Ansiedade

3.488 visualizações

Publicada em

slide relacionado ao transtorno de ansiedade.

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.488
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
388
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ansiedade

  1. 1. Para você que me parece estar ansioso, vamos começar pelo final. Ansiedade:  “é um estado emocional com a qualidade subjetiva do medo ou da emoção a ele relacionada, desagradável, dirigido para um futuro, desproporcional e com desconforto subjetivo e alterações manifestadas” Aubrey Lewis  Ou seja, é uma perturbação da mente, causada pelo somatório de dúvidas e insegurança ao que esta por vir.
  2. 2. A pessoa ansiosa vive num estado de alerta constante por causa de uma situação que pode acontecer – e causar sofrimento. Entretanto, a ansiedade não é doença. Faz parte do nosso sistema de defesa e está projetada em quase todos os animais vertebrados.  Não é à toa que o medo é um sentimento essencial para descrever a ansiedade. Ambos surgem no mesmo sistema do nosso corpo, o límbico, e estão localizados nas mesmas regiões do cérebro. A diferença entre as duas sensações está na distância do perigo: na ansiedade, o motivo de preocupação está no futuro; no medo, a ameaça está próxima. Quem teme constantemente ser assaltado na rua, vive num estado ansioso – mas, no momento do assalto, a pessoa sente simplesmente medo.
  3. 3. O que influencia muito na ansiedade é a maneira de pensar. Tomemos como exemplo:
  4. 4.  “Se a pessoa é muito catastrófica e imagina o tempo inteiro que as coisas vão dar errado, ela sofre mais com a ansiedade”, diz Thiago Sampaio, psicólogo membro da Associação dos Portadores de Transtornos de Ansiedade (Aporta). Essa ideia de pensamento catastrófico faz uma pessoa ser mais preocupada do que outra. E é central para entender a ansiedade no ser humano.  Por mais que essa linha de pensamento seja irracional e automática, é algo que podemos aprender a controlar – sozinhos ou com a ajuda de terapia.
  5. 5. A ansiedade em sua manifestação patológica: A ansiedade é considerada patológica quando sua característica adaptativa como mecanismos de aletas para os perigos internos ou externos em potencial é excessiva, desproporcional, desadaptativa ou leva a sofrimento intenso. Ou seja, ela é patológica a partir do momento que começa a atrapalhar a vida do paciente.
  6. 6. Formas Clínicas de Manifestação da Ansiedade Patológica.  Manifestações cognitivas, psíquicas ou mentais: medo, angustia, preocupação.  Manifestações físicas ou somáticas: boca seca, dor ou desconforto torácico, palpitações, náuseas, fraqueza, falta de ar, sensação de sufocamento e instabilidade, ondas de calor e frio.  Manifestações comportamentais: esquiva ou fuga, inquietação e exploração do ambiente (antecipando perigo ou ameaça), hiper-reatividade aos estímulos, insônia.
  7. 7. Bases ambientais, neurais e influencias dos neurotransmissores.  Do ponto de vista da biológico, é um estado de funcionamento cerebral, ligado a percepção de contextos ambientais potencialmente ameaçadores, que possibilita a identificação do perigo e do grau da ameaça (potencial, distante ou iminente) e elicia ações comportamentais especificas de enfrentamento.  Um estudo feito a pouco tempo, constatou que os riscos ambientais para os comportamentos ansiosos dependem das características genéticas. Os riscos genéticos para a ansiedade se manifestam através de uma maior sensibilidade aos ambientes estressores.
  8. 8. Outro estudo acredita que as funções cerebrais mais relacionadas à ansiedade seriam a amígdala e o córtex pré-frontal. Ambos regulam as respostas às emoções e poderiam ser os maiores candidatos na mediação de risco genético (Lau e Pine, 2008).  Na gênese dos transtornos da ansiedade vários neurotransmissores são implicados, uma vez que eles participam, em maior ou menor grau, da modulação e regulação dos comportamentos defensivos. Entre eles destacam-se as aminas biogênicas (noradrenalina, serotonina e dopamina), aminoácidos (Ácido ã- Aminobutírico - GABA, glicina), peptídeos (fator de liberação de corticotropina, corticotropina, colecistocinina) e esteróides (corticosterona).
  9. 9. Causas e recursos farmacológicos para tratamento.  Os recursos farmacológicos disponíveis para o tratamento dos transtornos da ansiedade são diversificados e incluem as seguintes classes de medicamentos: benzodiazepínicos, antidepressivos, barbiturios, carbonatos e noradrenergeticos.  As evidências obtidas até então permitem constatar o progresso alcançado no tratamento dos transtornos da ansiedade com a utilização dos antidepressivos, embora um caminho longo, decerto, ainda haverá que ser trilhado em busca de novas opções terapêuticas para abordagem deste transtorno.  Imagens ...
  10. 10. A ansiedade é como uma febre: um sintoma de que algo está errado. Se simplesmente tratarmos a febre, podemos ignorar o real problema – e isso é perigoso. O grande desafio é descobrir os motivos da inquietação. Uma pesquisa na Universidade de Bonn, na Alemanha já até arranjou um culpado para as nossas preocupações: o gene COMT. A pesquisa afirma que um quarto da população mundial tem uma mutação nesse gene que determina a predisposição ao pensamento catastrófico. Sim, quem tem essa mutação pensa que as coisas sempre vão dar errado – e é mais ansioso. Com um pouco de ajuda e força de vontade da pra conviver com a ansiedade pacificamente – e é pensando desse jeito que você vai fazer a diferença na hora de reconhecer que nem tudo precisa ser motivo de preocupação o tempo todo.
  11. 11. “Alta Ansiedade - Cazuza” Se marco uma entrevista às 2 1:15 já fumei 10 cigarros Se vou gravar uma faixa A mesa do estúdio está quebrada Não sei esperar, não sei esperar E a minha vida é um engarrafamento Se tenho uma festa às 10 8:30 já estou pronto Fico balançando os pés Sentado na beira da cama O tempo não passa pra mim Quero mais velocidade Várias coisas ao mesmo tempo Não quero esse bonde lento.

×