Dor Pelvica Cronica

1.704 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.704
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dor Pelvica Cronica

  1. 1. Abordagem na Dor Pélvica Crônica Programa de Residência Médica em Ginecologia Universidade Federal do Rio de Janeiro Hospital Universitário Clementino Fraga Filho Residente: Pedro de Araujo Melo Orientadora: Profa. Juraci Ghiaroni
  2. 2. Introdução  Dor não cíclica que persiste por seis meses ou mais; localizada na pelve, na parede abdominal infraumbilical anterior ou na coluna lombossacra ou nas nádegas; e que leva a graus de incapacidade funcional (American College of Obstetricians and Gynecologists, 2004)
  3. 3. Introdução  12 a 20% nas mulheres em idade reprodutiva  Justificativa para 12 a 19% das histerectomias  Sensiblização Periférica + Sensibilização Central  Perpetuação da dor após ausência de estímulos
  4. 4. Etiologia  Endometriose  Adenomiose  Leiomiomas sintomáticos  Cistite intersticial  Síndrome do Intestino Irritável  Outras
  5. 5. Diagnóstico  Anamnese obrigatoriamente deve incluir o questionários de sintomas: - Genitais - Urinários - Gastrointestinais - Musculoesqueléticos - Psicológicos
  6. 6. Diagnóstico  Pelvic Pain Assessment Form (Sociedade Internacional de Dor Pélvica, 2008)
  7. 7. Diagnóstico  Pelvic Pain Assessment Form (Sociedade Internacional de Dor Pélvica, 2008)
  8. 8. Diagnóstico  Independentemente da causa da dor, sua persistência sugere a presença de fatores psicossociais contribuindo para sua manutenção.  Atendimento psicológico é uma parte fundamental na clínica multidisciplinar da dor  Forte associação com transtornos psiquiátricos (ansiedade/depressão) e história de abuso sexual
  9. 9. Diagnóstico  Históricos obstétrico, cirúrgico e psicossocial  Características da dor  Exame físico (postura, marcha, posições supina, sentada e de litotomia)  Avaliação laboratorial  Imagem radiográfica e endoscopia  Mapeamento consciente da dor
  10. 10. Endometriose  Não há correlação entre a localização das lesões ou sua gravidade e o quadro álgico  A síndrome dolorosa relacionada à endometriose é um conceito novo e em desenvolvimento definido como dor que não responde ao tratamento medicamentoso ou cirúrgico (especialmente na presença de doença leve ou moderada)  Frequentemente existe uma co-morbidade crônica (SII, cistite intersticial, fibromialgia, transtornos de ansiedade)
  11. 11. Endometriose
  12. 12. Causas específicas  Aderências Pélvicas  Síndrome do Resto Ovariano e Síndrome da Retenção Ovariana  Síndrome da Congestão Pélvica
  13. 13. Aderências Pélvicas  Conexões fibrosas entre as superfícies opostas dos órgãos ou entre um órgão e a parede abdominal  Relação pouco eslcarecida com a dor pélvica crônica  Achado principal em 25% das laparotomias por DPC
  14. 14. Aderências Pélvicas
  15. 15. Aderências Pélvicas  Fatores de risco: - Cirurgia prévia - Infecção intra-abdominal anterior - Endometriose  Laparoscopia diagnóstica indicada quando causas gastrointestinais, genitourinárias, osteomusculares ou neurológicas forem excluídas.
  16. 16. Aderências Pélvicas  Tratamento por lise cirúrgica (adesiólise vs adesiogênese)  Indicado apenas quando houver obstrução intestinal intermitente ou infertilidade  Procedimentos de repetição para lise de aderências são contra-indicados
  17. 17. Síndrome do Resto Ovariano e da Retenção Ovariana  Sobra de material ovariano após ooforectomia  Mais comumente causa dor cíclica e dispareunia  Sintomas podem aparecer anos após a cirurgia  Ultrassonografia diagnostica a maioria dos casos  Dosagem de FSH (< 40mIU/mL) e estradiol (>20pg/mL)
  18. 18. Síndrome do Resto Ovariano e da Retenção Ovariana  Contraceptivos orais combinados, progestágenos e análogos do GnRH (supressão hormonal)  Excisão laparoscópica (procedimento geralmente de difícil realização)
  19. 19. Síndrome da Congestão Pélvica  Fluxo venoso retrógrado por incompetência valvar causando congestão nos plexos venosos uterino e/ou ovariano  Relação com a multiparidade - Dilatação mecânica  Relação com a menopausa - Disfunção hormonal ovariana
  20. 20. Síndrome da Congestão Pélvica  Pioras no período pré-menstrual e após longos períodos na posição sentada ou em pé  Dor ovariana direta  Dor em região inguinal  Varicosidades em coxa, nádegas, períneo e vagina  Venografia pélvica  TC, RM, USG e laparoscopia
  21. 21. Síndrome da Congestão Pélvica  Contraceptivos orais combinados, progestágenos e análogos do GnRH (supressão hormonal)  Embolização transcutânea da veia ovariana  Histerectomia com ooforectomia
  22. 22. Síndrome da Congestão Pélvica
  23. 23. Tratamento  Abordagem multidisciplinar  Anaglésicos  Supressão horomonal  Antidepressivos e anticonvulsivantes  Neurólise  Histerectomia
  24. 24. Tratamento  Pacientes com dor que piora no período menstrual são candidatas a tratamento com supressão hormonal  Na suspeita de dor neuropática ou de sensibilização central considerar o uso de antidepressivos tricíclicos ou anticonvulsivantes em baixas doses  Não há evidências de benefícios no uso de opióides
  25. 25. Tratamento  Laparoscopia: - Adiada até que outros diagnósticos sejam excluídos e/ou que haja falha no tratamento medicamentoso - Ablação laparoscópica do nervo uterossacral e neurectomia pré-sacral
  26. 26. Tratamento  Histerectomia: - 30% das pacientes que procuram clínicas da dor para tratamento de DPC já realizaram histerectomia - Um estudo mostrou que uma abordagem multidisciplinar (ginecologista – fisioterapêuta - psicólogo) reduziu a taxa de histerectomia de 16.3% para 5.8%* *(Reiter RC, Gambone JC, et al. Availability of a multidisciplinary pelvic pain clinic and frequency of hysterectomy for pelvic pain. J Psychosom Obstet Gynecol 1991; 12:109.)
  27. 27. Tratamento  Histerectomia: - Indicada em mulheres com prole completa e com dor relacionada com endometriose ou patologias uterinas - PREPARE (Procedure / Reason / Expectation / Probability / Alternatives / Risks / Expenses) - ACOG sugere preferência pela via laparoscópica ou transvaginal
  28. 28. Referências  Schorge J.O. et al. Ginecologia de Williams , 1a ed. Porto Alegre, Artmed, 2011. p 244-265.  Berek J.S. et al. Berek and Novak's Gynecology, 14th ed. Philadelphia, Lippincott Williams and Wilkins, 2012. p 470-504  Jackson T, Huntoon M. Chronic Pelvic Pain: Is It Time for an Algorithmic Approach? Pain Pract. 2012; 12:85-86.  Apte G, Nelson P, et al. Chronic Pelvic Pain – Part 1: Clinical Pathoanatomy and Examination of the Pelvic Region. Pain Pract. 2012; 12(2):

×