SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 71
Internato em Pediatria I
PED I
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Centro de Ciências da Saúde
Departamento de Pediatria
Relatório 2016Relatório 2016
Apresentação: Profº Leonardo Moura Ferreira de Souza
Internato em Pediatria I
RELATÓRIO – 2016
Internato em Pediatria I
RELATÓRIO – 2016
1-Competências
2-Atividades Pedagógicas
3-Métodos de Avaliação
4-Resultados
5-Discussão e Proposições
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
1-COMPETÊNCIAS
(Objetivos Aprendizagem)
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
1-COMPETÊNCIAS
(Objetivos Aprendizagem)
Crescimento e desenvolvimento CD
Cuidados neonatais;
Iniciação em urgência e emergênciaIniciação em urgência e emergência
Doenças prevalentes na infância
Atuar numa abordagem generalista e humanista.
Acolher e comunicar-se com a criança e o acompanhante durante o atendimento.
Sistematizar a história clínica (anamnese e exame físico da criança).
Registrar adequadamente as anotações no prontuário da criança.
Articular as ações de promoção, prevenção, diagnóstico e tratamento de agravos à saúde da criança
(integralidade do cuidado).
Atuar em alojamento conjunto e sala de parto, com enfoque inicial em neonatologia
Atuar nas áreas de atenção primária, com enfoque na pediatria
Atuar em serviço de urgência e emergência em pediatria
Estabelecer um bom relacionamento com colegas, professores e equipe multiprofissional.
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2- ATIVIDADES PEDAGÓGICAS
2.1-Metodologias
2.2- Cenários
2.1-Metodologias
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.1- METODOLOGIAS
2.1.1 – Aulas Teóricas2.1.1 – Aulas Teóricas
2.1.2 Aulas Práticas
2.1.3 Aulas Teórico Práticas
2.1.4 – Sessões Clinicas
2.1.5- CLUBE DE ARTIGO
2.1.6- Momento “TEP
2.1.7-Ginkana de Dermatologia Pediátrica
2.1.8 “CADEIRÃO DO PED I
2.1.9 Discussão de Casos Clínicos
2.10 Revisão de Conteúdo- Simulação de Casos Clínicos
2.11- Anatomo Clínica
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.1-Metodologias
Expositivas
Casos Clínicos
Abordagem “Situação Problema”
Resolução Questões
Pré e Pós Teste
2.1.1- Aulas Teóricas
Aulas Teóricas
Casos Clínicos
Situação Problema 1: Febre e Dor de garganta
Aulas Teóricas
Abordagem “Situação Problema -IVAS
Situação Problema 2: Criança coriza e/ou toseSituação Problema 2: Criança coriza e/ou tose
sem dificuldade para respirar e/ou alteração FR
Situação Problema 3: Criança com otalgia
Situação Problema 4: Criança com tosse ladrante e ou
estridor (audível sem estetoscópio
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.1-Metodologias
2.1.2- Aulas Práticas
Internato em Pediatria I
2.1-Metodologias
Relatório 2016
2.1.3- Aulas
Teórico Práticas
- Reanimação Neonatal
-Suporte Avançado em Pediatria
Internato em
Pediatria I
2.1-Metodologias
Relatório 2016
2.1.3- Aulas
Teórico Práticas
Urgência xEmergência
(Prof Iluska)
Internato em Pediatria I
2.1.4- Sessões Clinicas
Relatório 2016
2.1-Metodologias
2.1.4- Sessões Clinicas
Sessões Clínicas
2.1.1 – “Flashs” em Pediatria
2.1.2 – Casos Ambulatoriais Interessantes (C.A.I)
2.1.3- “Eu Estive Lá”
2.1.4 – Diagnóstico Visual em Pediatria (DVP)
2.1.3.1- “Flashs” em Pediatria
2.1.4 – Sessões Clinicas
2.1.3.2 - Casos Ambulatoriais
Interessantes
2.1.4- Sessões Clinicas
2.1.3.3 “Eu Estive Lá”
2.1.4-Sessões Clinicas
2.1.3.4 -“Diagnóstico Visual em
Pediatria - DVP
2.1.4 -Sessões Clinicas
Internato em
Pediatria I
Relatório 2016
2.1-Metodologias
2.1.5 – CLUBE
DE ARTIGO
2.1.5 – CLUBE DE ARTIGO
2.1.5 – CLUBE DE ARTIGO
2.1.5 – CLUBE DE ARTIGO
Doutorandos:
Universidade Federal do Rio Grande do Norte
Departamento de Pediatria
Internato em Pediatria I
APRESENTAÇÃO:
Doutorandos:
Alesson Marinho
Juliane Gregório
Renata Aguiar
COORDENAÇÃO: PROF: PROF. .LEONARDO M.F. SOUZA
Internato em
Pediatria I
Relatório 2016
2.1-Metodologias
2.1.6 – Momento
TEP
(Resoluções de questões)
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.1-Metodologias
2.1.7- Ginkana de
Dermatologia
Pediátrica
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.1-Metodologias
2.1.8 - Cadeirão do
PED I
(Argüição oral)
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.1-Metodologias
2.1-9- Discussão de
Casos
(Ambulatórios, Unidade B )
Internato em Pediatria I
2.1-Metodologias
Relatório 2016
2.1-9- Discussão de
Casos
(Ambulatórios,)
Metodologia dos 7 Anões
(Baixa Estatura)
Internato em Pediatria I
2.1-Metodologias
Relatório 2016
2.1-10- Revisão de Conteúdo -
Simulação de Casos Clínicos
(Ambulatórios,)
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.1-Metodologias
2.1.11-
Anatomo-
Clínica
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2- ATIVIDADES PEDAGÓGICAS
2.2 – Cenários2.2 – Cenários
Cenários de Prática
2.2.1 – Sala de Parto (MEJC)
2.2.2 Alojamento Conjunto (Unidade B)
2.2.3- Ambulatório HOSPED
2.2.4 – Ambulatório USFC
2.2.5- Laboratório de Habilidades
2.2.6- Centro de Saúde Anita Garibaldi
2.2.7-Pronto Socorro Infantil Sandra Celeste
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.2 – Cenários
2.2.1- Sala de Parto
(MEJC)
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.2 – Cenários
2.2.2-Unidade B-Alojamento
Conjunto(MEJC)
Internato em Pediatria I
2.2.3- Ambulatório
2.2 – Cenários
Relatório 2016
2.2.3- Ambulatório
HOSPED
-Pediatria Geral
- Puericultura
- Neonatologia/ 5º Dia Útil
-Cirurgia Pediátrica
- Síndrome de Down
- Infecções Congênitas
- Microcefalia
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.2 – Cenários
2.2.4- Ambulatório
USFC
-Pediatria Geral,
-Puericultura
Internato em Pediatria I
Relatório 2015
2.2 – Cenários
2.2.5 -
Laboratório de
Habilidades
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.2 – Cenários
2.2.6- Centro de
Saúde
Anita Garilbadi
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
2.2 – Cenários
2.2.7- Pronto
Socorro Infantil
Sandra Celeste
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
3- MÉTODOS DE AVALIAÇÃO
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
3. – Métodos de Avaliação
3.1-Avaliação
Cognitiva
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
3 – Métodos de Avaliação
3.2-Avaliação Prática
MINICIEX
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
3 – Métodos de Avaliação
3.3-
Avaliação
Atitudinal
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
3 – Métodos de Avaliação
3.4- Projeto
de
Intervenção
CALENDÁRIO DE PUERICULTURA
(RN TERMO/AIG)
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
3 – Métodos de Avaliação
3.5-Ginkana de Dermatologia Pediátrica3.5-Ginkana de Dermatologia Pediátrica
Internato em Pediatria I
3 – Métodos de Avaliação
Relatório 2016
3.6- Anatomo
Clinica
Internato em Pediatria I
Relatório 2016
4- RESULTADOS
Internato em Pediatria I
4- RESULTADOS
Relatório 2016
4.1- COMPETÊNCIAS
4- RESULTADOS
1. O Internato em Pediatria I contribuiu na aquisição de competências
para:
5
10
15
20
25
30
35
0 Ótimo
Ruim
“””’””Dos tópicos avaliados acima, o que deixou mais a desejar foi o
rodízio de urgência e emergência . Pelo fato de que neste cenário
ficamos subordinados a preceptores que não adotam condutas baseado
em evidencia e que não incitam a discussão de casos”
Internato em Pediatria I
4- RESULTADOS
Relatório 2016
4.2- METODOLOGIAS
4- RESULTADOS
2. Como você avalia as diferentes metodologias de ensino-
aprendizagem aplicadas pela disciplina?
5
10
15
20
25
30
35
0
5
Ótimo
Ruim
“”A aula de“”A aula de
Diagnóstico Visual em
Pediatria foi uma das
melhores. Ótima
ideia,professores..Não
deixem de fazê-la nas
próximas turmas””
“Acho a anatomo-
clínica uma atividade
muito especifica que
pouco contribui para a
formação do
generalista”
Internato em Pediatria I
4- RESULTADOS
Relatório 2016
4.3- CENÁRIOS
4- RESULTADOS
3- Como você avalia os diferentes cenários de práticas oferecidos para
o desenvolvimento do seu processo de aprendizagem, considerando
estrutura, organização e qualidade dos recursos disponíveis?
20
25
30
35
0
5
10
15
Unidade de
Saúde Familiar e
Comunitária -
USFC
Ambulatório de
Pediatria
geral/Puericultura
- HOSPED
Ambulatório de
Cirurgia
Pediátrica -
HOSPED
Centro de Saúde
Anita Garilbaldi-
CSAG
Sala de Parto da
MEJC
Alojamento
conjunto
/Unidade B
Pronto Socorro
Infantil Sandra
Celeste
Ótimo
Ruim
“””’”””””Acredito que
ainda há uma deficiência “””ainda há uma deficiência
no PED I no que tange à
urgência e emergência
devido a falta de
estrutura, recursos e
procedimentos oferecidos
pelo PS Municipal”
“”” Ambulatório –HOSPED:
Insuficiência de salas; 2
até 3 atendimentos
simultâneos;Sala de Parto
MEJC: não temos um lugar
certo para guardar material
de forma segura””’”””””
Internato em Pediatria I
4- RESULTADOS
Relatório 2016
4.3- MÉTODOS DE AVALIAÇÃO
4- RESULTADOS
4- Como você avalia os diferentes métodos utilizados pela
disciplina na avaliação discente?
20
25
30
35
0
5
10
15
Prova Teórica
(avaliação cognitiva)
Avaliação Atitudinal Avaliação de
Habilidades
Gincana
Dermatológica
Anátomo Clínica Projetos de
Intervenção
Ótimo
Bom
“””’””””””Os Projetos de
”O Miniciex é de suma
importância e deve ser
mantido”
“””’””””””Os Projetos de
Intervenção são muito
bons e ajudam as turmas
subseqüentes”
RESULTADOS
RESULTADOS
“O PED I cumpre o compromisso em nos tornar médicos
generalistas aptos na atenção e cuidado infantil”.
“O Internato foi muito bom; bem integrado e
organizado, despertando o interesse e admiração de muitos
pela pediatria”
“ O PED I é um Internato bem estruturado e pensado.
Referência!!!
RESULTADOS
PONTOS POSITIVOS
•Visão completa da puericultura e das doenças mais prevalentes da pediatria
geral – Consolidação de conhecimentos
•Excelente preparo para atuação na pediatria como médico generalista
•Preceptoria ( empenho, dedicação, compromisso)•Preceptoria ( empenho, dedicação, compromisso)
•Organização/ Coordenação
•Enfoque humanista
•Acolhimento dos Professores com alunos (ambulatórios)
•Respeito ao aluno- dialogo
•Comprometimento com o aprendizado
•Metodologias de ensino (bem elaboradas e modernas)
•Diagnóstico visual
•Práticas- Diversidade de cenários
•Plantões na sala de parto
•Aulas teórico práticas e o L.H
•Cronograma bem elaborado
PONTOS NEGATIVOS
•Rodízio de urgência x emergência-
Condutas,discussões, preceptoria(poucos professores; resistência em
receber alunos)receber alunos)
•Evolução no alojamento conjunto – finais de semana – 6,7.8 crianças- fere
as normas do Internato (previsão de 5)
•Acomodação dos doutorandos sala de parto (pertences)
•Não atuação em UBS
•Atendimento simultâneo nos ambulatórios HOSPED
SUGESTÕES
PARA MELHORIA
•Mais aula no LAB – SIMULAÇÃO CASOS URGÊNCIA (Prof Iluska)
•Inserção de Professor- Preceptor – P.S Infantil- Melhora Plantão no PS•Inserção de Professor- Preceptor – P.S Infantil- Melhora Plantão no PS
•Mais discussão de casos- A. Conjunto (Finais semana)
•Padronização de condutas (A. Conjunto)
•Dividir os leitos com os Residentes no FS
•Disponibilizar melhor acomodação na sala parto (pertences)
•Atividade na atenção primária – Inserir a MFC
•Pós testes,após aulas
•Incrementar programação teórica- Aulas – Casos clínicos- Diarréia, ITU
Internato em Pediatria I
5- DISCUSSÃO E PROPOSIÇÕES
Relatório 2016
5- DISCUSSÃO E PROPOSIÇÕES
INOVAÇÕES PARA 2017
• Melhorar o Rodízio de Urgência : Inserção professor preceptor?
• Maior inserção na atenção primária- MFC
•Final de semana Alojamento Conjunto: estipular n de pacientes x dividir
com residentes ? Todo grupo evoluir?
•Padronização condutas (Alojamento conjunto)
PROPOSIÇÕES E
INOVAÇÕES PARA 2017
•Padronização condutas (Alojamento conjunto)
•Melhor acomodação na sala de parto
•Participação no Congresso Brasileiro de Pediatria /CIENTEC
•Pós testes após aulas (fixação conteúdo)
•Incremento na Programação teórica (perdas)
Aulas no LH – Simulação Urgência x Emergência
Aulas Casos clínicos (Novos temas- Diarreia, ITU, outros
•Aprimorar Discussões cientificas (Setores)
•Diminuir nº atendimentos simultâneos
Mensagem Final
“Eis a nuance: a porta de um médico nunca deve estar
fechada. A porta de um pediatra deve sempre estar
aberta. As crianças não batem, pedindo para entrar. Elas
batem e esmurram, pedindo para sair. Obrigado PED 1
por abrir essa porta para mim.”
Ddo Igor Guedes
http://pediatriaemfoco.blogspot.com.br/
OBRIGADO!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxWellingtonTeixeira24
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno blogped1
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilAlexandre Donha
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Riscochirlei ferreira
 
Puericultura- Roteiro Prático
Puericultura-  Roteiro PráticoPuericultura-  Roteiro Prático
Puericultura- Roteiro Práticoblogped1
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaCândida Mirna
 
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimento
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimentoSaúde da criança, crescimento e desenvolvimento
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimentoCentro Universitário Ages
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxWellingtonTeixeira24
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.Edna Rúbia Paulino de Oliveira
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatalblogped1
 

Mais procurados (20)

CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023 CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
CADERNETA da GESTANTE: 8a edição / 2023
 
A Primeira Consulta do Recém-nascido na Atenção Primária
A Primeira Consulta do Recém-nascido na Atenção PrimáriaA Primeira Consulta do Recém-nascido na Atenção Primária
A Primeira Consulta do Recém-nascido na Atenção Primária
 
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
Desenvolvimento infantil: Caderneta do Ministério da Saúde - SBP
 
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptxSAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
SAÚDE DA CRIANÇA E ADOLESCENTE AULA 2.pptx
 
Aleitamento Materno
Aleitamento Materno Aleitamento Materno
Aleitamento Materno
 
Boas Práticas ao Nascimento: Recomendações para o Clampeamento do Cordão Umbi...
Boas Práticas ao Nascimento: Recomendações para o Clampeamento do Cordão Umbi...Boas Práticas ao Nascimento: Recomendações para o Clampeamento do Cordão Umbi...
Boas Práticas ao Nascimento: Recomendações para o Clampeamento do Cordão Umbi...
 
Apostila puerperio
Apostila puerperioApostila puerperio
Apostila puerperio
 
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à SaúdeA atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
A atenção primária nas Redes de Atenção à Saúde
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto RiscoPré Natal E GestaçãO De Alto Risco
Pré Natal E GestaçãO De Alto Risco
 
Puericultura- Roteiro Prático
Puericultura-  Roteiro PráticoPuericultura-  Roteiro Prático
Puericultura- Roteiro Prático
 
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de SaúdeCurvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
Curvas de Crescimento: orientações para Profissionais de Saúde
 
Apostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da CriançaApostila Saúde da Criança
Apostila Saúde da Criança
 
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimento
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimentoSaúde da criança, crescimento e desenvolvimento
Saúde da criança, crescimento e desenvolvimento
 
Saúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptxSaúde da criança e do adolescente.pptx
Saúde da criança e do adolescente.pptx
 
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.02 aula   Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
02 aula Assistência de enfermagem ao recém-nascido normal.
 
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
Exames Preventivos na Mulher: indo além do Rastreio dos Cânceres de Colo e de...
 
Icterícia Neonatal
Icterícia NeonatalIcterícia Neonatal
Icterícia Neonatal
 
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
Atenção Humanizada e Qualificada à Gestação, ao Parto, ao Nascimento e ao Rec...
 

Destaque

Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica DiscenteInternato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discenteblogped1
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciablogped1
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tannerblogped1
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitualblogped1
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vidablogped1
 
“SÍNDROME METABÓLICO COMO FACTOR PRONÓSTICO DE MORTALIDAD POR ENFERMEDAD CERE...
“SÍNDROME METABÓLICO COMO FACTOR PRONÓSTICO DE MORTALIDAD POR ENFERMEDAD CERE...“SÍNDROME METABÓLICO COMO FACTOR PRONÓSTICO DE MORTALIDAD POR ENFERMEDAD CERE...
“SÍNDROME METABÓLICO COMO FACTOR PRONÓSTICO DE MORTALIDAD POR ENFERMEDAD CERE...SOCIEDAD PERUANA DE NEUROLOGÍA
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN blogped1
 
Infecciones micoticas
Infecciones micoticasInfecciones micoticas
Infecciones micoticasJamil Ramón
 
Escabiasis y pediculosis
Escabiasis y pediculosisEscabiasis y pediculosis
Escabiasis y pediculosisYamilette Lopez
 
Modelo de consulta de Hiperdia
Modelo de consulta de HiperdiaModelo de consulta de Hiperdia
Modelo de consulta de HiperdiaIranildo Ribeiro
 
Prurigo por insectos
Prurigo por insectosPrurigo por insectos
Prurigo por insectosKarene Perez
 
Exposicion Medicina
Exposicion MedicinaExposicion Medicina
Exposicion Medicinaguest45e5108
 

Destaque (19)

Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica DiscenteInternato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
Internato em Pediatria I - 2015 - Sob a ótica Discente
 
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infânciaDiagnóstico diferencial de bócio na infância
Diagnóstico diferencial de bócio na infância
 
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de TannerEstadiamento Puberal : Critérios de Tanner
Estadiamento Puberal : Critérios de Tanner
 
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura ConceitualSíndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
Síndromes Neurocutâneas : Revisão e Leitura Conceitual
 
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de VidaABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
ABCDE do Desenvolvimento Neuropsicomotor (DNPM) no Primeiro Ano de Vida
 
“SÍNDROME METABÓLICO COMO FACTOR PRONÓSTICO DE MORTALIDAD POR ENFERMEDAD CERE...
“SÍNDROME METABÓLICO COMO FACTOR PRONÓSTICO DE MORTALIDAD POR ENFERMEDAD CERE...“SÍNDROME METABÓLICO COMO FACTOR PRONÓSTICO DE MORTALIDAD POR ENFERMEDAD CERE...
“SÍNDROME METABÓLICO COMO FACTOR PRONÓSTICO DE MORTALIDAD POR ENFERMEDAD CERE...
 
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
PÚRPURA DE HENOCH- SCHONLEIN
 
Infecciones micoticas
Infecciones micoticasInfecciones micoticas
Infecciones micoticas
 
Tiñas
TiñasTiñas
Tiñas
 
Escabiasis y pediculosis
Escabiasis y pediculosisEscabiasis y pediculosis
Escabiasis y pediculosis
 
Modelo de consulta de Hiperdia
Modelo de consulta de HiperdiaModelo de consulta de Hiperdia
Modelo de consulta de Hiperdia
 
Prurigo por insectos
Prurigo por insectosPrurigo por insectos
Prurigo por insectos
 
Exposicion Medicina
Exposicion MedicinaExposicion Medicina
Exposicion Medicina
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
Puericultura y Pediatria
Puericultura y PediatriaPuericultura y Pediatria
Puericultura y Pediatria
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 
EXPLORACIÓN FÍSICA
EXPLORACIÓN FÍSICAEXPLORACIÓN FÍSICA
EXPLORACIÓN FÍSICA
 
Dermatofitosis o tiñas
Dermatofitosis o tiñasDermatofitosis o tiñas
Dermatofitosis o tiñas
 
Examen fisico
Examen fisicoExamen fisico
Examen fisico
 

Semelhante a PED I: Relatório do Internato em Pediatria I

Internato em Pediatria I : "Prestando Contas" 4
Internato em Pediatria I : "Prestando Contas" 4Internato em Pediatria I : "Prestando Contas" 4
Internato em Pediatria I : "Prestando Contas" 4blogped1
 
cad-6-PPT 2 - acompanhamento do desenvolvimento.pptx
cad-6-PPT 2 - acompanhamento do desenvolvimento.pptxcad-6-PPT 2 - acompanhamento do desenvolvimento.pptx
cad-6-PPT 2 - acompanhamento do desenvolvimento.pptxpedrolobatus
 
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. IIIbibliotecasaude
 
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Mabi Almeida
 
Minist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguruMinist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcangurugisa_legal
 
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Aidpi modulo 1
Aidpi modulo 1Aidpi modulo 1
Aidpi modulo 1pryloock
 
Método Canguru: diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
Método Canguru:  diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018 Método Canguru:  diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
Método Canguru: diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018 Prof. Marcus Renato de Carvalho
 

Semelhante a PED I: Relatório do Internato em Pediatria I (20)

Especialização em Aleitamento Materno 2019/20
Especialização em Aleitamento Materno 2019/20Especialização em Aleitamento Materno 2019/20
Especialização em Aleitamento Materno 2019/20
 
Internato em Pediatria I : "Prestando Contas" 4
Internato em Pediatria I : "Prestando Contas" 4Internato em Pediatria I : "Prestando Contas" 4
Internato em Pediatria I : "Prestando Contas" 4
 
Aval. nutricional 2009
Aval. nutricional   2009Aval. nutricional   2009
Aval. nutricional 2009
 
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnicoANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
ANQUILOGLOSSIA e ALEITAMENTO - parecer técnico
 
cad-6-PPT 2 - acompanhamento do desenvolvimento.pptx
cad-6-PPT 2 - acompanhamento do desenvolvimento.pptxcad-6-PPT 2 - acompanhamento do desenvolvimento.pptx
cad-6-PPT 2 - acompanhamento do desenvolvimento.pptx
 
Protocolo de puericultura
Protocolo de puericulturaProtocolo de puericultura
Protocolo de puericultura
 
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
Aconselhamento em Amamentação: avaliação do curso da OMS/Unicef
 
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
0769-L - Normas de atenção à saúde integral do adolescente - Vol. III
 
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
Vamos fazer uma Pós-Graduação Multiprofissional em Aleitamento?
 
Manual técnico do pré natal e puerpério
Manual técnico do pré natal e puerpérioManual técnico do pré natal e puerpério
Manual técnico do pré natal e puerpério
 
Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Manual Técnico do Pré-Natal e PuerpérioManual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
Manual Técnico do Pré-Natal e Puerpério
 
Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1Trabalho de estagio 1
Trabalho de estagio 1
 
Minist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguruMinist rio da sa de - manualcanguru
Minist rio da sa de - manualcanguru
 
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
ALEITAMENTO IBCLE: nova lista de conteúdo para a prova de CERTIFICAÇÃO Intern...
 
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
Método CANGURU - Manual de seguimento compartilhado com a Atenção Básica de S...
 
Cristiane schmitz
Cristiane schmitzCristiane schmitz
Cristiane schmitz
 
A Consulta do Quarto Mês do Bebê: o que não pode faltar
A Consulta do Quarto Mês do Bebê: o que não pode faltarA Consulta do Quarto Mês do Bebê: o que não pode faltar
A Consulta do Quarto Mês do Bebê: o que não pode faltar
 
Aidpi modulo 1
Aidpi modulo 1Aidpi modulo 1
Aidpi modulo 1
 
Método Canguru: diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
Método Canguru:  diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018 Método Canguru:  diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
Método Canguru: diretrizes do cuidado / Ministério da Saúde 2018
 
Puericultura
PuericulturaPuericultura
Puericultura
 

Mais de blogped1

Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativablogped1
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...blogped1
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infânciablogped1
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesblogped1
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Agudablogped1
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Mediablogped1
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facialblogped1
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016blogped1
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomablogped1
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.blogped1
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal blogped1
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...blogped1
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal blogped1
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostoseblogped1
 
Management of Kawasaki disease
Management of  Kawasaki diseaseManagement of  Kawasaki disease
Management of Kawasaki diseaseblogped1
 
What’s Hot in Pediatric Dermatology – Summer Academy Meeting –American Academ...
What’s Hot in Pediatric Dermatology – Summer Academy Meeting –American Academ...What’s Hot in Pediatric Dermatology – Summer Academy Meeting –American Academ...
What’s Hot in Pediatric Dermatology – Summer Academy Meeting –American Academ...blogped1
 
Puberdade Precoce
Puberdade PrecocePuberdade Precoce
Puberdade Precoceblogped1
 
"Rx" do Internato em Pediatria I
"Rx" do Internato em Pediatria I"Rx" do Internato em Pediatria I
"Rx" do Internato em Pediatria Iblogped1
 
Cuidados com a pele da criança
Cuidados com a pele da criançaCuidados com a pele da criança
Cuidados com a pele da criançablogped1
 
Choro em crianças: orientações aos pais
Choro em crianças: orientações aos paisChoro em crianças: orientações aos pais
Choro em crianças: orientações aos paisblogped1
 

Mais de blogped1 (20)

Febre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota InformativaFebre amarela: Nota Informativa
Febre amarela: Nota Informativa
 
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
Dermatoses neonatais de importância clínica: notificação no prontuário do rec...
 
Psoríase na infância
Psoríase na infânciaPsoríase na infância
Psoríase na infância
 
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilitiesRevised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
Revised WHO classification and treatment of childhoold pneumonia at facilities
 
Sinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana AgudaSinusite Bacteriana Aguda
Sinusite Bacteriana Aguda
 
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites MediaOtite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
Otite Média Aguda (OMA) / Acutes Otites Media
 
Paralisia Facial
Paralisia FacialParalisia Facial
Paralisia Facial
 
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
Nota informativa 149 - Mudanças no Calendário Nacional de Vacinação - 2016
 
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranulomaGiant congenital juvenile xanthogranuloma
Giant congenital juvenile xanthogranuloma
 
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
Tonsillitis in children: unnecessary laboratpry studies and antibiotic use.
 
Hipoglicemia Neonatal
Hipoglicemia  Neonatal Hipoglicemia  Neonatal
Hipoglicemia Neonatal
 
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
Malformações extra-cardíacas em pacientes com cardiopatias congênitas atendid...
 
Icterícia neonatal
 Icterícia neonatal  Icterícia neonatal
Icterícia neonatal
 
Picnodisostose
PicnodisostosePicnodisostose
Picnodisostose
 
Management of Kawasaki disease
Management of  Kawasaki diseaseManagement of  Kawasaki disease
Management of Kawasaki disease
 
What’s Hot in Pediatric Dermatology – Summer Academy Meeting –American Academ...
What’s Hot in Pediatric Dermatology – Summer Academy Meeting –American Academ...What’s Hot in Pediatric Dermatology – Summer Academy Meeting –American Academ...
What’s Hot in Pediatric Dermatology – Summer Academy Meeting –American Academ...
 
Puberdade Precoce
Puberdade PrecocePuberdade Precoce
Puberdade Precoce
 
"Rx" do Internato em Pediatria I
"Rx" do Internato em Pediatria I"Rx" do Internato em Pediatria I
"Rx" do Internato em Pediatria I
 
Cuidados com a pele da criança
Cuidados com a pele da criançaCuidados com a pele da criança
Cuidados com a pele da criança
 
Choro em crianças: orientações aos pais
Choro em crianças: orientações aos paisChoro em crianças: orientações aos pais
Choro em crianças: orientações aos pais
 

Último

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfGustavoWallaceAlvesd
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOMayaraDayube
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdClivyFache
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoWilliamdaCostaMoreir
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgeryCarlos D A Bersot
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCProf. Marcus Renato de Carvalho
 

Último (6)

Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdfSistema endocrino anatomia humana slide.pdf
Sistema endocrino anatomia humana slide.pdf
 
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃOeMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
eMulti_Estratégia APRRESENTAÇÃO PARA DIVULGAÇÃO
 
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjdMedicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
Medicina Legal.pdf jajahhjsjdjskdhdkdjdjdjd
 
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesicoAssistencia de enfermagem no pos anestesico
Assistencia de enfermagem no pos anestesico
 
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery  after surgery in neurosurgeryEnhanced recovery  after surgery in neurosurgery
Enhanced recovery after surgery in neurosurgery
 
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCCAmamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
Amamentação: motricidade oral e repercussões sistêmicas - TCC
 

PED I: Relatório do Internato em Pediatria I

  • 1. Internato em Pediatria I PED I Universidade Federal do Rio Grande do Norte Centro de Ciências da Saúde Departamento de Pediatria Relatório 2016Relatório 2016 Apresentação: Profº Leonardo Moura Ferreira de Souza
  • 3. RELATÓRIO – 2016 Internato em Pediatria I RELATÓRIO – 2016 1-Competências 2-Atividades Pedagógicas 3-Métodos de Avaliação 4-Resultados 5-Discussão e Proposições
  • 4. Internato em Pediatria I Relatório 2016 1-COMPETÊNCIAS (Objetivos Aprendizagem)
  • 5. Internato em Pediatria I Relatório 2016 1-COMPETÊNCIAS (Objetivos Aprendizagem) Crescimento e desenvolvimento CD Cuidados neonatais; Iniciação em urgência e emergênciaIniciação em urgência e emergência Doenças prevalentes na infância Atuar numa abordagem generalista e humanista. Acolher e comunicar-se com a criança e o acompanhante durante o atendimento. Sistematizar a história clínica (anamnese e exame físico da criança). Registrar adequadamente as anotações no prontuário da criança. Articular as ações de promoção, prevenção, diagnóstico e tratamento de agravos à saúde da criança (integralidade do cuidado). Atuar em alojamento conjunto e sala de parto, com enfoque inicial em neonatologia Atuar nas áreas de atenção primária, com enfoque na pediatria Atuar em serviço de urgência e emergência em pediatria Estabelecer um bom relacionamento com colegas, professores e equipe multiprofissional.
  • 6. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2- ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 2.1-Metodologias 2.2- Cenários
  • 7. 2.1-Metodologias Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1- METODOLOGIAS 2.1.1 – Aulas Teóricas2.1.1 – Aulas Teóricas 2.1.2 Aulas Práticas 2.1.3 Aulas Teórico Práticas 2.1.4 – Sessões Clinicas 2.1.5- CLUBE DE ARTIGO 2.1.6- Momento “TEP 2.1.7-Ginkana de Dermatologia Pediátrica 2.1.8 “CADEIRÃO DO PED I 2.1.9 Discussão de Casos Clínicos 2.10 Revisão de Conteúdo- Simulação de Casos Clínicos 2.11- Anatomo Clínica
  • 8. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1-Metodologias Expositivas Casos Clínicos Abordagem “Situação Problema” Resolução Questões Pré e Pós Teste 2.1.1- Aulas Teóricas
  • 10. Situação Problema 1: Febre e Dor de garganta Aulas Teóricas Abordagem “Situação Problema -IVAS Situação Problema 2: Criança coriza e/ou toseSituação Problema 2: Criança coriza e/ou tose sem dificuldade para respirar e/ou alteração FR Situação Problema 3: Criança com otalgia Situação Problema 4: Criança com tosse ladrante e ou estridor (audível sem estetoscópio
  • 11. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1-Metodologias 2.1.2- Aulas Práticas
  • 12. Internato em Pediatria I 2.1-Metodologias Relatório 2016 2.1.3- Aulas Teórico Práticas - Reanimação Neonatal -Suporte Avançado em Pediatria
  • 13. Internato em Pediatria I 2.1-Metodologias Relatório 2016 2.1.3- Aulas Teórico Práticas Urgência xEmergência (Prof Iluska)
  • 14. Internato em Pediatria I 2.1.4- Sessões Clinicas Relatório 2016 2.1-Metodologias 2.1.4- Sessões Clinicas Sessões Clínicas 2.1.1 – “Flashs” em Pediatria 2.1.2 – Casos Ambulatoriais Interessantes (C.A.I) 2.1.3- “Eu Estive Lá” 2.1.4 – Diagnóstico Visual em Pediatria (DVP)
  • 15. 2.1.3.1- “Flashs” em Pediatria 2.1.4 – Sessões Clinicas
  • 16. 2.1.3.2 - Casos Ambulatoriais Interessantes 2.1.4- Sessões Clinicas
  • 17. 2.1.3.3 “Eu Estive Lá” 2.1.4-Sessões Clinicas
  • 18. 2.1.3.4 -“Diagnóstico Visual em Pediatria - DVP 2.1.4 -Sessões Clinicas
  • 19. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1-Metodologias 2.1.5 – CLUBE DE ARTIGO
  • 20. 2.1.5 – CLUBE DE ARTIGO
  • 21. 2.1.5 – CLUBE DE ARTIGO
  • 22. 2.1.5 – CLUBE DE ARTIGO Doutorandos: Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Pediatria Internato em Pediatria I APRESENTAÇÃO: Doutorandos: Alesson Marinho Juliane Gregório Renata Aguiar COORDENAÇÃO: PROF: PROF. .LEONARDO M.F. SOUZA
  • 23. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1-Metodologias 2.1.6 – Momento TEP (Resoluções de questões)
  • 24.
  • 25. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1-Metodologias 2.1.7- Ginkana de Dermatologia Pediátrica
  • 26. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1-Metodologias 2.1.8 - Cadeirão do PED I (Argüição oral)
  • 27. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1-Metodologias 2.1-9- Discussão de Casos (Ambulatórios, Unidade B )
  • 28. Internato em Pediatria I 2.1-Metodologias Relatório 2016 2.1-9- Discussão de Casos (Ambulatórios,) Metodologia dos 7 Anões (Baixa Estatura)
  • 29. Internato em Pediatria I 2.1-Metodologias Relatório 2016 2.1-10- Revisão de Conteúdo - Simulação de Casos Clínicos (Ambulatórios,)
  • 30. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.1-Metodologias 2.1.11- Anatomo- Clínica
  • 31. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2- ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 2.2 – Cenários2.2 – Cenários Cenários de Prática 2.2.1 – Sala de Parto (MEJC) 2.2.2 Alojamento Conjunto (Unidade B) 2.2.3- Ambulatório HOSPED 2.2.4 – Ambulatório USFC 2.2.5- Laboratório de Habilidades 2.2.6- Centro de Saúde Anita Garibaldi 2.2.7-Pronto Socorro Infantil Sandra Celeste
  • 32. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.2 – Cenários 2.2.1- Sala de Parto (MEJC)
  • 33. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.2 – Cenários 2.2.2-Unidade B-Alojamento Conjunto(MEJC)
  • 34. Internato em Pediatria I 2.2.3- Ambulatório 2.2 – Cenários Relatório 2016 2.2.3- Ambulatório HOSPED -Pediatria Geral - Puericultura - Neonatologia/ 5º Dia Útil -Cirurgia Pediátrica - Síndrome de Down - Infecções Congênitas - Microcefalia
  • 35. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.2 – Cenários 2.2.4- Ambulatório USFC -Pediatria Geral, -Puericultura
  • 36. Internato em Pediatria I Relatório 2015 2.2 – Cenários 2.2.5 - Laboratório de Habilidades
  • 37. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.2 – Cenários 2.2.6- Centro de Saúde Anita Garilbadi
  • 38. Internato em Pediatria I Relatório 2016 2.2 – Cenários 2.2.7- Pronto Socorro Infantil Sandra Celeste
  • 39. Internato em Pediatria I Relatório 2016 3- MÉTODOS DE AVALIAÇÃO
  • 40. Internato em Pediatria I Relatório 2016 3. – Métodos de Avaliação 3.1-Avaliação Cognitiva
  • 41. Internato em Pediatria I Relatório 2016 3 – Métodos de Avaliação 3.2-Avaliação Prática MINICIEX
  • 42. Internato em Pediatria I Relatório 2016 3 – Métodos de Avaliação 3.3- Avaliação Atitudinal
  • 43. Internato em Pediatria I Relatório 2016 3 – Métodos de Avaliação 3.4- Projeto de Intervenção
  • 45. Internato em Pediatria I Relatório 2016 3 – Métodos de Avaliação 3.5-Ginkana de Dermatologia Pediátrica3.5-Ginkana de Dermatologia Pediátrica
  • 46. Internato em Pediatria I 3 – Métodos de Avaliação Relatório 2016 3.6- Anatomo Clinica
  • 47. Internato em Pediatria I Relatório 2016 4- RESULTADOS
  • 48. Internato em Pediatria I 4- RESULTADOS Relatório 2016 4.1- COMPETÊNCIAS 4- RESULTADOS
  • 49. 1. O Internato em Pediatria I contribuiu na aquisição de competências para: 5 10 15 20 25 30 35 0 Ótimo Ruim
  • 50. “””’””Dos tópicos avaliados acima, o que deixou mais a desejar foi o rodízio de urgência e emergência . Pelo fato de que neste cenário ficamos subordinados a preceptores que não adotam condutas baseado em evidencia e que não incitam a discussão de casos”
  • 51. Internato em Pediatria I 4- RESULTADOS Relatório 2016 4.2- METODOLOGIAS 4- RESULTADOS
  • 52. 2. Como você avalia as diferentes metodologias de ensino- aprendizagem aplicadas pela disciplina? 5 10 15 20 25 30 35 0 5 Ótimo Ruim
  • 53. “”A aula de“”A aula de Diagnóstico Visual em Pediatria foi uma das melhores. Ótima ideia,professores..Não deixem de fazê-la nas próximas turmas”” “Acho a anatomo- clínica uma atividade muito especifica que pouco contribui para a formação do generalista”
  • 54. Internato em Pediatria I 4- RESULTADOS Relatório 2016 4.3- CENÁRIOS 4- RESULTADOS
  • 55. 3- Como você avalia os diferentes cenários de práticas oferecidos para o desenvolvimento do seu processo de aprendizagem, considerando estrutura, organização e qualidade dos recursos disponíveis? 20 25 30 35 0 5 10 15 Unidade de Saúde Familiar e Comunitária - USFC Ambulatório de Pediatria geral/Puericultura - HOSPED Ambulatório de Cirurgia Pediátrica - HOSPED Centro de Saúde Anita Garilbaldi- CSAG Sala de Parto da MEJC Alojamento conjunto /Unidade B Pronto Socorro Infantil Sandra Celeste Ótimo Ruim
  • 56. “””’”””””Acredito que ainda há uma deficiência “””ainda há uma deficiência no PED I no que tange à urgência e emergência devido a falta de estrutura, recursos e procedimentos oferecidos pelo PS Municipal” “”” Ambulatório –HOSPED: Insuficiência de salas; 2 até 3 atendimentos simultâneos;Sala de Parto MEJC: não temos um lugar certo para guardar material de forma segura””’”””””
  • 57. Internato em Pediatria I 4- RESULTADOS Relatório 2016 4.3- MÉTODOS DE AVALIAÇÃO 4- RESULTADOS
  • 58. 4- Como você avalia os diferentes métodos utilizados pela disciplina na avaliação discente? 20 25 30 35 0 5 10 15 Prova Teórica (avaliação cognitiva) Avaliação Atitudinal Avaliação de Habilidades Gincana Dermatológica Anátomo Clínica Projetos de Intervenção Ótimo Bom
  • 59. “””’””””””Os Projetos de ”O Miniciex é de suma importância e deve ser mantido” “””’””””””Os Projetos de Intervenção são muito bons e ajudam as turmas subseqüentes”
  • 61. RESULTADOS “O PED I cumpre o compromisso em nos tornar médicos generalistas aptos na atenção e cuidado infantil”. “O Internato foi muito bom; bem integrado e organizado, despertando o interesse e admiração de muitos pela pediatria” “ O PED I é um Internato bem estruturado e pensado. Referência!!!
  • 63. PONTOS POSITIVOS •Visão completa da puericultura e das doenças mais prevalentes da pediatria geral – Consolidação de conhecimentos •Excelente preparo para atuação na pediatria como médico generalista •Preceptoria ( empenho, dedicação, compromisso)•Preceptoria ( empenho, dedicação, compromisso) •Organização/ Coordenação •Enfoque humanista •Acolhimento dos Professores com alunos (ambulatórios) •Respeito ao aluno- dialogo •Comprometimento com o aprendizado •Metodologias de ensino (bem elaboradas e modernas) •Diagnóstico visual •Práticas- Diversidade de cenários •Plantões na sala de parto •Aulas teórico práticas e o L.H •Cronograma bem elaborado
  • 64. PONTOS NEGATIVOS •Rodízio de urgência x emergência- Condutas,discussões, preceptoria(poucos professores; resistência em receber alunos)receber alunos) •Evolução no alojamento conjunto – finais de semana – 6,7.8 crianças- fere as normas do Internato (previsão de 5) •Acomodação dos doutorandos sala de parto (pertences) •Não atuação em UBS •Atendimento simultâneo nos ambulatórios HOSPED
  • 65. SUGESTÕES PARA MELHORIA •Mais aula no LAB – SIMULAÇÃO CASOS URGÊNCIA (Prof Iluska) •Inserção de Professor- Preceptor – P.S Infantil- Melhora Plantão no PS•Inserção de Professor- Preceptor – P.S Infantil- Melhora Plantão no PS •Mais discussão de casos- A. Conjunto (Finais semana) •Padronização de condutas (A. Conjunto) •Dividir os leitos com os Residentes no FS •Disponibilizar melhor acomodação na sala parto (pertences) •Atividade na atenção primária – Inserir a MFC •Pós testes,após aulas •Incrementar programação teórica- Aulas – Casos clínicos- Diarréia, ITU
  • 66. Internato em Pediatria I 5- DISCUSSÃO E PROPOSIÇÕES Relatório 2016 5- DISCUSSÃO E PROPOSIÇÕES INOVAÇÕES PARA 2017
  • 67. • Melhorar o Rodízio de Urgência : Inserção professor preceptor? • Maior inserção na atenção primária- MFC •Final de semana Alojamento Conjunto: estipular n de pacientes x dividir com residentes ? Todo grupo evoluir? •Padronização condutas (Alojamento conjunto) PROPOSIÇÕES E INOVAÇÕES PARA 2017 •Padronização condutas (Alojamento conjunto) •Melhor acomodação na sala de parto •Participação no Congresso Brasileiro de Pediatria /CIENTEC •Pós testes após aulas (fixação conteúdo) •Incremento na Programação teórica (perdas) Aulas no LH – Simulação Urgência x Emergência Aulas Casos clínicos (Novos temas- Diarreia, ITU, outros •Aprimorar Discussões cientificas (Setores) •Diminuir nº atendimentos simultâneos
  • 69. “Eis a nuance: a porta de um médico nunca deve estar fechada. A porta de um pediatra deve sempre estar aberta. As crianças não batem, pedindo para entrar. Elas batem e esmurram, pedindo para sair. Obrigado PED 1 por abrir essa porta para mim.” Ddo Igor Guedes