SlideShare uma empresa Scribd logo

Leishmaniose visceral

Trabalho sobre Leishmaniose Visceral

1 de 21
Baixar para ler offline
DISCENTE: HIAGO LOPES DOS SANTOS
LEISHMANIOSE VISCERAL
DOCENTE: MAGNO DAS MERCES
CONCEITO
DOENÇA
CRÔNICA
Leishmania donovani
Leishmania infantum
Leishmania chagasi
EPIDEMIOLOGIA
É endêmica em 76 países e, no continente americano, está descrita em pelo
menos 12. Dos casos registrados na América Latina, 90% ocorrem no Brasil.
Em média, cerca de 3.500 casos são registrados anualmente e o coeficiente de
incidência é de 2,0 casos/100.000 habitantes. Nos últimos anos, a letalidade
vem aumentando gradativamente, passando de 3,1% em 2000 para 7,1% em
2012.
FONTE: Ministério da Saúde
EPIDEMIOLOGIA
FONTE: Laboratório Central de Saúde Pública
No caso específico da leishmaniose visceral, em 2011,
o Nordeste foi a região que apresentou o maior
número de casos: (1.832 ), sendo 539 deles somente
no estado do Ceará, seguido pela região Norte (834) e
pela região Sudeste (592).
O levantamento mostra ainda que a leishmaniose
visceral foi responsável por 2.704 mortes em todo o
país, e os estados brasileiros com o maior índice de
óbitos foram: Pará, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará,
São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.
ETIOLOGIA
Promastigotas
Amastigotas
 AGENTE ETIOLÓGICO: Leishmania chagasi;
 RESERVATÓRIOS: CÃO, RAPOSA E O HOMEM;
 VETOR: Lutzomyia longipalpis
Fonte:UFPEFonte:UFPE
Fonte:FIOCRUZ
ETIOPATOGENIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Leishmaniose Visceral
Leishmaniose VisceralLeishmaniose Visceral
Leishmaniose VisceralMari Sousa
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOWAGNER OLIVEIRA
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaSafia Naser
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioAroldo Gavioli
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseNathy Oliveira
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseKarina Pereira
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodiumGildo Crispim
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoElismmelo55
 
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOpauloalambert
 

Mais procurados (20)

Apresentação malária
Apresentação maláriaApresentação malária
Apresentação malária
 
Parasitoses Intestinais
Parasitoses IntestinaisParasitoses Intestinais
Parasitoses Intestinais
 
Leishmaniose Visceral
Leishmaniose VisceralLeishmaniose Visceral
Leishmaniose Visceral
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Fungos e doenças relacionadas
Fungos e doenças relacionadas Fungos e doenças relacionadas
Fungos e doenças relacionadas
 
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALOApresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Doenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratórioDoenças do sistema respiratório
Doenças do sistema respiratório
 
Slide Seminário Hanseníase
Slide Seminário HanseníaseSlide Seminário Hanseníase
Slide Seminário Hanseníase
 
Caso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de LeishmanioseCaso Clínico de Leishmaniose
Caso Clínico de Leishmaniose
 
Aula n° 5 plasmodium
Aula n° 5  plasmodiumAula n° 5  plasmodium
Aula n° 5 plasmodium
 
Leishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completoLeishmaniose visceral completo
Leishmaniose visceral completo
 
Meningite
MeningiteMeningite
Meningite
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Aula Hanseníase
Aula Hanseníase Aula Hanseníase
Aula Hanseníase
 
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICOLÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO
 
Toxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e RúbeolaToxoplasmose e Rúbeola
Toxoplasmose e Rúbeola
 
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saberIMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
IMUNIZAÇÃO - tudo o que voce sempre quis saber
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 

Destaque

Leishmaniose Visceral Americana - UNCISAL
Leishmaniose Visceral Americana - UNCISALLeishmaniose Visceral Americana - UNCISAL
Leishmaniose Visceral Americana - UNCISALLeonardo Coelho
 
Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Tarefa1.modificada.carolina paixão.Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Tarefa1.modificada.carolina paixão.Carolina Paixão
 
Guia PráTico Sobre Leishmaniose
Guia PráTico Sobre LeishmanioseGuia PráTico Sobre Leishmaniose
Guia PráTico Sobre LeishmanioseLeishmaniose Canina
 
120719 leishmaniasis cutánea pdf
120719 leishmaniasis cutánea pdf120719 leishmaniasis cutánea pdf
120719 leishmaniasis cutánea pdfviletanos
 
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEENOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEECarlos Junior
 
Leishmaniose - novas terapias
Leishmaniose  - novas terapiasLeishmaniose  - novas terapias
Leishmaniose - novas terapiasVictor Hugo
 
Leishmania infantum
Leishmania infantum Leishmania infantum
Leishmania infantum Tânia Faria
 
Aspectos Juridicos Da Leishmaniose Visceral Canina No Brasil
Aspectos Juridicos Da Leishmaniose Visceral Canina No BrasilAspectos Juridicos Da Leishmaniose Visceral Canina No Brasil
Aspectos Juridicos Da Leishmaniose Visceral Canina No BrasilLeishmaniose Canina
 
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e VisceralLeishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceralmonica_lima
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose 3a2011
 

Destaque (16)

Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Leishmaniose Visceral Americana - UNCISAL
Leishmaniose Visceral Americana - UNCISALLeishmaniose Visceral Americana - UNCISAL
Leishmaniose Visceral Americana - UNCISAL
 
E3019d01
E3019d01E3019d01
E3019d01
 
Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Tarefa1.modificada.carolina paixão.Tarefa1.modificada.carolina paixão.
Tarefa1.modificada.carolina paixão.
 
Guia PráTico Sobre Leishmaniose
Guia PráTico Sobre LeishmanioseGuia PráTico Sobre Leishmaniose
Guia PráTico Sobre Leishmaniose
 
Leishmaniose
LeishmanioseLeishmaniose
Leishmaniose
 
Leishmaniasis cutánea
Leishmaniasis cutáneaLeishmaniasis cutánea
Leishmaniasis cutánea
 
120719 leishmaniasis cutánea pdf
120719 leishmaniasis cutánea pdf120719 leishmaniasis cutánea pdf
120719 leishmaniasis cutánea pdf
 
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEENOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
NOTA TÉCNICA No 04 / 2014 / MEC / SECADI / DPEE
 
Leishmaniose - novas terapias
Leishmaniose  - novas terapiasLeishmaniose  - novas terapias
Leishmaniose - novas terapias
 
Leishmania infantum
Leishmania infantum Leishmania infantum
Leishmania infantum
 
Aspectos Juridicos Da Leishmaniose Visceral Canina No Brasil
Aspectos Juridicos Da Leishmaniose Visceral Canina No BrasilAspectos Juridicos Da Leishmaniose Visceral Canina No Brasil
Aspectos Juridicos Da Leishmaniose Visceral Canina No Brasil
 
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e VisceralLeishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
Leishmaníase Tegumentar Americana e Visceral
 
Leishmaniose
Leishmaniose Leishmaniose
Leishmaniose
 
Leishmaniasis
LeishmaniasisLeishmaniasis
Leishmaniasis
 
Leishmaniasis
LeishmaniasisLeishmaniasis
Leishmaniasis
 

Semelhante a Leishmaniose visceral

xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdfxI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdfRodrigoPAESVIEIRA
 
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptxDOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptxGabrielCamacho44
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Flávia Salame
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoFlávia Salame
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoFlávia Salame
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011Débora Freire
 
Saúde do idoso karita.pdf
Saúde do idoso karita.pdfSaúde do idoso karita.pdf
Saúde do idoso karita.pdfthamires55
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetoresMario Gandra
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresMario Gandra
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresMario Gandra
 
Febre Reumática- Artigo de Revisão
Febre Reumática- Artigo de RevisãoFebre Reumática- Artigo de Revisão
Febre Reumática- Artigo de Revisãoblogped1
 
Febre hemorrágica da dengue
Febre hemorrágica da dengueFebre hemorrágica da dengue
Febre hemorrágica da dengueadrianomedico
 

Semelhante a Leishmaniose visceral (20)

xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdfxI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
xI2koZPW2NjlwGlTYPNmD5WiHMb6.pdf
 
Resumo Febre Amarela
Resumo Febre AmarelaResumo Febre Amarela
Resumo Febre Amarela
 
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptxDOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
DOENÇAS INFEC - Dengue Hemorrágica.pptx
 
Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01Módulo Tuberculose- Aula 01
Módulo Tuberculose- Aula 01
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
 
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e DiagnósticoTuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
Tuberculose - Epidemiologia e Diagnóstico
 
Bloco iii texto b
Bloco iii   texto bBloco iii   texto b
Bloco iii texto b
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
 
Saúde do idoso karita.pdf
Saúde do idoso karita.pdfSaúde do idoso karita.pdf
Saúde do idoso karita.pdf
 
viroses
virosesviroses
viroses
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Dengue
DengueDengue
Dengue
 
Anemia Falciforme
Anemia FalciformeAnemia Falciforme
Anemia Falciforme
 
Anemia Falciforme
Anemia FalciformeAnemia Falciforme
Anemia Falciforme
 
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7   endemias brasileiras e controle de vetoresAula 7   endemias brasileiras e controle de vetores
Aula 7 endemias brasileiras e controle de vetores
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
 
Febre Reumática- Artigo de Revisão
Febre Reumática- Artigo de RevisãoFebre Reumática- Artigo de Revisão
Febre Reumática- Artigo de Revisão
 
Febre hemorrágica da dengue
Febre hemorrágica da dengueFebre hemorrágica da dengue
Febre hemorrágica da dengue
 

Mais de HIAGO SANTOS

Educação bancária e dialógica
Educação bancária e dialógicaEducação bancária e dialógica
Educação bancária e dialógicaHIAGO SANTOS
 
Estudo caso controle
Estudo caso controleEstudo caso controle
Estudo caso controleHIAGO SANTOS
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do pacienteHIAGO SANTOS
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoHIAGO SANTOS
 
Disturbios puerperais
Disturbios puerperaisDisturbios puerperais
Disturbios puerperaisHIAGO SANTOS
 

Mais de HIAGO SANTOS (9)

Educação bancária e dialógica
Educação bancária e dialógicaEducação bancária e dialógica
Educação bancária e dialógica
 
Estudo caso controle
Estudo caso controleEstudo caso controle
Estudo caso controle
 
Segurança do paciente
Segurança do pacienteSegurança do paciente
Segurança do paciente
 
Pnps
Pnps   Pnps
Pnps
 
Bioquímica
BioquímicaBioquímica
Bioquímica
 
Cancer de mama
Cancer de mamaCancer de mama
Cancer de mama
 
Teorias
TeoriasTeorias
Teorias
 
Cuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalizaçãoCuidados a criança durante hospitalização
Cuidados a criança durante hospitalização
 
Disturbios puerperais
Disturbios puerperaisDisturbios puerperais
Disturbios puerperais
 

Leishmaniose visceral

  • 1. DISCENTE: HIAGO LOPES DOS SANTOS LEISHMANIOSE VISCERAL DOCENTE: MAGNO DAS MERCES
  • 3. EPIDEMIOLOGIA É endêmica em 76 países e, no continente americano, está descrita em pelo menos 12. Dos casos registrados na América Latina, 90% ocorrem no Brasil. Em média, cerca de 3.500 casos são registrados anualmente e o coeficiente de incidência é de 2,0 casos/100.000 habitantes. Nos últimos anos, a letalidade vem aumentando gradativamente, passando de 3,1% em 2000 para 7,1% em 2012. FONTE: Ministério da Saúde
  • 4. EPIDEMIOLOGIA FONTE: Laboratório Central de Saúde Pública No caso específico da leishmaniose visceral, em 2011, o Nordeste foi a região que apresentou o maior número de casos: (1.832 ), sendo 539 deles somente no estado do Ceará, seguido pela região Norte (834) e pela região Sudeste (592). O levantamento mostra ainda que a leishmaniose visceral foi responsável por 2.704 mortes em todo o país, e os estados brasileiros com o maior índice de óbitos foram: Pará, Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, São Paulo, Bahia, Minas Gerais e Mato Grosso do Sul.
  • 5. ETIOLOGIA Promastigotas Amastigotas  AGENTE ETIOLÓGICO: Leishmania chagasi;  RESERVATÓRIOS: CÃO, RAPOSA E O HOMEM;  VETOR: Lutzomyia longipalpis Fonte:UFPEFonte:UFPE Fonte:FIOCRUZ
  • 9. SINAIS E SINTOMAS INAPARENTE: Sem sintomatologia clínica manifesta. CLÁSSICA: cursa com febre, astenia, adinamia, anorexia, perda de peso e caquexia, além de apresentar anemia acentuada. OLIGOSSINTOMÁTICA: a febre é baixa ou ausente, hepatomegalia, observa-se adinamia, ausência de hemorragias e caquexia.
  • 10. SINAIS E SINTOMAS AGUDA: o início pode ser abrupto ou insidioso. Na maioria dos casos, a febre é o primeiro sintoma. Observa-se hepatoesplenomegalia, adinamia, perda de peso e hemorragias. REFRATÁRIA: na realidade é uma forma evolutiva do Calazar clássico que não respondeu ao tratamento. É clinicamente mais grave, devido ao prolongamento da doença sem resposta terapêutica.
  • 12. DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL EQUISTOSSOMOSE HEPATOESPLÊNICA DOENÇA DE CHAGAS (AGUDA) MALÁRIA FEBRE TIFÓIDE LINFOMA BRUCELOSE MIELOMA MÚLTIPLO
  • 14. DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM  HiPERTEMIA RELACIONADO A DOENÇA E AO AUMENTO DA TAXA METABÓLICA EVIDENCIADO POR PELE QUENTE AO TOQUE.  DEAMBULAÇÃO PREJUDICADA RELACIONADO A FORÇA MUSCULAR INSUFICIENTE EVIDENCIADO POR CAPACIDADE PREJUDICADA PARA PERCORRER AS DISTÂNCIAS NECESSÁRIAS.  RISCO DE INFECÇÃO EVIDENCIADO POR LEUCOPENIA.
  • 15. TRATAMENTO No Brasil, os medicamentos utilizados para o tratamento da LV são o antimoniato pentavalente e a anfotericina B (MS, 2011) Antimoniato pentavalente Anfotericina B  Vantagem de ser administrado a nível ambulatorial;  Combate forma amastigota.  Única opção para gestantes;  Combate forma amastigota e promastigota;  Droga mais potente disponível atualmente.
  • 18. CUIDADOS DE ENFERMAGEM  PREVENÇÃO  Para Hipertemia: Monitorar os sinais vitais de 2 em 2 horas; - Administrar medicação segundo prescrição médica; - Aplicar compressas frias de 5 em 5 minutos no período febril  Para deambulação prejudicada: realizar mudança de decúbito, estimular, auxiliar e supervisionar a deambulação, observar e anotar edemas, observar e anotar estado de consciência.  Para risco de infecção: Avaliar permeabilidade de acesso venoso, sinais flogísticos, aparecimento de lesões cutâneas
  • 21. REFERÊNCIAS SOUZA, Marcos Antônio et al. Leishmaniose Visceral Humana: do diagnóstico ao tratamento. Disponível em http://www.facene.com.br/wp-content/uploads/2010/11/Leishmaniose-visceral-humana_com-corre- %E2%94%9C%C2%BA%E2%94%9C%C3%81es-dos-autores_25.10.12-PRONTO.pdf Acessado em 19/04/2016. SAÚDE, Ministério. Situação Epidemiológica – Dados. Disponível em http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o- ministerio/principal/leia-mais-o-ministerio/726-secretaria-svs/vigilancia-de-a-a-z/leishmaniose-visceral-lv/11334-situacao- epidemiologica-dados Acessado em 21/04/2016. TOCANTINS, Universidade Federal. Parasitologia: estudos dos parasitas. Disponível em http://www.uft.edu.br/parasitologia/pt_BR/parasitologia/leishmanioses/ciclo/index.html Acessado em 20/04/2016. SAÚDE, Ministério. Leishmaniose Visceral (LV). Disponível em http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o- ministerio/principal/secretarias/svs/leishmaniose-visceral-lv Acessado em 20/04/2016. BLUMENAU, Universidade Regional. Leishmaniose Visceral. Disponível em http://www.inf.furb.br/sias/parasita/Textos/leishmaniose_visceral.htm Acessado em 20/04/2016. GONTIJO, C.M.F; MELO, M.N. Leishmaniose Visceral No Brasil: quadro atual, desafios e perspectivas. Ver. Bras. Epidemiol. Vol.7, n.3, 2004. Disponível em http://www.scielosp.org/pdf/rbepid/v7n3/11.pdf Acessado em 21/04/2016.