SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
Baixar para ler offline
Pierre Bourdieu
Jean-Claude Chamboredon
Jean-Claude Passeron
 O ponto de vista cria o OBJETO.
 [...] A totalidade concreta como totalidade
pensada, concreto pensado, é, de fato, um
produto do pensamento.[...] (Marx, texto n.20)
 [...] Não são as relações reais entre as ‘coisas’
que constituem o princípio da delimitação dos
diferentes campos científicos, mas as relações
conceituais entre problemas. É apenas nos
campos em que é aplicado um novo método a
novos problemas, e em que são
descobertas, assim, novas perspectivas que
surge também uma nova ciência. [...].
(Weber, texto n.21)
A partilha do real: a sociologia
erudita e a sociologia
contemporânea.
A ciência se constituiu ao construir
seu objeto contra o senso comum, em
conformidade com os princípios que a
definem.
A tentação de constituir um problema
social em problema sociológico.
Realidade social não é realidade
sociológica.
A falsa questão do atomismo da
população frente aos ‘mass media’.
 A necessidade das formulações de hipóteses.
 A formulação do procedimento científico
como forma de diálogo com a realidade.
(Tipo ideal Weberiano).
 O real nunca toma a iniciativa, esse só da
resposta quando é questionado.
 O vetor epistemológico vai do racional em
direção ao real.
 Sem teoria, não é possível regular um único
instrumento, interpretar uma única leitura.
 Basta ter tentando uma vez submeter à
análise secundária o material coletado em
função de outra problemática, por mais
neutra que está possa ser na aparência, para
saber que os data mais rico nunca estariam
em condições de responder completa e
adequadamente a questões para as quais e
pelas quais não foram construídos.
 Cada pesquisa tem condições e métodos
diferentes e não válidos universalmente.
 O sociólogo é particularmente tentando a
procurar segurança no caráter científico de
sua disciplina ao sobrevalorizar as exigências
que ele atribui às ciências da natureza
(Critica ao positivismo).
 A disputa entre Marx e Lord Keynes.
 O discurso da neutralidade e o discurso
ideológico.
 A anulação de científica de Marx e o discurso
da objetividade.
 A diferença entre não concordar com a visão
política e desqualificar a teoria do autor.
 O problema do Empirismo. (a critica ao
positivismo)
 A anulação do pesquisador pelo empirismo.
 A maldição da ciências humanas, talvez, seja
o fato de abordarem um objeto que fala.
 É como se o empirismo como tal propusesse
que o pesquisador se anulasse como tal. A
sociologia seria menos vulnerável a essa
tentação se lembrar que os ‘fatos não
falam’.
 O objeto acaba por colocar as suas
prenoções.
 Tem que se saber o que queremos
perguntar, tanto ao entrevistado quanto ao
objeto.
 Para quem e como conseguir o que queremos
com a resposta.
 A falsa teoria da objetividade e a anulação como
sociólogo. (Critica ao pensamento weberiano).
 Nenhuma teoria pode ser uma camisa de força.
 Enriquecer a teoria, e não repeti-la.
 Objetividade vs. Ideologia: O uso da ciência
como forma de luta ideológica.
 A objetividade é possível?
 A objetividade segundo Michael Löwy.
 Conservador: comedido, discreto, de bom
gosto, despretensioso, inconspícuo, moderado,
quieto, sóbrio; econômico, espartano, frugal,
parcimonioso, previdente, prudente, regrado;
arredio, equilibrado, reservado.
 Liberal: Aberto, avançado, despreconceituoso,
indulgente, progressista, tolerante;
beneficente, generoso, magnânimo, mão-
aberta, pródigo; abundante, amplo, suficiente,
copioso, excessivo, exuberante, profuso,
repleto, rico, transbordante.
 Revolucionário: enfurecido, extremista,
extremo, fanático, radical, ultra.
 A necessidade da formulação de um elenco
de hipóteses.
 A falta de hipóteses faz o pesquisador cair no
sociologia espontânea ou na pura e simples
ideologia, que tanto fugia quando da
confecção do projeto.
 Sobre a estatística devemos nos perguntar o
que ela diz e pode dizer, dentro de quais
limites e condições.
 Se dermos crédito às representações mais triviais do
preceito weberiano, bastaria estarmos prevenidos
contra a parcialidade afetiva e as solicitações
ideológicas para ficarmos livres de qualquer
interrogação epistemológica sobre a significação dos
conceitos e a pertinência das técnicas.
 A neutralidade metodológica.
 As técnicas de pesquisa são outras tantas técnicas de
sociabilidade, qualificadas do ponto de vista social.
(observação e questionário, ou entrevista dirigida).
 Do dizível ao indizível.
 Não existem perguntas neutras. O sociólogo que não
submete suas próprias interrogações à interrogação
sociológica não estaria em condições de fazer uma
análise sociológica verdadeiramente objetiva das
respostas que elas suscitam.
 O caso da palavra trabalho. (pg. 56).
 Uma pergunta que não é transparente para
quem a formula pode obscurecer o objeto,
que, inevitavelmente, ela constrói, embora
não tenha sido feita propositalmente para
construí-lo.
 Uma mesma pergunta não tem o mesmo
sentido para sujeitos sociais separados pela
diferença de cultura, associadas as origens
de classe.
 Num estudo , o indivíduo que confunde sua
perspectiva com a do objeto estudado, acaba
por coletar sua própria perspectiva no lugar
da do objeto estudado. (detectar a
perspectiva do objeto, para depois analisar).
 As respostas tem que ser interpretadas e não
engolidas, tanto a resposta direta, quanto a
resposta oferecida pela pesquisa bibliográfica.
 Ao se recusar a ser o sujeito científico de sua
sociologia, o sociólogo positivista dedica-
se, salvo milagre do inconsciente, a fazer uma
sociologia sem objeto científico.
 Quanto mais as condutas, atitudes e idéias
expressas e estudadas dependerem da
conjuntura onde foram geradas, tanto mais a
pesquisa e o pensamento tende a limitar-se e
aprender, atitudes e opiniões que não tem valor
além dos limites em que foi gerada.
 Nada impede de aplicar métodos de etnologia as
ciências modernas.
 Nada há de mais enganador do que a aparente
simplicidade dos métodos científicos.
 A oposição de conceito de classe em Marx e
Weber:
 Karl Marx argumentava que as divisões de classes
baseiam-se em diferenças nas relações entre
indivíduos e o processo de produção.
 Weber identificou três distinções de classe, de
acordo com três dimensões de desigualdades.
1)Classe; 2)Poder e 3) Prestígio.
 Teorias diferentes podem contribuir para se
conhecer melhor o mesmo objeto.
 O objeto é consciente e metodicamente
construído.
 A formulação de um objeto deve responder a
uma pergunta. Para verificar a existência do
objeto ou tema é só transformar o tema da
pesquisa numa pergunta.
 A construção do tipo ideal como forma de ajudar
na percepção do real. (Weber).
 Analogia como forma legitima. Durkheim tenta
determinar a natureza dos fatos sociais, e notar
sua repetição ou não como forma de determinar
o caráter de objeto de sua observação.
 Marx ensinou que a ciência social já não se
constrói no plano dos acontecimentos como
também a física deixou de se construir a
partir dos dados de sensibilidade: o objetivo
é construir um modelo, estudar sua
propriedades e suas diferentes maneiras de
reagir no laboratório para aplicar, em
seguida, tais observações à observação do
que se passa empiricamente. (o caso da lei
da educação e trabalho na Inglaterra e as
pesquisas de Marx).
 É pelo poder de ruptura e pelo poder de
generalização, sendo que os dois são
inseparáveis, que o modelo teórico é
reconhecido: como uma depuração formal
das relações entre as relações que definem
os objetos construídos, ele pode ser
transposto para ordens de realidade, do
ponto de vista fenomenal, muito diferentes e
sugerir por analogia novas
analogias, princípios de novas construções de
objeto.
 Criação de um arquivo com textos, teses, artigos.
Reorganização de assuntos, cruzamento de temas nunca
feito antes.
 Uma atitude lúcida em relação as frases e palavras que
definem as questões. Buscar o significado das palavras
e seu sinônimos ajudam a elucidar a problemática.
 Muitas das noções que encontramos se classificam em
tipos, quando sobre ele refletimos.
 Freqüentemente temos melhor percepção considerando
os extremos – pensando o oposto daquilo que nos
preocupa diretamente. Se refletimos sobre o
desespero, pensemos também na tranqüilidade, se
estudarmos o avarento, lembramo-nos do perdulário. A
coisa mais difícil no mundo é estudar um objeto:
quando procuramos contrastar vários deles, temos
melhor percepção.
 Qualquer objeto que nos ocupemos, veremos
ser útil tentar obter uma percepção
comparada do material.
 A forma como dispomos o material para
apresentação sempre afeta o conteúdo do
nosso trabalho.
 Todos os assuntos devem ser apresentados
com linguagem clara e simples, na medida
que o tema trabalhado permita. ( caso da
sociologia e o status na América latina).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

3. produção do conhecimento em sociologia
3. produção do conhecimento em sociologia3. produção do conhecimento em sociologia
3. produção do conhecimento em sociologiaArnaldo Parente
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memóriaOlena Kolodiy
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisFábio Miguel
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperJorge Barbosa
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoLuis De Sousa Rodrigues
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaMarcelo Freitas
 
Conhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - KuhnConhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - KuhnJorge Barbosa
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoJorge Barbosa
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaSara Afonso
 
precursores e pioneiros do serviço social
 precursores e pioneiros do serviço social precursores e pioneiros do serviço social
precursores e pioneiros do serviço socialweslainymaria
 
Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Jorge Barbosa
 
Desenhos de Investigação
Desenhos de InvestigaçãoDesenhos de Investigação
Desenhos de Investigaçãosoniatsilva
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1cattonia
 
Métodos Qualitativos de Investigação
Métodos Qualitativos de InvestigaçãoMétodos Qualitativos de Investigação
Métodos Qualitativos de InvestigaçãoPaulino Silva
 
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia turma12d
 

Mais procurados (20)

3. produção do conhecimento em sociologia
3. produção do conhecimento em sociologia3. produção do conhecimento em sociologia
3. produção do conhecimento em sociologia
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
Estereotipo
EstereotipoEstereotipo
Estereotipo
 
Psicologia - A memória
Psicologia - A memóriaPsicologia - A memória
Psicologia - A memória
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais
 
Influencia social
Influencia socialInfluencia social
Influencia social
 
Conhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - PopperConhecimento Científico - Popper
Conhecimento Científico - Popper
 
Estereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminaçãoEstereótipos, preconceitos e discriminação
Estereótipos, preconceitos e discriminação
 
Introduçao a sociologia
Introduçao a sociologiaIntroduçao a sociologia
Introduçao a sociologia
 
Conhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - KuhnConhecimento Científico - Kuhn
Conhecimento Científico - Kuhn
 
Auguste comte
Auguste comteAuguste comte
Auguste comte
 
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º AnoFilosofia Nº 1 - 11º Ano
Filosofia Nº 1 - 11º Ano
 
Atitudes - Psicologia
Atitudes - PsicologiaAtitudes - Psicologia
Atitudes - Psicologia
 
precursores e pioneiros do serviço social
 precursores e pioneiros do serviço social precursores e pioneiros do serviço social
precursores e pioneiros do serviço social
 
Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1Relações Interpessoais 1
Relações Interpessoais 1
 
Thomas kuhn
Thomas kuhnThomas kuhn
Thomas kuhn
 
Desenhos de Investigação
Desenhos de InvestigaçãoDesenhos de Investigação
Desenhos de Investigação
 
A sociedade industrial e urbana parte 1
A sociedade industrial e urbana   parte 1A sociedade industrial e urbana   parte 1
A sociedade industrial e urbana parte 1
 
Métodos Qualitativos de Investigação
Métodos Qualitativos de InvestigaçãoMétodos Qualitativos de Investigação
Métodos Qualitativos de Investigação
 
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
 

Destaque

Metodos e tecnicas em ciencias sociais
Metodos e tecnicas  em ciencias sociaisMetodos e tecnicas  em ciencias sociais
Metodos e tecnicas em ciencias sociaisLucio Braga
 
Metodologia das Ciencias Sociais e das Ciencias de Administracao, Prof. Douto...
Metodologia das Ciencias Sociais e das Ciencias de Administracao, Prof. Douto...Metodologia das Ciencias Sociais e das Ciencias de Administracao, Prof. Douto...
Metodologia das Ciencias Sociais e das Ciencias de Administracao, Prof. Douto...A. Rui Teixeira Santos
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]161912
 
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2Lucio Braga
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.mike wasofsky
 
Ciências sociais e ciências naturais
Ciências sociais e ciências naturaisCiências sociais e ciências naturais
Ciências sociais e ciências naturaisGuilherme Howes
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.soraia_quaresma
 
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014Aurelia de Almeida
 
Métodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoMétodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoAlfredo Garcia
 
Slide de ciencias sociais[1]
Slide de ciencias sociais[1]Slide de ciencias sociais[1]
Slide de ciencias sociais[1]AVM
 
Realidade social e ciências sociais
Realidade social e ciências sociaisRealidade social e ciências sociais
Realidade social e ciências sociaisEconomicSintese
 
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisLuiz Guilherme Leite Amaral
 
Para abrir as ciências sociais
Para abrir as ciências sociaisPara abrir as ciências sociais
Para abrir as ciências sociaisAriella Araujo
 
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaMétodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaAna Antunes
 
Metodologia da investigação científica
Metodologia da investigação científicaMetodologia da investigação científica
Metodologia da investigação científicaMaurício Boaventura
 
Métodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoMétodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoAntónio Silvano
 
Metodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoMetodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoLuis Pedro
 

Destaque (20)

Metodos e tecnicas em ciencias sociais
Metodos e tecnicas  em ciencias sociaisMetodos e tecnicas  em ciencias sociais
Metodos e tecnicas em ciencias sociais
 
Metodologia das Ciencias Sociais e das Ciencias de Administracao, Prof. Douto...
Metodologia das Ciencias Sociais e das Ciencias de Administracao, Prof. Douto...Metodologia das Ciencias Sociais e das Ciencias de Administracao, Prof. Douto...
Metodologia das Ciencias Sociais e das Ciencias de Administracao, Prof. Douto...
 
Ciencias sociais power point[1][1][1]
Ciencias sociais   power point[1][1][1]Ciencias sociais   power point[1][1][1]
Ciencias sociais power point[1][1][1]
 
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
Metodos e pesquisa em ciências sociais aula 2
 
Ciências Sociais 1
Ciências Sociais 1Ciências Sociais 1
Ciências Sociais 1
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
 
Ciências sociais e ciências naturais
Ciências sociais e ciências naturaisCiências sociais e ciências naturais
Ciências sociais e ciências naturais
 
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
Métodos e técnicas de investigação em ciências sociais.
 
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
Metodologias em ciencias sociais conceitos 2014
 
Métodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoMétodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de Investigação
 
Slide de ciencias sociais[1]
Slide de ciencias sociais[1]Slide de ciencias sociais[1]
Slide de ciencias sociais[1]
 
Realidade social e ciências sociais
Realidade social e ciências sociaisRealidade social e ciências sociais
Realidade social e ciências sociais
 
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências SociaisFichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
Fichamento: BECKER, Howard S. Métodos de Pesquisa em Ciências Sociais
 
Para abrir as ciências sociais
Para abrir as ciências sociaisPara abrir as ciências sociais
Para abrir as ciências sociais
 
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaMétodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
 
Metodologia da investigação científica
Metodologia da investigação científicaMetodologia da investigação científica
Metodologia da investigação científica
 
Métodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de InvestigaçãoMétodos e Técnicas de Investigação
Métodos e Técnicas de Investigação
 
Metodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação CientíficaMetodologia de Investigação Científica
Metodologia de Investigação Científica
 
Metodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoMetodologias de investigação
Metodologias de investigação
 
Metodologias de Investigação
Metodologias de InvestigaçãoMetodologias de Investigação
Metodologias de Investigação
 

Semelhante a A construção do objeto sociológico em Bourdieu, Chamboredon e Passeron

O objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade doO objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade doDavi Islabao
 
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...christianceapcursos
 
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...christianceapcursos
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoProf. Noe Assunção
 
Descartes e o realismo ciêntifico
Descartes e o realismo ciêntificoDescartes e o realismo ciêntifico
Descartes e o realismo ciêntificoEquipemundi2014
 
feyerabend ciencia um monstro episte.ppt
feyerabend ciencia um monstro episte.pptfeyerabend ciencia um monstro episte.ppt
feyerabend ciencia um monstro episte.pptingrid985017
 
A pesquisa etnográfica como construção discursiva
A pesquisa etnográfica como construção discursivaA pesquisa etnográfica como construção discursiva
A pesquisa etnográfica como construção discursivaPedro Lima
 
Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptx
Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptxAula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptx
Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptxClaudiaJuliettedoNas
 
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...christianceapcursos
 
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...christianceapcursos
 
Ciência com consciência
 Ciência com consciência Ciência com consciência
Ciência com consciênciaMarlene Macario
 
Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática...
Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática...Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática...
Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática...Everaldo Gomes
 
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysisClaudinei de Almeida
 
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciênciaReflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciênciaCilmara Cristina Dos Santos
 

Semelhante a A construção do objeto sociológico em Bourdieu, Chamboredon e Passeron (20)

Resenha weber
Resenha weberResenha weber
Resenha weber
 
O objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade doO objeto da sociologia e a objetividade do
O objeto da sociologia e a objetividade do
 
Metodologia
MetodologiaMetodologia
Metodologia
 
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
 
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
 
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe AssunçãoMaterial impresso filosofia   2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
Material impresso filosofia 2 ano - ensino regular - Prof Ms. Noe Assunção
 
Ficha de Leitura
Ficha de Leitura Ficha de Leitura
Ficha de Leitura
 
Descartes e o realismo ciêntifico
Descartes e o realismo ciêntificoDescartes e o realismo ciêntifico
Descartes e o realismo ciêntifico
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
feyerabend ciencia um monstro episte.ppt
feyerabend ciencia um monstro episte.pptfeyerabend ciencia um monstro episte.ppt
feyerabend ciencia um monstro episte.ppt
 
A pesquisa etnográfica como construção discursiva
A pesquisa etnográfica como construção discursivaA pesquisa etnográfica como construção discursiva
A pesquisa etnográfica como construção discursiva
 
Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptx
Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptxAula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptx
Aula_Um Discurso Sobre as Ciências_Boaventura.pptx
 
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
 
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS:  BOURDIEU, ALE...
COMO FAZER SOCIOLOGIA? UM DIÁLOGO ENTRE ALGUNS CONTEMPORÂNEOS: BOURDIEU, ALE...
 
Ciência com consciência
 Ciência com consciência Ciência com consciência
Ciência com consciência
 
Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática...
Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática...Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática...
Contribuições do marxismo para a atividade de pesquisa da educação matemática...
 
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
1 burrel e_morgan - sociological paradigms and organizational analysis
 
Weber.pptx
Weber.pptxWeber.pptx
Weber.pptx
 
Apostila - SOCIAL 2
Apostila - SOCIAL 2Apostila - SOCIAL 2
Apostila - SOCIAL 2
 
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciênciaReflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
Reflexões em torno das novas retóricas sobre a ciência
 

Mais de Arare Carvalho Júnior

Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Arare Carvalho Júnior
 
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Arare Carvalho Júnior
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilArare Carvalho Júnior
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeArare Carvalho Júnior
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialArare Carvalho Júnior
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasArare Carvalho Júnior
 
Construção de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaConstrução de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaArare Carvalho Júnior
 

Mais de Arare Carvalho Júnior (20)

Luta de classes no brasil
Luta de classes no brasilLuta de classes no brasil
Luta de classes no brasil
 
Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?
 
Masculinidades
MasculinidadesMasculinidades
Masculinidades
 
Ética e Cidadania
Ética e Cidadania Ética e Cidadania
Ética e Cidadania
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Burocracia em Max Weber
Burocracia em Max WeberBurocracia em Max Weber
Burocracia em Max Weber
 
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
 
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
 
Conceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologiaConceito e origem da antropologia
Conceito e origem da antropologia
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticas
 
Sociologia do poder
Sociologia do poder Sociologia do poder
Sociologia do poder
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
 
O Problema de Pesquisa
O Problema de PesquisaO Problema de Pesquisa
O Problema de Pesquisa
 
Metodologia de Pesquisa
Metodologia de PesquisaMetodologia de Pesquisa
Metodologia de Pesquisa
 
Construção de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaConstrução de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de Pesquisa
 
Ciência e experiência
Ciência e experiênciaCiência e experiência
Ciência e experiência
 
Como se faz uma tese
Como se faz uma teseComo se faz uma tese
Como se faz uma tese
 

Último

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 

Último (20)

QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 

A construção do objeto sociológico em Bourdieu, Chamboredon e Passeron

  • 2.  O ponto de vista cria o OBJETO.  [...] A totalidade concreta como totalidade pensada, concreto pensado, é, de fato, um produto do pensamento.[...] (Marx, texto n.20)  [...] Não são as relações reais entre as ‘coisas’ que constituem o princípio da delimitação dos diferentes campos científicos, mas as relações conceituais entre problemas. É apenas nos campos em que é aplicado um novo método a novos problemas, e em que são descobertas, assim, novas perspectivas que surge também uma nova ciência. [...]. (Weber, texto n.21)
  • 3. A partilha do real: a sociologia erudita e a sociologia contemporânea. A ciência se constituiu ao construir seu objeto contra o senso comum, em conformidade com os princípios que a definem. A tentação de constituir um problema social em problema sociológico. Realidade social não é realidade sociológica. A falsa questão do atomismo da população frente aos ‘mass media’.
  • 4.  A necessidade das formulações de hipóteses.  A formulação do procedimento científico como forma de diálogo com a realidade. (Tipo ideal Weberiano).  O real nunca toma a iniciativa, esse só da resposta quando é questionado.  O vetor epistemológico vai do racional em direção ao real.  Sem teoria, não é possível regular um único instrumento, interpretar uma única leitura.
  • 5.  Basta ter tentando uma vez submeter à análise secundária o material coletado em função de outra problemática, por mais neutra que está possa ser na aparência, para saber que os data mais rico nunca estariam em condições de responder completa e adequadamente a questões para as quais e pelas quais não foram construídos.  Cada pesquisa tem condições e métodos diferentes e não válidos universalmente.  O sociólogo é particularmente tentando a procurar segurança no caráter científico de sua disciplina ao sobrevalorizar as exigências que ele atribui às ciências da natureza (Critica ao positivismo).
  • 6.  A disputa entre Marx e Lord Keynes.  O discurso da neutralidade e o discurso ideológico.  A anulação de científica de Marx e o discurso da objetividade.  A diferença entre não concordar com a visão política e desqualificar a teoria do autor.
  • 7.  O problema do Empirismo. (a critica ao positivismo)  A anulação do pesquisador pelo empirismo.  A maldição da ciências humanas, talvez, seja o fato de abordarem um objeto que fala.  É como se o empirismo como tal propusesse que o pesquisador se anulasse como tal. A sociologia seria menos vulnerável a essa tentação se lembrar que os ‘fatos não falam’.  O objeto acaba por colocar as suas prenoções.
  • 8.  Tem que se saber o que queremos perguntar, tanto ao entrevistado quanto ao objeto.  Para quem e como conseguir o que queremos com a resposta.  A falsa teoria da objetividade e a anulação como sociólogo. (Critica ao pensamento weberiano).  Nenhuma teoria pode ser uma camisa de força.  Enriquecer a teoria, e não repeti-la.  Objetividade vs. Ideologia: O uso da ciência como forma de luta ideológica.  A objetividade é possível?  A objetividade segundo Michael Löwy.
  • 9.  Conservador: comedido, discreto, de bom gosto, despretensioso, inconspícuo, moderado, quieto, sóbrio; econômico, espartano, frugal, parcimonioso, previdente, prudente, regrado; arredio, equilibrado, reservado.  Liberal: Aberto, avançado, despreconceituoso, indulgente, progressista, tolerante; beneficente, generoso, magnânimo, mão- aberta, pródigo; abundante, amplo, suficiente, copioso, excessivo, exuberante, profuso, repleto, rico, transbordante.  Revolucionário: enfurecido, extremista, extremo, fanático, radical, ultra.
  • 10.  A necessidade da formulação de um elenco de hipóteses.  A falta de hipóteses faz o pesquisador cair no sociologia espontânea ou na pura e simples ideologia, que tanto fugia quando da confecção do projeto.  Sobre a estatística devemos nos perguntar o que ela diz e pode dizer, dentro de quais limites e condições.
  • 11.  Se dermos crédito às representações mais triviais do preceito weberiano, bastaria estarmos prevenidos contra a parcialidade afetiva e as solicitações ideológicas para ficarmos livres de qualquer interrogação epistemológica sobre a significação dos conceitos e a pertinência das técnicas.  A neutralidade metodológica.  As técnicas de pesquisa são outras tantas técnicas de sociabilidade, qualificadas do ponto de vista social. (observação e questionário, ou entrevista dirigida).  Do dizível ao indizível.  Não existem perguntas neutras. O sociólogo que não submete suas próprias interrogações à interrogação sociológica não estaria em condições de fazer uma análise sociológica verdadeiramente objetiva das respostas que elas suscitam.
  • 12.  O caso da palavra trabalho. (pg. 56).  Uma pergunta que não é transparente para quem a formula pode obscurecer o objeto, que, inevitavelmente, ela constrói, embora não tenha sido feita propositalmente para construí-lo.  Uma mesma pergunta não tem o mesmo sentido para sujeitos sociais separados pela diferença de cultura, associadas as origens de classe.  Num estudo , o indivíduo que confunde sua perspectiva com a do objeto estudado, acaba por coletar sua própria perspectiva no lugar da do objeto estudado. (detectar a perspectiva do objeto, para depois analisar).
  • 13.  As respostas tem que ser interpretadas e não engolidas, tanto a resposta direta, quanto a resposta oferecida pela pesquisa bibliográfica.  Ao se recusar a ser o sujeito científico de sua sociologia, o sociólogo positivista dedica- se, salvo milagre do inconsciente, a fazer uma sociologia sem objeto científico.  Quanto mais as condutas, atitudes e idéias expressas e estudadas dependerem da conjuntura onde foram geradas, tanto mais a pesquisa e o pensamento tende a limitar-se e aprender, atitudes e opiniões que não tem valor além dos limites em que foi gerada.  Nada impede de aplicar métodos de etnologia as ciências modernas.
  • 14.  Nada há de mais enganador do que a aparente simplicidade dos métodos científicos.  A oposição de conceito de classe em Marx e Weber:  Karl Marx argumentava que as divisões de classes baseiam-se em diferenças nas relações entre indivíduos e o processo de produção.  Weber identificou três distinções de classe, de acordo com três dimensões de desigualdades. 1)Classe; 2)Poder e 3) Prestígio.  Teorias diferentes podem contribuir para se conhecer melhor o mesmo objeto.
  • 15.  O objeto é consciente e metodicamente construído.  A formulação de um objeto deve responder a uma pergunta. Para verificar a existência do objeto ou tema é só transformar o tema da pesquisa numa pergunta.  A construção do tipo ideal como forma de ajudar na percepção do real. (Weber).  Analogia como forma legitima. Durkheim tenta determinar a natureza dos fatos sociais, e notar sua repetição ou não como forma de determinar o caráter de objeto de sua observação.
  • 16.  Marx ensinou que a ciência social já não se constrói no plano dos acontecimentos como também a física deixou de se construir a partir dos dados de sensibilidade: o objetivo é construir um modelo, estudar sua propriedades e suas diferentes maneiras de reagir no laboratório para aplicar, em seguida, tais observações à observação do que se passa empiricamente. (o caso da lei da educação e trabalho na Inglaterra e as pesquisas de Marx).
  • 17.  É pelo poder de ruptura e pelo poder de generalização, sendo que os dois são inseparáveis, que o modelo teórico é reconhecido: como uma depuração formal das relações entre as relações que definem os objetos construídos, ele pode ser transposto para ordens de realidade, do ponto de vista fenomenal, muito diferentes e sugerir por analogia novas analogias, princípios de novas construções de objeto.
  • 18.  Criação de um arquivo com textos, teses, artigos. Reorganização de assuntos, cruzamento de temas nunca feito antes.  Uma atitude lúcida em relação as frases e palavras que definem as questões. Buscar o significado das palavras e seu sinônimos ajudam a elucidar a problemática.  Muitas das noções que encontramos se classificam em tipos, quando sobre ele refletimos.  Freqüentemente temos melhor percepção considerando os extremos – pensando o oposto daquilo que nos preocupa diretamente. Se refletimos sobre o desespero, pensemos também na tranqüilidade, se estudarmos o avarento, lembramo-nos do perdulário. A coisa mais difícil no mundo é estudar um objeto: quando procuramos contrastar vários deles, temos melhor percepção.
  • 19.  Qualquer objeto que nos ocupemos, veremos ser útil tentar obter uma percepção comparada do material.  A forma como dispomos o material para apresentação sempre afeta o conteúdo do nosso trabalho.  Todos os assuntos devem ser apresentados com linguagem clara e simples, na medida que o tema trabalhado permita. ( caso da sociologia e o status na América latina).