SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Diagnósticos de Enfermagem
Enfª R1 Karyne Kirley Negromonte Gonçalves
Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº
Luis Tavares da Silva – PROCAPE
Programa de Especialização em Cardiologia
Modalidade Residência
Março/2016
Objetivos
• Compreender o Processo de Enfermagem baseado nos
Diagnósticos de Enfermagem;
• Descrever as etapas do Processo de Enfermagem;
• Apresentar a classificação dos Diagnósticos de Enfermagem:
NANDA e a Classificação Internacional das Práticas de
Enfermagem- CIPE.
Processo de Enfermagem
• Instrumento metodológico de trabalho utilizado para
organizar, sistematizar e favorecer o cuidado ao cliente;
• Foco principal: atenção aos indivíduos de modo holístico
dentro do processo saúde/doença;
• Etapas: Investigação, Diagnósticos de Enfermagem,
Planejamento dos resultados, Implementação e Avaliação da
assistência.
(TANNURE, 2010)
Primeira etapa: Investigação/ Histórico
Validação
dos dados
Agrupam
ento de
dados
Identifica
ção de
padrões
Registro
de dados
Coleta de
dados
Investi
gação
• Determina o estado de
saúde do cliente;
• Anamnese e exame físico;
• Identifica necessidades,
problemas, preocupações.
(TANNURE, 2010)
• Análise, julgamento, síntese e percepção ao interpretar dados
clínicos e levantamento das necessidades do cliente;
• Engloba a parte conceitual e estrutural que compreende três
componentes: problema de saúde, fatores etiológicos ou
relacionados e características definidoras ou grupo de sinais e
sintomas;
• Identificados e listados em ordem de prioridade com foco
central para etapas subsequentes.
Segunda etapa: Diagnósticos de
Enfermagem
(TANNURE, 2010)
Sistemas de Classificação de
Enfermagem
“Agrupar, colocar em um conjunto que apresente características
semelhantes. Uma vez agrupados, estes fenômenos podem ser
colocados em classes, segundo suas características.”
(SOUZA, 2002).
• NANDA- North American Nursing Diagnosis Association
(1970)
 “Julgamento clínico sobre as respostas do indivíduo, da
família ou da comunidade, a problemas de saúde, processos
vitais reais ou potenciais, que proporciona a base para a
seleção das intervenções de Enfermagem para atingir os
resultados esperados.”
 Conjunto de sinais e sintomas identificados pelo enfermeiro
no cliente.
(NANDA, 2008)
NANDA (2015)
• 13 Domínios
• 47 Classes
• 201 Diagnósticos
• 7 Eixos
• Tipos de Diagnósticos:
Real;
De risco;
De bem-estar;
De síndrome;
Provável. (NANDA, 2008)
Domínios
Domínio 1 Promoção da saúde
Domínio 2 Nutrição
Domínio 3 Eliminação e troca
Domínio 4 Atividade/repouso
Domínio 5 Percepção/cognição
Domínio 6 Autopercepção
Domínio 7 Papéis e relacionamento
Domínio 8 Sexualidade
Domínio 9 Enfrentamento/tolerância ao estresse
Domínio 10 Princípios de vida
Domínio 11 Segurança/proteção
Domínio 12 Conforto
Domínio 13 Crescimento/desenvolvimento
Eixos
Eixo 1 Conceito diagnóstico
Eixo 2 Sujeito do diagnóstico(indivíduo, família, grupo,
comunidade)
Eixo 3 Julgamento (comprometido, diminuído, atrasado,
perturbado, prejudicado, disposição rara)
Eixo 4 Localização (partes/regiões do corpo e funções)
Eixo 5 Idade (de feto a idoso
Eixo 6 Tempo (agudo, crônico, intermitente, contínuo)
Eixo 7 Situação do diagnóstico (real, promoção da saúde,
risco e bem-estar)
Enunciado do DE (NANDA)
• 3 componentes estruturais:
 Título e definições
 Fatores relacionados
 Características definidoras
“Padrão de sono prejudicado, relacionado a iluminação e
ruído, evidenciado por relatos de dificuldade para dormir e
capacidade funcional diminuída.”
(TANNURE, 2010)
CIPE- Classificação Internacional para
a Prática de Enfermagem
• Sistema de classificação para padronizar uma linguagem
comum que represente a prática de Enfermagem (SILVA et al,
2007).
• Classificação de fenômenos, intervenções e resultados a nível
da Enfermagem (CIPE, 2000).
• DE: composto por conceitos contidos nos eixos da
classificação dos fenômenos.
(TANNURE, 2010)
CIPE- Classificação Internacional para a
Prática de Enfermagem
• Versão 2.0 (2009);
Eixo 1 Foco Ferida
Eixo 2 Julgamento Dependente
Eixo 3 Meios Bolsa de colostomia
Eixo 4 Ação Encorajar
Eixo 5 Tempo Sempre
Eixo 6 Localização Tórax
Eixo 7 Cliente Indivíduo
Composição do DE: Eixo de foco+Eixo de julgamento
Dor intensa no precórdio (TANNURE, 2010)
CIPE- Classificação Internacional para
a Prática de Enfermagem
• Composição das intervenções de Enfermagem:
Termo do eixo Ação+ Termo do eixo Alvo
D.E: Dor intensa no precórdio
I.E.: Administrar analgésico intermitente EV
R.E.: Alívio da dor do paciente
(TANNURE, 2010)
Terceira etapa: Planejamento dos
resultados esperados
• Estabelecimento de prioridades para os problemas diagnosticados;
• Fixação de resultados com o paciente (corrigir, minimizar, evitar
problemas);
• Plano de ações para se alcançarem resultados em relação a um
diagnóstico de Enfermagem.
Ser claro e
conciso
Ser
centrado
no paciente
Estar
relacionado
ao título
diagnóstico
Ser
alcançável
Conter
limite de
tempo
Ser
mensurável
(TANNURE, 2010)
Quarta etapa: Implementação da
Assistência (Prescrição de Enfermagem)
• Colocar em prática, executar o que antes era uma proposta;
• Ações prescritas e necessárias para a obtenção dos resultados
esperados;
• Prescrições devem ser completas e objetivas;
• Diagnóstico de Enfermagem Resultado esperado
Prescrição dos cuidados de enfermagem.
(TANNURE, 2010)
Quinta etapa: Avaliação da
Assistência de Enfermagem
• Acompanhar as respostas do cliente aos cuidados prescritos e
implementados (prontuário);
• Avaliação da eficácia da prescrição de enfermagem;
• “O paciente progrediu? Apresenta novas necessidades? A
prescrição precisa ser revista? Precisa de medidas corretivas?
(TANNURE, 2010)
“A.M.G., 67 anos, sexo masculino, hipertenso,
diabético, tabagista, admitido na UTI coronariana do
PROCAPE após cirurgia de revascularização do
miocárdio. O mesmo apresentou complicações
hemodinâmicas no decorrer do pós-operatório,
desenvolvendo extensa úlcera por pressão estágio III
em região sacral, com secreção purulenta de odor
fétido, sendo renovado diariamente o curativo com
hidrogel...”
Diagnóstico de Enfermagem: “Integridade da pele prejudicada,
relacionada a circulação alterada e imobilização no leito,
evidenciada por ferida em região sacral.”
Resultado esperado: “O paciente apresentará melhora no aspecto
da lesão da região sacral em até 15 dias”
Prescrição de Enfermagem: “Realizar mudança de decúbito de
2/2; renovar o curativo diariamente com SF0,9% e curativo de
alginato de cálcio, ocluindo-o com gaze e fita hipoalergênica;
realizar o registro sobre o aspecto e as dimensões da lesão.”
Considerações Finais
• O Diagnóstico de Enfermagem é o instrumento profissional,
que guia a prática de Enfermagem e fornece autonomia ao
enfermeiro;
• Oferece subsídios para o cuidado integral e humanizado;
• Promove flexibilidade do pensamento independente, melhora
a comunicação, previne erros, omissões e repetições
desnecessárias.
Referências bibliográficas
TANNURE, M.C.; PINHEIRO, A.M.; GUANABARA. Sistematização da Assistência
de Enfermagem, Guia Prático, 2.ed. 2010.
POTTER, P. Fundamentos de Enfermagem. 7. ed. 2009.
NANDA. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA, NANDA International,
Definições e Classificação, 2009;
FURUYA, et al. Sistemas de classificação e sua aplicação na assistência: revisão
integrativa de literatura, 2011.
NÓBREGA, M.M.L.; SILVA, K.L. Fundamentos do cuidar em Enfermagem, 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
danilo oliveira
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
Paulo Aragão
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Rodrigo Abreu
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
Fernando Dias
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
Ivanete Dias
 

Mais procurados (20)

Sae pronto unic
Sae pronto unicSae pronto unic
Sae pronto unic
 
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
2a Aula Diagnóstico de Enfermagem - 04_12_19.pptx
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem   Anotações de enfermagem
Anotações de enfermagem
 
Sae
SaeSae
Sae
 
História da enfermagem
História da enfermagemHistória da enfermagem
História da enfermagem
 
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com redeSaúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
Saúde do Adulto I Estudo de caso iii com rede
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
Náusea e vômito: Assistência de enfermagem
 
Planejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagemPlanejamento dos cuidados de enfermagem
Planejamento dos cuidados de enfermagem
 
Admissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidadeAdmissão do paciente na unidade
Admissão do paciente na unidade
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)Clínica Médica II (parte 1)
Clínica Médica II (parte 1)
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Anotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagemAnotação+de+enfermagem
Anotação+de+enfermagem
 
gerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagemgerenciamento de enfermagem
gerenciamento de enfermagem
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 

Semelhante a Diagnósticos de enfermagem

diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdfdiagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
VictorSamuel64
 
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúdeAula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
LviaResende3
 
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teoricaAULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
HiEster2
 
5260 16704-1-pb
5260 16704-1-pb5260 16704-1-pb
5260 16704-1-pb
ufmaitz
 

Semelhante a Diagnósticos de enfermagem (20)

3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
3a. Aula Planejamento dos Resultados Esperados.pptx
 
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptxDiagnósticos de enfermagem aula.pptx
Diagnósticos de enfermagem aula.pptx
 
TEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptxTEORIAS DE ENF.pptx
TEORIAS DE ENF.pptx
 
Sae
SaeSae
Sae
 
Sae
SaeSae
Sae
 
SAE - CIPE.pdf
SAE - CIPE.pdfSAE - CIPE.pdf
SAE - CIPE.pdf
 
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdfplanejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
planejamentodeenfermagem-230512114338-1c0bb895 (1).pdf
 
Planejamento de Enfermagem.pptx
Planejamento de Enfermagem.pptxPlanejamento de Enfermagem.pptx
Planejamento de Enfermagem.pptx
 
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdfdiagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
diagnsticosdeenfermagem-150430070654-conversion-gate02 (2).pdf
 
Avaliar o impacto
Avaliar o impactoAvaliar o impacto
Avaliar o impacto
 
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasDiagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
 
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdfAULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
AULA PROCESSO DE ENFERMAGEM.pdf
 
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúdeAula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
Aula Processo de Enfermagem na atenção primária a saúde
 
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
Aula sobre Avaliação Nacional das Práticas de Segurança do Paciente - por Den...
 
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
O HOSPITALISTA E A SEGURANÇA DO PACIENTE
 
Avaliacao gestao de riscos.pdf
Avaliacao gestao de riscos.pdfAvaliacao gestao de riscos.pdf
Avaliacao gestao de riscos.pdf
 
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teoricaAULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
AULA Enf Domiciliar Unid_01 (1), aula teorica
 
5260 16704-1-pb
5260 16704-1-pb5260 16704-1-pb
5260 16704-1-pb
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAPMétodo Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
Método Clínico Centrado na Pessoa Registro Clínico – RCOP SOAP - CIAP
 

Mais de resenfe2013

Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
resenfe2013
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
resenfe2013
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
resenfe2013
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
resenfe2013
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
resenfe2013
 

Mais de resenfe2013 (20)

Doenças da Aorta
Doenças da AortaDoenças da Aorta
Doenças da Aorta
 
Crises Hipertensivas
Crises HipertensivasCrises Hipertensivas
Crises Hipertensivas
 
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de VálvulasCirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
Cirurgia de Revascularização do Miocárdio e de Troca de Válvulas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em AdultosNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar em Adultos
 
Hemodiálise
HemodiáliseHemodiálise
Hemodiálise
 
Caso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre ReumáticaCaso clínico Febre Reumática
Caso clínico Febre Reumática
 
Caso clínico Endocardite
Caso clínico EndocarditeCaso clínico Endocardite
Caso clínico Endocardite
 
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial PulmonarCaso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
Caso clínico Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Insuficiência Respiratória
Insuficiência RespiratóriaInsuficiência Respiratória
Insuficiência Respiratória
 
Gasometria Arterial
Gasometria ArterialGasometria Arterial
Gasometria Arterial
 
Hipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial PulmonarHipertensão Arterial Pulmonar
Hipertensão Arterial Pulmonar
 
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia IIExames Diagnósticos em Cardiologia II
Exames Diagnósticos em Cardiologia II
 
Edema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de PulmãoEdema Agudo de Pulmão
Edema Agudo de Pulmão
 
Estimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca ArtificialEstimulação Cardíaca Artificial
Estimulação Cardíaca Artificial
 
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasivaMonitorização Hemodinâmica não invasiva
Monitorização Hemodinâmica não invasiva
 
Coagulação Sanguínea
Coagulação SanguíneaCoagulação Sanguínea
Coagulação Sanguínea
 
Exame Físico Neurologico
Exame Físico NeurologicoExame Físico Neurologico
Exame Físico Neurologico
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar NeopediátricaNovas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
Novas diretrizes de Reanimação Cardiopulmonar Neopediátrica
 
Valvopatias semilunares
Valvopatias semilunaresValvopatias semilunares
Valvopatias semilunares
 

Último

relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 

Último (11)

relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 

Diagnósticos de enfermagem

  • 1. Diagnósticos de Enfermagem Enfª R1 Karyne Kirley Negromonte Gonçalves Pronto Socorro Cardiológico de Pernambuco Profº Luis Tavares da Silva – PROCAPE Programa de Especialização em Cardiologia Modalidade Residência Março/2016
  • 2. Objetivos • Compreender o Processo de Enfermagem baseado nos Diagnósticos de Enfermagem; • Descrever as etapas do Processo de Enfermagem; • Apresentar a classificação dos Diagnósticos de Enfermagem: NANDA e a Classificação Internacional das Práticas de Enfermagem- CIPE.
  • 3. Processo de Enfermagem • Instrumento metodológico de trabalho utilizado para organizar, sistematizar e favorecer o cuidado ao cliente; • Foco principal: atenção aos indivíduos de modo holístico dentro do processo saúde/doença; • Etapas: Investigação, Diagnósticos de Enfermagem, Planejamento dos resultados, Implementação e Avaliação da assistência. (TANNURE, 2010)
  • 4. Primeira etapa: Investigação/ Histórico Validação dos dados Agrupam ento de dados Identifica ção de padrões Registro de dados Coleta de dados Investi gação • Determina o estado de saúde do cliente; • Anamnese e exame físico; • Identifica necessidades, problemas, preocupações. (TANNURE, 2010)
  • 5. • Análise, julgamento, síntese e percepção ao interpretar dados clínicos e levantamento das necessidades do cliente; • Engloba a parte conceitual e estrutural que compreende três componentes: problema de saúde, fatores etiológicos ou relacionados e características definidoras ou grupo de sinais e sintomas; • Identificados e listados em ordem de prioridade com foco central para etapas subsequentes. Segunda etapa: Diagnósticos de Enfermagem (TANNURE, 2010)
  • 6. Sistemas de Classificação de Enfermagem “Agrupar, colocar em um conjunto que apresente características semelhantes. Uma vez agrupados, estes fenômenos podem ser colocados em classes, segundo suas características.” (SOUZA, 2002).
  • 7. • NANDA- North American Nursing Diagnosis Association (1970)  “Julgamento clínico sobre as respostas do indivíduo, da família ou da comunidade, a problemas de saúde, processos vitais reais ou potenciais, que proporciona a base para a seleção das intervenções de Enfermagem para atingir os resultados esperados.”  Conjunto de sinais e sintomas identificados pelo enfermeiro no cliente. (NANDA, 2008)
  • 8. NANDA (2015) • 13 Domínios • 47 Classes • 201 Diagnósticos • 7 Eixos • Tipos de Diagnósticos: Real; De risco; De bem-estar; De síndrome; Provável. (NANDA, 2008)
  • 9. Domínios Domínio 1 Promoção da saúde Domínio 2 Nutrição Domínio 3 Eliminação e troca Domínio 4 Atividade/repouso Domínio 5 Percepção/cognição Domínio 6 Autopercepção Domínio 7 Papéis e relacionamento Domínio 8 Sexualidade Domínio 9 Enfrentamento/tolerância ao estresse Domínio 10 Princípios de vida Domínio 11 Segurança/proteção Domínio 12 Conforto Domínio 13 Crescimento/desenvolvimento
  • 10. Eixos Eixo 1 Conceito diagnóstico Eixo 2 Sujeito do diagnóstico(indivíduo, família, grupo, comunidade) Eixo 3 Julgamento (comprometido, diminuído, atrasado, perturbado, prejudicado, disposição rara) Eixo 4 Localização (partes/regiões do corpo e funções) Eixo 5 Idade (de feto a idoso Eixo 6 Tempo (agudo, crônico, intermitente, contínuo) Eixo 7 Situação do diagnóstico (real, promoção da saúde, risco e bem-estar)
  • 11. Enunciado do DE (NANDA) • 3 componentes estruturais:  Título e definições  Fatores relacionados  Características definidoras “Padrão de sono prejudicado, relacionado a iluminação e ruído, evidenciado por relatos de dificuldade para dormir e capacidade funcional diminuída.” (TANNURE, 2010)
  • 12. CIPE- Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem • Sistema de classificação para padronizar uma linguagem comum que represente a prática de Enfermagem (SILVA et al, 2007). • Classificação de fenômenos, intervenções e resultados a nível da Enfermagem (CIPE, 2000). • DE: composto por conceitos contidos nos eixos da classificação dos fenômenos. (TANNURE, 2010)
  • 13. CIPE- Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem • Versão 2.0 (2009); Eixo 1 Foco Ferida Eixo 2 Julgamento Dependente Eixo 3 Meios Bolsa de colostomia Eixo 4 Ação Encorajar Eixo 5 Tempo Sempre Eixo 6 Localização Tórax Eixo 7 Cliente Indivíduo Composição do DE: Eixo de foco+Eixo de julgamento Dor intensa no precórdio (TANNURE, 2010)
  • 14. CIPE- Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem • Composição das intervenções de Enfermagem: Termo do eixo Ação+ Termo do eixo Alvo D.E: Dor intensa no precórdio I.E.: Administrar analgésico intermitente EV R.E.: Alívio da dor do paciente (TANNURE, 2010)
  • 15. Terceira etapa: Planejamento dos resultados esperados • Estabelecimento de prioridades para os problemas diagnosticados; • Fixação de resultados com o paciente (corrigir, minimizar, evitar problemas); • Plano de ações para se alcançarem resultados em relação a um diagnóstico de Enfermagem. Ser claro e conciso Ser centrado no paciente Estar relacionado ao título diagnóstico Ser alcançável Conter limite de tempo Ser mensurável (TANNURE, 2010)
  • 16. Quarta etapa: Implementação da Assistência (Prescrição de Enfermagem) • Colocar em prática, executar o que antes era uma proposta; • Ações prescritas e necessárias para a obtenção dos resultados esperados; • Prescrições devem ser completas e objetivas; • Diagnóstico de Enfermagem Resultado esperado Prescrição dos cuidados de enfermagem. (TANNURE, 2010)
  • 17. Quinta etapa: Avaliação da Assistência de Enfermagem • Acompanhar as respostas do cliente aos cuidados prescritos e implementados (prontuário); • Avaliação da eficácia da prescrição de enfermagem; • “O paciente progrediu? Apresenta novas necessidades? A prescrição precisa ser revista? Precisa de medidas corretivas? (TANNURE, 2010)
  • 18. “A.M.G., 67 anos, sexo masculino, hipertenso, diabético, tabagista, admitido na UTI coronariana do PROCAPE após cirurgia de revascularização do miocárdio. O mesmo apresentou complicações hemodinâmicas no decorrer do pós-operatório, desenvolvendo extensa úlcera por pressão estágio III em região sacral, com secreção purulenta de odor fétido, sendo renovado diariamente o curativo com hidrogel...”
  • 19. Diagnóstico de Enfermagem: “Integridade da pele prejudicada, relacionada a circulação alterada e imobilização no leito, evidenciada por ferida em região sacral.” Resultado esperado: “O paciente apresentará melhora no aspecto da lesão da região sacral em até 15 dias” Prescrição de Enfermagem: “Realizar mudança de decúbito de 2/2; renovar o curativo diariamente com SF0,9% e curativo de alginato de cálcio, ocluindo-o com gaze e fita hipoalergênica; realizar o registro sobre o aspecto e as dimensões da lesão.”
  • 20. Considerações Finais • O Diagnóstico de Enfermagem é o instrumento profissional, que guia a prática de Enfermagem e fornece autonomia ao enfermeiro; • Oferece subsídios para o cuidado integral e humanizado; • Promove flexibilidade do pensamento independente, melhora a comunicação, previne erros, omissões e repetições desnecessárias.
  • 21. Referências bibliográficas TANNURE, M.C.; PINHEIRO, A.M.; GUANABARA. Sistematização da Assistência de Enfermagem, Guia Prático, 2.ed. 2010. POTTER, P. Fundamentos de Enfermagem. 7. ed. 2009. NANDA. Diagnósticos de Enfermagem da NANDA, NANDA International, Definições e Classificação, 2009; FURUYA, et al. Sistemas de classificação e sua aplicação na assistência: revisão integrativa de literatura, 2011. NÓBREGA, M.M.L.; SILVA, K.L. Fundamentos do cuidar em Enfermagem, 2009.