SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
POR QUE A PEC 241?
MÁRCIO HOLLAND
Professor na Fundação Getúlio Vargas
SÃO PAULO | 12 de Setembro de 2016
1
POR QUE UMA CONSOLIDAÇÃO FISCAL?
• O Brasil passa por uma severa crise fiscal;
• Não é apenas um problema de baixo crescimento e,
assim, de fraca arrecadação;
• Há um forte componente de aumento de despesas:
não é possível financiar 20% do PIB de despesas
primárias;
• Se não resolvida de modo consistente, a confiança
no país continua baixa, o desemprego alto, e os
recursos para setores importantes da sociedade
(Saúde, Educação, Segurança Pública, etc) serão
escassos e aleatórios.
2
A BOA TEORIA ECONÔMICA SUSTENTA A PEC
DO TETO DE GASTOS
• Consolidação fiscal de longo prazo
baseada em cortes de gastos é mais
eficiente do que ajustes de curto prazo
(choques) baseados em aumentos de
impostos.
3
POR QUE OS GASTOS DE GOVERNO CRESCEM TANTO?
Crescimento real dos gastos de 6% ao ano
4
12,00%
13,00%
14,00%
15,00%
16,00%
17,00%
18,00%
19,00%
20,00%
21,00%
1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016
Receita Tributária Líquida (% do PIB) Gastos Governamentais (% do PIB)
Receita Tributária e Gastos Governamentais em % do PIB 1997-2016
Fonte: STN
TRANSFERÊNCIA DE RENDA ÀS FAMÍLIAS CRESCE
MUITO
5
Evolução dos gastos e da receita, % do PIB – 1997 - 2015
Fonte: STN
COMPOSIÇÃO DOS GASTOS
6
R$ milhões % na Despesa Primária
Previdência Social 436.090,10 37,64
Pessoal e Encargos 238.499,02 20,58
Saúde 99.600,95 8,60
Educação 79.365,48 6,85
Assistência Social 71.686,82 6,19
Seguro Desemprego e Abono Salarial 47.494,60 4,10
LOAS/BPC 42.538,36 3,67
Total 1.158.700,91 100,00
Principais Despesas da União, R$ milhões e em % no total das despesas primárias - 2015
Fonte: STN
SUBSÍDIOS E SUBVENÇÕES: 1% DO PIB
RENÚNCIAS COM REGIMES ESPECIAIS
Gasto Tributário, em R$, e outras despesas selecionadas
R$ bilhões
Simples Nacional 74,6
ZFM 26,7
Desoneração da Cesta Básica 25,2
Entidades sem fins lucrativos 22,7
Desoneração da Folha 14,5
Regimes Tributários Especiais (REID, Medicamentos, MCMV,
PROUNI, REPNBL, MEI, REPENEC, REIF, ETC) 30,0
TOTAL 271,0
Diversos
Pensão por Morte 98,7
Abono Salarial 18,0
Gratuidade em Ensino Superior (só custeio IFES) 6,0
Fonte: RFB, STN, MPS e MEC.
7
POR QUE O DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA CRESCE
TÃO RAPIDAMENTE NOS ÚLTIMOS ANOS?
8
108
124
140
163
182
212
246
276
307
338
364 357
378
146 166 185 200 225 255 281 317 357 394 454 504 561
1,73 1,75
1,65
1,16
1,29
1,10
0,81
0,85
0,94
1,00
1,52
2,40
2,79
-
0,50
1,00
1,50
2,00
2,50
3,00
-
100
200
300
400
500
600
2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017
Receita Previdenciária
Despesa Previdenciária
Resultado (déficit)
Fonte: STN e MPOG
POR QUE OS GASTOS PRIMÁRIOS CRESCEM
TANTO?
• Excesso de benefícios constitucionais.
• Critérios generosos de acesso a benefícios sociais, assistenciais,
previdenciários, e fiscais (ZFM, regimes especiais...).
• Critério generoso de correção dos benefícios.
• Expansão de gastos nos anos 2000s
• Políticas anticíclicas adotadas após a Crise de 2008.
• Dinâmica demográfica.
Sem tradição de discussão sobre qualidade de gastos!
9
ENQUANTO ISSO, NOS ESTADOS...
Crescimento nominal de gastos com Folha de Pagamentos por Estado, % média anual 2009-2015
Fonte: Senado Federal
Média = 12,10%
16,24
15,67
14,6714,62
14,2114,2113,9713,95
13,41
12,8512,59 12,5 12,2512,2511,97
11,6611,6211,4411,15
10,62
10,1610,14
9,55 9,28 9,24
8,57
8,04
7,7
0
2
4
6
8
10
12
14
16
18
PEC DO TETO: MEDIDAS
MEDIDAS DETALHAMENTO
1. Teto global dos gastos, sem crescimento real Limite de gastos cresce com crescimento da inflação.
Uso de conceito de gastos pagos + RAP do exercício anterior.
Duração de 20 anos, começando em 2017; lei do Poder Executivo
pode alterar regra a partir do 10º. exercício de vigência da nova
regra.
2. Teto individualizado por Poderes idem
3. Piso para Saúde e Educação Passa a ser corrigido pelo IPCA do ano anterior e não mais pela
receita com impostos.
Exclui Fundeb do cálculo do piso de despesas com Educação.
Como fica a Emenda 86/2015, para o caso da Saúde?
4. Resultado Primário Mantem regra atual de metas de resultados primários.
5. Despesas não sujeitas aos limites Transferências, créditos extraordinários, capitalizações de estatais,
financiamento de eleições.
6. Punições Contenção de despesas de pessoal; vedação de concessão de
subsídios, etc.
NOVO REGIME FISCAL: LIMITE DE DESPESAS
12
VIRTUDES
1. SIMPLICIDADE Regra de fácil entendimento
2. GRADUALISMO Ajuste de gastos no médio prazo
3. EFETIVIDADE Despesas caem como proporção do PIB
4. COMPOSIÇÃO DO AJUSTE Baseado em gastos e não em tributos
5. DESVINCULAÇÃO Gastos não crescem com a receita
6. ESTENDE LIMITE DE GASTOS AOS ESTADOS
Condicionado à renegociação de
dívidas com os Estados
NOVO REGIME FISCAL: DESAFIOS
13
DESAFIOS
1. Desequilíbrios entre as despesas
 Previdência, LOAS, Seguro-Desemprego, Abono Salarial e Folha crescem em termos
reais.
 Saúde, Educação, Programas Sociais, etc, precisam contrair.
2. Reforma da Previdência
3. Desvinculação das despesas do salário mínimo
4. Política monetária diante de melhora lenta de resultados fiscais
5. Não ser desvirtuada no Congresso Nacional
EFEITOS DA PEC DO TETO DE GASTOS
• Redução efetiva das despesas primárias em percentual
do PIB;
• Coloca na ordem do dia a agenda da qualidade dos
gastos;
• Aumenta o grau de discricionariedade do Poder
Executivo;
• Contribuição para a estabilização da dívida bruta;
• Efeitos importantes no curto prazo na confiança da
economia brasileira, especialmente medidos em termos
de prêmio de risco país.
14
EFEITO DA NOVA REGRA FISCAL
Gastos deixam de crescer 0,3% do PIB, ao ano, para cair
rumo a 17% do PIB
MESMO COM A PEC DO TETO DÍVIDA
BRUTA NÃO SE ESTABILIZA ANTES DE 2020
58,9
80,0
76,5
40,0
45,0
50,0
55,0
60,0
65,0
70,0
75,0
80,0
85,0
90,0
2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025
Dívida Bruta do Governo Geral (% do PIB) sem PEC
Dívida Bruta do Governo Geral (% do PIB) Com PEC
Dívida Bruta do Governo Central, % do PIB 2000-2025
COMPORTAMENTO DE DIFERENTES
INDEXADORES
17
(5,00)
-
5,00
10,00
15,00
20,00
25,00
2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017
IPCA Crescimento da RCL
Crescimento da Receita Correte Líquida (RCL) e do IPCA - % ao ano, 2002-2017
Fonte: IBGE e STN
GANHOS DE DISCRICIONARIDADE
PARA GASTOS COM EDUCAÇÃO E
SAÚDE (R$ BILHÕES)
18
0,00
4,98
11,61
20,34
31,28
38,12
45,70
54,09
63,36
73,59
- 1,09
4,85
10,65
17,16
24,45
32,58
41,65
51,73
62,92
0,00
10,00
20,00
30,00
40,00
50,00
60,00
70,00
80,00
2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025
Diferença Saúde
Diferença Educação
OS DEFEITOS DA PEC DO TETO DO GASTO
• Perde oportunidade para excluir benefícios constitucionais “fora de
moda”, como regimes fiscais especiais, abono salarial, indexações a
receitas e PIB, indexações ao salário mínimo.
• Poderia começar com despesas de 2017 nominalmente iguais às
despesas de 2016: acelerar a recuperação de superávits primários.
• As punições previstas são brandas e podem ser inócuas.
• Correção dos gastos pela meta de inflação, e não pela inflação
passada
• Metas de dívida bruta associadas aos limites de gastos seriam bem
vindas.
• A PEC do teto não garante que não haverá prioridades invertidas.
19
OU A PEC DO TETO OU...
• Suspender regimes especiais como ZFN, Repetro, Retaero, Reidi,
Retid, Proinfra, Prouni, Repenec, etc;
• Suspender indexações constitucionais e legais, extinguir abono
salarial, desvinculações de SM, suspender acúmulos de
benefícios;
• Rever princípio da gratuidade no setor público (educação e
saúde, principalmente);
• Limitar créditos subsidiados à agricultura familiar e reduzir
subsídios à agricultura empresarial;
• Subir alíquotas do SIMPLES (ou extinguir o regime) e do MEI, e
aumentar tributos sobre instrumentos financeiros (LCI, LCA, etc),
subir tributos de JCP e dividendos...
20
Reforma da Previdência é um dado, qualquer que seja a escolha,
entre PEC do Teto ou alternativas
POR QUE PRECISAMOS MUDAR ESSA
REGRA DO JOGO?
• Não parece sustentável financiar gastos em torno de 20% do PIB:
a carga tributária precisa subir, deteriorando ainda mais a
competitividade do país.
• Não é possível atender novas demandas da sociedade,
mantendo gastos ineficientes ou desalinhados às novas demandas
da sociedade.
• É preciso repensar a relação entre o Estado e a Economia: não é
questão ideológica, mas de moral e de adequação à nova
realidade.
• Não é possível crescer de modo sustentável com os maiores juros
do mundo
21
IDEIA CENTRAL
• É preciso mudar o regime fiscal-
tributário-orçamentário brasileiro!
–Romper a “ilusão da receita”.
–Sem a noção de disciplina fiscal não
daremos um salto nos fundamentos
macroeconômicos.
22

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Entenda a Pec241
Entenda a Pec241Entenda a Pec241
Entenda a Pec241
 
Apresentação – Os 7 mitos sobre a PEC do Teto (08/11/2016)
Apresentação – Os 7 mitos sobre a PEC do Teto (08/11/2016)Apresentação – Os 7 mitos sobre a PEC do Teto (08/11/2016)
Apresentação – Os 7 mitos sobre a PEC do Teto (08/11/2016)
 
Apresentação – O desafio do ajuste fiscal (16/08/2016)
Apresentação – O desafio do ajuste fiscal (16/08/2016)Apresentação – O desafio do ajuste fiscal (16/08/2016)
Apresentação – O desafio do ajuste fiscal (16/08/2016)
 
Apresentação – Ajuste fiscal: pré-condição para o crescimento sustentado (08/...
Apresentação – Ajuste fiscal: pré-condição para o crescimento sustentado (08/...Apresentação – Ajuste fiscal: pré-condição para o crescimento sustentado (08/...
Apresentação – Ajuste fiscal: pré-condição para o crescimento sustentado (08/...
 
Apresentação – Ajuste fiscal: pré-condição para o crescimento sustentado com ...
Apresentação – Ajuste fiscal: pré-condição para o crescimento sustentado com ...Apresentação – Ajuste fiscal: pré-condição para o crescimento sustentado com ...
Apresentação – Ajuste fiscal: pré-condição para o crescimento sustentado com ...
 
Apresentação - O desafio do ajuste fiscal estrutural (12/08/2016)
Apresentação - O desafio do ajuste fiscal estrutural (12/08/2016)Apresentação - O desafio do ajuste fiscal estrutural (12/08/2016)
Apresentação - O desafio do ajuste fiscal estrutural (12/08/2016)
 
Medidas de Reforma Fiscal - Plano de auxílio aos estados e ao Distrito Federal
Medidas de Reforma Fiscal - Plano de auxílio aos estados e ao Distrito FederalMedidas de Reforma Fiscal - Plano de auxílio aos estados e ao Distrito Federal
Medidas de Reforma Fiscal - Plano de auxílio aos estados e ao Distrito Federal
 
Apresentação - Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 (31/08/2016)
Apresentação - Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 (31/08/2016)Apresentação - Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 (31/08/2016)
Apresentação - Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 (31/08/2016)
 
Boletim 26 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 26 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 26 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 26 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Medidas de Reforma Fiscal - Proposta de limite para o crescimento do gasto
Medidas de Reforma Fiscal - Proposta de limite para o crescimento do gastoMedidas de Reforma Fiscal - Proposta de limite para o crescimento do gasto
Medidas de Reforma Fiscal - Proposta de limite para o crescimento do gasto
 
Apresentação – Retomada do crescimento econômico
Apresentação – Retomada do crescimento econômicoApresentação – Retomada do crescimento econômico
Apresentação – Retomada do crescimento econômico
 
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
O insuficiente pacote econômico do governo michel temer para retomar o cresci...
 
PLS 257 2016
PLS 257 2016PLS 257 2016
PLS 257 2016
 
Relatório de Análise Econômica dos Gastos Públicos Federais
Relatório de Análise Econômica dos Gastos Públicos FederaisRelatório de Análise Econômica dos Gastos Públicos Federais
Relatório de Análise Econômica dos Gastos Públicos Federais
 
Proposta de Reforma Fiscal e Estabilização da Renda e Emprego
Proposta de Reforma Fiscal e Estabilização da Renda e EmpregoProposta de Reforma Fiscal e Estabilização da Renda e Emprego
Proposta de Reforma Fiscal e Estabilização da Renda e Emprego
 
EC n. 95: Impactos e viabilidade
EC n. 95: Impactos e viabilidade EC n. 95: Impactos e viabilidade
EC n. 95: Impactos e viabilidade
 
Proposta de Reforma do Modelo Brasileiro de Tributação de Bens e Serviços
Proposta de Reforma do Modelo Brasileiro de Tributação de Bens e ServiçosProposta de Reforma do Modelo Brasileiro de Tributação de Bens e Serviços
Proposta de Reforma do Modelo Brasileiro de Tributação de Bens e Serviços
 
Apresentação - Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 (31/08/2016)
Apresentação - Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 (31/08/2016)Apresentação - Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 (31/08/2016)
Apresentação - Projeto de Lei Orçamentária Anual 2017 (31/08/2016)
 
Novo Regime Fiscal: um balanço
Novo Regime Fiscal: um balançoNovo Regime Fiscal: um balanço
Novo Regime Fiscal: um balanço
 
PEC nº 241/2016: o novo regime fiscal e seus possíveis impactos
PEC nº 241/2016: o novo regime fiscal e seus possíveis impactosPEC nº 241/2016: o novo regime fiscal e seus possíveis impactos
PEC nº 241/2016: o novo regime fiscal e seus possíveis impactos
 

Semelhante a Fórum de debate PEC 241 - Márcio Holland

George Soares_Cenarios Fiscais e Prioridades Orcamentarias.pdf
George Soares_Cenarios Fiscais e Prioridades Orcamentarias.pdfGeorge Soares_Cenarios Fiscais e Prioridades Orcamentarias.pdf
George Soares_Cenarios Fiscais e Prioridades Orcamentarias.pdf
João Pedro
 
Conjuntura economica fernandoferrari
Conjuntura economica fernandoferrariConjuntura economica fernandoferrari
Conjuntura economica fernandoferrari
Daniel Reis Duarte Pousa
 
A Proposta da emenda Constitucional nº45
A Proposta da emenda Constitucional nº45A Proposta da emenda Constitucional nº45
A Proposta da emenda Constitucional nº45
Sistema CNC
 
Proposta de Emenda Costitucional nº45 2019
Proposta de Emenda Costitucional nº45 2019Proposta de Emenda Costitucional nº45 2019
Proposta de Emenda Costitucional nº45 2019
Sistema CNC
 
00seplan-4572-62d056f645585 (1).pptx
00seplan-4572-62d056f645585 (1).pptx00seplan-4572-62d056f645585 (1).pptx
00seplan-4572-62d056f645585 (1).pptx
Skall3
 

Semelhante a Fórum de debate PEC 241 - Márcio Holland (20)

George Soares_Cenarios Fiscais e Prioridades Orcamentarias.pdf
George Soares_Cenarios Fiscais e Prioridades Orcamentarias.pdfGeorge Soares_Cenarios Fiscais e Prioridades Orcamentarias.pdf
George Soares_Cenarios Fiscais e Prioridades Orcamentarias.pdf
 
BLOG CLEUBER CARLOS: Veja a Íntegra do Plano Mais Brasil - A Transformação do...
BLOG CLEUBER CARLOS: Veja a Íntegra do Plano Mais Brasil - A Transformação do...BLOG CLEUBER CARLOS: Veja a Íntegra do Plano Mais Brasil - A Transformação do...
BLOG CLEUBER CARLOS: Veja a Íntegra do Plano Mais Brasil - A Transformação do...
 
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55
Mentiras apresentadas pelos defensores da PEC 55
 
Apresentação – Aula magna da secretária Ana Paula Vescovi para alunos do Insp...
Apresentação – Aula magna da secretária Ana Paula Vescovi para alunos do Insp...Apresentação – Aula magna da secretária Ana Paula Vescovi para alunos do Insp...
Apresentação – Aula magna da secretária Ana Paula Vescovi para alunos do Insp...
 
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
Dqf ufpe pec 241 23 11 2016
 
Conjuntura economica fernandoferrari
Conjuntura economica fernandoferrariConjuntura economica fernandoferrari
Conjuntura economica fernandoferrari
 
A Proposta da emenda Constitucional nº45
A Proposta da emenda Constitucional nº45A Proposta da emenda Constitucional nº45
A Proposta da emenda Constitucional nº45
 
Proposta de Emenda Costitucional nº45 2019
Proposta de Emenda Costitucional nº45 2019Proposta de Emenda Costitucional nº45 2019
Proposta de Emenda Costitucional nº45 2019
 
Apresentação – 20 mitos sobre a reforma da Previdência (08/05/2017)
Apresentação – 20 mitos sobre a reforma da Previdência (08/05/2017)Apresentação – 20 mitos sobre a reforma da Previdência (08/05/2017)
Apresentação – 20 mitos sobre a reforma da Previdência (08/05/2017)
 
Apresentação – Orçamento de Subsídios da União (31/10/2017)
Apresentação – Orçamento de Subsídios da União (31/10/2017)Apresentação – Orçamento de Subsídios da União (31/10/2017)
Apresentação – Orçamento de Subsídios da União (31/10/2017)
 
Reforma fiscal de longo prazo
Reforma fiscal de longo prazoReforma fiscal de longo prazo
Reforma fiscal de longo prazo
 
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 27 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFESBoletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
Boletim 39 - Grupo de conjuntura econômica da UFES
 
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para..."Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...
"Reforma da Previdência", para o Sindicato dos Bancários em 21 06 2016 e para...
 
00seplan-4572-62d056f645585 (1).pptx
00seplan-4572-62d056f645585 (1).pptx00seplan-4572-62d056f645585 (1).pptx
00seplan-4572-62d056f645585 (1).pptx
 
Pec do Teto de Gastos - o que é?
Pec do Teto de Gastos - o que é?Pec do Teto de Gastos - o que é?
Pec do Teto de Gastos - o que é?
 
Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras   fernando ferrariPossib alternat polít econ bras   fernando ferrari
Possib alternat polít econ bras fernando ferrari
 
Panorama Econômico e Perspectivas (Fernando Passos)
Panorama Econômico e Perspectivas (Fernando Passos)Panorama Econômico e Perspectivas (Fernando Passos)
Panorama Econômico e Perspectivas (Fernando Passos)
 
Apresentação: Mary Elbe Queiroz | XIX Congresso Abradt
Apresentação: Mary Elbe Queiroz | XIX Congresso AbradtApresentação: Mary Elbe Queiroz | XIX Congresso Abradt
Apresentação: Mary Elbe Queiroz | XIX Congresso Abradt
 
Apresentação – Reforma da Previdência (17/04/2017)
Apresentação – Reforma da Previdência (17/04/2017)Apresentação – Reforma da Previdência (17/04/2017)
Apresentação – Reforma da Previdência (17/04/2017)
 

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS

Mais de Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS (20)

Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do SulModelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
Modelo de Distanciamento Controlado - Rio Grande do Sul
 
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
O enfrentamento da Covid-19 pela Atenção Primária à Saúde em Uberlândia, Mina...
 
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à SaúdeBanners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
Banners – II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde
 
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
A introdução de novas tecnologias para o manejo das condições crônicas na UBS...
 
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - ROPIMENTEIRAS DO OESTE - RO
PIMENTEIRAS DO OESTE - RO
 
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
CHECKLIST DA IMUNIZAÇÃO: um instrumento de melhoria e monitoramento do proces...
 
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
Da adesão aos resultados esperados no PlanificaSUS: um olhar sobre a importân...
 
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
INCORPORAÇÃO DE ESTRATÉGIAS INOVADORAS NO PROCESSO DE PLANIFICAÇÃO DA ATENÇÃO...
 
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
Melhorias na Unidade Laboratório do município de Pimenta Bueno/RO após a plan...
 
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
Guia do Pré-Natal na Atenção Básica: a Planificação da Atenção à Saúde como E...
 
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e HipertensãoJornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
Jornada Interdisciplinar em Diabetes, Obesidade e Hipertensão
 
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APSA Segurança do Paciente na Construção Social da APS
A Segurança do Paciente na Construção Social da APS
 
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DFEstratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
Estratégias de Melhoria no Processo de Planificação da Região Leste do DF
 
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicasCuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
Cuidados Paliativos no contexto do avanço das condições crônicas
 
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I Sala de Situação  Regional de Saúde  Sudoeste I
Sala de Situação Regional de Saúde Sudoeste I
 
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de DiabetesPor um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
Por um cuidado certo - Sociedade Brasileira de Diabetes
 
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no BrasilO pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
O pediatra e sua presença na Assistência no Brasil
 
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à SaúdeNotas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
Notas Técnicas para Organização das Redes de Atenção à Saúde
 
Ministério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APSMinistério Público em Defesa da APS
Ministério Público em Defesa da APS
 
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
II Seminário da Planificação da Atenção à Saúde: “Desafios do SUS e a Planifi...
 

Fórum de debate PEC 241 - Márcio Holland

  • 1. POR QUE A PEC 241? MÁRCIO HOLLAND Professor na Fundação Getúlio Vargas SÃO PAULO | 12 de Setembro de 2016 1
  • 2. POR QUE UMA CONSOLIDAÇÃO FISCAL? • O Brasil passa por uma severa crise fiscal; • Não é apenas um problema de baixo crescimento e, assim, de fraca arrecadação; • Há um forte componente de aumento de despesas: não é possível financiar 20% do PIB de despesas primárias; • Se não resolvida de modo consistente, a confiança no país continua baixa, o desemprego alto, e os recursos para setores importantes da sociedade (Saúde, Educação, Segurança Pública, etc) serão escassos e aleatórios. 2
  • 3. A BOA TEORIA ECONÔMICA SUSTENTA A PEC DO TETO DE GASTOS • Consolidação fiscal de longo prazo baseada em cortes de gastos é mais eficiente do que ajustes de curto prazo (choques) baseados em aumentos de impostos. 3
  • 4. POR QUE OS GASTOS DE GOVERNO CRESCEM TANTO? Crescimento real dos gastos de 6% ao ano 4 12,00% 13,00% 14,00% 15,00% 16,00% 17,00% 18,00% 19,00% 20,00% 21,00% 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 Receita Tributária Líquida (% do PIB) Gastos Governamentais (% do PIB) Receita Tributária e Gastos Governamentais em % do PIB 1997-2016 Fonte: STN
  • 5. TRANSFERÊNCIA DE RENDA ÀS FAMÍLIAS CRESCE MUITO 5 Evolução dos gastos e da receita, % do PIB – 1997 - 2015 Fonte: STN
  • 6. COMPOSIÇÃO DOS GASTOS 6 R$ milhões % na Despesa Primária Previdência Social 436.090,10 37,64 Pessoal e Encargos 238.499,02 20,58 Saúde 99.600,95 8,60 Educação 79.365,48 6,85 Assistência Social 71.686,82 6,19 Seguro Desemprego e Abono Salarial 47.494,60 4,10 LOAS/BPC 42.538,36 3,67 Total 1.158.700,91 100,00 Principais Despesas da União, R$ milhões e em % no total das despesas primárias - 2015 Fonte: STN SUBSÍDIOS E SUBVENÇÕES: 1% DO PIB
  • 7. RENÚNCIAS COM REGIMES ESPECIAIS Gasto Tributário, em R$, e outras despesas selecionadas R$ bilhões Simples Nacional 74,6 ZFM 26,7 Desoneração da Cesta Básica 25,2 Entidades sem fins lucrativos 22,7 Desoneração da Folha 14,5 Regimes Tributários Especiais (REID, Medicamentos, MCMV, PROUNI, REPNBL, MEI, REPENEC, REIF, ETC) 30,0 TOTAL 271,0 Diversos Pensão por Morte 98,7 Abono Salarial 18,0 Gratuidade em Ensino Superior (só custeio IFES) 6,0 Fonte: RFB, STN, MPS e MEC. 7
  • 8. POR QUE O DÉFICIT DA PREVIDÊNCIA CRESCE TÃO RAPIDAMENTE NOS ÚLTIMOS ANOS? 8 108 124 140 163 182 212 246 276 307 338 364 357 378 146 166 185 200 225 255 281 317 357 394 454 504 561 1,73 1,75 1,65 1,16 1,29 1,10 0,81 0,85 0,94 1,00 1,52 2,40 2,79 - 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 3,00 - 100 200 300 400 500 600 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 Receita Previdenciária Despesa Previdenciária Resultado (déficit) Fonte: STN e MPOG
  • 9. POR QUE OS GASTOS PRIMÁRIOS CRESCEM TANTO? • Excesso de benefícios constitucionais. • Critérios generosos de acesso a benefícios sociais, assistenciais, previdenciários, e fiscais (ZFM, regimes especiais...). • Critério generoso de correção dos benefícios. • Expansão de gastos nos anos 2000s • Políticas anticíclicas adotadas após a Crise de 2008. • Dinâmica demográfica. Sem tradição de discussão sobre qualidade de gastos! 9
  • 10. ENQUANTO ISSO, NOS ESTADOS... Crescimento nominal de gastos com Folha de Pagamentos por Estado, % média anual 2009-2015 Fonte: Senado Federal Média = 12,10% 16,24 15,67 14,6714,62 14,2114,2113,9713,95 13,41 12,8512,59 12,5 12,2512,2511,97 11,6611,6211,4411,15 10,62 10,1610,14 9,55 9,28 9,24 8,57 8,04 7,7 0 2 4 6 8 10 12 14 16 18
  • 11. PEC DO TETO: MEDIDAS MEDIDAS DETALHAMENTO 1. Teto global dos gastos, sem crescimento real Limite de gastos cresce com crescimento da inflação. Uso de conceito de gastos pagos + RAP do exercício anterior. Duração de 20 anos, começando em 2017; lei do Poder Executivo pode alterar regra a partir do 10º. exercício de vigência da nova regra. 2. Teto individualizado por Poderes idem 3. Piso para Saúde e Educação Passa a ser corrigido pelo IPCA do ano anterior e não mais pela receita com impostos. Exclui Fundeb do cálculo do piso de despesas com Educação. Como fica a Emenda 86/2015, para o caso da Saúde? 4. Resultado Primário Mantem regra atual de metas de resultados primários. 5. Despesas não sujeitas aos limites Transferências, créditos extraordinários, capitalizações de estatais, financiamento de eleições. 6. Punições Contenção de despesas de pessoal; vedação de concessão de subsídios, etc.
  • 12. NOVO REGIME FISCAL: LIMITE DE DESPESAS 12 VIRTUDES 1. SIMPLICIDADE Regra de fácil entendimento 2. GRADUALISMO Ajuste de gastos no médio prazo 3. EFETIVIDADE Despesas caem como proporção do PIB 4. COMPOSIÇÃO DO AJUSTE Baseado em gastos e não em tributos 5. DESVINCULAÇÃO Gastos não crescem com a receita 6. ESTENDE LIMITE DE GASTOS AOS ESTADOS Condicionado à renegociação de dívidas com os Estados
  • 13. NOVO REGIME FISCAL: DESAFIOS 13 DESAFIOS 1. Desequilíbrios entre as despesas  Previdência, LOAS, Seguro-Desemprego, Abono Salarial e Folha crescem em termos reais.  Saúde, Educação, Programas Sociais, etc, precisam contrair. 2. Reforma da Previdência 3. Desvinculação das despesas do salário mínimo 4. Política monetária diante de melhora lenta de resultados fiscais 5. Não ser desvirtuada no Congresso Nacional
  • 14. EFEITOS DA PEC DO TETO DE GASTOS • Redução efetiva das despesas primárias em percentual do PIB; • Coloca na ordem do dia a agenda da qualidade dos gastos; • Aumenta o grau de discricionariedade do Poder Executivo; • Contribuição para a estabilização da dívida bruta; • Efeitos importantes no curto prazo na confiança da economia brasileira, especialmente medidos em termos de prêmio de risco país. 14
  • 15. EFEITO DA NOVA REGRA FISCAL Gastos deixam de crescer 0,3% do PIB, ao ano, para cair rumo a 17% do PIB
  • 16. MESMO COM A PEC DO TETO DÍVIDA BRUTA NÃO SE ESTABILIZA ANTES DE 2020 58,9 80,0 76,5 40,0 45,0 50,0 55,0 60,0 65,0 70,0 75,0 80,0 85,0 90,0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 Dívida Bruta do Governo Geral (% do PIB) sem PEC Dívida Bruta do Governo Geral (% do PIB) Com PEC Dívida Bruta do Governo Central, % do PIB 2000-2025
  • 17. COMPORTAMENTO DE DIFERENTES INDEXADORES 17 (5,00) - 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 IPCA Crescimento da RCL Crescimento da Receita Correte Líquida (RCL) e do IPCA - % ao ano, 2002-2017 Fonte: IBGE e STN
  • 18. GANHOS DE DISCRICIONARIDADE PARA GASTOS COM EDUCAÇÃO E SAÚDE (R$ BILHÕES) 18 0,00 4,98 11,61 20,34 31,28 38,12 45,70 54,09 63,36 73,59 - 1,09 4,85 10,65 17,16 24,45 32,58 41,65 51,73 62,92 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 70,00 80,00 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023 2024 2025 Diferença Saúde Diferença Educação
  • 19. OS DEFEITOS DA PEC DO TETO DO GASTO • Perde oportunidade para excluir benefícios constitucionais “fora de moda”, como regimes fiscais especiais, abono salarial, indexações a receitas e PIB, indexações ao salário mínimo. • Poderia começar com despesas de 2017 nominalmente iguais às despesas de 2016: acelerar a recuperação de superávits primários. • As punições previstas são brandas e podem ser inócuas. • Correção dos gastos pela meta de inflação, e não pela inflação passada • Metas de dívida bruta associadas aos limites de gastos seriam bem vindas. • A PEC do teto não garante que não haverá prioridades invertidas. 19
  • 20. OU A PEC DO TETO OU... • Suspender regimes especiais como ZFN, Repetro, Retaero, Reidi, Retid, Proinfra, Prouni, Repenec, etc; • Suspender indexações constitucionais e legais, extinguir abono salarial, desvinculações de SM, suspender acúmulos de benefícios; • Rever princípio da gratuidade no setor público (educação e saúde, principalmente); • Limitar créditos subsidiados à agricultura familiar e reduzir subsídios à agricultura empresarial; • Subir alíquotas do SIMPLES (ou extinguir o regime) e do MEI, e aumentar tributos sobre instrumentos financeiros (LCI, LCA, etc), subir tributos de JCP e dividendos... 20 Reforma da Previdência é um dado, qualquer que seja a escolha, entre PEC do Teto ou alternativas
  • 21. POR QUE PRECISAMOS MUDAR ESSA REGRA DO JOGO? • Não parece sustentável financiar gastos em torno de 20% do PIB: a carga tributária precisa subir, deteriorando ainda mais a competitividade do país. • Não é possível atender novas demandas da sociedade, mantendo gastos ineficientes ou desalinhados às novas demandas da sociedade. • É preciso repensar a relação entre o Estado e a Economia: não é questão ideológica, mas de moral e de adequação à nova realidade. • Não é possível crescer de modo sustentável com os maiores juros do mundo 21
  • 22. IDEIA CENTRAL • É preciso mudar o regime fiscal- tributário-orçamentário brasileiro! –Romper a “ilusão da receita”. –Sem a noção de disciplina fiscal não daremos um salto nos fundamentos macroeconômicos. 22