SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
POLÍTICA NACIONAL DE
HUMANIZAÇÃO

SUS
Enfª Priscila Tenório
O humanizaSUS, como também
é conhecida a PNH, foi criada em
2003 e aposta na inclusão de
trabalhadores, usuários e
gestores na produção e gestão
do cuidado e dos processos de
trabalho
A comunicação entre os três
atores provocam inquietações e
perturbações. Estes sentimentos
são considerados pela PNH
como o “Motor” de mudanças.
O programa de humanização
surgiu devido a necessidade de:
*Ampliar a discussão da saúde
pública com servidores e usuários
em busca de propostas para
melhorar o sistema;
*Trazer a gestão para perto das
pessoas;
*Melhorar os processos de trabalho;
*Aumentar a resolutividade
Humanizar se traduz, então,
como inclusão das diferenças
nos processos de gestão e
cuidado. Tais mudanças são
construídas de forma coletiva e
compartilhada
A PNH se estrutura a partir de:
* Princípios;
* Diretrizes;
* Método;
* Dispositivos.
PRINCÍPIOS: Entende-se o que
causa ou força a ação, ou que
dispara um determinado movimento.
*Transversalidade;
* Indissociabilidade entre atenção e
gestão;
*Protagonismo, corresponsabilidade
e autonomia dos sujeitos coletivos.
PRINCÍPIOS
*Transversalidade:
-Aumento do grau de comunicação
intra e intergrupos.
*Indissociabilidade entre atenção
e gestão:
-Alteração dos modos de cuidar
inseparável dos modos de gerir e se
apropriar do trabalho.
*Protagonismo,
corresponsabilidade e autonomia
dos sujeitos coletivos:
-As mudanças na gestão e na
atenção ganham maior efetividade
quando produzidas pela afirmação da
autonomia dos sujeitos envolvidos,
que contratam entre sí
responsabilidade compartilhadas nos
processos de gerir e de cuidar.
Diretrizes: Entende-se as
orientações gerais de determinada
política.
*Acolhimento;
* Gestão participativa e cogestão;
*Ambiência;
*Clínica ampliada e compartilhada;
*Valorização do trabalhador;
*Defesa dos direitos do usuários.
Diretrizes
*Acolhimento: é dar acolhida,
admitir, aceitar, dar ouvidos, dar
crédito a, agasalhar, receber,
atender, admitir (ferreira,1975). Ou
seja, uma atitude de inclusão.
Diretrizes
O acolhimento não é um espaço ou
um local, mas uma postura ética.
Desse modo é que o diferenciamos
de triagem, pois ele não se constitui
como uma etapa do processo, mas
como uma ação que deve ocorrer
em todos os locais e momentos do
serviço de saúde.
O acolhimento é um modo de operar os
processos de trabalho em saúde, de
forma a atender a todos que procuram
os serviços de saúde. Ou seja, requer
prestar um atendimento com
resolutividade e responsabilização.
Encaminhando para a continuidade da
assistência quando necessário e
articulando com estes serviços para
garantir a eficácia desses
encaminhamentos.
O conceito de acolhimento se
concretiza no cotidiano das práticas
de saúde por meio da escuta
qualificada e da capacidade de
pactuação entre a demanda do
usuário e a possibilidade de
resposta do serviço.
Todos os profissionais de saúde
fazem acolhimento!
Acolhimento com classificação de risco:
Tem como objetivo:
Adequar o tempo /resposta em que o paciente será visto pelo
médico ou outros profissionais através da identificação das
prioridades clínicas
Facilitar a gestão da clínica de cada paciente e a gestão do serviço
como um todo.
O método consiste em:
1. Identificar a demanda
2. Identificar o paciente
3. Descrever a situação
4. Avaliar sinais e sintomas
5. Gerar um resultado
Acolhimento com classificação de risco
Fluxos de Atendimento x CR
Área de Emergência
Vermelho: prioridade zero – necessidade de atendimento imediato.
Laranja: prioridade 1: sem risco iminente de morte (até 15”)
Área de Pronto Atendimento
Amarelo: prioridade 3 – urgência, atendimento o mais rápido possível,
preferencialmente imediato
Verdes: prioridade 4 – atendimento médico por ordem de chegada.
Azuis: prioridade 5 – (atendimento por outros profissionais, curativos,
medicações, inalação, agendamento de consultas)
Ambiência e Fluxos
EMERGÊNCIA
Acolhimento

Área Vermelha

Observação Observação
criticos
não criticos

PRONTO
ATENDIMENTO
Acolhimento

Classificação de
Risco

Amarelo Verde
Azul
Diretrizes
*Gestão participativa e Cogestão: é
o modo de administrar que inclui o
pensar e o fazer coletivo. Para a
realização dos objetivos de saúde é
necessário incluir trabalhadores,
gestores e usuários dos serviços em
um pacto de corresponsabilidade.
Diretrizes
O modelo de gestão que a PNH propõe
é centrado no trabalho em equipe, na
construção coletiva(planeja quem
executa) e em espaços coletivos que
garantem que o poder seja de fato
compartilhado, por meio de análises,
decisões e avaliações construídas
coletivamente.
Diretrizes
Cogestão significa a inclusão de
novos sujeitos no processo de
gestão. Assim ela seria exercida não
por poucos ou alguns, mas por um
conjunto mais ampliado de sujeitos
que compõe a organização.
Todos são gestores de seus
processos de trabalhos!
Diretrizes
A cogestão proporciona uma
corresponsabilização, uma vez que
as produções de tarefas são
derivadas de pactos entre os
sujeitos. Isto resulta em melhor e
mais produção em saúde.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaJose Roberto
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaJarquineide Silva
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeJesiele Spindler
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza susFrancisco Fialho
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE Valdirene1977
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de EnfermagemCharles Lima
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização pltenfanhanguera
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Patrícia Cruz Rodrigues Marion
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeLeticia Passos
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Aroldo Gavioli
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemFernando Dias
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaAliny Lima
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Amanda Moura
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCentro Universitário Ages
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idosomorgausesp
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesCleiton Ribeiro Alves
 

Mais procurados (20)

Enfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatricaEnfermagem psiquiatrica
Enfermagem psiquiatrica
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
Pnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básicaPnab -programa nacional da Atenção básica
Pnab -programa nacional da Atenção básica
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em SaúdeAula - 1 Processo Trabalho em Saúde
Aula - 1 Processo Trabalho em Saúde
 
4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus4ª aula 1º slid humaniza sus
4ª aula 1º slid humaniza sus
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE  POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
POLÍTICAS PÚBLICAS DE SAÚDE
 
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
Humanização Na Assistencia de  EnfermagemHumanização Na Assistencia de  Enfermagem
Humanização Na Assistencia de Enfermagem
 
Aula de humanização plt
Aula de humanização pltAula de humanização plt
Aula de humanização plt
 
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
Estrutura organizacional dos serviços de saúde - Redes de Atenção à Saúde (RAS)
 
Modelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúdeModelos assistenciais de saúde
Modelos assistenciais de saúde
 
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
Politicas de saúde mental: organização da rede de assistência psicossocial no...
 
Historia Da Enfermagem
Historia Da EnfermagemHistoria Da Enfermagem
Historia Da Enfermagem
 
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e PsiquiatriaO papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
O papel do enfermeiro em Saúde Mental e Psiquiatria
 
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE)
 
Código de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagemCódigo de ética dos profissionais de enfermagem
Código de ética dos profissionais de enfermagem
 
Aula saude do idoso
Aula saude do idosoAula saude do idoso
Aula saude do idoso
 
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mentalO Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
O Processo de enfermagem na enfermagem em saúde mental
 
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI SlidesHumanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
Humanização em Unidade de Terapia Intensiva UTI Slides
 

Destaque (10)

A humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalarA humanização do ambiente hospitalar
A humanização do ambiente hospitalar
 
Pnps
Pnps   Pnps
Pnps
 
Resumo lei 8142
Resumo lei 8142Resumo lei 8142
Resumo lei 8142
 
Humanização
 Humanização Humanização
Humanização
 
Humanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúdeHumanizar o atendimento na saúde
Humanizar o atendimento na saúde
 
Acolhimentoehumanização
AcolhimentoehumanizaçãoAcolhimentoehumanização
Acolhimentoehumanização
 
Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)Curso Cuidador de Idoso (slides)
Curso Cuidador de Idoso (slides)
 
Atendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idosoAtendimento humanizado ao idoso
Atendimento humanizado ao idoso
 
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos BásicosAgente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
Agente de Geriatria - Cuidados Humanos Básicos
 
Resumo Lei 8080 para Concursos
Resumo Lei 8080 para ConcursosResumo Lei 8080 para Concursos
Resumo Lei 8080 para Concursos
 

Semelhante a Política nacional de humanização

Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01rosiclermalta
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de riscoJozy Anne Aguiar
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. CarlosAprova Saúde
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...jhordana1
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfRitaOliveira691334
 
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptAULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptFLAVIAAMELIACOSTAFAR
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxFrancielttonsantos
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...Allan Vieira
 
HUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxHUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxtuttitutti1
 
Acolhimento com avaliação de risco
Acolhimento com avaliação de riscoAcolhimento com avaliação de risco
Acolhimento com avaliação de riscoIsabel Amaral
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaAroldo Gavioli
 
Processos gerenciais na prática do cuidado
Processos gerenciais na prática do cuidadoProcessos gerenciais na prática do cuidado
Processos gerenciais na prática do cuidadogisorte
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfEvertonMonteiro19
 

Semelhante a Política nacional de humanização (20)

Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
Acolhimentoehumanizao 111011082936-phpapp01
 
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro   acolhimento com classificação de riscoAbbes e maassaro   acolhimento com classificação de risco
Abbes e maassaro acolhimento com classificação de risco
 
Humaniza sus prof. Carlos
Humaniza sus   prof. CarlosHumaniza sus   prof. Carlos
Humaniza sus prof. Carlos
 
aula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdfaula 1 PDF.pdf
aula 1 PDF.pdf
 
Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...Humanização em enfermagem slides pptx...
Humanização em enfermagem slides pptx...
 
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdfPolítica Nacional de Humanização - PNH.pdf
Política Nacional de Humanização - PNH.pdf
 
Humanizasus 2004
Humanizasus 2004Humanizasus 2004
Humanizasus 2004
 
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .pptAULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
AULA 4 - HUMANIZAÇÃO DO SUS .ppt
 
Aps
ApsAps
Aps
 
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptxaula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
aula 2 saude coletiva II_1691079403 (1).pptx
 
acolhimento.docx
acolhimento.docxacolhimento.docx
acolhimento.docx
 
Qsgc
QsgcQsgc
Qsgc
 
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA  HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
PROJETO DE INTERVENÇÃO SOBRE A HUMANIZAÇÃO NA ÁREA HOSPITALAR COM OS USUÁRIO...
 
Texto acolhimento
Texto acolhimento Texto acolhimento
Texto acolhimento
 
HUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptxHUMANIZAÇÃO.pptx
HUMANIZAÇÃO.pptx
 
Acolhimento com avaliação de risco
Acolhimento com avaliação de riscoAcolhimento com avaliação de risco
Acolhimento com avaliação de risco
 
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e EmergênciaGerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
Gerenciamento de enfermagem em unidade de Urgência e Emergência
 
3. acolhimento
3. acolhimento3. acolhimento
3. acolhimento
 
Processos gerenciais na prática do cuidado
Processos gerenciais na prática do cuidadoProcessos gerenciais na prática do cuidado
Processos gerenciais na prática do cuidado
 
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdfAula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
Aula-05_Política-Nacional-de-Humanização.pdf
 

Política nacional de humanização

  • 2. O humanizaSUS, como também é conhecida a PNH, foi criada em 2003 e aposta na inclusão de trabalhadores, usuários e gestores na produção e gestão do cuidado e dos processos de trabalho
  • 3. A comunicação entre os três atores provocam inquietações e perturbações. Estes sentimentos são considerados pela PNH como o “Motor” de mudanças.
  • 4. O programa de humanização surgiu devido a necessidade de: *Ampliar a discussão da saúde pública com servidores e usuários em busca de propostas para melhorar o sistema; *Trazer a gestão para perto das pessoas; *Melhorar os processos de trabalho; *Aumentar a resolutividade
  • 5. Humanizar se traduz, então, como inclusão das diferenças nos processos de gestão e cuidado. Tais mudanças são construídas de forma coletiva e compartilhada
  • 6. A PNH se estrutura a partir de: * Princípios; * Diretrizes; * Método; * Dispositivos.
  • 7. PRINCÍPIOS: Entende-se o que causa ou força a ação, ou que dispara um determinado movimento. *Transversalidade; * Indissociabilidade entre atenção e gestão; *Protagonismo, corresponsabilidade e autonomia dos sujeitos coletivos.
  • 8. PRINCÍPIOS *Transversalidade: -Aumento do grau de comunicação intra e intergrupos.
  • 9. *Indissociabilidade entre atenção e gestão: -Alteração dos modos de cuidar inseparável dos modos de gerir e se apropriar do trabalho.
  • 10. *Protagonismo, corresponsabilidade e autonomia dos sujeitos coletivos: -As mudanças na gestão e na atenção ganham maior efetividade quando produzidas pela afirmação da autonomia dos sujeitos envolvidos, que contratam entre sí responsabilidade compartilhadas nos processos de gerir e de cuidar.
  • 11. Diretrizes: Entende-se as orientações gerais de determinada política. *Acolhimento; * Gestão participativa e cogestão; *Ambiência; *Clínica ampliada e compartilhada; *Valorização do trabalhador; *Defesa dos direitos do usuários.
  • 12. Diretrizes *Acolhimento: é dar acolhida, admitir, aceitar, dar ouvidos, dar crédito a, agasalhar, receber, atender, admitir (ferreira,1975). Ou seja, uma atitude de inclusão.
  • 13. Diretrizes O acolhimento não é um espaço ou um local, mas uma postura ética. Desse modo é que o diferenciamos de triagem, pois ele não se constitui como uma etapa do processo, mas como uma ação que deve ocorrer em todos os locais e momentos do serviço de saúde.
  • 14. O acolhimento é um modo de operar os processos de trabalho em saúde, de forma a atender a todos que procuram os serviços de saúde. Ou seja, requer prestar um atendimento com resolutividade e responsabilização. Encaminhando para a continuidade da assistência quando necessário e articulando com estes serviços para garantir a eficácia desses encaminhamentos.
  • 15. O conceito de acolhimento se concretiza no cotidiano das práticas de saúde por meio da escuta qualificada e da capacidade de pactuação entre a demanda do usuário e a possibilidade de resposta do serviço. Todos os profissionais de saúde fazem acolhimento!
  • 16. Acolhimento com classificação de risco: Tem como objetivo: Adequar o tempo /resposta em que o paciente será visto pelo médico ou outros profissionais através da identificação das prioridades clínicas Facilitar a gestão da clínica de cada paciente e a gestão do serviço como um todo. O método consiste em: 1. Identificar a demanda 2. Identificar o paciente 3. Descrever a situação 4. Avaliar sinais e sintomas 5. Gerar um resultado
  • 17. Acolhimento com classificação de risco Fluxos de Atendimento x CR Área de Emergência Vermelho: prioridade zero – necessidade de atendimento imediato. Laranja: prioridade 1: sem risco iminente de morte (até 15”) Área de Pronto Atendimento Amarelo: prioridade 3 – urgência, atendimento o mais rápido possível, preferencialmente imediato Verdes: prioridade 4 – atendimento médico por ordem de chegada. Azuis: prioridade 5 – (atendimento por outros profissionais, curativos, medicações, inalação, agendamento de consultas)
  • 18. Ambiência e Fluxos EMERGÊNCIA Acolhimento Área Vermelha Observação Observação criticos não criticos PRONTO ATENDIMENTO Acolhimento Classificação de Risco Amarelo Verde Azul
  • 19. Diretrizes *Gestão participativa e Cogestão: é o modo de administrar que inclui o pensar e o fazer coletivo. Para a realização dos objetivos de saúde é necessário incluir trabalhadores, gestores e usuários dos serviços em um pacto de corresponsabilidade.
  • 20. Diretrizes O modelo de gestão que a PNH propõe é centrado no trabalho em equipe, na construção coletiva(planeja quem executa) e em espaços coletivos que garantem que o poder seja de fato compartilhado, por meio de análises, decisões e avaliações construídas coletivamente.
  • 21. Diretrizes Cogestão significa a inclusão de novos sujeitos no processo de gestão. Assim ela seria exercida não por poucos ou alguns, mas por um conjunto mais ampliado de sujeitos que compõe a organização. Todos são gestores de seus processos de trabalhos!
  • 22. Diretrizes A cogestão proporciona uma corresponsabilização, uma vez que as produções de tarefas são derivadas de pactos entre os sujeitos. Isto resulta em melhor e mais produção em saúde.