SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 32
FERNANDO
PESSOA
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Fernando Pessoa é classificado como
modernista, já que foi um dos autores que
introduziu o movimento em Portugal. Junto com
escritores como Mário de Sá Carneiro, Luís de
Montalvor e Ronald de Carvalho, Pessoa
publicou a revista “Orpheu” em 1915, dando
início ao modernismo no país.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Estilo
Apresentava reflexões sobre identidade,
noções de verdade e existencialismo. Mas,
é importante perceber que como o escritor
criou diferentes heterônimos, é possível
encontrar na obra de Fernando Pessoa
diferentes estilos. O autor escreveu poemas
em inglês, poesias líricas e poesias
históricas com caráter nacionalista.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Fernando Pessoa assumia heterônimos
para escrever suas obras. Diferente do
pseudônimo, o heterônimo tem estilo
particular, assim como personalidade. A
criação de heterônimos é uma característica
importante na obra do autor, tido como
misterioso justamente por isso.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Os heterônimos mais importantes são:
Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto
Caeiro, sendo que o terceiro influencia os
demais.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Alberto Caeiro Ricardo Reis Álvaro de Campos
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Álvaro de Campos
Apesar de português, o escritor foi educado
em inglês, o que o faz sempre se sentir um
estrangeiro. O poeta teve fases diferentes em
sua literatura, no começo tinha proximidade
com o simbolismo, depois com o futurismo e
então a visão niilista ficou presente nas suas
obras.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Na primeira fase, é o tédio e a busca por
experiências diferentes que marcam a
poesia.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
A segunda é marcada pela otimismo da
civilização.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
E a terceira é mais introspectiva e apresenta
uma poesia pessimista. Campos apostava
em uma linguagem ousada para a época,
mais livre.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Ao contrário da racionalidade de Ricardo
Reis, Campos coloca emoção em seus
escritos. É considerado o alter ego de
Pessoa.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Ah, um soneto...
Meu coração é um almirante louco
que abandonou a profissão do mar
e que a vai relembrando pouco a pouco
em casa a passear, a passear ...
No movimento (eu mesmo me desloco
nesta cadeira, só de o imaginar)
o mar abandonado fica em foco
nos músculos cansados de parar.
Há saudades nas pernas e nos braços.
Há saudades no cérebro por fora.
Há grandes raivas feitas de cansaços.
Mas — esta é boa! — era do coração
que eu falava... e onde diabo estou eu
agora
com almirante em vez de sensação?
Álvaro de Campos / Fernando Pessoa
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Ricardo Reis
O médico que acredita na monarquia tinha
uma escrita mais tradicional, a linguagem
utilizada pelo heterônimo é culta e
apresenta um lado clássico. Ricardo foi
viver no Brasil quando a república foi
proclamada em Portugal. Os textos de Reis
foram publicados na revista “Athena” e na
“Presença”.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
O autor acredita na busca pela tranquilidade
através do epicurismo, uma doutrina que
acredita em evitar a dor, aproveitar a vida e
não ter medo de morrer. E também do
estoicismo, que acredita na importância da
razão estar acima da paixão e na aceitação
dos limites.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Como Pessoa não determinou sua morte,
José Saramago, outro importante autor
português, escreveu o livro “O Ano da Morte
de Ricardo Reis”.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Colhe o Dia, porque És Ele
Uns, com os olhos postos no passado,
Veem o que não veem: outros, fitos
Os mesmos olhos no futuro, veem
O que não pode ver-se.
Por que tão longe ir pôr o que está perto —
A segurança nossa? Este é o dia,
Esta é a hora, este o momento, isto
É quem somos, e é tudo.
Perene flui a interminável hora
Que nos confessa nulos. No mesmo hausto
Em que vivemos, morreremos. Colhe
O dia, porque és ele.
Ricardo Reis, in "Odes"
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Alberto Caeiro
É um dos heterônimos mais importantes,
apesar de ser um camponês sem estudo. É
classificado, por Fernando Pessoa e os
outros heterônimos, como um mestre.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Alberto só escrevia poesia, não achava
possível retratar a realidade através da
prosa. Contra o pensamento filosófico, o
escritor acredita que sentir é mais
importante que pensar. Uma das obras mais
conhecidas é “O Guardador de Rebanhos”.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Caeiro tinha um estilo direto e simples, mas
a compreensão é complexa, já que o poeta
faz reflexões profundas em seus escritos.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Bernardo Soares
Um semi-heterônimo parecido com Álvaro
de Campos, muito próximo de Fernando
Pessoa. Segundo o escritor, Bernardo
Soares tem uma parte de sua
personalidade.
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana
Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura
Prof. Adriana Christinne
Literatura

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoFaell Vasconcelos
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaCynthia Funchal
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAnabela Fernandes
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioCeber Alves
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeiaAna Batista
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoQuezia Neves
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Camposguest3fc89a1
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoalenaeira
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaAndréia Peixoto
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismoLuciene Gomes
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaSamuel Neves
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasileeadolpho
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposAline Araújo
 

Mais procurados (20)

Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicasAlberto caeiro biografia e caracteristicas
Alberto caeiro biografia e caracteristicas
 
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento LiterárioO Modernismo em Portugal - Movimento Literário
O Modernismo em Portugal - Movimento Literário
 
José saramago
José saramagoJosé saramago
José saramago
 
Vanguarda europeia
Vanguarda europeiaVanguarda europeia
Vanguarda europeia
 
Romantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geraçãoRomantismo no Brasil - 1ª geração
Romantismo no Brasil - 1ª geração
 
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de CamposOde Triunfal de Álvaro de Campos
Ode Triunfal de Álvaro de Campos
 
Síntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoaSíntese fernando pessoa
Síntese fernando pessoa
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Modernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoaModernismo em portugal e fernando pessoa
Modernismo em portugal e fernando pessoa
 
1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo1ª fase do modernismo
1ª fase do modernismo
 
Sísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel TorgaSísifo- Miguel Torga
Sísifo- Miguel Torga
 
Os maias a intriga
Os maias   a intrigaOs maias   a intriga
Os maias a intriga
 
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da InfânciaFernando Pessoa Nostalgia da Infância
Fernando Pessoa Nostalgia da Infância
 
Segunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no BrasilSegunda fase do Modernismo no Brasil
Segunda fase do Modernismo no Brasil
 
Literatura brasileira
Literatura brasileiraLiteratura brasileira
Literatura brasileira
 
Características de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de CamposCaracterísticas de Álvaro de Campos
Características de Álvaro de Campos
 
Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..Arcadismo[1]..
Arcadismo[1]..
 

Semelhante a Fernando pessoa

Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugalJuliana Oliveira
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugalJuliana Oliveira
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxLUCELIOFERREIRADASIL
 
Fernando pessoa-e-os-heteronimos
Fernando pessoa-e-os-heteronimosFernando pessoa-e-os-heteronimos
Fernando pessoa-e-os-heteronimosAurora Oliveira
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoananasimao
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 satense
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugalJonatas Carlos
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoAlexandra Canané
 
Biografia De Fernando Pessoa
Biografia De Fernando PessoaBiografia De Fernando Pessoa
Biografia De Fernando Pessoaguest029d56
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoaJosi Motta
 
Ensaio literatura portuguesa: José Cardoso Pires, "De Profundis, Valsa Lenta"
Ensaio literatura portuguesa: José Cardoso Pires, "De Profundis, Valsa Lenta"Ensaio literatura portuguesa: José Cardoso Pires, "De Profundis, Valsa Lenta"
Ensaio literatura portuguesa: José Cardoso Pires, "De Profundis, Valsa Lenta"UFMG
 
Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..Ana Tapadas
 
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesNatália Malheiro
 
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesNatália Malheiro
 
Fernado pessoa e seus heteronimos
Fernado pessoa e seus heteronimosFernado pessoa e seus heteronimos
Fernado pessoa e seus heteronimostay520
 

Semelhante a Fernando pessoa (20)

Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
Literatura   aula 21 - modernismo em portugalLiteratura   aula 21 - modernismo em portugal
Literatura aula 21 - modernismo em portugal
 
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptxModernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
Modernismo_em_Portugal_e_Fernando_Pessoa.pptx
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
FPOH-CT12
FPOH-CT12FPOH-CT12
FPOH-CT12
 
Fernando pessoa-e-os-heteronimos
Fernando pessoa-e-os-heteronimosFernando pessoa-e-os-heteronimos
Fernando pessoa-e-os-heteronimos
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Fernando pessoa 2
Fernando pessoa 2Fernando pessoa 2
Fernando pessoa 2
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Fernandopessoa1
Fernandopessoa1 Fernandopessoa1
Fernandopessoa1
 
Aula 21 modernismo em portugal
Aula 21   modernismo em portugalAula 21   modernismo em portugal
Aula 21 modernismo em portugal
 
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/PoéticoFernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
Fernando Pessoa - Fingimento Artístico/Poético
 
Biografia De Fernando Pessoa
Biografia De Fernando PessoaBiografia De Fernando Pessoa
Biografia De Fernando Pessoa
 
Fernando pessoa
Fernando pessoaFernando pessoa
Fernando pessoa
 
Ensaio literatura portuguesa: José Cardoso Pires, "De Profundis, Valsa Lenta"
Ensaio literatura portuguesa: José Cardoso Pires, "De Profundis, Valsa Lenta"Ensaio literatura portuguesa: José Cardoso Pires, "De Profundis, Valsa Lenta"
Ensaio literatura portuguesa: José Cardoso Pires, "De Profundis, Valsa Lenta"
 
Fernando Pessoa
Fernando PessoaFernando Pessoa
Fernando Pessoa
 
Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..Fernandoppppppp ..
Fernandoppppppp ..
 
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
 
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly MendesLiteratura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
Literatura - Modernismo em Portugal - 3aço - Prof. Kelly Mendes
 
Fernado pessoa e seus heteronimos
Fernado pessoa e seus heteronimosFernado pessoa e seus heteronimos
Fernado pessoa e seus heteronimos
 

Mais de Colégio Santa Luzia

Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Colégio Santa Luzia
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoColégio Santa Luzia
 
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Colégio Santa Luzia
 
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Colégio Santa Luzia
 
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Colégio Santa Luzia
 
Modernismo no brasil – segunda fase poesia
Modernismo no brasil – segunda fase   poesiaModernismo no brasil – segunda fase   poesia
Modernismo no brasil – segunda fase poesiaColégio Santa Luzia
 
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiroSemana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiroColégio Santa Luzia
 

Mais de Colégio Santa Luzia (20)

ORAÇÕES REDUZIDAS.pptx
ORAÇÕES REDUZIDAS.pptxORAÇÕES REDUZIDAS.pptx
ORAÇÕES REDUZIDAS.pptx
 
Sintaxe sintaxe
Sintaxe   sintaxeSintaxe   sintaxe
Sintaxe sintaxe
 
NUMERAL - GRAMÁTICA - MORFOLOGIA
NUMERAL - GRAMÁTICA - MORFOLOGIA NUMERAL - GRAMÁTICA - MORFOLOGIA
NUMERAL - GRAMÁTICA - MORFOLOGIA
 
Funcões da linguagem -
Funcões da linguagem - Funcões da linguagem -
Funcões da linguagem -
 
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
Carlos Drummond de Andrade - 2ª fase do Modernismo
 
Quinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de InformaçãoQuinhentismo - Literatura de Informação
Quinhentismo - Literatura de Informação
 
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
Trovadorismo (Período Medieval) - Literatura - Prof. Adriana Christinne
 
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Adjetivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
 
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
Substantivo - Prof. Adriana Christinne - Gramática - Morfologia
 
Modernismo no brasil – segunda fase poesia
Modernismo no brasil – segunda fase   poesiaModernismo no brasil – segunda fase   poesia
Modernismo no brasil – segunda fase poesia
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Classicismo
ClassicismoClassicismo
Classicismo
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
Realismo/Naturalismo
Realismo/NaturalismoRealismo/Naturalismo
Realismo/Naturalismo
 
Redação
RedaçãoRedação
Redação
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiroSemana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
Semana de arte moderna e 1ª fase do Modernismo brasileiro
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 

Último

Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na Áfricajuekfuek
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdflbgsouza
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfManuais Formação
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisIlda Bicacro
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxCarolineWaitman
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"Ilda Bicacro
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaHenrique Santos
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxMartin M Flynn
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfMarcianaClaudioClaud
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxIlda Bicacro
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdfaulasgege
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxIlda Bicacro
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptxnelsontobontrujillo
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasdiegosouzalira10
 

Último (20)

Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdfApostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
Apostila-Letramento-e-alfabetização-2.pdf
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptxSanta Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
Santa Gemma Galgani, Flor de Lucca, mística italiana 1887-1903 (Portugués).pptx
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdfROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
ROTINA DE ESTUDO-APOSTILA ESTUDO ORIENTADO.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoasInsegurança nunca mais tem afeta pessoas
Insegurança nunca mais tem afeta pessoas
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 

Fernando pessoa

  • 3. Fernando Pessoa é classificado como modernista, já que foi um dos autores que introduziu o movimento em Portugal. Junto com escritores como Mário de Sá Carneiro, Luís de Montalvor e Ronald de Carvalho, Pessoa publicou a revista “Orpheu” em 1915, dando início ao modernismo no país. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 4. Estilo Apresentava reflexões sobre identidade, noções de verdade e existencialismo. Mas, é importante perceber que como o escritor criou diferentes heterônimos, é possível encontrar na obra de Fernando Pessoa diferentes estilos. O autor escreveu poemas em inglês, poesias líricas e poesias históricas com caráter nacionalista. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 5. Fernando Pessoa assumia heterônimos para escrever suas obras. Diferente do pseudônimo, o heterônimo tem estilo particular, assim como personalidade. A criação de heterônimos é uma característica importante na obra do autor, tido como misterioso justamente por isso. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 9. Os heterônimos mais importantes são: Álvaro de Campos, Ricardo Reis e Alberto Caeiro, sendo que o terceiro influencia os demais. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 10. Alberto Caeiro Ricardo Reis Álvaro de Campos Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 11.
  • 13. Álvaro de Campos Apesar de português, o escritor foi educado em inglês, o que o faz sempre se sentir um estrangeiro. O poeta teve fases diferentes em sua literatura, no começo tinha proximidade com o simbolismo, depois com o futurismo e então a visão niilista ficou presente nas suas obras. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 14. Na primeira fase, é o tédio e a busca por experiências diferentes que marcam a poesia. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 15. A segunda é marcada pela otimismo da civilização. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 16. E a terceira é mais introspectiva e apresenta uma poesia pessimista. Campos apostava em uma linguagem ousada para a época, mais livre. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 17. Ao contrário da racionalidade de Ricardo Reis, Campos coloca emoção em seus escritos. É considerado o alter ego de Pessoa. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 18. Ah, um soneto... Meu coração é um almirante louco que abandonou a profissão do mar e que a vai relembrando pouco a pouco em casa a passear, a passear ... No movimento (eu mesmo me desloco nesta cadeira, só de o imaginar) o mar abandonado fica em foco nos músculos cansados de parar. Há saudades nas pernas e nos braços. Há saudades no cérebro por fora. Há grandes raivas feitas de cansaços. Mas — esta é boa! — era do coração que eu falava... e onde diabo estou eu agora com almirante em vez de sensação? Álvaro de Campos / Fernando Pessoa Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 19.
  • 20. Ricardo Reis O médico que acredita na monarquia tinha uma escrita mais tradicional, a linguagem utilizada pelo heterônimo é culta e apresenta um lado clássico. Ricardo foi viver no Brasil quando a república foi proclamada em Portugal. Os textos de Reis foram publicados na revista “Athena” e na “Presença”. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 21. O autor acredita na busca pela tranquilidade através do epicurismo, uma doutrina que acredita em evitar a dor, aproveitar a vida e não ter medo de morrer. E também do estoicismo, que acredita na importância da razão estar acima da paixão e na aceitação dos limites. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 22. Como Pessoa não determinou sua morte, José Saramago, outro importante autor português, escreveu o livro “O Ano da Morte de Ricardo Reis”. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 23. Colhe o Dia, porque És Ele Uns, com os olhos postos no passado, Veem o que não veem: outros, fitos Os mesmos olhos no futuro, veem O que não pode ver-se. Por que tão longe ir pôr o que está perto — A segurança nossa? Este é o dia, Esta é a hora, este o momento, isto É quem somos, e é tudo. Perene flui a interminável hora Que nos confessa nulos. No mesmo hausto Em que vivemos, morreremos. Colhe O dia, porque és ele. Ricardo Reis, in "Odes" Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 24. Alberto Caeiro É um dos heterônimos mais importantes, apesar de ser um camponês sem estudo. É classificado, por Fernando Pessoa e os outros heterônimos, como um mestre. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 25. Alberto só escrevia poesia, não achava possível retratar a realidade através da prosa. Contra o pensamento filosófico, o escritor acredita que sentir é mais importante que pensar. Uma das obras mais conhecidas é “O Guardador de Rebanhos”. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 26. Caeiro tinha um estilo direto e simples, mas a compreensão é complexa, já que o poeta faz reflexões profundas em seus escritos. Prof. Adriana Christinne Literatura
  • 27. Bernardo Soares Um semi-heterônimo parecido com Álvaro de Campos, muito próximo de Fernando Pessoa. Segundo o escritor, Bernardo Soares tem uma parte de sua personalidade. Prof. Adriana Christinne Literatura