Henrique Meirelles
Ministro da Fazenda
Ministério da
Fazenda
agosto de 2016
PEC 241/2016 e o Novo Regime
Fiscal do Brasil
2
2
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
O Novo Regime Fiscal
• Expansão dos gastos da Un...
3
3
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
A Crise Econômica
• O Brasil está em uma crise e...
4
4
Ministério da
Fazenda
A maior recessão dos séculos XX e XXI
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
-10
-5
0
5...
5
5
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Queda de 16% no PIB per capita, desemprego e inf...
6
6
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Os pobres são os maiores prejudicados: taxa de d...
7
7
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
A nossa crise decorre de razões domésticas.
Não ...
8
8
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Razões
• Abandono da prudência fiscal
• Desonera...
9
9
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
A taxa de investimento e confiança dos empresári...
10
10
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Uma condição necessária para sair da crise é a...
11
11
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
A PEC 241/2016 faz parte dessa estratégia
• Re...
12
12
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
2,1%
1,8%
1,4%
-0,4%
-2,0%
-3,0%
-2,0%
-1,0%
0...
13
13
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
0
10
20
30
40
50
60
70
80
Chile Peru Turquia E...
14
14
Ministério da
Fazenda
A Dívida Líquida e o seu alto custo
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
• A Dívida...
15
15
Ministério da
Fazenda
Não podemos resolver o problema do déficit e da dívida por meio
de aumento de impostos, porque...
16
16
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Fonte: Heritage Foundation
31,5
38,6
0,0
5,0
1...
17
17
Ministério da
Fazenda
Despesa primária do Governo Central : 2011-2015 (% do PIB)
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fisc...
18
18
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
• De 1991 a 2015, a despesa primária do govern...
19
19
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Crescimento da Despesa Primária em Pontos de
P...
20
20
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
• O desequilíbrio fiscal atual é forte.
• Prec...
21
21
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Como o reequilíbrio das contas ajudará na reto...
22
22
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Como o reequilíbrio das contas ajudará na reto...
23
23
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Como fazer um ajuste bem sucedido?
A experiênc...
24
24
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Como fazer um ajuste bem sucedido?
Estudo rece...
25
25
Ministério da
Fazenda
Gasto mínimo com saúde e educação
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
• A vinculaç...
26
26
Ministério da
Fazenda
A PEC e os gastos em saúde e educação
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
• A PEC ...
27
27
Ministério da
Fazenda
A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
Obrigado
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)

1.818 visualizações

Publicada em

Apresentação do ministro Henrique Meirelles em audiência pública da Comissão Especial sobre o Novo Regime Fiscal (PEC 241/2016), realizada em 24 de agosto de 2016.

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.818
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
721
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
159
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação - PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil (24/08/2016)

  1. 1. Henrique Meirelles Ministro da Fazenda Ministério da Fazenda agosto de 2016 PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil
  2. 2. 2 2 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil O Novo Regime Fiscal • Expansão dos gastos da União nos próximos 20 anos não pode ser superior à inflação • Limite individual para: Executivo, Legislativo, Judiciário, Ministério Público e Defensoria Pública • Isenção para transferências intergovernamentais, Fundeb e despesas inesperadas ou de caráter eventual • Limite mínimo de saúde e educação passa a ser corrigido pela inflação (proteção a estes setores) • Não há punição ou paralisia dos programas: descumprimento dispara medidas automáticas de controle de despesas no ano seguinte
  3. 3. 3 3 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil A Crise Econômica • O Brasil está em uma crise econômica sem precedentes. • Solucionar a crise e voltar a crescer é a mais importante POLÍTICA SOCIAL que precisamos colocar em prática para recuperar emprego e renda. • Sem crescimento econômico, a pobreza e a desigualdade vão aumentar e as pessoas não vão melhorar de vida de forma definitiva. Não vão passar para um patamar de bem estar mais alto. O Brasil não será um país desenvolvido e justo.
  4. 4. 4 4 Ministério da Fazenda A maior recessão dos séculos XX e XXI A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil -10 -5 0 5 10 15 PIB - variação real anual % 1929-33 5,3- 1980-83 6,3- 1989-92 3,4- 2015-16 7,0- Fonte: IBGE
  5. 5. 5 5 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Queda de 16% no PIB per capita, desemprego e inflação dobraram 30,5 30,3 28,9 25,7 23,0 24,0 25,0 26,0 27,0 28,0 29,0 30,0 31,0 2013 2014 2015 2016 PIB per capita (R$ mil de 2014) 6,4% 11,2% 6% 7% 8% 9% 10% 11% Taxa de desocupação (%) 4,3 5,9 6,5 5,8 5,9 6,4 10,7 8,74 - 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 12m até jul/16 IPCA (% ao ano) Fonte: IBGE Fonte: LCA-Consultoria *Estimado Fonte: PNAD/IBGE
  6. 6. 6 6 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Os pobres são os maiores prejudicados: taxa de desemprego em cada décimo de renda domiciliar per capita, Brasil - 2014 20,6% 15,0% 12,6% 9,8% 6,8% 5,3% 4,0% 2,8% 2,6% 1,9% 0,0% 5,0% 10,0% 15,0% 20,0% 25,0% Primeiro Segundo Terceiro Quarto Quinto Sexto Sétimo Oitávo Nono Décimo Fonte: Pnad/IBGE. Elaboração: IPEA
  7. 7. 7 7 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil A nossa crise decorre de razões domésticas. Não se trata de consequência de uma crise externa. -6,0 -4,0 -2,0 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 Venezuela Brasil Rússia AméricaLatinaeCaribe Itália Grécia Argentina* Portugal ÁfricadoSul Botswana Chile Equador Uruguai Espanha México Peru CoreiadoSul CostaRica Egito Polônia Turquia Paraguai Paísesderendamédia Bolívia Indonésia Filipinas Vietnam Irlanda China India Crescimento médio do PIB em 2014-2015 Fonte: Banco Mundial * Apenas 2014
  8. 8. 8 8 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Razões • Abandono da prudência fiscal • Desonerações fiscais seletivas
  9. 9. 9 9 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil A taxa de investimento e confiança dos empresários desabaram e o risco Brasil disparou - perda do grau de investimento em setembro de 2015 21,56% 16,90% 15,00% 16,00% 17,00% 18,00% 19,00% 20,00% 21,00% 22,00% FBCF - % PIB 0 100 200 300 400 500 600 31/01/2011 31/01/2012 31/01/2013 31/01/2014 31/01/2015 31/01/2016 CDS - Brasil Fonte: Sistema de Contas Nacionais - IBGE Fonte: Bloomberg Fonte: CNI 28,00 38,60 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14 jan/15 mar/15 mai/15 jul/15 set/15 nov/15 jan/16 mar/16 mai/16 jul/16 Índice de Confiança do Empresariado Industrial
  10. 10. 10 10 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Uma condição necessária para sair da crise é a criação de condições para a retomada do investimento • Governança de estatais, fundos de pensão e bancos públicos • Fortalecimento das agências reguladoras • Concessões de infraestrutura • Recuperação da confiança na estabilidade da dívida pública • Redução sustentada da taxa de juros de equilíbrio da economia
  11. 11. 11 11 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil A PEC 241/2016 faz parte dessa estratégia • Recobrar o equilíbrio fiscal com visão de longo prazo • Criar regras que contenham a pressão por expansão do gasto além da capacidade de pagamento do governo
  12. 12. 12 12 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil 2,1% 1,8% 1,4% -0,4% -2,0% -3,0% -2,0% -1,0% 0,0% 1,0% 2,0% 3,0% 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Resultado primário do Governo Central (% do PIB) Fonte: STN Fonte: Bacen 51,69% 66,52% 50% 52% 54% 56% 58% 60% 62% 64% 66% 68% 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Dívida Bruta do Governo Geral (% do PIB)
  13. 13. 13 13 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil 0 10 20 30 40 50 60 70 80 Chile Peru Turquia Equador Bolívia China Economias emergentes Venezuela Colombia África do Sul México Argentina Economias emergentes - América Latina Índia Brasil Dívida Bruta do Governo Geral - 2015 (% do PIB) Fonte: FMI – Fiscal Monitor Database
  14. 14. 14 14 Ministério da Fazenda A Dívida Líquida e o seu alto custo A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil • A Dívida Líquida do Setor Público também vem crescendo fortemente: passou de 33,1% do PIB em 2014 para 42% do PIB em junho de 2016. • Isso decorre não apenas do crescimento da dívida bruta, mas também do alto custo da dívida líquida, que passou de 19% a.a. em 2014 para 24% a.a. em 2016. • A dívida líquida é calculada deduzindo-se da dívida bruta os créditos do Governo, principalmente as reservas internacionais e os créditos junto ao BNDES. Como esses créditos têm remuneração menor que as taxas de mercado, o Governo acaba pagando pelos seus débitos um custo maior do que recebe pelos seus créditos. O resultado é uma taxa final para a dívida líquida muito elevada.
  15. 15. 15 15 Ministério da Fazenda Não podemos resolver o problema do déficit e da dívida por meio de aumento de impostos, porque a nossa carga tributária já está entre as mais altas do mundo. A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Fonte: Heritage Foundation 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 Carga tributária (% do PIB)
  16. 16. 16 16 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Fonte: Heritage Foundation 31,5 38,6 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 BRICS (exceto Brasil) Brasil Gasto público (% do PIB) - 2015 Fonte: STN 13,0% 14,0% 15,0% 16,0% 17,0% 18,0% 19,0% 20,0% 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Despesa Primária do Governo Central: 1997-2015 (% PIB)
  17. 17. 17 17 Ministério da Fazenda Despesa primária do Governo Central : 2011-2015 (% do PIB) A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil 15,0% 15,5% 16,0% 16,5% 17,0% 17,5% 18,0% 18,5% 19,0% 19,5% 2011 2012 2013 2014 2015 16,6% 16,7% 17,2% 18,1% 19,5%
  18. 18. 18 18 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil • De 1991 a 2015, a despesa primária do governo central passou de 10,8% para 19,5% do PIB = crescimento de 8,7 pontos de percentagem do PIB. • Desde o início da década de 1990, nenhum governante conseguiu reduzir a despesa primária do governo central como porcentagem do PIB. • Há portanto, um desequilíbrio estrutural das contas publicas no Brasil, que foi agravado no período recente pela recessão e crescimento conjuntural do gasto público nos últimos anos. Crescimento da Despesa Primária do Governo Central 1991 a 2015
  19. 19. 19 19 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Crescimento da Despesa Primária em Pontos de Porcentagem do PIB de 1991 a 2015 0,4 5,6 1,0 0,8 1,0 8,7 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 Pessoal Previdência, Assistência Social, Seguro Desemprego e Abono Custeio Saúde e Educação Subsídios Outros Total Fonte: SIAFI
  20. 20. 20 20 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil • O desequilíbrio fiscal atual é forte. • Precisamos de ajuste gradual, porém persistente e crível. • Essa é a ideia básica da PEC: o gasto crescerá no máximo pela variação da inflação por 10 anos, e o Congresso definirá os 10 anos seguintes.
  21. 21. 21 21 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Como o reequilíbrio das contas ajudará na retomada do crescimento econômico: • Aumento da confiança • Retomada do investimento privado • Crescimento econômico • Emprego e renda • Mais recursos disponíveis para investimento e consumo • Queda de juros estrutural
  22. 22. 22 22 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Como o reequilíbrio das contas ajudará na retomada do crescimento econômico: o esgotamento do estímulo fiscal ao crescimento A experiência internacional mostra que o impacto dos gastos públicos na atividade econômica, no longo prazo: • É fortemente negativo em países com dívida pública superior a 60% do PIB (quando a dívida é alta, aumentos nos gastos públicos sinalizam uma crise de pagamento da dívida e um provável ajuste abrupto, com forte elevação de tributos, não pagamento de despesas essenciais, desorganização do setor público – isso afeta as expectativas dos agentes econômicos, que se retraem e não investem e/ou retiram seu capital do país.)
  23. 23. 23 23 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Como fazer um ajuste bem sucedido? A experiência internacional mostra que um ajuste das contas públicas bem sucedido e com impacto positivo sobre o crescimento de longo prazo é aquele que: • Coloca ênfase na contenção da despesa. • Tem longa duração e enfoque de longo prazo, em vez de constituído por medidas pontuais de ajuste, passíveis de reversão • Anúncio antecipado e persistência na obtenção dos resultados ano a ano Em ajustes dessa natureza, a confiança das empresas e dos consumidores reage fortemente, permitindo a recuperação do investimento e do crescimento. Os investimentos crescem e impulsionam a economia.
  24. 24. 24 24 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Como fazer um ajuste bem sucedido? Estudo recente do Banco Mundial conclui que: • Regras de controle de despesa estimulam um melhor padrão de gastos, especialmente se acompanhadas de melhoria na gestão das finanças públicas. • Limites para a despesa funcionam melhor que metas de superávit fiscal, particularmente se estiverem claramente definidas na legislação. • Países que adotam ou adotaram, em período recente, tetos para a despesa pública: Argentina, Austrália, Botsuana, Bélgica, Bulgária, Canadá, Croácia, Dinamarca, Finlândia, França, Hungria, Islândia, Japão, Kosovo, Luxemburgo, Mongólia, Namíbia, Países Baixos, Peru, Polônia, Rússia, Espanha, Suécia e Estados Unidos.
  25. 25. 25 25 Ministério da Fazenda Gasto mínimo com saúde e educação A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil • A vinculação da despesa à receita é ineficiente • A vinculação da despesa à receita nem sempre gera um limite mais alto • A regra atual não protege os setores em momentos de crise 86,6 84,7 89,0 91,7 82,8 87,7 93,3 103,2 - 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 120,0 2013 2014 2015 2016 Limite mínimo do gasto em saúde pelos critérios de PIB, RCL e IPCA (R$ bilhões de 2016) 13,2% RCL IPCA ano base Fontes: Relatório Resumido de Execução Orçamentária (STN), vários números, IPEADATA. Nota: 2016 com base na estimativa da RCL do ano feita no RREO de maio, e nas expectativas de inflação e crescimento registrados no Boletim Focus.
  26. 26. 26 26 Ministério da Fazenda A PEC e os gastos em saúde e educação A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil • A PEC só altera a fórmula de cálculo do limite mínimo de gastos. Não obriga qualquer redução de gastos. • Em ambos os setores o gasto está bastante acima do mínimo, e não será cortado abruptamente.
  27. 27. 27 27 Ministério da Fazenda A PEC 241/2016 e o Novo Regime Fiscal do Brasil Obrigado

×