Síndrome de burn out

5.201 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
2 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.201
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
2
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Síndrome de burn out

  1. 1. SÍNDROME DE BURN- OUT Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  2. 2. A GRANDE QUESTÃO É:QUEM CUIDA DE QUEM CUIDA?? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  3. 3. -Sabe-se que o paciente deposita sua dor, seusofrimento, na equipe, deixando-a sobrecarregada;-Pesquisas apontam que o índice de suicídios entremédicos é 4 vezes maior do que entre a populaçãoem geral;- A classe médica onde há mais suicídios é apsiquiátrica, e, a maioria, são mulheres. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  4. 4. Apresentando: O STRESS:Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  5. 5. Você, pela manhã, já acorda cansado? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  6. 6. Sente- se como se estivesse sempre se arrastando? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  7. 7. Você vive desanimado? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  8. 8. Você não tem ânimo ou disposição para executar as tarefas? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  9. 9. Você anda irritado e perde apaciência com qualquer coisa? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  10. 10. Bem... Provavelmente, você esteja com STRESS!!! Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  11. 11. E o que é o Stress?O termo estresse significa “pressão sobre um materialqualquer”. Ele é uma reação do nosso organismo frente ànecessidade de adaptação a situações “novas”, como fome,sede, trânsito, broncas, doenças e até situações positivas, comouma promoção no emprego. É necessário para asobrevivência, porém, em demasia, acaba prejudicando. O queacontece é que ele pode vir a fazer com que o sistemaimunológico, ou seja, as defesas do organismo, fiquemprejudicadas, fazendo com que a gente adoeça. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  12. 12. E o que é o Stress?Você não poderia deixar de se estressar nem se quisesse,uma vez que se trata de uma reação orgânica primitiva — e,a princípio, útil. “Um pouco de ansiedade chega até a serbom para o desempenho mental”, diz o psicobiólogoJosé Roberto Leite, da Universidade Federal de São Paulo.“A questão é saber dosar, no dia-a-dia, o nível ideal detensão.” (Fonte: Revista Saúde. Ed. 21- Março/2002) Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  13. 13. E como o organismo reage ao stress? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  14. 14. Como se estivesse diante de uma fera — mesmo que as “feras” do mundo moderno sejam o trânsito, a violência urbana, os problemas noemprego… A reação é primitiva e igualzinha à dos animais quando se sentem ameaçados. A ordem dos hormônios liberados pela massa cinzenta é sair correndo e fugir. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  15. 15. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  16. 16. Reação ao Stress: Todo o organismo se coloca em ação!1. Palidez: A circulação diminui na superfície do corpo a fim de evitar hemorragias em caso de ferimentos.2. Energia: O fígado libera doses extras de açúcares para abastecer a musculatura.3. Estado de alerta: A adrenalina em alta não deixa o cérebro marcar bobeira — daí a insônia. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  17. 17. Reação ao Stress: Todo o organismo se coloca em ação!4. Respiração: Acelera-se, para fornecer maisoxigênio aos músculos.5. Pupilas dilatadas: Isso aumenta o campovisual.6. Coração disparado: Ele bate depressa paraenviar bastante sangue aos músculos. Isso podeprovocar até um infarto. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  18. 18. E a Síndrome de Burn- Out? Ela vai além do Stress!Ela está intimamente relacionada ao papel que otrabalho desempenha na nossa sociedade atual.Afinal... O trabalho, não é mais apenas relacionadoao sustento, mas à identidade... Quer um exemplo??? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  19. 19. Quando alguém pergunta quem é você, ou pede para que você se apresente... Como você responde? E, assim, o trabalho traz sofrimento! Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  20. 20. Síndrome de Burn- Out: Queimar-se por completo, consumir-se Síndrome do Desgaste Ocupacional Resposta à cronificação do stress ocupacional.•Ela é uma forma (inadequada) de enfrentamento aossintomas desencadeados pelo stress.•É o modo encontrado pela pessoa para poderagüentar o stress e a pressão dentro do ambientelaboral. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  21. 21. Síndrome do Desgaste Ocupacional•É como se fosse uma “defesa”, para que a pessoapudesse sobreviver dentro do ambiente detrabalho, onde há pressão constante, cobranças,situações estressantes, dores, perdas, etc... Porém...chega uma hora em que a pessoa se esgota!! Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  22. 22. Síndrome Multidimensional constituída por:-Exaustão física e emocional: esgotamento, ocotidiano fica penoso, doloroso;-Distanciamento emocional: aqui ela se diferencia dostress. As relações ficam impessoais, as pessoas com asíndrome ficam desprovidas de afeto. Ficam ríspidas,cínicas, irônicas...-Reduzida realização pessoal no trabalho: a realizaçãopessoal diminui, perde a satisfação e a eficiência notrabalho. O trabalho deixa de ser um prazer. Perde osentido, vira um fardo. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  23. 23. Stress: alarme- resistência- exaustão. O burn- out vai além da fase da exaustão! Aí... ou a pessoa sai do emprego, ou cria estratégias para continuar!!Atenção: embora a Síndrome de Burn- Out seja mais comumem profissionais de saúde, qualquer trabalho pode fazer comque a pessoa entre em burn-out! Uma dona de casa tambémpode ter burn-out!! No entanto, ele é mais comum emtrabalhos em que envolve cuidado com os outros!! Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  24. 24. DORES E HORMÔNIOSFatores emocionais decorrentes do excesso detrabalho afetam o corpo e mente de homens emulheres de maneiras bastante diferentes. Noshomens, a principal queixa é a pressão alta, ao passo que, nas mulheres, vê-se lesões por esforços repetitivos, síndrome do intestino irritável, dores de cabeça (enxaquecas), ansiedade e depressão. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  25. 25. E quem são os sujeitos mais propensos a terem a síndrome??? ATENÇÃO!!!São exatamente aqueles mais apaixonados pelaprofissão! Os que mais amam o que fazem!!! Por quê?Porque se dedicam de corpo e alma. Não impõemlimites. São exigentes e perfeccionistas consigomesmos. Cobram-se o tempo todo. Fazem do trabalhoa sua vida, e não reservam um tempo para si. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  26. 26. STRESS E BURN-OUT:A correria do dia-a-dia faz com que, muitas vezes, nãotenhamos tempo para nós mesmos , para escutarnosso organismo, para nos cuidarmos como um todo,do corpo, da mente, da alma... Noites mal-dormidas,pouquíssimas horas de lazer, alimentação inadequada,sobrecarga no trabalho... Tudo isto pode contribuirpara o stress. E o stress baixa a imunidade, ou seja, asdefesas do organismo, tornando-o mais suscetível adoenças, desde simples resfriados até coisas maisgraves, como o câncer. Ele causa sintomas: Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  27. 27. -Físicos: fadiga, insônia, dores musculares,enxaquecas, perturbações gastro-intestinais,imunodeficiência, transtornos cardiovasculares,distúrbios do sistema respiratório, disfunçõessexuais, alterações menstruais,etc...-Psíquicos: falta ou perda da atenção, memória,concentração, lentificação do pensamento,alienação, solidão, impaciência, sentimento deinsuficiência, baixa auto-estima, labilidadeemocional, dificuldade de auto- aceitação, astenia,desânimo, disforia, depressão frente ao trabalho,desconfiança, paranóia... Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  28. 28. Comportamentais: negligência ou excesso deescrúpulos, irritabilidade, agressividade, nãoconsegue relaxar, dificuldade na aceitação demudanças, perda da iniciativa, aumento noconsumo de substâncias (álcool,antidepressivos, etc), comportamento de altorisco, suicídio-Defensivos: tendência ao isolamento,onipotência, perda do interesse pelo trabalhoe até pelo lazer, faltas, ironia, cinismo... Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  29. 29. ENTÃO... TRABALHO MATA? De acordo com a psicóloga Ana Maria Rossi (APUD: Simon,2006, p.69), níveis elevados de stress estão entre as principais causas desencadeantes de distúrbios funcionais, problemas psicossomáticos e doenças degenerativas. Segundo ela, 70% dos profissionaissofrem as conseqüências do stress, tanto na saúde quanto nas relações pessoais e profissionais. Desse total, 30% são vítimas do burnout.E ATENÇÃO: O STRESS PODE NÃO SÓ DIMINUIRA QUALIDADE DE VIDA, MAS LEVAR À MORTE! Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  30. 30. ATENÇÃO: EMBORA A QUANTIDADE DETRABALHO SEJA UM FATOR RELEVANTE PARA O DESENCADEAMENTO DA SÍNDROME, ELA NÃO É UM FATOR DECISIVO!! Segundo Staedt (APUD: Mente e Cérebro, junho/2006, p.62), “Se alguém enfrenta uma jornada de 12 horas diárias, mas, ao mesmo tempo, encontra um meio de relaxar, é provável que ela não tenha problema algum. Por outro lado, é possível que um emprego só de meio período seja percebido como extremamente estressante, conduzindo ao desenvolvimento da síndrome”. BUSCA-SE EQUILÍBRIO ENTRE TENSÃO E RELAXAMENTO! Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  31. 31. AS FASES DO ESGOTAMENTO SEGUNDO FREUDENBERGER E NORTH(APUD: Revista Mente e Cérebro, junho/2006, p.66) 1. NECESSIDADE DE SE AFIRMAR; 2. DEDICAÇÃO INTENSIFICADA; 3. DESCASO COM AS PRÓPRIAS NECESSIDADES; 4. RECALQUE DE CONFLITOS; 5. REINTERPRETAÇÃO DOS VALORES; 6. NEGAÇÃO DE PROBLEMAS; Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  32. 32. FASES DO ESGOTAMENTO: 7. RECOLHIMENTO; 8. MUDANÇAS EVIDENTES DE COMPORTAMENTO; 9. DESPERSONALIZAÇÃO; 10. VAZIO INTERIOR; 11. DEPRESSÃO;12. SÍNDROME DO ESGOTAMENTO PROFISSIONAL. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  33. 33. E o que fazer, então?? Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  34. 34. Primeiramente, traçar prioridades! Procurar reservar sempre um tempo parasi. Entender que somos seres humanos, e quenão precisamos carregar o “mundo nascostas”. Ouvir os limites do nosso organismo,aprender a hora de parar. Não sesobrecarregar, saber dizer não. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  35. 35. Tentar organizar o nosso tempo, de forma que otrabalho não nos invada por completo! Procurar nãolevar para casa os problemas do trabalho e vice-versa!!Ter momentos de folga, poder viajar de vez em quando,caminhar em algum parque, passear, meditar. Poderdormir até mais tarde no final de semana, ver umfilme, passar uma tarde inteira de pijama... fazer dotrabalho, das tarefas do dia-a-dia, coisas prazerosas, enão fazê-las apenas por obrigação. Aprender a viver cada dia, tirando dele o máximo de proveito. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  36. 36. Enfim...não precisa deixar nada de lado, nãoprecisa perder aquilo que se passou anos lutandopara conquistar. Não. O que precisa, é saber comoadministrar. E, para isto, o mais importante é seconhecer.Dar-se conta de que não somos máquinas, mas sim, seres humanos!! Fácil? Não. Possível?? Com certeza!! É um grande exercício, é uma aprendizagem... Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  37. 37. Fontes: Revista Saúde: ed. 21- Março 2002OBRIGADA!! Revista Saúde: ed 42- Julho 2004 Revista Mente e Cérebro: Junho/2006 Palestra: Sìndrome de Burn Out- uma ameaça ao profissional de saúde- Ana Maria Benevides (PR) in: V Jornada de Psicologia Oncológica do INCA- Humanizar é a PrioridadeMarian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco
  38. 38. Marian Festugato de Souza Psicóloga/ Psicoonco

×