SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Profa. Claudia Heloisa C. Andria
Livroclip recomendado
http://www.youtube.com/watch?v=D4X_yKkIAqg
Clip produzido pelo Canal do Livro
Disponível no youtube
Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria
Estrutura da obra
“O romance Dom Casmurro é
dividido em 148 capítulos de
diversas dimensões,
predominando os curtos”.
Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria
*Machado também usou essa técnica
em Memórias Póstumas de Brás Cubas.
Temáticas do Realismo
adultério
interesses
econômicos
ambição
desmedida
vaidade
dissimulação
Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria
“Machado revela sempre uma visão desencantada da vida e do homem.
Não acreditava nos valores do seu tempo e, a rigor, não acreditava em
nenhum valor. Mais do que pessimista ou negativista, sua postura é
niilista (nihil = nada). O desmascaramento do cinismo e da hipocrisia,
do egoísmo e do interesse, que se camuflavam sob
as convenções sociais, é o móvel de grande parte da
ficção machadiana” (ANDRADE, Fernando Teixeira)
O tempo na narrativa
“Aliás, se observarmos melhor essas datas,
veremos que entre a ida de Bentinho para o
seminário e o casamento decorrem sete anos,
entre este último e a separação mais sete anos. Se
tomarmos em conta essa “suposta coincidência”,
podemos perceber que cada período forma um
ciclo completo: ascensão, plenitude e declínio ou
morte do sentimento amoroso”.
(passeiweb)
“A primeira referência é o ano de 1857, no momento que José Dias
sugere a D. Glória a necessidade de apressar a ida de Bentinho
para o seminário.
Em 1858, Bentinho vai para o seminário. Em 1865, Bentinho e
Capitu casam-se. Em 1872, Bentinho e Capitu separam-se”.
(passeiweb)
Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria
O espaço na narrativa
“O Rio de Janeiro de Machado de Assis”
(Vídeo divulgado pela Academia Brasileira de Letras)
Toda a ação narrativa passa-se no Rio de
Janeiro. O narrador faz-nos acompanhar sua
trajetória pelos bairros e ruas do Rio, desde o
Engenho Novo, onde escreve sua obra, até a
Rua de Matacavalos, onde passou sua infância
e conheceu Capitu. (SALOMÃO, Sonia Netto)
Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria
A tentativa do narrador de atar as duas pontas da vida parece funcionar não apenas
na ligação entre o presente e o passado, mas também na própria estrutura da obra.
(SALOMÃO, Sonia Netto)
É interessante lembrar, que as duas
casas amarram-se novamente num
círculo perfeito, já que a do Engenho
Novo foi construída à semelhança da
casa de Matacavalos. (SALOMÃO, Sonia Netto)
O narrador
Bentinho é um “cinquentão”
amargurado, solitário e magoado.
Em sua narrativa, ele vai
reconstruindo a história de sua
existência, desde a infância até o
início da velhice, e revelando sua
própria visão sobre fatos
passados, mal lembrados ou mal
esclarecidos de sua vida.
Em sua solidão, afirma estar
despedaçado porque diz acreditar
ter sido traído pela esposa e pelo
seu melhor amigo (Escobar) e essa
suposta traição teria determinado
sua infelicidade.
A professora americana Helen Caldwel aponta
Bentinho, e não a esposa, como o problema
central a ser desvendado.
Os realistas tinham como prática
conduzir o leitor por uma narrativa
linear, mas Machado de Assis inovou:
“O enredo da obra não é dinâmico, já
que predomina o elemento psicológico.
A narrativa é digressiva, ou seja,
interrompida todo o tempo por fugas
da linearidade para acrescentar
pensamentos ou lembranças
fragmentadas do narrador”.
(passeiweb)
Narrativa não-linear
É assim que se sustenta o grande enigma da obra: o foco narrativo.
“Dom Casmuro, enfim, é uma viagem pela mente perturbada de Bento, pela forma
como o protagonista percebe a realidade. Pode tudo ser uma ilusão? Pode”.
(Revista Superinteressante)
O foco narrativo é em 1ª pessoa e
toda a narrativa é um flashback
do narrador. Bentinho é quem
nos conta sua história, portanto,
o leitor só tem a perspectiva
desse homem que decidiu
escrever um livro para se livrar
dos fantasmas do passado.
A narrativa parece uma
argumentação para provar ele
não é o culpado por sua própria
desgraça, e sim, sua mulher.
Qual é a “armadilha” da obra?
O que significa Casmurro?
“Dom veio por ironia, para atribuir-me fumos de fidalgo.
Também não achei melhor título para a minha narração; se
não tiver outro daqui até o fim do livro, vai este mesmo.”
(ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: Companhia das Letras, 2016, p. 79-80.)
A causa desse estado “casmurro” é a morte: primeiro dos familiares, depois da mulher
e do filho. Sozinho, Bentinho torna-se um indivíduo sem amigos, que vive apenas em
seu mundo particular, isolado das demais pessoas.
Casmurro ou Bento?
O próprio nome do narrador insinua a sua ambiguidade
O ciúme de Bentinho aproxima-se do drama de Otelo.
“Benedictus”
abençoado
Santo Iago
personagem de Otelo, de
Shakespeare que, como um
diabo, um demônio ardiloso,
incita o mal, o ciúme e a
vingança de Otelo. Iago é o
responsável pelo
assassinato de Desdêmona.
(ANDRADE, Fernando Teixeira)
“(…) e como eu lhe dissesse que a vida
tanto podia ser uma ópera, como uma
viagem de mar ou uma batalha, abanou
a cabeça e replicou:
-A vida é uma ópera e uma grande ópera.
O tenor e o barítono lutam pelo soprano
(…).
Deus é o poeta. A música é de Satanás,
jovem maestro de muito futuro”
(cap IX)
pela verossimilhança, que é muita
vez toda a verdade (…) minha vida
se casa bem à definição. (cap X)“Cantei um duo
terníssimo, depois
um trio, depois
um quatuor…”
(personagem Bentinho, capítulo X)
Bentinho aproveita a metáfora da
ópera para representar suas relações
afetivas, envolvendo Capitu, Escobar
e Ezequiel.
Intertextualidade “Pérfida como a onda”
“Uma mulher pérfida é um
demônio doméstico,
um punhal oculto nas mangas de
um jesuíta” (Otelo, Shakespeare)
“Capitu, aqueles olhos que o
diabo lhe deu…Você já reparou
nos olhos dela?
(Dom Casmurro, Machado de Assis, cap.XXV)
“Olhos de ressaca? Vá, de ressaca (…) fluido misterioso e energético,
uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da
praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrastado, agarrei-me às
outras partes” (Dom Casmurro, Machado de Assis- cap.XXXII)
Quem é Capitu ?
"criatura de 14 anos, alta, forte e cheia, apertada em um vestido
de chita, meio desbotado. Os cabelos grossos, feitos em duas
tranças, com as pontas atadas uma à outra, à moda do tempo...
morena, olhos claros e grandes, nariz reto e comprido, tinha a
boca fina e o queixo largo... calçava sapatos de duraque, rasos e
velhos, a que ela mesma dera alguns pontos".
(descrição feita por Bentinho,cap. XIII)
Capitu
“caput (em latim, significa cabeça)
numa alusão à inteligência ou à
esperteza” (ANDRADE, Fernando Teixeira)
“Foneticamente aproxima-se de
capeta, imagem da vivacidade, ou da
maldade e traição com que a
impregna o narrador enciumado”
(ANDRADE, Fernando Teixeira)
“CAPITOLINA lembra ainda o verbo capitular (= renunciar), a atitude conformada
da esposa injuriada pelo marido, e que capitula e renuncia a qualquer reação”.
(ANDRADE, Fernando Teixeira)
Segundo José Dias (personagem
da obra), Capitu possuía
"olhos de cigana oblíqua e
dissimulada”
mas, para Bentinho os olhos
pareciam "olhos de ressaca“.
“Traziam não sei que fluido
misterioso e energético, uma força
que arrastava para dentro, com a
vaga que se retira da praia, nos
dias de ressaca"
(cap.XXXII)
Assista
Clique aqui https://youtu.be/I1jZQLJZ8kU
Cena da minissérie
“Capitu” (2008)
produzida pela Rede
Globo e exibida em 5
capítulos.
“Capitu, até a metade do livro, é
quem dá as cartas na relação. Ela
articula maneiras de livrá-lo
[Bentinho] do seminário. Disso
podemos tirar que ela é uma
menina pobre, avançada e
independente, muito diferente do
modelo de mulher do século XIX e
de D. Glória, mãe de Bentinho.
Nesse sentido, Capitu representa
no livro duas categorias sociais
marginalizadas no Brasil: ser pobre
e mulher. Junte-se a isso o fato de
ela de ela “perturbar” a família
abastada, isto é, casar-se com um
homem rico”
(Almanaque Abril, p. 70)
O grande tema dessa
obra é a suspeita do
adultério nascida do
ciúme doentio do
narrador.
Esse suposto
adultério é pano de
fundo para que
Machado de Assis
introduza de forma
inovadora questões
relativas à situação
da mulher.
Pode-se afirmar,
portanto, que
Machado de Assis
introduz na
literatura
brasileira o
problema das
classes
Em Dom Casmurro, o autor “coloca
no centro de sua temática a
menina que não se deixa
comandar e, em virtude disso,
perturba a ordem vigente naquele
ambiente social estreito e
conservador.” (Guia do Estudante)
O Realismo dissimulado
De um lado vem você com seu jeitinho
Hábil, hábil, hábil
E pronto!
Me conquista com seu dom
De outro esse seu site petulante
www ponto
Poderosa ponto com
É esse o seu modo de ser ambíguo
Sábio, sábio
E todo encanto
Canto, canto
Raposa e sereia da terra e do mar
Na tela e no ar
Você é virtualmente amada amante
Você real é ainda mais tocante
Não há quem não se encante
Um método de agir que é tão astuto
Com jeitinho alcança tudo, tudo, tudo
É só se entregar, é não resistir, é capitular
Capitu
A ressaca dos mares
A sereia do sul
Captando os olhares
Nosso totem tabu
A mulher em milhares
Capitu
No site o seu poder provoca o ócio, o ócio
Um passo para o vício, o vício
É só navegar, é só te seguir, e então naufragar
Capitu
Feminino com arte
A traição atraente
Um capítulo à parte
Quase vírus ardente
Imperando no site
Capitu
autor: Luiz Tatit
Intérprete: Ná Ozzetti
OUÇA: https://www.youtube.com/watch?v=t_lJIUVFCSE
É interessante notar as inúmeras citações bíblicas feitas por Machado de Assis durante
todo o livro; mais que isso, é notar que na época em que o Romance foi escrito, estávamos
vivendo o movimento literário chamado Realismo, no qual predominava a razão sobre a
emoção e consequentemente o antropocentrismo sobre o teocentrismo. E, mesmo assim,
na maioria das obras Machadianas, temos a constante e intensa presença da religião, em
especial na obra Dom Casmurro, na qual a primeira trama acontece devido ao fato de a
mãe de Bentinho, D.Glória, ter feito uma promessa a Deus pela vida de seu filho.
(BULIO, Paula)
Cinismo machadiano
Repare nos nomes das
personagens:
D. Glória
Bento
Ezequiel
José (Dias)
+ inovação
Uma das características
marcantes da obra de Machado
de Assis é a análise psicológica. O
autor chegou até mesmo a
antecipar conceitos que mais
tarde o próprio Sigmund Freud
(1856-1939) formalizaria, como é
o caso do complexo de Édipo,
claramente prefigurado no
romance.
Quem é Escobar?
Ezequiel de Souza Escobar*
“Era um rapaz esbelto, olhos claros, um
pouco fugitivos, como as mãos, como os pés,
como a fala, como tudo (…) Não fitava de
rosto, não falava claro nem seguido (…)
Escobar veio abrindo a alma toda, desde a
porta da rua até o fundo do quintal.”
(Cap. LVI)
“Escobar era muito polido. (…)
Os olhos de Escobar eram
dulcíssimos”.
Depois de muitos anos em casa de
D. Glória, passou a fazer parte da família,
sendo ouvido pela velha senhora.
"com o tempo adquiriu curta autoridade na
família, certa audiência, ao menos; não
abusava, e sabia opinar obedecendo"
Tenta, no início, persuadir Dona Glória a
mandar Bentinho para o Seminário, passando-
se, depois para cúmplice do menino: "as
cortesias que fizesse vinham antes do cálculo
que da índole".
Não apenas cuidava de Bentinho como
protegia-o de forma paternal.
Assista a cena do capítulo “Uma ponta de Iago” (Rede Globo, 2008)
http://www.youtube.com/watch?v=7tlfM3AWRBg&feature=related
José Dias , o agregado
De onde vem a desconfiança?
Capitu sempre soube exatamente o
que queria: casar-se com Bentinho.
Ao contrário de Bentinho, ela é forte,
consegue facilmente dissimular
situações embaraçosas, como as duas
primeiras vezes que se beijaram.
Em ambas ela tomou a atitude inicial
e também soube sair-se bem diante
da mãe, e depois, do pai.
(Passeiweb)
Assista a cena do capítulo “A inscrição” (Rede Globo, 2008)
http://www.youtube.com/watch?v=I7-5biqAXpI
“É dessa força de Capitu que
nasce a fraqueza de Bentinho.
Este não sabia o que esperar das
atitudes da mulher, que seguia
seus próprios passos e princípios.
Isso gerava a incerteza e fazia
nascer a suspeita. Capitu
realmente teria traído Bentinho,
sem que esse sequer suspeitasse,
se é que não o fez. Ela sabia
dissimular como ninguém e
manter-se em seu pedestal.
Bentinho sabia disso e daí cresce
a dúvida que o amargura e
angustia.” (Passeiweb)
Caso não tenha sido traído, Bentinho
acredita que foi. Então mandou a
família para a Europa, não assumiu
sua separação, e “capitulou” o
assunto, mas sofreu para sempre
com a dúvida por medo da
possibilidade de a traição
ser verdade.
“Isso nos leva a concluir que tanto
faz, e que discutiremos o fato
ad aeternum enquanto o velho
bruxo do Cosme Velho ri de nós lá do
infinito, em sua eterna superação de
tudo quanto é humano”.
Traiu ou não traiu?
Importa?
Fontes de pesquisa
ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: Companhia das Letras, 2016
ANDRADE, Fernando Teixeira. Dom Casmurro- Machado de Assis Disponível em:
http://www.escolafuturo.net/site/assets/livros/Livros-Objetivo-Dom-Casmurro.pdf
BULIO, Paula. Disponível em: www.geocities.com/linguasolta/paulabulio.htm
Guia do estudante http://guiadoestudante.abril.com.br/estude/literatura/materia_416084.shtml
SALOMÃO, Sônia Netto.Machado de Assis e o cânone ocidental: itinerários de leitura. Disponível em: books.google.com.br
Passeiweb http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/d/dom_casmurro/
Revista Superinteressante disponível em https://super.abril.com.br/blog/oraculo/capitu-traiu-ou-nao-traiu-bentinho-em-
dom-casmurro-de-machado-de-assis/
http://pre-vestibular.arteblog.com.br/52151/DOM-CASMURRO-O-Otelo-de-Machado-de-Assis/
http://consultoriopsique.com.br/allborralho/analise-psicologica-da-obra-%E2%80%9Cdom-casmurro%E2%80%9D-a-luz-da-
psicologia-analitica/
Pesquisa, organização e layout
Profa. Cláudia Heloísa C. Andria
Contato: clauheloisa@yahoo.com.br Profa. Claudia Heloisa C. Andria
Todas as imagens utilizadas nessa apresentação
foram capturadas no google imagens

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
Glauco Souza
 

Mais procurados (20)

Toda a Literatura
Toda a LiteraturaToda a Literatura
Toda a Literatura
 
Quinhentismo
Quinhentismo Quinhentismo
Quinhentismo
 
O que é Literatura?
O que é Literatura?O que é Literatura?
O que é Literatura?
 
Conclusão - Dissertação
Conclusão - DissertaçãoConclusão - Dissertação
Conclusão - Dissertação
 
Realismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - LiteraturaRealismo e Naturalismo - Literatura
Realismo e Naturalismo - Literatura
 
Gênero dramático
Gênero dramáticoGênero dramático
Gênero dramático
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo CompletoRomantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
Romantismo - As 3 gerações - Resumo Completo
 
Arcadismo no Brasil
Arcadismo no BrasilArcadismo no Brasil
Arcadismo no Brasil
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)Modernismo 2 fase (geração de 30)
Modernismo 2 fase (geração de 30)
 
José de Alencar
José de AlencarJosé de Alencar
José de Alencar
 
Arcadismo
ArcadismoArcadismo
Arcadismo
 
Modernismo
Modernismo Modernismo
Modernismo
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Metrificação e escansão
Metrificação e escansãoMetrificação e escansão
Metrificação e escansão
 
Romance
RomanceRomance
Romance
 
Passos para a redação do enem
Passos para a redação do enemPassos para a redação do enem
Passos para a redação do enem
 

Semelhante a Dom Casmurro

Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Edir Alonso
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assis
mfmpafatima
 
Especificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto LiterárioEspecificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto Literário
Joselaine
 
Otelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom CasmurroOtelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom Casmurro
acheiotexto
 

Semelhante a Dom Casmurro (20)

Dom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de AssisDom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de Assis
 
Aula 16 machado de assis
Aula 16   machado de assisAula 16   machado de assis
Aula 16 machado de assis
 
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do RsLiteratura Nos Vestibulares Do Rs
Literatura Nos Vestibulares Do Rs
 
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Intertextualidade
IntertextualidadeIntertextualidade
Intertextualidade
 
Slide e..(1)
Slide   e..(1)Slide   e..(1)
Slide e..(1)
 
Apresentação3 guilherme e rafaela
Apresentação3 guilherme e rafaelaApresentação3 guilherme e rafaela
Apresentação3 guilherme e rafaela
 
Realismo Machado de Assis
Realismo   Machado de AssisRealismo   Machado de Assis
Realismo Machado de Assis
 
1º resumo lp
1º resumo lp1º resumo lp
1º resumo lp
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
João miramar
João miramarJoão miramar
João miramar
 
Literatura aula 16 - machado de assis
Literatura   aula 16 - machado de assisLiteratura   aula 16 - machado de assis
Literatura aula 16 - machado de assis
 
O cotidiano peculiar, por taisa silveira
O cotidiano peculiar, por taisa silveiraO cotidiano peculiar, por taisa silveira
O cotidiano peculiar, por taisa silveira
 
Especificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto LiterárioEspecificidade do Texto Literário
Especificidade do Texto Literário
 
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovaxrealismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
realismo-e-naturalismo-resumoparaaprovax
 
Otelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom CasmurroOtelo e Dom Casmurro
Otelo e Dom Casmurro
 
Modernismo de 45
Modernismo de 45Modernismo de 45
Modernismo de 45
 
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdf
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdfRealismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdf
Realismo_e_Naturalismo_Lista_de_Exercicios_Literatura_ENEM (2) (1).pdf
 
Sinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiroSinopses livros janeiro
Sinopses livros janeiro
 

Mais de Cláudia Heloísa

Mais de Cláudia Heloísa (20)

Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 

Último

472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 

Dom Casmurro

  • 2. Livroclip recomendado http://www.youtube.com/watch?v=D4X_yKkIAqg Clip produzido pelo Canal do Livro Disponível no youtube Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria
  • 3. Estrutura da obra “O romance Dom Casmurro é dividido em 148 capítulos de diversas dimensões, predominando os curtos”. Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria *Machado também usou essa técnica em Memórias Póstumas de Brás Cubas.
  • 4. Temáticas do Realismo adultério interesses econômicos ambição desmedida vaidade dissimulação Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria “Machado revela sempre uma visão desencantada da vida e do homem. Não acreditava nos valores do seu tempo e, a rigor, não acreditava em nenhum valor. Mais do que pessimista ou negativista, sua postura é niilista (nihil = nada). O desmascaramento do cinismo e da hipocrisia, do egoísmo e do interesse, que se camuflavam sob as convenções sociais, é o móvel de grande parte da ficção machadiana” (ANDRADE, Fernando Teixeira)
  • 5. O tempo na narrativa “Aliás, se observarmos melhor essas datas, veremos que entre a ida de Bentinho para o seminário e o casamento decorrem sete anos, entre este último e a separação mais sete anos. Se tomarmos em conta essa “suposta coincidência”, podemos perceber que cada período forma um ciclo completo: ascensão, plenitude e declínio ou morte do sentimento amoroso”. (passeiweb) “A primeira referência é o ano de 1857, no momento que José Dias sugere a D. Glória a necessidade de apressar a ida de Bentinho para o seminário. Em 1858, Bentinho vai para o seminário. Em 1865, Bentinho e Capitu casam-se. Em 1872, Bentinho e Capitu separam-se”. (passeiweb) Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria
  • 6. O espaço na narrativa “O Rio de Janeiro de Machado de Assis” (Vídeo divulgado pela Academia Brasileira de Letras) Toda a ação narrativa passa-se no Rio de Janeiro. O narrador faz-nos acompanhar sua trajetória pelos bairros e ruas do Rio, desde o Engenho Novo, onde escreve sua obra, até a Rua de Matacavalos, onde passou sua infância e conheceu Capitu. (SALOMÃO, Sonia Netto) Profa.ClaudiaHeloisaC.Andria A tentativa do narrador de atar as duas pontas da vida parece funcionar não apenas na ligação entre o presente e o passado, mas também na própria estrutura da obra. (SALOMÃO, Sonia Netto) É interessante lembrar, que as duas casas amarram-se novamente num círculo perfeito, já que a do Engenho Novo foi construída à semelhança da casa de Matacavalos. (SALOMÃO, Sonia Netto)
  • 7. O narrador Bentinho é um “cinquentão” amargurado, solitário e magoado. Em sua narrativa, ele vai reconstruindo a história de sua existência, desde a infância até o início da velhice, e revelando sua própria visão sobre fatos passados, mal lembrados ou mal esclarecidos de sua vida. Em sua solidão, afirma estar despedaçado porque diz acreditar ter sido traído pela esposa e pelo seu melhor amigo (Escobar) e essa suposta traição teria determinado sua infelicidade. A professora americana Helen Caldwel aponta Bentinho, e não a esposa, como o problema central a ser desvendado.
  • 8. Os realistas tinham como prática conduzir o leitor por uma narrativa linear, mas Machado de Assis inovou: “O enredo da obra não é dinâmico, já que predomina o elemento psicológico. A narrativa é digressiva, ou seja, interrompida todo o tempo por fugas da linearidade para acrescentar pensamentos ou lembranças fragmentadas do narrador”. (passeiweb) Narrativa não-linear
  • 9. É assim que se sustenta o grande enigma da obra: o foco narrativo. “Dom Casmuro, enfim, é uma viagem pela mente perturbada de Bento, pela forma como o protagonista percebe a realidade. Pode tudo ser uma ilusão? Pode”. (Revista Superinteressante) O foco narrativo é em 1ª pessoa e toda a narrativa é um flashback do narrador. Bentinho é quem nos conta sua história, portanto, o leitor só tem a perspectiva desse homem que decidiu escrever um livro para se livrar dos fantasmas do passado. A narrativa parece uma argumentação para provar ele não é o culpado por sua própria desgraça, e sim, sua mulher. Qual é a “armadilha” da obra?
  • 10. O que significa Casmurro? “Dom veio por ironia, para atribuir-me fumos de fidalgo. Também não achei melhor título para a minha narração; se não tiver outro daqui até o fim do livro, vai este mesmo.” (ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: Companhia das Letras, 2016, p. 79-80.) A causa desse estado “casmurro” é a morte: primeiro dos familiares, depois da mulher e do filho. Sozinho, Bentinho torna-se um indivíduo sem amigos, que vive apenas em seu mundo particular, isolado das demais pessoas.
  • 11. Casmurro ou Bento? O próprio nome do narrador insinua a sua ambiguidade O ciúme de Bentinho aproxima-se do drama de Otelo. “Benedictus” abençoado Santo Iago personagem de Otelo, de Shakespeare que, como um diabo, um demônio ardiloso, incita o mal, o ciúme e a vingança de Otelo. Iago é o responsável pelo assassinato de Desdêmona. (ANDRADE, Fernando Teixeira)
  • 12. “(…) e como eu lhe dissesse que a vida tanto podia ser uma ópera, como uma viagem de mar ou uma batalha, abanou a cabeça e replicou: -A vida é uma ópera e uma grande ópera. O tenor e o barítono lutam pelo soprano (…). Deus é o poeta. A música é de Satanás, jovem maestro de muito futuro” (cap IX) pela verossimilhança, que é muita vez toda a verdade (…) minha vida se casa bem à definição. (cap X)“Cantei um duo terníssimo, depois um trio, depois um quatuor…” (personagem Bentinho, capítulo X) Bentinho aproveita a metáfora da ópera para representar suas relações afetivas, envolvendo Capitu, Escobar e Ezequiel.
  • 13. Intertextualidade “Pérfida como a onda” “Uma mulher pérfida é um demônio doméstico, um punhal oculto nas mangas de um jesuíta” (Otelo, Shakespeare) “Capitu, aqueles olhos que o diabo lhe deu…Você já reparou nos olhos dela? (Dom Casmurro, Machado de Assis, cap.XXV) “Olhos de ressaca? Vá, de ressaca (…) fluido misterioso e energético, uma força que arrastava para dentro, como a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca. Para não ser arrastado, agarrei-me às outras partes” (Dom Casmurro, Machado de Assis- cap.XXXII)
  • 14. Quem é Capitu ? "criatura de 14 anos, alta, forte e cheia, apertada em um vestido de chita, meio desbotado. Os cabelos grossos, feitos em duas tranças, com as pontas atadas uma à outra, à moda do tempo... morena, olhos claros e grandes, nariz reto e comprido, tinha a boca fina e o queixo largo... calçava sapatos de duraque, rasos e velhos, a que ela mesma dera alguns pontos". (descrição feita por Bentinho,cap. XIII) Capitu “caput (em latim, significa cabeça) numa alusão à inteligência ou à esperteza” (ANDRADE, Fernando Teixeira) “Foneticamente aproxima-se de capeta, imagem da vivacidade, ou da maldade e traição com que a impregna o narrador enciumado” (ANDRADE, Fernando Teixeira) “CAPITOLINA lembra ainda o verbo capitular (= renunciar), a atitude conformada da esposa injuriada pelo marido, e que capitula e renuncia a qualquer reação”. (ANDRADE, Fernando Teixeira)
  • 15. Segundo José Dias (personagem da obra), Capitu possuía "olhos de cigana oblíqua e dissimulada” mas, para Bentinho os olhos pareciam "olhos de ressaca“. “Traziam não sei que fluido misterioso e energético, uma força que arrastava para dentro, com a vaga que se retira da praia, nos dias de ressaca" (cap.XXXII)
  • 16. Assista Clique aqui https://youtu.be/I1jZQLJZ8kU Cena da minissérie “Capitu” (2008) produzida pela Rede Globo e exibida em 5 capítulos.
  • 17. “Capitu, até a metade do livro, é quem dá as cartas na relação. Ela articula maneiras de livrá-lo [Bentinho] do seminário. Disso podemos tirar que ela é uma menina pobre, avançada e independente, muito diferente do modelo de mulher do século XIX e de D. Glória, mãe de Bentinho. Nesse sentido, Capitu representa no livro duas categorias sociais marginalizadas no Brasil: ser pobre e mulher. Junte-se a isso o fato de ela de ela “perturbar” a família abastada, isto é, casar-se com um homem rico” (Almanaque Abril, p. 70) O grande tema dessa obra é a suspeita do adultério nascida do ciúme doentio do narrador. Esse suposto adultério é pano de fundo para que Machado de Assis introduza de forma inovadora questões relativas à situação da mulher. Pode-se afirmar, portanto, que Machado de Assis introduz na literatura brasileira o problema das classes
  • 18. Em Dom Casmurro, o autor “coloca no centro de sua temática a menina que não se deixa comandar e, em virtude disso, perturba a ordem vigente naquele ambiente social estreito e conservador.” (Guia do Estudante) O Realismo dissimulado
  • 19. De um lado vem você com seu jeitinho Hábil, hábil, hábil E pronto! Me conquista com seu dom De outro esse seu site petulante www ponto Poderosa ponto com É esse o seu modo de ser ambíguo Sábio, sábio E todo encanto Canto, canto Raposa e sereia da terra e do mar Na tela e no ar Você é virtualmente amada amante Você real é ainda mais tocante Não há quem não se encante Um método de agir que é tão astuto Com jeitinho alcança tudo, tudo, tudo É só se entregar, é não resistir, é capitular Capitu A ressaca dos mares A sereia do sul Captando os olhares Nosso totem tabu A mulher em milhares Capitu No site o seu poder provoca o ócio, o ócio Um passo para o vício, o vício É só navegar, é só te seguir, e então naufragar Capitu Feminino com arte A traição atraente Um capítulo à parte Quase vírus ardente Imperando no site Capitu autor: Luiz Tatit Intérprete: Ná Ozzetti OUÇA: https://www.youtube.com/watch?v=t_lJIUVFCSE
  • 20. É interessante notar as inúmeras citações bíblicas feitas por Machado de Assis durante todo o livro; mais que isso, é notar que na época em que o Romance foi escrito, estávamos vivendo o movimento literário chamado Realismo, no qual predominava a razão sobre a emoção e consequentemente o antropocentrismo sobre o teocentrismo. E, mesmo assim, na maioria das obras Machadianas, temos a constante e intensa presença da religião, em especial na obra Dom Casmurro, na qual a primeira trama acontece devido ao fato de a mãe de Bentinho, D.Glória, ter feito uma promessa a Deus pela vida de seu filho. (BULIO, Paula) Cinismo machadiano Repare nos nomes das personagens: D. Glória Bento Ezequiel José (Dias)
  • 21. + inovação Uma das características marcantes da obra de Machado de Assis é a análise psicológica. O autor chegou até mesmo a antecipar conceitos que mais tarde o próprio Sigmund Freud (1856-1939) formalizaria, como é o caso do complexo de Édipo, claramente prefigurado no romance.
  • 22. Quem é Escobar? Ezequiel de Souza Escobar* “Era um rapaz esbelto, olhos claros, um pouco fugitivos, como as mãos, como os pés, como a fala, como tudo (…) Não fitava de rosto, não falava claro nem seguido (…) Escobar veio abrindo a alma toda, desde a porta da rua até o fundo do quintal.” (Cap. LVI) “Escobar era muito polido. (…) Os olhos de Escobar eram dulcíssimos”.
  • 23. Depois de muitos anos em casa de D. Glória, passou a fazer parte da família, sendo ouvido pela velha senhora. "com o tempo adquiriu curta autoridade na família, certa audiência, ao menos; não abusava, e sabia opinar obedecendo" Tenta, no início, persuadir Dona Glória a mandar Bentinho para o Seminário, passando- se, depois para cúmplice do menino: "as cortesias que fizesse vinham antes do cálculo que da índole". Não apenas cuidava de Bentinho como protegia-o de forma paternal. Assista a cena do capítulo “Uma ponta de Iago” (Rede Globo, 2008) http://www.youtube.com/watch?v=7tlfM3AWRBg&feature=related José Dias , o agregado
  • 24. De onde vem a desconfiança? Capitu sempre soube exatamente o que queria: casar-se com Bentinho. Ao contrário de Bentinho, ela é forte, consegue facilmente dissimular situações embaraçosas, como as duas primeiras vezes que se beijaram. Em ambas ela tomou a atitude inicial e também soube sair-se bem diante da mãe, e depois, do pai. (Passeiweb) Assista a cena do capítulo “A inscrição” (Rede Globo, 2008) http://www.youtube.com/watch?v=I7-5biqAXpI
  • 25. “É dessa força de Capitu que nasce a fraqueza de Bentinho. Este não sabia o que esperar das atitudes da mulher, que seguia seus próprios passos e princípios. Isso gerava a incerteza e fazia nascer a suspeita. Capitu realmente teria traído Bentinho, sem que esse sequer suspeitasse, se é que não o fez. Ela sabia dissimular como ninguém e manter-se em seu pedestal. Bentinho sabia disso e daí cresce a dúvida que o amargura e angustia.” (Passeiweb)
  • 26. Caso não tenha sido traído, Bentinho acredita que foi. Então mandou a família para a Europa, não assumiu sua separação, e “capitulou” o assunto, mas sofreu para sempre com a dúvida por medo da possibilidade de a traição ser verdade. “Isso nos leva a concluir que tanto faz, e que discutiremos o fato ad aeternum enquanto o velho bruxo do Cosme Velho ri de nós lá do infinito, em sua eterna superação de tudo quanto é humano”. Traiu ou não traiu? Importa?
  • 27. Fontes de pesquisa ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: Companhia das Letras, 2016 ANDRADE, Fernando Teixeira. Dom Casmurro- Machado de Assis Disponível em: http://www.escolafuturo.net/site/assets/livros/Livros-Objetivo-Dom-Casmurro.pdf BULIO, Paula. Disponível em: www.geocities.com/linguasolta/paulabulio.htm Guia do estudante http://guiadoestudante.abril.com.br/estude/literatura/materia_416084.shtml SALOMÃO, Sônia Netto.Machado de Assis e o cânone ocidental: itinerários de leitura. Disponível em: books.google.com.br Passeiweb http://www.passeiweb.com/na_ponta_lingua/livros/analises_completas/d/dom_casmurro/ Revista Superinteressante disponível em https://super.abril.com.br/blog/oraculo/capitu-traiu-ou-nao-traiu-bentinho-em- dom-casmurro-de-machado-de-assis/ http://pre-vestibular.arteblog.com.br/52151/DOM-CASMURRO-O-Otelo-de-Machado-de-Assis/ http://consultoriopsique.com.br/allborralho/analise-psicologica-da-obra-%E2%80%9Cdom-casmurro%E2%80%9D-a-luz-da- psicologia-analitica/ Pesquisa, organização e layout Profa. Cláudia Heloísa C. Andria Contato: clauheloisa@yahoo.com.br Profa. Claudia Heloisa C. Andria Todas as imagens utilizadas nessa apresentação foram capturadas no google imagens