SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Baixar para ler offline
II Simpósio sobre violência
contra Mulheres
Faceli-Março/2017
“A contribuição da equipe
multidisciplinar nas varas
da Violência Doméstica”
Thamires dos Santos Ratis
Assistente Social - TJES
Violência
 A violência é o uso intencional de força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si
próprio, contra outra pessoa, ou contra um grupo ou uma comunidade que resulte ou
tenha possibilidade de resultar em lesão, morte, dano psicológico, deficiência de
desenvolvimento ou privação (OMS, 2002).
 Tipos: Autoinfligida, Interpessoal ou Coletiva.
 Quanto à natureza: Física, psicológica/moral, sexual, negligência, Econômica/
Financeira/ Patrimonial e institucional.
Violência Doméstica como questão de
Gênero
 A violência doméstica e familiar é a espécie de violência contra a mulher que ocorre,
predominantemente, no âmbito doméstico e/ou familiar.
 Decorre da desigualdade nas relações de poder entre homens e mulheres, bem como da
discriminação de gênero ainda presente tanto na sociedade como na família
(CAVALCANTI, 2009).
 Sua origem no Brasil está relacionada à formação patriarcal, sexista, homofóbica,
intolerante e escravista-capitalista herdada da coroa portuguesa.
Feminilidade e Masculinidade
Feminilidade - é o conjunto de ideias que se costuma atribuir às mulheres por pertencerem
ao sexo feminino, e nisso podemos incluir a passividade, a sensibilidade, a compreensão, a
delicadeza etc.
Masculinidade - reúne características em torno dos homens, que se justificariam pelo fato
de pertencerem ao sexo masculino, como a agressividade, dominação, insensibilidade etc.
 Ser homem é ser violento?
 Masculinidade e Machismo são sinônimos?
Porque falar sobre violência contra a mulher?
Segundo a pesquisa “Violência contra a mulher: o jovem está ligado?” (Data
Popular/Instituto Avon, 2014):
• um terço das mulheres já foi xingada ou impedida de usar determinada roupa;
• 40% declaram que o parceiro tentou controlá-las por meio de ligações telefônicas para
saber onde e com quem estavam;
• 53% das jovens já tiveram mensagens ou ligações no celular vasculhadas;
• Uma em cada três jovens também já foi proibida de conversar virtualmente com
amigos, sofreu invasão da conta de alguma das redes sociais utilizadas e até mesmo
amizades virtuais foram excluídas pelo parceiro;
• 51% também declaram compartilhar a senha do celular, 46% fazem o mesmo com a
chave de acesso às contas de Facebook e 34% já repassaram os caracteres de
identificação de seus e-mails pessoais em um relacionamento;
• 37% das jovens que responderam à pesquisa também afirmam ter tido relação sexual
sem preservativo por insistência do parceiro, o que ajuda a explicar o crescimento da
contaminação pelo HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis entre jovens;
• 51% já sofreram ameaças, foram seguidas pelo ex, ou este ficou enviando mensagens
ou ainda espalhando boatos sobre a mulher;
• Quase metade das entrevistas declararam que tiveram que tomar alguma atitude para
cortar contato com o ex, incluindo deixar de frequentar lugares onde iam regularmente,
mudar o número do celular, parar de usar redes sociais e até mesmo mudar de telefone
residencial ou endereço ou local de trabalho. Apenas 2% declaram ter registrado
boletim de ocorrência.
Segundo o Mapa da Violência 2015 – Homicídio de Mulheres (produzido pela Flacso -
Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais):
• A taxa de homicídios contra mulheres no Brasil aumentou 8,8% entre 2003 e 2013.
Entre 1980 e 2013 foram assassinadas 106.093 mulheres, 4.762 só em 2013.
• 50,3% das mortes violentas de mulheres no Brasil são cometidas por familiares. Desse
total, 33,2% são parceiros ou ex-parceiros.
• No período estudado, em média, 11 mulheres foram assassinadas no Brasil todos os
dias. Mais da metade delas, 55%, eram negras.
O Brasil é o quinto país mais violento para mulheres em um ranking de 83 nações que
usa dados da OMS (Organização Mundial de Saúde)
Meios utilizados (%) nos homicídios, por sexo. Brasil. 2013
Local da agressão (%), por sexo. Brasil. 2013
Meio/instrumento Fem. Masc.
Estrangulamento/sufocação 6,1 1,1
Arma de Fogo 48,8 73,2
Cortante/penetrante 25,3 14,9
Objeto contundente 8,0 5,1
Outros 11,8 5,7
Total 100,0 100,0
Local Fem. Masc.
Estabelecimento saúde 25,2 26,1
Domicílio 27,1 10,1
Via pública 31,2 48,2
Outros 15,7 15,0
Ignorado 0,8 0,7
Total 100,0 100,0
Espírito Santo
 Entre 2003 e 2013, o número de vítimas do sexo feminino passou de 3.937 para 4.762,
incremento de 21,0% na década. Essas 4.762 mortes em 2013 representam 13
homicídios femininos diários.
 No ordenamento dos 100 municípios com mais de 10.000 habitantes do sexo feminino,
com as maiores taxas médias de homicídio de mulheres (por 100 mil). Brasil. 2009-
2013, Pinheiros aparece em 11º lugar, a Serra em 14º lugar e Linhares em 42º.
 Espírito Santo está entre as unidades da federação com maiores taxas de homicídios de
negras.
Comparação das taxas de homicídio de mulheres (por 100 mil) nas UFs e em suas
respectivas capitais. Brasil. 2013
UF TAXA POSIÇÃO CAPITAL TAXA POSIÇÃO
ES 9,3 2º VITÓRIA 11,8 1º
Lei Maria da Penha
A Lei 11.340/06, ou Lei Maria da Penha, cria mecanismos para coibir a Violência
Doméstica e Familiar contra a Mulher. Trata-se de uma normativa que traz no seu bojo a
questão da relação de gênero. A referida lei foi criada na busca de respostas para o
enfrentamento da violência que atinge não só as mulheres, mas também crianças,
adolescentes. Foi fruto de lutas da sociedade e movimentos sociais, especialmente o
movimento feminista.
 O conceito de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, está expresso em seu
artigo 5°, que a define como qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause
morte, lesão, sofrimento físico, sexual, ou psicológico e dano moral ou patrimonial.
 Ressalta-se que para configurar Violência Doméstica a situação baseada na relação de
gênero deve ocorrer nas hipóteses contidas nos incisos I, II e III do referido artigo,
descritas a seguir:
I - no âmbito da unidade doméstica, compreendida como o espaço de
convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as
esporadicamente agregadas;
II - no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada por
indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais,
por afinidade ou por vontade expressa;
III - em qualquer relação íntima de afeto, na qual o agressor conviva ou tenha
convivido com a ofendida, independentemente de coabitação.
 No parágrafo único do mesmo artigo coloca-se que essas relações pessoais independem
de orientação sexual, o que demonstra grande avanço na legislação a garantir a
aplicabilidade da Lei em casos envolvendo homossexuais, lésbicas e transexuais.
A violência aconteceu e agora?
Para denunciar a violência deve-se procurar as delegacias ou o Ministério Público de sua
cidade.
 Os artigos 10, 11 e 12 da Lei n. 11.340/06 estabelecem as providências que devem ser
adotadas pela autoridade policial.
Medidas protetivas e de urgência:
Medidas protetivas de urgência relativas ao agressor (art.22):
 Exemplos: Afastamento do lar, proibição de contato ou aproximação com a ofendida,
prestação de alimentos aos filhos.
Medidas Protetivas de urgência aplicadas à ofendida (art. 23):
 Exemplos: Encaminhamento da ofendida a programas de proteção ou atendimento;
pedido de separação de corpos.
Medidas de proteção ao patrimônio da ofendida (art. 24):
 Exemplos: Restituição de bens indevidamente subtraídos; suspensão de procurações
conferidas pela ofendida ao agressor.
TÍTULO V
DA EQUIPE DE ATENDIMENTO MULTIDISCIPLINAR
Art. 29. Os Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher que vierem a ser
criados poderão contar com uma equipe de atendimento multidisciplinar, a ser integrada
por profissionais especializados nas áreas psicossocial, jurídica e de saúde.
Art. 30. Compete à equipe de atendimento multidisciplinar, entre outras atribuições que
lhe forem reservadas pela legislação local, fornecer subsídios por escrito ao juiz, ao
Ministério Público e à Defensoria Pública, mediante laudos ou verbalmente em audiência, e
desenvolver trabalhos de orientação, encaminhamento, prevenção e outras medidas,
voltados para a ofendida, o agressor e os familiares, com especial atenção às crianças e aos
adolescentes.
As Centrais de Apoio Multidisciplinar
 Centrais de Apoio Multidisciplinar das Zonas Judiciárias são formadas por profissionais
de Serviço Social e Psicologia para atenderem demandas oriundas das Varas de Família
e das Varas Especializadas em Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e no
interior do Estado, também, as demandas das Varas da Infância e da Juventude.
 As centrais de apoio multidisciplinar - CAM surgem no sentido de dar celeridade ao
atendimento das questões referentes à família e a violência doméstica, imprimindo
maior qualidade aos serviços prestados pelos (as) profissionais de Serviço social e
psicologia, na perspectiva de ampliação do acesso à justiça.
DAATRIBUIÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA
Assistente social
 Atender determinações judiciais relativas à prática do Serviço Social, em conformidade
com a legislação que regulamenta a profissão e o Código de Ética Profissional.
 Realizar estudo social ou perícia social, com a finalidade de subsidiar ou assessorar a
autoridade judiciária no conhecimento dos aspectos socioeconômicos, culturais,
interpessoais, familiares, institucionais e comunitários, sendo assegurada a livre
manifestação do ponto de vista técnico.
 Emitir laudos técnicos, pareceres e resposta a quesitos, por escrito ou verbalmente em
audiências;
 Atender crianças, adolescentes e adultos envolvidos nos processos, bem como os
encaminhar, quando necessário, para atendimento especializado, na rede pública
ou privada existente;
 Prestar informações aos usuários sobre o atendimento específico realizado pelo Juizado
Especial de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher,
orientando e procedendo os devidos encaminhamentos
 Realizar atendimento social às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, bem
como aos agressores, no decorrer dos trâmites processuais;
DA ATRIBUIÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA
Psicologia
 Proceder a avaliação de crianças, adolescentes e adultos, elaborando o estudo
psicológico, com a finalidade de subsidiar ou assessorar a autoridade judiciária no
conhecimento dos aspectos psicológicos de sua vida familiar, institucional e
comunitária, para que o magistrado possa decidir e ordenar as medidas cabíveis;
 Exercer atividades no campo da psicologia jurídica, realizando entrevistas psicológicas,
individuais, em grupo, de casal e família, além de devolutivas; aplicar técnicas
psicométricas e projetivas, observação lúdica de crianças, crianças/pais, para
compreender e analisar a problemática apresentada, elaborando um prognóstico; propor
procedimentos a serem aplicados;
 Aplicar técnicas de orientação, aconselhamento individual, casal e de família;
 Fornecer subsídios por escrito (em processo judicial) ou verbalmente (em audiência),
emitir laudos, pareceres e responder a quesitos;
 Desenvolver um trabalho de prevenção e controle da violência intra e extra familiar,
institucional contra crianças e adolescentes e mulheres vítimas de violência;
Matérias atendidas pela CAM
 colocação em família substituta; suspensão e extinção do poder familiar; habilitação para
adoção;
 destituição de tutela;
 pedido de guarda e responsabilidade; pedidos de modificação de guarda; regulamentação e
revisional de visitas; busca e apreensão;
 divórcio; reconhecimento e dissolução da união estável; revisão de alimentos;
 alienação parental
 pedidos de interdição cumulado com pedido de nomeação de curador; remoção de
dispensa de curador;
 Internação compulsória;
 medida protetiva- Lei Maria da Penha;
 ação penal- Lei Maria da Penha
A Rede de Proteção à mulher em situação
de violência
 Para atuar no enfrentamento a violência doméstica, as palavras de ordem são
articulação e trabalho em rede, no sentido de trabalhar com uma política pública que
englobe prevenção, assistência e atendimento às vítimas de violência. As consequências
das situações de violência vividas por mulheres, crianças e adolescentes geram grandes
impactos na saúde pública e demais políticas sociais.
Rede de proteção
 Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (DEAMs);
 Juizados/Varas especializadas;
 Casas-Abrigo;
 Centros de Referência de Atendimento à Mulher;
 Órgãos da Defensoria Pública
 Serviços de saúde;
 Equipamentos de Assistência social;
 Escolas;
Ônibus Rosa - Juizado Itinerante da Lei
Maria da Penha
 Iniciativa da Coordenadoria de Enfrentamento à Violência Doméstica contra a Mulher
do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES), em parceria com órgãos e
entidades públicas;
 Início dos trabalhos em 2013;
 Visa principalmente alcançar os municípios onde não existem Varas Especializadas em
Violência Doméstica;
Botão do Pânico
 O projeto é uma iniciativa do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, por meio da
Coordenadoria de Violência Doméstica e Familiar, em parceria com a Prefeitura
Municipal de Vitória e o Instituto Nacional de Tecnologia Preventiva (INTP).
 O dispositivo, que funciona por GPS, permite que a mulher emita um alerta quando o
agressor se aproxima. O áudio de toda a ameaça começa a ser gravado e a central de
monitoramento da prefeitura recebe o chamado com o endereço e os dados do agressor.
Imediatamente a Patrulha Maria da Penha – que ganhou o nome em homenagem à
mulher que batizou a lei – é enviada ao local.
 O dispositivo de segurança que ajuda a proteger mulheres vítimas de violência
doméstica foi implantado originalmente em Vitória, em 2013 e já está sendo adotado
em outras cidades do Brasil.
Ligue 180
 O Ligue 180 foi criado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da
República (SPM-PR), em 2005, para servir de canal direto de orientação sobre direitos
e serviços públicos para a população feminina em todo o país (a ligação é gratuita).
 Ele é a porta principal de acesso aos serviços que integram a rede nacional de
enfrentamento à violência contra a mulher, sob amparo da Lei Maria da Penha, e base
de dados privilegiada para a formulação das políticas do governo federal nessa área.
 Em março de 2014, o Ligue 180 transformou-se em disque-denúncia, com capacidade
de envio de denúncias para a Segurança Pública com cópia para o Ministério Público de
cada estado.
Equipe multidisciplinar no combate à violência doméstica
Equipe multidisciplinar no combate à violência doméstica
Equipe multidisciplinar no combate à violência doméstica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Violencia Domestica contra a Mulher - Lei Maria da Penha
Violencia Domestica contra a Mulher - Lei Maria da PenhaViolencia Domestica contra a Mulher - Lei Maria da Penha
Violencia Domestica contra a Mulher - Lei Maria da PenhaGizele Lopes
 
Cartilha maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpf
Cartilha maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpfCartilha maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpf
Cartilha maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpfSilvana Eloisa
 
Dados da Violência Contra a Mulher (1)
Dados da Violência Contra a Mulher (1)Dados da Violência Contra a Mulher (1)
Dados da Violência Contra a Mulher (1)Conceição Amorim
 
Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulherMaira Conde
 
Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Silvio Candido
 
Violência contra mulher landrea
Violência contra mulher landreaViolência contra mulher landrea
Violência contra mulher landrea-
 
Lei Maria da Penha e seus efeitos.
Lei Maria da Penha e seus efeitos.Lei Maria da Penha e seus efeitos.
Lei Maria da Penha e seus efeitos.Julia Evellin
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaFETAEP
 
ONU Mulheres - Quebre Esse Ciclo - Lei Maria da Penha
ONU Mulheres - Quebre Esse Ciclo - Lei Maria da PenhaONU Mulheres - Quebre Esse Ciclo - Lei Maria da Penha
ONU Mulheres - Quebre Esse Ciclo - Lei Maria da PenhaUNIFEM Brasil
 
Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulherulissesporto
 
violencia contra a mulher by:ryan
violencia contra a mulher by:ryanviolencia contra a mulher by:ryan
violencia contra a mulher by:ryanRyan Mateus
 
Ana discute violência contra à mulher na Câmara de Boquim
 Ana discute violência contra à mulher na Câmara de Boquim  Ana discute violência contra à mulher na Câmara de Boquim
Ana discute violência contra à mulher na Câmara de Boquim Ana Lucia Vieira
 
Violência contra a mulher e poder público cpi2
Violência contra a mulher e poder público   cpi2Violência contra a mulher e poder público   cpi2
Violência contra a mulher e poder público cpi2081262
 
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulherAula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulherIsabela Espíndola
 

Mais procurados (20)

Violencia contra mulher
Violencia contra mulherViolencia contra mulher
Violencia contra mulher
 
Violencia Domestica contra a Mulher - Lei Maria da Penha
Violencia Domestica contra a Mulher - Lei Maria da PenhaViolencia Domestica contra a Mulher - Lei Maria da Penha
Violencia Domestica contra a Mulher - Lei Maria da Penha
 
Cartilha maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpf
Cartilha maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpfCartilha maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpf
Cartilha maria-da-penha-e-direitos-da-mulher-pfdc-mpf
 
Lei maria-da-penha
Lei maria-da-penhaLei maria-da-penha
Lei maria-da-penha
 
Dados da Violência Contra a Mulher (1)
Dados da Violência Contra a Mulher (1)Dados da Violência Contra a Mulher (1)
Dados da Violência Contra a Mulher (1)
 
Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulher
 
Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11Lei maria da penha (11
Lei maria da penha (11
 
Violência contra mulher landrea
Violência contra mulher landreaViolência contra mulher landrea
Violência contra mulher landrea
 
Lei Maria da Penha e seus efeitos.
Lei Maria da Penha e seus efeitos.Lei Maria da Penha e seus efeitos.
Lei Maria da Penha e seus efeitos.
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
ONU Mulheres - Quebre Esse Ciclo - Lei Maria da Penha
ONU Mulheres - Quebre Esse Ciclo - Lei Maria da PenhaONU Mulheres - Quebre Esse Ciclo - Lei Maria da Penha
ONU Mulheres - Quebre Esse Ciclo - Lei Maria da Penha
 
Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulher
 
violencia contra a mulher by:ryan
violencia contra a mulher by:ryanviolencia contra a mulher by:ryan
violencia contra a mulher by:ryan
 
Ana discute violência contra à mulher na Câmara de Boquim
 Ana discute violência contra à mulher na Câmara de Boquim  Ana discute violência contra à mulher na Câmara de Boquim
Ana discute violência contra à mulher na Câmara de Boquim
 
Violência – lei maria da pena – 10 anos.
Violência – lei maria da pena – 10 anos.Violência – lei maria da pena – 10 anos.
Violência – lei maria da pena – 10 anos.
 
Violência contra a mulher e poder público cpi2
Violência contra a mulher e poder público   cpi2Violência contra a mulher e poder público   cpi2
Violência contra a mulher e poder público cpi2
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
Lei Maria Da Penha
Lei Maria Da PenhaLei Maria Da Penha
Lei Maria Da Penha
 
Lei Maria da Penha
Lei Maria da PenhaLei Maria da Penha
Lei Maria da Penha
 
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulherAula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
Aula 15 - Feminicídio: a violência contra a mulher
 

Destaque

Edwin barbosa duarte_actividad1_2_mapac
Edwin barbosa duarte_actividad1_2_mapacEdwin barbosa duarte_actividad1_2_mapac
Edwin barbosa duarte_actividad1_2_mapacEdwin Barbosa Duarte
 
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9Jordano Santos Cerqueira
 
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptualOlga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptualolgaa maria benjumea ospina
 
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptualOlga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptualolgaa maria benjumea ospina
 
Asnani ramlie
Asnani ramlieAsnani ramlie
Asnani ramlieUmi Nanie
 
Sandra cárdenas actividad1_2_mapac
Sandra cárdenas actividad1_2_mapacSandra cárdenas actividad1_2_mapac
Sandra cárdenas actividad1_2_mapacSandra Cruz
 
La gestión de proyectos
La gestión de proyectosLa gestión de proyectos
La gestión de proyectosOmaira Diaz
 
Computer science &engineering
Computer science &engineeringComputer science &engineering
Computer science &engineeringSiya Lee
 
생분해성멀칭기술(Biodegradable polymer mulching Tech)
생분해성멀칭기술(Biodegradable polymer mulching Tech)생분해성멀칭기술(Biodegradable polymer mulching Tech)
생분해성멀칭기술(Biodegradable polymer mulching Tech)근우 정
 
(문헌정보 활용을 통한)연구정보 수집 및 분석 가이드, Research Information Analysis
(문헌정보 활용을 통한)연구정보 수집 및 분석 가이드, Research Information Analysis(문헌정보 활용을 통한)연구정보 수집 및 분석 가이드, Research Information Analysis
(문헌정보 활용을 통한)연구정보 수집 및 분석 가이드, Research Information AnalysisYoungcheol Lee
 
Mobile Application Developer
Mobile Application DeveloperMobile Application Developer
Mobile Application DeveloperEr. Amreesh Kumar
 
Web of Science
Web of ScienceWeb of Science
Web of Sciencekhbong
 
Different organs of insect
Different organs of insectDifferent organs of insect
Different organs of insectMD ASIQUR RAHMAN
 
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 05 - Prescrição
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 05 - PrescriçãoFACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 05 - Prescrição
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 05 - PrescriçãoJordano Santos Cerqueira
 
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 04 - Medida de Segurança
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 04 - Medida de SegurançaFACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 04 - Medida de Segurança
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 04 - Medida de SegurançaJordano Santos Cerqueira
 
What is the Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship & Why Is it So Awesome?
What is the Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship & Why Is it So Awesome?What is the Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship & Why Is it So Awesome?
What is the Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship & Why Is it So Awesome?Massachusetts Institute of Technology
 
[214] data science with apache zeppelin
[214] data science with apache zeppelin[214] data science with apache zeppelin
[214] data science with apache zeppelinNAVER D2
 
How to give final year project presentation?
How to give final year project presentation?How to give final year project presentation?
How to give final year project presentation?Praveen Hanchinal
 
[FAST CAMPUS] 1강 data science overview
[FAST CAMPUS] 1강 data science overview [FAST CAMPUS] 1강 data science overview
[FAST CAMPUS] 1강 data science overview chanyoonkim
 
PowerPoint demo samples
PowerPoint demo samplesPowerPoint demo samples
PowerPoint demo samplesCheryl Yiatras
 

Destaque (20)

Edwin barbosa duarte_actividad1_2_mapac
Edwin barbosa duarte_actividad1_2_mapacEdwin barbosa duarte_actividad1_2_mapac
Edwin barbosa duarte_actividad1_2_mapac
 
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
TCC 1: PROJETO DE PESQUISA (Aulas de revisão) aulas 6, 7, 8, 9
 
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptualOlga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
 
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptualOlga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
Olga maria benjumea actividad1 2_mapa conceptual
 
Asnani ramlie
Asnani ramlieAsnani ramlie
Asnani ramlie
 
Sandra cárdenas actividad1_2_mapac
Sandra cárdenas actividad1_2_mapacSandra cárdenas actividad1_2_mapac
Sandra cárdenas actividad1_2_mapac
 
La gestión de proyectos
La gestión de proyectosLa gestión de proyectos
La gestión de proyectos
 
Computer science &engineering
Computer science &engineeringComputer science &engineering
Computer science &engineering
 
생분해성멀칭기술(Biodegradable polymer mulching Tech)
생분해성멀칭기술(Biodegradable polymer mulching Tech)생분해성멀칭기술(Biodegradable polymer mulching Tech)
생분해성멀칭기술(Biodegradable polymer mulching Tech)
 
(문헌정보 활용을 통한)연구정보 수집 및 분석 가이드, Research Information Analysis
(문헌정보 활용을 통한)연구정보 수집 및 분석 가이드, Research Information Analysis(문헌정보 활용을 통한)연구정보 수집 및 분석 가이드, Research Information Analysis
(문헌정보 활용을 통한)연구정보 수집 및 분석 가이드, Research Information Analysis
 
Mobile Application Developer
Mobile Application DeveloperMobile Application Developer
Mobile Application Developer
 
Web of Science
Web of ScienceWeb of Science
Web of Science
 
Different organs of insect
Different organs of insectDifferent organs of insect
Different organs of insect
 
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 05 - Prescrição
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 05 - PrescriçãoFACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 05 - Prescrição
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 05 - Prescrição
 
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 04 - Medida de Segurança
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 04 - Medida de SegurançaFACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 04 - Medida de Segurança
FACELI - D4 - Paulo Braga - Direito Penal II - Aula 04 - Medida de Segurança
 
What is the Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship & Why Is it So Awesome?
What is the Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship & Why Is it So Awesome?What is the Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship & Why Is it So Awesome?
What is the Martin Trust Center for MIT Entrepreneurship & Why Is it So Awesome?
 
[214] data science with apache zeppelin
[214] data science with apache zeppelin[214] data science with apache zeppelin
[214] data science with apache zeppelin
 
How to give final year project presentation?
How to give final year project presentation?How to give final year project presentation?
How to give final year project presentation?
 
[FAST CAMPUS] 1강 data science overview
[FAST CAMPUS] 1강 data science overview [FAST CAMPUS] 1강 data science overview
[FAST CAMPUS] 1강 data science overview
 
PowerPoint demo samples
PowerPoint demo samplesPowerPoint demo samples
PowerPoint demo samples
 

Semelhante a Equipe multidisciplinar no combate à violência doméstica

Trabalho de geografia parte 1 violencia domestica
Trabalho de geografia parte 1 violencia domesticaTrabalho de geografia parte 1 violencia domestica
Trabalho de geografia parte 1 violencia domesticaFelipe Feliciano
 
A violência doméstica contra crianças e adolescentes
A violência doméstica contra crianças e adolescentesA violência doméstica contra crianças e adolescentes
A violência doméstica contra crianças e adolescentesfranciscacoco
 
Diversidade, cultura e direitos
Diversidade, cultura e direitosDiversidade, cultura e direitos
Diversidade, cultura e direitosAndréa Kochhann
 
Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulherFabio Cruz
 
Cartilha violência doméstica perguntas e respostas
Cartilha violência doméstica   perguntas e respostasCartilha violência doméstica   perguntas e respostas
Cartilha violência doméstica perguntas e respostasJosé Soares
 
PL 573/16 - Propõe cota para mulheres vítimas de violência doméstica nos prog...
PL 573/16 - Propõe cota para mulheres vítimas de violência doméstica nos prog...PL 573/16 - Propõe cota para mulheres vítimas de violência doméstica nos prog...
PL 573/16 - Propõe cota para mulheres vítimas de violência doméstica nos prog...Márcia Lia
 
Violência sexual infantil
Violência sexual infantilViolência sexual infantil
Violência sexual infantilEmanuel Oliveira
 
A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NA VIDA E NO TRABALHO
A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NA VIDA E NO TRABALHOA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NA VIDA E NO TRABALHO
A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NA VIDA E NO TRABALHOrafaelacushman21
 
Livreto sobre violência contra a mulher
Livreto sobre violência contra a mulherLivreto sobre violência contra a mulher
Livreto sobre violência contra a mulherPaulo Cesar Almeida
 
Livreto sobre violência contra a mulher
Livreto sobre violência contra a mulherLivreto sobre violência contra a mulher
Livreto sobre violência contra a mulherGerhard Brêda
 

Semelhante a Equipe multidisciplinar no combate à violência doméstica (20)

Trabalho de geografia parte 1 violencia domestica
Trabalho de geografia parte 1 violencia domesticaTrabalho de geografia parte 1 violencia domestica
Trabalho de geografia parte 1 violencia domestica
 
A violência doméstica contra crianças e adolescentes
A violência doméstica contra crianças e adolescentesA violência doméstica contra crianças e adolescentes
A violência doméstica contra crianças e adolescentes
 
Diversidade, cultura e direitos
Diversidade, cultura e direitosDiversidade, cultura e direitos
Diversidade, cultura e direitos
 
Violência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.dViolência contra a mulher.d
Violência contra a mulher.d
 
Diga não a violência!
Diga não a violência!Diga não a violência!
Diga não a violência!
 
Palestra crimes sexuais ilheus
Palestra crimes sexuais ilheusPalestra crimes sexuais ilheus
Palestra crimes sexuais ilheus
 
Genero 06
Genero 06Genero 06
Genero 06
 
Violencia contra a mulher
Violencia contra a mulherViolencia contra a mulher
Violencia contra a mulher
 
Cartilha violência doméstica perguntas e respostas
Cartilha violência doméstica   perguntas e respostasCartilha violência doméstica   perguntas e respostas
Cartilha violência doméstica perguntas e respostas
 
PL 573/16 - Propõe cota para mulheres vítimas de violência doméstica nos prog...
PL 573/16 - Propõe cota para mulheres vítimas de violência doméstica nos prog...PL 573/16 - Propõe cota para mulheres vítimas de violência doméstica nos prog...
PL 573/16 - Propõe cota para mulheres vítimas de violência doméstica nos prog...
 
Violência sexual infantil
Violência sexual infantilViolência sexual infantil
Violência sexual infantil
 
Palestra imperatriz
Palestra imperatrizPalestra imperatriz
Palestra imperatriz
 
Aspectos processuais da lei maria da penha
Aspectos processuais da lei maria da penhaAspectos processuais da lei maria da penha
Aspectos processuais da lei maria da penha
 
Violência doméstica
Violência doméstica   Violência doméstica
Violência doméstica
 
A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NA VIDA E NO TRABALHO
A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NA VIDA E NO TRABALHOA VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NA VIDA E NO TRABALHO
A VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES NA VIDA E NO TRABALHO
 
Pdf lei maria da penha
Pdf lei maria da penhaPdf lei maria da penha
Pdf lei maria da penha
 
Nas entrelinhas da violência doméstica contra a mulher
Nas entrelinhas da violência doméstica contra a mulherNas entrelinhas da violência doméstica contra a mulher
Nas entrelinhas da violência doméstica contra a mulher
 
Livreto sobre violência contra a mulher
Livreto sobre violência contra a mulherLivreto sobre violência contra a mulher
Livreto sobre violência contra a mulher
 
Livreto sobre violência contra a mulher
Livreto sobre violência contra a mulherLivreto sobre violência contra a mulher
Livreto sobre violência contra a mulher
 
Estupro
Estupro Estupro
Estupro
 

Mais de Jordano Santos Cerqueira

2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGOJordano Santos Cerqueira
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminalJordano Santos Cerqueira
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoJordano Santos Cerqueira
 

Mais de Jordano Santos Cerqueira (20)

2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
2022. UBER: RECONHECIMENTO DO VÍNCULO DE EMPREGO
 
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
Projeto de Extensão 'Direito na Escola'
 
Processo penal ii
Processo penal iiProcesso penal ii
Processo penal ii
 
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
Processo penal 05   recursos - rev. criminalProcesso penal 05   recursos - rev. criminal
Processo penal 05 recursos - rev. criminal
 
Processo penal 03 procedimentos
Processo penal 03   procedimentosProcesso penal 03   procedimentos
Processo penal 03 procedimentos
 
Processo penal 01 avisos processuais
Processo penal 01   avisos processuaisProcesso penal 01   avisos processuais
Processo penal 01 avisos processuais
 
Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01Prática Jurídica 01
Prática Jurídica 01
 
Curso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte IICurso Oratória Aristotélica Parte II
Curso Oratória Aristotélica Parte II
 
Curso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte ICurso Oratória Aristotélica Parte I
Curso Oratória Aristotélica Parte I
 
Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2Direito Ambiental aula 2
Direito Ambiental aula 2
 
Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3Direito Ambiental aula 3
Direito Ambiental aula 3
 
Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1Direito Ambiental aula 1
Direito Ambiental aula 1
 
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de ConsumoDireito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
Direito do Consumidor Elementos da Relação Jurídica de Consumo
 
Direito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introduçãoDireito do Consumidor introdução
Direito do Consumidor introdução
 
Função Social da Propriedade
Função Social da PropriedadeFunção Social da Propriedade
Função Social da Propriedade
 
Direito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos BásicosDireito do Consumidor Direitos Básicos
Direito do Consumidor Direitos Básicos
 
Precedentes
PrecedentesPrecedentes
Precedentes
 
Internet
InternetInternet
Internet
 
Exercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinarioExercicio recurso extraordinario
Exercicio recurso extraordinario
 
Agravo interno
Agravo internoAgravo interno
Agravo interno
 

Último

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxrenatacolbeich1
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 

Último (20)

HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO5_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptxAULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
AULA 7 - REFORMA PROTESTANTE SIMPLES E BASICA.pptx
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 

Equipe multidisciplinar no combate à violência doméstica

  • 1. II Simpósio sobre violência contra Mulheres Faceli-Março/2017
  • 2. “A contribuição da equipe multidisciplinar nas varas da Violência Doméstica” Thamires dos Santos Ratis Assistente Social - TJES
  • 3. Violência  A violência é o uso intencional de força física ou do poder, real ou em ameaça, contra si próprio, contra outra pessoa, ou contra um grupo ou uma comunidade que resulte ou tenha possibilidade de resultar em lesão, morte, dano psicológico, deficiência de desenvolvimento ou privação (OMS, 2002).  Tipos: Autoinfligida, Interpessoal ou Coletiva.  Quanto à natureza: Física, psicológica/moral, sexual, negligência, Econômica/ Financeira/ Patrimonial e institucional.
  • 4. Violência Doméstica como questão de Gênero  A violência doméstica e familiar é a espécie de violência contra a mulher que ocorre, predominantemente, no âmbito doméstico e/ou familiar.  Decorre da desigualdade nas relações de poder entre homens e mulheres, bem como da discriminação de gênero ainda presente tanto na sociedade como na família (CAVALCANTI, 2009).  Sua origem no Brasil está relacionada à formação patriarcal, sexista, homofóbica, intolerante e escravista-capitalista herdada da coroa portuguesa.
  • 5. Feminilidade e Masculinidade Feminilidade - é o conjunto de ideias que se costuma atribuir às mulheres por pertencerem ao sexo feminino, e nisso podemos incluir a passividade, a sensibilidade, a compreensão, a delicadeza etc. Masculinidade - reúne características em torno dos homens, que se justificariam pelo fato de pertencerem ao sexo masculino, como a agressividade, dominação, insensibilidade etc.  Ser homem é ser violento?  Masculinidade e Machismo são sinônimos?
  • 6. Porque falar sobre violência contra a mulher? Segundo a pesquisa “Violência contra a mulher: o jovem está ligado?” (Data Popular/Instituto Avon, 2014): • um terço das mulheres já foi xingada ou impedida de usar determinada roupa; • 40% declaram que o parceiro tentou controlá-las por meio de ligações telefônicas para saber onde e com quem estavam; • 53% das jovens já tiveram mensagens ou ligações no celular vasculhadas; • Uma em cada três jovens também já foi proibida de conversar virtualmente com amigos, sofreu invasão da conta de alguma das redes sociais utilizadas e até mesmo amizades virtuais foram excluídas pelo parceiro;
  • 7. • 51% também declaram compartilhar a senha do celular, 46% fazem o mesmo com a chave de acesso às contas de Facebook e 34% já repassaram os caracteres de identificação de seus e-mails pessoais em um relacionamento; • 37% das jovens que responderam à pesquisa também afirmam ter tido relação sexual sem preservativo por insistência do parceiro, o que ajuda a explicar o crescimento da contaminação pelo HIV e outras doenças sexualmente transmissíveis entre jovens; • 51% já sofreram ameaças, foram seguidas pelo ex, ou este ficou enviando mensagens ou ainda espalhando boatos sobre a mulher; • Quase metade das entrevistas declararam que tiveram que tomar alguma atitude para cortar contato com o ex, incluindo deixar de frequentar lugares onde iam regularmente, mudar o número do celular, parar de usar redes sociais e até mesmo mudar de telefone residencial ou endereço ou local de trabalho. Apenas 2% declaram ter registrado boletim de ocorrência.
  • 8. Segundo o Mapa da Violência 2015 – Homicídio de Mulheres (produzido pela Flacso - Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais): • A taxa de homicídios contra mulheres no Brasil aumentou 8,8% entre 2003 e 2013. Entre 1980 e 2013 foram assassinadas 106.093 mulheres, 4.762 só em 2013. • 50,3% das mortes violentas de mulheres no Brasil são cometidas por familiares. Desse total, 33,2% são parceiros ou ex-parceiros. • No período estudado, em média, 11 mulheres foram assassinadas no Brasil todos os dias. Mais da metade delas, 55%, eram negras. O Brasil é o quinto país mais violento para mulheres em um ranking de 83 nações que usa dados da OMS (Organização Mundial de Saúde)
  • 9. Meios utilizados (%) nos homicídios, por sexo. Brasil. 2013 Local da agressão (%), por sexo. Brasil. 2013 Meio/instrumento Fem. Masc. Estrangulamento/sufocação 6,1 1,1 Arma de Fogo 48,8 73,2 Cortante/penetrante 25,3 14,9 Objeto contundente 8,0 5,1 Outros 11,8 5,7 Total 100,0 100,0 Local Fem. Masc. Estabelecimento saúde 25,2 26,1 Domicílio 27,1 10,1 Via pública 31,2 48,2 Outros 15,7 15,0 Ignorado 0,8 0,7 Total 100,0 100,0
  • 10. Espírito Santo  Entre 2003 e 2013, o número de vítimas do sexo feminino passou de 3.937 para 4.762, incremento de 21,0% na década. Essas 4.762 mortes em 2013 representam 13 homicídios femininos diários.  No ordenamento dos 100 municípios com mais de 10.000 habitantes do sexo feminino, com as maiores taxas médias de homicídio de mulheres (por 100 mil). Brasil. 2009- 2013, Pinheiros aparece em 11º lugar, a Serra em 14º lugar e Linhares em 42º.  Espírito Santo está entre as unidades da federação com maiores taxas de homicídios de negras. Comparação das taxas de homicídio de mulheres (por 100 mil) nas UFs e em suas respectivas capitais. Brasil. 2013 UF TAXA POSIÇÃO CAPITAL TAXA POSIÇÃO ES 9,3 2º VITÓRIA 11,8 1º
  • 11.
  • 12. Lei Maria da Penha A Lei 11.340/06, ou Lei Maria da Penha, cria mecanismos para coibir a Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher. Trata-se de uma normativa que traz no seu bojo a questão da relação de gênero. A referida lei foi criada na busca de respostas para o enfrentamento da violência que atinge não só as mulheres, mas também crianças, adolescentes. Foi fruto de lutas da sociedade e movimentos sociais, especialmente o movimento feminista.
  • 13.  O conceito de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, está expresso em seu artigo 5°, que a define como qualquer ação ou omissão baseada no gênero que lhe cause morte, lesão, sofrimento físico, sexual, ou psicológico e dano moral ou patrimonial.  Ressalta-se que para configurar Violência Doméstica a situação baseada na relação de gênero deve ocorrer nas hipóteses contidas nos incisos I, II e III do referido artigo, descritas a seguir: I - no âmbito da unidade doméstica, compreendida como o espaço de convívio permanente de pessoas, com ou sem vínculo familiar, inclusive as esporadicamente agregadas; II - no âmbito da família, compreendida como a comunidade formada por indivíduos que são ou se consideram aparentados, unidos por laços naturais, por afinidade ou por vontade expressa; III - em qualquer relação íntima de afeto, na qual o agressor conviva ou tenha convivido com a ofendida, independentemente de coabitação.  No parágrafo único do mesmo artigo coloca-se que essas relações pessoais independem de orientação sexual, o que demonstra grande avanço na legislação a garantir a aplicabilidade da Lei em casos envolvendo homossexuais, lésbicas e transexuais.
  • 14. A violência aconteceu e agora? Para denunciar a violência deve-se procurar as delegacias ou o Ministério Público de sua cidade.  Os artigos 10, 11 e 12 da Lei n. 11.340/06 estabelecem as providências que devem ser adotadas pela autoridade policial. Medidas protetivas e de urgência: Medidas protetivas de urgência relativas ao agressor (art.22):  Exemplos: Afastamento do lar, proibição de contato ou aproximação com a ofendida, prestação de alimentos aos filhos. Medidas Protetivas de urgência aplicadas à ofendida (art. 23):  Exemplos: Encaminhamento da ofendida a programas de proteção ou atendimento; pedido de separação de corpos. Medidas de proteção ao patrimônio da ofendida (art. 24):  Exemplos: Restituição de bens indevidamente subtraídos; suspensão de procurações conferidas pela ofendida ao agressor.
  • 15. TÍTULO V DA EQUIPE DE ATENDIMENTO MULTIDISCIPLINAR Art. 29. Os Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher que vierem a ser criados poderão contar com uma equipe de atendimento multidisciplinar, a ser integrada por profissionais especializados nas áreas psicossocial, jurídica e de saúde. Art. 30. Compete à equipe de atendimento multidisciplinar, entre outras atribuições que lhe forem reservadas pela legislação local, fornecer subsídios por escrito ao juiz, ao Ministério Público e à Defensoria Pública, mediante laudos ou verbalmente em audiência, e desenvolver trabalhos de orientação, encaminhamento, prevenção e outras medidas, voltados para a ofendida, o agressor e os familiares, com especial atenção às crianças e aos adolescentes.
  • 16. As Centrais de Apoio Multidisciplinar  Centrais de Apoio Multidisciplinar das Zonas Judiciárias são formadas por profissionais de Serviço Social e Psicologia para atenderem demandas oriundas das Varas de Família e das Varas Especializadas em Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e no interior do Estado, também, as demandas das Varas da Infância e da Juventude.  As centrais de apoio multidisciplinar - CAM surgem no sentido de dar celeridade ao atendimento das questões referentes à família e a violência doméstica, imprimindo maior qualidade aos serviços prestados pelos (as) profissionais de Serviço social e psicologia, na perspectiva de ampliação do acesso à justiça.
  • 17. DAATRIBUIÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA Assistente social  Atender determinações judiciais relativas à prática do Serviço Social, em conformidade com a legislação que regulamenta a profissão e o Código de Ética Profissional.  Realizar estudo social ou perícia social, com a finalidade de subsidiar ou assessorar a autoridade judiciária no conhecimento dos aspectos socioeconômicos, culturais, interpessoais, familiares, institucionais e comunitários, sendo assegurada a livre manifestação do ponto de vista técnico.  Emitir laudos técnicos, pareceres e resposta a quesitos, por escrito ou verbalmente em audiências;  Atender crianças, adolescentes e adultos envolvidos nos processos, bem como os encaminhar, quando necessário, para atendimento especializado, na rede pública ou privada existente;  Prestar informações aos usuários sobre o atendimento específico realizado pelo Juizado Especial de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher, orientando e procedendo os devidos encaminhamentos  Realizar atendimento social às mulheres vítimas de violência doméstica e familiar, bem como aos agressores, no decorrer dos trâmites processuais;
  • 18. DA ATRIBUIÇÃO DA EQUIPE TÉCNICA Psicologia  Proceder a avaliação de crianças, adolescentes e adultos, elaborando o estudo psicológico, com a finalidade de subsidiar ou assessorar a autoridade judiciária no conhecimento dos aspectos psicológicos de sua vida familiar, institucional e comunitária, para que o magistrado possa decidir e ordenar as medidas cabíveis;  Exercer atividades no campo da psicologia jurídica, realizando entrevistas psicológicas, individuais, em grupo, de casal e família, além de devolutivas; aplicar técnicas psicométricas e projetivas, observação lúdica de crianças, crianças/pais, para compreender e analisar a problemática apresentada, elaborando um prognóstico; propor procedimentos a serem aplicados;  Aplicar técnicas de orientação, aconselhamento individual, casal e de família;  Fornecer subsídios por escrito (em processo judicial) ou verbalmente (em audiência), emitir laudos, pareceres e responder a quesitos;  Desenvolver um trabalho de prevenção e controle da violência intra e extra familiar, institucional contra crianças e adolescentes e mulheres vítimas de violência;
  • 19. Matérias atendidas pela CAM  colocação em família substituta; suspensão e extinção do poder familiar; habilitação para adoção;  destituição de tutela;  pedido de guarda e responsabilidade; pedidos de modificação de guarda; regulamentação e revisional de visitas; busca e apreensão;  divórcio; reconhecimento e dissolução da união estável; revisão de alimentos;  alienação parental  pedidos de interdição cumulado com pedido de nomeação de curador; remoção de dispensa de curador;  Internação compulsória;  medida protetiva- Lei Maria da Penha;  ação penal- Lei Maria da Penha
  • 20. A Rede de Proteção à mulher em situação de violência  Para atuar no enfrentamento a violência doméstica, as palavras de ordem são articulação e trabalho em rede, no sentido de trabalhar com uma política pública que englobe prevenção, assistência e atendimento às vítimas de violência. As consequências das situações de violência vividas por mulheres, crianças e adolescentes geram grandes impactos na saúde pública e demais políticas sociais.
  • 21. Rede de proteção  Delegacias Especializadas no Atendimento à Mulher (DEAMs);  Juizados/Varas especializadas;  Casas-Abrigo;  Centros de Referência de Atendimento à Mulher;  Órgãos da Defensoria Pública  Serviços de saúde;  Equipamentos de Assistência social;  Escolas;
  • 22. Ônibus Rosa - Juizado Itinerante da Lei Maria da Penha  Iniciativa da Coordenadoria de Enfrentamento à Violência Doméstica contra a Mulher do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES), em parceria com órgãos e entidades públicas;  Início dos trabalhos em 2013;  Visa principalmente alcançar os municípios onde não existem Varas Especializadas em Violência Doméstica;
  • 23. Botão do Pânico  O projeto é uma iniciativa do Tribunal de Justiça do Espírito Santo, por meio da Coordenadoria de Violência Doméstica e Familiar, em parceria com a Prefeitura Municipal de Vitória e o Instituto Nacional de Tecnologia Preventiva (INTP).  O dispositivo, que funciona por GPS, permite que a mulher emita um alerta quando o agressor se aproxima. O áudio de toda a ameaça começa a ser gravado e a central de monitoramento da prefeitura recebe o chamado com o endereço e os dados do agressor. Imediatamente a Patrulha Maria da Penha – que ganhou o nome em homenagem à mulher que batizou a lei – é enviada ao local.  O dispositivo de segurança que ajuda a proteger mulheres vítimas de violência doméstica foi implantado originalmente em Vitória, em 2013 e já está sendo adotado em outras cidades do Brasil.
  • 24. Ligue 180  O Ligue 180 foi criado pela Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República (SPM-PR), em 2005, para servir de canal direto de orientação sobre direitos e serviços públicos para a população feminina em todo o país (a ligação é gratuita).  Ele é a porta principal de acesso aos serviços que integram a rede nacional de enfrentamento à violência contra a mulher, sob amparo da Lei Maria da Penha, e base de dados privilegiada para a formulação das políticas do governo federal nessa área.  Em março de 2014, o Ligue 180 transformou-se em disque-denúncia, com capacidade de envio de denúncias para a Segurança Pública com cópia para o Ministério Público de cada estado.