SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO - UNIJORGE
Bacharelado em Enfermagem
7º Semestre Noturno
Gestão na Interpretação de Exames Laboratoriais
Docente: Carolina Calixto de S. Andrade
Discentes: Genivaldo Icaro S. Araújo
Maio 2016
Salvador/BA
CONCEITO
O EBV é um vírus bastante comum no mundo inteiro. A
infecção por EBV, especialmente se ocorrer cedo na infância,
não causa sempre doença e é frequentemente assintomática.
No entanto, quando a infecção ocorre nos primeiros dez anos
de vida ou na adolescência, a mononucleose infecciosa irá
desenvolver-se em 50% dos casos. A maioria das pessoas foi
exposta ao vírus em criança, e, como resultado, desenvolveu
imunidade ao vírus.
A Mononucleose Infecciosa (MI) é
uma infecção viral comum. O Epstein barr
é um membro da família do vírus de
herpes. O termo "mononucleose" diz
respeito ao aumento de um tipo especial de
células brancas (linfócitos) na corrente
sanguínea quando comparado a outros
componentes de sangue como resultado
da infecção por EBV.
Epstein barr
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
CASO CLÍNICO
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
AMDL, 1 ano e 8 meses, procedente de Feira de
Santana, teve diminuição da diurese há uma semana. A
criança foi encaminhada para o HGE onde esteve
internada por 16h com diminuição da diurese e anúria há
um dia. Hoje urinou três vezes pela manhã, aceitando a
dieta, evacuando normalmente. Filho único de uma
cesárea por DCP, P: 3820g, T: 39°, vacinação em dia, avô
e tia materna com DM. Ao exame físico, hidratado,
palidez cutânea, presença de inflamação na garganta,
linfadenopatia bi lateral em região do pescoço indolor e
móveis, eupnéico, normocárdico, FC: 96bpm, abdômen
globoso, flácido, aparentemente indolor, fígado a 6cm do
RCD e baço a 4cm do RCE, paciente encaminhado para
exames laboratoriais após avaliação médica.
DIAGNÓSTICO
CLÍNICO
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
O trio característico dos sintomas é febre, inflamação da
garganta e linfadenopatia (glândulas linfáticas inchadas,
especialmente no pescoço). A fadiga está geralmente
presente e pode permanecer durante vários meses.
Inflamação da garganta
Linfadenopatia
DIAGNÓSTICO
LABORATORIAL
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
• O QUE É:
Exame de sangue que auxilia o médico no diagnóstico da
mononucleose infeciosa.
• PARA QUE SERVE :
Investiga a presença, no sangue, do vírus de Epstein-Barr
(EBV), causador mononucleose infecciosa.
• COMO É FEITO :
Através da análise do soro sanguíneo.
• PREPARO:
Jejum recomendado, mas não obrigatório.
Anti-VCA IgG e IgM .
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
• RESULTADO:
Anticorpos IgG (EBG):
Após o aparecimento precoce de IgM anti-EBV
circulante e, a seguir, uma diminuição até níveis não
detectáveis, em seguida, observa-se uma elevação dos níveis
de IgG anti-EBV.
A presença de anticorpos da classe IgM anti-EBV é
essencial para estabelecer um diagnóstico de mononucleose
infecciosa aguda.
• REFERÊNCIA:
Não Reagente : < 20 U/ML
Reagente : > 20 U/ML
Anti-VCA IgG e IgM .
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
• O QUE É:
Exame de sangue que auxilia o médico no diagnóstico da
mononucleose infeciosa.
• PARA QUE SERVE:
A identificação de anticorpos IgG anti-EBNA é importante na
identificação da fase em que o paciente se encontra em
relação a infecção pelo EBV.
• COMO É FEITO:
Através da análise do soro sanguíneo.
• PREPARO:
Jejum recomendado, mas não obrigatório.
Anti-EBNA IgG .
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
• RESULTADO:
A presença de anticorpos contra o EBNA significa que
a infecção ocorreu em algum momento no passado. Os
anticorpos contra o EBNA se desenvolvem de seis a oito
semanas após infecção primária e ficam presentes por toda a
vida.
• REFERÊNCIA:
Negativo: Título inferior a 1/20 U/mL
Anti-EBNA IgG .
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
• HEMOGRAMA → leucocitose (10.000 a 20.000),
linfocitose com linfócitos atípicos (>10%), anemia,
moderada trombocitopenia;
• FUNÇÃO HEPÁTICA → aumento discreto das
transaminases e da fosfatase alcalina, hiperuricemia;
• ISOLAMENTO DO VÍRUS → cultura de saliva ou de céls
sanguíneas mononucleares, PCR.
Exames Complementares .
DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
REFERÊNCIAS
A sífilis é uma DST causada pela bactéria Treponema
pallidum, cujo sintoma mais comum é uma úlcera indolor na
região genital. A sífilis, se não tratada a tempo, pode
espalhar-se pelo corpo e causar graves lesões de órgãos
internos, como o coração e o cérebro.
Todas as pessoas sexualmente ativas devem realizar
o teste para diagnosticar a sífilis, principalmente as
gestantes, pois a sífilis congênita pode causar aborto, má
formação do feto e/ou morte ao nascer.
A sífilis pode ser transmitida de uma pessoa para
outra durante o sexo sem camisinha com alguém infectado,
por transfusão de sangue contaminado ou da mãe infectada
para o bebê durante a gestação ou o parto.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ap7 - Reação de Aglutinação
Ap7 - Reação de AglutinaçãoAp7 - Reação de Aglutinação
Ap7 - Reação de AglutinaçãoLABIMUNO UFBA
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosadapab
 
Modelo slide para apresentação do artigo
Modelo   slide para apresentação do artigoModelo   slide para apresentação do artigo
Modelo slide para apresentação do artigoAdelmo Bicalho
 
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofiliaDisfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofiliaNEELLITON SANTOS
 
COMO APRESENTAR UM TRABALHO NUM CONGRESSO CIENTÍFICO: APRESENTAÇÃO ORAL
COMO APRESENTAR UM TRABALHO NUM CONGRESSO CIENTÍFICO: APRESENTAÇÃO ORALCOMO APRESENTAR UM TRABALHO NUM CONGRESSO CIENTÍFICO: APRESENTAÇÃO ORAL
COMO APRESENTAR UM TRABALHO NUM CONGRESSO CIENTÍFICO: APRESENTAÇÃO ORALVanessa Dagostim
 
Slide oficial (Doenças Autoimunes).pptx
Slide oficial (Doenças Autoimunes).pptxSlide oficial (Doenças Autoimunes).pptx
Slide oficial (Doenças Autoimunes).pptxMegaCenterTurilndia
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínearesenfe2013
 
Coleta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasColeta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasitsufpr
 
Procedimento operacional padrão do VDRL
Procedimento operacional padrão do VDRL Procedimento operacional padrão do VDRL
Procedimento operacional padrão do VDRL Karen Zanferrari
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada José Vitor Alves
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferroprivablogped1
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gabMarcia Rodrigues
 

Mais procurados (20)

Ap7 - Reação de Aglutinação
Ap7 - Reação de AglutinaçãoAp7 - Reação de Aglutinação
Ap7 - Reação de Aglutinação
 
Aglutinacao
AglutinacaoAglutinacao
Aglutinacao
 
Hemograma
HemogramaHemograma
Hemograma
 
Relatorio analise clinicas vanderley 3
Relatorio analise clinicas  vanderley 3Relatorio analise clinicas  vanderley 3
Relatorio analise clinicas vanderley 3
 
Endocardite infecciosa
Endocardite infecciosaEndocardite infecciosa
Endocardite infecciosa
 
Modelo slide para apresentação do artigo
Modelo   slide para apresentação do artigoModelo   slide para apresentação do artigo
Modelo slide para apresentação do artigo
 
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofiliaDisfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
Disfunções hematológicas - anemias - leucemia - homofilia
 
COMO APRESENTAR UM TRABALHO NUM CONGRESSO CIENTÍFICO: APRESENTAÇÃO ORAL
COMO APRESENTAR UM TRABALHO NUM CONGRESSO CIENTÍFICO: APRESENTAÇÃO ORALCOMO APRESENTAR UM TRABALHO NUM CONGRESSO CIENTÍFICO: APRESENTAÇÃO ORAL
COMO APRESENTAR UM TRABALHO NUM CONGRESSO CIENTÍFICO: APRESENTAÇÃO ORAL
 
Slide oficial (Doenças Autoimunes).pptx
Slide oficial (Doenças Autoimunes).pptxSlide oficial (Doenças Autoimunes).pptx
Slide oficial (Doenças Autoimunes).pptx
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Apresentacão meningite
Apresentacão meningiteApresentacão meningite
Apresentacão meningite
 
Coleta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostrasColeta e interpretação de amostras
Coleta e interpretação de amostras
 
choque AULA.pptx
choque AULA.pptxchoque AULA.pptx
choque AULA.pptx
 
Procedimento operacional padrão do VDRL
Procedimento operacional padrão do VDRL Procedimento operacional padrão do VDRL
Procedimento operacional padrão do VDRL
 
Leucemias
Leucemias Leucemias
Leucemias
 
Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada Diluição Simples e Seriada
Diluição Simples e Seriada
 
Anemia Ferropriva
Anemia FerroprivaAnemia Ferropriva
Anemia Ferropriva
 
64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab64012393 urinalise-questoes-gab
64012393 urinalise-questoes-gab
 
Hepatite B Caso Clinico
Hepatite B Caso ClinicoHepatite B Caso Clinico
Hepatite B Caso Clinico
 
Aula streptococcus
Aula streptococcusAula streptococcus
Aula streptococcus
 

Semelhante a Diagnosticando a Mononucleose Infecciosa

Mononucleose Infecciosa
Mononucleose InfecciosaMononucleose Infecciosa
Mononucleose Infecciosablogped1
 
Febre de Origem Desconhecida
Febre de Origem DesconhecidaFebre de Origem Desconhecida
Febre de Origem DesconhecidaMarcelino Cabral
 
Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)WAGNER OLIVEIRA
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxRaqueli Viecili
 
Diagnosticando as Hepatites - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando as Hepatites - Interpretação de Exames Laboratoriais Diagnosticando as Hepatites - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando as Hepatites - Interpretação de Exames Laboratoriais Enfº Ícaro Araújo
 
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptxHEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptxWerla Mirela
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológDr. Rafael Higashi
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidadeblogped1
 
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagemJoana Darc Calado
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emArquivo-FClinico
 

Semelhante a Diagnosticando a Mononucleose Infecciosa (20)

Mononucleose Infecciosa
Mononucleose InfecciosaMononucleose Infecciosa
Mononucleose Infecciosa
 
Adenopatia
Adenopatia Adenopatia
Adenopatia
 
Febre de Origem Desconhecida
Febre de Origem DesconhecidaFebre de Origem Desconhecida
Febre de Origem Desconhecida
 
Infecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão verticalInfecção de transmissão vertical
Infecção de transmissão vertical
 
Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)Meningite, encefalite e autismo (2)
Meningite, encefalite e autismo (2)
 
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptxfisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
fisioterapia-em-neonatologia-e-pediatria_compress.pptx
 
Diagnosticando as Hepatites - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando as Hepatites - Interpretação de Exames Laboratoriais Diagnosticando as Hepatites - Interpretação de Exames Laboratoriais
Diagnosticando as Hepatites - Interpretação de Exames Laboratoriais
 
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptxHEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
HEPATITE A E HEPATITE E- AYRLA.pptx
 
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológA importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
A importância do exame do líquor para o diagnóstico neurológ
 
Apresentação mononucleose
Apresentação mononucleoseApresentação mononucleose
Apresentação mononucleose
 
HIV
HIVHIV
HIV
 
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamentoBronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
Bronquiolite na Infância: diagnóstico e tratamento
 
Meningite bacteriana
Meningite bacterianaMeningite bacteriana
Meningite bacteriana
 
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na ComunidadePneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
Pneumonias na infância: Pneumonias Adquiridas na Comunidade
 
Bronquiolite
BronquioliteBronquiolite
Bronquiolite
 
Meningite tuberculosa
Meningite tuberculosaMeningite tuberculosa
Meningite tuberculosa
 
Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)Histoplasmose (1)
Histoplasmose (1)
 
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagemMICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
MICRO PARTE IV.pptx curso tecnico de enfermagem
 
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+emDiretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
Diretrizes+brasileiras+em+pneumonia+adquirida+na+comunidade+em
 
Anemia Falciforme
Anemia FalciformeAnemia Falciforme
Anemia Falciforme
 

Mais de Enfº Ícaro Araújo

Síndrome Metabólica - Bioquímica
Síndrome Metabólica - BioquímicaSíndrome Metabólica - Bioquímica
Síndrome Metabólica - BioquímicaEnfº Ícaro Araújo
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIEnfº Ícaro Araújo
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico - Imunologia
Lúpus Eritematoso Sistêmico - ImunologiaLúpus Eritematoso Sistêmico - Imunologia
Lúpus Eritematoso Sistêmico - ImunologiaEnfº Ícaro Araújo
 
Síndrome de Crushing - Farmacologia
Síndrome de Crushing - FarmacologiaSíndrome de Crushing - Farmacologia
Síndrome de Crushing - FarmacologiaEnfº Ícaro Araújo
 
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia HumanaSistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia HumanaEnfº Ícaro Araújo
 
BANNER - Associação do Câncer Gástrico com a H. Pylori - Saúde do Adulto
BANNER - Associação do Câncer Gástrico com a H. Pylori - Saúde do AdultoBANNER - Associação do Câncer Gástrico com a H. Pylori - Saúde do Adulto
BANNER - Associação do Câncer Gástrico com a H. Pylori - Saúde do AdultoEnfº Ícaro Araújo
 
BANNER - O uso irracional do Omeprazol
BANNER - O uso irracional do OmeprazolBANNER - O uso irracional do Omeprazol
BANNER - O uso irracional do OmeprazolEnfº Ícaro Araújo
 
BANNER - Vida e Morte de um Implante de Silicone
BANNER - Vida e Morte de um Implante de SiliconeBANNER - Vida e Morte de um Implante de Silicone
BANNER - Vida e Morte de um Implante de SiliconeEnfº Ícaro Araújo
 
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaRede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaEnfº Ícaro Araújo
 
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do IdosoEnvelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do IdosoEnfº Ícaro Araújo
 
Insuficiência Venosa - Saúde do Adulto
Insuficiência Venosa - Saúde do AdultoInsuficiência Venosa - Saúde do Adulto
Insuficiência Venosa - Saúde do AdultoEnfº Ícaro Araújo
 
Tumores Estromas Gastrointestinais - Saúde do Adulto
Tumores Estromas Gastrointestinais - Saúde do AdultoTumores Estromas Gastrointestinais - Saúde do Adulto
Tumores Estromas Gastrointestinais - Saúde do AdultoEnfº Ícaro Araújo
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherEnfº Ícaro Araújo
 
Distúrbios Alimentares na Infância - Saúde da Criança
Distúrbios Alimentares na Infância - Saúde da CriançaDistúrbios Alimentares na Infância - Saúde da Criança
Distúrbios Alimentares na Infância - Saúde da CriançaEnfº Ícaro Araújo
 
Doação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Doação de Órgãos entre Parentes - DeontologiaDoação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Doação de Órgãos entre Parentes - DeontologiaEnfº Ícaro Araújo
 
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IICirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IIEnfº Ícaro Araújo
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Enfº Ícaro Araújo
 

Mais de Enfº Ícaro Araújo (20)

Síndrome Metabólica - Bioquímica
Síndrome Metabólica - BioquímicaSíndrome Metabólica - Bioquímica
Síndrome Metabólica - Bioquímica
 
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva IIFebre Amarela - Saúde Coletiva II
Febre Amarela - Saúde Coletiva II
 
Lúpus Eritematoso Sistêmico - Imunologia
Lúpus Eritematoso Sistêmico - ImunologiaLúpus Eritematoso Sistêmico - Imunologia
Lúpus Eritematoso Sistêmico - Imunologia
 
Síndrome de Crushing - Farmacologia
Síndrome de Crushing - FarmacologiaSíndrome de Crushing - Farmacologia
Síndrome de Crushing - Farmacologia
 
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia HumanaSistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
Sistema Reprodutor Masculino - Anatomia Humana
 
BANNER - Associação do Câncer Gástrico com a H. Pylori - Saúde do Adulto
BANNER - Associação do Câncer Gástrico com a H. Pylori - Saúde do AdultoBANNER - Associação do Câncer Gástrico com a H. Pylori - Saúde do Adulto
BANNER - Associação do Câncer Gástrico com a H. Pylori - Saúde do Adulto
 
BANNER - O uso irracional do Omeprazol
BANNER - O uso irracional do OmeprazolBANNER - O uso irracional do Omeprazol
BANNER - O uso irracional do Omeprazol
 
BANNER - Vida e Morte de um Implante de Silicone
BANNER - Vida e Morte de um Implante de SiliconeBANNER - Vida e Morte de um Implante de Silicone
BANNER - Vida e Morte de um Implante de Silicone
 
Síndrome de Turner - Imunologia
Síndrome de Turner - ImunologiaSíndrome de Turner - Imunologia
Síndrome de Turner - Imunologia
 
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde ColetivaRede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
Rede de Frios - Temperatura e Organização - Saúde Coletiva
 
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do IdosoEnvelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
Envelhecimento Ativo - Saúde do Idoso
 
Insuficiência Venosa - Saúde do Adulto
Insuficiência Venosa - Saúde do AdultoInsuficiência Venosa - Saúde do Adulto
Insuficiência Venosa - Saúde do Adulto
 
Tumores Estromas Gastrointestinais - Saúde do Adulto
Tumores Estromas Gastrointestinais - Saúde do AdultoTumores Estromas Gastrointestinais - Saúde do Adulto
Tumores Estromas Gastrointestinais - Saúde do Adulto
 
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da MulherDescolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
Descolamento Prematuro da Placenta e Placenta Prévia - Saúde da Mulher
 
Doença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - ParasitologiaDoença de Chagas - Parasitologia
Doença de Chagas - Parasitologia
 
Distúrbios Alimentares na Infância - Saúde da Criança
Distúrbios Alimentares na Infância - Saúde da CriançaDistúrbios Alimentares na Infância - Saúde da Criança
Distúrbios Alimentares na Infância - Saúde da Criança
 
Direitos Humanos - Deontologia
Direitos Humanos - DeontologiaDireitos Humanos - Deontologia
Direitos Humanos - Deontologia
 
Doação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Doação de Órgãos entre Parentes - DeontologiaDoação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
Doação de Órgãos entre Parentes - Deontologia
 
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica IICirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
Cirurgia Bariátrica - Enfermagem Cirúrgica II
 
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
Doenças na Gestação - Rubéola e Toxoplasmose
 

Diagnosticando a Mononucleose Infecciosa

  • 1.
  • 2. CENTRO UNIVERSITÁRIO JORGE AMADO - UNIJORGE Bacharelado em Enfermagem 7º Semestre Noturno Gestão na Interpretação de Exames Laboratoriais Docente: Carolina Calixto de S. Andrade Discentes: Genivaldo Icaro S. Araújo Maio 2016 Salvador/BA
  • 3. CONCEITO O EBV é um vírus bastante comum no mundo inteiro. A infecção por EBV, especialmente se ocorrer cedo na infância, não causa sempre doença e é frequentemente assintomática. No entanto, quando a infecção ocorre nos primeiros dez anos de vida ou na adolescência, a mononucleose infecciosa irá desenvolver-se em 50% dos casos. A maioria das pessoas foi exposta ao vírus em criança, e, como resultado, desenvolveu imunidade ao vírus. A Mononucleose Infecciosa (MI) é uma infecção viral comum. O Epstein barr é um membro da família do vírus de herpes. O termo "mononucleose" diz respeito ao aumento de um tipo especial de células brancas (linfócitos) na corrente sanguínea quando comparado a outros componentes de sangue como resultado da infecção por EBV. Epstein barr DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
  • 4. CASO CLÍNICO DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE AMDL, 1 ano e 8 meses, procedente de Feira de Santana, teve diminuição da diurese há uma semana. A criança foi encaminhada para o HGE onde esteve internada por 16h com diminuição da diurese e anúria há um dia. Hoje urinou três vezes pela manhã, aceitando a dieta, evacuando normalmente. Filho único de uma cesárea por DCP, P: 3820g, T: 39°, vacinação em dia, avô e tia materna com DM. Ao exame físico, hidratado, palidez cutânea, presença de inflamação na garganta, linfadenopatia bi lateral em região do pescoço indolor e móveis, eupnéico, normocárdico, FC: 96bpm, abdômen globoso, flácido, aparentemente indolor, fígado a 6cm do RCD e baço a 4cm do RCE, paciente encaminhado para exames laboratoriais após avaliação médica.
  • 5. DIAGNÓSTICO CLÍNICO DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE O trio característico dos sintomas é febre, inflamação da garganta e linfadenopatia (glândulas linfáticas inchadas, especialmente no pescoço). A fadiga está geralmente presente e pode permanecer durante vários meses. Inflamação da garganta Linfadenopatia
  • 7. • O QUE É: Exame de sangue que auxilia o médico no diagnóstico da mononucleose infeciosa. • PARA QUE SERVE : Investiga a presença, no sangue, do vírus de Epstein-Barr (EBV), causador mononucleose infecciosa. • COMO É FEITO : Através da análise do soro sanguíneo. • PREPARO: Jejum recomendado, mas não obrigatório. Anti-VCA IgG e IgM . DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
  • 8. • RESULTADO: Anticorpos IgG (EBG): Após o aparecimento precoce de IgM anti-EBV circulante e, a seguir, uma diminuição até níveis não detectáveis, em seguida, observa-se uma elevação dos níveis de IgG anti-EBV. A presença de anticorpos da classe IgM anti-EBV é essencial para estabelecer um diagnóstico de mononucleose infecciosa aguda. • REFERÊNCIA: Não Reagente : < 20 U/ML Reagente : > 20 U/ML Anti-VCA IgG e IgM . DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
  • 9. • O QUE É: Exame de sangue que auxilia o médico no diagnóstico da mononucleose infeciosa. • PARA QUE SERVE: A identificação de anticorpos IgG anti-EBNA é importante na identificação da fase em que o paciente se encontra em relação a infecção pelo EBV. • COMO É FEITO: Através da análise do soro sanguíneo. • PREPARO: Jejum recomendado, mas não obrigatório. Anti-EBNA IgG . DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
  • 10. • RESULTADO: A presença de anticorpos contra o EBNA significa que a infecção ocorreu em algum momento no passado. Os anticorpos contra o EBNA se desenvolvem de seis a oito semanas após infecção primária e ficam presentes por toda a vida. • REFERÊNCIA: Negativo: Título inferior a 1/20 U/mL Anti-EBNA IgG . DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
  • 11. • HEMOGRAMA → leucocitose (10.000 a 20.000), linfocitose com linfócitos atípicos (>10%), anemia, moderada trombocitopenia; • FUNÇÃO HEPÁTICA → aumento discreto das transaminases e da fosfatase alcalina, hiperuricemia; • ISOLAMENTO DO VÍRUS → cultura de saliva ou de céls sanguíneas mononucleares, PCR. Exames Complementares . DIAGNOSTICANDOAMONONUCLEOSE
  • 12. REFERÊNCIAS A sífilis é uma DST causada pela bactéria Treponema pallidum, cujo sintoma mais comum é uma úlcera indolor na região genital. A sífilis, se não tratada a tempo, pode espalhar-se pelo corpo e causar graves lesões de órgãos internos, como o coração e o cérebro. Todas as pessoas sexualmente ativas devem realizar o teste para diagnosticar a sífilis, principalmente as gestantes, pois a sífilis congênita pode causar aborto, má formação do feto e/ou morte ao nascer. A sífilis pode ser transmitida de uma pessoa para outra durante o sexo sem camisinha com alguém infectado, por transfusão de sangue contaminado ou da mãe infectada para o bebê durante a gestação ou o parto.