SlideShare uma empresa Scribd logo
 
 
 
No Brasil, em 2003, estimaram-se 843 300 casos de sífilis.  Sendo doença de notificação compulsória, os estudos epidemiológicos são realizados em serviços que atendem DST ou grupos selecionados, como gestantes, soldados, prisioneiros, etc. . Os casos registrados de sífilis congênita entre 1998 e 2004 totalizaram 24.448
Os dados da prevalência nos trópicos mostram que a sífilis, conforme a região, é a segunda ou terceira causa de úlcera genital.
O  Treponema pallidum  é um espiroqueta de transmissão essencialmente sexual ou materno-fetal, podendo produzir, respectivamente, a forma adquirida ou congênita da doença.
TREPONEMA  PALLIDUM
PENETRAÇÃO TREPONEMA RESPOSTA  DA DEFESA  LOCAL Lesão ulcerativa  (cranco)
A imunidade celular é mais tardia permitindo a multiplicação do Treponema
Cancro Duro CLASSIFICAÇÃO
 
Lesões cutâneo-mucosas ricas no agente e portanto altamente contagiosas, generalizada e indolor. Ocasionalmente há artralgia, febre, adinamia .   LATENTE  RECENTE lesões palmares Roséola sifilítica Lesões plantares
Sífilis secundária Alopécia Roséola sifílides Roséola em boca Lesões palmares Lesões plantares Lesão labial
 
Ocorrem após 3 a 12 anos de infecção, principalmente por lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas), neurológicas ("tabes dorsalis", demência), cardiovasculares (aneurisma aórtico) e articulares (artropatia de Charcot). Lesão Cutânea  Lesão  necrosada Goma sifilítica
O Treponema se espalha  produzindo lesões em  vários órgãos Sífilis terciária (Visceral  ) CÉREBRO FÍGADO OSSOS CORAÇÃO
A sífilis congênita é o resultado da disseminação hematogênica  T. pallidum da gestante infectada não tratada ou inadequadamente tratada para o concepto por via transplacentária (transmissão vertical). SÍFILIS CONGÊNITA
Sorologia  não  treponêmica VDRL (Venereal Disease Research  Laboratory) ou RPR (Rapid Plasm Reagin)  Sorologia Treponêmica Por meio de imunofluorescência com o FTA-Abs (Fluorescent Treponema Antigen Absorvent) e o MHATP (Microhemaglutinação VDRL  é a prova recomendada para o exame do líquor. Tem  baixa sensibilidade (30-47% falso-negativo) e alta especificidade .
Testes Treponêmicos :   P ara confirmar a reatividade de testes não treponêmicos na sífilis tardia. Positivam-se um pouco mais cedo . Em  85% das pessoas tratadas com sucesso,  ficam   reativos  por anos ou até mesmo por toda a vida.  FTA-ABS - R ápida execução e baixo custo, mas necessita  de um microscópio fluorescente.  D oenças auto-imunes e  outras treponematoses pode m  apresentar resultados falso- positivos. O TPHA e o MHA-TP   -H emoaglutinação passiva de  eritrócitos sensibilizados de ovelhas. Na sífilis não tratada  tem sensibilidade igual ao FTA-ABS .
Testes Treponêmicos :   EIA   ( I munoensaio enzimático treponêmico). O EIA é um  teste  alternativo que combina o VDRL com TPHA.  O  processo laboratórial é automatizado e  apresenta leitura  objetiva dos resultados. Western-blot   - identifica anticorpos contra  imunodeterminantes  IgM e  I gG ). São   mais  utilizados em  projetos de pesquisa. PCR - E xtremamente útil no diagnóstico da sífilis  congênita e  neurossífilis.
*  Sífilis primária:  Herpes genital Danovanose Cancro mole
Linfogranuloma venério
*  Sífilis secundária Farmacodermias Doenças exantemáticas não vesiculosas Hanseníase virchowiana
* Déficit de conhecimento sobre a doença e o risco de disseminação da infecção e reinfecção; * Ansiedade relacionada com a estigmatização prevista e com o prognóstico e complicações; * Recusa em seguir o tratamento relacionado à dor e /ou constrangimento. *  Integridade da pele prejudicada secundária ás lesões  decorrentes da infecção sistêmica
* Articulações intra e intersetoriais para ampliação e continuidade das ações; *Identificação dos contatos mais triagem e notificação; *Completar o curso da penicilina como terapia para sifilis: abster -se do contato sexual com parceiro anteriores até que eles tenham sido tratados;  *Orientação sobre o uso do preservativos pois reduzem o risco de transmissão da sífilis e outras DSTs; * Reduzir a ansiedade pois o paciente é incentivado a discutir  medos quanto ao diagnostico, tratamento e prognostico. * Orientação sobre o curso da doença e o que é a sifilis;
2 séries dose total: 4.800.00 UI 1 semana Sífilis terciária ou com mais de 1 ano de evolução ou com duração ignorada 3 séries Dose total:  7.200.000 UI 1 semana VDRL MENSAL VDRL SEMANAL Sífilis secundária ou Latente com menos de 1 ano de duração
Avelleira JCR, Bottino G. Sífilis: Diagnóstico, tratamento e controle. An Bras Dermatol. 2006;81(2):111-26 . http://www.aids.gov.br/assistencia/mandst99/man_sifilis.htm PROTOCOLO PARA  PREVENÇÃO DE TRANSMISSÃO VERTICAL DE  HIV  E SÍFILIS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE-  2007
Aline Duarte Pereira Lopes RA.22.694 Edneide Miranda Siqueira RA.23.469 Marli Rodrigues de Matos RA.22.851 Patricia Lhoste Katzinski RA.22.876 Wagner Totonio de Oliveira RA: 22795
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sífilis Congênita
Sífilis CongênitaSífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis CongênitaOficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Centro de Desenvolvimento, Ensino e Pesquisa em Saúde - CEDEPS
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
Alinebrauna Brauna
 
Caso clínico sífilis
Caso clínico sífilisCaso clínico sífilis
Caso clínico sífilis
Professor Robson
 
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Enfº Ícaro Araújo
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
eborges
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
Pibid Biologia Cejad
 
Ists
IstsIsts
Trabalho sobre sífilis
Trabalho sobre sífilisTrabalho sobre sífilis
Trabalho sobre sífilis
Karolina Peixoto
 
Sífilis
SífilisSífilis
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
TesisMaster
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
Oncoguia
 
Sífilis.pptx
Sífilis.pptxSífilis.pptx
Sífilis.pptx
CHRISLAYNESILVA2
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Edvaldo S. Júnior
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Sífilis- 1F
Sífilis- 1FSífilis- 1F
Aula 5 - Sifílis (1).pptx
Aula 5 - Sifílis (1).pptxAula 5 - Sifílis (1).pptx
Aula 5 - Sifílis (1).pptx
DiegoSousa419733
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
Escola Básica e Secundária de Vizela - Infias
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
Rosane Garcia
 
COVID-19: a infecção respiratória causada pelo Coronavírus. Cartilha com dica...
COVID-19: a infecção respiratória causada pelo Coronavírus. Cartilha com dica...COVID-19: a infecção respiratória causada pelo Coronavírus. Cartilha com dica...
COVID-19: a infecção respiratória causada pelo Coronavírus. Cartilha com dica...
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Mais procurados (20)

Sífilis Congênita
Sífilis CongênitaSífilis Congênita
Sífilis Congênita
 
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis CongênitaOficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
Oficina Para a Prevenção de Casos de Sífilis Congênita
 
Aula 01 dst
Aula 01  dstAula 01  dst
Aula 01 dst
 
Caso clínico sífilis
Caso clínico sífilisCaso clínico sífilis
Caso clínico sífilis
 
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando a Sífilis - Interpretação de Exames Laboratoriais
 
Infecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente TransmissíveisInfecções Sexualmente Transmissíveis
Infecções Sexualmente Transmissíveis
 
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente TransmissívesDST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
DST / IST - Infecções Sexualmente Transmissíves
 
Ists
IstsIsts
Ists
 
Trabalho sobre sífilis
Trabalho sobre sífilisTrabalho sobre sífilis
Trabalho sobre sífilis
 
Sífilis
SífilisSífilis
Sífilis
 
Saude da mulher
Saude da mulherSaude da mulher
Saude da mulher
 
Câncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do ÚteroCâncer de Colo do Útero
Câncer de Colo do Útero
 
Sífilis.pptx
Sífilis.pptxSífilis.pptx
Sífilis.pptx
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Hepatite
HepatiteHepatite
Hepatite
 
Sífilis- 1F
Sífilis- 1FSífilis- 1F
Sífilis- 1F
 
Aula 5 - Sifílis (1).pptx
Aula 5 - Sifílis (1).pptxAula 5 - Sifílis (1).pptx
Aula 5 - Sifílis (1).pptx
 
Infecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveisInfecções sexualmente transmissíveis
Infecções sexualmente transmissíveis
 
Relatório de estágio
Relatório de estágioRelatório de estágio
Relatório de estágio
 
COVID-19: a infecção respiratória causada pelo Coronavírus. Cartilha com dica...
COVID-19: a infecção respiratória causada pelo Coronavírus. Cartilha com dica...COVID-19: a infecção respiratória causada pelo Coronavírus. Cartilha com dica...
COVID-19: a infecção respiratória causada pelo Coronavírus. Cartilha com dica...
 

Semelhante a Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO

Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
Gustavo Henrique
 
Sifilis
SifilisSifilis
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
anamaterialfarmacia
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
itsufpr
 
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'AlverneSífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Rodrigo Mont'Alverne
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Ismael Costa
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
Felipe Ribeiro
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
medtubebrasil
 
Sifilis para treinameto no jubim
Sifilis para treinameto no jubimSifilis para treinameto no jubim
Sifilis para treinameto no jubim
Fátima Monteiro
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
Urovideo.org
 
Dst
DstDst
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
DEIZYSOUZA
 
Tv da sífilis
Tv da sífilisTv da sífilis
Tv da sífilis
tvf
 
Sífilis ou cranco duro
Sífilis ou cranco duroSífilis ou cranco duro
Sífilis ou cranco duro
Lucas Lucinger
 
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICAsindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
Belinha Donatti
 
apresentação sobre sifilis congenita com meios de tratamento
apresentação sobre sifilis congenita com meios de tratamentoapresentação sobre sifilis congenita com meios de tratamento
apresentação sobre sifilis congenita com meios de tratamento
felipednleal1
 
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
Pelo Siro
 
Trabalho de sifilis
Trabalho de sifilisTrabalho de sifilis
Trabalho de sifilis
Daniela Santos
 
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
nicoleblanco100
 
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptxEPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
JessiellyGuimares
 

Semelhante a Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO (20)

Aula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosasAula 3 -_doencas_infecciosas
Aula 3 -_doencas_infecciosas
 
Sifilis
SifilisSifilis
Sifilis
 
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
sifilis na Gravidez- desafio na erradicação.
 
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorialSífilis diagnóstico clínico e laboratorial
Sífilis diagnóstico clínico e laboratorial
 
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'AlverneSífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
Sífilis Congênita - Rodrigo Mont'Alverne
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
IST ESCS
IST ESCSIST ESCS
IST ESCS
 
Toxoplasmose
Toxoplasmose Toxoplasmose
Toxoplasmose
 
Sifilis para treinameto no jubim
Sifilis para treinameto no jubimSifilis para treinameto no jubim
Sifilis para treinameto no jubim
 
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEISDOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS
 
Dst
DstDst
Dst
 
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
Slide doenças sexualmente transmissíveis (dst)
 
Tv da sífilis
Tv da sífilisTv da sífilis
Tv da sífilis
 
Sífilis ou cranco duro
Sífilis ou cranco duroSífilis ou cranco duro
Sífilis ou cranco duro
 
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICAsindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
sindromes-de-mononucleose INFECTOLOGIA MEDICA
 
apresentação sobre sifilis congenita com meios de tratamento
apresentação sobre sifilis congenita com meios de tratamentoapresentação sobre sifilis congenita com meios de tratamento
apresentação sobre sifilis congenita com meios de tratamento
 
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
1188746976 saude reprodutiva-doencas_infecciosas_e_gravidez_orientacoes_tecni...
 
Trabalho de sifilis
Trabalho de sifilisTrabalho de sifilis
Trabalho de sifilis
 
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
8MetodosdediagnosticoparaadoencadeChagasumaatualizacao-1.pdf
 
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptxEPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
EPIDEMIOLOGIA E CONTROLE DAS ENDEMIAS DE TRANSMISSÃO VERTICAL 4.pptx
 

Mais de WAGNER OLIVEIRA

INFERTILIDADE FEMININA
INFERTILIDADE FEMININAINFERTILIDADE FEMININA
INFERTILIDADE FEMININA
WAGNER OLIVEIRA
 
Fenilcetonúria
FenilcetonúriaFenilcetonúria
Fenilcetonúria
WAGNER OLIVEIRA
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
WAGNER OLIVEIRA
 
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiMulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
WAGNER OLIVEIRA
 
Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantil
WAGNER OLIVEIRA
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
WAGNER OLIVEIRA
 
Acidentes mais comuns na infância
Acidentes mais comuns na infânciaAcidentes mais comuns na infância
Acidentes mais comuns na infância
WAGNER OLIVEIRA
 
Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)
WAGNER OLIVEIRA
 
Principais exames na infância ...
Principais exames na infância ...Principais exames na infância ...
Principais exames na infância ...
WAGNER OLIVEIRA
 
DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG)
DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG)DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG)
DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG)
WAGNER OLIVEIRA
 
O morrer nas religiões
O morrer nas religiõesO morrer nas religiões
O morrer nas religiões
WAGNER OLIVEIRA
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
WAGNER OLIVEIRA
 
CIRURGIAS NEFROLÓGICAS
CIRURGIAS NEFROLÓGICASCIRURGIAS NEFROLÓGICAS
CIRURGIAS NEFROLÓGICAS
WAGNER OLIVEIRA
 

Mais de WAGNER OLIVEIRA (13)

INFERTILIDADE FEMININA
INFERTILIDADE FEMININAINFERTILIDADE FEMININA
INFERTILIDADE FEMININA
 
Fenilcetonúria
FenilcetonúriaFenilcetonúria
Fenilcetonúria
 
Planejamento familiar
Planejamento familiarPlanejamento familiar
Planejamento familiar
 
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiMulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
 
Hospitalização infantil
Hospitalização infantilHospitalização infantil
Hospitalização infantil
 
Adolescencia
AdolescenciaAdolescencia
Adolescencia
 
Acidentes mais comuns na infância
Acidentes mais comuns na infânciaAcidentes mais comuns na infância
Acidentes mais comuns na infância
 
Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)
 
Principais exames na infância ...
Principais exames na infância ...Principais exames na infância ...
Principais exames na infância ...
 
DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG)
DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG)DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG)
DOENÇA HIPERTENSIVA ESPECÍFICA DA GESTAÇÃO (DHEG)
 
O morrer nas religiões
O morrer nas religiõesO morrer nas religiões
O morrer nas religiões
 
Plasmodium
PlasmodiumPlasmodium
Plasmodium
 
CIRURGIAS NEFROLÓGICAS
CIRURGIAS NEFROLÓGICASCIRURGIAS NEFROLÓGICAS
CIRURGIAS NEFROLÓGICAS
 

Último

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Professor Belinaso
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
Suzy De Abreu Santana
 

Último (20)

PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escolaIntrodução à Sociologia: caça-palavras na escola
Introdução à Sociologia: caça-palavras na escola
 
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinhaatividade 8º ano entrevista - com tirinha
atividade 8º ano entrevista - com tirinha
 

Apresentação Sífilis 2010 TURMA ENFERMAGEM 5º SEMESTRE UNIÍTALO

  • 1.  
  • 2.  
  • 3.  
  • 4. No Brasil, em 2003, estimaram-se 843 300 casos de sífilis. Sendo doença de notificação compulsória, os estudos epidemiológicos são realizados em serviços que atendem DST ou grupos selecionados, como gestantes, soldados, prisioneiros, etc. . Os casos registrados de sífilis congênita entre 1998 e 2004 totalizaram 24.448
  • 5. Os dados da prevalência nos trópicos mostram que a sífilis, conforme a região, é a segunda ou terceira causa de úlcera genital.
  • 6. O Treponema pallidum é um espiroqueta de transmissão essencialmente sexual ou materno-fetal, podendo produzir, respectivamente, a forma adquirida ou congênita da doença.
  • 8. PENETRAÇÃO TREPONEMA RESPOSTA DA DEFESA LOCAL Lesão ulcerativa (cranco)
  • 9. A imunidade celular é mais tardia permitindo a multiplicação do Treponema
  • 11.  
  • 12. Lesões cutâneo-mucosas ricas no agente e portanto altamente contagiosas, generalizada e indolor. Ocasionalmente há artralgia, febre, adinamia .   LATENTE RECENTE lesões palmares Roséola sifilítica Lesões plantares
  • 13. Sífilis secundária Alopécia Roséola sifílides Roséola em boca Lesões palmares Lesões plantares Lesão labial
  • 14.  
  • 15. Ocorrem após 3 a 12 anos de infecção, principalmente por lesões cutâneo-mucosas (tubérculos ou gomas), neurológicas ("tabes dorsalis", demência), cardiovasculares (aneurisma aórtico) e articulares (artropatia de Charcot). Lesão Cutânea Lesão necrosada Goma sifilítica
  • 16. O Treponema se espalha produzindo lesões em vários órgãos Sífilis terciária (Visceral ) CÉREBRO FÍGADO OSSOS CORAÇÃO
  • 17. A sífilis congênita é o resultado da disseminação hematogênica T. pallidum da gestante infectada não tratada ou inadequadamente tratada para o concepto por via transplacentária (transmissão vertical). SÍFILIS CONGÊNITA
  • 18. Sorologia não treponêmica VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) ou RPR (Rapid Plasm Reagin) Sorologia Treponêmica Por meio de imunofluorescência com o FTA-Abs (Fluorescent Treponema Antigen Absorvent) e o MHATP (Microhemaglutinação VDRL é a prova recomendada para o exame do líquor. Tem baixa sensibilidade (30-47% falso-negativo) e alta especificidade .
  • 19. Testes Treponêmicos : P ara confirmar a reatividade de testes não treponêmicos na sífilis tardia. Positivam-se um pouco mais cedo . Em 85% das pessoas tratadas com sucesso, ficam reativos por anos ou até mesmo por toda a vida. FTA-ABS - R ápida execução e baixo custo, mas necessita de um microscópio fluorescente. D oenças auto-imunes e outras treponematoses pode m apresentar resultados falso- positivos. O TPHA e o MHA-TP -H emoaglutinação passiva de eritrócitos sensibilizados de ovelhas. Na sífilis não tratada tem sensibilidade igual ao FTA-ABS .
  • 20. Testes Treponêmicos : EIA ( I munoensaio enzimático treponêmico). O EIA é um teste alternativo que combina o VDRL com TPHA. O processo laboratórial é automatizado e apresenta leitura objetiva dos resultados. Western-blot - identifica anticorpos contra imunodeterminantes IgM e I gG ). São mais utilizados em projetos de pesquisa. PCR - E xtremamente útil no diagnóstico da sífilis congênita e neurossífilis.
  • 21. * Sífilis primária: Herpes genital Danovanose Cancro mole
  • 23. * Sífilis secundária Farmacodermias Doenças exantemáticas não vesiculosas Hanseníase virchowiana
  • 24. * Déficit de conhecimento sobre a doença e o risco de disseminação da infecção e reinfecção; * Ansiedade relacionada com a estigmatização prevista e com o prognóstico e complicações; * Recusa em seguir o tratamento relacionado à dor e /ou constrangimento. * Integridade da pele prejudicada secundária ás lesões decorrentes da infecção sistêmica
  • 25. * Articulações intra e intersetoriais para ampliação e continuidade das ações; *Identificação dos contatos mais triagem e notificação; *Completar o curso da penicilina como terapia para sifilis: abster -se do contato sexual com parceiro anteriores até que eles tenham sido tratados; *Orientação sobre o uso do preservativos pois reduzem o risco de transmissão da sífilis e outras DSTs; * Reduzir a ansiedade pois o paciente é incentivado a discutir medos quanto ao diagnostico, tratamento e prognostico. * Orientação sobre o curso da doença e o que é a sifilis;
  • 26. 2 séries dose total: 4.800.00 UI 1 semana Sífilis terciária ou com mais de 1 ano de evolução ou com duração ignorada 3 séries Dose total: 7.200.000 UI 1 semana VDRL MENSAL VDRL SEMANAL Sífilis secundária ou Latente com menos de 1 ano de duração
  • 27. Avelleira JCR, Bottino G. Sífilis: Diagnóstico, tratamento e controle. An Bras Dermatol. 2006;81(2):111-26 . http://www.aids.gov.br/assistencia/mandst99/man_sifilis.htm PROTOCOLO PARA PREVENÇÃO DE TRANSMISSÃO VERTICAL DE HIV E SÍFILIS MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE- 2007
  • 28. Aline Duarte Pereira Lopes RA.22.694 Edneide Miranda Siqueira RA.23.469 Marli Rodrigues de Matos RA.22.851 Patricia Lhoste Katzinski RA.22.876 Wagner Totonio de Oliveira RA: 22795
  • 29.