Pronto !! distúrbios urinários do climatér ioooo

965 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
965
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pronto !! distúrbios urinários do climatér ioooo

  1. 1. DISTÚRBIOS URINÁRIOS DO CLIMATÉRIO : Avaliação clínica e urodinâmica Bethania Rodrigues Maia Orientadora : Ana Luisa
  2. 2. INTRODUÇÃO • CLIMATÉRIO : Fase da vida da mulher na qual ocorre a transição do período reprodutivo para o não reprodutivo . • MENOPAUSA: Ponto no tempo que se estende por um ano após a cessação da menstruação. • SÍNDROME CLIMATÉRICA : Elenco de sintomas que se manifesta nesse período Climatério: Manual de Orientaçào, FEBRASGO, 1995
  3. 3. FISIOPATOLOGIA • Insuficiência ovariana secundária ao consumo de folículos primordiais • Deficiência de hormônios esteróides sexuais • Cursam com alterações orgânicas : - Sintomas vasomotores - Distúrbios do humor e sono - Alterações ósseas - Alterações urogenitais Ginecologia de Williams:A mulher madura. Porto alegre:Artmed,2011
  4. 4. • No ano 2000: 13 % das mulheres com mais de 50 anos • Aumento da expectativa de vida Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  5. 5. • Trato genital feminino e trato urinário possuem a mesma origem embriológica. • Presença de receptores de estrogênio e progesterona na uretra, bexiga, nos ligamentos,fáscias e musculatura do assoalho pévico . Ginecologia de Williams:A mulher madura. Porto alegre:Artmed,2011
  6. 6. Climatério no sistema Genitourinário • Vulva : -Redução dos pelos pubiano -Redução do conteúdo elástico dos grandes lábios -Proeminência dos pequenos lábios • Vagina : - Alteração do PH - Redução da espessura da mucosa e estreitamento progressivo do intróito do canal vaginal . - Redução da lubrificação - Deficiência imunológica local - Maior aderência de uropatógenos Ginecologia de Williams:A mulher madura. Porto alegre:Artmed,2011
  7. 7. Medicinadocasal.com.br
  8. 8. Climatério e o sistema genitourinário • Redução dos receptores alfa – adrenérgicos • Atrofia da mucosa vesical e uretral • Redução do tônus do esfíncter uretral • Redução do número de vasos do plexo venoso submucoso e alteração do seu fluxo • Alteração do relaxamento da musculatura pélvica • Atrofia das fibras musculares lisas e do colágeno • Redução da complacência vesical Ginecologia de Williams:A mulher madura. Porto alegre:Artmed,2011
  9. 9. • • • • SÍNDROME URETRAL INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO INCONTINÊNCA URINÁRIA DIFICULDADE DE ESVAZIAMENTO VESICAL
  10. 10. SÍNDROME URETRAL • Polaciúria, disúria, sensação de micção iminente, dor no abdomen inferior • Associada a urina estéril • Melhora dos sintomas com a micção • Fator psicossomático associado ALDRIG JM- Distúrbios urogentais da mulher menopausada : fisiopatologia e aspectos clinicos. J.Bras. Ginecol;102:3-6,1992
  11. 11. INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO • A infecção do trato urinário aumenta no climatério • - Os agentes microbianos mais frequentes são : E. coli Klebsiella Enterobacter Pseudomonas enterococcus Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  12. 12. INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  13. 13. INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO • - Sintomas : Urgência miccional Disúria Polaciúria Tenesmo vesical Hematúria - Em pacientes com mais de 65 anos a ITU pode apresentar um quadro clínico atípico Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  14. 14. INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  15. 15. INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO • A bacteriúria assintomática deve ser tratada em paciente de maior risco : - Diabéticas - Antes da manipulação do trato urinário • Na ITU de repetiçao deve se: - Investigar focos de resistência - Definir o agente bacteriano Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  16. 16. HIPERATIVIDADE DO DETRUSOR • Causa mais comum de IU no climatério • Caracterizado por alteração no controle do reflexo de micção , levando a contrações não inibidas do detrusor . • Pode estar associada a incontinência urinária de esforço Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  17. 17. HIPERATIVIDADE DO DETRUSOR • Sintomas : - Urgência miccional - Urgeincontinencia - Enurese noturna • Diagnósticos Diferenciais : - Diabetes - Infecção do trato urinario - Medicações Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  18. 18. HIPERATIVIDADE DO DETRUSOR • - Diagnóstico : Diário miccional Exame ginecológico Teste de perda urinária Eas e urinocultura - Urodinâmica Presença de contrações não inibidas do detrusor com amplitude de 15 cm3 durante a cistometria . Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  19. 19. HIPERATIVIDADE DO DETRUSOR • Tratamento : - Reeducação vesical - Medicamentos Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  20. 20. INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO • CONCEITO : Perda de urina através do meato externo da uretra, quando a pressão vesical excede a pressão uretral , na ausência de contração do músculo detrusor. • FISIOPATOLOGIA : Hipermobilidade do colo : • Alteração no mecanismo uretral extrínseco: mudança da posição do colo vesical e da uretra proximal . • Lesão no componente do assoalho pélvico • Urodinâmica : Pressão de Perda > 90 cmH20 Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  21. 21. INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO Deficiência esfincetriana intrínseca - Inabilidade do mecanismo esfincteriano uretral - Causas: hipoestrogênismo, cirurgia vaginais - Perda urinária aos mínimos esforços - Urodinâmica : Pressão de Perda < 60 cmH20: insuficiência esfincteriana - 20% das mulheres na menopausa com IUE tem como causa a insuficiência esfincteriana intrínseca uretral Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  22. 22. O risco de Incontinência urinária piora com a idade Os preditores são : - Raça branca - sintomas vaginais - ITU de repetição - Histerectomia
  23. 23. INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO • Tratamento: - Exercícios perineais Cones vaginais Eletroestimulação Drogas alfa adrenérgicas imipramina 10 – 75 mg /dia - Estrogênio tópico Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  24. 24. INCONTINÊNCIA URINÁRIA DE ESFORÇO • Tratamento: Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  25. 25. # IUE foi o diagnóstico mais frequente #Quanto maior o tempo de menopausa maior a frequência de IUU
  26. 26. # Prevaleceu a IUE
  27. 27. Outras considerações do artigo ... • Redução do fluxo urinário máximo e médio . • Sensibilidade vesical aumentada com referência de primeiro desejo miccional reduzido (<150mL) no climatério • Não houve alteração do perfil pressórico uretral conforme o tempo de pós menopausa
  28. 28. • TRH piora a incontinência urinária •O uso de estrogênio local melhora a incontinência urinária
  29. 29. Dificuldade de esvaziamento vesical • Decorre da obstrução da uretra distal e da diminuiçao do seu calibre impedindo o fluxo normal pela uretra • Hipocontratilidade do detrusor • Diagnóstico diferencial de incontinência urinária • Principais causas : - Distúrbios neurológicos - Anticolinérgicos - Prolapso genital Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  30. 30. Dificuldade de esvaziamento vesical • - Sintomas : Esforço para urinar Esvaziamento vesical incompleto Gotejamento da urina pós micção • Urodinâmica : -Elevado resíduo pós miccional -Elevada capacidade cistométrica -Atraso do desejo pós miccional • Tratamento : - correção de fatores determinantes - drogas colinérgicas ou bloqueadores alfa adrenérgicas Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011
  31. 31. CONCLUSÃO • Aumento da expectativa de vida da mulher • Alterações orgânicas do climatério X qualidade de vida • A incontinência urinária de esforço e a queixa mais comum da mulher menopausada . • A TRH piora a incontinência urinária
  32. 32. Bibliografia • Climatério: Manual de Orientaçào, FEBRASGO, 1995 • Manual de uroginecologia e cirurgia vaginal : FEBRASGO , 2011 • Ginecologia de Williams:A mulher madura. Porto alegre:Artmed,2011 • Aldrighi JM. Distúrbios urogenitais da mulher menopausada: fisiopatologia e aspectos clínicos. J Bras Ginecol 1992. 102 supl.:3-6.] • Baracat EC, Haidar MA, Rodrigues De Lima G. Síndrome do climatério. Ars Curandi 1989; 22:26-31. • .Baracat EC, Haidar MA, Rodrigues De Lima G, Simões RD. Síndrome do climatério: aspectos atuais. Ars Curandi 1991; 24:9-16. • Bates P, Bradley WE, Glen E, Griffiths D, Melchior H, Rowan D, et al. The standardization of terminology of lower urinary tract function. J Urol 1979; 121:551. • Beisland HO, Fossberg E, Moer A, Sander S. Urethral sphincteric insufficiency in postmenopausal females: treatment with phenylpropanolamine and estriol separately and in combination. A urodynamic and clinical evaluation. Urol Int 1984; 39:211-6. • Brincat M, Moniz CF, Studd JWW, Darby AJ, Magos A, Cooper D. Sex hormones and skin collagen content in postmenopausal women. Br Med J 1983; 287:1337-8. • Callahan SM, Creed KE. The effects of oestrogens on spontaneous activity and responses to phenylephrine of the mammalian urethra. J Physiol 1985; 358:35-46. • Cardozo L. Role of estrogens in the treatment of female urinary incontinence. J Am Geriatr Soc 1990; 38:326-8.
  33. 33. OBRIGADA!!

×