SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS TÉCNICAS
   CIRÚRGICAS PARA CORREÇÃO DA
INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO




                        ELIZABETE ROMANO – R3
                    Orientadora: REBECCA SOTELO
INTRODUÇÃO
• INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO (IUE)
   • Definição
   • Tipos
      • Hipermobilidade vesical
      • Deficiência esfincteriana intrínsceca (DEI)
   • Tratamento
      • Clínico
      • Cirúrgico


                                         Ginecologia fundamental. Ed Atheneu, 2005
TRATAMENTO CIRÚRGICO
• ABDOMINAL
  • Burch (colpossuspensão retropúbica)


• VAGINAL
  • Kelly-Kennedy (colporrafia anterior)
  • Sling (mista, via vaginal e abdominal)
  • Faixa suburetral livre de tensão (Tension Free)


                                               Ginecologia fundamental. Ed Atheneu, 2005
COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA

• Via abdominal.


• Fixação dos fundos de saco vaginais laterais no ligamento
  ileopectíneo.


• A técnica original, segundo Marshall-Marchetti-Krantz, tornou-se
  obsoleta.
• Técnica de Burch



                                              Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA
1




                 2




                                3




                            Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA
• Complicações
   • Sangramento
   • Infecção
   • Lesões de bexiga ou uretra
   • Hematomas no espaço de Retzius
   • Obstrução dos ureteres
   • Distúrbios do esvaziamento vesical
   • Prolapso de parede vaginal posterior
   • Falha no tratamento


                                          Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
COLPORRAFIA ANTERIOR

• Cirurgia de kelly-kennedy.


• Via vaginal.


• Consiste na incisão da mucosa da parede vaginal
  anterior, dissecção da fáscia vesico-vaginal e sua plicatura na
  linha média.


• Apresenta resultados muito pobres para tratamento de IUE



                                             Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)
• Via vaginal e abdominal


• Colocação de faixa suburetral (de material orgânico ou
  sintético) e sua fixação por meio de fios inabsorvíveis acima da
  aponeurose dos músculos reto-abdominais.


• Necessita de cistoscopia intraoperatória.


• Tem maiores índices de retenção urinária que a cirurgia de
  Burch.


                                              Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)
1               2                  3




                4




                                  Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS)
• Complicações
   • Sangramento, distúrbios da cicatrização e seroma da coxa.


   • Lesões de bexiga e uretra.


   • Distúrbio do esvaziamento vesical.


   • Recidiva




                                          Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
• Objetivo: identificar modificações urodinâmicas e correlacionar com os
  resultados pós cirúrgicos de pacientes submetidas a Burch e Sling.
• Métodos: randomização de 655 mulheres com IUE tratadas com cirugia de
  Burch ou Sling fascial autólogo.
• Conclusão:
    • Os resultados positivos dos dois grupos estavam mais associados com
      maiores pressões de perda aos esforços no pré-operatório.
    • A taxa de sucesso foi semelhante nos dois grupos



                                                               Female Urology, jul/ 2011.
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO

• Faixa de tecido sintético, posicionada na porção média da
  uretra.


• Tipos:
   • Transvaginal Tape (TVT) – Retropúbica
   • Transobturatória (TOT)
   • Mini-slings
   • Adjustable slings



                                           Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
                                                                                Uptodate, 2011
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO
RETROPÚBICA (TVT)




                         The tension free vaginal tape. Urol Clin N Am 38 (2011) 39-45
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO
RETROPÚBICA (TVT)
   • Boa taxa de sucesso (87% em 24 meses)
   • Necessita de cistoscopia intra-operatória
   • Complicações:
       • Perfuração vesical
       • Sangramento
       • Formação de hematoma
       • ITU
       • Urgência
       • Distúrbio do esvaziamento vesical
       • Extrusão

                                                 Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO
TRANSOBTURATÓRIA (TOT)




                Taweel & Rabah. Transobturatore tape for female stress incontinence: follow –up after
                                                        24 months. Can Urol, vol 4, pag 33-36, 2010
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO
TRANSOBTURATÓRIA
• Boa taxa de sucesso (84%)
• Dispensa cistoscopia intra-operatória
• Complicações
   • Distúrbio do esvaziamento vesical
   • Dor pós-operatória
   • Urgência
   • ITU
   • Perfuração vesical (<1%)
   • Extrusão


                                          Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
• Objetivo: descrever complicações, após 24 meses, em 597
  mulheres randomizadas e submetidas a TVT e TOT.
• Resultados:
• 383 eventos adversos em 253 mulheres.
• 20% foram classificados como sérios



                                          American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
• As técnicas de sling retropúbico e transobturatório são eficazes
  para tratamento de IUE.


• Não houve diferença estatística significante entre as duas
  abordagens.




                                                 Rev Assoc Med Bras 2010; 56 (3): 348-354
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO
MINI-SLING
• São mais curtas
• Requer somente uma incisão na parede vaginal anterior




                                        Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO
MINI-SLING
• Menor injúria tecidual


• Menor risco de lesão visceral


• Menor necessidade de cateterização pós-operatória em comparação
  com TVT e TOT


• Mini-sling x TOT: não houve diferença nas taxas objetivas de cura
• Mini-sling x TVT: taxa de cura em 6 meses significativamente menor
  no mini-sling.


                                           Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
                                                                                Uptodate, 2011
FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO

ADJUSTABLE TRANSOBTURATOR SLING (TOA)
• Incisão vaginal única
• Permite ajuste da tensão da faixa no pós-operatório
• Favorece menor taxa de disfunção de esvaziamento vesical




                                                        Uptodate, 2011
•   Objetivo: comparar a eficácia e a segurança das TOA x TOT para tratamento de IUE por
    DEI
•   Método: foram randomizadas 80 mulheres, sendo 33 submetidas a TOA e 47 submetidas
    a TOT
•   Resultados:
     • Após 6 meses a taxa de cura foi similar
     • Do grupo TOA, 4 pacientes necessitaram de redução da tensão e 5 de aumento da
       tensão da faixa no pós-operatório
•   Conclusão:
     • TOA teve melhores resultados a curto prazo
     • TOA teve menores taxas de distúrbio do esvaziamento vesical


                                                                     Korean J Urol 2012; 53: 98-103
CONCLUSÕES
• Cirurgia de Burch tem uma taxa de cura a longo prazo
  satisfatória.
• A cirurgia de Burch e o sling tradicional tem taxas de cura
  semelhantes, no entanto há maior retenção urinária com sling e
  maior índice de hematomas com Burch.
• Faixas suburetrais livre de tensão TOT e TVT tem eficácias
  semelhantes
• Perfuração e obstrução vesical são muito mais frequentes na
  TVT.
• Dor no pós-operatório ocorre com maior frequência no TOT.
CONCLUSÕES
• Mini-sling e TOA são técnicas novas que ainda necessitam de
  muitos estudos clínicos.




• Qual seria então a principal questão na escolha
        do tratamento cirúrgico da IUE?...
OBRIGADA!




            beteromano@yahoo.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) blogped1
 
Hernia inguinais . dr. falcão
Hernia inguinais . dr. falcãoHernia inguinais . dr. falcão
Hernia inguinais . dr. falcãoMarcelo Falcao
 
Incontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaIncontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaclinicansl
 
Hrav-trauma esplenico revisão
Hrav-trauma esplenico revisãoHrav-trauma esplenico revisão
Hrav-trauma esplenico revisãoLee James Ramos
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudopauloalambert
 
Prolapso pelvico
Prolapso pelvicoProlapso pelvico
Prolapso pelvicoKetinlly
 
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos FundamentaisDoenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos FundamentaisOzimo Gama
 
Hérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominalHérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominalSamir Junior
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoCaroline Reis Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
Aula - "Vias de Acesso à Cavidade Abdominal: laparotomia e videolaparoscopia".
 
Esvaziamentos cervicais
Esvaziamentos cervicaisEsvaziamentos cervicais
Esvaziamentos cervicais
 
Tumores de ovário
Tumores de ovárioTumores de ovário
Tumores de ovário
 
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU) Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
Infecção do Trato Urinário na Infância (ITU)
 
Hernia inguinais . dr. falcão
Hernia inguinais . dr. falcãoHernia inguinais . dr. falcão
Hernia inguinais . dr. falcão
 
Incontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapiaIncontinência urinária fisioterapia
Incontinência urinária fisioterapia
 
Hrav-trauma esplenico revisão
Hrav-trauma esplenico revisãoHrav-trauma esplenico revisão
Hrav-trauma esplenico revisão
 
Sindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudoSindrome do abdome agudo
Sindrome do abdome agudo
 
Carcinoma Urotelial da bexiga
Carcinoma Urotelial da bexigaCarcinoma Urotelial da bexiga
Carcinoma Urotelial da bexiga
 
Prolapso pelvico
Prolapso pelvicoProlapso pelvico
Prolapso pelvico
 
Prolapso Genital
Prolapso GenitalProlapso Genital
Prolapso Genital
 
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostraRastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
Rastreamento do câncer do colo do útero: adequabilidade da amostra
 
Trauma vascular
Trauma vascularTrauma vascular
Trauma vascular
 
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos FundamentaisDoenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
Doenças Orificiais - Aspectos Cirúrgicos Fundamentais
 
Uso do partograma
Uso do partogramaUso do partograma
Uso do partograma
 
Hérnias abdominais
Hérnias abdominaisHérnias abdominais
Hérnias abdominais
 
Hérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominalHérnias da parede abdominal
Hérnias da parede abdominal
 
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e VácuoParto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
Parto vaginal assistido - Fórceps e Vácuo
 
Apr.hiperplasia+endometrial
Apr.hiperplasia+endometrialApr.hiperplasia+endometrial
Apr.hiperplasia+endometrial
 
Aula - Hérnia diafragmática congênita
Aula - Hérnia diafragmática congênita   Aula - Hérnia diafragmática congênita
Aula - Hérnia diafragmática congênita
 

Destaque

Destaque (12)

Cistite Intersticial
Cistite Intersticial  Cistite Intersticial
Cistite Intersticial
 
Cistite Bacteriana de Repetição
Cistite Bacteriana de  RepetiçãoCistite Bacteriana de  Repetição
Cistite Bacteriana de Repetição
 
Sistema Urinario
Sistema UrinarioSistema Urinario
Sistema Urinario
 
Femoral hernia - Groin swellings
Femoral hernia - Groin swellingsFemoral hernia - Groin swellings
Femoral hernia - Groin swellings
 
Palestra infecção
Palestra infecçãoPalestra infecção
Palestra infecção
 
Incontinencia urinaria en mujeres
Incontinencia urinaria en mujeresIncontinencia urinaria en mujeres
Incontinencia urinaria en mujeres
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Incontinencia Urinaria
Incontinencia UrinariaIncontinencia Urinaria
Incontinencia Urinaria
 
(2014-06-12) Incontinencia urinaria (PPT)
(2014-06-12) Incontinencia urinaria (PPT)(2014-06-12) Incontinencia urinaria (PPT)
(2014-06-12) Incontinencia urinaria (PPT)
 
Prolapso Genital 2011
 Prolapso Genital 2011 Prolapso Genital 2011
Prolapso Genital 2011
 
Sistema UrináRio
Sistema UrináRioSistema UrináRio
Sistema UrináRio
 
Incontinencia Urinaria
Incontinencia UrinariaIncontinencia Urinaria
Incontinencia Urinaria
 

Semelhante a Comparação das técnicas cirúrgicas para correção da incontinência urinária de esforço

Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfRonanAlmeidaMacedo
 
Prolapso de Órgãos Pélvicos - Manejo Videolaparoscópico
Prolapso de Órgãos Pélvicos - Manejo VideolaparoscópicoProlapso de Órgãos Pélvicos - Manejo Videolaparoscópico
Prolapso de Órgãos Pélvicos - Manejo VideolaparoscópicoGuilherme Behrend Silva Ribeiro
 
Cateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical IntermitenteCateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical Intermitenteaverbeck
 
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptxAula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptxAdrianoCosta696471
 
Laparoscopia em Uro-ginecologia
Laparoscopia em Uro-ginecologiaLaparoscopia em Uro-ginecologia
Laparoscopia em Uro-ginecologiaUrovideo.org
 
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoAssistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoZilda Romualdo
 
Tratamento laparoscópico do prolapso genital
Tratamento laparoscópico do prolapso genitalTratamento laparoscópico do prolapso genital
Tratamento laparoscópico do prolapso genitalUrovideo.org
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações Urovideo.org
 
hernias de parede abdominal
hernias de parede abdominalhernias de parede abdominal
hernias de parede abdominalKennyelVelozo
 
Histerectomia - LACAS - Rodrigo Mont'Alverne
Histerectomia - LACAS -  Rodrigo Mont'AlverneHisterectomia - LACAS -  Rodrigo Mont'Alverne
Histerectomia - LACAS - Rodrigo Mont'AlverneRodrigo Mont'Alverne
 
Clube de Revista - Abdominoplastia.pdf
Clube de Revista - Abdominoplastia.pdfClube de Revista - Abdominoplastia.pdf
Clube de Revista - Abdominoplastia.pdfBrunno Rosique
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptbianca375788
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptgizaraposo
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaFatianeSantos
 
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...Conrado Alvarenga
 
Análise crítica da curva de aprendizado na prostatectomia radical laparoscópica
Análise crítica da curva de aprendizado na prostatectomia radical laparoscópicaAnálise crítica da curva de aprendizado na prostatectomia radical laparoscópica
Análise crítica da curva de aprendizado na prostatectomia radical laparoscópicaUrovideo.org
 

Semelhante a Comparação das técnicas cirúrgicas para correção da incontinência urinária de esforço (20)

Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdfAula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
Aula-18-Cirurgias-Ginecológicas.pdf
 
Prolapso de Órgãos Pélvicos - Manejo Videolaparoscópico
Prolapso de Órgãos Pélvicos - Manejo VideolaparoscópicoProlapso de Órgãos Pélvicos - Manejo Videolaparoscópico
Prolapso de Órgãos Pélvicos - Manejo Videolaparoscópico
 
Cateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical IntermitenteCateterismo Vesical Intermitente
Cateterismo Vesical Intermitente
 
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptxAula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
Aula 01 -Clínica Cirúrgica.pptx
 
Laparoscopia em Uro-ginecologia
Laparoscopia em Uro-ginecologiaLaparoscopia em Uro-ginecologia
Laparoscopia em Uro-ginecologia
 
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculinoAssistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
Assistencia pre e pos operatoria sistema urinario e sistema reprodutor masculino
 
Colescistite .pdf
Colescistite .pdfColescistite .pdf
Colescistite .pdf
 
Tratamento laparoscópico do prolapso genital
Tratamento laparoscópico do prolapso genitalTratamento laparoscópico do prolapso genital
Tratamento laparoscópico do prolapso genital
 
Hérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombarHérnia de disco lombar
Hérnia de disco lombar
 
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
NEOBEXIGA ORTOTÓPICA - Como Previnir Complicações
 
HPP(1).pptx
HPP(1).pptxHPP(1).pptx
HPP(1).pptx
 
hernias de parede abdominal
hernias de parede abdominalhernias de parede abdominal
hernias de parede abdominal
 
Histerectomia - LACAS - Rodrigo Mont'Alverne
Histerectomia - LACAS -  Rodrigo Mont'AlverneHisterectomia - LACAS -  Rodrigo Mont'Alverne
Histerectomia - LACAS - Rodrigo Mont'Alverne
 
Clube de Revista - Abdominoplastia.pdf
Clube de Revista - Abdominoplastia.pdfClube de Revista - Abdominoplastia.pdf
Clube de Revista - Abdominoplastia.pdf
 
Pneumoperitonio
PneumoperitonioPneumoperitonio
Pneumoperitonio
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.pptassistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
assistencia-enfermagem-cirurgica.ppt
 
Assistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgicaAssistencia enfermagem-cirurgica
Assistencia enfermagem-cirurgica
 
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
Vasectomia final - dicas e aspectos práticos sobre vasectomia - aula para cur...
 
Análise crítica da curva de aprendizado na prostatectomia radical laparoscópica
Análise crítica da curva de aprendizado na prostatectomia radical laparoscópicaAnálise crítica da curva de aprendizado na prostatectomia radical laparoscópica
Análise crítica da curva de aprendizado na prostatectomia radical laparoscópica
 

Mais de Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mais de Hospital Universitário - Universidade Federal do Rio de Janeiro (20)

Seminario canadian recovered
Seminario canadian recoveredSeminario canadian recovered
Seminario canadian recovered
 
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovárioQuimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
Quimioterapia neoadjuvante versus cirurgia inicial em CA de ovário
 
Avaliação laboratorial pré_trh_revisado
Avaliação laboratorial pré_trh_revisadoAvaliação laboratorial pré_trh_revisado
Avaliação laboratorial pré_trh_revisado
 
Hormonioterapia neoadjuvante do_câncer_de_mama
Hormonioterapia neoadjuvante do_câncer_de_mamaHormonioterapia neoadjuvante do_câncer_de_mama
Hormonioterapia neoadjuvante do_câncer_de_mama
 
Cirurgia oncoplástica da_mama
Cirurgia oncoplástica da_mamaCirurgia oncoplástica da_mama
Cirurgia oncoplástica da_mama
 
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mamaRadioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
Radioterapia adjuvante no_câncer_de_mama
 
Trabalho colposcopia final
Trabalho colposcopia finalTrabalho colposcopia final
Trabalho colposcopia final
 
Assistência à vítima de abuso sexual lpjn
Assistência à vítima de abuso sexual   lpjnAssistência à vítima de abuso sexual   lpjn
Assistência à vítima de abuso sexual lpjn
 
Abordagem Atual no Diagnostico dos Tumores Ovarianos
Abordagem Atual no Diagnostico dos Tumores OvarianosAbordagem Atual no Diagnostico dos Tumores Ovarianos
Abordagem Atual no Diagnostico dos Tumores Ovarianos
 
Dor Pelvica Cronica
Dor Pelvica CronicaDor Pelvica Cronica
Dor Pelvica Cronica
 
Malformações genitais
Malformações genitaisMalformações genitais
Malformações genitais
 
Cirurgia radioguiada no câncer de mama
Cirurgia radioguiada no câncer de mamaCirurgia radioguiada no câncer de mama
Cirurgia radioguiada no câncer de mama
 
Carcinoma ductal in situ apresentação
Carcinoma ductal in situ   apresentaçãoCarcinoma ductal in situ   apresentação
Carcinoma ductal in situ apresentação
 
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
Falencia ovariana precoce - diagnostico - FIV - drogas
 
NIV
NIVNIV
NIV
 
Aplicabilidade clínica dos testes genéticos nos câncer de mama
Aplicabilidade clínica dos testes genéticos nos câncer de mamaAplicabilidade clínica dos testes genéticos nos câncer de mama
Aplicabilidade clínica dos testes genéticos nos câncer de mama
 
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologia
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologiaHighlights xvii congresso brasileiro de mastologia
Highlights xvii congresso brasileiro de mastologia
 
Rastreamento mamográfico seminario 20.09
Rastreamento mamográfico seminario 20.09Rastreamento mamográfico seminario 20.09
Rastreamento mamográfico seminario 20.09
 
Pronto !! distúrbios urinários do climatér ioooo
Pronto !!   distúrbios urinários do climatér iooooPronto !!   distúrbios urinários do climatér ioooo
Pronto !! distúrbios urinários do climatér ioooo
 
Otimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagemOtimização dos métodos de imagem
Otimização dos métodos de imagem
 

Comparação das técnicas cirúrgicas para correção da incontinência urinária de esforço

  • 1. AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS TÉCNICAS CIRÚRGICAS PARA CORREÇÃO DA INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO ELIZABETE ROMANO – R3 Orientadora: REBECCA SOTELO
  • 2. INTRODUÇÃO • INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO (IUE) • Definição • Tipos • Hipermobilidade vesical • Deficiência esfincteriana intrínsceca (DEI) • Tratamento • Clínico • Cirúrgico Ginecologia fundamental. Ed Atheneu, 2005
  • 3. TRATAMENTO CIRÚRGICO • ABDOMINAL • Burch (colpossuspensão retropúbica) • VAGINAL • Kelly-Kennedy (colporrafia anterior) • Sling (mista, via vaginal e abdominal) • Faixa suburetral livre de tensão (Tension Free) Ginecologia fundamental. Ed Atheneu, 2005
  • 4. COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA • Via abdominal. • Fixação dos fundos de saco vaginais laterais no ligamento ileopectíneo. • A técnica original, segundo Marshall-Marchetti-Krantz, tornou-se obsoleta. • Técnica de Burch Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 5. COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA 1 2 3 Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 6. COLPOSSUSPENSÃO RETROPÚBICA • Complicações • Sangramento • Infecção • Lesões de bexiga ou uretra • Hematomas no espaço de Retzius • Obstrução dos ureteres • Distúrbios do esvaziamento vesical • Prolapso de parede vaginal posterior • Falha no tratamento Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 7. COLPORRAFIA ANTERIOR • Cirurgia de kelly-kennedy. • Via vaginal. • Consiste na incisão da mucosa da parede vaginal anterior, dissecção da fáscia vesico-vaginal e sua plicatura na linha média. • Apresenta resultados muito pobres para tratamento de IUE Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 8. CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS) • Via vaginal e abdominal • Colocação de faixa suburetral (de material orgânico ou sintético) e sua fixação por meio de fios inabsorvíveis acima da aponeurose dos músculos reto-abdominais. • Necessita de cistoscopia intraoperatória. • Tem maiores índices de retenção urinária que a cirurgia de Burch. Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 9. CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS) 1 2 3 4 Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 10. CINTAS SUBURETRAIS (SLINGS) • Complicações • Sangramento, distúrbios da cicatrização e seroma da coxa. • Lesões de bexiga e uretra. • Distúrbio do esvaziamento vesical. • Recidiva Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 11. • Objetivo: identificar modificações urodinâmicas e correlacionar com os resultados pós cirúrgicos de pacientes submetidas a Burch e Sling. • Métodos: randomização de 655 mulheres com IUE tratadas com cirugia de Burch ou Sling fascial autólogo. • Conclusão: • Os resultados positivos dos dois grupos estavam mais associados com maiores pressões de perda aos esforços no pré-operatório. • A taxa de sucesso foi semelhante nos dois grupos Female Urology, jul/ 2011.
  • 12. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO • Faixa de tecido sintético, posicionada na porção média da uretra. • Tipos: • Transvaginal Tape (TVT) – Retropúbica • Transobturatória (TOT) • Mini-slings • Adjustable slings Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012 Uptodate, 2011
  • 13. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO RETROPÚBICA (TVT) The tension free vaginal tape. Urol Clin N Am 38 (2011) 39-45
  • 14. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO RETROPÚBICA (TVT) • Boa taxa de sucesso (87% em 24 meses) • Necessita de cistoscopia intra-operatória • Complicações: • Perfuração vesical • Sangramento • Formação de hematoma • ITU • Urgência • Distúrbio do esvaziamento vesical • Extrusão Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 15. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO TRANSOBTURATÓRIA (TOT) Taweel & Rabah. Transobturatore tape for female stress incontinence: follow –up after 24 months. Can Urol, vol 4, pag 33-36, 2010
  • 16.
  • 17. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO TRANSOBTURATÓRIA • Boa taxa de sucesso (84%) • Dispensa cistoscopia intra-operatória • Complicações • Distúrbio do esvaziamento vesical • Dor pós-operatória • Urgência • ITU • Perfuração vesical (<1%) • Extrusão Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 18. • Objetivo: descrever complicações, após 24 meses, em 597 mulheres randomizadas e submetidas a TVT e TOT. • Resultados: • 383 eventos adversos em 253 mulheres. • 20% foram classificados como sérios American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
  • 19. American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
  • 20. American Journal of Obstetrics and Gynecology, Jul/ 2011.
  • 21. • As técnicas de sling retropúbico e transobturatório são eficazes para tratamento de IUE. • Não houve diferença estatística significante entre as duas abordagens. Rev Assoc Med Bras 2010; 56 (3): 348-354
  • 22. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO MINI-SLING • São mais curtas • Requer somente uma incisão na parede vaginal anterior Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012
  • 23. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO MINI-SLING • Menor injúria tecidual • Menor risco de lesão visceral • Menor necessidade de cateterização pós-operatória em comparação com TVT e TOT • Mini-sling x TOT: não houve diferença nas taxas objetivas de cura • Mini-sling x TVT: taxa de cura em 6 meses significativamente menor no mini-sling. Atlas de Cirurgia Ginecológica. 7ª ed. Artmed, 2012 Uptodate, 2011
  • 24. FAIXA SUBURETRAL LIVRE DE TENSÃO ADJUSTABLE TRANSOBTURATOR SLING (TOA) • Incisão vaginal única • Permite ajuste da tensão da faixa no pós-operatório • Favorece menor taxa de disfunção de esvaziamento vesical Uptodate, 2011
  • 25. Objetivo: comparar a eficácia e a segurança das TOA x TOT para tratamento de IUE por DEI • Método: foram randomizadas 80 mulheres, sendo 33 submetidas a TOA e 47 submetidas a TOT • Resultados: • Após 6 meses a taxa de cura foi similar • Do grupo TOA, 4 pacientes necessitaram de redução da tensão e 5 de aumento da tensão da faixa no pós-operatório • Conclusão: • TOA teve melhores resultados a curto prazo • TOA teve menores taxas de distúrbio do esvaziamento vesical Korean J Urol 2012; 53: 98-103
  • 26. CONCLUSÕES • Cirurgia de Burch tem uma taxa de cura a longo prazo satisfatória. • A cirurgia de Burch e o sling tradicional tem taxas de cura semelhantes, no entanto há maior retenção urinária com sling e maior índice de hematomas com Burch. • Faixas suburetrais livre de tensão TOT e TVT tem eficácias semelhantes • Perfuração e obstrução vesical são muito mais frequentes na TVT. • Dor no pós-operatório ocorre com maior frequência no TOT.
  • 27. CONCLUSÕES • Mini-sling e TOA são técnicas novas que ainda necessitam de muitos estudos clínicos. • Qual seria então a principal questão na escolha do tratamento cirúrgico da IUE?...
  • 28. OBRIGADA! beteromano@yahoo.com.br