeira
 
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitaçãoSimpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Isabel Teixeira
 
Silenciodosbons
SilenciodosbonsSilenciodosbons
Silenciodosbons
Isabel Teixeira
 
Shalom luc
Shalom lucShalom luc
Shalom luc
Isabel Teixeira
 
Serfelizeumadecisao ica
Serfelizeumadecisao icaSerfelizeumadecisao ica
Serfelizeumadecisao ica
Isabel Teixeira
 
Segundos auto-estima
Segundos auto-estimaSegundos auto-estima
Segundos auto-estima
Isabel Teixeira
 
Salmo 23
Salmo 23Salmo 23
Salmo 23
Isabel Teixeira
 
Sabes quem sou
Sabes quem souSabes quem sou
Sabes quem sou
Isabel Teixeira
 
Ryan hreljac
Ryan hreljacRyan hreljac
Ryan hreljac
Isabel Teixeira
 
Rotina
RotinaRotina
Remedio para-nao-envelhecer
Remedio para-nao-envelhecerRemedio para-nao-envelhecer
Remedio para-nao-envelhecer
Isabel Teixeira
 
Relacionamentos rubem alves
Relacionamentos   rubem alvesRelacionamentos   rubem alves
Relacionamentos rubem alves
Isabel Teixeira
 
Reflexopie
ReflexopieReflexopie
Reflexopie
Isabel Teixeira
 
Quatro meses
Quatro mesesQuatro meses
Quatro meses
Isabel Teixeira
 
Reflexões da vida
Reflexões da vidaReflexões da vida
Reflexões da vida
Isabel Teixeira
 
Rc aniversario
Rc aniversarioRc aniversario
Rc aniversario
Isabel Teixeira
 
Que saudades
Que saudadesQue saudades
Que saudades
Isabel Teixeira
 

Mais de Isabel Teixeira (20)

Teste da-mente
Teste da-menteTeste da-mente
Teste da-mente
 
Teste dalai-lama. . 17.06.09
Teste dalai-lama. . 17.06.09Teste dalai-lama. . 17.06.09
Teste dalai-lama. . 17.06.09
 
Snef2007
Snef2007Snef2007
Snef2007
 
Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1Sistema nervoso central acabado1
Sistema nervoso central acabado1
 
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitaçãoSimpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
Simpsio sulmatogrossense-de-neurocincias-e-reabilitação
 
Silenciodosbons
SilenciodosbonsSilenciodosbons
Silenciodosbons
 
Shalom luc
Shalom lucShalom luc
Shalom luc
 
Serfelizeumadecisao ica
Serfelizeumadecisao icaSerfelizeumadecisao ica
Serfelizeumadecisao ica
 
Segundos auto-estima
Segundos auto-estimaSegundos auto-estima
Segundos auto-estima
 
Salmo 23
Salmo 23Salmo 23
Salmo 23
 
Sabes quem sou
Sabes quem souSabes quem sou
Sabes quem sou
 
Ryan hreljac
Ryan hreljacRyan hreljac
Ryan hreljac
 
Rotina
RotinaRotina
Rotina
 
Remedio para-nao-envelhecer
Remedio para-nao-envelhecerRemedio para-nao-envelhecer
Remedio para-nao-envelhecer
 
Relacionamentos rubem alves
Relacionamentos   rubem alvesRelacionamentos   rubem alves
Relacionamentos rubem alves
 
Reflexopie
ReflexopieReflexopie
Reflexopie
 
Quatro meses
Quatro mesesQuatro meses
Quatro meses
 
Reflexões da vida
Reflexões da vidaReflexões da vida
Reflexões da vida
 
Rc aniversario
Rc aniversarioRc aniversario
Rc aniversario
 
Que saudades
Que saudadesQue saudades
Que saudades
 

Antidepressivos

  • 1. Depressão: Medicamentos Anti-depressivos e Estabilizadores do Humor Medicina – UFMG Copyright 1996-99 © Dale Carnegie & Associates, Inc.
  • 2. Depressão: o que é e o que não é Aqueles que sofrem de depressão têm mais que "tristeza", e esse sentimento pode durar por muito tempo. São muitos: 5% das pessoas têm depressão, e 10 a 20% vão sofrer de depressão. Cerca de 25% das mulheres e 10% dos homens vão sofrer de depressão em algum momento. 40 a 60% dos suicídios têm causa depressiva. Homens depressivos se suicidam 4 vezes mais que as mulheres.
  • 3. Sintomas Humor deprimido; Retardo/agitação psicomotora; Irritação; fadiga: Insônia ou sono exagerado; Pensamentos recorrentes sobre a morte. Dificuldade de concentração; Alterações de apetite; Sentimentos de culpa, desvalia, desamparo; Perda de interesse por várias atividades; Uso de álcool e/ou drogas.
  • 4. Relato de paciente depressivo “ Eu duvido completamente de minha habilidade de fazer qualquer coisa bem. Parece que minha mente está lentificada ao ponto de se tornar virtualmente inútil... Eu estou como que assombrado... Com a desesperança mais intensa. Outras pessoas dizem: ‘É só temporário, isso passará, você irá melhorar.’ Mas naturalmente, eles não têm a mínima idéia de como me sinto, embora tenham certeza disso. Se eu não posso sentir, me mover, pensar ou me importar, qual o sentido de tudo?”
  • 5. Por que algumas pessoas têm depressão? Os neurotransmissores ajudam a controlar as emoções. Os mensageiros principais são a serotonina, noradrenalina e dopamina. Os níveis deles aumentam ou diminuem, mudando nossas emoções. Quando os neurotransmissores encontram-se "em equilíbrio", sentimos a emoção certa para cada ocasião. Quando alguém está deprimido, os mensageiros químicos não estão em equilíbrio.
  • 6. Ainda não está claro por que isso ocorre em algumas pessoas e não em outras, mas parece que a depressão ocorre em certas famílias. Outros desencadeadores da depressão são eventos estressantes ou perdas, doenças físicas, níveis hormonais, uso de certos medicamentos, drogas, álcool. Tem-se observado grande aumento de casos de depressão em jovens e crianças.
  • 7. Modalidades de Tratamento Medicamento antidepressivo; Psicoterapia Medicamento antidepressivo associado a Psicoterapia.
  • 8. Neuroanatomia da Via Monoaminérgica
  • 9. Vias serotoninérgicas centrais As projeções dos neurônios serotoninérgicos se dirigem para quase todas as estruturas do prosencéfalo. Alguns núcleos projetam-se para o cerebelo e outros para a medula.
  • 10. Vias dopaminérgicas centrais Veja as projeções dos neurônios dopaminérgicos para o corpo estriado e área pré-frontal ventral.          
  • 11. Síntese de Noradrenalina A síntese da noradrenalina se inicia com a captação livre do aminoácido tirosina , que é transformada pela tirosina hidroxilase em L-DOPA e, posteriormente, pela ação da L-DOPA descarboxilase em dopamina . A dopamina é captada pelas vesículas sinápticas e, sob a ação da dopamina beta-hidroxilase , transformada em noradrenalina .
  • 12. Pós-sinapticamente, pode atuar em receptores chamados de alfa-1 , alfa-2 e beta . Existem ainda receptores pré-sinápticos noradrenérgicos inibitórios, de tipo alfa-2 . O principal mecanismo da retirada da noradrenalina da fenda sináptica é o da recaptação pelo terminal nervoso. Sua degradação intraneural ocorre pela enzima monoaminoxidase (MAO), sendo um de seus principais metabólitos o 3-metaxi-4-hidroxifeniletileno glicol (MHPG).
  • 14. Síntese Serotoninérgica A síntese da serotonina se inicia pela captação ativa do aminoácido triptofano . Ao sofrer ação da enzima triptofano hidroxilase , é transformada em 5-hidroxitriptofano e, quase imediatamente, transformada em 5-HT pela ação de uma descarboxilase de aminoácidos.
  • 15. Pós sinapticamente, pode atuar em vários tipos de receptores. Existem ainda receptores pré-sinápticos inibitórios, os de tipo 5-HT 1A . O principal mecanismo de retirada da 5-HT da fenda sináptica é a recaptação pelo terminal nervoso. Sua degradação intracelular ocorre pela enzima monoaminoxidase (MAO), sendo um de seus principais metabólitos o ácido 5-hidroxiindolacético.
  • 18. Com base em observações , Schildkraut e Kety propuseram, na década de 1960, que a depressão era causada por diminuição da noradrenalina cerebral , e que tratamentos antidepressivos eram eficazes por normalizar essa neurotransmissão. Pouco depois, Lapin e Oxenkrug propuseram algo semelhante em relação à serotonina . Estas duas propostas compõem o que pode ser denominada de teoria clássica da depressão.
  • 19. Mais recentemente, outras evidências têm corroborado a proposta de envolvimento da serotonina e/ou noradrenalina na fisiopatologia dos distúrbios afetivos. Estudos neuroendrócrinos, por exemplo, mostram que o aumento do hormônio hipofisário prolactina , induzido pelo aminoácido precursor da serotonina, o triptofano, ou por um liberador de serotonina, a fenfluramina, encontra-se atenuado em pacientes com depressão.
  • 20. Soma-se a isso a observação do grupo liderado por P. Delgado , de que uma privação aguda de 1-triptofano induz recidiva do quadro depressivo em 80% dos pacientes tratados com sucesso com drogas que bloqueiam seletivamente a recaptação de serotonina. Nesse estudo houve recidiva em pacientes que estavam sendo tratados com um bloqueador de recaptação de noradrenalina, sugerindo também um papel importante desse neurotransmissor.
  • 21. Classificação dos medicamentos empregados no tratamento de distúrbios afetivos
  • 22. Antidepressivos Tricíclicos : imipramina. Aumentam a disponibilidade dos neurotransmissores na fenda sináptica, inibindo a recaptação destas aminas pelos receptores pré-sinápticos. Parece haver também, com o uso prolongado dos tricíclicos, uma diminuição do número de receptores.
  • 23.  
  • 24.  
  • 25. Antidepressivos de segunda geração : grupo de drogas introduzidos mais recentemente na clínica. Incluem compostos como os inibidores seletivos de recaptação de serotonina ou noradrenalina, ou ambas. Inibidores da MAO . “ Estabilizadores” do humor : representados pelo lítio . Outras drogas que também são empregadas com essa finalidade são os anticonvulsionantes carbamazepina e ácido valpróico.
  • 26. Efeitos farmacológicos dos antidepressivos tricíclicos e de segunda geração
  • 27. Os tricíclicos são capazes de bloquear a recaptação neuronal de noradrenalina e/ou serotonina. A potência dos diferentes compostos tricíclicos e alguns dos novos antidepressivos em exercer esses bloqueios é bastante variável. Além do bloqueio de recaptação de monoaminas, muitos compostos antidepressivos possuem afinidade por diversos receptores , dos quais se destacam os muscarínicos, alfa-adrenérgicos e histamínicos. O bloqueio competitivo desses receptores é responsável por alguns dos efeitos colaterias destas drogas.
  • 28. Drogas antidepressivas sofrem biotransformação no fígado, que pode resultar, em alguns casos, em metabólitos ativos . Existe variação individual na capacidade do fígado de metabolizar os antidepressivos, chegando até a 10-30 vezes com algumas drogas, o que pode contribuir para a variação do aparecimento de efeitos farmacológicos, tanto terapêuticos quanto adversos.
  • 29. Os compostos de segunda geração possuem, usualmente, menor afinidade por aqueles receptores e, em consequência, menor incidência de efeitos colaterais como hipotensão postural, sedação e efeitos anticolinérgicos . No entanto, algumas exceções existem. Além de seus efeitos próprios, drogas antidepressivas podem produzir interações clinicamente significativas com outros fármacos .
  • 30. Efeitos da administração crônica de antidepressivos
  • 31. Antidepressivos necessitam de administração continuada por pelo menos 4 a 6 semanas antes de se tornarem evidentes. Os mecanismos responsáveis por essa latência têm sido intensamente pesquisados, na esperança tanto de permitir o desenvolvimento de novos fármacos com efeito antidepressivo mais rápido, como elucidar a neurobiologia da depressão. Os estudos realizados nestas últimas décadas mostraram que o uso crônico de antidepressivos leva a modificações em diversos sistemas cerebrais.
  • 32. Sistema Noradrenérgico Um efeito bastante comum é uma diminuição de adrenoceptores de tipo alfa-2 . Esses receptores funcionam como auto-receptores inibitórios. Com o uso prolongado da droga, ocorre diminuição dos receptores alfa-2 e o aparecimento de tolerância à inibição da atividade neuronal noradrenérgica. Nessa situação, o bloqueio da recaptação neuronal de noradrenalina levaria a um aumento maior dessa neurotransmissão.
  • 33. Sistema Serotoninérgico Estudos eletrofisiológicos sugerem que tratamentos prolongados com antidepressivos facilitam a neurotransmissão serotoninérgica. Os neurônios serotoninérgicos apresentam atividade espontânea que limita sua atividade. O aumento da atividade neuronal leva a aumento local de liberação de serotonina por dendritos ou axônios colaterais, a qual, atuando em auto-receptores, inibiria os neurônios serotoninérgicos.
  • 34. Os auto-receptores inibitórios localizados nos corpos celulares parecem ser, na maior parte, de tipo 5-HT 1A . Drogas antidepressivas, por bloquearem a recaptação de serotonina, potencializariam o efeito da serotonina nesses receptores, o que limitaria aumentos expressi-vos da neurotransmissão serotoninérgica no início do tratamento. A dessensibilização dos auto-receptores 5-HT 1A , pelo uso prolongado dessas drogas, permitiria então um real aumento da neurotransmissão serotoninérgica. Como esperado a partir dos resultados eletrofisiológicos, alguns antidepressivos causam diminuição de auto-receptores 5-HT 1A .
  • 35. Outros neurotransmissores Uma série de evidências experimentais sugere uma hiperatividade do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal (HHA) em pacientes com depressão. Investigadores têm procurado localizar o componente do eixo HHA que estaria desregulado. Até o momento as evidências apontam para o hormônio liberador de corticotrofina (CRH).
  • 36. O CRH liberado por esses neurônios estimula a liberação de corticotrofina (ACTH) pela hipófise, a qual, por sua vez, estimula a secreção de glicocorticóides pela adrenal. Além de estimular a secreção de ACTH, o CRH também atua como neurotransmissor em outros sistemas. Sua injeção intracerebroventricular produz alterações comportamentais como diminuição de apetite e libido, alterações psicomotoras e de sono e ansiedade , que lembram os sintomas observados em pacientes com depressão.
  • 37. Efeitos farmacológicos dos inibidores da MAO A MAO é uma enzima que transforma catecolaminas em seus respectivos aldeídos, e localiza-se principalmente na membrana externa das mitocôndrias. Pela sua localização, a MAO atua preferencialmente sobre o neurotransmissor que está “livre” no citoplasma, isto é, aquele que foi recaptado pelo terminal e que ainda não foi captado pelos grânulos, ou aquele que foi liberado pelos grânulos antes de passar pela membrana axonal.
  • 38. Os primeiros compostos utilizados clinicamente atuam como inibidores irreversíveis , mas um dos grandes problemas desse emprego é a interação com aminas simpatomiméticas, particularmente a tiramina . Essa substância atua indiretamente, liberando a noradrenalina de seus terminais. Ela está presente em grandes quantidades em determinados alimentos, como queijos fortes, certas carnes, vinho tinto e outros. Normalmente, a tiramina ingerida é degradada pela MAO, presente de forma abundante nas paredes intestinais e no fígado.
  • 39. No entanto, a inibição da MAO impede a degradação da tiramina que em grande quantidade atinge a circulação sistêmica, podendo causar ativação exagerada do sistema simpático, com o aparecimento de crises hipertensivas . Como a tiramina é degradada preferencialmente pela MAO-A, o deprenil foi introduzido na esperança de evitar o aparecimento de crises hipertensivas por interação com tiramina.
  • 40. Conclusão Ao lidar com um caso de depressão, deve-se respeitar as limitações do doente. Deve-se evitar o uso de drogas e álcool, que podem desencadear ou piorar a depressão, além de reduzir a eficácia de medicamentos ou produzir efeitos colaterais perigosos. Compreender que, assim como levou tempo para a depressão se desenvolver, também demorará algum tempo para que ela desapareça.
  • 41. Endereços na Internet http://www.mwtheng.com/infoviva.htm http://sites.uol.com.br/jayme_santos.htm http://cyberland.recife.softex.br/mental/depressão/
  • 42. Componentes do Grupo: Priscila Carla de Salles Rafael Campos Oliveira Ramsés Magalhães do Pau Brasil Rangel Dionízio Magalhães Thaís Costa Drumond Wagner José

Notas do Editor

  1. Freqüentemente, os apresentadores têm que mostrar um material de natureza técnica para um público que não está familiarizado com o tópico nem com o vocabulário. O material pode ser complexo ou cheio de detalhes. Para apresentar o material eficientemente, use as seguintes diretrizes da Dale Carnegie Training®.   Considere o tempo disponível e prepare-se para organizar seu material. Divida sua apresentação em segmentos claros. Siga uma progressão lógica. Mantenha seu foco constantemente. Feche a apresentação com um resumo, repetição das etapas-chave ou uma conclusão lógica.   Lembre-se do público constantemente. Por exemplo, certifique-se de que os dados estejam claros e que as informações sejam relevantes. Mantenha o nível de detalhes e vocabulário apropriados ao público. Use recursos visuais para dar suporte a etapas ou pontos-chave. Fique alerta às necessidades dos seus ouvintes e obterá um público mais receptivo.
  2. Na sua abertura, estabeleça a relevância do tópico para o público. Forneça uma breve visão da apresentação e estabeleça valores aos ouvintes. Leve em consideração o interesse e experiência do público em relação ao tópico ao escolher seu vocabulário, exemplos e ilustrações. Enfatize a importância do tópico para o seu público e você obterá ouvintes mais atentos.
  3. Se você possui vários pontos, etapas ou idéias-chave, use vários slides. Determine se o público compreenderá uma nova idéia, aprenderá um processo ou receberá uma profundidade maior de um conceito familiar. Baseia cada ponto com uma explicação adequada. Quando necessário, complemente sua apresentação com dados técnicos de suporte em papel ou em disco, correio eletrônico ou Internet. Desenvolva cada ponto adequadamente para comunicar-se com o público.
  4. Determine o melhor fechamento para o seu público e apresentação. Feche com um resumo; ofereça opções; recomende uma estratégia; sugira um plano; defina uma meta. Mantenha o seu foco durante sua apresentação e será mais fácil atingir sua finalidade.