SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Romantismo
2ª geração na europa
“A característica mais evidente
desta geração é o
sentimentalismo; é a
supervalorização das emoções
pessoais: nessa geração é o
interior humano que conta, o
subjetivismo”
“Esta geração surgiu na década de 1850, quando o nacionalismo e o
indianismo deixavam de fascinar a juventude”.
subjetivismo
conflito
interior
egocentrismo
“À medida que a busca dos
valores pessoais se intensifica
(como o culto do individualismo),
perde-se a consciência do
coletivo social. A excessiva
valorização do "eu" gera o
egocentrismo: o ego como
centro do universo”.
“Evidentemente, surge
aí um choque entre a
realidade objetiva
e o mundo interior do
poeta”
a evasão Romântica
Para tentar amenizar o conflito entre realidade x mundo interior,
o romântico se utiliza de “fugas”:
 Fuga da realidade através do sonho, do álcool, do ópio;
 Fuga através do tempo, relembrando a infância;
 Fuga ideológica ao criar sociedades secretas e perfeitas;
 Fuga eterna e sem volta: a morte.
2ª geração romântica e suas denominações
Geração
Ultrarromântica
• por levar os ideais românticos ao extremo.
Geração
Byroniana
• por ver em Lord Byron um modelo de busca pelo
extravasamento íntimo.
Geração do
Mal do Século
• pelo fato de quase todos os seus integrantes morreram
precocemente.
Byronismo
A 2ª geração foi i
nfluenciada pelo inglês
George Gordon Noel Byron,
autor visto como modelo de
“rebeldia moral, de recusa à
insipidez da vida cotidiana e
de busca de novas formas de
sensualidade e de afeto”.
quotes
“A recordação da alegria
já não é alegria.
Enquanto a da dor,
ainda é dor”
“O ódio é o prazer mais duradouro.
Os homens amam com pressa, mas
odeiam com calma”
“na vida do homem o amor é uma
coisa a parte. Na da mulher, é a
vida toda.”
Obra Byroniana
SHE walks in beauty, like the night
Of cloudless climes and starry skies,
And all that's best of dark and bright
Meets in her aspect and her eyes;
Thus mellow'd to that tender light
Which Heaven to gaudy day denies.
One shade the more, one ray the less,
Had half impair'd the nameless grace
Which waves in every raven tress
Or softly lightens o'er her face,
Where thoughts serenely sweet express
How pure, how dear their dwelling-place.
And on that cheek and o'er that brow
So soft, so calm, yet eloquent,
The smiles that win, the tints that glow,
But tell of days in goodness spent,—
A mind at peace with all below,
A heart whose love is innocent.
She walks in beauty
Obra Byroniana
Ela caminha em beleza como a noite
De clima sem nuvens e céu estrelado;
E todo a perfeição da escuridão e da luz encontra-se
Em seu semblante e seus olhos
Dessa forma enternecida até esta luz suave
Que o céus ao dia fúlgido negam.
Uma sombra a mais, um raio a menos
Teria parcialmente danificado a indescritível beleza
Que ondula em cada negra trança de seu cabelo
E ternamente brilha em seu rosto;
Onde os pensamentos serenamente expressam
Quão puro, quão querido é o lugar que habitam.
E nessa face, e sobre essa fronte
Tão gentil, tão suave contudo eloqüente,
Jazem o sorriso que conquista, as cores que
dardejam
Mas que falam de dias em benevolência passados
Uma mente em paz com tudo
Um coração cujo amor é inocente.
Tradução de Wagner Primo
Trevas
Tive um sonho que em tudo não foi sonho!...
O sol brilhante se apagava: e os astros,
Do eterno espaço na penumbra escura,
Sem raios, e sem trilhos, vagueavam.
A terra fria balouçava cega
E tétrica no espaço ermo de lua.
(...)
Lúgubre grito os pássaros selvagens
Soltavam, revoando espavoridos
Num vôo tonto co'as inúteis asas!
As feras 'stavam mansas e medrosas!
As víboras rojando s'enroscavam
Pelos membros dos homens, sibilantes,
Mas sem veneno... a fome lhes matavam! (...)Tradução de Castro Alves
https://www.youtube.com/watch?v=K6Q89z9FS-0&spfreload=1
“Fato sempre lembrado desta
geração é a dramática coincidência
de quase todos os seus integrantes
morrerem na faixa dos vinte e
poucos anos. Versos soltos e alguns
poemas parecem alimentar a
suspeita de que esses jovens
cultivavam idéias suicidas. No
entanto, todos eles - à parte o caso
mais complexo de Álvares de
Azevedo - foram vitimados por
doenças então incuráveis e
manifestaram grande horror perante
a morte. Não se sustenta, portanto, a
idéia de um suicídio coletivo
geracional”.
Coincidência Macabra
Obras marcantes do ultrarromantismo europeu e
no Brasil
Fontes de Pesquisa
http://educaterra.terra.com.br/literatura
http://www.spectrumgothic.com.br/literatura/ultraromantismo.htm
http://educacao.globo.com/artigo/lord-byron-inspiracao-para-o-poetas-
ultrarromanticos-brasileiros.html
http://www.carcasse.com/letras/obra.php?obra=212
Organização e pesquisa
Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria
Contato: clauheloisa@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
nagelaviana
 

Mais procurados (20)

Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo NetoMorte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
Morte e Vida Severina - João Cabral de Melo Neto
 
Poesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernistaPoesia 2ª fase modernista
Poesia 2ª fase modernista
 
Biografia Ferreira Gullar
Biografia Ferreira GullarBiografia Ferreira Gullar
Biografia Ferreira Gullar
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de CamposExp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
Exp12 Fernando Pessoa Heterónimo Álvaro de Campos
 
Realismo naturalismo
Realismo   naturalismoRealismo   naturalismo
Realismo naturalismo
 
Carlos drummond de andrade
Carlos drummond de andradeCarlos drummond de andrade
Carlos drummond de andrade
 
Parnasianismo
ParnasianismoParnasianismo
Parnasianismo
 
ROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASILROMANTISMO NO BRASIL
ROMANTISMO NO BRASIL
 
Romantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagensRomantismo em textos e imagens
Romantismo em textos e imagens
 
Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)
 
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando PessoaPoemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
Poemas Completos de Alberto Caeiro - Fernando Pessoa
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
 
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos EscravosCastro Alves - O Poeta dos Escravos
Castro Alves - O Poeta dos Escravos
 
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poemaNao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
Nao sei quantas almas tenho - Análise ao poema
 
Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptx
Crônicas para jovens,  Clarice Lispector.pptxCrônicas para jovens,  Clarice Lispector.pptx
Crônicas para jovens, Clarice Lispector.pptx
 
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeiraLinhas de análise ela canta pobre ceifeira
Linhas de análise ela canta pobre ceifeira
 
Construção de poemas
Construção de poemasConstrução de poemas
Construção de poemas
 
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de CamposPoema Apontamento de Álvaro de Campos
Poema Apontamento de Álvaro de Campos
 
Gonçalves dias
Gonçalves diasGonçalves dias
Gonçalves dias
 

Destaque

Revisão 7 vícios de linguagem
Revisão 7 vícios de linguagemRevisão 7 vícios de linguagem
Revisão 7 vícios de linguagem
Cláudia Heloísa
 

Destaque (20)

Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Revisão6 concordância e problemas notacionais
Revisão6 concordância  e problemas notacionaisRevisão6 concordância  e problemas notacionais
Revisão6 concordância e problemas notacionais
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Revisão 4 regência
Revisão 4  regênciaRevisão 4  regência
Revisão 4 regência
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Vícios de linguagem
Vícios de linguagemVícios de linguagem
Vícios de linguagem
 
Revisão 7 vícios de linguagem
Revisão 7 vícios de linguagemRevisão 7 vícios de linguagem
Revisão 7 vícios de linguagem
 
Trovadorismo II Prosa
Trovadorismo II ProsaTrovadorismo II Prosa
Trovadorismo II Prosa
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 
O contexto do Realismo
O contexto do Realismo O contexto do Realismo
O contexto do Realismo
 
Revisão 5 crase
Revisão 5 craseRevisão 5 crase
Revisão 5 crase
 
Figuras de linguagem exercício
Figuras de linguagem exercícioFiguras de linguagem exercício
Figuras de linguagem exercício
 

Semelhante a Romantismo 2a geracao (20)

Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Simbolismo2
Simbolismo2Simbolismo2
Simbolismo2
 
SIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptxSIMBOLISMO.pptx
SIMBOLISMO.pptx
 
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
Ultrarromantismo 110908200110-phpapp01
 
Simbolismo - Cruz e Souza
Simbolismo -  Cruz e SouzaSimbolismo -  Cruz e Souza
Simbolismo - Cruz e Souza
 
Poemas da juventude de machado
Poemas da juventude de machadoPoemas da juventude de machado
Poemas da juventude de machado
 
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- UltrarromantismoSlide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
Slide segunda gerção do Romantismo- Ultrarromantismo
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Poesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileiraPoesia romântica brasileira
Poesia romântica brasileira
 
Romantismo poesia - 2ª geração
Romantismo   poesia -  2ª geraçãoRomantismo   poesia -  2ª geração
Romantismo poesia - 2ª geração
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas
PoetasPoetas
Poetas
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 
Poetas A N
Poetas  A NPoetas  A N
Poetas A N
 

Mais de Cláudia Heloísa

Mais de Cláudia Heloísa (15)

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
Figuras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandasFiguras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandas
 
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
Figuras de linguagem: 25 propagandas. Exercício 2.
 
Variedades linguísticas
Variedades linguísticasVariedades linguísticas
Variedades linguísticas
 
Lusofonia
Lusofonia Lusofonia
Lusofonia
 
Vanguarda I - Surrealismo
Vanguarda I - SurrealismoVanguarda I - Surrealismo
Vanguarda I - Surrealismo
 

Último

TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
FLAVIA LEZAN
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolarMODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
MODELO Resumo esquemático de Relatório escolar
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
TAMPINHAS Sílabas. Para fazer e trabalhar com as crianças.
 

Romantismo 2a geracao

  • 2. “A característica mais evidente desta geração é o sentimentalismo; é a supervalorização das emoções pessoais: nessa geração é o interior humano que conta, o subjetivismo” “Esta geração surgiu na década de 1850, quando o nacionalismo e o indianismo deixavam de fascinar a juventude”. subjetivismo conflito interior egocentrismo “À medida que a busca dos valores pessoais se intensifica (como o culto do individualismo), perde-se a consciência do coletivo social. A excessiva valorização do "eu" gera o egocentrismo: o ego como centro do universo”. “Evidentemente, surge aí um choque entre a realidade objetiva e o mundo interior do poeta”
  • 3. a evasão Romântica Para tentar amenizar o conflito entre realidade x mundo interior, o romântico se utiliza de “fugas”:  Fuga da realidade através do sonho, do álcool, do ópio;  Fuga através do tempo, relembrando a infância;  Fuga ideológica ao criar sociedades secretas e perfeitas;  Fuga eterna e sem volta: a morte.
  • 4. 2ª geração romântica e suas denominações Geração Ultrarromântica • por levar os ideais românticos ao extremo. Geração Byroniana • por ver em Lord Byron um modelo de busca pelo extravasamento íntimo. Geração do Mal do Século • pelo fato de quase todos os seus integrantes morreram precocemente.
  • 5. Byronismo A 2ª geração foi i nfluenciada pelo inglês George Gordon Noel Byron, autor visto como modelo de “rebeldia moral, de recusa à insipidez da vida cotidiana e de busca de novas formas de sensualidade e de afeto”.
  • 6. quotes “A recordação da alegria já não é alegria. Enquanto a da dor, ainda é dor” “O ódio é o prazer mais duradouro. Os homens amam com pressa, mas odeiam com calma” “na vida do homem o amor é uma coisa a parte. Na da mulher, é a vida toda.”
  • 7. Obra Byroniana SHE walks in beauty, like the night Of cloudless climes and starry skies, And all that's best of dark and bright Meets in her aspect and her eyes; Thus mellow'd to that tender light Which Heaven to gaudy day denies. One shade the more, one ray the less, Had half impair'd the nameless grace Which waves in every raven tress Or softly lightens o'er her face, Where thoughts serenely sweet express How pure, how dear their dwelling-place. And on that cheek and o'er that brow So soft, so calm, yet eloquent, The smiles that win, the tints that glow, But tell of days in goodness spent,— A mind at peace with all below, A heart whose love is innocent. She walks in beauty
  • 8. Obra Byroniana Ela caminha em beleza como a noite De clima sem nuvens e céu estrelado; E todo a perfeição da escuridão e da luz encontra-se Em seu semblante e seus olhos Dessa forma enternecida até esta luz suave Que o céus ao dia fúlgido negam. Uma sombra a mais, um raio a menos Teria parcialmente danificado a indescritível beleza Que ondula em cada negra trança de seu cabelo E ternamente brilha em seu rosto; Onde os pensamentos serenamente expressam Quão puro, quão querido é o lugar que habitam. E nessa face, e sobre essa fronte Tão gentil, tão suave contudo eloqüente, Jazem o sorriso que conquista, as cores que dardejam Mas que falam de dias em benevolência passados Uma mente em paz com tudo Um coração cujo amor é inocente. Tradução de Wagner Primo
  • 9. Trevas Tive um sonho que em tudo não foi sonho!... O sol brilhante se apagava: e os astros, Do eterno espaço na penumbra escura, Sem raios, e sem trilhos, vagueavam. A terra fria balouçava cega E tétrica no espaço ermo de lua. (...) Lúgubre grito os pássaros selvagens Soltavam, revoando espavoridos Num vôo tonto co'as inúteis asas! As feras 'stavam mansas e medrosas! As víboras rojando s'enroscavam Pelos membros dos homens, sibilantes, Mas sem veneno... a fome lhes matavam! (...)Tradução de Castro Alves https://www.youtube.com/watch?v=K6Q89z9FS-0&spfreload=1
  • 10. “Fato sempre lembrado desta geração é a dramática coincidência de quase todos os seus integrantes morrerem na faixa dos vinte e poucos anos. Versos soltos e alguns poemas parecem alimentar a suspeita de que esses jovens cultivavam idéias suicidas. No entanto, todos eles - à parte o caso mais complexo de Álvares de Azevedo - foram vitimados por doenças então incuráveis e manifestaram grande horror perante a morte. Não se sustenta, portanto, a idéia de um suicídio coletivo geracional”. Coincidência Macabra
  • 11. Obras marcantes do ultrarromantismo europeu e no Brasil