SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
Baixar para ler offline
Avaliação e Monitoramento de
Serviços de Saúde
Prof. Ms. Araré de Carvalho Júnior
1. Conceitos
2.Histórico
3.Avaliação em Saúde
4.Monitoramento e Avaliação
5.Perspectivas da Avaliação
1. Conceitos
• Avaliar é fixar um valor de uma coisa, mediante o qual se
compara aquilo que deve ser avaliado com um
determinado critério ou padrão (E. Cohem & R. Franco,
1988).
• Avaliação é um processo de reflexão e valoração crítica,
contínua e sistemática, que se refere a momentos e
fatores que intervêm no desenvolvimento de um
programa, com fim de determinar quais podem ser, estão
sendo ou tem sido seus efeitos, resultado s ou conquistas
(Caride Gómez, 1989).
2. Histórico
 1855: Guerra da Criméia, Florence
Nightingale, Medir e avaliar fenômenos:
Florence Nightingale (12 de Maio 1820 - 13 de
Agosto 1910) foi uma enfermeira britânica que
ficou famosa por ser pioneira no tratamento a
feridos de guerra, durante a Guerra da
Crimeia. Também contribuiu no campo da
Estatística, nomeadamente na criação de
sistemas de representação gráfica.
• 1910: Relatório Flexner, Avaliação da
educação médica, Denuncia as precárias
condições da prática profissional. O Relatório
Flexner que pretendeu a reformulação do
ensino médico no século 20 na Faculdade de
Medicina de Johns Hopkins, e publicado em
1910, conjuntamente com a Fundação Carneger
dos Estados Unidos (Mendes, 1985).
• O Relatório Flexner apresenta as seguintes
sugestões:
1) definição de padrões de entrada e ampliação,
para quatro anos, da duração dos cursos; 2)
introdução ao ensino laboratorial; 3) estímulo à
docência em tempo integral; 4) expansão do
ensino clínico, especialmente hospital;
5) vinculação das escolas médicas às universidades;
6) ênfase na pesquisa biológica como forma de
superar a era empírica do ensino médico; 7)
estímulo à especialização médica; 8) vinculação
da pesquisa ao ensino; e 9) controle do exercício
profissional pela profissão organizada.
 1916: "A Study in Hospital Efficiency: the first
five years“ – Ernest Codman, proposta de
metodologia de avaliação rotineira do estado
de saúde dos pacientes, para estabelecer os
resultados finais das intervenções médicas
intra-hospitalares
• 1918: American College of Surgeons – ACS,
avaliação da qualidade da Prática Cirúrgica e
dos Hospitais Americanos com mais de 100
leitos, 600 hospitais avaliados apenas 82,
cumpriam os padrões mínimos – Hotel Waldorf
Astoria, NY.
 1928: Hospital Standartization Program - embrião da
Joint Comission of Accreditation of Hospitals (JCAH)
criada em 1951.
 National Health Service (NHS) – Inglaterra -
preocupações com estudos da eficácia e eficiência dos
procedimentos diagnósticos e terapêuticos;
 Década de 60 EUA: Programas Sociais Federais de
Atenção à Saúde (Medicare e Medicaid).
• 1966: Avedis Donabedian - a avaliação da
qualidade da atenção médica por meio de um
modelo que sistematiza os atributos que
traduzem a qualidade nos serviços (eficácia,
efetividade, eficiência, otimização,
aceitabilidade, legitimidade e eqüidade).
 1988/1990: Avedis Donabedian, sistematização da
avaliação qualitativa de atenção médica em três
aspectos: estrutura, processo e resultado .
 Os serviços de saúde passaram a ser pensados
também como produtos e, portanto, passíveis de
uma padronização na qualidade.
No Brasil
 1952: Primeira Classificação Hospitalar por padrões Lei
1.982/52 – Estado de São Paulo
 Década 60: os IAPC, IAPI estabelecem classificações
 1968: INPS cria a Tabela de Classificação de Hospitais
 1974: RECLAR – Relatório de Classificação Hospitalar
Portaria nº. 8/74 e Manuais em 1982
Avaliação em Saúde
 Área ainda em construção conceitual e metodológica,
podem ser encontradas na literatura de forma muito
diversificada.
 Principais variáveis que orientam as decisões conceituais
e metodológicas: (1) objetivo da avaliação, (2) posição
do avaliador, (3) enfoque priorizado, (4) metodologia
predominante, (5) forma de utilização da informação
produzida, (6) contexto da avaliação, (7) temporalidade
da avaliação e (8) tipo de juízo formulado
 Tipos de avaliação: investigação avaliativa, avaliação
para decisão e avaliação para gestão
Avaliação em Saúde: Brasil
 As condições econômicas e sociais, as
práticas políticas, a organização
profissional, as culturas organizacionais
são muito diferentes : incorporação muito
distinta dos diversos tipos de avaliação;
 Processo de avaliação ainda muito
incipiente e marginal nos processos de
decisão;
 No setor público há maior interesse pela
avaliação de programas, avaliação de
qualidade e tecnológica é incipiente;
 No setor privado, maior interesse pelas
propostas de gestão e garantia da qualidade
e sistemas de acreditação e monitoramento
de hospitais em atividade.
• o Ministério da Saúde, o Conselho Nacional de
Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho
Nacional de Secretários Municipais de Saúde
(Conasems) firmaram, em 2006, o Pacto pela Saúde
(PT GM n°. 399, de 22 de fevereiro de 2006), em
três dimensões – Pacto pela Vida, Pacto em Defesa
do SUS e Pacto de Gestão, a partir do que se espera a
reforma de aspectos institucionais vigentes, com
inovações dos processos de gestão, visando a maior
efetividade, eficiência, qualidade e melhores
resultadoS.
• O Pacto pela Vida representa o compromisso das três
esferas de gestão do SUS em torno de prioridades que
promovam impacto sobre a situação de saúde da
população brasileira. Dentre as prioridades estabelecidas
está o fortalecimento da Atenção Básica à saúde (BRASIL,
2006b).
• Conforme define a Política Nacional de Atenção Básica-
PNAB, aprovada por meio da Portaria GM n°. 648, de 28
de março de 2006, a Atenção Básica caracteriza-se por um
conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e
coletivo, abrangendo a promoção e a proteção da saúde, a
prevenção de agravos, o diagnóstico e o tratamento dos
problemas de saúde de maior frequência e relevância da
população, a reabilitação e a manutenção da saúde
(BRASIL, 2007).
• A avaliação e o acompanhamento sistemático
dos resultados alcançados, como parte do
processo de planejamento e programação
constituem-se em fundamentos da atenção
básica. Nesse sentido, a PNAB estabelece como
responsabilidade das três esferas de gestão, em
seus âmbitos de atuação, monitorar e avaliar a
atenção básica, elaborando metodologias e
instrumentos para tal, qualificando profissionais
e definindo estratégias para a institucionalização
da avaliação.
Dimensões Avaliativas
 Desempenho técnico - aplicação do conhecimento e
da tecnologia médica de modo a maximizar os benefícios
e minimizar os riscos, de acordo com as preferências de
cada paciente.
 Relacionamento pessoal com o paciente, de modo
a satisfazer os preceitos éticos, as normas sociais e as
legítimas expectativas e necessidades dos pacientes.
Avaliação da Estrutura
 Características dos recursos que se empregam na atenção à
saúde.
 Componentes:
▫ organização administrativa da atenção médica;
▫ descrição das características das instalações;
▫ fundamentalmente em relação à sua adequação com as
normas vigentes;
▫ perfil dos profissionais empregados, seu tipo, preparação
e experiência.
Avaliação do Processo
 Descreve as atividades do serviço de atenção à saúde;
 Análise da competência médica no tratamento dos
problemas de saúde, isto é, o que é feito para o
paciente com respeito à sua doença ou complicação
particular;
 Os critérios são estabelecidos pelo estudo da eficácia de
práticas médicas rotineiras;
 A metodologia dos estudos de processo pode ser
dividida de duas maneiras:
observação direta da prática,
estudos baseados nos registros médicos.
Avaliação do Resultado
 Descreve o estado de saúde do indivíduo ou da população
como resultado da interação ou não com os serviços de
saúde;
 Sua medida e avaliação constituem o que existe de mais
próximo em termos de avaliação do cuidado total;
 Metodologias que utilizam medidas de resultado:
▫ medidas de capacidade física e estado funcional,
▫ inventários de saúde mental,
▫ medida do impacto das doenças sobre o comportamento
dos indivíduos,
▫ medida de percepção pessoal da saúde geral.
Monitoramento e Avaliação
• Objetivo Geral: Instrumentalizar o SUS e os serviços de saúde para a
tomada de decisão, melhoria da qualidade da atenção à saúde e
redução de riscos e eventos adversos associados a assistência à saúde.
• Objetivos Específicos:
• Desenvolver instrumentos que permitissem o
monitoramento e a avaliação;
• Harmonizar os critérios de avaliação de serviços de saúde;
• Estimular o desenvolvimento de uma cultura de avaliação
de serviços de saúde;
• Estimular a utilização de indicadores para avaliação de
serviços.
Perspectiva da Avaliação
 Fortalecimento dos Sistemas de Informação para tomada de decisão;
 Ampliação dos Processos de Avaliação;
 Estímulo à Melhoria Contínua da Qualidade dos serviços de saúde por
meio da disseminação de conhecimento e experiências exitosas e Política
de Qualidade em Serviços de Saúde

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteProqualis
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisMario Gandra
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Proqualis
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaRuth Milhomem
 
Planejamento em saúde
Planejamento em saúdePlanejamento em saúde
Planejamento em saúdeLaíz Coutinho
 
Análise de causa raiz na área de saúde
Análise de causa raiz na área de saúdeAnálise de causa raiz na área de saúde
Análise de causa raiz na área de saúdeProqualis
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemPaulo Aragão
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Aline Bandeira
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherAlanna Alexandre
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa07082001
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptxSocorro Carneiro
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 

Mais procurados (20)

SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEMSAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
SAÚDE DA MULHER: ENFERMAGEM
 
Aula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do pacienteAula introducao à segurança do paciente
Aula introducao à segurança do paciente
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 
Vigilância Sanitária
Vigilância SanitáriaVigilância Sanitária
Vigilância Sanitária
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
 
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDEEDUCAÇÃO EM SAÚDE
EDUCAÇÃO EM SAÚDE
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Estratégia saúde da família
Estratégia saúde da famíliaEstratégia saúde da família
Estratégia saúde da família
 
Aula 1 historia da enfermagem enf3
Aula 1  historia da enfermagem enf3Aula 1  historia da enfermagem enf3
Aula 1 historia da enfermagem enf3
 
Aula 1 o ..
Aula 1 o ..Aula 1 o ..
Aula 1 o ..
 
Planejamento em saúde
Planejamento em saúdePlanejamento em saúde
Planejamento em saúde
 
Análise de causa raiz na área de saúde
Análise de causa raiz na área de saúdeAnálise de causa raiz na área de saúde
Análise de causa raiz na área de saúde
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
 
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
Períodos Perioperatórios: Pré Operatório AULA 4
 
Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
Politica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulherPolitica de saude nacional da mulher
Politica de saude nacional da mulher
 
Apresentacao anvisa
Apresentacao anvisaApresentacao anvisa
Apresentacao anvisa
 
Enfermagem e sociedade - UFBA
Enfermagem e sociedade -  UFBAEnfermagem e sociedade -  UFBA
Enfermagem e sociedade - UFBA
 
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
1a Aula- A enfermagem como profissão,_Cnceitos SAE e PE.pptx
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 

Semelhante a Avaliação e monitoramento de serviços de saúde

Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeDefinir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeFernando Barroso
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaRicardo Alexandre
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxJessiellyGuimares
 
Avaliação de saúde
Avaliação de saúdeAvaliação de saúde
Avaliação de saúdeJackenfa
 
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"CONITEC
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemCentro Universitário Ages
 
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.pptapresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.pptjoselematoscastro
 
Case os reflexos da gestão pela qualidade total
Case   os reflexos da gestão pela qualidade totalCase   os reflexos da gestão pela qualidade total
Case os reflexos da gestão pela qualidade totalAna Paula da Silva
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaJlioAlmeida21
 
Desenvolvimento profissional contínuoem cuidados de saúde primários e integra...
Desenvolvimento profissional contínuoem cuidados de saúde primários e integra...Desenvolvimento profissional contínuoem cuidados de saúde primários e integra...
Desenvolvimento profissional contínuoem cuidados de saúde primários e integra...João Pedro Batista Tomaz
 
Avaliar o impacto
Avaliar o impactoAvaliar o impacto
Avaliar o impactoProqualis
 
Gestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfGestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfantoniomatica
 

Semelhante a Avaliação e monitoramento de serviços de saúde (20)

Qsgc
QsgcQsgc
Qsgc
 
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidadeDefinir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
Definir e classificar indicadores clí­nicos para a melhoria da qualidade
 
AULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.pptAULA_Qualidade.ppt
AULA_Qualidade.ppt
 
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínicaEpidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
Epidemiologia clínica e gerenciamento da clínica
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
 
Aula qualidade
Aula qualidadeAula qualidade
Aula qualidade
 
Avaliação de saúde
Avaliação de saúdeAvaliação de saúde
Avaliação de saúde
 
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"V videoconferência "CONITEC em Evidência"
V videoconferência "CONITEC em Evidência"
 
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de EnfermagemA Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
A Qualidade e a Avaliação dos Serviços de Saúde e de Enfermagem
 
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.pptapresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
apresentacao-analise-se-situacao-saude-go.ppt
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Sae
SaeSae
Sae
 
05 outubro iesf
05 outubro iesf05 outubro iesf
05 outubro iesf
 
Case os reflexos da gestão pela qualidade total
Case   os reflexos da gestão pela qualidade totalCase   os reflexos da gestão pela qualidade total
Case os reflexos da gestão pela qualidade total
 
PMAQ e CIF
PMAQ e CIFPMAQ e CIF
PMAQ e CIF
 
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestivaNormas de qualidade em endoscopia digestiva
Normas de qualidade em endoscopia digestiva
 
Desenvolvimento profissional contínuoem cuidados de saúde primários e integra...
Desenvolvimento profissional contínuoem cuidados de saúde primários e integra...Desenvolvimento profissional contínuoem cuidados de saúde primários e integra...
Desenvolvimento profissional contínuoem cuidados de saúde primários e integra...
 
Avaliar o impacto
Avaliar o impactoAvaliar o impacto
Avaliar o impacto
 
Aula erno
Aula ernoAula erno
Aula erno
 
Gestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdfGestao Organizacional Marta.pdf
Gestao Organizacional Marta.pdf
 

Mais de Arare Carvalho Júnior

Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Arare Carvalho Júnior
 
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Arare Carvalho Júnior
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilArare Carvalho Júnior
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialArare Carvalho Júnior
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasArare Carvalho Júnior
 
Construção de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaConstrução de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaArare Carvalho Júnior
 

Mais de Arare Carvalho Júnior (20)

Luta de classes no brasil
Luta de classes no brasilLuta de classes no brasil
Luta de classes no brasil
 
Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?
 
Masculinidades
MasculinidadesMasculinidades
Masculinidades
 
Ética e Cidadania
Ética e Cidadania Ética e Cidadania
Ética e Cidadania
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Burocracia em Max Weber
Burocracia em Max WeberBurocracia em Max Weber
Burocracia em Max Weber
 
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
 
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticas
 
Sociologia do poder
Sociologia do poder Sociologia do poder
Sociologia do poder
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
 
O Problema de Pesquisa
O Problema de PesquisaO Problema de Pesquisa
O Problema de Pesquisa
 
Metodologia de Pesquisa
Metodologia de PesquisaMetodologia de Pesquisa
Metodologia de Pesquisa
 
Construção de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaConstrução de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de Pesquisa
 
Ciência e experiência
Ciência e experiênciaCiência e experiência
Ciência e experiência
 
A metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociaisA metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociais
 
Como se faz uma tese
Como se faz uma teseComo se faz uma tese
Como se faz uma tese
 

Último

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfRafaela Vieira
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 

Último (20)

Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 

Avaliação e monitoramento de serviços de saúde

  • 1. Avaliação e Monitoramento de Serviços de Saúde Prof. Ms. Araré de Carvalho Júnior
  • 2. 1. Conceitos 2.Histórico 3.Avaliação em Saúde 4.Monitoramento e Avaliação 5.Perspectivas da Avaliação
  • 3. 1. Conceitos • Avaliar é fixar um valor de uma coisa, mediante o qual se compara aquilo que deve ser avaliado com um determinado critério ou padrão (E. Cohem & R. Franco, 1988). • Avaliação é um processo de reflexão e valoração crítica, contínua e sistemática, que se refere a momentos e fatores que intervêm no desenvolvimento de um programa, com fim de determinar quais podem ser, estão sendo ou tem sido seus efeitos, resultado s ou conquistas (Caride Gómez, 1989).
  • 4. 2. Histórico  1855: Guerra da Criméia, Florence Nightingale, Medir e avaliar fenômenos: Florence Nightingale (12 de Maio 1820 - 13 de Agosto 1910) foi uma enfermeira britânica que ficou famosa por ser pioneira no tratamento a feridos de guerra, durante a Guerra da Crimeia. Também contribuiu no campo da Estatística, nomeadamente na criação de sistemas de representação gráfica.
  • 5. • 1910: Relatório Flexner, Avaliação da educação médica, Denuncia as precárias condições da prática profissional. O Relatório Flexner que pretendeu a reformulação do ensino médico no século 20 na Faculdade de Medicina de Johns Hopkins, e publicado em 1910, conjuntamente com a Fundação Carneger dos Estados Unidos (Mendes, 1985).
  • 6. • O Relatório Flexner apresenta as seguintes sugestões: 1) definição de padrões de entrada e ampliação, para quatro anos, da duração dos cursos; 2) introdução ao ensino laboratorial; 3) estímulo à docência em tempo integral; 4) expansão do ensino clínico, especialmente hospital;
  • 7. 5) vinculação das escolas médicas às universidades; 6) ênfase na pesquisa biológica como forma de superar a era empírica do ensino médico; 7) estímulo à especialização médica; 8) vinculação da pesquisa ao ensino; e 9) controle do exercício profissional pela profissão organizada.
  • 8.  1916: "A Study in Hospital Efficiency: the first five years“ – Ernest Codman, proposta de metodologia de avaliação rotineira do estado de saúde dos pacientes, para estabelecer os resultados finais das intervenções médicas intra-hospitalares
  • 9. • 1918: American College of Surgeons – ACS, avaliação da qualidade da Prática Cirúrgica e dos Hospitais Americanos com mais de 100 leitos, 600 hospitais avaliados apenas 82, cumpriam os padrões mínimos – Hotel Waldorf Astoria, NY.
  • 10.  1928: Hospital Standartization Program - embrião da Joint Comission of Accreditation of Hospitals (JCAH) criada em 1951.  National Health Service (NHS) – Inglaterra - preocupações com estudos da eficácia e eficiência dos procedimentos diagnósticos e terapêuticos;  Década de 60 EUA: Programas Sociais Federais de Atenção à Saúde (Medicare e Medicaid).
  • 11. • 1966: Avedis Donabedian - a avaliação da qualidade da atenção médica por meio de um modelo que sistematiza os atributos que traduzem a qualidade nos serviços (eficácia, efetividade, eficiência, otimização, aceitabilidade, legitimidade e eqüidade).
  • 12.  1988/1990: Avedis Donabedian, sistematização da avaliação qualitativa de atenção médica em três aspectos: estrutura, processo e resultado .  Os serviços de saúde passaram a ser pensados também como produtos e, portanto, passíveis de uma padronização na qualidade.
  • 13. No Brasil  1952: Primeira Classificação Hospitalar por padrões Lei 1.982/52 – Estado de São Paulo  Década 60: os IAPC, IAPI estabelecem classificações  1968: INPS cria a Tabela de Classificação de Hospitais  1974: RECLAR – Relatório de Classificação Hospitalar Portaria nº. 8/74 e Manuais em 1982
  • 14. Avaliação em Saúde  Área ainda em construção conceitual e metodológica, podem ser encontradas na literatura de forma muito diversificada.  Principais variáveis que orientam as decisões conceituais e metodológicas: (1) objetivo da avaliação, (2) posição do avaliador, (3) enfoque priorizado, (4) metodologia predominante, (5) forma de utilização da informação produzida, (6) contexto da avaliação, (7) temporalidade da avaliação e (8) tipo de juízo formulado  Tipos de avaliação: investigação avaliativa, avaliação para decisão e avaliação para gestão
  • 15.
  • 16. Avaliação em Saúde: Brasil  As condições econômicas e sociais, as práticas políticas, a organização profissional, as culturas organizacionais são muito diferentes : incorporação muito distinta dos diversos tipos de avaliação;  Processo de avaliação ainda muito incipiente e marginal nos processos de decisão;
  • 17.  No setor público há maior interesse pela avaliação de programas, avaliação de qualidade e tecnológica é incipiente;  No setor privado, maior interesse pelas propostas de gestão e garantia da qualidade e sistemas de acreditação e monitoramento de hospitais em atividade.
  • 18. • o Ministério da Saúde, o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e o Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems) firmaram, em 2006, o Pacto pela Saúde (PT GM n°. 399, de 22 de fevereiro de 2006), em três dimensões – Pacto pela Vida, Pacto em Defesa do SUS e Pacto de Gestão, a partir do que se espera a reforma de aspectos institucionais vigentes, com inovações dos processos de gestão, visando a maior efetividade, eficiência, qualidade e melhores resultadoS.
  • 19. • O Pacto pela Vida representa o compromisso das três esferas de gestão do SUS em torno de prioridades que promovam impacto sobre a situação de saúde da população brasileira. Dentre as prioridades estabelecidas está o fortalecimento da Atenção Básica à saúde (BRASIL, 2006b). • Conforme define a Política Nacional de Atenção Básica- PNAB, aprovada por meio da Portaria GM n°. 648, de 28 de março de 2006, a Atenção Básica caracteriza-se por um conjunto de ações de saúde, no âmbito individual e coletivo, abrangendo a promoção e a proteção da saúde, a prevenção de agravos, o diagnóstico e o tratamento dos problemas de saúde de maior frequência e relevância da população, a reabilitação e a manutenção da saúde (BRASIL, 2007).
  • 20. • A avaliação e o acompanhamento sistemático dos resultados alcançados, como parte do processo de planejamento e programação constituem-se em fundamentos da atenção básica. Nesse sentido, a PNAB estabelece como responsabilidade das três esferas de gestão, em seus âmbitos de atuação, monitorar e avaliar a atenção básica, elaborando metodologias e instrumentos para tal, qualificando profissionais e definindo estratégias para a institucionalização da avaliação.
  • 21. Dimensões Avaliativas  Desempenho técnico - aplicação do conhecimento e da tecnologia médica de modo a maximizar os benefícios e minimizar os riscos, de acordo com as preferências de cada paciente.  Relacionamento pessoal com o paciente, de modo a satisfazer os preceitos éticos, as normas sociais e as legítimas expectativas e necessidades dos pacientes.
  • 22. Avaliação da Estrutura  Características dos recursos que se empregam na atenção à saúde.  Componentes: ▫ organização administrativa da atenção médica; ▫ descrição das características das instalações; ▫ fundamentalmente em relação à sua adequação com as normas vigentes; ▫ perfil dos profissionais empregados, seu tipo, preparação e experiência.
  • 23. Avaliação do Processo  Descreve as atividades do serviço de atenção à saúde;  Análise da competência médica no tratamento dos problemas de saúde, isto é, o que é feito para o paciente com respeito à sua doença ou complicação particular;  Os critérios são estabelecidos pelo estudo da eficácia de práticas médicas rotineiras;  A metodologia dos estudos de processo pode ser dividida de duas maneiras: observação direta da prática, estudos baseados nos registros médicos.
  • 24. Avaliação do Resultado  Descreve o estado de saúde do indivíduo ou da população como resultado da interação ou não com os serviços de saúde;  Sua medida e avaliação constituem o que existe de mais próximo em termos de avaliação do cuidado total;  Metodologias que utilizam medidas de resultado: ▫ medidas de capacidade física e estado funcional, ▫ inventários de saúde mental, ▫ medida do impacto das doenças sobre o comportamento dos indivíduos, ▫ medida de percepção pessoal da saúde geral.
  • 25. Monitoramento e Avaliação • Objetivo Geral: Instrumentalizar o SUS e os serviços de saúde para a tomada de decisão, melhoria da qualidade da atenção à saúde e redução de riscos e eventos adversos associados a assistência à saúde. • Objetivos Específicos: • Desenvolver instrumentos que permitissem o monitoramento e a avaliação; • Harmonizar os critérios de avaliação de serviços de saúde; • Estimular o desenvolvimento de uma cultura de avaliação de serviços de saúde; • Estimular a utilização de indicadores para avaliação de serviços.
  • 26. Perspectiva da Avaliação  Fortalecimento dos Sistemas de Informação para tomada de decisão;  Ampliação dos Processos de Avaliação;  Estímulo à Melhoria Contínua da Qualidade dos serviços de saúde por meio da disseminação de conhecimento e experiências exitosas e Política de Qualidade em Serviços de Saúde