Carlos Drummond de Andrade

3.663 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
9 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.663
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
9
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carlos Drummond de Andrade

  1. 1. “Não serei o poeta de um mundo caduco. Também nãocantarei o mundo futuro. Estou preso àvida e olho meus companheiros.”. Drummond
  2. 2. uma rosa nasce para o povo, será a poesia para o coletivo? É o mais longo de seus livros de poemas. Para observar sua temática, vale a pena ler o poema "A flor e a náusea". Nessa época, o mundo vivia os horrores da Segunda Guerra Mundial, e Drummond, que nunca fora alheio a questões ideológicas ou humanas, aos sofrimentos ou à dor na cidade ou no campo, escreveu nesse livro sua indignação e tristeza melancólica com o mundo, com a violência e com a necessidade de se ter uma ideologia.51 poemas escritos entre 1943 e 1945.
  3. 3. O livro mais politizado José A rosa do povoSentimentodo Mundo
  4. 4. A flor e a náuseaPreso à minha classe e a algumas roupas,Vou de branco pela rua cinzenta.Melancolias, mercadorias espreitam-me.Devo seguir até o enjôo?Posso, sem armas, revoltar-me? Olhos sujos no relógio da torre:Não, o tempo não chegou de completa justiça.O tempo é ainda de fezes, maus poemas, alucinações e espera.O tempo pobre, o poeta pobrefundem-se no mesmo impasse.Em vão me tento explicar, os muros são surdos. (...)Sob a pele das palavras há cifras e códigos.O sol consola os doentes e não os renova.Porém meu ódio é o melhor de mim.Com ele me salvoe dou a poucos uma esperança mínima.Uma flor nasceu na rua! (...)Uma flor ainda desbotadailude a polícia, rompe o asfalto.Façam completo silêncio, paralisem os negócios,garanto que uma flor nasceu. Sua cor não se percebe.Suas pétalas não se abrem.Seu nome não está nos livros.É feia. Mas é realmente uma flor.Sento-me no chão da capital do país às cinco horas da tardee lentamente passo a mão nessa forma insegura.Do lado das montanhas, nuvens maciças avolumam-se.Pequenos pontos brancos movem-se no mar, galinhas em pânico.É feia. Mas é uma flor. Furou o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio.
  5. 5. Existencialismo“Esse desejo de estar vivo alimenta a atitude demudança anunciada pela filosofia existencialista.Ela não é apenas descontentamento e náusea, étambém convite aoengajamento, não como simples conceito político,mas como conceito filosófico que assinala ospoderes metafísicos da linguagem.Assim, ao escrever o poema A Flor e a Náusea ,Drummond teve a mesma visão que Sartrerepresentou em seu livro “A náusea”: nele ofilósofo narra a história de um jovem entediadopela sua vida, até perceber que a arte pode ajudara dar o sentido que nele não havia.Drummond também fala dessa náusea, massegundo Antônio Cândido, ela é superada pelasimbologia da flor que tem no seu desabrochar asemelhança com a própria revolução
  6. 6. Drummond: Poesia Antenada modernista, ou seja,poesia urbana, sem que de um poeta nenhuma"antenado" “Não rimarei a palavra sono Com a incorrespondente palavra outono. Tradição Rimarei com a palavra carne a atrapalhe Ou qualquer outra, que todas me convêm. As palavras não nascem amarradas, Elas saltam, se beijam, se dissolvem, No céu livre por vezes um desenho, São puras, largas, autênticas, indevassáveis. Uma pedra no meio do caminho Ou apenas um rastro, não importa.(...)”sem rimas, Discussão (Consideração dosem estrofes, sobre asem o cheiro força da"palavrado que é antigo. poética"
  7. 7. Temática Dualidade só é possível devemos ter uma visão participar triste epoliticamente desencantada da vida da vida.
  8. 8. "áporo" possui três significados: Áporo 1.Nome de inseto 2. orquídea 3. termo utilizado em filosofia e matemática para designar um problema difícil, algo de complicada solução.Um inseto cavacava sem alarme Falta de pontuação, leitura sem pausa, cansaçoperfurando a terrasem achar escape.Que fazer, exausto,em país bloqueado,enlace de noiteraiz e minério? alusão a Luís Carlos PrestesEis que o labirinto(oh razão, mistério)presto se desata: Euclides foi umem verde, sozinha, matemático, considerado o paiantieuclidiana, da lógica, logo "antieuclidiana", sem lógica auma orquídea forma-se. orquídea
  9. 9. Procura da Poesia Não recomponhas tua sepultada e merencória infância. Não osciles entre o espelho e a memória em dissipação.Não faças versos sobre acontecimentos. Que se dissipou, não era poesia.Não há criação nem morte perante a poesia. Que se partiu, cristal não era.Diante dela, a vida é um sol estático,não aquece nem ilumina. Penetra surdamente no reino das palavras.As afinidades, os aniversários, os incidentes pessoais não contam. Lá estão os poemas que esperam ser escritos.Não faças poesia com o corpo, Estão paralisados, mas não há desespero,esse excelente, completo e confortável corpo, tão infenso à efusão há calma e frescura na superfície intata.lírica. Ei-los sós e mudos, em estado de dicionário.Tua gota de bile, tua careta de gozo ou dor no escuro Convive com teus poemas, antes de escrevê-los.são indiferentes. Tem paciência, se obscuros. Calma, se te provocam.Não me reveles teus sentimentos, Espera que cada um se realize e consumeque se prevalecem de equívoco e tentam a longa viagem. com seu poder de palavraO que pensas e sentes, isso ainda não é poesia. e seu poder de silêncio. Não forces o poema a desprender-se do limbo.Não cantes tua cidade, deixa-a em paz. Não colhas no chão o poema que se perdeu.O canto não é o movimento das máquinas nem o segredo das casas. Não adules o poema. Aceita-oNão é música ouvida de passagem, rumor do mar nas ruas junto à como ele aceitará sua forma definitiva e concentradalinha de espuma. no espaço.O canto não é a natureza Chega mais perto e contempla as palavras.nem os homens em sociedade. Cada umaPara ele, chuva e noite, fadiga e esperança nada significam. tem mil faces secretas sob a face neutraA poesia (não tires poesia das coisas) e te pergunta, sem interesse pela resposta,elide sujeito e objeto. pobre ou terrível que lhe deres: Trouxeste a chave?Não dramatizes, não invoques,não indagues. Não percas tempo em mentir. Repara:Não te aborreças. ermas de melodia e conceitoTeu iate de marfim, teu sapato de diamante, elas se refugiaram na noite, as palavras.vossas mazurcas e abusões, vossos esqueletos de família Ainda úmidas e impregnadas de sono,desaparecem na curva do tempo, é algo imprestável. rolam num rio difícil e se transformam em desprezo.
  10. 10. Nova Canção do Exílio Um sabiá na palmeira, longe. Estas aves cantam um outro canto. O céu cintila sobre flores úmidas. Vozes na mata, e o maior amor. Só, na noite, seria feliz: um sabiá, na palmeira, longe. Onde é tudo belo e fantástico, só, na noite, seria feliz. (Um sabiá, na palmeira, longe.) Ainda um grito de vida e voltar para onde tudo é belo e fantástico: a palmeira, o sabiá, o longe.
  11. 11. Morte do Leiteiro “(...) Mas o homem perdeu o sono de todo, e foge pra rua. Meu Deus, matei um inocente. Bala que mata gatuno também serve pra furtar a vida de nosso irmão. Quem quiser que chame médico, polícia não bota a mão neste filho de meu pai. Está salva a propriedade. A noite geral prossegue, a manhã custa a chegar, mas o leiteiro estatelado, ao relento, perdeu a pressa que tinha.(...)” http://www.youtube.com/watch?v=nniZ1WeYfto&feature=related
  12. 12. Retrato de FamíliaEste retrato de famíliaestá um tanto empoeirado. Ficaram traços da famíliaJá não se vê no rosto do pai perdidos nos jeitos dos corpos.quanto dinheiro ele ganhou. Bastante para sugerir que um corpo é cheio de surpresas.Nas mãos dos tios não se percebemas viagens que ambos fizeram. A moldura deste retratoA avó ficou lisa, amarela, em vão prende suas personagens.sem memórias da monarquia. Estão ali voluntariamente, saberiam - se preciso - voar.Os meninos, como estão mudados.O rosto de Pedro é tranqüilo, Poderiam sutilizar-seusou os melhores sonhos. no claro-escuro do salão,E João não é mais mentiroso. ir morar no fundo de móveis ou no bolso de velhos coletesO jardim tornou-se fantástico.As flores são placas cinzentas. A casa tem muitas gavetasE a areia, sob pés extintos, e papéis, escadas compridas.é um oceano de névoa. Quem sabe a malícia das coisas, quando a matéria se aborrece?No semicírculo de cadeirasnota-se certo movimento. O retrato não me responde,As crianças trocam de lugar, ele me fita e se contemplamas sem barulho: é um retrato. nos meus olhos empoeirados. E no cristal se multiplicamVinte anos é um grande tempo.Modela qualquer imagem. os parentes mortos e vivos.Se uma figura vai murchando, Já não distingo os que se foramoutra, sorrindo, se propõe. dos que restaram. Percebo apenas a estranha idéia de famíliaEsses estranhos assentados,meus parentes? Não acredito. viajando através da carne.São visitas se divertindonuma sala que se abre pouco.
  13. 13. O caso do vestido Nossa mãe, não escutamos pisar de pé no degrau. Minhas filhas, procurei aquela mulher do demo.Nossa mãe, o que é aquelevestido, naquele prego? se afastou de toda vida, E lhe roguei que aplacasse se fechou, se devorou, de meu marido a vontade.Minhas filhas, é o vestidode uma dona que passou. chorou no prato de carne, Eu não amo teu marido, bebeu, brigou, me bateu, me falou ela se rindo.Passou quando, nossa mãe?Era nossa conhecida? me deixou com vosso berço, Mas posso ficar com ele foi para a dona de longe, se a senhora fizer gosto,Minhas filhas, boca presa.Vosso pai vm chegando. mas a dona não ligou. só pra lhe satisfazer, Em vão o pai implorou. não por mim, não quero homem.Nossa mãe, dizei depressaque vestido é esse vestido. Dava apólice, fazenda, Olhei para vosso pai, dava carro, dava ouro, os olhos dele pediam.Minhas filhas, mas o corpoficou frio e não o veste. beberia seu sobejo, Olhei para a dona ruim, lamberia seu sapato. os olhos dela gozavam.O vestido, nesse prego,está morto, sossegado. Mas a dona nem ligou. O seu vestido de renda, Então vosso pai, irado, de colo mui devassado,Nossa mãe, esse vestidotanta renda, esse segredo! me pediu que lhe pedisse, mais mostrava que escondia a essa dona tão perversa, as partes da pecadora.Minhas filhas, escutaipalavras de minha boca. que tivesse paciência Eu fiz meu pelo-sinal, e fosse dormir com ele... me curvei... disse que sim.Era uma dona de longe,vosso pai enamorou-se. Nossa mãe, por que chorais? Sai pensando na morte, Nosso lenço vos cedemos. mas a morte não chegava.E ficou tão transtornado,se perdeu tanto de nós, Minhas filhas, vosso pai Andei pelas cinco ruas, chega ao pátio. Disfarcemos. passei ponte, passei rio, http://www.youtube.com/watch?v=mmUo_kKrKZo
  14. 14. Recebei esse vestido última peça de luxovisitei vossos parentes, e me dai vosso perdão. que guardei como lembrança O barulho da comidanão comia, não falava, na boca, me acalentava, Olhei para a cara dela, daquele dia de cobra,tive uma febre terçã, quede os olhos cintilantes? da maior humilhação. me dava uma grande paz,mas a morte não chegava. um sentimento esquisito quede graça de sorriso, Eu não tinha amor por ele,Fiquei fora de perigo, quede colo de camélia? ao depois amor pegou. de que tudo foi um sonho,fiquei de cabeça branca, vestido não há... nem nada. quede aquela cinturinha Mas então ele enjoadoperdi meus dentes, meus olhos, delgada como jeitosa? confessou que só gostava Minhas filhas, eis que ouçocosturei, lavei, fiz doce, vosso pai subindo a escada. quede pezinhos calçados de mim como eu era dantes.minhas mãos se escalavraram, com sandálias de cetim? Me joguei a suas plantas,meus anéis se dispersaram, Olhei muito para ela, fiz toda sorte de dengo,minha corrente de ouro boca não disse palavra. no chão rocei minha cara,pagou conta de farmácia. Peguei o vestido, pus me puxei pelos cabelos,Vosso pais sumiu no mundo. nesse prego da parede. me lancei na correnteza,O mundo é grande e pequeno. Ela se foi de mansinho me cortei de canivete,Um dia a dona soberba e já na ponta da estrada me atirei no sumidouro,me aparece já sem nada, vosso pai aparecia. bebi fel e gasolina,pobre, desfeita, mofina, Olhou pra mim em silêncio, rezei duzentas novenas,com sua trouxa na mão. mal reparou no vestido dona, de nada valeu:Dona, me disse baixinho, e disse apenas: — Mulher, vosso marido sumiu.não te dou vosso marido, põe mais um prato na mesa. Aqui trago minha roupaque não sei onde ele anda. Eu fiz, ele se assentou, que recorda meu malfeitoMas te dou este vestido, comeu, limpou o suor, de ofender dona casada era sempre o mesmo homem, pisando no seu orgulho. comia meio de lado e nem estava mais velho. O caso do vestido
  15. 15. O Elefante E já tarde da noite volta meu elefante, mas volta fatigado,(…) Eis o meu pobre elefante as patas vacilantespronto para sair se desmancham no pó.à procura de amigos Ele não encontrounum mundo enfastiado o de que carecia,que já não crê em bichos o de que carecemos,e duvida das coisas. eu e meu elefante,Ei-lo, massa imponente em que amo disfarçar-me.e frágil, que se abana Exausto de pesquisa,e move lentamente caiu-lhe o vasto engenhoa pele costurada como simples papel.(...)onde há flores de panoe nuvens, alusõesa um mundo mais poéticoonde o amor reagrupaas formas naturais. http://www.youtube.com/watch?v=7gSbRxnQHMc
  16. 16. Fontes• http://vestibular.uol.com.br/ultnot/livrosresumos/ult2755u120.jhtm• http://www.nead.unama.br/site/bibdigital/pdf/artigos_revistas/98.pdf• Google images• Youtube videos Pesquisa e organizaçãoProfa. Cláudia Heloísa C. AndriaContato: clauheloisa@yahoo.com.br

×