SlideShare uma empresa Scribd logo

Mononucleose Infecciosa

blogped1
blogped1

Mononucleose Infecciosa - " Flash" Pediátrico apresentado no Internato em Pediatria I (PED I) da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) - Natal/RN- Brasil

1 de 30
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE 
DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA 
INTERNATO EM PEDIATRIA I 
“Flashs” 
em Pediatria 
Mononucleose Infecciosa 
Apresentação: Ddo. Rômulo Jerônimo 
Coordenação: Prof. Leonardo M.F. de Souza
Caso Clínico 
Data: 24/03/2014. 
M.J.M.M. sexo feminino, 04 anos e 05 
meses. 
Peso: 19,60kg.............( +2 > Z > 0) 
Estatura: 1,05m..........( ++22 >>ZZ >> 00)) 
IMC: 17,7kg/m2 (Eutrófica) 
Criança encaminhada para o HOSPED por 
apresentar Hepatoesplenomegalia e febre há 03 
semanas.
Caso Clínico 
Mãe relata que há 03 semanas a filha 
apresentou distensão abdominal e dor em 
aperto, em todo abdômen superior, sem 
irradiações, fatores de melhora ou piora, 
associada a anorexia, ttoossssee nnããoo pprroodduuttiivvaa ee 
coriza com secreção de aspecto hialino. 
Buscou atendimento em PS, no dia 
anterior, não sabendo relatar o diagnóstico, 
mas sendo prescrito Amoxicilina/Clavulanato, 
Prednisolona e Dipirona.
Caso Clínico 
Função Eliminatória gastrointestinal 
preservada. Diurese diminuída (SIC), sem outras 
alterações na micção. 
Vacinação atualizada. DNPM sem alterações. 
Alimentação adequada. 
Cria um cachorro, aalleeggaannddoo sseerr vvaacciinnaaddoo.. 
Relata histórico de calazar na vizinhança e 
presença de cachorros vadios. Nega banho de 
lagoas. 
Realizou tratamento com Mebendazol 
100mg/5ml (2 vezes/dia, durante 03 dias), não 
repetindo o tratamento após 14 dias.
Caso Clínico 
Exame Físico: 
BEG, vigil, colaborativa, normocorada, hidratada, 
acianótica, anictérica, boa perfusão periférica, Linfonodos 
palpáveis bilateralmente em região cervical e inguinal, de 
consistência fibroelástica, móveis, indolores, de +/- 
00,,55ccmm.. 
AVC: RCR, 2T, BNF, sem sopros ou estalidos. 
AR: MV(+), simétricos, sibilos em 1/3 inf. esquerdo e 
em 1/3 inf. direito. Inspiração prolongada. 
ABD: Flácido, distendido, RH(+), hipertimpânico, 
dolorida a palpação profunda. Baço palpável a 07cm de 
rebordo costal. Fígado palpável à 08cm (direita) e 4,5cm 
(esquerda).
Caso Clínico 
• Exames (23/03/2014): 
Hb: 10,7%; Ht: 34,3%; Leuco: 18.400 (Seg: 
29,4%; Linf. Atípico: 69,5%; Eos: 0,4%); Plq: 
331122..000000.. 
PCR: Negativo. 
TGO: 100; TGP: 191. 
Não realizou EPF e EAS.

Recomendados

ICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesICSA17 - Resposta Imune a infecções
ICSA17 - Resposta Imune a infecçõesRicardo Portela
 
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaAssistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumonia
Assistência de enfermagem ao paciente pediátrico com pneumoniaTeresa Oliveira
 
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisFisiologia dos distúrbios gastrointestinais
Fisiologia dos distúrbios gastrointestinaisLucas Fontes
 
Sintomas do sistema digestório
Sintomas do sistema digestório Sintomas do sistema digestório
Sintomas do sistema digestório pauloalambert
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?Berenice Damasceno
 
Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioUrovideo.org
 
Diagnosticando a Mononucleose - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Mononucleose - Interpretação de Exames Laboratoriais Diagnosticando a Mononucleose - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Mononucleose - Interpretação de Exames Laboratoriais Enfº Ícaro Araújo
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioPaulo Alambert
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAELuana Santos
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoProqualis
 
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014Alexandre Naime Barbosa
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmanioseGildo Crispim
 
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoHipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoTaillany Caroline
 
Hernia abdominal: Assistência de Enfermagem
Hernia abdominal: Assistência de EnfermagemHernia abdominal: Assistência de Enfermagem
Hernia abdominal: Assistência de EnfermagemJonathan Sampaio
 
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentosAcidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentosadrianomedico
 
Guia pratico de enfermagem
Guia pratico de enfermagemGuia pratico de enfermagem
Guia pratico de enfermagemSou Enfermagem
 
Alterações do crescimento e diferenciação celular
Alterações do crescimento e diferenciação celularAlterações do crescimento e diferenciação celular
Alterações do crescimento e diferenciação celularMarília Gomes
 

Mais procurados (20)

Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral Leishmaniose tegumentar e visceral
Leishmaniose tegumentar e visceral
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?O que é HIV ? Como se contrai o vírus?  O que é AIDS?
O que é HIV ? Como se contrai o vírus? O que é AIDS?
 
Infe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato UrinárioInfe cções do Trato Urinário
Infe cções do Trato Urinário
 
Diagnosticando a Mononucleose - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Mononucleose - Interpretação de Exames Laboratoriais Diagnosticando a Mononucleose - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Mononucleose - Interpretação de Exames Laboratoriais
 
Sinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinárioSinais e sinomas do ap.urinário
Sinais e sinomas do ap.urinário
 
Estudo de caso SAE
Estudo de caso SAEEstudo de caso SAE
Estudo de caso SAE
 
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgicoAula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
Aula sobre prevenção de infecção de sítio cirúrgico
 
SAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
SAE aplicada ao DPOC - EnfermagemSAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
SAE aplicada ao DPOC - Enfermagem
 
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
Infecção pelo HIV/Aids - Aula para a Graduação - 2014
 
Aula n° 4 leishmaniose
Aula n° 4   leishmanioseAula n° 4   leishmaniose
Aula n° 4 leishmaniose
 
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e HipertireoidismoHipotireoidismo e Hipertireoidismo
Hipotireoidismo e Hipertireoidismo
 
Resumo de caso clínico
Resumo de caso clínicoResumo de caso clínico
Resumo de caso clínico
 
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e FibrinóliseCoagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
Coagulação, Anticoagulação e Fibrinólise
 
Hernia abdominal: Assistência de Enfermagem
Hernia abdominal: Assistência de EnfermagemHernia abdominal: Assistência de Enfermagem
Hernia abdominal: Assistência de Enfermagem
 
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentosAcidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
Acidentes ofídicos. cuidados imediatos e tratamentos
 
Adaptação celular
Adaptação celularAdaptação celular
Adaptação celular
 
Guia pratico de enfermagem
Guia pratico de enfermagemGuia pratico de enfermagem
Guia pratico de enfermagem
 
Alterações do crescimento e diferenciação celular
Alterações do crescimento e diferenciação celularAlterações do crescimento e diferenciação celular
Alterações do crescimento e diferenciação celular
 

Destaque (20)

Apresentação mononucleose
Apresentação mononucleoseApresentação mononucleose
Apresentação mononucleose
 
Mononucleose
MononucleoseMononucleose
Mononucleose
 
Cardio miocardiopatía
Cardio   miocardiopatíaCardio   miocardiopatía
Cardio miocardiopatía
 
Esplenomegalia, linfadenomegalia
Esplenomegalia, linfadenomegalia Esplenomegalia, linfadenomegalia
Esplenomegalia, linfadenomegalia
 
11 dr carloscampos-endocarditeinfecciosa
11 dr carloscampos-endocarditeinfecciosa11 dr carloscampos-endocarditeinfecciosa
11 dr carloscampos-endocarditeinfecciosa
 
Mononucleosis
MononucleosisMononucleosis
Mononucleosis
 
Endocardite Infecciosa e Espodilociscite por S.bovis
Endocardite Infecciosa e Espodilociscite por S.bovisEndocardite Infecciosa e Espodilociscite por S.bovis
Endocardite Infecciosa e Espodilociscite por S.bovis
 
Endocarditis Infecciosa
Endocarditis InfecciosaEndocarditis Infecciosa
Endocarditis Infecciosa
 
Mononucleosis
MononucleosisMononucleosis
Mononucleosis
 
Patologia del corazon y v.s
Patologia del corazon y v.sPatologia del corazon y v.s
Patologia del corazon y v.s
 
Endocarditis infecciosa 2012
Endocarditis infecciosa 2012 Endocarditis infecciosa 2012
Endocarditis infecciosa 2012
 
(2013-02-12) Mononucleosis infecciosa (doc)
(2013-02-12) Mononucleosis infecciosa (doc)(2013-02-12) Mononucleosis infecciosa (doc)
(2013-02-12) Mononucleosis infecciosa (doc)
 
Mononucleosis infecciosa
Mononucleosis infecciosaMononucleosis infecciosa
Mononucleosis infecciosa
 
Eletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicinaEletrocardiograma biomedicina
Eletrocardiograma biomedicina
 
Aula endocardite
Aula endocarditeAula endocardite
Aula endocardite
 
Salmonella
SalmonellaSalmonella
Salmonella
 
Endocardite bacteriana..
Endocardite bacteriana..Endocardite bacteriana..
Endocardite bacteriana..
 
Endocardite
Endocardite	Endocardite
Endocardite
 
Ecg 86 slides
Ecg 86 slidesEcg 86 slides
Ecg 86 slides
 
Síndrome de Hellp e Caxumba
Síndrome de Hellp e CaxumbaSíndrome de Hellp e Caxumba
Síndrome de Hellp e Caxumba
 

Semelhante a Mononucleose Infecciosa

apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxCHRISLAYNESILVA2
 
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptxapresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptxENFERMAGEMELAINNE
 
Apresentação mi definitivo
Apresentação mi   definitivoApresentação mi   definitivo
Apresentação mi definitivoTúlio Teixeira
 
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)blogped1
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseKarina Pereira
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasDario Hart
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaDario Hart
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisJuliana Maciel
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisJuliana Maciel
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISUrovideo.org
 
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012Hosana maniero
 
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicasMicoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicasManzelio Cavazzana
 
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"Bianca Lazarini Forreque Poli
 

Semelhante a Mononucleose Infecciosa (20)

apresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptxapresentação estudo de caso LUZA.pptx
apresentação estudo de caso LUZA.pptx
 
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptxapresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
apresentação estudo de caso LUZA - Copia.pptx
 
Apresentação mi definitivo
Apresentação mi   definitivoApresentação mi   definitivo
Apresentação mi definitivo
 
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
Púrpura Trobocitopênica Imunológica (PTI)
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
 
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões AftosasSeminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
Seminário Estomatologia - Infecções virais e Lesões Aftosas
 
Linfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infânciaLinfadenopatias cervicais na infância
Linfadenopatias cervicais na infância
 
Caso clinico plect
Caso clinico  plectCaso clinico  plect
Caso clinico plect
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
 
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveisDst – doenças sexualmente transmissíveis
Dst – doenças sexualmente transmissíveis
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
Doenas granulomatosas -_pdf
Doenas granulomatosas -_pdfDoenas granulomatosas -_pdf
Doenas granulomatosas -_pdf
 
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012Palestra meningite atualizada 07.08.2012
Palestra meningite atualizada 07.08.2012
 
Micoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicasMicoses pulmonares e sistemicas
Micoses pulmonares e sistemicas
 
EMcontro SPEM: "Esclerose Múltipla: Novas Realidades e Desafios" - Carlos Cap...
EMcontro SPEM: "Esclerose Múltipla: Novas Realidades e Desafios" - Carlos Cap...EMcontro SPEM: "Esclerose Múltipla: Novas Realidades e Desafios" - Carlos Cap...
EMcontro SPEM: "Esclerose Múltipla: Novas Realidades e Desafios" - Carlos Cap...
 
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
Discussão de Caso Clínico de Pediatria - "Adolescente com Caroço no Pescoço"
 
Adolescente com caroço no pescoço
Adolescente com caroço no pescoçoAdolescente com caroço no pescoço
Adolescente com caroço no pescoço
 
Publicacao 107
Publicacao 107Publicacao 107
Publicacao 107
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
 

Mais de blogped1

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tannerblogped1
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericulturablogped1
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativablogped1
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...blogped1
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016blogped1
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vidablogped1
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciablogped1
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN blogped1
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infânciablogped1
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesblogped1
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Agudablogped1
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Mediablogped1
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facialblogped1
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016blogped1
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomablogped1
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.blogped1
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal blogped1
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitualblogped1
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...blogped1
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal blogped1
 

Mais de blogped1 (20)

Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Roteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de PuericulturaRoteiro de Consulta de Puericultura
Roteiro de Consulta de Puericultura
 
Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
 
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
Internato em Pediatria I da UFRN - Relatório 2016
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
 

Último

DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...bibygmachadodesouza
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfdaianebarbosaribeiro
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperaçãodouglasmeira456
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfMariadeFtimaUchoas
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1MarciaFigueiredodeSo
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptRodineiGoncalves
 

Último (6)

DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
DESCUBRA O SEGREDOE PARE DE VEZ DE FUMAR...
 
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdfamazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
amazonicarosa-com-br-pv2-pvlippgkvlafafi3vjd86d1-240107103257-661a7832.pdf
 
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a RecuperaçãoVencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
Vencendo a Depressão: Um Guia para a Recuperação
 
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdfNR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
NR-10-RECICLAGEM-de-Eletricidade-Basica-pptx.pdf
 
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1Guia de Vigilância em  Saúde 6 ed. vol.1
Guia de Vigilância em Saúde 6 ed. vol.1
 
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.pptSegurança com Explosivos na Mineração.ppt
Segurança com Explosivos na Mineração.ppt
 

Mononucleose Infecciosa

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA INTERNATO EM PEDIATRIA I “Flashs” em Pediatria Mononucleose Infecciosa Apresentação: Ddo. Rômulo Jerônimo Coordenação: Prof. Leonardo M.F. de Souza
  • 2. Caso Clínico Data: 24/03/2014. M.J.M.M. sexo feminino, 04 anos e 05 meses. Peso: 19,60kg.............( +2 > Z > 0) Estatura: 1,05m..........( ++22 >>ZZ >> 00)) IMC: 17,7kg/m2 (Eutrófica) Criança encaminhada para o HOSPED por apresentar Hepatoesplenomegalia e febre há 03 semanas.
  • 3. Caso Clínico Mãe relata que há 03 semanas a filha apresentou distensão abdominal e dor em aperto, em todo abdômen superior, sem irradiações, fatores de melhora ou piora, associada a anorexia, ttoossssee nnããoo pprroodduuttiivvaa ee coriza com secreção de aspecto hialino. Buscou atendimento em PS, no dia anterior, não sabendo relatar o diagnóstico, mas sendo prescrito Amoxicilina/Clavulanato, Prednisolona e Dipirona.
  • 4. Caso Clínico Função Eliminatória gastrointestinal preservada. Diurese diminuída (SIC), sem outras alterações na micção. Vacinação atualizada. DNPM sem alterações. Alimentação adequada. Cria um cachorro, aalleeggaannddoo sseerr vvaacciinnaaddoo.. Relata histórico de calazar na vizinhança e presença de cachorros vadios. Nega banho de lagoas. Realizou tratamento com Mebendazol 100mg/5ml (2 vezes/dia, durante 03 dias), não repetindo o tratamento após 14 dias.
  • 5. Caso Clínico Exame Físico: BEG, vigil, colaborativa, normocorada, hidratada, acianótica, anictérica, boa perfusão periférica, Linfonodos palpáveis bilateralmente em região cervical e inguinal, de consistência fibroelástica, móveis, indolores, de +/- 00,,55ccmm.. AVC: RCR, 2T, BNF, sem sopros ou estalidos. AR: MV(+), simétricos, sibilos em 1/3 inf. esquerdo e em 1/3 inf. direito. Inspiração prolongada. ABD: Flácido, distendido, RH(+), hipertimpânico, dolorida a palpação profunda. Baço palpável a 07cm de rebordo costal. Fígado palpável à 08cm (direita) e 4,5cm (esquerda).
  • 6. Caso Clínico • Exames (23/03/2014): Hb: 10,7%; Ht: 34,3%; Leuco: 18.400 (Seg: 29,4%; Linf. Atípico: 69,5%; Eos: 0,4%); Plq: 331122..000000.. PCR: Negativo. TGO: 100; TGP: 191. Não realizou EPF e EAS.
  • 7. Caso Clínico HD: Mononucleose Infecciosa. Broncoespasmo CD: - Sorologia para Epstein-BBaarrrr IIggGG ee IIggMM.. - Suspensão do antibiótico. - Salbutamol Spray 100mg. - Predinisolona 03mg/ml (07ml) - Retorno – (Reavaliação) em 5- 7 dias
  • 8. Elementos chaves Diagnóstico FEBRE ADENOMEGALIA HEPATOESPLENOMEGALIA DDOORR AABBDDOOMMIINNAALL ALTERAÇÕES DE TRANSAMINASES HEMOGRAMA COM LEUCOCITOSE – LINFOCITOSE SOROLOGIA + (IgM) PARA EBV Mononucleose Infecciosa
  • 10. Mononucleose Infecciosa (MI) • Conceito: Doença infecciosa causada pelo VVíírruuss EEppsstteenn--BBaarrrr.. É uma patologia de baixa mortalidade e letalidade, de manifestações agudas e geralmente benignas, apresentando um grande polimorfismo clínico, porém, na maioria das vezes, obedecendo alguns critérios (clínicos, hematológicos, sorológicos) bastante úteis ao diagnóstico.
  • 11. Mononucleose Infecciosa (MI) Mononucleose Infecciosa (MI) • Achados Clínicos: amigdalofaringite, linfadenopatia e hepatoesplenomegalia (tríade de Hoagland); • Hematológicos: linfocitose (mais de 50%) com alterações atípicas em grande número (mais de 10%) • Sorológicos: desenvolvimento de anticorpos heterófilos; e desenvolvimento de anticorpos anti-vírus Epstein-Barr (EBV).
  • 12. Mononucleose Infecciosa (MI) Mononucleose Infecciosa (MI) • Etiologia: A MI clássica é causada por um vírus denominado Epstein-Barr (EBV), gamavírus DNA (Linfocriptovirus) pertencente ao Grupo Herpes. O período de incubação varia de 04 a 06 semanas. A porta de entrada do vírus é presumivelmente a nasofaringe, daí o maior contágio pelo beijo e contato com saliva.
  • 13. Mononucleose Infecciosa (MI) Mononucleose Infecciosa (MI) • Fisiopatogenia: Após o contato com o EBV e sua penetração pela orofaringe no tecido linfóide do anel de Waldeyer, ocorre viremia, acometimento do sistema linforreticular (linfócitos B), principalmente fígado, baço, medula óssea e pulmões. Linfoadenopatia generalizada, Hiperplasia do tecido linfóide da nasofaringe, Esplenomegalia, Hepatomegalia e Hiperplasia de gânglios linfáticos, sem invasão de cápsula.
  • 14. Mononucleose Infecciosa (MI) Fisiopatogenia: CONTATO COM EBV VIREMIA SISTEMA LINFORRETICULAR LINFÓCITOS B
  • 15. Mononucleose Infecciosa (MI) Fisiopatogenia LINFOADENOPATIA GENERALIZADA HIPERPLASIA DO TECIDO LINFÓIDE DA NASOFARINGE ESPLENOMEGALIA HEPATOMEGALIA
  • 16. Mononucleose Infecciosa (MI) Mononucleose Infecciosa (MI) • Quadro Clínico: Pode começar de maneira abrupta ou insidiosa com cefaleia, mal-estar, febre e dor de garganta. Dor abdominal pode estar presente neste período (prodrômico). Linfadenopatia generalizada, esplenomegalia (manifestações típicas). Hepatomegalia, petéquias entre palato mole e o duro, enantema, exantema (derivados penicilina), edema periorbitário (sinal de Hoagland).
  • 17. Mononucleose Infecciosa (MI) •Quadro clinico
  • 18. Mononucleose Infecciosa (MI) Faringotonsilite exudativa •Quadro clinico
  • 19. Mononucleose Infecciosa (MI) •Quadro clinico Hepatoesplenomegalia Exantema Maculo-papular
  • 20. Mononucleose Infecciosa (MI) Mononucleose Infecciosa (MI) • Diagnóstico Laboratorial: Hemograma. Função Hepática e Bilirrubinas. Sorologia para Epsten-Barr. Isolamento do Vírus.
  • 21. Mononucleose Infecciosa (MI) •Diagnóstico Laboratorial - Hemograma LINFÓCITOS ÁTIPICOS
  • 22. Mononucleose Infecciosa (MI) •Diagnóstico Laboratorial - Hemograma
  • 23. Mononucleose Infecciosa (MI) Diagnóstico Diferencial • Amigdalite estreptocóccica • Difteria: pescoço taurino, pseudomembrana acinzentada • Toxoplasmose adquirida forma linfoglandular • Citomegalovirose
  • 24. Mononucleose Infecciosa (MI) Mononucleose Infecciosa (MI) • Tratamento: É uma doença autolimitada e o tratamento baseia-se no uso de sintomáticos.
  • 25. Mononucleose Infecciosa (MI) •Tratamento: CORTICOESTERÓIDE: IInnddiiccaaççõõeess:: Anemia hemolítica e síndrome hemofagocítica Púrpura trombocitopênica rapidamente progressiva ou hemorrágica Obstrução das vas Miocardite Esplenomegalia maciça
  • 26. Mononucleose Infecciosa (MI) • Complicações: - Neurológicas: Encefalite - Oculares: Edema - Hepáticas: Hepatite - Respiratórias: Obstrução das VAS - Cardíacas: Miocardite - Renais: Glomerulonefrite Hematológica: Anemia hemolítica
  • 27. Mononucleose Infecciosa (MI) EVOLUÇÃO DO CASO / SEGUIMENTO AMBULATORIAL
  • 28. Mononucleose Infecciosa (MI) Mononucleose Infecciosa (MI) • Resultados Exames do caso clínico: * Exames iniciais Hemograma: Hb: 10,7%; Ht: 34,3%; Leuco: 18.400 (Seg:29,4%; Lif. Atípico: 69,5%; Eos: 0,4%); Plq: 312.000. Transaminases : TGO: 100; TGP: 191. Sorologia Epsten-Barr: IgM: 160 (reagente) IgG: 40.3 (reagente)
  • 29. Mononucleose Infecciosa (MI) Mononucleose Infecciosa (MI) • Evolução: Melhora do quadro clínico. Baço não palpável. Fígado palpável a 03cm RCD e 03cm de AX. (redução da hepatomegalia) *Exames controle TGO: 30 / TGP: 32.
  • 30. Referências Sociedade Brasileira de Pediatria. Jornal de Pediatria: Mononucleose infecciosa. Disponível em http://www.jped.com.bbrr//ccoonntteeuuddoo//9999--7755-- s115/port.pdf Moore PS, Gao S-J, Dominguez G et al. Primary characterization of herpesvirus agent associated with Kaposi.s sarcoma. J Virol 1996; 70: 549-58.