AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS TÉCNICAS   CIRÚRGICAS PARA CORREÇÃO DAINCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO                        ELIZA...
INTRODUÇÃO• INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO (IUE)   • Definição   • Tipos      • Hipermobilidade vesical      • Deficiên...
TRATAMENTO CIRÚRGICO• ABDOMINAL  • Burch (colpossuspensão retropúbica)• VAGINAL  • Kelly-Kennedy (colporrafia anterior)  •...
COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA• Via abdominal.• Fixação dos fundos de saco vaginais laterais no ligamento  ileopectíneo.• A t...
COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA1                 2                                3                            Atlas de Cirurg...
COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA• Complicações   • Sangramento   • Infecção   • Lesões de bexiga ou uretra   • Hematomas no esp...
COLPORRAFIA ANTERIOR• Cirurgia de kelly-kennedy.• Via vaginal.• Consiste na incisão da mucosa da parede vaginal  anterior,...
CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)• Via vaginal e abdominal• Colocação de faixa suburetral (de material orgânico ou  sintético) e...
CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)1               2                  3                4                                  Atlas de...
CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)• Complicações   • Sangramento, distúrbios da cicatrização e seroma da coxa.   • Lesões de bexi...
• Objetivo: identificar modificações urodinâmicas e correlacionar com os  resultados pós cirúrgicos de pacientes submetida...
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO• Faixa de tecido sintético, posicionada na porção média da  uretra.• Tipos:   • Transvagi...
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃORETROPÚBICA (TVT)                         The tension free vaginal tape. Urol Clin N Am 38...
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃORETROPÚBICA (TVT)   • Boa taxa de sucesso (87% em 24 meses)   • Necessita de cistoscopia i...
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOTRANSOBTURATÓRIA (TOT)                Taweel & Rabah. Transobturatore tape for female stre...
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOTRANSOBTURATÓRIA• Boa taxa de sucesso (84%)• Dispensa cistoscopia intra-operatória• Compli...
• Objetivo: descrever complicações, após 24 meses, em 597  mulheres randomizadas e submetidas a TVT e TOT.• Resultados:• 3...
American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
• As técnicas de sling retropúbico e transobturatório são eficazes  para tratamento de IUE.• Não houve diferença estatísti...
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOMINI-SLING• São mais curtas• Requer somente uma incisão na parede vaginal anterior        ...
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOMINI-SLING• Menor injúria tecidual• Menor risco de lesão visceral• Menor necessidade de ca...
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOADJUSTABLE TRANSOBTURATOR SLING (TOA)• Incisão vaginal única• Permite ajuste da tensão da ...
•   Objetivo: comparar a eficácia e a segurança das TOA x TOT para tratamento de IUE por    DEI•   Método: foram randomiza...
CONCLUSÕES• Cirurgia de Burch tem uma taxa de cura a longo prazo  satisfatória.• A cirurgia de Burch e o sling tradicional...
CONCLUSÕES• Mini-sling e TOA são técnicas novas que ainda necessitam de  muitos estudos clínicos.• Qual seria então a prin...
OBRIGADA!            beteromano@yahoo.com.br
Avaliação crítica das técnicas cirúrgica s para correção da
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Avaliação crítica das técnicas cirúrgica s para correção da

2.339 visualizações

Publicada em

seminário novembro/2012

  • Seja o primeiro a comentar

Avaliação crítica das técnicas cirúrgica s para correção da

  1. 1. AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS TÉCNICAS CIRÚRGICAS PARA CORREÇÃO DAINCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO ELIZABETE ROMANO – R3 Orientadora: REBECCA SOTELO
  2. 2. INTRODUÇÃO• INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO (IUE) • Definição • Tipos • Hipermobilidade vesical • Deficiência esfincteriana intrínsceca (DEI) • Tratamento • Clínico • Cirúrgico Ginecologia fundamental. Ed Atheneu, 2005
  3. 3. TRATAMENTO CIRÚRGICO• ABDOMINAL • Burch (colpossuspensão retropúbica)• VAGINAL • Kelly-Kennedy (colporrafia anterior) • Sling (mista, via vaginal e abdominal) • Faixa suburetral livre de tensão (Tension Free) Ginecologia fundamental. Ed Atheneu, 2005
  4. 4. COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA• Via abdominal.• Fixação dos fundos de saco vaginais laterais no ligamento ileopectíneo.• A técnica original, segundo Marshall-Marchetti-Krantz, tornou-se obsoleta.• Técnica de Burch Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  5. 5. COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA1 2 3 Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  6. 6. COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA• Complicações • Sangramento • Infecção • Lesões de bexiga ou uretra • Hematomas no espaço de Retzius • Obstrução dos ureteres • Distúrbios do esvaziamento vesical • Prolapso de parede vaginal posterior • Falha no tratamento Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  7. 7. COLPORRAFIA ANTERIOR• Cirurgia de kelly-kennedy.• Via vaginal.• Consiste na incisão da mucosa da parede vaginal anterior, dissecção da fáscia vesico-vaginal e sua plicatura na linha média.• Apresenta resultados muito pobres para tratamento de IUE Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  8. 8. CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)• Via vaginal e abdominal• Colocação de faixa suburetral (de material orgânico ou sintético) e sua fixação por meio de fios inabsorvíveis acima da aponeurose dos músculos reto-abdominais.• Necessita de cistoscopia intraoperatória.• Tem maiores índices de retenção urinária que a cirurgia de Burch. Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  9. 9. CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)1 2 3 4 Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  10. 10. CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)• Complicações • Sangramento, distúrbios da cicatrização e seroma da coxa. • Lesões de bexiga e uretra. • Distúrbio do esvaziamento vesical. • Recidiva Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  11. 11. • Objetivo: identificar modificações urodinâmicas e correlacionar com os resultados pós cirúrgicos de pacientes submetidas a Burch e Sling.• Métodos: randomização de 655 mulheres com IUE tratadas com cirugia de Burch ou Sling fascial autólogo.• Conclusão: • Os resultados positivos dos dois grupos estavam mais associados com maiores pressões de perda aos esforços no pré-operatório. • A taxa de sucesso foi semelhante nos dois grupos Female Urology, jul/ 2011.
  12. 12. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO• Faixa de tecido sintético, posicionada na porção média da uretra.• Tipos: • Transvaginal Tape (TVT) – Retropúbica • Transobturatória (TOT) • Mini-slings • Adjustable slings Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012 Uptodate, 2011
  13. 13. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃORETROPÚBICA (TVT) The tension free vaginal tape. Urol Clin N Am 38 (2011) 39-45
  14. 14. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃORETROPÚBICA (TVT) • Boa taxa de sucesso (87% em 24 meses) • Necessita de cistoscopia intra-operatória • Complicações: • Perfuração vesical • Sangramento • Formação de hematoma • ITU • Urgência • Distúrbio do esvaziamento vesical • Extrusão Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  15. 15. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOTRANSOBTURATÓRIA (TOT) Taweel & Rabah. Transobturatore tape for female stress incontinence: follow –up after 24 months. Can Urol, vol 4, pag 33-36, 2010
  16. 16. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOTRANSOBTURATÓRIA• Boa taxa de sucesso (84%)• Dispensa cistoscopia intra-operatória• Complicações • Distúrbio do esvaziamento vesical • Dor pós-operatória • Urgência • ITU • Perfuração vesical (<1%) • Extrusão Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  17. 17. • Objetivo: descrever complicações, após 24 meses, em 597 mulheres randomizadas e submetidas a TVT e TOT.• Resultados:• 383 eventos adversos em 253 mulheres.• 20% foram classificados como sérios American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
  18. 18. American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
  19. 19. American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
  20. 20. • As técnicas de sling retropúbico e transobturatório são eficazes para tratamento de IUE.• Não houve diferença estatística significante entre as duas abordagens. Rev Assoc Med Bras 2010; 56 (3): 348-354
  21. 21. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOMINI-SLING• São mais curtas• Requer somente uma incisão na parede vaginal anterior Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  22. 22. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOMINI-SLING• Menor injúria tecidual• Menor risco de lesão visceral• Menor necessidade de cateterização pós-operatória em comparação com TVT e TOT• Mini-sling x TOT: não houve diferença nas taxas objetivas de cura• Mini-sling x TVT: taxa de cura em 6 meses significativamente menor no mini-sling. Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012 Uptodate, 2011
  23. 23. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃOADJUSTABLE TRANSOBTURATOR SLING (TOA)• Incisão vaginal única• Permite ajuste da tensão da faixa no pós-operatório• Favorece menor taxa de disfunção de esvaziamento vesical Uptodate, 2011
  24. 24. • Objetivo: comparar a eficácia e a segurança das TOA x TOT para tratamento de IUE por DEI• Método: foram randomizadas 80 mulheres, sendo 33 submetidas a TOA e 47 submetidas a TOT• Resultados: • Após 6 meses a taxa de cura foi similar • Do grupo TOA, 4 pacientes necessitaram de redução da tensão e 5 de aumento da tensão da faixa no pós-operatório• Conclusão: • TOA teve melhores resultados a curto prazo • TOA teve menores taxas de distúrbio do esvaziamento vesical Korean J Urol 2012; 53: 98-103
  25. 25. CONCLUSÕES• Cirurgia de Burch tem uma taxa de cura a longo prazo satisfatória.• A cirurgia de Burch e o sling tradicional tem taxas de cura semelhantes, no entanto há maior retenção urinária com sling e maior índice de hematomas com Burch.• Faixas suburetrais livre de tensão TOT e TVT tem eficácias semelhantes• Perfuração e obstrução vesical são muito mais frequentes na TVT.• Dor no pós-operatório ocorre com maior frequência no TOT.
  26. 26. CONCLUSÕES• Mini-sling e TOA são técnicas novas que ainda necessitam de muitos estudos clínicos.• Qual seria então a principal questão na escolha do tratamento cirúrgico da IUE?...
  27. 27. OBRIGADA! beteromano@yahoo.com.br

×