SlideShare uma empresa Scribd logo
Realismo
Contexto Histórico
  Desenvolveu-se a
  partir da segunda
  metade do século
         XIX.
  Característica principal:
Abordagem de temas sociais
 e tratamento objetivo da
        realidade .
O jornal ganha mais importância no
      cotidiano das pessoas
Pintura
 “Mostrar as coisas como elas são”

  O realismo teve origem
         na França
   por meados do início
   dos anos quarenta do
       século XIX.

Principais pintores realistas:
Édouard Manet
Gustave Courbet
Jean-François Millet



                                     Millet
O pai do movimento
 realista foi Gustave
 Courbet (1819 - 77).
  Ele insistiu que "a
       pintura é
 essencialmente uma
arte concreta e tem de
ser aplicada às coisas
  reais e existentes".
 Quando lhe pediram
  que pintasse anjos,
      respondeu:
   "Nunca vi anjos.
Se me mostrarem um,
      eu pinto ".
                         Autorretrato do pintor
"O fim" por Mikhail Vasilevich Kupriyanov. A decadência do sistema capitalista marcado pela agonia do nazismo.
Robert Martineau (pré-rafaelista), O último dia na casa velha, 1862 óleo sobre tela
―Angelus‖, Millet
Auguste Comte
Positivismo- segunda metade do século XIX
do latim positum (= posto, o que está posto
diante, situado), significa descritivamente o que
se observa, ou experimenta.
 Pode-se dizer que o conhecimento positivo
 tem como fundamento "ver para prever, a fim
 de prover" - ou seja: conhecer a realidade
 para saber o que acontecerá a partir de
 nossas ações, para que o ser humano possa
 melhorar sua realidade. Dessa forma, a
 previsão científica caracteriza o pensamento
 positivo.



algumas fórmulas fundamentais: "Tudo é relativo, eis o único princípio absoluto"
(1819) e "Todas as concepções humanas passam por três estádios sucessivos -
teológico, metafísico e positivo -, com uma velocidade proporcional à velocidade
dos fenômenos correspondentes" (1822) -a famosa "lei dos três estados".
Taine                                                        Determinismo
Hippolyte Adolphe Taine (Vouziers, 1828 — Paris, 1893)
    Estabeleceu que não há conceitos universais com a correspondente realidade.
                               Sua teoria
                              fundamental
                              atinge quatro
                                objetos :




      Deus         Natureza                   Homem   Sociedade




  Concebeu a Deus como um axioma eterno, do qual os
  múltiplos fenômenos da natureza são manifestações.
  O homem é a manifestação principal de todas as
  manifestações da natureza e opera com inteligência e
  vontade. Finalmente o homem cria a sociedade.
Thomas Malthus
Sua fama decorre dos estudos sobre a
população; para ele o excesso
populacional era a causa de todos os
males da sociedade (população cresce
em progressão geométrica e alimentos
em progressão aritmética -1798)
Malthus estudou possibilidades de
restringir esse crescimento, pois os
meios de subsistência poderiam crescer
somente em progressão aritmética.
Segundo ele, esse crescimento
populacional é limitado pelo aumento da
mortalidade e por todas as restrições ao
nascimento, decorrentes da miséria e do
vício.
Suas obras exerceram influência em
vários campos do pensamento e
forneceram a chave para as teorias
evolucionistas de Darwin
Darwin
Convenceu a comunidade científica
da ocorrência da evolução e propôs
uma teoria para explicar como ela se
 dá por meio da seleção natural e
              sexual.
 Esta teoria se desenvolveu no que é
   agora considerado o paradigma
 central para explicação de diversos
fenômenos na Biologia. Em seu livro
 de 1859, "A Origem das Espécies" ,
   introduziu a ideia de evolução a
  partir de um ancestral comum, por
   meio de seleção natural. Esta se
    tornou a explicação científica
   dominante para a diversidade de
          espécies na natureza.
Caricatura publicada na revista
Hornet, onde Darwin é retratado
como um macaco.
Herbert Spencer
   Spencer foi um profundo
    admirador da obra de
  Charles Darwin. É dele a
  expressão “sobrevivência
        do mais apto”
  e em sua obra procurou
       aplicar as leis da
  evolução a todos os níveis
     da atividade humana.
―Spencer é considerado
o "pai" do Darwinismo
social, embora jamais
tenha utilizado o termo.
Com base em suas
idéias, alguns autores
procuraram justificar a
divisão da sociedade em
classes e o Imperialismo
europeu, sugerindo que
estes seriam exemplos
de seleção natural.‖
φ   Filosofia    "Toda verdade passa por
                 três estágios. Primeiro, é
                    ridicularizada. Em
                 segundo, é violentamente
                   refutada. Em terceiro
                lugar, é aceite como sendo
                   uma clara evidência"

                  Arthur Schopenhauer
                      (Alemanha)

                  Era um pessimista, mas era lúcido.
Música
   Enquanto a música nos
períodos anteriores podia ser
 identificada por um único e
   mesmo estilo, comum a
  todos os compositores da
época, na segunda metade do
  século XIX ela se mostra
como uma mistura complexa
   de muitas tendências. A
   maioria das tendências
compartilham uma coisa em
comum: uma reação contra
     o estilo romântico.
Frederic Chopin
                               Muitas das peças de Chopin
                                  tornaram-se bastante
                               conhecidas — por exemplo,
                                      a Valsa Minuto
                                (Op. 64, nº 1) e o terceiro
                                movimento de sua sonata
                               Marcha Fúnebre (Op. 35),
                                  que é freqüentemente
                                   utilizada como uma
                                representação icástica de
                                           luto.


  Polônia,1810 – França,1849
Filmografia Indicada
Fontes de pesquisa
http://chopin.noads.biz/vida.html
http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/historia-da-musica/historia-da-musica-10.php
http://racionalistasusp.wordpress.com/category/espiritismo/
MACHADO, Rodrigo Celente. O salto evolutivo: Machado de Assis entre o conservadorismo e o progresso.
Disponível em http://www.latindex.ucr.ac.cr/lmodernas-n11-2009/modernas-n11-11.pdf
http://vestibular.uol.com.br/revisao-de-disciplinas/literatura/realismo.jhtm




                               Pesquisa e organização

     Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria
     Graduada em Letras – Unisantos
     contato: clauheloisa@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
CrisBiagio
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Fábio Guimarães
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
Claudio Soares
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
jairanselmo
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
Carolina Loçasso Pereira
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
Ana Batista
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
Karoline Tavares
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
Lourdinas
 
Simbolismo no brasil
Simbolismo no brasilSimbolismo no brasil
Simbolismo no brasil
Don Veneziani
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
Andréia Peixoto
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
Beatriz Araujo
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
VIVIAN TROMBINI
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
Lucas Queiroz
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
Cynthia Funchal
 
Realismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assisRealismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assis
Walace Cestari
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
Colégio Santa Luzia
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
Luciene Gomes
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
Antonio Minharro
 

Mais procurados (20)

Romantismo no Brasil
Romantismo no BrasilRomantismo no Brasil
Romantismo no Brasil
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Parnasianismo'
Parnasianismo'Parnasianismo'
Parnasianismo'
 
Terceira geração modernista
Terceira geração modernista Terceira geração modernista
Terceira geração modernista
 
Naturalismo
NaturalismoNaturalismo
Naturalismo
 
Gêneros literários
Gêneros literáriosGêneros literários
Gêneros literários
 
O pré modernismo
O pré modernismoO pré modernismo
O pré modernismo
 
Realismo no brasil
Realismo no brasilRealismo no brasil
Realismo no brasil
 
Geração de 1945
Geração de 1945Geração de 1945
Geração de 1945
 
Simbolismo no brasil
Simbolismo no brasilSimbolismo no brasil
Simbolismo no brasil
 
Romantismo prosa
Romantismo prosaRomantismo prosa
Romantismo prosa
 
Parnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiroParnasianismo brasileiro
Parnasianismo brasileiro
 
Literatura contemporânea
Literatura contemporâneaLiteratura contemporânea
Literatura contemporânea
 
Romantismo contexto histórico e características
Romantismo   contexto histórico e característicasRomantismo   contexto histórico e características
Romantismo contexto histórico e características
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Parnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e SimbolismoParnasianismo e Simbolismo
Parnasianismo e Simbolismo
 
Realismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assisRealismo - Machado de assis
Realismo - Machado de assis
 
Naturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e portuguêsNaturalismo brasileiro e português
Naturalismo brasileiro e português
 
3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog3ª fase do modernismo blog
3ª fase do modernismo blog
 
O romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geraçãoO romantismo da segunda geração
O romantismo da segunda geração
 

Destaque

CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
Cláudia Heloísa
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
Carla Teixeira
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
Dodidemais Oliveira
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Cláudia Heloísa
 
Terceira geração romântica
Terceira geração românticaTerceira geração romântica
Terceira geração romântica
Viviane Gomes
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
clemildapetrolina
 
Apresenta o - realismo
Apresenta  o - realismoApresenta  o - realismo
Apresenta o - realismo
Arielly Winchester
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
Israel Ferreira
 
Romantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracaoRomantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracao
Cláudia Heloísa
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
Cláudia Heloísa
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
Cláudia Heloísa
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
Cláudia Heloísa
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Matheus Beleboni
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
NAPNE
 
Realismogabriele
RealismogabrieleRealismogabriele
Realismogabriele
carolineborba
 
Introdução ao Realismo
Introdução ao RealismoIntrodução ao Realismo
Introdução ao Realismo
CrisBiagio
 
Senhora josé de alencar 1
Senhora josé de alencar 1Senhora josé de alencar 1
Senhora josé de alencar 1
Laiza Martins
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Aline Bicudo
 
REALISMO
REALISMOREALISMO
REALISMO
Neena Gomes
 
Dom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de AssisDom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de Assis
vestibular
 

Destaque (20)

CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
CONFIRA A ATUALIZAÇÃO DESTA APRESENTAÇÃO EM https://www.slideshare.net/clauhe...
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Dom casmurro
Dom casmurroDom casmurro
Dom casmurro
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
Terceira geração romântica
Terceira geração românticaTerceira geração romântica
Terceira geração romântica
 
Slide Dom Casmurro
Slide Dom CasmurroSlide Dom Casmurro
Slide Dom Casmurro
 
Apresenta o - realismo
Apresenta  o - realismoApresenta  o - realismo
Apresenta o - realismo
 
O Realismo no Brasil
O Realismo no BrasilO Realismo no Brasil
O Realismo no Brasil
 
Romantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracaoRomantismo 2a geracao
Romantismo 2a geracao
 
Gil Vicente
Gil VicenteGil Vicente
Gil Vicente
 
Álvares de Azevedo
Álvares de AzevedoÁlvares de Azevedo
Álvares de Azevedo
 
Variedades linguísticas- exercício
Variedades linguísticas-  exercícioVariedades linguísticas-  exercício
Variedades linguísticas- exercício
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Literatura - Realismo
Literatura - RealismoLiteratura - Realismo
Literatura - Realismo
 
Realismogabriele
RealismogabrieleRealismogabriele
Realismogabriele
 
Introdução ao Realismo
Introdução ao RealismoIntrodução ao Realismo
Introdução ao Realismo
 
Senhora josé de alencar 1
Senhora josé de alencar 1Senhora josé de alencar 1
Senhora josé de alencar 1
 
Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
REALISMO
REALISMOREALISMO
REALISMO
 
Dom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de AssisDom Casmurro - Machado de Assis
Dom Casmurro - Machado de Assis
 

Semelhante a O contexto do Realismo

Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Claudia Ribeiro
 
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Claudia Ribeiro
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Claudia Ribeiro
 
O realismo
O realismoO realismo
O realismo
miovi
 
Gomes, álvaro cardoso. o simbolismo
Gomes, álvaro cardoso. o simbolismoGomes, álvaro cardoso. o simbolismo
Gomes, álvaro cardoso. o simbolismo
Pedro Fauth Manhães Miranda
 
Realismo
RealismoRealismo
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
blogdofernando
 
O realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literaturaO realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literatura
Universidad Nacional de Misiones
 
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais (1).pptx
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais (1).pptxModulo I - Romantismo - conceitos gerais (1).pptx
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais (1).pptx
ANNAPAULAAIRESDESOUZ
 
Os iluminados
Os iluminadosOs iluminados
Os iluminados
blogsala2a
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
NAPNE
 
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais.ppt
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais.pptModulo I - Romantismo - conceitos gerais.ppt
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais.ppt
WandersonBarros16
 
Naturalismo e Realismo
Naturalismo e RealismoNaturalismo e Realismo
Naturalismo e Realismo
Josy Cleyde
 
Filosofia 10ºano1
Filosofia 10ºano1Filosofia 10ºano1
Filosofia 10ºano1
escola sec./3 Latino Coelho
 
Vanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoVanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismo
teresakashino
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
Josi Motta
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx
GoisTec
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
Hirtis Carvalho Nogueira
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
Grazi Oliveira
 
MOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA ARTE.pptx
MOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA ARTE.pptxMOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA ARTE.pptx
MOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA ARTE.pptx
ClariceLuizaGomesDeF
 

Semelhante a O contexto do Realismo (20)

Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo brasil e portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
Realismo e naturalismo Brasil e Portugal [salvo automaticamente]
 
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e PortugalRealismo e Naturalismo Brasil e Portugal
Realismo e Naturalismo Brasil e Portugal
 
O realismo
O realismoO realismo
O realismo
 
Gomes, álvaro cardoso. o simbolismo
Gomes, álvaro cardoso. o simbolismoGomes, álvaro cardoso. o simbolismo
Gomes, álvaro cardoso. o simbolismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Literatura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismoLiteratura realismo naturalismo
Literatura realismo naturalismo
 
O realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literaturaO realismo e o naturalismo na literatura
O realismo e o naturalismo na literatura
 
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais (1).pptx
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais (1).pptxModulo I - Romantismo - conceitos gerais (1).pptx
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais (1).pptx
 
Os iluminados
Os iluminadosOs iluminados
Os iluminados
 
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
Literatura - Realismo / Naturalismo (introdução)
 
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais.ppt
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais.pptModulo I - Romantismo - conceitos gerais.ppt
Modulo I - Romantismo - conceitos gerais.ppt
 
Naturalismo e Realismo
Naturalismo e RealismoNaturalismo e Realismo
Naturalismo e Realismo
 
Filosofia 10ºano1
Filosofia 10ºano1Filosofia 10ºano1
Filosofia 10ºano1
 
Vanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismoVanguardas do modernismo
Vanguardas do modernismo
 
Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016Realismo narturalismo 2016
Realismo narturalismo 2016
 
2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx2ª série - LP 19.pptx
2ª série - LP 19.pptx
 
Vanguardas europeias
Vanguardas europeiasVanguardas europeias
Vanguardas europeias
 
Renascimento
RenascimentoRenascimento
Renascimento
 
MOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA ARTE.pptx
MOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA ARTE.pptxMOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA ARTE.pptx
MOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA ARTE.pptx
 

Mais de Cláudia Heloísa

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
Cláudia Heloísa
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
Cláudia Heloísa
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
Cláudia Heloísa
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
Cláudia Heloísa
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
Cláudia Heloísa
 
Mayombe
MayombeMayombe
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
Cláudia Heloísa
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
Cláudia Heloísa
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
Cláudia Heloísa
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
Cláudia Heloísa
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
Cláudia Heloísa
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
Cláudia Heloísa
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
Cláudia Heloísa
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
Cláudia Heloísa
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
Cláudia Heloísa
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
Cláudia Heloísa
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Cláudia Heloísa
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
Cláudia Heloísa
 
Figuras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandasFiguras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandas
Cláudia Heloísa
 

Mais de Cláudia Heloísa (20)

Dom Casmurro
Dom CasmurroDom Casmurro
Dom Casmurro
 
Quincas Borba
Quincas BorbaQuincas Borba
Quincas Borba
 
Angústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano RamosAngústia, de Graciliano Ramos
Angústia, de Graciliano Ramos
 
A relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de QueirósA relíquia - Eça de Queirós
A relíquia - Eça de Queirós
 
Enem 2018 informações
Enem 2018 informaçõesEnem 2018 informações
Enem 2018 informações
 
Mayombe
MayombeMayombe
Mayombe
 
Minha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena MorleyMinha vida de menina - Helena Morley
Minha vida de menina - Helena Morley
 
Iracema - José de Alencar
Iracema - José de AlencarIracema - José de Alencar
Iracema - José de Alencar
 
Aula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.AAula 1 P.I.V.A
Aula 1 P.I.V.A
 
Aula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionaisAula 11 2016 problemas notacionais
Aula 11 2016 problemas notacionais
 
Aula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discursoAula 8 texto e discurso
Aula 8 texto e discurso
 
Piva aula 7 2016
Piva aula 7  2016Piva aula 7  2016
Piva aula 7 2016
 
Aula 4
Aula 4 Aula 4
Aula 4
 
Aula 5 2016
Aula 5 2016Aula 5 2016
Aula 5 2016
 
PIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógicaPIVA- Aula 3 lógica
PIVA- Aula 3 lógica
 
PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016 PIVA -Aula2 2016
PIVA -Aula2 2016
 
PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016PIVA - Aula 1 2016
PIVA - Aula 1 2016
 
Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7Revisao enem carmo 2015_aula 7
Revisao enem carmo 2015_aula 7
 
Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios Funções de linguagem exercicios
Funções de linguagem exercicios
 
Figuras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandasFiguras de linguagem em propagandas
Figuras de linguagem em propagandas
 

Último

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
Manuais Formação
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Mauricio Alexandre Silva
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
Crisnaiara
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Demetrio Ccesa Rayme
 

Último (20)

Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 01.pptx
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
(44-ESTUDO - LUCAS) A ESPIRITUALIDADE EM CRISE NO VALE
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdfUFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
UFCD_10789_Metodologias de desenvolvimento de software_índice.pdf
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.Caça-palavaras  e cruzadinha  - Dígrafos.
Caça-palavaras e cruzadinha - Dígrafos.
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptxVivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
Vivendo a Arquitetura Salesforce - 02.pptx
 
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junhoATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
ATIVIDADES de alfabetização do mês de junho
 
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdfRazonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
Razonamiento Matematico 6to Primaria MA6 Ccesa007.pdf
 

O contexto do Realismo

  • 2. Contexto Histórico Desenvolveu-se a partir da segunda metade do século XIX. Característica principal: Abordagem de temas sociais e tratamento objetivo da realidade .
  • 3. O jornal ganha mais importância no cotidiano das pessoas
  • 4. Pintura “Mostrar as coisas como elas são” O realismo teve origem na França por meados do início dos anos quarenta do século XIX. Principais pintores realistas: Édouard Manet Gustave Courbet Jean-François Millet Millet
  • 5. O pai do movimento realista foi Gustave Courbet (1819 - 77). Ele insistiu que "a pintura é essencialmente uma arte concreta e tem de ser aplicada às coisas reais e existentes". Quando lhe pediram que pintasse anjos, respondeu: "Nunca vi anjos. Se me mostrarem um, eu pinto ". Autorretrato do pintor
  • 6. "O fim" por Mikhail Vasilevich Kupriyanov. A decadência do sistema capitalista marcado pela agonia do nazismo.
  • 7. Robert Martineau (pré-rafaelista), O último dia na casa velha, 1862 óleo sobre tela
  • 9. Auguste Comte Positivismo- segunda metade do século XIX do latim positum (= posto, o que está posto diante, situado), significa descritivamente o que se observa, ou experimenta. Pode-se dizer que o conhecimento positivo tem como fundamento "ver para prever, a fim de prover" - ou seja: conhecer a realidade para saber o que acontecerá a partir de nossas ações, para que o ser humano possa melhorar sua realidade. Dessa forma, a previsão científica caracteriza o pensamento positivo. algumas fórmulas fundamentais: "Tudo é relativo, eis o único princípio absoluto" (1819) e "Todas as concepções humanas passam por três estádios sucessivos - teológico, metafísico e positivo -, com uma velocidade proporcional à velocidade dos fenômenos correspondentes" (1822) -a famosa "lei dos três estados".
  • 10. Taine Determinismo Hippolyte Adolphe Taine (Vouziers, 1828 — Paris, 1893) Estabeleceu que não há conceitos universais com a correspondente realidade. Sua teoria fundamental atinge quatro objetos : Deus Natureza Homem Sociedade Concebeu a Deus como um axioma eterno, do qual os múltiplos fenômenos da natureza são manifestações. O homem é a manifestação principal de todas as manifestações da natureza e opera com inteligência e vontade. Finalmente o homem cria a sociedade.
  • 11. Thomas Malthus Sua fama decorre dos estudos sobre a população; para ele o excesso populacional era a causa de todos os males da sociedade (população cresce em progressão geométrica e alimentos em progressão aritmética -1798) Malthus estudou possibilidades de restringir esse crescimento, pois os meios de subsistência poderiam crescer somente em progressão aritmética. Segundo ele, esse crescimento populacional é limitado pelo aumento da mortalidade e por todas as restrições ao nascimento, decorrentes da miséria e do vício. Suas obras exerceram influência em vários campos do pensamento e forneceram a chave para as teorias evolucionistas de Darwin
  • 12. Darwin Convenceu a comunidade científica da ocorrência da evolução e propôs uma teoria para explicar como ela se dá por meio da seleção natural e sexual. Esta teoria se desenvolveu no que é agora considerado o paradigma central para explicação de diversos fenômenos na Biologia. Em seu livro de 1859, "A Origem das Espécies" , introduziu a ideia de evolução a partir de um ancestral comum, por meio de seleção natural. Esta se tornou a explicação científica dominante para a diversidade de espécies na natureza.
  • 13. Caricatura publicada na revista Hornet, onde Darwin é retratado como um macaco.
  • 14. Herbert Spencer Spencer foi um profundo admirador da obra de Charles Darwin. É dele a expressão “sobrevivência do mais apto” e em sua obra procurou aplicar as leis da evolução a todos os níveis da atividade humana.
  • 15. ―Spencer é considerado o "pai" do Darwinismo social, embora jamais tenha utilizado o termo. Com base em suas idéias, alguns autores procuraram justificar a divisão da sociedade em classes e o Imperialismo europeu, sugerindo que estes seriam exemplos de seleção natural.‖
  • 16. φ Filosofia "Toda verdade passa por três estágios. Primeiro, é ridicularizada. Em segundo, é violentamente refutada. Em terceiro lugar, é aceite como sendo uma clara evidência" Arthur Schopenhauer (Alemanha) Era um pessimista, mas era lúcido.
  • 17. Música Enquanto a música nos períodos anteriores podia ser identificada por um único e mesmo estilo, comum a todos os compositores da época, na segunda metade do século XIX ela se mostra como uma mistura complexa de muitas tendências. A maioria das tendências compartilham uma coisa em comum: uma reação contra o estilo romântico.
  • 18. Frederic Chopin Muitas das peças de Chopin tornaram-se bastante conhecidas — por exemplo, a Valsa Minuto (Op. 64, nº 1) e o terceiro movimento de sua sonata Marcha Fúnebre (Op. 35), que é freqüentemente utilizada como uma representação icástica de luto. Polônia,1810 – França,1849
  • 20. Fontes de pesquisa http://chopin.noads.biz/vida.html http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/historia-da-musica/historia-da-musica-10.php http://racionalistasusp.wordpress.com/category/espiritismo/ MACHADO, Rodrigo Celente. O salto evolutivo: Machado de Assis entre o conservadorismo e o progresso. Disponível em http://www.latindex.ucr.ac.cr/lmodernas-n11-2009/modernas-n11-11.pdf http://vestibular.uol.com.br/revisao-de-disciplinas/literatura/realismo.jhtm Pesquisa e organização Profa. Cláudia Heloísa Cunha Andria Graduada em Letras – Unisantos contato: clauheloisa@yahoo.com.br