SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Baixar para ler offline
SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM - SAE
A Sistematização da assistência de Enfermagem (SAE), é uma atividade privativa do
enfermeiro que norteia as atividades de toda a equipe de Enfermagem, já que técnicos e
auxiliares desempenham suas funções a partir da prescrição do enfermeiro. A SAE é a
organização e execução do processo de Enfermagem, com visão holística e é composta por
etapas inter-relacionadas, segundo a Lei 7498 de 25/06/86 ( Lei do Exercício Profissional). É
a essência da prática da Enfermagem, instrumento e metodologia da profissão, e como tal
ajuda o enfermeiro a tomar decisões, prever e avaliar conseqüências. Vislumbra o
aperfeiçoamento da capacidade de solucionar problemas, tomar decisões e maximizar
oportunidades e recursos formando hábitos de pensamento. A SAE foi desenvolvida como
método específico para aplicação da abordagem cientifica ou da solução de problemas na
prática e para a sua aplicação enfermeiras e enfermeiros precisam entender e aplicar conceitos
e teorias apropriados das ciências da Saúde, incluídas aí a própria Enfermagem, as ciências
físicas, biológicas, comportamentais e humanas, além de desenvolver uma visão holística do
ser humano. Esse conjunto de conhecimentos proporciona justificativas para tomadas de
decisão, julgamentos, relacionamentos interpessoais e ações.
A SAE ou o PE (Processo de EnfeRmagem) é constituído de 5 etapas: Histórico de
Enfermagem - HE, Diagnóstico de Enfermagem – DE, Planejamento de Enfermagem –
PE, Implementação de Enfermagem - IE e Avaliação de Enfermagem ou Evolução de
Enfermagem - EE.
1ª etapa - Histórico De Enfermagem - HE
Começou em 1965 no Programa de fundamentos de Enfermagem da escola de
Enfermagem da USP, com o título de ANAMNESE de Enfermagem, pois havia o problema
4
com a anamnese médica. Em 1967 em reunião do corpo docente da cadeira de Fundamentos
da Enfermagem, como, o que era feito, era a história da enfermagem do paciente, surgiu o
nome “Histórico de Enfermagem”.
Constituído por entrevista e exame físico. A entrevista investiga a situação de saúde
do cliente ou comunidade, identificando os problemas e necessidades passíveis de serem
abordados nas intervenções de Enfermagem. O exame físico consiste nos 4 métodos
propedêuticos: INSPEÇÃO, PALPAÇÃO, PERCUSSÃO e AUSCULTA, a chave para a
realização de um exame físico eficiente é um sólido conhecimento teórico e habilidades
técnicas apropriadas.
As diretrizes para elaboração do Histórico de Enfermagem são:
1. usar prontuário para dados de identificação, motivo, condições de
chegada e atendimento, entre outros, a fim de não se repetir a investigação;
2. é privativo do enfermeiro, devendo ser realizado na admissão ou nas 24
ou 48 horas seguintes;
3. é centrado nas alterações e condições de risco;
4. é assinado e leva o número do COREN;
5. deve vir com a guia instrucional e faz parte do prontuário;
6. é feito com a autorização do cliente
Partes de um histórico
a.Identificação:
- nome por extenso;
- enfermaria, leito;
- registro;
5
- sexo e idade;
- estado civil;
- filhos e respectivas idades;
- procedência;
- nacionalidade;
- ocupação com detalhes;
- grau de instrução;
- religião (praticante ou não);
- data de admissão;
- que via foi admitido (ambulatório ou PS)
b.Hábitos:
- Meio ambiente: condições de moradia, água, esgoto, lixo, luz;
- Cuidado corporal: banhados, unhas, cabelo, raspagem de pelos (tricotomia);
- Eliminações: hábitos intestinais e urinários, tabus, menstruação;
- Alimentação;
- Sono e repouso;
- Exercícios e habilidades físicas;
- Recreação;
- Manutenção da saúde exame médico periódico.
c.Exame Físico:
- Condições gerais: vestuários, condições mental, expressão facial, locomoção, peso
altura, fumo, etilismo;
6
- Sinais vitais: freqüência e características (Pulso, respiração, pressão arterial e
temperatura);
- Queixa do paciente;
- problemas identificados.
d.Problemas de saúde:
- o que o paciente acha da sua doença;
- que doenças já teve e suas experiências com hospitais;
- métodos ou preocupações: do hospital, da cirurgia, etc;
- fase da doença: grave, crônica, etc;
- resultados dos exames.
2ª etapa – Diagnóstico de Enfermagem – DE
Nessa fase o enfermeiro analisa os dados coletados e avalia o estado de saúde do
cliente através da identificação e avaliação de problemas de saúde reais ou potenciais que
são passíveis da resolução por meio das atividade de Enfermagem.
Conceito: é a identificação das necessidades básicas do ser humano que precisa
de atendimento e a determinação pelo enfermeiro do grau de dependência deste
atendimento em natureza e extensão.
O grau de dependência pode ser total ou parcial.
Total: tudo que a enfermagem faz pelo cliente quando este não tem condições de
fazer por si, seja qual for a causa.
7
Parcial: a assistência de enfermagem pode situar-se em termos de ajuda,
orientação, supervisão e encaminhamento.
O julgamento clinico é o processo cognitivo caracterizado por diversas decisões
para definir o melhor diagnóstico, a melhor intervenção e os efeitos desta intervenção,
estabelecendo o diagnóstico e o seu raciocínio. O enfermeiro necessita desenvolver
habilidades e competências cognitivas, técnicas, afetivas e sociais para ser capaz de
desenvolver o raciocínio clinico.
O diagnóstico de Enfermagem é ação privativa do enfermeiro, deve ser
enumerado, e o enfermeiro deve assinar o instrumento utilizado para anotação dos
diagnósticos de Enfermagem e colocar número do COREN sob o qual está inscrito.
3ª etapa – Planejamento de Enfermagem – PE
São as intervenções de Enfermagem. É a determinação global da assistência de
Enfermagem que o cliente deve receber diante do Diagnóstico de enfermagem
estabelecido, é o resultado da análise do Diagnóstico, examinando as alterações,
necessidades afetadas e o grau de dependência.Observação:
F (fazer)
A (ajudar)
O (orientar)
S (supervisionar)
E (encaminhar)
As intervenções planejadas devem ser destinadas a alcançar os resultados esperados
e a prevenir, resolver ou controlar as alterações encontradas durante o Diagnóstico.
8
4ª etapa - Implementação de Enfermagem - IE
É a concretização do plano de atendimento ou assistencial pelo roteiro aprazado que
coordena a ação da equipe de enfermagem na execução dos cuidados adequados ao
atendimento das necessidades básicas específicas do ser humano. O momento da realização
pode ser: admissional, complementar diária e d alta. Seu efeito pode ser de conduta ou de
ação. A conduta modifica o estado do cliente (repouso, curativo, orientação, termoterapia,
higiene, etc.) A ação da subsidio para avaliar o cliente ( SSVV, administração de
medicamentos, diurese, características de SS e sintomas, etc.). Quanto a autonomia, pode ser
independente, quando a decisão é o enfermeiro (higiene, repouso, curativo, orientação,
controle de SSVV, etc.); dependente, quando é vinculada a decisão de outros profissionais
(medicamentos, exames, cirurgia, etc).
As diretrizes são:
• Dirigidas pelos Diagnósticos e outros problemas de Enfermagem
(prescrição médica, exames, cirurgia,etc);
• Verbo no infinitivo e de ação ( Fazer, encaminhar, aplicar, banhar,
orientar, nistrar, esclarecer, controlar, avaliar,explicar, informar, lubrificar,
acompanhar, etc...);
• Responde : O que? Como? Quando? Que parte do corpo?;
• Seguir padrões mínimos de enfermagem (PME) e/ou específicos;
• Atividade genérica (sem marcas de produtos);
• Atividade com idéia única;
• Numerada de acordo com o diagnóstico correspondente;
• Atividade privativa do enfermeiro;
9
• Letra legível sem rasuras;
• Validade do horário de acordo com o período;
• Divisão dos trabalhos por período;
• Checagem com rubrica;
• Data, nome e COREN. Utilizar carimbo.
5ª etapa – Avaliação – Evolução de Enfermagem (EE)
É o relato aprazado das mudanças sucessivas que ocorrem co cliente enquanto está
sob a assistência profissional. Anotar inicialmente a avaliação do global do plano de
cuidado(PE). Determina se os resultados foram atingidos, se as intervenções (IE) foram
efetivas e se são necessárias modificações. Pode ser conceituada ainda como a análise das
respostas do cliente frente aos cuidados de enfermagem prescritos em função dos resultados
obtidos no prazo determinado.São usados indicadores- qualificadores de avaliação:
• Ausente – Presente
• Melhorado – Piorado
• Mantido – Resolvido
• Os tipos são: diária, complementar e de alta
As diretrizes são:
 Condição básica para evolução, EF e entrevista do dia,
evolução, prescrição e anotação de Enfermagem, resultados de exames,
prescrição médica;
10
 Os DE são avaliados em função de indicadores com
justificativas baseadas na orientação anterior;
 Deve ser precedida de horário;
 É atividade privativa do enfermeiro;
 Deve conter nome e COREN no carimbo.
Prognóstico de Enfermagem
O prognóstico indicará as condições que o cliente atingiu na alta médica. Ele chegou
a total independência ou esta dependente.
Anotações de Enfermagem
Éo registro das respostas do cliente frente aos PME e aos cuidados individualizados
logo após sua execução e/ou registro das intercorrências.
Diretrizes para as anotações de Enfermagem:
• Os padrões mínimos de Enfermagem- PME, os cuidados específicos e
as intercorrências são básicos para a elaboração das anotações;
• As anotações são subsídios para todas as etapas da SAE;
• Deve responder as prescrições de Enfermagem- PE;
• É competência de enfermeiros, técnicos e auxiliares que executam
cuidados;
• Deve conter horário antes do registro;
• Deve ser clara e concisa;
• Deve ter nome, função e número do COREN.
11
Dica para controle do processo:
• Cuidado prescrito
• Cuidado realizado
• Cuidado checado
• Cuidado anotado
• Cuidado assinado
12
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
MURTA, Genilda Ferreira. Saberes e Práticas: Guia para Ensino e Aprendizado de
Enfermagem. 3 ed. vol 3. São Caetano do Sul : Difusão Editora, 2007.p.253-266.
13

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Rafaela Amanso
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesCleiton Ribeiro Alves
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagemresenfe2013
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemJardiel7
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemdanilo oliveira
 
Aula 1.1 introdução à sistematização do cuidado ii
Aula 1.1  introdução à sistematização do cuidado iiAula 1.1  introdução à sistematização do cuidado ii
Aula 1.1 introdução à sistematização do cuidado iibrigidasilva98
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa utiElisama Cruz
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoSou Enfermagem
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfCASA
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarNEELLITON SANTOS
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaAroldo Gavioli
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMLuziane Costa
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSGhiordanno Bruno
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemRosiane Maria
 
Apostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemApostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemEDSON OLIVEIRA
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeISCISA
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Ravenny Caminha
 

Mais procurados (20)

Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 
Avaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de EnfermagemAvaliação e o processo de Enfermagem
Avaliação e o processo de Enfermagem
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
 
Aula 1.1 introdução à sistematização do cuidado ii
Aula 1.1  introdução à sistematização do cuidado iiAula 1.1  introdução à sistematização do cuidado ii
Aula 1.1 introdução à sistematização do cuidado ii
 
Apostila completa uti
Apostila completa   utiApostila completa   uti
Apostila completa uti
 
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro CirúrgicoClínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
Clínica Cirúrgica e Centro Cirúrgico
 
Anotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdfAnotação de Enfermagem.pdf
Anotação de Enfermagem.pdf
 
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalarOrganização, estrutura e funcionamento hospitalar
Organização, estrutura e funcionamento hospitalar
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
Sae nanda 2013
Sae nanda 2013Sae nanda 2013
Sae nanda 2013
 
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEMAula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
Aula 1 - HISTÓRIA, ÉTICA E LEGISLAÇÃO EM ENFERMAGEM
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Aula 01 O Hospital
Aula 01 O HospitalAula 01 O Hospital
Aula 01 O Hospital
 
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagemSlaid 1 fundamentos da enfermagem
Slaid 1 fundamentos da enfermagem
 
Apostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagemApostila técnicas básicas de enfermagem
Apostila técnicas básicas de enfermagem
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
Roteiro de Admissão, Evolução, Transferência e Alta hospitalar.
 

Destaque

Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemPaulo Aragão
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem resenfe2013
 
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoPlano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoSelma Silva
 
Tomada de-decisão-em-enfermagemi
Tomada de-decisão-em-enfermagemiTomada de-decisão-em-enfermagemi
Tomada de-decisão-em-enfermagemiFabiana Costa
 
03. tomada de decisão
03. tomada de decisão03. tomada de decisão
03. tomada de decisãoHelena Spf
 
HistóRia Da SaúDe PúBlica
HistóRia Da SaúDe PúBlicaHistóRia Da SaúDe PúBlica
HistóRia Da SaúDe PúBlicaguestb6c126
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeSergio Dias
 
Anotacoes enfermagem
Anotacoes enfermagemAnotacoes enfermagem
Anotacoes enfermagemdsinha1
 
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisãoGerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisãoAroldo Gavioli
 
Vieginia henderson
Vieginia hendersonVieginia henderson
Vieginia hendersonUNIME
 
Capítulo 4 - Análise e Solução de Problemas
Capítulo 4  - Análise e Solução de ProblemasCapítulo 4  - Análise e Solução de Problemas
Capítulo 4 - Análise e Solução de ProblemasSaulo Oliveira
 
Processo de enfermagem 2015
Processo de enfermagem 2015Processo de enfermagem 2015
Processo de enfermagem 2015Ellen Priscilla
 
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...Lucas Fontes
 

Destaque (20)

Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
 
Wanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar HortaWanda de Aguiar Horta
Wanda de Aguiar Horta
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognósticoPlano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
Plano assistencial, prescrições, evolução e prognóstico
 
Tomada de-decisão-em-enfermagemi
Tomada de-decisão-em-enfermagemiTomada de-decisão-em-enfermagemi
Tomada de-decisão-em-enfermagemi
 
03. tomada de decisão
03. tomada de decisão03. tomada de decisão
03. tomada de decisão
 
Wanda aguiar horta.
Wanda aguiar horta.Wanda aguiar horta.
Wanda aguiar horta.
 
Dpoc
DpocDpoc
Dpoc
 
HistóRia Da SaúDe PúBlica
HistóRia Da SaúDe PúBlicaHistóRia Da SaúDe PúBlica
HistóRia Da SaúDe PúBlica
 
Claudio Porto
Claudio PortoClaudio Porto
Claudio Porto
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Anotacoes enfermagem
Anotacoes enfermagemAnotacoes enfermagem
Anotacoes enfermagem
 
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisãoGerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
Gerenciamento de enfermagem: tomada de decisão
 
Vieginia henderson
Vieginia hendersonVieginia henderson
Vieginia henderson
 
Capítulo 4 - Análise e Solução de Problemas
Capítulo 4  - Análise e Solução de ProblemasCapítulo 4  - Análise e Solução de Problemas
Capítulo 4 - Análise e Solução de Problemas
 
éTica e enfermagem
éTica e enfermageméTica e enfermagem
éTica e enfermagem
 
Processo decisório
Processo decisório   Processo decisório
Processo decisório
 
Processo de enfermagem 2015
Processo de enfermagem 2015Processo de enfermagem 2015
Processo de enfermagem 2015
 
Tomada de decisão
Tomada de decisãoTomada de decisão
Tomada de decisão
 
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
Teoria das 14 necessidades fundamentais, de Virginia Henderson - No Caminho d...
 

Semelhante a Sae

Implementação e Avaliação.pptx
Implementação e Avaliação.pptxImplementação e Avaliação.pptx
Implementação e Avaliação.pptxKeylaSilvaNobrePires
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdfLarissaMachado97
 
TEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxTEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxMilena Ramos
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptJoaraSilva1
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptRicaTatiane2
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptAndriellyFernandaSPi
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptDheniseMikaelly
 
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfAULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfnagelasouza1
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeArare Carvalho Júnior
 
Assistência de enfermagem nas intervenções clínicas e laboratoriais.pptx
Assistência de enfermagem nas intervenções clínicas e laboratoriais.pptxAssistência de enfermagem nas intervenções clínicas e laboratoriais.pptx
Assistência de enfermagem nas intervenções clínicas e laboratoriais.pptxKarellineRosenstock1
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxssuser51d27c1
 
Importância da anamnese e do exame físico
Importância da anamnese e do exame físicoImportância da anamnese e do exame físico
Importância da anamnese e do exame físicoGuilherme Barbosa
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...angelitamelo
 

Semelhante a Sae (20)

SAE 1.pptx
SAE 1.pptxSAE 1.pptx
SAE 1.pptx
 
Apresentação1.ppt
Apresentação1.pptApresentação1.ppt
Apresentação1.ppt
 
Planejamento de Enfermagem.pptx
Planejamento de Enfermagem.pptxPlanejamento de Enfermagem.pptx
Planejamento de Enfermagem.pptx
 
Implementação e Avaliação.pptx
Implementação e Avaliação.pptxImplementação e Avaliação.pptx
Implementação e Avaliação.pptx
 
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdfAula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE  (2) (1).pdf
Aula 3 Sistematização da Assistência de Enfermagem – SAE (2) (1).pdf
 
TEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxTEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptx
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.pptME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
ME e Angelina - aula anotações de enfermagem.ppt
 
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfAULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 
Assistência de enfermagem nas intervenções clínicas e laboratoriais.pptx
Assistência de enfermagem nas intervenções clínicas e laboratoriais.pptxAssistência de enfermagem nas intervenções clínicas e laboratoriais.pptx
Assistência de enfermagem nas intervenções clínicas e laboratoriais.pptx
 
atribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptxatribuição da enfermagem.pptx
atribuição da enfermagem.pptx
 
Importância da anamnese e do exame físico
Importância da anamnese e do exame físicoImportância da anamnese e do exame físico
Importância da anamnese e do exame físico
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
Como a Farmácia Universitária Pode Contribuir para a Formação nas Atividades ...
 
Rafael Zarvos
Rafael ZarvosRafael Zarvos
Rafael Zarvos
 
EEAN3 - Aula Proc Enf WAH.pptx
EEAN3 - Aula Proc Enf WAH.pptxEEAN3 - Aula Proc Enf WAH.pptx
EEAN3 - Aula Proc Enf WAH.pptx
 
EEAN3 - Aula Proc Enf WAH.pptx
EEAN3 - Aula Proc Enf WAH.pptxEEAN3 - Aula Proc Enf WAH.pptx
EEAN3 - Aula Proc Enf WAH.pptx
 

Sae

  • 1. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM - SAE A Sistematização da assistência de Enfermagem (SAE), é uma atividade privativa do enfermeiro que norteia as atividades de toda a equipe de Enfermagem, já que técnicos e auxiliares desempenham suas funções a partir da prescrição do enfermeiro. A SAE é a organização e execução do processo de Enfermagem, com visão holística e é composta por etapas inter-relacionadas, segundo a Lei 7498 de 25/06/86 ( Lei do Exercício Profissional). É a essência da prática da Enfermagem, instrumento e metodologia da profissão, e como tal ajuda o enfermeiro a tomar decisões, prever e avaliar conseqüências. Vislumbra o aperfeiçoamento da capacidade de solucionar problemas, tomar decisões e maximizar oportunidades e recursos formando hábitos de pensamento. A SAE foi desenvolvida como método específico para aplicação da abordagem cientifica ou da solução de problemas na prática e para a sua aplicação enfermeiras e enfermeiros precisam entender e aplicar conceitos e teorias apropriados das ciências da Saúde, incluídas aí a própria Enfermagem, as ciências físicas, biológicas, comportamentais e humanas, além de desenvolver uma visão holística do ser humano. Esse conjunto de conhecimentos proporciona justificativas para tomadas de decisão, julgamentos, relacionamentos interpessoais e ações. A SAE ou o PE (Processo de EnfeRmagem) é constituído de 5 etapas: Histórico de Enfermagem - HE, Diagnóstico de Enfermagem – DE, Planejamento de Enfermagem – PE, Implementação de Enfermagem - IE e Avaliação de Enfermagem ou Evolução de Enfermagem - EE. 1ª etapa - Histórico De Enfermagem - HE Começou em 1965 no Programa de fundamentos de Enfermagem da escola de Enfermagem da USP, com o título de ANAMNESE de Enfermagem, pois havia o problema 4
  • 2. com a anamnese médica. Em 1967 em reunião do corpo docente da cadeira de Fundamentos da Enfermagem, como, o que era feito, era a história da enfermagem do paciente, surgiu o nome “Histórico de Enfermagem”. Constituído por entrevista e exame físico. A entrevista investiga a situação de saúde do cliente ou comunidade, identificando os problemas e necessidades passíveis de serem abordados nas intervenções de Enfermagem. O exame físico consiste nos 4 métodos propedêuticos: INSPEÇÃO, PALPAÇÃO, PERCUSSÃO e AUSCULTA, a chave para a realização de um exame físico eficiente é um sólido conhecimento teórico e habilidades técnicas apropriadas. As diretrizes para elaboração do Histórico de Enfermagem são: 1. usar prontuário para dados de identificação, motivo, condições de chegada e atendimento, entre outros, a fim de não se repetir a investigação; 2. é privativo do enfermeiro, devendo ser realizado na admissão ou nas 24 ou 48 horas seguintes; 3. é centrado nas alterações e condições de risco; 4. é assinado e leva o número do COREN; 5. deve vir com a guia instrucional e faz parte do prontuário; 6. é feito com a autorização do cliente Partes de um histórico a.Identificação: - nome por extenso; - enfermaria, leito; - registro; 5
  • 3. - sexo e idade; - estado civil; - filhos e respectivas idades; - procedência; - nacionalidade; - ocupação com detalhes; - grau de instrução; - religião (praticante ou não); - data de admissão; - que via foi admitido (ambulatório ou PS) b.Hábitos: - Meio ambiente: condições de moradia, água, esgoto, lixo, luz; - Cuidado corporal: banhados, unhas, cabelo, raspagem de pelos (tricotomia); - Eliminações: hábitos intestinais e urinários, tabus, menstruação; - Alimentação; - Sono e repouso; - Exercícios e habilidades físicas; - Recreação; - Manutenção da saúde exame médico periódico. c.Exame Físico: - Condições gerais: vestuários, condições mental, expressão facial, locomoção, peso altura, fumo, etilismo; 6
  • 4. - Sinais vitais: freqüência e características (Pulso, respiração, pressão arterial e temperatura); - Queixa do paciente; - problemas identificados. d.Problemas de saúde: - o que o paciente acha da sua doença; - que doenças já teve e suas experiências com hospitais; - métodos ou preocupações: do hospital, da cirurgia, etc; - fase da doença: grave, crônica, etc; - resultados dos exames. 2ª etapa – Diagnóstico de Enfermagem – DE Nessa fase o enfermeiro analisa os dados coletados e avalia o estado de saúde do cliente através da identificação e avaliação de problemas de saúde reais ou potenciais que são passíveis da resolução por meio das atividade de Enfermagem. Conceito: é a identificação das necessidades básicas do ser humano que precisa de atendimento e a determinação pelo enfermeiro do grau de dependência deste atendimento em natureza e extensão. O grau de dependência pode ser total ou parcial. Total: tudo que a enfermagem faz pelo cliente quando este não tem condições de fazer por si, seja qual for a causa. 7
  • 5. Parcial: a assistência de enfermagem pode situar-se em termos de ajuda, orientação, supervisão e encaminhamento. O julgamento clinico é o processo cognitivo caracterizado por diversas decisões para definir o melhor diagnóstico, a melhor intervenção e os efeitos desta intervenção, estabelecendo o diagnóstico e o seu raciocínio. O enfermeiro necessita desenvolver habilidades e competências cognitivas, técnicas, afetivas e sociais para ser capaz de desenvolver o raciocínio clinico. O diagnóstico de Enfermagem é ação privativa do enfermeiro, deve ser enumerado, e o enfermeiro deve assinar o instrumento utilizado para anotação dos diagnósticos de Enfermagem e colocar número do COREN sob o qual está inscrito. 3ª etapa – Planejamento de Enfermagem – PE São as intervenções de Enfermagem. É a determinação global da assistência de Enfermagem que o cliente deve receber diante do Diagnóstico de enfermagem estabelecido, é o resultado da análise do Diagnóstico, examinando as alterações, necessidades afetadas e o grau de dependência.Observação: F (fazer) A (ajudar) O (orientar) S (supervisionar) E (encaminhar) As intervenções planejadas devem ser destinadas a alcançar os resultados esperados e a prevenir, resolver ou controlar as alterações encontradas durante o Diagnóstico. 8
  • 6. 4ª etapa - Implementação de Enfermagem - IE É a concretização do plano de atendimento ou assistencial pelo roteiro aprazado que coordena a ação da equipe de enfermagem na execução dos cuidados adequados ao atendimento das necessidades básicas específicas do ser humano. O momento da realização pode ser: admissional, complementar diária e d alta. Seu efeito pode ser de conduta ou de ação. A conduta modifica o estado do cliente (repouso, curativo, orientação, termoterapia, higiene, etc.) A ação da subsidio para avaliar o cliente ( SSVV, administração de medicamentos, diurese, características de SS e sintomas, etc.). Quanto a autonomia, pode ser independente, quando a decisão é o enfermeiro (higiene, repouso, curativo, orientação, controle de SSVV, etc.); dependente, quando é vinculada a decisão de outros profissionais (medicamentos, exames, cirurgia, etc). As diretrizes são: • Dirigidas pelos Diagnósticos e outros problemas de Enfermagem (prescrição médica, exames, cirurgia,etc); • Verbo no infinitivo e de ação ( Fazer, encaminhar, aplicar, banhar, orientar, nistrar, esclarecer, controlar, avaliar,explicar, informar, lubrificar, acompanhar, etc...); • Responde : O que? Como? Quando? Que parte do corpo?; • Seguir padrões mínimos de enfermagem (PME) e/ou específicos; • Atividade genérica (sem marcas de produtos); • Atividade com idéia única; • Numerada de acordo com o diagnóstico correspondente; • Atividade privativa do enfermeiro; 9
  • 7. • Letra legível sem rasuras; • Validade do horário de acordo com o período; • Divisão dos trabalhos por período; • Checagem com rubrica; • Data, nome e COREN. Utilizar carimbo. 5ª etapa – Avaliação – Evolução de Enfermagem (EE) É o relato aprazado das mudanças sucessivas que ocorrem co cliente enquanto está sob a assistência profissional. Anotar inicialmente a avaliação do global do plano de cuidado(PE). Determina se os resultados foram atingidos, se as intervenções (IE) foram efetivas e se são necessárias modificações. Pode ser conceituada ainda como a análise das respostas do cliente frente aos cuidados de enfermagem prescritos em função dos resultados obtidos no prazo determinado.São usados indicadores- qualificadores de avaliação: • Ausente – Presente • Melhorado – Piorado • Mantido – Resolvido • Os tipos são: diária, complementar e de alta As diretrizes são:  Condição básica para evolução, EF e entrevista do dia, evolução, prescrição e anotação de Enfermagem, resultados de exames, prescrição médica; 10
  • 8.  Os DE são avaliados em função de indicadores com justificativas baseadas na orientação anterior;  Deve ser precedida de horário;  É atividade privativa do enfermeiro;  Deve conter nome e COREN no carimbo. Prognóstico de Enfermagem O prognóstico indicará as condições que o cliente atingiu na alta médica. Ele chegou a total independência ou esta dependente. Anotações de Enfermagem Éo registro das respostas do cliente frente aos PME e aos cuidados individualizados logo após sua execução e/ou registro das intercorrências. Diretrizes para as anotações de Enfermagem: • Os padrões mínimos de Enfermagem- PME, os cuidados específicos e as intercorrências são básicos para a elaboração das anotações; • As anotações são subsídios para todas as etapas da SAE; • Deve responder as prescrições de Enfermagem- PE; • É competência de enfermeiros, técnicos e auxiliares que executam cuidados; • Deve conter horário antes do registro; • Deve ser clara e concisa; • Deve ter nome, função e número do COREN. 11
  • 9. Dica para controle do processo: • Cuidado prescrito • Cuidado realizado • Cuidado checado • Cuidado anotado • Cuidado assinado 12
  • 10. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS MURTA, Genilda Ferreira. Saberes e Práticas: Guia para Ensino e Aprendizado de Enfermagem. 3 ed. vol 3. São Caetano do Sul : Difusão Editora, 2007.p.253-266. 13