Os Cinco Sentidos, Novo

9.114 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.114
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
212
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
105
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os Cinco Sentidos, Novo

  1. 1. Almeida Garrett<br />Folhas Caídas – Os Cinco Sentidos<br />
  2. 2. Este trabalho está a ser realizado no âmbito da disciplina de Literatura Portuguesa, de forma a desenvolver e aplicar os conhecimentos que temos trabalhado na sala de aula.<br />
  3. 3. Biografia<br />Nasceu João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett, no Porto a 4 de Fevereiro de 1799. <br /> Durante a sua adolescência viveu nos Açores, na Ilha Terceira, aquando da invasão das tropas francesas de Napoleão Bonaparte.<br />Fig. - Almeida Garrett<br />
  4. 4. <ul><li>Foi para Coimbra, em 1816, matriculando-se no curso de Direito e, em 1821, publicou O Retrato de Vénus, um trabalho considerado materialista, ateu e imoral, que lhe custou um processo.
  5. 5. Nesse mesmo ano a sua família passa a usar o apelido de Almeida Garrett.
  6. 6. Casou-se com Luísa Midosi, de apenas 14 anos.
  7. 7. Participante activo na revolução liberal de 1820, seguiu para o exílio em Inglaterra em 1823, após a Vilafrancada.
  8. 8. Nas terras de nossa majestade, tomou contacto com o movimento romântico, (Shakespeare, WalterScott, entre outros autores) e visitou castelos feudais e ruínas de igrejas e abadias góticas, que mais tarde influenciaram a sua obra.</li></li></ul><li><ul><li>Em França escreveu Camões (1825) e Dona Branca (1826);
  9. 9. Tomou a iniciativa de criar o Conservatório de Arte Dramática, a Inspecção-Geral dos Teatros, o Panteão Nacional e o Teatro Normal (actualmente Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa);
  10. 10. Homem de muitos amores, Garrett, depois de separado da sua mulher Luísa Midosi, passa a viver com D. Adelaide Pastor até a morte desta, em 1841.
  11. 11. Já em 1846, a viscondessa da Luz, Rosa Montufar Infante, andaluza casada, desde 1837, com o oficial do exército português Joaquim António Velez Barreiros, passa a ser a fonte inspiradora dos êxtases românticos das Folhas caídas.</li></li></ul><li>Obras<br />Breve Síntese das Suas Obras pela data de publicação1820: - Retrato de Vénus (poema). 1825: - Camões (poema). 1826: - Bosquejo da História da Literatura Portuguesa.- D. Branca (poesia)1828: - Adozinda ( poema inspirado no romanceiro popular).1829: - Lírica de João Mínimo (poesias escritas entre 1815 e 1824).- Da Educação1830: - Portugal na Balança da Europa.1838: - Um Auto de Vicente (drama).1840: - D. Filipa de Vilhena (drama). 1841: - O Alfageme de Santarém (drama). 1842: - Romanceiro (1º. Volume). 1843: - Frei Luís de Sousa (drama).1845: - Flores Sem Fruto ( poesia). - O Arco de Santana (drama). 1846: - Viagens na Minha Terra (romance). 1848: - A Sobrinha do Marques (drama).1851: - Romanceiro ( 2º e 3º. Volume).1853: - Folhas Caídas (poesia)<br />
  12. 12. A obra Folhas Caídas<br />É a última e a mais importante obra de Almeida Garrett. Com receio de um escândalo, o autor publicou-a anonimamente em 1835, devido as relações amorosas com a Viscondessa da Luz, que é, em grande parte, a inspiração deste livro. A obra teve grande sucesso especialmente por causa da atmosfera erotizante de algumas das suas composições e também dada à invulgar expressão de conflito psicológico e amoroso vivido.<br />
  13. 13.
  14. 14. São belas - bem o sei, essas estrelas,Mil cores - divinais têm essas flores;Mas eu não tenho, amor, olhos para elas:Em toda a naturezaNão vejo outra belezaSenão a ti - a ti!<br /> Divina - ai! sim, será a voz que afinaSaudosa - na ramagem densa, umbrosa,Será; mas eu do rouxinol que trinaNão oiço a melodia,Nem sinto outra harmoniaSenão a ti - a ti!<br /> Respira - n&apos;aura que entre as flores gira,Celeste - incenso de perfume agreste,Sei... não sinto: minha alma não aspira,Não percebe, não tomaSenão o doce aromaQue vem de ti - de ti!<br />Formosos - são os pomos saborosos,é um mimo - de néctar o racimo;E eu tenho fome e sede... sequiosos,Famintos meus desejosEstão... mas é de beijos,é só de ti - de ti!<br /> Macia - deve a relva luzidiaDo leito - ser por certo em que me deito.Mas quem, ao pé de ti, quem poderiaSentir outras carícias,Tocar noutras delíciasSenão em ti - em ti!<br /> A ti! ai, a ti só os meus sentidosTodos num confundidos,Sentem, ouvem, respiram;Em ti, por ti deliram.Em ti a minha sorte,A minha vida em ti;E quando venha a morteSerá morrer por ti.<br />
  15. 15. Estamos na presença do poema mais erótico de “Folhas Caídas”. O presente poema, como o próprio título deixa antever, transborda de erotismo, sendo este apresentado numa gradação crescente de sensualidade;<br />
  16. 16. A obsessão do sujeito poético pelo TU manifesta-se no desprezo pelo mundo exterior que, mesmo referido a uma natureza bela e divinal, não sofre a comparação da beleza da amada.<br />
  17. 17. Como o título indica, o poema resulta de uma estrutura previamente delineada, constituída por 5 estrofes, cada uma dedicada a um sentido; mas é possível reparar que todas dirigem-se para um efeito inebriante da conjunção de sentidos, para a embriaguez que conduz o “Eu” ao delírio sensual.<br />
  18. 18. Em cada uma das estrofes, o sujeito poético enquadra o TU no seio de elementos da natureza, em relação aos quais percepcionamos uma comparação, com a qual o mesmo TU é sublimado num processo de exclusividade:<br />- estrofe I: estrelas, flores;<br />- estrofe II: rouxinol;<br />- estrofe III: incenso de perfume agreste;<br />- estrofe IV: pomos saborosos, racimo de néctar;<br />- estrofe V: relva luzidia;<br />
  19. 19. Na primeira estrofe, o TU surge no seio de estrelas e  de flores, mas, apesar da beleza de umas e das mil cores das outras, o sujeito poético apenas tem olhos para uma única estrela e uma única flor, a sua amada;<br /> Sabe-se, pelos estudos dos seus biógrafos, que Almeida Garrett, à época, mantinha relações de afinidade com Rosa Montufar, baronesa da Luz. E, na primeira estrofe, aparece um elemento que irradia luz (estrelas) e um hiperónimo de rosa (flores) que sugerem a pessoa a quem é dedicado o poema;<br />
  20. 20. Na segunda estrofe, apesar do trinar melodioso e divino do rouxinol, o sujeito poético não sente harmonia senão na voz do TU;<br />
  21. 21. Na terceira estrofe, a brisa que sopra entre as flores (uma vez mais este elemento) exala um «incenso de perfume agreste», mas também este não é sentido, uma vez que o olfacto do sujeito poético apenas imagina «o doce aroma» que se liberta do tu;<br />
  22. 22. Na quarta estrofe, são introduzidos elementos que requerem o sentido do gosto: os formosos pomos saborosos e o racimo de néctar (que é um mimo). Deve-se prestar atenção aos seguintes aspectos: <br />Os pomos (maçãs) saborosos são formosos (tentadores), pelo que evocam o pecado original; <br />O sujeito poético declara ter fome e sede, de tal modo que os seus desejos estão famintos e sequiosos, embora de beijos; <br />Se a fome pode ser saciada, metaforicamente, com os pomos, a sede sê-lo-á com o racimo (cacho de uvas) de néctar; <br />
  23. 23. Notemos que nenhum sentido é desprezado da 1º estrofe onde se visionam as estrelas (no céu) e as flores (na terra), passando pela audição do cântico do rouxinol (2ª estrofe), o sentir da brisa perfumada (3ª estrofe), o gosto dos frutos (4ª estrofe) ou a macieza da relva (5º estrofe), verificamos a existência de uma caracterização progressiva; a explanação dos sentidos provém, pois, da observação mais exterior, mas percorre os cinco sentidos, do mais distante ao mais íntimo.<br />A última estrofe confirme a planificação do poema, confundindo num só todos os sentidos que, sinestesicamente, sentem, ouvem, respiram, conduzindo ao êxtase, ao “delírio” total.<br />
  24. 24. Atente-se também na erotização ousada de:<br />“pomos” em consonância com os adjectivos “formosos”, “saborosos”, “sequiosos”, como metáfora de “seios” que se arrasta pela confissão do “Eu”: “tenho fome e sede… sequiosos meus desejos” e se concretizam em “beijos”;<br />B) “relva”: “macia, luzidia”, termos ligados a “me deito” e “leito”, traduzindo o crescendo do erotismo e do sentir do “EU”.<br />
  25. 25. Observa-se também como o clima erótico entre o EU/TU é realçado pela variação do refrão e o valor das preposições que nele alternam:<br />1ª/2ª estrofes - a ti – preposição que remete para um contrato exterior ao TU.<br />3ª/4ª estrofes – de ti – onde a preposição demonstra já o contacto físico.<br />5ª estrofe – em ti – denota uma aproximação que pressupõe a partilha de sensações.<br /> Concluímos que, afinal, tudo se concentra no pronome “Ti”, forma directa e íntima de relação; ele dirige-se a uma pessoa que sobreleva o mundo em todas as suas vertentes sensíveis, é maior e melhor que todo o mundo fruição que o “EU” lírico dela obtém.<br />
  26. 26. No entanto, podemos considerar que este é também um poema de FRUSTAÇÃO:<br />Atente-se, mais um vez, na ordem em que é construído: referimos já a sua ordenação, de mais distante ao mais próximo. Mas reparemos também que esta ordenação é igualmente Descendente: das estrelas (no céu) à relva (na terra), ou seja, do Ideal longínquo ao palpável mundo material e terreno. Se desta forma se constrói uma maior proximidade física com o TU, realçando a sublimidade do amor partilhado, ao mesmo tempo destrói-se no EU a sua aspiração à Mulher-Anjo, ao Ideal, à Beleza Pura que se anuncia em Ignoto Deo.<br />O poeta bem o sabe; mas, para a sua frustação, prefere o SENTIR ao SABER.<br />
  27. 27. Figuras de Estilo<br />Adjectivação (belas, divinais, divina, saudosa, densa, umbrosa, celeste, agreste, doce, formosos, saborosos, sequiosos, famintos, macia, luzidia) – servindo para demonstrar a admiração, o “delírio” total que o sujeito poeta nutre pela sua amada;<br />Metáfora [vv 19, 20, 21, 22, 25/26)] – na qual o sujeito poético comparada o TU com diversos elementos (as estrelas, as flores, etc)<br />Hiperbole“E quando venha a morte/ Será morrer por ti” [vv. 37/38] o exagero da realidade realça a profundidade da dor e do sentimento; a morte por amor é uma característica romântica;<br />Gradação “sentem, ouvem, respiram” [v. 33] descrevendo a intensidade progressiva do sentimento que o sujeito poético sente pelo destinatário;<br />Sinestesia “(…) a ti só os meus sentidos (…) Em ti, por ti, deliram” [vv.31/34] – os sentidos apoderam-se do sujeito poético, tomam conta do seu corpo e da sua mente.<br />
  28. 28. Características românticas:<br />Tom confessional e intimista; amor sensual; características de poesia de alcova, como lhe chamou António José Saraiva; uma certa teatralidade; a morte por amor, ainda que no plano metafórico, tão ao gosto dos românticos.<br />
  29. 29. Questões:<br />
  30. 30. Tacto<br />Olfacto<br />Visão<br />Audição<br />Paladar<br />
  31. 31. Bibliografia<br /><ul><li>Guerra, João Augusto da Fonseca/ Vieira, José Augusto da Silva – Aula Viva, Literatura Portuguesa . 11ºano – Porto Editora (Setembro/Outubro 09);
  32. 32. pt.wikipedia.org/wiki/Almeida_Garrett (Setembro/Outubro 09);
  33. 33. acultura.no.sapo.pt/indexEscGarret.html (Setembro/Outubro 09);
  34. 34. http://biblioreynaldo.no.sapo.pt/folhascaidas.html (Setembro/Outubro 09).</li></li></ul><li>Escola Secundária D. Afonso Henriques - ano lectivo 2009/2010<br />Fim<br />Trabalho realizado por: Ana Rocha e Ana Nogueira <br />11ºH<br />

×