SlideShare uma empresa Scribd logo
CONCEITO E ORIGEM DA
ANTROPOLOGIA
Prof. Araré de Carvalho Júnior
A Antropologia antes da Antropologia
Uma das maneiras mais proveitosas de se dar
a conhecer uma área do conhecimento é
traçar-lhe a história, mostrando como está foi
variando através dos tempos, como criou
ramificações novas alterando seu tema de
base, ampliando-o.
A Antropologia tem sua história fortemente
ligada as mudanças históricas e as condições
sociais da época de sua criação.
Podemos falar de um pensamento
antropológico antes mesmo da criação do
método antropológico.
Com o início do ciclo das grandes
navegações nos séc. XIV e XV, o contato com
novos povos e culturas suscitaram alguns
questionamentos.
A gênese da reflexão antropológica é
contemporânea à descoberta do Novo Mundo.
O Renascimento explora espaços até então
desconhecidos e começa a elaborar discursos
sobre os habitantes que povoam aqueles espaços.
Nessa época começam a se esboçar as duas
ideologias correntes, mas das quais uma consiste
no simétrico invertido da outra. (o mau e o bom
selvagem)
De certa forma a pergunta fundante do
pensamento antropológico foi feita pelo grande
navegador Marco Polo.
Quando voltou da China, tendo passado pela ¶rota
da seda·, o mercador questionou:
´Como povos tão parecidos (fisicamente
e biologicamente) podem constituir
culturas tão diversas?µ
A busca pela resposta a essa questão vai,
em partes, nortear grande parte do trabalho
antropológico científico, ou seja, entender a
formação cultural dos homens.
Cultura, no sentido antropológico, é o
conjunto de conhecimentos, crenças e
valores de uma sociedade. (Cultura x
Civilização)
Perceberemos que tantotanto oo nascimentonascimento dodo
pensamentopensamento antropológicoantropológico ee dada
antropologiaantropologia comocomo ciênciaciência sãosão
subprodutossubprodutos dodo expansionismoexpansionismo europeueuropeu.
Primeiramente com Portugal e Espanha, e
depois com Inglaterra e França no movimento
neocolonialista.
No primeiro caso espanhóis e portugueses,
confiaram o papel de conhecer e
compreender os povos recém conquistados à
igreja Católica Romana. Os missionários,
principalmente os jesuítas, realizaram
numerosas pesquisas ¶antropológicas·.
No entanto a busca por conhecer esses novos
povos estava atrelada ao desejo de mudá-los
e, na maioria dos casos dominá-los. (O
fardo do homem branco).
Já os britânicos, franceses e holandeses
estavam, contudo, muito menos interessados
na religião que no comércio. Não por acaso
muito dos maiores antropólogos vieram desses
países. (Conhecer para manter)
Tinham pouco interesse em mudar as leis
dos povos que controlavam ou impor-lhes
sua religião, porém desejavam manipular sua
base econômica para a produção comercial.
Os ingleses com supremacia no mar, não tinham
interesse nem capacidade de manter enormes
exércitos nos territórios dominados, e em
função dessa conjuntura os britânicos
desenvolveram a dominação indireta.
Assim os britânicos mantiveram a
administração da justiça local, os chefes e
sacerdotes e permitiram-lhes continuar a
manejar a maioria dos processos onde os
interesses britânicos não estivessem
diretamente em jogo. (Exceções, o Lobola e o
Satí).
Podemos afirmar então que a Antropologia tem
três grandes temas, todos importantes para a
compreensão histórica da disciplina.
A antropologia pragmática (conhecer outros povos
para explorá-los) ² (em partes o Pensamento
Evolucionista - Mau Selvagem).
A antropologia romântica (a que tenta proteger
um determinado povo do contato e absorção por
uma civilização mais predadora) ² (em partes a
Escola Funcionalista - Bom Selvagem).
A Antropologia Científica
E o mais importante e que é foco do nosso curso:
A Antropologia Científica (Funcionalista e
Estruturalista - social e cultural).
Sempre que nos referirmos a Antropologia, ela
se encontra, neste curso, relacionada a
antropologia cultural e social.
Existem outros campos, como a
física/biológica e a lingüística.
No século XIX, o ser humano, passou a ser,
cada vez mais, o foco dos estudos científicos.
Novos campos do saber, especialmente
dedicados ao conhecimento do homem,
começam a surgir como a sociologia, a
psicologia e ANTROPOLOGIA.
Etimologicamente, o termo antropologia
(anthropos, homem; logos, estudo) significa
estudo do homem.
As razões do surgimento de explicações
científicas da natureza humana residem, em
parte, nos problemas que a sociedade
enfrentava, trazidos pela urbanização, pela
industrialização e pela expansão
imperialista européia na Ásia e África.
O avanço dessas novas teorias e métodos é
em parte explicado pela necessidade de um
planejamento social que garantisse o
sucesso da economia industrial e sua
expansão pelo mundo.
Também uma interseção de interesses entre as
classes dominantes européias, em especial o
setor responsável pela administração colonial,
e os cientistas. Assim as pesquisas tinham apoio
financeiro e político das elites européias. (os
primeiros estudos antropológicos foram
financiados pelo governo e burguesia).
Dessa forma a Antropologia e a Sociologia,
definiram de forma bastante satisfatória
seus objetos de estudo, seus objetivos e
métodos.
Enquanto à sociologia cabia o estudo da
sociedade européia em processo de
industrialização, à ANTROPOLOGIA cabia o
estudo dos povos colonizados na África,
Ásia e América.
Dada a definição do papel da Antropologia, ela
acabou desenvolvendo um método mais
empirista e qualitativo, voltado para a
descoberta das particularidades das
sociedades que estudava. (A primeira Escola
de fato antropológica, a Escola Funcionalista)
Boas e Malinowiski
A antropologia como ciência e profissão surgiu no
começo do século XX, tendo como precursores Franz
Boas, nos Estados Unidos, e Bronislaw
Malinowiski, na Inglaterra.
Romperam com a antropologia de gabinete e
desenvolveram os métodos científicos da disciplina.
(até então havia o objeto apenas)
A observação participante foi o primeiro preceito
desenvolvido por Malinowiski.
A experiência antropológica e o Choque
cultural.
O olhar de estranhamento (em relação a sua
cultura).
A idéia de função.
E por último e a principal contribuição: A
negação do etnocentrismo
Etnocentristo, antropocentrismo ou
europocentrismo é: a idéia de que a própria
cultura e crenças de cada um são ´a verdadeµ
ou, pelo menos, a maneira superior de lidar
com o mundo.
A destruição do etnocentrismo e a aceitação da
validade de outras culturas, de outros modos de
vida e crenças, foram ensinamentos dos
fundadores da antropologia. (Relativismo
Cultural)
A antropologia provou que muitas ´leisµ nas
ciências sociais eram em si mesmas
etnocêntricas e eliminou vários preconceitos
inerentes à visão européia do mundo. (Teoria
Racialista e Atraso do hemisfério sul)
Esta talvez tenha sido a maior contribuição
da antropologia às ciências sociais.
Os estudos de Boaz no Alaska e de
Malinowiski em Trobriand teveteve comocomo focofoco
estudarestudar osos povospovos comcom estruturasestruturas políticaspolíticas
relativamenterelativamente simplessimples ee independentes,independentes, tantotanto
quantoquanto possível,possível, dasdas forçasforças econômicaseconômicas ee
políticaspolíticas dosdos impériosimpérios modernosmodernos..
A descoberta da alteridade levou-nos a ver aquilo
que nem teríamos conseguido imaginar, dada a
nossa dificuldade em fixar nossa atenção no que
nos é habitual, familiar, cotidiano, e que
consideramos ´evidenteµ.
Aos poucos, notamos que o menor dos nossos
comportamentos (gestos, mímicas, posturas,
reações afetivas) não tem nada mesmo de
´naturalµ. (A construção simbólica da identidade).
Também as sociedades mais diferentes da
nossa, que consideramos espontaneamente
como diferenciadas, são na realidade tão
diferentes entre si quanto o são da nossa.
Amplitude em tempos de
especialização
Como se desenvolveu uma disciplina de âmbito
tão amplo, diante da especialização crescente do
conhecimento nesta época moderna?
Foi justamente pelo fato da antropologia começar
como o estudo de povos sem uma tradição
escrita, este fato obrigou os antropólogos a
tentarem entender a língua, a economia, a
religião, a mitologia e as leis de um povo como
partes de um todo e não como fragmento.
(conceito de ¶homem inteiro·).
Ainda persiste na antropologia a tradição de
pesquisa em sociedades simples, porém com a
crença de que estudando tais sociedades,
poderão ter uma melhor compreensão das
sociedades mais complexas. Também estuda-se
dentro das sociedades industriais a formação
das identidades, societais, grupais, e de
¶tribos·, ou seja, a antropologia tenta
compreender as diferentes formas de vida em
sociedade.
No entanto há sempre um ´outroµ que
é tomado como objeto da investigação
antropológica.
Investigação esta que reforçam a
capacidade que a Antropologia tem de
decodificar o relacionamento entre as
pessoas, a cultura, os bens simbólicos,
as idéias e etc.
Dificuldades
A primeira se manifesta ao nível das palavras:
Etnologia ou Antropologia? (etnografia,
coleta direta dos dados, etiologia é análise
dos materiais colhidos, fazer aparecer a
lógica específica da sociedade que se estuda
e antropologia seria construir modelos que
permitam comparar as sociedades entre si)
A segundo dificuldade: Estaria o homem em
condições de estudar cientificamente outro
homem, isto é, um objeto que é de mesma natureza
que o sujeito? (Neutralidade ou Objetividade).
A terceira vem da relação ambígua entre
antropologia e história. Inicialmente estreitamente
vinculadas nos séculos XVIII e XIX, as duas práticas
vão rapidamente se emancipar uma da outra no
século XX, procurando se reencontrar
periodicamente. (Gilberto Freire e Sérgio Buarque).
Uma outra dificuldade é a oscilação entre a
pesquisa e a antropologia aplicada.
Durkheim considerava que a sociologia não
valeria sequer uma hora de dedicação se ela
não pudesse ser útil, e muitos antropólogos
compartilham sua opinião.
Considerações finais
A curso caminha em espiral, as preocupações
que estão no centro de qualquer debate
antropológico e que acabamos de expor serão
retomadas de diversos pontos de vista.
Apresentamos aqui quais foram as principais
etapas da constituição da nossa disciplina e
como, através da história da antropologia, foram
se colocando progressivamente as questões que
continuam nos interessando até hoje.
Veremos também que existem perspectivas
complementares, mas também mutuamente
exclusivas, entre as quais é preciso escolher.
Em vez de pretender adotar uma neutralidade,
que nas ciências sociais é um engodo, nos
esforçaremos para apresentar objetivamente os
pensamentos mais diversos possíveis, sem no
entanto dissimular nossas próprias opções.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ETICA
ETICAETICA
Minorias Sociais
Minorias SociaisMinorias Sociais
Minorias Sociais
Paulo Alexandre
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
Aldenei Barros
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
Silvio Mmax
 
A cultura e a sociedade
A cultura e a sociedadeA cultura e a sociedade
A cultura e a sociedade
Danusy Déia
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Uniceuma
 
CULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADECULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADE
Alexandre Ramos
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
roberto mosca junior
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
Over Lane
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
Jeane Santos
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
Colégio Basic e Colégio Imperatrice
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
Colégio Nova Geração COC
 
A natureza humana.
A natureza humana. A natureza humana.
A natureza humana.
Douglas Gregorio
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
Israel serique
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Celso Firmino Sociologia/Filosofia
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
Paula Tomaz
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
Over Lane
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Carmem Rocha
 

Mais procurados (20)

ETICA
ETICAETICA
ETICA
 
Minorias Sociais
Minorias SociaisMinorias Sociais
Minorias Sociais
 
O que é antropologia
O que é antropologiaO que é antropologia
O que é antropologia
 
apresentação sobre ética
apresentação sobre ética apresentação sobre ética
apresentação sobre ética
 
A cultura e a sociedade
A cultura e a sociedadeA cultura e a sociedade
A cultura e a sociedade
 
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOSAntropologia CONCEITOS BÁSICOS
Antropologia CONCEITOS BÁSICOS
 
CULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADECULTURA E SOCIEDADE
CULTURA E SOCIEDADE
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Etnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismoEtnocentrismo e relativismo
Etnocentrismo e relativismo
 
Slide sociologia 1
Slide sociologia 1Slide sociologia 1
Slide sociologia 1
 
Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho Sociologia - O que é o trabalho
Sociologia - O que é o trabalho
 
história da sociologia
   história da sociologia   história da sociologia
história da sociologia
 
Etnocentrismo
EtnocentrismoEtnocentrismo
Etnocentrismo
 
O conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologiaO conceito de homem na antropologia
O conceito de homem na antropologia
 
A natureza humana.
A natureza humana. A natureza humana.
A natureza humana.
 
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
1 Resumo: cultura, um conceito antropológico (LARAIA)
 
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowskiAntropologia e cultura tylor boas e malinowski
Antropologia e cultura tylor boas e malinowski
 
Diversidade cultural
Diversidade culturalDiversidade cultural
Diversidade cultural
 
Moral e ética
Moral e éticaMoral e ética
Moral e ética
 
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii   aula 1 - Cultura e SociedadeSociologia ii   aula 1 - Cultura e Sociedade
Sociologia ii aula 1 - Cultura e Sociedade
 

Destaque

Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
Alison Nunes
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
Gilmar Rodrigues
 
Conceitos básicos de sociologia.filé
Conceitos básicos de sociologia.filéConceitos básicos de sociologia.filé
Conceitos básicos de sociologia.filé
Fabio Salvari
 
Sociologia - Relações Sociais
Sociologia - Relações SociaisSociologia - Relações Sociais
Sociologia - Relações Sociais
Paulo Alexandre
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
Flávia De Mattos Motta
 
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOSSOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
Uniceuma
 

Destaque (6)

Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Conceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologiaConceitos básicos de sociologia
Conceitos básicos de sociologia
 
Conceitos básicos de sociologia.filé
Conceitos básicos de sociologia.filéConceitos básicos de sociologia.filé
Conceitos básicos de sociologia.filé
 
Sociologia - Relações Sociais
Sociologia - Relações SociaisSociologia - Relações Sociais
Sociologia - Relações Sociais
 
Antropologia introdução
Antropologia introduçãoAntropologia introdução
Antropologia introdução
 
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOSSOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
SOCIOLOGIA CONCEITOS BASICOS
 

Semelhante a Conceito e origem da antropologia

FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
Jordano Santos Cerqueira
 
introdução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptxintrodução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptx
JessiellyGuimares
 
Antropologia artigo
Antropologia artigoAntropologia artigo
Antropologia artigo
julilp10
 
Fainte Antropologia.pdf
Fainte Antropologia.pdfFainte Antropologia.pdf
Fainte Antropologia.pdf
AlbertoB10
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
Geani Pedrosa
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).ppt
TlioLucena5
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
danielaleite59
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
Joao Balbi
 
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da AlimentaçãoSlide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
SilviaSales6
 
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
firminomaissociologiafilosofia2019
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Bernardo Ferreira
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
Bernardo Ferreira
 
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptxModulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
GuidoEduardoAntnio
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
Ricardo Albert
 
Texto de apoio de antropologia cultural
Texto de apoio  de antropologia culturalTexto de apoio  de antropologia cultural
Texto de apoio de antropologia cultural
marcelestevao
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
Andreia Regina Moura Mendes
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
Joao Balbi
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
Joao Balbi
 
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdfSlides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Natan Baptista
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
Salomao Lucio Dos Santos
 

Semelhante a Conceito e origem da antropologia (20)

FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
FACELI - DIREITO - 2° período - Curso de Homem, cultura e sociedade - 02
 
introdução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptxintrodução a antropologia, histórico.pptx
introdução a antropologia, histórico.pptx
 
Antropologia artigo
Antropologia artigoAntropologia artigo
Antropologia artigo
 
Fainte Antropologia.pdf
Fainte Antropologia.pdfFainte Antropologia.pdf
Fainte Antropologia.pdf
 
Cempi – aula antropologia cultural 1
Cempi – aula antropologia cultural  1Cempi – aula antropologia cultural  1
Cempi – aula antropologia cultural 1
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).ppt
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
 
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da AlimentaçãoSlide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
Slide de Antropologia - Antropologia da Alimentação
 
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
ANTROPOLOGIA: CIÊNCIA DA ALTERIDADE.
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptxModulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
Modulo de Antropologia em Apresentacao.pptx
 
Apostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticosApostila estudos antropológicos e políticos
Apostila estudos antropológicos e políticos
 
Texto de apoio de antropologia cultural
Texto de apoio  de antropologia culturalTexto de apoio  de antropologia cultural
Texto de apoio de antropologia cultural
 
Aprender antropologia
Aprender antropologiaAprender antropologia
Aprender antropologia
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
 
Cap 1 introdução
Cap 1 introduçãoCap 1 introdução
Cap 1 introdução
 
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdfSlides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
Slides - Aula 01 - O surgimento da Antropologia e as suas escolas.pdf
 
Antropologia e cultura
Antropologia e culturaAntropologia e cultura
Antropologia e cultura
 

Mais de Arare Carvalho Júnior

Luta de classes no brasil
Luta de classes no brasilLuta de classes no brasil
Luta de classes no brasil
Arare Carvalho Júnior
 
Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?
Arare Carvalho Júnior
 
Masculinidades
MasculinidadesMasculinidades
Masculinidades
Arare Carvalho Júnior
 
Ética e Cidadania
Ética e Cidadania Ética e Cidadania
Ética e Cidadania
Arare Carvalho Júnior
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Burocracia em Max Weber
Burocracia em Max WeberBurocracia em Max Weber
Burocracia em Max Weber
Arare Carvalho Júnior
 
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Arare Carvalho Júnior
 
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
Arare Carvalho Júnior
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
Arare Carvalho Júnior
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Arare Carvalho Júnior
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Arare Carvalho Júnior
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticas
Arare Carvalho Júnior
 
Sociologia do poder
Sociologia do poder Sociologia do poder
Sociologia do poder
Arare Carvalho Júnior
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
Arare Carvalho Júnior
 
O Problema de Pesquisa
O Problema de PesquisaO Problema de Pesquisa
O Problema de Pesquisa
Arare Carvalho Júnior
 
Metodologia de Pesquisa
Metodologia de PesquisaMetodologia de Pesquisa
Metodologia de Pesquisa
Arare Carvalho Júnior
 
Construção de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaConstrução de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de Pesquisa
Arare Carvalho Júnior
 
Ciência e experiência
Ciência e experiênciaCiência e experiência
Ciência e experiência
Arare Carvalho Júnior
 
A metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociaisA metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociais
Arare Carvalho Júnior
 
Como se faz uma tese
Como se faz uma teseComo se faz uma tese
Como se faz uma tese
Arare Carvalho Júnior
 

Mais de Arare Carvalho Júnior (20)

Luta de classes no brasil
Luta de classes no brasilLuta de classes no brasil
Luta de classes no brasil
 
Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?Escola sem partido ou escola do partido único?
Escola sem partido ou escola do partido único?
 
Masculinidades
MasculinidadesMasculinidades
Masculinidades
 
Ética e Cidadania
Ética e Cidadania Ética e Cidadania
Ética e Cidadania
 
Cidadania
CidadaniaCidadania
Cidadania
 
Burocracia em Max Weber
Burocracia em Max WeberBurocracia em Max Weber
Burocracia em Max Weber
 
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr. Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
Capítulo - A notícia Como Mercadoria - Araré de Carvalho Jr.
 
Metodo em Marx
Metodo em MarxMetodo em Marx
Metodo em Marx
 
Formação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasilFormação da questão social no brasil
Formação da questão social no brasil
 
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúdeAvaliação e monitoramento de serviços de saúde
Avaliação e monitoramento de serviços de saúde
 
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência socialAvaliação e monitoramento da política de assistência social
Avaliação e monitoramento da política de assistência social
 
Violência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticasViolência simbólica e lutas políticas
Violência simbólica e lutas políticas
 
Sociologia do poder
Sociologia do poder Sociologia do poder
Sociologia do poder
 
Elementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturaçãoElementos da teoria da estruturação
Elementos da teoria da estruturação
 
O Problema de Pesquisa
O Problema de PesquisaO Problema de Pesquisa
O Problema de Pesquisa
 
Metodologia de Pesquisa
Metodologia de PesquisaMetodologia de Pesquisa
Metodologia de Pesquisa
 
Construção de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de PesquisaConstrução de um Projeto de Pesquisa
Construção de um Projeto de Pesquisa
 
Ciência e experiência
Ciência e experiênciaCiência e experiência
Ciência e experiência
 
A metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociaisA metodologia nas ciências sociais
A metodologia nas ciências sociais
 
Como se faz uma tese
Como se faz uma teseComo se faz uma tese
Como se faz uma tese
 

Último

Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Pastor Robson Colaço
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
ConservoConstrues
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
geiseortiz1
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
y6zh7bvphf
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
AlessandraRibas7
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
ARIADNEMARTINSDACRUZ
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
HelenStefany
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
MARCELARUBIAGAVA
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
KarollayneRodriguesV1
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Centro Jacques Delors
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
AdrianoMontagna1
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
Ailton Barcelos
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
Deiciane Chaves
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Militao Ricardo
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
CarlosJean21
 

Último (20)

Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdfNorma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
Norma de Gênero - Mulheres Heterossexuais, Homossexuais e Bissexuais.pdf
 
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptxDEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
DEUS CURA TODAS AS FERIDAS ESCONDIDAS DA NOSSA.pptx
 
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptxO século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
O século XVII e o nascimento da pedagogia.pptx
 
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
SLIDE LIÇÃO 10 - DESENVOLVENDO UMA CONSCIÊNCIA DE SANTIDADE - TEXTO ÁUREO...
 
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, Betel, Ordenança para amar o próximo, 2Tr24.pptx
 
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidadeAula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
Aula de filosofia sobre Sexo, Gênero e sexualidade
 
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇOPALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
PALAVRA SECRETA - ALFABETIZAÇÃO- REFORÇO
 
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf eplanejamento maternal 2 atualizado.pdf e
planejamento maternal 2 atualizado.pdf e
 
Atividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docxAtividade Bio evolução e especiação .docx
Atividade Bio evolução e especiação .docx
 
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogiaAVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período  pedagogia
AVALIAÇÃO PRESENCIAL 8º período pedagogia
 
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
Infografia | Resultados das Eleições Europeias 2024-2029
 
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
3ª série HIS - PROVA PAULISTA DIA 1 - 1º BIM-24.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
2009_Apresentação-ufscar- TCC - AILTON.ppt
 
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptxCLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
CLASSIFICAÇÃO DAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS 9º ANO.pptx
 
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
Podcast: como preparar e produzir um programa radiofônico e distribuir na int...
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasnTabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
Tabela Funções Orgânicas.pdfnsknsknksnksn nkasn
 

Conceito e origem da antropologia

  • 1. CONCEITO E ORIGEM DA ANTROPOLOGIA Prof. Araré de Carvalho Júnior
  • 2. A Antropologia antes da Antropologia Uma das maneiras mais proveitosas de se dar a conhecer uma área do conhecimento é traçar-lhe a história, mostrando como está foi variando através dos tempos, como criou ramificações novas alterando seu tema de base, ampliando-o. A Antropologia tem sua história fortemente ligada as mudanças históricas e as condições sociais da época de sua criação.
  • 3. Podemos falar de um pensamento antropológico antes mesmo da criação do método antropológico. Com o início do ciclo das grandes navegações nos séc. XIV e XV, o contato com novos povos e culturas suscitaram alguns questionamentos.
  • 4. A gênese da reflexão antropológica é contemporânea à descoberta do Novo Mundo. O Renascimento explora espaços até então desconhecidos e começa a elaborar discursos sobre os habitantes que povoam aqueles espaços. Nessa época começam a se esboçar as duas ideologias correntes, mas das quais uma consiste no simétrico invertido da outra. (o mau e o bom selvagem)
  • 5. De certa forma a pergunta fundante do pensamento antropológico foi feita pelo grande navegador Marco Polo. Quando voltou da China, tendo passado pela ¶rota da seda·, o mercador questionou: ´Como povos tão parecidos (fisicamente e biologicamente) podem constituir culturas tão diversas?µ
  • 6. A busca pela resposta a essa questão vai, em partes, nortear grande parte do trabalho antropológico científico, ou seja, entender a formação cultural dos homens. Cultura, no sentido antropológico, é o conjunto de conhecimentos, crenças e valores de uma sociedade. (Cultura x Civilização)
  • 7. Perceberemos que tantotanto oo nascimentonascimento dodo pensamentopensamento antropológicoantropológico ee dada antropologiaantropologia comocomo ciênciaciência sãosão subprodutossubprodutos dodo expansionismoexpansionismo europeueuropeu. Primeiramente com Portugal e Espanha, e depois com Inglaterra e França no movimento neocolonialista.
  • 8. No primeiro caso espanhóis e portugueses, confiaram o papel de conhecer e compreender os povos recém conquistados à igreja Católica Romana. Os missionários, principalmente os jesuítas, realizaram numerosas pesquisas ¶antropológicas·. No entanto a busca por conhecer esses novos povos estava atrelada ao desejo de mudá-los e, na maioria dos casos dominá-los. (O fardo do homem branco).
  • 9. Já os britânicos, franceses e holandeses estavam, contudo, muito menos interessados na religião que no comércio. Não por acaso muito dos maiores antropólogos vieram desses países. (Conhecer para manter) Tinham pouco interesse em mudar as leis dos povos que controlavam ou impor-lhes sua religião, porém desejavam manipular sua base econômica para a produção comercial.
  • 10. Os ingleses com supremacia no mar, não tinham interesse nem capacidade de manter enormes exércitos nos territórios dominados, e em função dessa conjuntura os britânicos desenvolveram a dominação indireta.
  • 11. Assim os britânicos mantiveram a administração da justiça local, os chefes e sacerdotes e permitiram-lhes continuar a manejar a maioria dos processos onde os interesses britânicos não estivessem diretamente em jogo. (Exceções, o Lobola e o Satí).
  • 12. Podemos afirmar então que a Antropologia tem três grandes temas, todos importantes para a compreensão histórica da disciplina. A antropologia pragmática (conhecer outros povos para explorá-los) ² (em partes o Pensamento Evolucionista - Mau Selvagem). A antropologia romântica (a que tenta proteger um determinado povo do contato e absorção por uma civilização mais predadora) ² (em partes a Escola Funcionalista - Bom Selvagem).
  • 13. A Antropologia Científica E o mais importante e que é foco do nosso curso: A Antropologia Científica (Funcionalista e Estruturalista - social e cultural). Sempre que nos referirmos a Antropologia, ela se encontra, neste curso, relacionada a antropologia cultural e social. Existem outros campos, como a física/biológica e a lingüística.
  • 14. No século XIX, o ser humano, passou a ser, cada vez mais, o foco dos estudos científicos. Novos campos do saber, especialmente dedicados ao conhecimento do homem, começam a surgir como a sociologia, a psicologia e ANTROPOLOGIA. Etimologicamente, o termo antropologia (anthropos, homem; logos, estudo) significa estudo do homem.
  • 15. As razões do surgimento de explicações científicas da natureza humana residem, em parte, nos problemas que a sociedade enfrentava, trazidos pela urbanização, pela industrialização e pela expansão imperialista européia na Ásia e África.
  • 16. O avanço dessas novas teorias e métodos é em parte explicado pela necessidade de um planejamento social que garantisse o sucesso da economia industrial e sua expansão pelo mundo.
  • 17. Também uma interseção de interesses entre as classes dominantes européias, em especial o setor responsável pela administração colonial, e os cientistas. Assim as pesquisas tinham apoio financeiro e político das elites européias. (os primeiros estudos antropológicos foram financiados pelo governo e burguesia).
  • 18. Dessa forma a Antropologia e a Sociologia, definiram de forma bastante satisfatória seus objetos de estudo, seus objetivos e métodos. Enquanto à sociologia cabia o estudo da sociedade européia em processo de industrialização, à ANTROPOLOGIA cabia o estudo dos povos colonizados na África, Ásia e América.
  • 19. Dada a definição do papel da Antropologia, ela acabou desenvolvendo um método mais empirista e qualitativo, voltado para a descoberta das particularidades das sociedades que estudava. (A primeira Escola de fato antropológica, a Escola Funcionalista)
  • 20. Boas e Malinowiski A antropologia como ciência e profissão surgiu no começo do século XX, tendo como precursores Franz Boas, nos Estados Unidos, e Bronislaw Malinowiski, na Inglaterra. Romperam com a antropologia de gabinete e desenvolveram os métodos científicos da disciplina. (até então havia o objeto apenas) A observação participante foi o primeiro preceito desenvolvido por Malinowiski.
  • 21. A experiência antropológica e o Choque cultural. O olhar de estranhamento (em relação a sua cultura). A idéia de função. E por último e a principal contribuição: A negação do etnocentrismo
  • 22. Etnocentristo, antropocentrismo ou europocentrismo é: a idéia de que a própria cultura e crenças de cada um são ´a verdadeµ ou, pelo menos, a maneira superior de lidar com o mundo. A destruição do etnocentrismo e a aceitação da validade de outras culturas, de outros modos de vida e crenças, foram ensinamentos dos fundadores da antropologia. (Relativismo Cultural)
  • 23. A antropologia provou que muitas ´leisµ nas ciências sociais eram em si mesmas etnocêntricas e eliminou vários preconceitos inerentes à visão européia do mundo. (Teoria Racialista e Atraso do hemisfério sul) Esta talvez tenha sido a maior contribuição da antropologia às ciências sociais.
  • 24. Os estudos de Boaz no Alaska e de Malinowiski em Trobriand teveteve comocomo focofoco estudarestudar osos povospovos comcom estruturasestruturas políticaspolíticas relativamenterelativamente simplessimples ee independentes,independentes, tantotanto quantoquanto possível,possível, dasdas forçasforças econômicaseconômicas ee políticaspolíticas dosdos impériosimpérios modernosmodernos..
  • 25. A descoberta da alteridade levou-nos a ver aquilo que nem teríamos conseguido imaginar, dada a nossa dificuldade em fixar nossa atenção no que nos é habitual, familiar, cotidiano, e que consideramos ´evidenteµ. Aos poucos, notamos que o menor dos nossos comportamentos (gestos, mímicas, posturas, reações afetivas) não tem nada mesmo de ´naturalµ. (A construção simbólica da identidade).
  • 26. Também as sociedades mais diferentes da nossa, que consideramos espontaneamente como diferenciadas, são na realidade tão diferentes entre si quanto o são da nossa.
  • 27. Amplitude em tempos de especialização Como se desenvolveu uma disciplina de âmbito tão amplo, diante da especialização crescente do conhecimento nesta época moderna? Foi justamente pelo fato da antropologia começar como o estudo de povos sem uma tradição escrita, este fato obrigou os antropólogos a tentarem entender a língua, a economia, a religião, a mitologia e as leis de um povo como partes de um todo e não como fragmento. (conceito de ¶homem inteiro·).
  • 28. Ainda persiste na antropologia a tradição de pesquisa em sociedades simples, porém com a crença de que estudando tais sociedades, poderão ter uma melhor compreensão das sociedades mais complexas. Também estuda-se dentro das sociedades industriais a formação das identidades, societais, grupais, e de ¶tribos·, ou seja, a antropologia tenta compreender as diferentes formas de vida em sociedade.
  • 29. No entanto há sempre um ´outroµ que é tomado como objeto da investigação antropológica. Investigação esta que reforçam a capacidade que a Antropologia tem de decodificar o relacionamento entre as pessoas, a cultura, os bens simbólicos, as idéias e etc.
  • 30. Dificuldades A primeira se manifesta ao nível das palavras: Etnologia ou Antropologia? (etnografia, coleta direta dos dados, etiologia é análise dos materiais colhidos, fazer aparecer a lógica específica da sociedade que se estuda e antropologia seria construir modelos que permitam comparar as sociedades entre si)
  • 31. A segundo dificuldade: Estaria o homem em condições de estudar cientificamente outro homem, isto é, um objeto que é de mesma natureza que o sujeito? (Neutralidade ou Objetividade). A terceira vem da relação ambígua entre antropologia e história. Inicialmente estreitamente vinculadas nos séculos XVIII e XIX, as duas práticas vão rapidamente se emancipar uma da outra no século XX, procurando se reencontrar periodicamente. (Gilberto Freire e Sérgio Buarque).
  • 32. Uma outra dificuldade é a oscilação entre a pesquisa e a antropologia aplicada. Durkheim considerava que a sociologia não valeria sequer uma hora de dedicação se ela não pudesse ser útil, e muitos antropólogos compartilham sua opinião.
  • 33. Considerações finais A curso caminha em espiral, as preocupações que estão no centro de qualquer debate antropológico e que acabamos de expor serão retomadas de diversos pontos de vista. Apresentamos aqui quais foram as principais etapas da constituição da nossa disciplina e como, através da história da antropologia, foram se colocando progressivamente as questões que continuam nos interessando até hoje.
  • 34. Veremos também que existem perspectivas complementares, mas também mutuamente exclusivas, entre as quais é preciso escolher. Em vez de pretender adotar uma neutralidade, que nas ciências sociais é um engodo, nos esforçaremos para apresentar objetivamente os pensamentos mais diversos possíveis, sem no entanto dissimular nossas próprias opções.