VIOLÊNCIA CONTRA A
MULHER, REFLEXOS
COTIDIANOSCOTIDIANOS
LÚCIA HELENA OCTAVIANO
ADVOGADA
Nossa cultura teima em diferenciar por papéis homens e
mulheres.
As mulheres, desde meninas, aprendem e ensinam o que
apre...
E aprendem a passar esses conceitos a filhos, irmãos,
companheiros. E então as mulheres vão se tornando, assim,
anjos da g...
A violência é todo e qualquer ato que resulte em
morte, sofrimento ou dano de natureza física,
sexual ou psicológica à pes...
A violência contra a mulher é algo inerente à condição do gênero, independente da
faixa etária.
Maiores agressores:
- De 0...
Em menos de um minuto várias agressões são cometidas contra as mulheres
brasileiras.
A cada...
•7 segundos: são dados tapa...
A mulher que sofre violência apresenta:
-Ambivalência;
- Fragilidade e impotência;
- Confusão mental;
- Baixa auto-estima;...
Violências cotidianas
Fora do âmbito doméstico, cotidianamente a mulher lida com violências
-Institucionais;
- Sociais;
- ...
O Atendimento Interdisciplinar: ampliando as possibilidades de
intervenção junto às vítimas de violência
-conceito de inte...
Metodologia básica do atendimento:
-Atendimento humanizado: a mulher como centro da atenção especializada
-Empoderamento: ...
ALGUMAS CONSIDERAÇÕES FINAIS...
Apesar da importância da luta diária pela aplicação da Lei Maria da Penha, a postura
inter...
AUTORA:
Lúcia Helena Octaviano: Advogada, Especialista em Gestão de Iniciativas Sociais
pela UFRJ, Especialista em Direito...
Violencia contra a mulher
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Violencia contra a mulher

456 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
456
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Violencia contra a mulher

  1. 1. VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, REFLEXOS COTIDIANOSCOTIDIANOS LÚCIA HELENA OCTAVIANO ADVOGADA
  2. 2. Nossa cultura teima em diferenciar por papéis homens e mulheres. As mulheres, desde meninas, aprendem e ensinam o que aprendem. Aprendem que só pode existir família e união duradoura, paz eAprendem que só pode existir família e união duradoura, paz e harmonia se elas forem boas. Aprendem também que "viver bem" é saber perdoar, é relevar sempre, é abrir mão, é não exigir nada para si, é cuidar sempre dos outros.
  3. 3. E aprendem a passar esses conceitos a filhos, irmãos, companheiros. E então as mulheres vão se tornando, assim, anjos da guarda, sempre protegendo, sempre se desculpando pelos outros, negando as brigas que acontecem, as disputas ferrenhas (onde devem ser sempre as perdedoras), as traições, os ciúmes, pois sabem que tudo isso poderia destruir a paz, a harmonia e a união na família (responsabilidade exclusivamente sua).sua). Para manter a paz entre os seus, muitas vezes, as mulheres se tornam cúmplices do mal feito: aprendem a esconder os "segredos" mais feios de cada um, os vícios do parceiro ou parceira, dos filhos, dos pais; a mascarar os maus-tratos, as humilhações que recebem; a justificar os abandonos de que são vítimas para que sua família continue existindo, apesar dos pesares.
  4. 4. A violência é todo e qualquer ato que resulte em morte, sofrimento ou dano de natureza física, sexual ou psicológica à pessoa. A violência contra a mulher pode ser... Física Psicológica Sexual Social
  5. 5. A violência contra a mulher é algo inerente à condição do gênero, independente da faixa etária. Maiores agressores: - De 0 a 9 anos, pais e mães- De 0 a 9 anos, pais e mães - De 19 a 59, companheiros - Acima de 60 anos, filhos e familiares
  6. 6. Em menos de um minuto várias agressões são cometidas contra as mulheres brasileiras. A cada... •7 segundos: são dados tapas e empurrões; •8 segundos: mulheres sofrem queimaduras dentro de casa; •12 segundos: acontece uma ameaça de espancamento; •15 segundos: existe uma mulher trancada dentro de casa, impedida de sair; •15 segundos: acontecem espancamentos; •20 segundos: mulheres têm sua integridade física ameaçada por armas de fogo.
  7. 7. A mulher que sofre violência apresenta: -Ambivalência; - Fragilidade e impotência; - Confusão mental; - Baixa auto-estima; - Retração / ansiedade; - Hostilidade. → Um problema complexo para o qual concorrem múltiplas variáveis, assim os múltiplos olhares das diversas ciências: a antropologia, o direito, as ciências sociais, a psicologia, o serviço social....
  8. 8. Violências cotidianas Fora do âmbito doméstico, cotidianamente a mulher lida com violências -Institucionais; - Sociais; - No trabalho É necessária a mudança de paradigmas sociais, enquanto nossa sociedade continuar a repassar conceitos patriarcais, violências cotidianas serão aceitas e replicadas.
  9. 9. O Atendimento Interdisciplinar: ampliando as possibilidades de intervenção junto às vítimas de violência -conceito de interdisciplinaridade como ponto fundamental para o rompimento com as fronteiras individualistas, o que permite sair do contexto pré-estabelecido das técnicas e intervenções prontas; -o contexto da violência tem a necessidade de diferentes olhares sobre um mesmo problema, abrindo, dessa maneira, um leque de possibilidades de intervenções queproblema, abrindo, dessa maneira, um leque de possibilidades de intervenções que poderá gerar indagações, provocações e mudanças de pequeno e de grande porte dentro do contexto familiar, institucional, público e privado; -o trabalho interdisciplinar permite que as mulheres percebam que tem a atenção e a preocupação de diversas profissionais de áreas do conhecimento diversas; - a equipe interdisciplinar de atendimento é um time formado por diversas pessoas com saberes e personalidades diferentes, com o mesmo foco de trabalho, qual seja, amenizar e combater os impactos da violência intrafamiliar e de gênero.
  10. 10. Metodologia básica do atendimento: -Atendimento humanizado: a mulher como centro da atenção especializada -Empoderamento: a força interna da mudança -Respeito ao tempo próprio de cada mulher
  11. 11. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES FINAIS... Apesar da importância da luta diária pela aplicação da Lei Maria da Penha, a postura interna da mulher é muito mais válida do que o resultado de eventual processo criminal contra o agressor. É dentro de si que a mulher carrega o fortalecimento interno que a fará quebrar concretamente o ciclo da violência. É importante acreditar. É importante lutar. É essencial a mulher se orgulhar da própria VIDA!
  12. 12. AUTORA: Lúcia Helena Octaviano: Advogada, Especialista em Gestão de Iniciativas Sociais pela UFRJ, Especialista em Direito Constitucional pela PUC Campinas, Voluntária da ONG SOS Ação Mulher e Família. E-mail: luciaoctaviano@globo.com Visite nosso site: www.sosmulherefamilia.org.br Email: samulher@feac.org.br Telefone: (19) 32321544

×