SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Helena Morley
“E como a vida era boa
naquele tempo!
Quanto desabafo, quantas
queixas, quantos casos
sobre os tios, as primas, os
professores, as colegas e as
amigas, coisas de que não
poderia mais me lembrar,
depois de tantos anos,
encontrei agora nos meus
cadernos antigos!”
Quem é Helena Morley ?
Helena é , na verdade, pseudônimo de
Alice Dayrell Caldeira Brant
nascida em 1880 em Diamantina (MG), filha de pai inglês e de mãe
mineira.
O livro surgiu em 1942 (em meio ao movimento
modernista).
Helena Morley
narradora
protagonista
pseudônimo da autora
Faleceu em 1970, aos 90 anos .
Como surgiu o pseudônimo?
Em 1941 a família Brant morava num apartamento, enquanto a sua casa
estava sendo construída na Lagoa Rodrigo de Freitas, perto do Corte Cantagalo
onde existe, hoje, o Edifício Helena Morley. Alice detestava morar em apartamento.
Certa tarde de sábado, para distrair os filhos, pegou dentre os seus guardados o
diário que havia escrito quando menina e resolveu ler para eles e para o marido.
Todos escutavam encantados. Ao final da leitura o marido Augusto Mário, sugeriu:
- Por que não publicamos esse diário? Muita gente iria ter a
oportunidade que estamos tendo de ouvir histórias tão interessantes de uma
menina inteligente numa cidadezinha mineira, no final do século passado.
Alice não achou muita graça na ideia. Ignez, sua filha, adorou.Depois de
muita discussão, Alice concordou em transformar tudo aquilo num livro, desde
que fosse com pseudônimo, do contrário Diamantina inteira iria brigar com ela.
Pensaram vários nomes. Alice preferiu Helena porque achava um nome muito
bonito. E o sobrenome Morley, de sua avó materna.
Assim nasceu Helena Morley.
(fonte: http://www.livrariakiron.com.br/alice-e-helena-morley.html)
Imagem do
lançamento
do livro
Rio de Janeiro,
anos 40.
“O diário de Helena Morley tem a data inicial de 5 de janeiro de 1893. O
livro foi lançado pela Livraria José Olympio em 1942. Foi o maior sucesso.
O Brasil inteiro comentava e as edições se esgotavam, uma após a outra.”
(fonte: http://www.livrariakiron.com.br/alice-e-helena-morley.html)
história original: mas e a escrita? “Os escritos de Alice foram organizados pelo
marido Mario Augusto Caldeira Brant, alto
funcionário no governo Getúlio Vargas e escritor
elogiado por Carlos Drummond de Andrade. Como
os originais nunca apareceram e podem ter sido até
queimados, as lendas correram soltas.
Entre os suspeitos de terem mais do que
editado o material, estavam Augusto Meyer e Cyro
dos Anjos(...).
Em conversa com o crítico Alexandre Eulálio,
Guimarães Rosa foi enfático a respeito da
controvérsia: se houve de fato a reescrita por um
adulto, “estaríamos diante de um ´caso’ ainda mais
extraordinário, pois, que soubesse, não existia em
nenhuma outra literatura mais pujante exemplo de
tão literal reconstrução da infância”.
VIEIRA, Enio.
(fonte: http://acervo.revistabula.com/posts/livros/uma-inglesinha-pobre-nos-trópicos)
“É uma biografia disfarçada, esta,
de Helena Morley, mas ao mesmo
tempo é uma espécie de
história natural da vida de família
brasileira no último período do
patriarcalismo escravocrata e
numa região menos conhecida
que o Nordeste da cana de
açúcar. [...] Sob esse aspecto que
o diário de Helena Morley [...]
interessa mais vivamente.”
(FREYRE, 1944 citado em SILVESTRE, 2011)
O registro histórico-social da obra
Por seu valor literário e histórico, o livro foi considerado
uma das melhores obras literárias do Brasil do século XIX.
Por meio das reflexões de Helena, o livro aborda temas e
problemas importantes da realidade daquela época, como o
racismo ( a abolição da escravatura era muito recente), a
desigualdade social e o preconceito religioso ( protestantismo
trazido pelos estrangeiros) e educação feminina repressora.
Os assuntos abordados na obra
A Helena é uma menina pobre, mas seus avós e tios
têm muito dinheiro. Ela convive com negros e brancos,
pobres e ricos, então tem uma visão da sociedade
brasileira bastante privilegiada.
Guia do estudante
“
.”
a desigualdade social
“
.
.”
o preconceito religioso
Sábado, 9 de dezembro
A escola
A linguagem do texto aproxima-se da prosa coloquial, em que
a narradora deixa transparecer toda a franqueza de
adolescente.
A linguagem da obra
“o cenário literário era dominado pelo Parnasianismo. Esse
movimento elaborava uma linguagem mais erudita.
Essa garota escrevia de uma maneira muito mais livre e,
por isso, só muitos anos depois ela foi lida da maneira que
devia ser lida”
Guia do Estudante
Sábado, 11 de março
[]
Segunda-feira, 13 de março
[]
Terça-feira, 14 de março
[]
O modernismo de Helena
“A produção intelectual modernista passou a dar vez e voz a novos e
velhos personagens, aproximando a linguagem escrita à fala do povo,
reivindicando também uma gramática brasileira. Essa brasilidade
mestiça expressa entre outras coisas pela fala, é uma constante na
obra de Helena. Ao narrar, a escritora toma o cuidado de transcrever
o diálogo como ele ocorreu, havendo pessoas que se expressam por
meio da língua padrão e outras não. Assim a oralidade se põe à
mostra em seu texto”.
(JOVIANO, Lúcia Helena da Silva)
Quinta-feira, 13 de junho
[] []
(MORLEY, Helena.p.261, 262)
o espaço da narrativa“Os fatos são narrados,
predominantemente, dentro
da cidade de Diamantina
(MG). É um espaço que
mistura a vida urbana, a
mineração e a vida familiar”.
(fonte: mundoeducacao.)
Quinta-feira, 26 de julho
O contexto da narrativa
Os acontecimentos tem como pano de fundo o Brasil entre os anos 1893 e 1895, onde acabava
de ocorrer a abolição da escravatura, e a Proclamação da República era ainda um fato recente,
quando a autora mostra ser um momento de mudança tanto pessoal quanto nacional.
fonte: mundo educação
1888
Abolição da
Escravatura
1889
Proclamação
da República
Decadência
da mineração
Final do
século XIX
Helena, a inquieta
“
,
”
Helena não constrói uma imagem boazinha de si. Seu caráter não é
perfeito. Aproxima-se do anti-heroísmo pícaro. ‘Ela é individualista,
familiar, rebelde, esclarecida, amiga dos festejos e alérgica a
disciplina, critica a superstição, as fumaças de grandeza e o preço
dos preconceitos e ignorância’.
(ROBERTO SCHWARZ, citado no blog Entre elas).
De caráter inovador, ao pensar sobre seu contexto, Helena propunha-se agir para modificá-lo,
ela é vista muitas vezes como alguém que está além de seu tempo, pois ironiza, critica e se
sente inconformada com o que lhe ocorria. Com isso, o leitor tem a possibilidade de participar
de sua evolução, percebendo as mudanças em sua visão e atuação no mundo.
(fonte: mundo educação)
Quinta-feira 21 de fevereiro
Segunda-feira, 15 de abril
Sexta-feira, 6 de outubro
ç
,
”
Helena, a debochada
O lirismo da narradora
“
”
“
“
repercussão
O livro foi traduzido para inglês por
Elizabeth Bishop.
“
– –
”
fonte: Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural
disponível em http://acervo.revistabula.com/posts/livros/uma-inglesinha-pobre-nos-
tropicos
Minha vida de Menina, que já foi traduzido para o francês,
Inglês e Italiano. Essa obra teve uma repercussão significativa,
conseguindo a atenção e a reflexão de importantes escritores,
como Raquel de Queiróz, Carlos Drummond de Andrade,
Manuel Bandeira e outros.
Fonte: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/literatura/helena-morley-sua-obra-minha-vida-menina.htm
Adaptação para o cinema
“ Vida de menina”, dirigido por Helena Solberg (2003)
Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=0pJZDAJkFyA
Personagens de destaque
Helena
(protagonista/narradora)
Carolina
(mãe de Helena)
tia Madge
(irmã do pai de Helena)
Alexandre
(pai de Helena, descendente de ingleses)
D. Teodora
(avó materna de Helena)
Luisinha
(irmã de Helena)
tios e tias
ricos; e primos
(parentes maternos
de Helena)
Renato e
Nhonô
(irmãos de Helena)
Carolina e Alexandre
os pais de Helena
Os pais de Helena levam uma vida simples e com pouco dinheiro, bem diferente do resto da
família. Isso leva a menina a vivenciar e questionar a desigualdade e o comportamento social.
Domingo, 26 de novembro
Domingo, 25 de fevereiro
tia Madge, a inglesa
Madge é tia paterna de Helena, e é
protestante. Procura ensinar-lhe boas
maneiras.
Sábado, 13 de outubro
Sábado, 13 de outubro
D. Teodora, a avó amada
Quarta-feira, 20 de dezembro
“
”
[O diário] acaba com a morte de D. Teodora. Nesse momento o diário ganha outro tom, tornando-se mais sombrio. Não só pela morte
da avó, como também pela disputa em que a família entra por conta da partilha dos bens da falecida.
blog Entre Elas - adaptado
O diário termina abruptamente, com a menção ao fato que a parte da herança que chegou às mãos dos Morley serviu para sanar as
dívidas.
“
.”
Fontes de Pesquisa
MORLEY, Helena. Minha vida de Menina. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.
SILVESTRE, Penha Lucilda De Souza. DIÁRIO DE UMA VIDA DE MENINA: cinema e literatura no Brasil (representações da personagem feminina) . Disponível em
https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/103645/000676714.pdf?sequence=1
https://www.ebiografia.com/alice_dayrell_caldeira_brant/
BRANT, Sarina Caldeira. Foto do acervo. Disponível em http://www.familiadayrell.uaivip.com.br/brasil.htm
VIEIRA, Enio. Disponível em http://acervo.revistabula.com/posts/livros/uma-inglesinha-pobre-nos-tropicos
RIGONATTO, Mariana. Helena Morley e sua obra Minha vida de menina.
Disponível em: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/literatura/helena-morley-sua-obra-minha-vida-menina.htm
BLOG ENTRE ELAS. Minha Vida de Menina’ de Helena Morley: Resumo e Análise para Fuvest.
Disponível em: http://entreelas.com.br/index.php/2017/07/28/minha-vida-de-menina-resumo-e-analise-da-obra-de-helena-morley-fuvest/
Stoodi Ensino e Treinamento a distância LTDA - EPP
https://www.stoodi.com.br/blog/2017/06/02/minha-vida-de-menina-resumo-da-obra-de-helena-morley/
BYLAARDT,Cid Ottoni. Minha vida de menina - Helena Morley
Disponível em: http://www.sosestudante.com/resumos-m/minha-vida-de-menina-helena-morley.html
https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/estante/o-que-voce-precisa-saber-sobre-a-obra-minha-vida-de-menina/
JOVIANO, Lúcia Helena da Silva. Diário e escrita de si: Minha vida de Menina no contexto da discursividade Moderna. Darandina Revisteletrônica - Anais do Simpósio Internacional Literatura, Crítica,
Cultura V: Literatura e Política, realizado entre 24 e 26 de maio de 2011 pelo PPG Letras: Estudos Literários, na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. Disponível
em:http://www.ufjf.br/darandina/files/2011/08/Di%C3%A1rio-e-escrita-de-si-Minha-vida-de-Menina-no-contexto-da-discursividade-Moderna.pdf
PESQUISA, ORGANIZAÇÃO E LAYOUT
Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria contato: clauheloisa@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Jose Lins do Rego MENINO DE ENGENHO
Jose Lins do Rego   MENINO DE ENGENHOJose Lins do Rego   MENINO DE ENGENHO
Jose Lins do Rego MENINO DE ENGENHOeducacaocedbc
 
Ficha de leitura- O Diário de Anne Frank.
Ficha de leitura- O Diário de Anne Frank.Ficha de leitura- O Diário de Anne Frank.
Ficha de leitura- O Diário de Anne Frank.Gabriela Menezes
 
Carlos r zafon a sombra do vento
Carlos r zafon   a sombra do ventoCarlos r zafon   a sombra do vento
Carlos r zafon a sombra do ventoAriovaldo Cunha
 
Biografia de anne frank
Biografia de anne frankBiografia de anne frank
Biografia de anne frankDiogo Cruz
 
Os maias trabalho individual
Os maias   trabalho individualOs maias   trabalho individual
Os maias trabalho individualMaria Teixiera
 
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"becreluisdeloureiro
 
Colecção "Uma aventura"- trabalho do 5ºB
Colecção "Uma aventura"- trabalho do 5ºBColecção "Uma aventura"- trabalho do 5ºB
Colecção "Uma aventura"- trabalho do 5ºBcasmaria
 
Uma aventura no porto
Uma aventura no portoUma aventura no porto
Uma aventura no portomartinma250
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasjessie_juss
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semânticavinivs
 
Redação Profª Patrícia Lima
Redação   Profª Patrícia LimaRedação   Profª Patrícia Lima
Redação Profª Patrícia LimaPré-Enem Seduc
 
Ficha de Leitura- O Diário de Anne Frank
Ficha de Leitura- O Diário de Anne FrankFicha de Leitura- O Diário de Anne Frank
Ficha de Leitura- O Diário de Anne FrankLaura Marques
 

Mais procurados (20)

Jose Lins do Rego MENINO DE ENGENHO
Jose Lins do Rego   MENINO DE ENGENHOJose Lins do Rego   MENINO DE ENGENHO
Jose Lins do Rego MENINO DE ENGENHO
 
Ficha de leitura- O Diário de Anne Frank.
Ficha de leitura- O Diário de Anne Frank.Ficha de leitura- O Diário de Anne Frank.
Ficha de leitura- O Diário de Anne Frank.
 
Missa do galo
Missa do galoMissa do galo
Missa do galo
 
Carlos r zafon a sombra do vento
Carlos r zafon   a sombra do ventoCarlos r zafon   a sombra do vento
Carlos r zafon a sombra do vento
 
Biografia de anne frank
Biografia de anne frankBiografia de anne frank
Biografia de anne frank
 
Diario de anne frank
Diario de anne frankDiario de anne frank
Diario de anne frank
 
Macunaíma...
Macunaíma...Macunaíma...
Macunaíma...
 
Um estudo em vermelho
Um estudo em vermelhoUm estudo em vermelho
Um estudo em vermelho
 
Os maias trabalho individual
Os maias   trabalho individualOs maias   trabalho individual
Os maias trabalho individual
 
Os jogos da_fome
Os jogos da_fomeOs jogos da_fome
Os jogos da_fome
 
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
Uma leitura de "O rapaz do pijama às riscas"
 
Colecção "Uma aventura"- trabalho do 5ºB
Colecção "Uma aventura"- trabalho do 5ºBColecção "Uma aventura"- trabalho do 5ºB
Colecção "Uma aventura"- trabalho do 5ºB
 
Jorge Amado 4
Jorge Amado 4Jorge Amado 4
Jorge Amado 4
 
Realismo x Romantismo
Realismo x RomantismoRealismo x Romantismo
Realismo x Romantismo
 
Diário de anne frank
Diário de anne frankDiário de anne frank
Diário de anne frank
 
Uma aventura no porto
Uma aventura no portoUma aventura no porto
Uma aventura no porto
 
Memórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubasMemórias póstumas de brás cubas
Memórias póstumas de brás cubas
 
Semântica
SemânticaSemântica
Semântica
 
Redação Profª Patrícia Lima
Redação   Profª Patrícia LimaRedação   Profª Patrícia Lima
Redação Profª Patrícia Lima
 
Ficha de Leitura- O Diário de Anne Frank
Ficha de Leitura- O Diário de Anne FrankFicha de Leitura- O Diário de Anne Frank
Ficha de Leitura- O Diário de Anne Frank
 

Semelhante a Minha vida de menina - Helena Morley

Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto NevesDestaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto NevesUmberto Neves
 
Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1PAFB
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorAna Batista
 
Sugestões da tua biblioteca 2010 11
Sugestões da tua biblioteca 2010 11Sugestões da tua biblioteca 2010 11
Sugestões da tua biblioteca 2010 11bibliotecaesla
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1BiiancaAlvees
 
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...Joselma Mendes
 
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no BrasilAula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no BrasilDarlene Cesar
 
Análise literária - Clarice Lispector
Análise literária - Clarice LispectorAnálise literária - Clarice Lispector
Análise literária - Clarice LispectorRegina Gabriela
 
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Daniel Leitão
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1BiiancaAlvees
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1BiiancaAlvees
 

Semelhante a Minha vida de menina - Helena Morley (20)

Aula quarto de despejo
Aula quarto de despejoAula quarto de despejo
Aula quarto de despejo
 
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto NevesDestaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
Destaques Enciclopédicos 11 08-2014 a 16-08-2014 - Umberto Neves
 
Helena Morley
Helena MorleyHelena Morley
Helena Morley
 
Clarice lispector- A hora da Estrela
Clarice lispector- A hora da EstrelaClarice lispector- A hora da Estrela
Clarice lispector- A hora da Estrela
 
Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1Ficha de leitura 1
Ficha de leitura 1
 
Atividade 02
Atividade 02Atividade 02
Atividade 02
 
Amar, Verbo Intransitivo - 3ª Série A
Amar, Verbo Intransitivo -  3ª Série AAmar, Verbo Intransitivo -  3ª Série A
Amar, Verbo Intransitivo - 3ª Série A
 
Clarice lispector
Clarice lispector Clarice lispector
Clarice lispector
 
Especial Clarice Lispector
Especial Clarice LispectorEspecial Clarice Lispector
Especial Clarice Lispector
 
Sugestões da tua biblioteca 2010 11
Sugestões da tua biblioteca 2010 11Sugestões da tua biblioteca 2010 11
Sugestões da tua biblioteca 2010 11
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
A Voz Feminina no Romance Maranhense: uma análise da obra Úrsula de Maria Fir...
 
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no BrasilAula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
 
Análise literária - Clarice Lispector
Análise literária - Clarice LispectorAnálise literária - Clarice Lispector
Análise literária - Clarice Lispector
 
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
Recordações do Escrivão Isaías Caminha - 3ª A - 2011
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
Alguns livros essenciais da literatura brasileira1
 
Helena - Machado de Assis
Helena - Machado de AssisHelena - Machado de Assis
Helena - Machado de Assis
 
Anália franco
Anália francoAnália franco
Anália franco
 
Contacto 1.º período
Contacto   1.º períodoContacto   1.º período
Contacto 1.º período
 

Mais de Cláudia Heloísa (20)

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 

Último

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfpaulafernandes540558
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfdottoor
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresaulasgege
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdfSlides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
Slides criatividade 01042024 finalpdf Portugues.pdf
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdfNoções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
Noções de Orçamento Público AFO - CNU - Aula 1 - Alunos.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autoresSociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
Sociologia Contemporânea - Uma Abordagem dos principais autores
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppttreinamento brigada incendio 2024 no.ppt
treinamento brigada incendio 2024 no.ppt
 

Minha vida de menina - Helena Morley

  • 1. Helena Morley “E como a vida era boa naquele tempo! Quanto desabafo, quantas queixas, quantos casos sobre os tios, as primas, os professores, as colegas e as amigas, coisas de que não poderia mais me lembrar, depois de tantos anos, encontrei agora nos meus cadernos antigos!”
  • 2. Quem é Helena Morley ? Helena é , na verdade, pseudônimo de Alice Dayrell Caldeira Brant nascida em 1880 em Diamantina (MG), filha de pai inglês e de mãe mineira. O livro surgiu em 1942 (em meio ao movimento modernista). Helena Morley narradora protagonista pseudônimo da autora Faleceu em 1970, aos 90 anos .
  • 3. Como surgiu o pseudônimo? Em 1941 a família Brant morava num apartamento, enquanto a sua casa estava sendo construída na Lagoa Rodrigo de Freitas, perto do Corte Cantagalo onde existe, hoje, o Edifício Helena Morley. Alice detestava morar em apartamento. Certa tarde de sábado, para distrair os filhos, pegou dentre os seus guardados o diário que havia escrito quando menina e resolveu ler para eles e para o marido. Todos escutavam encantados. Ao final da leitura o marido Augusto Mário, sugeriu: - Por que não publicamos esse diário? Muita gente iria ter a oportunidade que estamos tendo de ouvir histórias tão interessantes de uma menina inteligente numa cidadezinha mineira, no final do século passado. Alice não achou muita graça na ideia. Ignez, sua filha, adorou.Depois de muita discussão, Alice concordou em transformar tudo aquilo num livro, desde que fosse com pseudônimo, do contrário Diamantina inteira iria brigar com ela. Pensaram vários nomes. Alice preferiu Helena porque achava um nome muito bonito. E o sobrenome Morley, de sua avó materna. Assim nasceu Helena Morley. (fonte: http://www.livrariakiron.com.br/alice-e-helena-morley.html)
  • 4. Imagem do lançamento do livro Rio de Janeiro, anos 40. “O diário de Helena Morley tem a data inicial de 5 de janeiro de 1893. O livro foi lançado pela Livraria José Olympio em 1942. Foi o maior sucesso. O Brasil inteiro comentava e as edições se esgotavam, uma após a outra.” (fonte: http://www.livrariakiron.com.br/alice-e-helena-morley.html)
  • 5. história original: mas e a escrita? “Os escritos de Alice foram organizados pelo marido Mario Augusto Caldeira Brant, alto funcionário no governo Getúlio Vargas e escritor elogiado por Carlos Drummond de Andrade. Como os originais nunca apareceram e podem ter sido até queimados, as lendas correram soltas. Entre os suspeitos de terem mais do que editado o material, estavam Augusto Meyer e Cyro dos Anjos(...). Em conversa com o crítico Alexandre Eulálio, Guimarães Rosa foi enfático a respeito da controvérsia: se houve de fato a reescrita por um adulto, “estaríamos diante de um ´caso’ ainda mais extraordinário, pois, que soubesse, não existia em nenhuma outra literatura mais pujante exemplo de tão literal reconstrução da infância”. VIEIRA, Enio. (fonte: http://acervo.revistabula.com/posts/livros/uma-inglesinha-pobre-nos-trópicos)
  • 6. “É uma biografia disfarçada, esta, de Helena Morley, mas ao mesmo tempo é uma espécie de história natural da vida de família brasileira no último período do patriarcalismo escravocrata e numa região menos conhecida que o Nordeste da cana de açúcar. [...] Sob esse aspecto que o diário de Helena Morley [...] interessa mais vivamente.” (FREYRE, 1944 citado em SILVESTRE, 2011) O registro histórico-social da obra Por seu valor literário e histórico, o livro foi considerado uma das melhores obras literárias do Brasil do século XIX.
  • 7. Por meio das reflexões de Helena, o livro aborda temas e problemas importantes da realidade daquela época, como o racismo ( a abolição da escravatura era muito recente), a desigualdade social e o preconceito religioso ( protestantismo trazido pelos estrangeiros) e educação feminina repressora. Os assuntos abordados na obra A Helena é uma menina pobre, mas seus avós e tios têm muito dinheiro. Ela convive com negros e brancos, pobres e ricos, então tem uma visão da sociedade brasileira bastante privilegiada. Guia do estudante
  • 10. Sábado, 9 de dezembro A escola
  • 11. A linguagem do texto aproxima-se da prosa coloquial, em que a narradora deixa transparecer toda a franqueza de adolescente. A linguagem da obra “o cenário literário era dominado pelo Parnasianismo. Esse movimento elaborava uma linguagem mais erudita. Essa garota escrevia de uma maneira muito mais livre e, por isso, só muitos anos depois ela foi lida da maneira que devia ser lida” Guia do Estudante Sábado, 11 de março [] Segunda-feira, 13 de março [] Terça-feira, 14 de março []
  • 12. O modernismo de Helena “A produção intelectual modernista passou a dar vez e voz a novos e velhos personagens, aproximando a linguagem escrita à fala do povo, reivindicando também uma gramática brasileira. Essa brasilidade mestiça expressa entre outras coisas pela fala, é uma constante na obra de Helena. Ao narrar, a escritora toma o cuidado de transcrever o diálogo como ele ocorreu, havendo pessoas que se expressam por meio da língua padrão e outras não. Assim a oralidade se põe à mostra em seu texto”. (JOVIANO, Lúcia Helena da Silva) Quinta-feira, 13 de junho [] [] (MORLEY, Helena.p.261, 262)
  • 13. o espaço da narrativa“Os fatos são narrados, predominantemente, dentro da cidade de Diamantina (MG). É um espaço que mistura a vida urbana, a mineração e a vida familiar”. (fonte: mundoeducacao.) Quinta-feira, 26 de julho
  • 14. O contexto da narrativa Os acontecimentos tem como pano de fundo o Brasil entre os anos 1893 e 1895, onde acabava de ocorrer a abolição da escravatura, e a Proclamação da República era ainda um fato recente, quando a autora mostra ser um momento de mudança tanto pessoal quanto nacional. fonte: mundo educação 1888 Abolição da Escravatura 1889 Proclamação da República Decadência da mineração Final do século XIX
  • 15. Helena, a inquieta “ , ” Helena não constrói uma imagem boazinha de si. Seu caráter não é perfeito. Aproxima-se do anti-heroísmo pícaro. ‘Ela é individualista, familiar, rebelde, esclarecida, amiga dos festejos e alérgica a disciplina, critica a superstição, as fumaças de grandeza e o preço dos preconceitos e ignorância’. (ROBERTO SCHWARZ, citado no blog Entre elas).
  • 16. De caráter inovador, ao pensar sobre seu contexto, Helena propunha-se agir para modificá-lo, ela é vista muitas vezes como alguém que está além de seu tempo, pois ironiza, critica e se sente inconformada com o que lhe ocorria. Com isso, o leitor tem a possibilidade de participar de sua evolução, percebendo as mudanças em sua visão e atuação no mundo. (fonte: mundo educação) Quinta-feira 21 de fevereiro Segunda-feira, 15 de abril
  • 17. Sexta-feira, 6 de outubro ç , ” Helena, a debochada
  • 18. O lirismo da narradora “ ” “ “
  • 19. repercussão O livro foi traduzido para inglês por Elizabeth Bishop. “ – – ” fonte: Revista Bula — Literatura e Jornalismo Cultural disponível em http://acervo.revistabula.com/posts/livros/uma-inglesinha-pobre-nos- tropicos Minha vida de Menina, que já foi traduzido para o francês, Inglês e Italiano. Essa obra teve uma repercussão significativa, conseguindo a atenção e a reflexão de importantes escritores, como Raquel de Queiróz, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira e outros. Fonte: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/literatura/helena-morley-sua-obra-minha-vida-menina.htm
  • 20. Adaptação para o cinema “ Vida de menina”, dirigido por Helena Solberg (2003) Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=0pJZDAJkFyA
  • 21. Personagens de destaque Helena (protagonista/narradora) Carolina (mãe de Helena) tia Madge (irmã do pai de Helena) Alexandre (pai de Helena, descendente de ingleses) D. Teodora (avó materna de Helena) Luisinha (irmã de Helena) tios e tias ricos; e primos (parentes maternos de Helena) Renato e Nhonô (irmãos de Helena)
  • 22. Carolina e Alexandre os pais de Helena Os pais de Helena levam uma vida simples e com pouco dinheiro, bem diferente do resto da família. Isso leva a menina a vivenciar e questionar a desigualdade e o comportamento social. Domingo, 26 de novembro Domingo, 25 de fevereiro
  • 23. tia Madge, a inglesa Madge é tia paterna de Helena, e é protestante. Procura ensinar-lhe boas maneiras. Sábado, 13 de outubro
  • 24. Sábado, 13 de outubro
  • 25. D. Teodora, a avó amada Quarta-feira, 20 de dezembro
  • 26. “ ” [O diário] acaba com a morte de D. Teodora. Nesse momento o diário ganha outro tom, tornando-se mais sombrio. Não só pela morte da avó, como também pela disputa em que a família entra por conta da partilha dos bens da falecida. blog Entre Elas - adaptado O diário termina abruptamente, com a menção ao fato que a parte da herança que chegou às mãos dos Morley serviu para sanar as dívidas. “ .”
  • 27. Fontes de Pesquisa MORLEY, Helena. Minha vida de Menina. São Paulo: Companhia das Letras, 2005. SILVESTRE, Penha Lucilda De Souza. DIÁRIO DE UMA VIDA DE MENINA: cinema e literatura no Brasil (representações da personagem feminina) . Disponível em https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/103645/000676714.pdf?sequence=1 https://www.ebiografia.com/alice_dayrell_caldeira_brant/ BRANT, Sarina Caldeira. Foto do acervo. Disponível em http://www.familiadayrell.uaivip.com.br/brasil.htm VIEIRA, Enio. Disponível em http://acervo.revistabula.com/posts/livros/uma-inglesinha-pobre-nos-tropicos RIGONATTO, Mariana. Helena Morley e sua obra Minha vida de menina. Disponível em: http://mundoeducacao.bol.uol.com.br/literatura/helena-morley-sua-obra-minha-vida-menina.htm BLOG ENTRE ELAS. Minha Vida de Menina’ de Helena Morley: Resumo e Análise para Fuvest. Disponível em: http://entreelas.com.br/index.php/2017/07/28/minha-vida-de-menina-resumo-e-analise-da-obra-de-helena-morley-fuvest/ Stoodi Ensino e Treinamento a distância LTDA - EPP https://www.stoodi.com.br/blog/2017/06/02/minha-vida-de-menina-resumo-da-obra-de-helena-morley/ BYLAARDT,Cid Ottoni. Minha vida de menina - Helena Morley Disponível em: http://www.sosestudante.com/resumos-m/minha-vida-de-menina-helena-morley.html https://guiadoestudante.abril.com.br/blog/estante/o-que-voce-precisa-saber-sobre-a-obra-minha-vida-de-menina/ JOVIANO, Lúcia Helena da Silva. Diário e escrita de si: Minha vida de Menina no contexto da discursividade Moderna. Darandina Revisteletrônica - Anais do Simpósio Internacional Literatura, Crítica, Cultura V: Literatura e Política, realizado entre 24 e 26 de maio de 2011 pelo PPG Letras: Estudos Literários, na Faculdade de Letras da Universidade Federal de Juiz de Fora. Disponível em:http://www.ufjf.br/darandina/files/2011/08/Di%C3%A1rio-e-escrita-de-si-Minha-vida-de-Menina-no-contexto-da-discursividade-Moderna.pdf PESQUISA, ORGANIZAÇÃO E LAYOUT Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria contato: clauheloisa@yahoo.com.br