SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Vigilância
Epidemiológica
Enfª.:Gladyanny Veras
O que é?
 EPI Sobre
 DEMÓS povo
 LOGOS estudo
 Estudo dos fatores que determinam a
frequência e a distribuição das doenças na
coletividade humana
O que é?
 É um serviço que reúne um conjunto de ações que
permite acompanhar a evolução das doenças na
população.
 Se, por exemplo, for detectado o aparecimento de
muitos casos de sífilis congênita em uma
maternidade localizada na área X, tal fato indica
ser necessário que os gestores realizem maiores
investimentos em assistência pré-natal naquela
área, visando controlar a incidência de casos.
Função da Vigilância
Epidemiológica
A operacionalização da vigilância
epidemiológica compreende um ciclo de
funções específicas e intercomplementares,
desenvolvidas de modo contínuo, permitindo
conhecer, a cada momento, o comportamento
da doença ou agravo selecionado como alvo
das ações, de forma que as medidas de
intervenção pertinentes possam ser
desencadeadas com oportunidade
A vigilância epidemiológica deve fornecer
orientação técnica permanente para os
profissionais de saúde que têm a
responsabilidade de decidir sobre a execução
de ações de controle de doenças e agravos,
tornando disponíveis, para esse fim,
informações atualizadas sobre a ocorrência
dessas doenças e agravos, bem como dos
fatores que a condicionam, numa área
geográfica ou população definida.
São funções da vigilância epidemiológica:
 Coleta de dados: consiste em buscar junto
às fontes de dados as informações
relevantes que possam colaborar na
identificação de situações de risco.
 processamento dos dados: significa reunir
todos os dados coletados e agrupá-los de
acordo com seu grau de importância e
relevância. As informações são organizadas
em gráficos, quadros e tabelas, separados
por período, localização
 análise dos dados: busca interpretar as
informações coletadas, procurando estabelecer
as relações causais. Sua realização permite que
os responsáveis pela vigilância epidemiológica
relacionem os determinantes de doenças e
agravos.
 recomendação de medidas de controle e
prevenção: aponta que precauções podem ser
recomendadas no controle e prevenção da
ocorrência da doença.
 promoção das ações de controle e prevenção:
consiste em planejar e executar ações como
vacinações, tratamento dos doentes, controle do
ambiente, divulgação de informações sobre
precauções para transmissão de doenças;
 avaliação da eficácia das medidas – é a análise
dos resultados das ações, visando identificar se
as metas propostas foram alcançadas.
 divulgação das informações: objetiva mostrar os
resultados alcançados de forma simples e clara,
Fontes notificadoras
 Os ambulatórios, unidades básicas de saúde e
hospitais, cartórios, policlínicas, UPA’s,
representam importantes fontes de informação
para a realização da vigilância epidemiológica,
em virtude de prestarem assistência direta à
maioria da população.
 fontes e documentos como boletins de produção
ambulatorial, atestados de óbito, declarações de
nascidos vivos, prontuários dos clientes ou
autorizações para internação hospitalar, por
exemplo.
Sistemas de Informação
 SIM- Sistema de Informação Sobre Mortalidade
 Presta Informações sobre as mortes ocorridas
no País;
 Ajuda a definir por exemplo coeficiente de
mortalidade infantil;
 Instrumento de trabalho é a Declaração de
Óbito.
Grupos prioritários
 Mulher no período grávidico, puérperio e 1
ano pós parto
 Crianças <1 ano
 Mortes violentas que não tenham ido para
IML ou SVO
 Mortes sem causa morte na DO
 SINASC- Sistema de Informação sobre
Nascidos Vivos
 Presta informações sobre nascimento
registrados;
 Ajuda a definir por exemplo coeficiente de
mortalidade infantil;
 Instrumento de trabalho é a Declaração de
Nascido Vivo.
Sistemas de Informação
Sistemas de informação
 Sistema de Informações Hospitalares
(SIH) – reúne informações sobre a
assistência prestada pelos hospitais. É
alimentado principalmente pelos dados
contidos nas autorizações de internações
hospitalares e pelos relatos contidos nos
prontuários dos pacientes.
Sistemas de Informação
 Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) –
reúne as informações obtidas com os
atendimentos ambulatoriais, seja em unidades
básicas de saúde, seja em hospitais.
 Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional
(SISVAN)- permite conhecer o perfil das
condições nutricionais. As informações
disponíveis possibilitam constatar a ocorrência de
desnutrição e sua distribuição, permitindo, assim,
a determinação de medidas que controlem e
previnam sua ocorrência.
Sistemas de Informação
 Sistema de Informações sobre Ações
Básicas (SIAB) – esse sistema destina-se a
reunir informações acerca das atividades
desempenhadas em nível de atenção
básica. É utilizado para medir o impacto das
ações básicas
 Este sistema é alimentado,
principalmente, pela notificação e
investigação de casos de doenças e
agravos que constam da lista nacional de
doenças de notificação compulsória, mas
é facultado a estados e municípios incluir
outros problemas de saúde importantes
em sua região.
Identificação de casos novos
 a investigação epidemiológica – processo que
permite acompanhar a ocorrência de uma doença
ou agravo nos indivíduos, operacionalizada
mediante um inquérito epidemiológico, ou seja,
pelo preenchimento de ficha de investigação.
 A investigação epidemiológica deve ocorrer
sempre que for notificado um caso suspeito de
alguma doença.
Investigação Epidemiológica
 busca de casos e visita domiciliar
 apoio a procedimentos diagnósticos
 Por sua vez, as medidas de precaução em relação
à transmissão de doenças podem incluir:
 vacinação de bloqueio
 quimioprofilaxia
Repasse das Informações
 Semanal
 Paralisia Flácida Aguda (PFA);
 Tétano Neonatal;
 Doenças Exantemáticas;
 Doenças Diarréica;
 Conjuntivite.
 Busca Ativa de Sarampo e Rubéola.
 Mensal:
 Doenças Transmitidas por Alimentos
(DTA);
 Raiva Humana.
Repasse das Informações
Medidas de controle e prevenção
em vigilância epidemiológica
 O nível central (Governo Federal/Ministério da
Saúde) é o grande responsável pela determinação
e regulamentação nacional das ações de vigilância
epidemiológica. Nele, as ações são discutidas
para, somente após, serem recomendadas a todos
os estados da Federação.
 Ao plano regional, correspondente aos estados da
Federação (Secretarias de Estado de Saúde), cabe
coordenar as ações de vigilância desenvolvidas
pelos municípios, procurando estabelecer
prioridades de acordo com as informações obtidas,
prestando consultoria.
 Ao nível local, traduzido na figura do município
(Secretarias Municipais de Saúde) e sua região
administrativa (Distritos Sanitários), cabe executar
as práticas de vigilância, desenvolvendo as ações
mais diretamente relacionadas aos indivíduos
vigilância epidemiológica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
jurunet
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
kellyschorro18
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
profsempre
 
Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica
Ivson Cassiano
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Mario Gandra
 

Mais procurados (20)

Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
 
Aula 1 politicas de saude no brasil
Aula 1   politicas de saude no brasilAula 1   politicas de saude no brasil
Aula 1 politicas de saude no brasil
 
Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1Saúde Pública aula 1
Saúde Pública aula 1
 
Vigilância em saúde
Vigilância em saúdeVigilância em saúde
Vigilância em saúde
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e DoençaAula 01 - O Processo Saúde e Doença
Aula 01 - O Processo Saúde e Doença
 
Aula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologiaAula 1 de epidemiologia
Aula 1 de epidemiologia
 
Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica Investigação epidemiológica
Investigação epidemiológica
 
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aéreaSaúde Coletiva - Aula 6   epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
Saúde Coletiva - Aula 6 epidemiologia das doenças transmitidas por via aérea
 
Epidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveisEpidemiologia das doenças transmissíveis
Epidemiologia das doenças transmissíveis
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Indicadores de Saúde
Indicadores de SaúdeIndicadores de Saúde
Indicadores de Saúde
 
Lei nº 8.142
Lei nº 8.142Lei nº 8.142
Lei nº 8.142
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Sinan- Sistema de Notificações e agravos
Sinan- Sistema de Notificações e agravosSinan- Sistema de Notificações e agravos
Sinan- Sistema de Notificações e agravos
 
Epidemiologia básica 1
Epidemiologia básica 1Epidemiologia básica 1
Epidemiologia básica 1
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Sp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psfSp4 hupe-psf
Sp4 hupe-psf
 
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadjaPrograma nacional de imunizacao pni-aula-nadja
Programa nacional de imunizacao pni-aula-nadja
 
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da MulherPrograma nacional de atenção integral à saúde da Mulher
Programa nacional de atenção integral à saúde da Mulher
 

Destaque

Vigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico alunoVigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico aluno
Inapex
 
10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
danilo oliveira
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
Cleilson Nobre
 

Destaque (20)

Aula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância EpidemiológicaAula Vigilância Epidemiológica
Aula Vigilância Epidemiológica
 
Vigilância Epidemiológica
Vigilância EpidemiológicaVigilância Epidemiológica
Vigilância Epidemiológica
 
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
Vigilância Epidemiológica e o Uso da Epidemiologia
 
Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01Vigilancia Epidemiologica parte01
Vigilancia Epidemiologica parte01
 
Vigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico alunoVigilância epidemiológico aluno
Vigilância epidemiológico aluno
 
10 doenças de notificação compulsória
10  doenças de notificação compulsória10  doenças de notificação compulsória
10 doenças de notificação compulsória
 
Vigilancia Epidemiológica
Vigilancia EpidemiológicaVigilancia Epidemiológica
Vigilancia Epidemiológica
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Vigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológicaVigilância epidemiológica
Vigilância epidemiológica
 
Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02Vigilancia Epidemiologica - parte02
Vigilancia Epidemiologica - parte02
 
1 epidemiologia saude
1   epidemiologia saude1   epidemiologia saude
1 epidemiologia saude
 
Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016Técnicas de administração de vacinas 2016
Técnicas de administração de vacinas 2016
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
 
Sivigila
Sivigila Sivigila
Sivigila
 
Reprodução 5medidas promotoras da saúde
Reprodução 5medidas promotoras da saúdeReprodução 5medidas promotoras da saúde
Reprodução 5medidas promotoras da saúde
 
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveisMetas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
Metas globais, regionais e nacionais doenças crônicas não transmissíveis
 
Manual rede de_frio_-_2007
Manual rede de_frio_-_2007Manual rede de_frio_-_2007
Manual rede de_frio_-_2007
 
Manual padroes visuais_samu
Manual padroes visuais_samuManual padroes visuais_samu
Manual padroes visuais_samu
 
Pp sobre imunização 2
Pp sobre imunização 2Pp sobre imunização 2
Pp sobre imunização 2
 
O álcool e a saúde
O álcool e a saúdeO álcool e a saúde
O álcool e a saúde
 

Semelhante a vigilância epidemiológica

Vigilância Epidemiológica aula 4
Vigilância Epidemiológica aula 4Vigilância Epidemiológica aula 4
Vigilância Epidemiológica aula 4
profsempre
 
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdfAULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf
Antonio Elielton
 
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptxAULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
Antonio Elielton
 
Apostila dst eps dr.jefferson oliveira
Apostila dst eps dr.jefferson oliveiraApostila dst eps dr.jefferson oliveira
Apostila dst eps dr.jefferson oliveira
drjeffersontst
 

Semelhante a vigilância epidemiológica (20)

Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdfAula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
Aula 5 - Vigilancia Epidemiológica - Medidas de Controle.pdf
 
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsóriaLista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
 
Vigilancia Epidemiologica por Estevao Ualane.pptx
Vigilancia Epidemiologica por Estevao Ualane.pptx Vigilancia Epidemiologica por Estevao Ualane.pptx
Vigilancia Epidemiologica por Estevao Ualane.pptx
 
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e EpidemiasInvestigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
Investigação Epidemiológica de Casos, Surtos e Epidemias
 
Ciclo ii 01
Ciclo ii 01Ciclo ii 01
Ciclo ii 01
 
leon22.pptx
leon22.pptxleon22.pptx
leon22.pptx
 
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].pptTema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
Tema 1 MOdi. Conferência. Atividade 1 [Recuperado].ppt
 
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIAAULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
AULA DE SEGURANÇA DO TRABALHO E EPIDEMIOLOGIA
 
Txt 690106550
Txt 690106550Txt 690106550
Txt 690106550
 
Vigilância Epidemiológica aula 4
Vigilância Epidemiológica aula 4Vigilância Epidemiológica aula 4
Vigilância Epidemiológica aula 4
 
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdfAULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pdf
 
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptxAULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
AULA - VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA E SANITÁRIA.pptx
 
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdfAula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
Aula 4 - SAUDE COLETIVA - Epidemiologia.pdf
 
Vigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdfVigilância em Saúde.pdf
Vigilância em Saúde.pdf
 
02
0202
02
 
Qualidade de vida.ppt
Qualidade de vida.pptQualidade de vida.ppt
Qualidade de vida.ppt
 
Guia de vigilncia em saude
Guia de vigilncia em saudeGuia de vigilncia em saude
Guia de vigilncia em saude
 
Guia de vigilncia em saude
Guia de vigilncia em saudeGuia de vigilncia em saude
Guia de vigilncia em saude
 
Vigilancia
VigilanciaVigilancia
Vigilancia
 
Apostila dst eps dr.jefferson oliveira
Apostila dst eps dr.jefferson oliveiraApostila dst eps dr.jefferson oliveira
Apostila dst eps dr.jefferson oliveira
 

Mais de Gladyanny Veras (7)

Ciclo menstrual
Ciclo menstrualCiclo menstrual
Ciclo menstrual
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 
Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica Semiologia pediátrica
Semiologia pediátrica
 
Intervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátricaIntervenções de enf pediátrica
Intervenções de enf pediátrica
 
Desidratação e diarréia
Desidratação e diarréiaDesidratação e diarréia
Desidratação e diarréia
 
Desnutrição
DesnutriçãoDesnutrição
Desnutrição
 
Crescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantilCrescimento e desenvolvimento infantil
Crescimento e desenvolvimento infantil
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
paulo222341
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
HELLEN CRISTINA
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
DanieldaSade
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
DanieldaSade
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
HELLEN CRISTINA
 

Último (11)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA.pdf
 
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUSHomens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
Homens Trans tem Caderneta de Pré-Natal especial / Programa Transgesta - SUS
 
Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................Treinamento NR 18.pdf .......................................
Treinamento NR 18.pdf .......................................
 
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdfrelatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
relatorio de estagio de terapia ocupacional.pdf
 
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino FelisbertoAltas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
Altas habilidades/superdotação. Adelino Felisberto
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Sífilis.pdf
 
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdfManual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
Manual Técnico para Diagnóstico da Infecção pelo HIV.pdf
 
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades PúblicasAlimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
Alimentação / Amamentação Lactentes em Calamidades Públicas
 
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclosCaracterísticas gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
Características gerais dos vírus- Estrutura, ciclos
 
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion  ais.pdfrelatorio ciencias morfofuncion  ais.pdf
relatorio ciencias morfofuncion ais.pdf
 

vigilância epidemiológica

  • 2. O que é?  EPI Sobre  DEMÓS povo  LOGOS estudo  Estudo dos fatores que determinam a frequência e a distribuição das doenças na coletividade humana
  • 3. O que é?  É um serviço que reúne um conjunto de ações que permite acompanhar a evolução das doenças na população.  Se, por exemplo, for detectado o aparecimento de muitos casos de sífilis congênita em uma maternidade localizada na área X, tal fato indica ser necessário que os gestores realizem maiores investimentos em assistência pré-natal naquela área, visando controlar a incidência de casos.
  • 4. Função da Vigilância Epidemiológica A operacionalização da vigilância epidemiológica compreende um ciclo de funções específicas e intercomplementares, desenvolvidas de modo contínuo, permitindo conhecer, a cada momento, o comportamento da doença ou agravo selecionado como alvo das ações, de forma que as medidas de intervenção pertinentes possam ser desencadeadas com oportunidade
  • 5. A vigilância epidemiológica deve fornecer orientação técnica permanente para os profissionais de saúde que têm a responsabilidade de decidir sobre a execução de ações de controle de doenças e agravos, tornando disponíveis, para esse fim, informações atualizadas sobre a ocorrência dessas doenças e agravos, bem como dos fatores que a condicionam, numa área geográfica ou população definida.
  • 6. São funções da vigilância epidemiológica:  Coleta de dados: consiste em buscar junto às fontes de dados as informações relevantes que possam colaborar na identificação de situações de risco.  processamento dos dados: significa reunir todos os dados coletados e agrupá-los de acordo com seu grau de importância e relevância. As informações são organizadas em gráficos, quadros e tabelas, separados por período, localização
  • 7.  análise dos dados: busca interpretar as informações coletadas, procurando estabelecer as relações causais. Sua realização permite que os responsáveis pela vigilância epidemiológica relacionem os determinantes de doenças e agravos.  recomendação de medidas de controle e prevenção: aponta que precauções podem ser recomendadas no controle e prevenção da ocorrência da doença.
  • 8.  promoção das ações de controle e prevenção: consiste em planejar e executar ações como vacinações, tratamento dos doentes, controle do ambiente, divulgação de informações sobre precauções para transmissão de doenças;  avaliação da eficácia das medidas – é a análise dos resultados das ações, visando identificar se as metas propostas foram alcançadas.  divulgação das informações: objetiva mostrar os resultados alcançados de forma simples e clara,
  • 9. Fontes notificadoras  Os ambulatórios, unidades básicas de saúde e hospitais, cartórios, policlínicas, UPA’s, representam importantes fontes de informação para a realização da vigilância epidemiológica, em virtude de prestarem assistência direta à maioria da população.  fontes e documentos como boletins de produção ambulatorial, atestados de óbito, declarações de nascidos vivos, prontuários dos clientes ou autorizações para internação hospitalar, por exemplo.
  • 10.
  • 11. Sistemas de Informação  SIM- Sistema de Informação Sobre Mortalidade  Presta Informações sobre as mortes ocorridas no País;  Ajuda a definir por exemplo coeficiente de mortalidade infantil;  Instrumento de trabalho é a Declaração de Óbito.
  • 12. Grupos prioritários  Mulher no período grávidico, puérperio e 1 ano pós parto  Crianças <1 ano  Mortes violentas que não tenham ido para IML ou SVO  Mortes sem causa morte na DO
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.  SINASC- Sistema de Informação sobre Nascidos Vivos  Presta informações sobre nascimento registrados;  Ajuda a definir por exemplo coeficiente de mortalidade infantil;  Instrumento de trabalho é a Declaração de Nascido Vivo. Sistemas de Informação
  • 17.
  • 18.
  • 19. Sistemas de informação  Sistema de Informações Hospitalares (SIH) – reúne informações sobre a assistência prestada pelos hospitais. É alimentado principalmente pelos dados contidos nas autorizações de internações hospitalares e pelos relatos contidos nos prontuários dos pacientes.
  • 20. Sistemas de Informação  Sistema de Informações Ambulatoriais (SIA) – reúne as informações obtidas com os atendimentos ambulatoriais, seja em unidades básicas de saúde, seja em hospitais.  Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN)- permite conhecer o perfil das condições nutricionais. As informações disponíveis possibilitam constatar a ocorrência de desnutrição e sua distribuição, permitindo, assim, a determinação de medidas que controlem e previnam sua ocorrência.
  • 21. Sistemas de Informação  Sistema de Informações sobre Ações Básicas (SIAB) – esse sistema destina-se a reunir informações acerca das atividades desempenhadas em nível de atenção básica. É utilizado para medir o impacto das ações básicas
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.  Este sistema é alimentado, principalmente, pela notificação e investigação de casos de doenças e agravos que constam da lista nacional de doenças de notificação compulsória, mas é facultado a estados e municípios incluir outros problemas de saúde importantes em sua região.
  • 28.
  • 29. Identificação de casos novos  a investigação epidemiológica – processo que permite acompanhar a ocorrência de uma doença ou agravo nos indivíduos, operacionalizada mediante um inquérito epidemiológico, ou seja, pelo preenchimento de ficha de investigação.  A investigação epidemiológica deve ocorrer sempre que for notificado um caso suspeito de alguma doença.
  • 30. Investigação Epidemiológica  busca de casos e visita domiciliar  apoio a procedimentos diagnósticos  Por sua vez, as medidas de precaução em relação à transmissão de doenças podem incluir:  vacinação de bloqueio  quimioprofilaxia
  • 31. Repasse das Informações  Semanal  Paralisia Flácida Aguda (PFA);  Tétano Neonatal;  Doenças Exantemáticas;  Doenças Diarréica;  Conjuntivite.  Busca Ativa de Sarampo e Rubéola.
  • 32.  Mensal:  Doenças Transmitidas por Alimentos (DTA);  Raiva Humana. Repasse das Informações
  • 33. Medidas de controle e prevenção em vigilância epidemiológica  O nível central (Governo Federal/Ministério da Saúde) é o grande responsável pela determinação e regulamentação nacional das ações de vigilância epidemiológica. Nele, as ações são discutidas para, somente após, serem recomendadas a todos os estados da Federação.
  • 34.  Ao plano regional, correspondente aos estados da Federação (Secretarias de Estado de Saúde), cabe coordenar as ações de vigilância desenvolvidas pelos municípios, procurando estabelecer prioridades de acordo com as informações obtidas, prestando consultoria.  Ao nível local, traduzido na figura do município (Secretarias Municipais de Saúde) e sua região administrativa (Distritos Sanitários), cabe executar as práticas de vigilância, desenvolvendo as ações mais diretamente relacionadas aos indivíduos