SlideShare uma empresa Scribd logo
Psicofármacos
Psicofármacos
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
~
~
mais aceita!
DOENÇA PSIQUIÁTRICA MULTIFATORIAL,
caracterizada pelo transtorno de humor
4. Fatores externos
SINTOMAS Causas
40% da
suscetibilidade.
deficiência de noradrenalina,
serotonina e dopamina.
uso de drogas de
abuso e estilo de vida.
eventos estressantes como
luto, estresse e abusos.
Herança genética
1. 2. Hipótese
monoaminérgica
3. Fatores psicológicos
Subtipos
Humor depressivo
1.
sensação de tristeza,
autodesvalorização e
sentimento de culpa.
2. Insônia ou sonolência
insônia para depressão
terminal e sonolência para
atípica.
3. Apetite
aumentado ou
diminuído dependendo
do tipo de depressão.
4. Cansaço
falta de energia, preguiça ou
cansaço excessivo,
lentificação do pensamento.
Distimia
1.
2. Depressão Endógena
3. Depressão Atípica
4. Depressão Sazonal
5. Depressão Psicótica
6. Depressão Bipolar
quadro mais leve e crônico
por, no mínimo, dois anos
perda de interesse ou
prazer em atividades
inversão dos sintomas
comuns
desencadeada no início
do outono/inverno
quadro grave, com
delírios e alucinações
pacientes bipolares inicia a
doença com um episódio
depressivo fonte: https://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/depressao
O QUE É?
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRS)
Inibidores da Recaptação de Serotonina e Noradrenalina (IRSN)
Antidepressivos Atípicos
Antidepressivos Tricíclicos (ADT)
Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO)
1.
2.
3.
4.
5.
MEDICAMENTOS QUE AUMENTAM A
DISPONIBILIDADE DE NEUROTRANSMISSORES
RELACIONADOS AO bem-estar
uso
Início
Doses pequenas -
subdoses - para analisar
reação do organismo.
Progressão
Aumento gradativo da
dosagem para atingir o
efeito desejado.
diminui risco de
efeitos
adversos
MELHORA A
ADESÃO DO
MEDICAMENTO
TIPOS
Medicamento
escolhido para
iniciar
tratamento
FUNCIONAMENTO
A maior parte apresenta absorção oral razoavelmente
rápida, alcançando níveis plasmáticos em 2 a 3 horas.
São metabolizados pelo fígado e apresenta depuração
renal.
Eles não funcionam imediatamente. Dessa forma, o
alívio pode ser sentido após uma semana ou mais do
uso, mas o alívio máximo pode levar várias semanas.
2-3 semanas
para o início do
efeito
INDICAÇÕES
1.Transtornos de ansiedade e depressão
2.Controle da dor crônica
3.Transtorno disfórico pré-menstrual
4.Cessação do tabagismo
5.Transtornos alimentares
6.Enurese noturna em crianças
7.Problemas no desempenho sexual
fonte: https://www.hong.com.br/antidepressivos-o-que-e/
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
INIBIDORES SELETIVOS DE
RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA
1.Citalopam
2. Sertralina
3. Escitapram
Bloqueiam de forma seletiva a recaptação
de serotonina, levando ao aumento da
concentração do neurotransmissor na fenda
sináptica. Isso ocorre por estarem mais
disponíveis.
MECANISMO AÇÃO
Serotonina aumentada na
fenda sináptica
INDICAÇÕES
Depressão
Transtorno Obsessivo Compulsivo
Pânico
Ansiedade Generalizada
Estresse Pós-Traumático
Ansiedade Social
Bulimia Nervosa
Transtorno Disfórico Pré-Menstrual
FÁRMACOS
4. Fluoxetina
5. Fluvoamina
6. Paroxetina
mais prescritos
mundialmente
são mais seguros por
apresentar baixa
toxicidade e mínimos
efeitos anticolinérgicos
Fonte: https://www.sanarsaude.com/
EFEITOS ADVERSOS
Distúrbios do sono
Disfunções sexuais
Náuseas
Tremores
Perda ou ganho de peso
Reações dermatológicas
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
INIBIDORES DE RECAPTAÇÃO DE
SEROTONINA e noradrenalina
mecanismo ação
Depressão
Ansiedade
Fibromialgia
Pânico
Dor neuropática
FÁRMACOS
Náuseas
Cefaleia
Disfunções sexuais
Insônia
Tonturas
Sonolência
Agem no bloqueio da recaptação de
serotonina e noradrenalina, deixando-os
mais disponíveis na fenda sináptica
(aumento da quantidade).
Serotonina e noradrenalina
aumentadas na fenda sináptica
indicações
eficazes no tratamento
de depressão em
pacientes nos quais os
ISRSs foram ineficazes
1.Desvenlafaxina
2. Duloxetina
3. Levomilnaciprana
4. Venlafaxina
EFEITOS ADVERSOS
podem causar síndrome
de interrupção caso o
tratamento seja
suspenso de forma
súbita.
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
Efeitos adversos: náusea, sedação,
tontura, boca seca, cefaleia e fadiga.
São inibidores fracos da captação de
serotonina e antagonista a1-adrenérgico.
São sedativos, provavelmente devido à
potente atividade bloqueadora H1.
Inibidor da captação de serotonina
e agonista parcial em 5-HT1A
Seus efeitos adversos são
similares aos ISCS, com risco de
síndrome de descontinuação
grupo misto de fármacos que têm ação
em diferentes NEUROTRANSMISSORES
Inibe a captação de dopamina e
norepinefrina fraco com meia-vida fraca.
Efeitos adversos: boca seca, sudoração,
nervosismo e tremores
BUPROPRIONA
Auxilia na depressão além de diminuir o
vício por algumas substâncias
(nicotina).
o aumento da dose
dependente causa
risco de convulsões
MIRTAZAPINA
Aumenta a neurotransmissão de
serotonina e norepinefrina, servindo
como antagonista nos receptores
pré-sinápticos α2.
É sedativo devido à sua potente
atividade anti-histamínica H1.
Aumento do apetite e da massa
corporal, sendo uma vantagem para
depressão e insônia.
NEFAZODONA E
TRAZODONA
Vilazodona
vortioxetina
Combinação de inibição da
captação de serotonina, agonismo
5-HT1A e antagonismo 5-HT3 e 5-
HT7.
Seus efeitos adversos são náuseas,
vômito e constipação.
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
Os ADTs bloqueiam a captação de
norepinefrina e serotonina no neurônio
pré-sináptico, além de bloquear os
receptores serotoninérgicos, α-
adrenérgicos, histamínicos e muscarínicos.
mecanismo ação
Depressão moderada e grave
Pânico
Incontinência
Dores crônicas
Insônia
Transtorno Obsessivo Compulsivo
FÁRMACOS
Serotonina e noradrenalina
aumentadas na fenda sináptica
pela falta de recaptação
INDICAÇÕES
ADTs melhoram o
humor e o alerta
menta. Seu efeito
inicia após 2
semanas ou mais.
são lipofílicos e bem
absorvidos após
administração oral
Amitriptilina
Amoxapina
Clomipramina
Desipramina
Doxepina
Imipramina
Maprotilina
Nortriptina
Protriptilina
Trimipramina
EFEITOS ADVERSOS
Visão turva
Boca seca
Retenção urinária
Taquicardia sinusal
Constipação
Agravamento de glaucoma
Sedação
Convulsão
Ganho de peso
Disfunção sexual
Hipotensão
sua retirada deve ser
lenta para minimizar
a síndrome de
descontinuação
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
mecanismo ação
INIBIDORES Da monoaminoxidase
FÁRMACOS
Formam complexos estáveis, causando a
inativação irreversível da enzima
monoaminoxidase (MAO)
Isso causa o aumento da norepinefrina,
serotonina e dopamina nos neurônios e na
fenda sináptica.
MAO desamina
oxidativamente e inativa
qualquer excesso de
neurotransmissor
Fenelzina
Isocarboxazida
Selegilina
Tranilcipromina
INDICAÇÕES
Depressão que não responde aos ADTs
Ansiedade forte
Depressão atípica
Considerados fármacos
de última escolha, devido
ao risco de interações
entre fármacos e entre
fármaco e alimentos.
EFEITOS ADVERSOS
Cefaleia occiptal
Rigidez no pescoço
Taquicardia
Náuseas
Hipertensão
Arritmias
Convulsões
Sonolência
Hipotensão ortostática
Visão turva
Boca seca
Constipação
fármaco/alimento
Queijos
Carnes
Aves
Peixes
Vinhos
Possuem tiramina,
degradado pela MAO.
Com a inibição da enzima,
a tiramina fica livre e gera
catecolaminas
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
falta de concentração
incapacidade de relaxar
preocupações intensas
inquietação
taquicardia
sudorese
falta de ar
boca seca
Agorafobia
T. Obsessivo Compulsivo
O TRANSTORNO DE ANSIEDADE ESTÁ RELACIONADO A
preocupações, tensões ou medos exagerados e
constantes
SINTOMAS
Psicológico
1.
apreensão
medo
angústia
insônia
2. Físico
tremores
tensão muscular
tonturas
dores no peito
TRANSTORNOS
Ansiedade Generalizada
Fobia Social
Fobias Específicas
Pânico
T. Estresse Pós-Traumático
CAUSAS
Biológicas
1.
alterações em neurotransmissores
ou sistema límbico
2. Ambientais
situações familiares, de
trabalho ou financeiras
3. Psicológicas
situações traumáticas do
passado por medo de se repetir
fonte: https://bvsms.saude.gov.br/ansiedade/
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
medicamentos que agem como calmantes,
tratando diversos distúrbios mentais,
especialmente a ansiedade
INDICAÇÃO
Crise de ansiedade
Depressão
Insônia
T.O.C
Estresse pós-traumático
Síndrome de abstinência alcóolica
Transtorno disfórico pré-menstrual
Síndrome do pânico
Epilepsia ou convulsão
FUNCIONAMENTO
Atuam na neurotransmissão no Sistema
Nervoso Central, potencializando a ação o
neurotransmissor GABA.
O GABA produz sensação de calma e
relaxamento, modulando contrações
musculares e induzindo o sono.
uso
São administrados via oral, através de
comprimidos ou cápsulas, e por via
intravenosa.
Seus efeitos podem durar de 8 a 24h ou
mais, dependendo da meia-vida do
medicamento.
Redução dos estados
de ansiedade e de
agressividade
TIPOS
Benzodiazepínicos
Antagonista Benzodiazepínicos (Flumazenil)
Antidepressivos e Buspirona
Barbitúricos
Outros hipnóticos
1.
2.
3.
4.
5.
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
GRUPO DE medicamentos HIPNÓTICOS, ANSIOLÍTICOS
anticonvulsivantes e relaxantes musculares
GABA
Benzodiazepínico
α γ
Cl
-
Cl
- Cl
-
Cl -
INDICAÇÃO
Distúrbios de ansiedade
Distúrbios do sono
Amnésia
Convulsões
Distúrbios musculares
1.
2.
3.
4.
5.
MECANISMOS AÇÃO
Se ligam nas subunidades alfa e gama
dos receptores do GABAa e aumentam
a frequência da abertura dos canais
produzida por esse neurotransmissor.
A ligação GABA é
potencializada pelo
fármaco, resultando em
maior entrada de íons de
cloreto
FÁRMACOS
Alprazolam
Clonazepam
Clorazepate
Diazepam
Estazolan
Flurazepam
Lorazepam
Mdazolam
Oxazepam
Quasepam
Temazepam
Triazolam
Pode-se desenvolver
dependência física e
psicológica se doses
elevadas forem
administradas por longos
períodos.
efeitos adversos
Sedação
Confusão
Comprometimento cognitivo
Ataxia - doses elevadas
Raramente são letais em
casos de administração de
doses altas, a menos que
ingeridos com outros
depressores do SNC.
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
MEDICAMENTO ANTAGONISTA DO RECEPTOR
BENZODIAZEPÍNICO (GABA), CAPAZ DE REVERTER SEUS
EFEITOS
GABA
Benzodiazepínico
α γ
Flumazenil
Interrompe o efeito dos medicamentos
benzodiazepínicos no organismo. Pode ser
utilizado em casos de intoxicação pelo
fármaco ou para parar efeitos de
anestesia geral.
INDICAÇÕES
Compete com os benzodiazepínicos pela
ligação nos receptores GABA, revertendo o
efeito do fármaco (inibição competitiva).
mecanismo ação
uso
EFEITOS ADVERSOS
Administrado por via intravenosa
Início de ação rápido
Duração curta e meia-vida de 1 hora
Administrações frequentes
podem ser necessárias
para manter a reversão do
benzodiazepínico de longa
duração.
Tonturas
Náuseas
Vômito
Agitação
Convulsões
Pode causar
abstinência em
pacientes dependentes
dos benzodiazepínicos
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
agente ansiolítico e um agonista do receptor
de serotonina da classe azaspirodecanediona
Cefaleia
Nervosismo
Náuseas
Tonturas
As ações da buspirona parecem mediadas
pela ativação dos receptores de serotonina
(5-HT1A), embora também tenha
afinidade antagonista pelos receptores D2
da dopamina e 5-HT2A da serotonina.
Destinado ao tratamento de distúrbio
de ansiedade e no alívio a curto prazo
dos sintomas de ansiedade associada
ou não à depressão.
INDICAÇÕES
MODO DE AÇÃO
Início de ação lento
Ineficaz para tratamento de curta duração
Não possui propriedades anticonvulsivantes
Dependência é improvável
Não potencializa a depressão do SNC pelo
etanol.
EFEITO
Efeito ansiolítico de
2 a 3 semanas (lento)
EFEITOS ADVERSOS
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
MEDICAMENTOS com propriedades sedativas,
anestésicas, hipnóticas e anticonvulsivantes
Amobarbital
Fenobarbital
Pentobarbital
Secobarbital
Tiopental
No passado, eram indicados como
sedantes, induzindo e mantendo o sono
dos pacientes.
INDICAÇÕES
São utilizados em casos de epilepsia,
insônia, ansiedade e anestesia.
Induzem a tolerância e a
dependência física e
estão associados a
abstinência grave
FÁRMACOS
Administração por via
oral, intramuscular,
endovenoso, ou retal.
mecanismo ação
Interage com receptores GABAa,
potencializando a transmissão gabaérgica
na entrada do cloreto no neurônio, o que
porolonga o seu tempo de abertura.
Além disso, podem bloquear os
receptores excitatórios glutamato.
GABA
α γ
Barbitúricos
Cl
-
Cl
-
EFEITOS ADVERSOS
Sonolência
Dificuldade de concentração
Preguiça mental e física
Náuseas
Tonturas
provocam “ressaca”
comprometendo a
capacidade do paciente
de atuar normalmente
após despertar
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
Agonista seletivo dos subtipos de
receptores de melatonina MT1 e MT2
A melatonina é um
hormônio secretado pela
glândula pineal que auxilia
no ritmo circadiano e ciclo
sono-vigília normal.
ANTI-HISTAMÍNICO
Alguns possuem propriedades sedativas
Eficazes em insônias leves situacionais
e alergias - urticária
Sedação diurna
Vertigem
Excitação paradoxal
EFEITOS ADVERSOS
Antagonistas dos receptores H1,
impedindo a ação da histamina.
Difenidramina
Hidroxizina
Doxilamina
ESZOPICLONA
Atua no receptor benzodiazepínico (BZ1)
Eficácia contra insônia em adultos em
até 6 meses.
Meia-vida de eliminação = 6 horas
RAMELTEONA
drogas z
Ansiedade
Cefaleia
Boca seca
EFEITOS ADVERSOS
Edema periférico
Sonolência
Gosto desagradável
Indicada para tratamento de insônia na
dificuldade de começar a dormir.
Não foram observadas dependência ou
efeito de abstinência.
Tonturas
Fadiga
Sonolência
EFEITOS ADVERSOS
Incluem o Zaleplona (1h ação), Zolpidem
(2,5h ação) e Zopiclone (6h ação).
Agonistas da subunidade alfa 1 do
receptor GABA.
Indicados para tratar insônia
Cansaço
Sonolência
Cefaleia
Tontura
EFEITOS ADVERSOS
Baixa sedação com
baixo potencial de
dependência
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
3. Transtorno Ciclotímico
Sintomas hipomaníacos e depressivos
persistentes, persistindo pelo menos por 2
anos - forma leve
PATOLOGIA ASSOCIADA À OSCILAÇÃO DE HUMOR,
VARIANDO DA DEPRESSÃO (TRISTEZA PROFUNDA) ATÉ
MAINIA (EUFORIA EXTREMA)
SINTOMAS
Fase Maníaca ou Hipomania
1.
Fala compulsiva
Esquecimentos
Ganho de peso
Agitação psicomotora
Aumento da libido
Insônia
Hiperatividade
Gastos excessivos
Autoestima elevada
Delírios/alucinações
2. Fase Depressiva
Culpa excessiva
Impaciência
Alteração no apetite
Humor deprimido
Distúrbio do sono
Apatia
Ideias suicidas
Diminuição da libido
Isolamento social
Desinteresse
FATORES DE RISCO
Cada fase pode
durar semanas ou
meses
Histórico familiar
Anormalidades na função cerebral
Fatores ambientais - ex: traumas
Sexo - mais comum em mulheres
Anormalidades na função tireoide
Tendência a obesidade
Alterações no perfil lipídico
Estresse
Alterações no sono
Mudança na rotina
Doenças não controladas
FATORES QUE PODEM
DESENCADEAR
tipos
Transtorno Bipolar I
1.
Períodos de mania por 7 dias, alternados
com períodos deprimidos por semanas ou
meses
2. Transtorno Bipolar 2
Episódios depressivos e hipomaníacos,
porém, são mais leves e não interferem
totalmente no dia a dia
Fonte: https://www.promedmg.com.br/
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
primeiro medicamento classificado
como estabilizador de humor
INDICAÇÕES
Transtorno bipolar
Prevenção de mania recorrente
Prevenção da fase depressiva
Tratamento de hiperatividade psicomotora
MECANISMO AÇÃO
Seu mecanismo de ação ainda é
desconhecido, porém, sabe-se que ele afeta a
liberação de neurotransmissores,
normalizando o desequilíbrio iônico
1949
DESCOberto em
EFEITOS ADVERSOS
USO
Cefaleia
Boca seca
Sede excessiva
Poliúria
Distúrbios gastrointestinais
Tremores
Tonturas
Fadiga
Reações Dérmicas
Sedação
Possui baixo índice
terapêutico por
promover risco de
intoxicação
Administrado de forma oral, é recomendado
litemias entre 0,5 a 1,0 mEq/L, o que equivale
a doses aproximadas de 600-900 mg de
carbonato de lítio de liberação imediata.
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
MEDICAMENTO ANTICONVULSIVANTE e
antidepressivo
Bloqueia de forma especifica os canais
de sadios mais ativos e utilizados
durante o processo de despolarização e
propagação do estimulo entre os
neurônios
INDICAÇÕES
Epilepsia
Mania aguda
Distúrbio Bipolar
Síndrome de abstinência alcoólica
Neuralgia idiopática
Neuropatia diabética dolorosa
mecanismo ação
Aumenta a
sinalização do
GABA
EFEITOS ADVERSOS
Perda da coordenação motora
Discrasias sanguíneas
Hiponatremia
Inchaço nos memb. inferiores
Confusão
Tonturas
Tremores
USO
Os comprimidos e suspensão oral (deve
ser agitada antes do uso) podem ser
tomados durante, após ou entre as
refeições, possuindo liberação lenta e
controlada de substância ativa.
Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
anticonvulsivante e estabilizador do
humor
INDICAÇÕES
Convulsões
Epilepsia
Crise de ausência
Transtorno bipolar
Prevenção de crise de enxaqueca
MECANISMO AÇÃO
Aumenta os níveis do neurotransmissor
GABA no cérebro, além de inibir a
enzima que degrada o mesmo.
Bloqueiam os canais de sódio e inibem os
canais de cálcio tipo T no tálamo.
Bloqueiam as descargas neuronais nas
crises epilépticas a partir da redução do
glutamato.
EFEITOS ADVERSOS
Náuseas
Vômitos
Dor no estômago
Cefaleia
Tonturas
Tremor
Fraqueza
Visão borrada
Queda de cabelo
Aumento do peso
Sonolência
Diarreia
CONTRAINDICAÇÃO
Crianças com menos de 10 anos
Mulheres em amamentação
Uso de anticoagulante e anti-inflamatório
Pessoas com problemas no fígado
Doenças genéticas como distúrbio do ciclo da ureia
Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
tatiany ferreira de oliveira
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Farmacêutico Digital
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
Leonardo Souza
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
Dalvânia Santos
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Jaqueline Almeida
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
Maria Silene Silva
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
Ana Hollanders
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
Leonardo Souza
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
Carlos Collares
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Mauro Cunha Xavier Pinto
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
jaddy xavier
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Mauro Cunha Xavier Pinto
 

Mais procurados (20)

Aula - SNC - Antipsicóticos
Aula -  SNC - AntipsicóticosAula -  SNC - Antipsicóticos
Aula - SNC - Antipsicóticos
 
Agonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgicoAgonista e antagonista colinérgico
Agonista e antagonista colinérgico
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
5. sistema nervoso
5. sistema nervoso5. sistema nervoso
5. sistema nervoso
 
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOSANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
ANTI-INFLAMATÓRIOS e ANALGÉSICOS
 
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e HipnóticosAula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
Aula - SNC - Ansiolíticos e Hipnóticos
 
Farmacologia
FarmacologiaFarmacologia
Farmacologia
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Parassimpatomiméticos e Parassimpatol...
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
Introdução à Farmacologia
Introdução à FarmacologiaIntrodução à Farmacologia
Introdução à Farmacologia
 
Farmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagemFarmacologia para enfermagem
Farmacologia para enfermagem
 
Farmacologia Respiratória
Farmacologia RespiratóriaFarmacologia Respiratória
Farmacologia Respiratória
 
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso AutônomoAula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
Aula - SNA - Introdução ao Sistema Nervoso Autônomo
 
INTERAÇ
INTERAÇINTERAÇ
INTERAÇ
 
Farmacocinética básica
Farmacocinética básicaFarmacocinética básica
Farmacocinética básica
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores NeuromuscularesAula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
Aula - SNA - Farmacologia Colinérgica - Bloqueadores Neuromusculares
 
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidaisAula - Anti-inflamatórios esteróidais
Aula - Anti-inflamatórios esteróidais
 
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
Medicamentos Utilizados em Urgências e Emergências
 
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticosAula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
Aula - Farmacologia básica - Parâmetros farmacocinéticos
 

Semelhante a mapa-mental.pdf

f8edc7dd-b835-46d2-b259-009c7854fd59.pdf
f8edc7dd-b835-46d2-b259-009c7854fd59.pdff8edc7dd-b835-46d2-b259-009c7854fd59.pdf
f8edc7dd-b835-46d2-b259-009c7854fd59.pdf
DanieladeSouzaSilva1
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Cliomar Santos
 
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica centralFarmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Nome Sobrenome
 
microbiota intestinal.pdf
microbiota intestinal.pdfmicrobiota intestinal.pdf
microbiota intestinal.pdf
TreinadorMauroNery1
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
Marcelo Zanotti da Silva
 
Bupropiona
BupropionaBupropiona
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Isabel Teixeira
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Isabel Teixeira
 
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoFolheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Nucleo Nacional
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
Aroldo Gavioli
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Miriam Gorender
 
Depressão palestra uniplac
Depressão   palestra uniplacDepressão   palestra uniplac
Depressão palestra uniplac
eduardo guagliardi
 
Deseq Neur Endoc
Deseq Neur EndocDeseq Neur Endoc
Drogas SintéTicas
Drogas SintéTicasDrogas SintéTicas
Drogas SintéTicas
Iuri
 
Transtorno da ansiedade
Transtorno da ansiedadeTranstorno da ansiedade
Transtorno da ansiedade
Alany Silva
 
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Jucie Vasconcelos
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
Kimberly Casemiro
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
Rodolpho David
 
Tipos de depressão
Tipos de depressãoTipos de depressão
Tipos de depressão
Acqua Blue Fitnnes
 
farmacologia revisão sobre os farmacos antidepressivos.pdf
farmacologia revisão sobre os farmacos antidepressivos.pdffarmacologia revisão sobre os farmacos antidepressivos.pdf
farmacologia revisão sobre os farmacos antidepressivos.pdf
CsarAugusto461256
 

Semelhante a mapa-mental.pdf (20)

f8edc7dd-b835-46d2-b259-009c7854fd59.pdf
f8edc7dd-b835-46d2-b259-009c7854fd59.pdff8edc7dd-b835-46d2-b259-009c7854fd59.pdf
f8edc7dd-b835-46d2-b259-009c7854fd59.pdf
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica centralFarmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
Farmacologia da neurotransmissao serotoninergica e adrenergica central
 
microbiota intestinal.pdf
microbiota intestinal.pdfmicrobiota intestinal.pdf
microbiota intestinal.pdf
 
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3  antidepressivos
[Instituto Interage - Curso de Psicofarmacologia] Aula 3 antidepressivos
 
Bupropiona
BupropionaBupropiona
Bupropiona
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abusoFolheto explicativo sobre as drogas de abuso
Folheto explicativo sobre as drogas de abuso
 
psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2psicofarmacologia 2
psicofarmacologia 2
 
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análiseOs usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
Os usos e limites da psicofarmacologia e o paciente em análise
 
Depressão palestra uniplac
Depressão   palestra uniplacDepressão   palestra uniplac
Depressão palestra uniplac
 
Deseq Neur Endoc
Deseq Neur EndocDeseq Neur Endoc
Deseq Neur Endoc
 
Drogas SintéTicas
Drogas SintéTicasDrogas SintéTicas
Drogas SintéTicas
 
Transtorno da ansiedade
Transtorno da ansiedadeTranstorno da ansiedade
Transtorno da ansiedade
 
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)Farmacologia 10   antidepressivos - med resumos (dez-2011)
Farmacologia 10 antidepressivos - med resumos (dez-2011)
 
Antidepressivos
AntidepressivosAntidepressivos
Antidepressivos
 
Transtorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolarTranstorno afetivo bipolar
Transtorno afetivo bipolar
 
Tipos de depressão
Tipos de depressãoTipos de depressão
Tipos de depressão
 
farmacologia revisão sobre os farmacos antidepressivos.pdf
farmacologia revisão sobre os farmacos antidepressivos.pdffarmacologia revisão sobre os farmacos antidepressivos.pdf
farmacologia revisão sobre os farmacos antidepressivos.pdf
 

Mais de Luana Pereira

aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsxaula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
Luana Pereira
 
biossegurança e gerenciamento de residuos.pdf
biossegurança e gerenciamento de residuos.pdfbiossegurança e gerenciamento de residuos.pdf
biossegurança e gerenciamento de residuos.pdf
Luana Pereira
 
energias de ordem mecanica.pptx
energias de ordem mecanica.pptxenergias de ordem mecanica.pptx
energias de ordem mecanica.pptx
Luana Pereira
 
O QUE FAZ O AML.pptx
O QUE FAZ O AML.pptxO QUE FAZ O AML.pptx
O QUE FAZ O AML.pptx
Luana Pereira
 
Biossegurança e Gerenciamento de residuos.pdf
Biossegurança e Gerenciamento de residuos.pdfBiossegurança e Gerenciamento de residuos.pdf
Biossegurança e Gerenciamento de residuos.pdf
Luana Pereira
 
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA.pdf
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA.pdfNOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA.pdf
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA.pdf
Luana Pereira
 
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdfAULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
Luana Pereira
 
Sistema Digestório1.pdf
Sistema Digestório1.pdfSistema Digestório1.pdf
Sistema Digestório1.pdf
Luana Pereira
 
introdução a fotografia forense.ppt
introdução a fotografia forense.pptintrodução a fotografia forense.ppt
introdução a fotografia forense.ppt
Luana Pereira
 
O QUE FAZ O AML.pdf
O QUE FAZ O AML.pdfO QUE FAZ O AML.pdf
O QUE FAZ O AML.pdf
Luana Pereira
 

Mais de Luana Pereira (10)

aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsxaula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
aula sobre biologia(introdução) e ossos.ppsx
 
biossegurança e gerenciamento de residuos.pdf
biossegurança e gerenciamento de residuos.pdfbiossegurança e gerenciamento de residuos.pdf
biossegurança e gerenciamento de residuos.pdf
 
energias de ordem mecanica.pptx
energias de ordem mecanica.pptxenergias de ordem mecanica.pptx
energias de ordem mecanica.pptx
 
O QUE FAZ O AML.pptx
O QUE FAZ O AML.pptxO QUE FAZ O AML.pptx
O QUE FAZ O AML.pptx
 
Biossegurança e Gerenciamento de residuos.pdf
Biossegurança e Gerenciamento de residuos.pdfBiossegurança e Gerenciamento de residuos.pdf
Biossegurança e Gerenciamento de residuos.pdf
 
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA.pdf
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA.pdfNOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA.pdf
NOÇÕES DE CRIMINALÍSTICA.pdf
 
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdfAULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
AULA DE BIOSSEGURANÇA.pdf
 
Sistema Digestório1.pdf
Sistema Digestório1.pdfSistema Digestório1.pdf
Sistema Digestório1.pdf
 
introdução a fotografia forense.ppt
introdução a fotografia forense.pptintrodução a fotografia forense.ppt
introdução a fotografia forense.ppt
 
O QUE FAZ O AML.pdf
O QUE FAZ O AML.pdfO QUE FAZ O AML.pdf
O QUE FAZ O AML.pdf
 

Último

Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúdePompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
FernandaCastro768379
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
sidneyjmg
 
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdfCartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Camila Lorranna
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
SusanaMatos22
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
jhordana1
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
DiegoFernandes857616
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
Manuel Pacheco Vieira
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
AllanNovais4
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
BeatrizLittig1
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
jhordana1
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
sidneyjmg
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
ccursog
 

Último (12)

Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúdePompoarismo - uma abordagem para a saúde
Pompoarismo - uma abordagem para a saúde
 
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na EnfermagemMICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA na Enfermagem
 
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdfCartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
Cartilha Digital exercícios para OMBRO.pdf
 
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
643727227-7233-Afetvidade-e-sexualidade-das-pessoas-com-deficie-ncia-mental.pptx
 
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdfTeoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
Teoria de enfermagem de Callista Roy.pdf
 
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptxAULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
AULA BANHO NO LEITO DE ENFERMAGEM...pptx
 
higienização de espaços e equipamentos
higienização de    espaços e equipamentoshigienização de    espaços e equipamentos
higienização de espaços e equipamentos
 
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed FísicaPrincipios do treinamento desportivo. Ed Física
Principios do treinamento desportivo. Ed Física
 
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptxBioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
Bioquímica [Salvo automaticamente] [Salvo automaticamente].pptx
 
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
8. Medicamentos que atuam no Sistema Endócrino.pdf
 
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagemHistoria de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
Historia de FLORENCE NIGHTINGALE na enfermagem
 
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptxdoenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
doenças transmitidas pelas arboviroses ARBOVIROSES - GALGON.pptx
 

mapa-mental.pdf

  • 2. ~ ~ mais aceita! DOENÇA PSIQUIÁTRICA MULTIFATORIAL, caracterizada pelo transtorno de humor 4. Fatores externos SINTOMAS Causas 40% da suscetibilidade. deficiência de noradrenalina, serotonina e dopamina. uso de drogas de abuso e estilo de vida. eventos estressantes como luto, estresse e abusos. Herança genética 1. 2. Hipótese monoaminérgica 3. Fatores psicológicos Subtipos Humor depressivo 1. sensação de tristeza, autodesvalorização e sentimento de culpa. 2. Insônia ou sonolência insônia para depressão terminal e sonolência para atípica. 3. Apetite aumentado ou diminuído dependendo do tipo de depressão. 4. Cansaço falta de energia, preguiça ou cansaço excessivo, lentificação do pensamento. Distimia 1. 2. Depressão Endógena 3. Depressão Atípica 4. Depressão Sazonal 5. Depressão Psicótica 6. Depressão Bipolar quadro mais leve e crônico por, no mínimo, dois anos perda de interesse ou prazer em atividades inversão dos sintomas comuns desencadeada no início do outono/inverno quadro grave, com delírios e alucinações pacientes bipolares inicia a doença com um episódio depressivo fonte: https://antigo.saude.gov.br/saude-de-a-z/depressao O QUE É? Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 3. Inibidores Seletivos da Recaptação de Serotonina (ISRS) Inibidores da Recaptação de Serotonina e Noradrenalina (IRSN) Antidepressivos Atípicos Antidepressivos Tricíclicos (ADT) Inibidores da Monoaminoxidase (IMAO) 1. 2. 3. 4. 5. MEDICAMENTOS QUE AUMENTAM A DISPONIBILIDADE DE NEUROTRANSMISSORES RELACIONADOS AO bem-estar uso Início Doses pequenas - subdoses - para analisar reação do organismo. Progressão Aumento gradativo da dosagem para atingir o efeito desejado. diminui risco de efeitos adversos MELHORA A ADESÃO DO MEDICAMENTO TIPOS Medicamento escolhido para iniciar tratamento FUNCIONAMENTO A maior parte apresenta absorção oral razoavelmente rápida, alcançando níveis plasmáticos em 2 a 3 horas. São metabolizados pelo fígado e apresenta depuração renal. Eles não funcionam imediatamente. Dessa forma, o alívio pode ser sentido após uma semana ou mais do uso, mas o alívio máximo pode levar várias semanas. 2-3 semanas para o início do efeito INDICAÇÕES 1.Transtornos de ansiedade e depressão 2.Controle da dor crônica 3.Transtorno disfórico pré-menstrual 4.Cessação do tabagismo 5.Transtornos alimentares 6.Enurese noturna em crianças 7.Problemas no desempenho sexual fonte: https://www.hong.com.br/antidepressivos-o-que-e/ Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 4. INIBIDORES SELETIVOS DE RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA 1.Citalopam 2. Sertralina 3. Escitapram Bloqueiam de forma seletiva a recaptação de serotonina, levando ao aumento da concentração do neurotransmissor na fenda sináptica. Isso ocorre por estarem mais disponíveis. MECANISMO AÇÃO Serotonina aumentada na fenda sináptica INDICAÇÕES Depressão Transtorno Obsessivo Compulsivo Pânico Ansiedade Generalizada Estresse Pós-Traumático Ansiedade Social Bulimia Nervosa Transtorno Disfórico Pré-Menstrual FÁRMACOS 4. Fluoxetina 5. Fluvoamina 6. Paroxetina mais prescritos mundialmente são mais seguros por apresentar baixa toxicidade e mínimos efeitos anticolinérgicos Fonte: https://www.sanarsaude.com/ EFEITOS ADVERSOS Distúrbios do sono Disfunções sexuais Náuseas Tremores Perda ou ganho de peso Reações dermatológicas Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 5. INIBIDORES DE RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA e noradrenalina mecanismo ação Depressão Ansiedade Fibromialgia Pânico Dor neuropática FÁRMACOS Náuseas Cefaleia Disfunções sexuais Insônia Tonturas Sonolência Agem no bloqueio da recaptação de serotonina e noradrenalina, deixando-os mais disponíveis na fenda sináptica (aumento da quantidade). Serotonina e noradrenalina aumentadas na fenda sináptica indicações eficazes no tratamento de depressão em pacientes nos quais os ISRSs foram ineficazes 1.Desvenlafaxina 2. Duloxetina 3. Levomilnaciprana 4. Venlafaxina EFEITOS ADVERSOS podem causar síndrome de interrupção caso o tratamento seja suspenso de forma súbita. Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 6. Efeitos adversos: náusea, sedação, tontura, boca seca, cefaleia e fadiga. São inibidores fracos da captação de serotonina e antagonista a1-adrenérgico. São sedativos, provavelmente devido à potente atividade bloqueadora H1. Inibidor da captação de serotonina e agonista parcial em 5-HT1A Seus efeitos adversos são similares aos ISCS, com risco de síndrome de descontinuação grupo misto de fármacos que têm ação em diferentes NEUROTRANSMISSORES Inibe a captação de dopamina e norepinefrina fraco com meia-vida fraca. Efeitos adversos: boca seca, sudoração, nervosismo e tremores BUPROPRIONA Auxilia na depressão além de diminuir o vício por algumas substâncias (nicotina). o aumento da dose dependente causa risco de convulsões MIRTAZAPINA Aumenta a neurotransmissão de serotonina e norepinefrina, servindo como antagonista nos receptores pré-sinápticos α2. É sedativo devido à sua potente atividade anti-histamínica H1. Aumento do apetite e da massa corporal, sendo uma vantagem para depressão e insônia. NEFAZODONA E TRAZODONA Vilazodona vortioxetina Combinação de inibição da captação de serotonina, agonismo 5-HT1A e antagonismo 5-HT3 e 5- HT7. Seus efeitos adversos são náuseas, vômito e constipação. Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 7. Os ADTs bloqueiam a captação de norepinefrina e serotonina no neurônio pré-sináptico, além de bloquear os receptores serotoninérgicos, α- adrenérgicos, histamínicos e muscarínicos. mecanismo ação Depressão moderada e grave Pânico Incontinência Dores crônicas Insônia Transtorno Obsessivo Compulsivo FÁRMACOS Serotonina e noradrenalina aumentadas na fenda sináptica pela falta de recaptação INDICAÇÕES ADTs melhoram o humor e o alerta menta. Seu efeito inicia após 2 semanas ou mais. são lipofílicos e bem absorvidos após administração oral Amitriptilina Amoxapina Clomipramina Desipramina Doxepina Imipramina Maprotilina Nortriptina Protriptilina Trimipramina EFEITOS ADVERSOS Visão turva Boca seca Retenção urinária Taquicardia sinusal Constipação Agravamento de glaucoma Sedação Convulsão Ganho de peso Disfunção sexual Hipotensão sua retirada deve ser lenta para minimizar a síndrome de descontinuação Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 8. mecanismo ação INIBIDORES Da monoaminoxidase FÁRMACOS Formam complexos estáveis, causando a inativação irreversível da enzima monoaminoxidase (MAO) Isso causa o aumento da norepinefrina, serotonina e dopamina nos neurônios e na fenda sináptica. MAO desamina oxidativamente e inativa qualquer excesso de neurotransmissor Fenelzina Isocarboxazida Selegilina Tranilcipromina INDICAÇÕES Depressão que não responde aos ADTs Ansiedade forte Depressão atípica Considerados fármacos de última escolha, devido ao risco de interações entre fármacos e entre fármaco e alimentos. EFEITOS ADVERSOS Cefaleia occiptal Rigidez no pescoço Taquicardia Náuseas Hipertensão Arritmias Convulsões Sonolência Hipotensão ortostática Visão turva Boca seca Constipação fármaco/alimento Queijos Carnes Aves Peixes Vinhos Possuem tiramina, degradado pela MAO. Com a inibição da enzima, a tiramina fica livre e gera catecolaminas Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 9. falta de concentração incapacidade de relaxar preocupações intensas inquietação taquicardia sudorese falta de ar boca seca Agorafobia T. Obsessivo Compulsivo O TRANSTORNO DE ANSIEDADE ESTÁ RELACIONADO A preocupações, tensões ou medos exagerados e constantes SINTOMAS Psicológico 1. apreensão medo angústia insônia 2. Físico tremores tensão muscular tonturas dores no peito TRANSTORNOS Ansiedade Generalizada Fobia Social Fobias Específicas Pânico T. Estresse Pós-Traumático CAUSAS Biológicas 1. alterações em neurotransmissores ou sistema límbico 2. Ambientais situações familiares, de trabalho ou financeiras 3. Psicológicas situações traumáticas do passado por medo de se repetir fonte: https://bvsms.saude.gov.br/ansiedade/ Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 10. medicamentos que agem como calmantes, tratando diversos distúrbios mentais, especialmente a ansiedade INDICAÇÃO Crise de ansiedade Depressão Insônia T.O.C Estresse pós-traumático Síndrome de abstinência alcóolica Transtorno disfórico pré-menstrual Síndrome do pânico Epilepsia ou convulsão FUNCIONAMENTO Atuam na neurotransmissão no Sistema Nervoso Central, potencializando a ação o neurotransmissor GABA. O GABA produz sensação de calma e relaxamento, modulando contrações musculares e induzindo o sono. uso São administrados via oral, através de comprimidos ou cápsulas, e por via intravenosa. Seus efeitos podem durar de 8 a 24h ou mais, dependendo da meia-vida do medicamento. Redução dos estados de ansiedade e de agressividade TIPOS Benzodiazepínicos Antagonista Benzodiazepínicos (Flumazenil) Antidepressivos e Buspirona Barbitúricos Outros hipnóticos 1. 2. 3. 4. 5. Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 11. GRUPO DE medicamentos HIPNÓTICOS, ANSIOLÍTICOS anticonvulsivantes e relaxantes musculares GABA Benzodiazepínico α γ Cl - Cl - Cl - Cl - INDICAÇÃO Distúrbios de ansiedade Distúrbios do sono Amnésia Convulsões Distúrbios musculares 1. 2. 3. 4. 5. MECANISMOS AÇÃO Se ligam nas subunidades alfa e gama dos receptores do GABAa e aumentam a frequência da abertura dos canais produzida por esse neurotransmissor. A ligação GABA é potencializada pelo fármaco, resultando em maior entrada de íons de cloreto FÁRMACOS Alprazolam Clonazepam Clorazepate Diazepam Estazolan Flurazepam Lorazepam Mdazolam Oxazepam Quasepam Temazepam Triazolam Pode-se desenvolver dependência física e psicológica se doses elevadas forem administradas por longos períodos. efeitos adversos Sedação Confusão Comprometimento cognitivo Ataxia - doses elevadas Raramente são letais em casos de administração de doses altas, a menos que ingeridos com outros depressores do SNC. Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 12. MEDICAMENTO ANTAGONISTA DO RECEPTOR BENZODIAZEPÍNICO (GABA), CAPAZ DE REVERTER SEUS EFEITOS GABA Benzodiazepínico α γ Flumazenil Interrompe o efeito dos medicamentos benzodiazepínicos no organismo. Pode ser utilizado em casos de intoxicação pelo fármaco ou para parar efeitos de anestesia geral. INDICAÇÕES Compete com os benzodiazepínicos pela ligação nos receptores GABA, revertendo o efeito do fármaco (inibição competitiva). mecanismo ação uso EFEITOS ADVERSOS Administrado por via intravenosa Início de ação rápido Duração curta e meia-vida de 1 hora Administrações frequentes podem ser necessárias para manter a reversão do benzodiazepínico de longa duração. Tonturas Náuseas Vômito Agitação Convulsões Pode causar abstinência em pacientes dependentes dos benzodiazepínicos Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 13. agente ansiolítico e um agonista do receptor de serotonina da classe azaspirodecanediona Cefaleia Nervosismo Náuseas Tonturas As ações da buspirona parecem mediadas pela ativação dos receptores de serotonina (5-HT1A), embora também tenha afinidade antagonista pelos receptores D2 da dopamina e 5-HT2A da serotonina. Destinado ao tratamento de distúrbio de ansiedade e no alívio a curto prazo dos sintomas de ansiedade associada ou não à depressão. INDICAÇÕES MODO DE AÇÃO Início de ação lento Ineficaz para tratamento de curta duração Não possui propriedades anticonvulsivantes Dependência é improvável Não potencializa a depressão do SNC pelo etanol. EFEITO Efeito ansiolítico de 2 a 3 semanas (lento) EFEITOS ADVERSOS Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 14. MEDICAMENTOS com propriedades sedativas, anestésicas, hipnóticas e anticonvulsivantes Amobarbital Fenobarbital Pentobarbital Secobarbital Tiopental No passado, eram indicados como sedantes, induzindo e mantendo o sono dos pacientes. INDICAÇÕES São utilizados em casos de epilepsia, insônia, ansiedade e anestesia. Induzem a tolerância e a dependência física e estão associados a abstinência grave FÁRMACOS Administração por via oral, intramuscular, endovenoso, ou retal. mecanismo ação Interage com receptores GABAa, potencializando a transmissão gabaérgica na entrada do cloreto no neurônio, o que porolonga o seu tempo de abertura. Além disso, podem bloquear os receptores excitatórios glutamato. GABA α γ Barbitúricos Cl - Cl - EFEITOS ADVERSOS Sonolência Dificuldade de concentração Preguiça mental e física Náuseas Tonturas provocam “ressaca” comprometendo a capacidade do paciente de atuar normalmente após despertar Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 15. Agonista seletivo dos subtipos de receptores de melatonina MT1 e MT2 A melatonina é um hormônio secretado pela glândula pineal que auxilia no ritmo circadiano e ciclo sono-vigília normal. ANTI-HISTAMÍNICO Alguns possuem propriedades sedativas Eficazes em insônias leves situacionais e alergias - urticária Sedação diurna Vertigem Excitação paradoxal EFEITOS ADVERSOS Antagonistas dos receptores H1, impedindo a ação da histamina. Difenidramina Hidroxizina Doxilamina ESZOPICLONA Atua no receptor benzodiazepínico (BZ1) Eficácia contra insônia em adultos em até 6 meses. Meia-vida de eliminação = 6 horas RAMELTEONA drogas z Ansiedade Cefaleia Boca seca EFEITOS ADVERSOS Edema periférico Sonolência Gosto desagradável Indicada para tratamento de insônia na dificuldade de começar a dormir. Não foram observadas dependência ou efeito de abstinência. Tonturas Fadiga Sonolência EFEITOS ADVERSOS Incluem o Zaleplona (1h ação), Zolpidem (2,5h ação) e Zopiclone (6h ação). Agonistas da subunidade alfa 1 do receptor GABA. Indicados para tratar insônia Cansaço Sonolência Cefaleia Tontura EFEITOS ADVERSOS Baixa sedação com baixo potencial de dependência Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 16. 3. Transtorno Ciclotímico Sintomas hipomaníacos e depressivos persistentes, persistindo pelo menos por 2 anos - forma leve PATOLOGIA ASSOCIADA À OSCILAÇÃO DE HUMOR, VARIANDO DA DEPRESSÃO (TRISTEZA PROFUNDA) ATÉ MAINIA (EUFORIA EXTREMA) SINTOMAS Fase Maníaca ou Hipomania 1. Fala compulsiva Esquecimentos Ganho de peso Agitação psicomotora Aumento da libido Insônia Hiperatividade Gastos excessivos Autoestima elevada Delírios/alucinações 2. Fase Depressiva Culpa excessiva Impaciência Alteração no apetite Humor deprimido Distúrbio do sono Apatia Ideias suicidas Diminuição da libido Isolamento social Desinteresse FATORES DE RISCO Cada fase pode durar semanas ou meses Histórico familiar Anormalidades na função cerebral Fatores ambientais - ex: traumas Sexo - mais comum em mulheres Anormalidades na função tireoide Tendência a obesidade Alterações no perfil lipídico Estresse Alterações no sono Mudança na rotina Doenças não controladas FATORES QUE PODEM DESENCADEAR tipos Transtorno Bipolar I 1. Períodos de mania por 7 dias, alternados com períodos deprimidos por semanas ou meses 2. Transtorno Bipolar 2 Episódios depressivos e hipomaníacos, porém, são mais leves e não interferem totalmente no dia a dia Fonte: https://www.promedmg.com.br/ Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 17. primeiro medicamento classificado como estabilizador de humor INDICAÇÕES Transtorno bipolar Prevenção de mania recorrente Prevenção da fase depressiva Tratamento de hiperatividade psicomotora MECANISMO AÇÃO Seu mecanismo de ação ainda é desconhecido, porém, sabe-se que ele afeta a liberação de neurotransmissores, normalizando o desequilíbrio iônico 1949 DESCOberto em EFEITOS ADVERSOS USO Cefaleia Boca seca Sede excessiva Poliúria Distúrbios gastrointestinais Tremores Tonturas Fadiga Reações Dérmicas Sedação Possui baixo índice terapêutico por promover risco de intoxicação Administrado de forma oral, é recomendado litemias entre 0,5 a 1,0 mEq/L, o que equivale a doses aproximadas de 600-900 mg de carbonato de lítio de liberação imediata. Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 18. MEDICAMENTO ANTICONVULSIVANTE e antidepressivo Bloqueia de forma especifica os canais de sadios mais ativos e utilizados durante o processo de despolarização e propagação do estimulo entre os neurônios INDICAÇÕES Epilepsia Mania aguda Distúrbio Bipolar Síndrome de abstinência alcoólica Neuralgia idiopática Neuropatia diabética dolorosa mecanismo ação Aumenta a sinalização do GABA EFEITOS ADVERSOS Perda da coordenação motora Discrasias sanguíneas Hiponatremia Inchaço nos memb. inferiores Confusão Tonturas Tremores USO Os comprimidos e suspensão oral (deve ser agitada antes do uso) podem ser tomados durante, após ou entre as refeições, possuindo liberação lenta e controlada de substância ativa. Fonte: Farmacologia Ilustrada - Karen Whalen Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -
  • 19. anticonvulsivante e estabilizador do humor INDICAÇÕES Convulsões Epilepsia Crise de ausência Transtorno bipolar Prevenção de crise de enxaqueca MECANISMO AÇÃO Aumenta os níveis do neurotransmissor GABA no cérebro, além de inibir a enzima que degrada o mesmo. Bloqueiam os canais de sódio e inibem os canais de cálcio tipo T no tálamo. Bloqueiam as descargas neuronais nas crises epilépticas a partir da redução do glutamato. EFEITOS ADVERSOS Náuseas Vômitos Dor no estômago Cefaleia Tonturas Tremor Fraqueza Visão borrada Queda de cabelo Aumento do peso Sonolência Diarreia CONTRAINDICAÇÃO Crianças com menos de 10 anos Mulheres em amamentação Uso de anticoagulante e anti-inflamatório Pessoas com problemas no fígado Doenças genéticas como distúrbio do ciclo da ureia Licenciado para - Elisangela Luana Pereira -